SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO
Educação Física - Licenciatura - 1º Semestre
CELIOMAR FERREIRA DA SILVA
PARADIGMAS EDUCACIONAIS NO CONTEXTO DA
EDUCAÇÃO ESPECIAL BRASILEIRA
Bom Jesus da Lapa
12/05/2015
1
CELIOMAR FERREIRA DA SILVA
PARADIGMAS EDUCACIONAIS NO CONTEXTO DA
EDUCAÇÃO ESPECIAL BRASILEIRA
Trabalho apresentado ao Curso Educação Física Licenciatura da
UNOPAR - Universidade Norte do Paraná, para a disciplina
Sociedade Educação e Cultura.
Prof. Wilson Sanches
Bom Jesus da Lapa
12/05/2015
2
Sumário
1. Introdução...................................................................................................................................04
2. Desenvolvimento........................................................................................................................05
3. Considerações finais...................................................................................................................08
4. Referencias.................................................................................................................................09
3
Introdução
A educação inclusiva pode ser concebida como a capacidade de acolher a todos
independentemente de suas condições, possibilita a revisão de nossas praticas, para assim,
construir a escola da diversidade. Relevantes para o momento que estamos vivenciando a
inclusão possibilita a interação e a integração dos alunos especiais, gerando assim benefício para
todo o grupo, pois a convivência entre eles permite a ampliação de valores e o reconhecimento de
que cada um tem suas particularidades, desenvolvimento e uma percepção de igualdade. O
processo inclusivo não é um fim em si mesmo, é um trabalho coletivo, continuo interativo e
cooperativo, abrindo possibilidade de compartilhar experiências. Trata-se de um desafio formar
professores e conscientizar a sociedade para que todos possam ser acolhidos pela instituição de
ensino, combatendo a exclusão e reafirmando o compromisso com uma política de educação
inclusiva.
Ao reconhecer que as dificuldades enfrentadas nos sistemas de ensino evidenciam a
necessidade de confrontar as práticas discriminatórias e criar alternativas para superá-las, a
educação inclusiva assume espaço central no debate acerca da sociedade contemporânea e do
papel da escola na superação da lógica da exclusão.
4
Desenvolvimento
O conceito de educação inclusiva surgiu a partir de 1994, com a Declaração de
Salamanca. A ideia é que as crianças com necessidades educativas especiais sejam incluídas em
escolas de ensino regular. O objetivo da inclusão demonstra uma evolução da cultura ocidental,
defendendo que nenhuma criança deve ser separada das outras por apresentar alguma espécie de
deficiência. Do ponto de vista pedagógico esta integração assume a vantagem de existir interação
entre crianças, procurando um desenvolvimento conjunto. No entanto, por vezes, surge uma
imensa dificuldade por parte das escolas em conseguirem integrar as crianças com necessidades
especiais devido à necessidade de criar as condições adequadas. Com a Declaração de Salamanca
surgiu o termo necessidades educativas especiais, que veio substituir o termo “criança especial”,
termo anteriormente utilizado para designar uma criança com deficiência. Porém, este novo
termo não se refere apenas ás pessoas com deficiência, este engloba todas e quaisquer
necessidades consideradas “diferentes” e que necessitem de algum tipo de abordagem específica
por parte de instituições. Num mundo cheio de incertezas, o Homem está sempre à procura da sua
identidade e, por vezes, chega mesmo a procurar integrar-se na sociedade que o rodeia, pois fica
um pouco“perdido”.
A inclusão escolar tem início na educação infantil, onde se desenvolvem as bases
necessárias para a construção do conhecimento e seu desenvolvimento global. Nessa etapa, o
lúdico, o acesso às formas diferenciadas de comunicação, a riqueza de estímulos nos aspectos
físicos, emocionais, cognitivos, psicomotores e sociais e a convivência com as diferenças
favorecem as relações interpessoais, o respeito e a valorização da criança. Do nascimento aos três
anos, o atendimento educacional especializado se expressa por meio de serviços de intervenção
precoce que objetivam aperfeiçoar o processo de desenvolvimento e aprendizagem em interface
com os serviços de saúde e assistência social. Em todas as etapas e modalidades da educação
básica, o atendimento educacional especializado é organizado para apoiar o desenvolvimento dos
alunos, constituindo oferta obrigatória dos sistemas de ensino e deve ser realizado no turno
inverso ao da classe comum, na própria escola ou centro especializado que realize esse serviço
educacional.
Desse modo, na modalidade de educação de jovens e adultos e educação profissional, as
ações da educação especial possibilitam a ampliação de oportunidades de escolarização,
5
formação para a inserção no mundo do trabalho e efetiva participação social. A interface da
educação especial na educação indígena, do campo e quilombola deve assegurar que os recursos,
serviços e atendimento educacional especializado estejam presentes nos projetos pedagógicos
construídos com base nas diferenças socioculturais desses grupos. Na educação superior, a
transversalidade da educação especial se efetiva por meio de ações que promovam o acesso, a
permanência e a participação dos alunos. Estas ações envolvem o planejamento e a organização
de recursos e serviços para a promoção da acessibilidade arquitetônica, nas comunicações, nos
sistemas de informação, nos materiais didáticos e pedagógicos, que devem ser disponibilizados
nos processos seletivos e no desenvolvimento de todas as atividades que envolvem o ensino, a
pesquisa e a extensão. Para a inclusão dos alunos surdos, nas escolas comuns, a educação
bilíngue - Língua Portuguesa/LIBRAS, desenvolve o ensino escolar na Língua Portuguesa e na
língua de sinais, o ensino da Língua Portuguesa como segunda língua na modalidade escrita para
alunos surdos, os serviços de tradutor/intérprete de Libras e Língua Portuguesa e o ensino da
Libras para os demais alunos da escola. O atendimento educacional especializado é ofertado,
tanto na modalidade oral e escrita, quanto na língua de sinais. Devido à diferença linguística, na
medida do possível, o aluno surdo deve estar com outros pares surdos em turmas comuns na
escola regular. O atendimento educacional especializado é realizado mediante a atuação de
profissionais com conhecimentos específicos no ensino da Língua Brasileira de Sinais, da Língua
Portuguesa na modalidade escrita como segunda língua, do sistema Braille, do soroban, da
orientação e mobilidade, das atividades de vida autônoma, da comunicação alternativa, do
desenvolvimento dos processos mentais superiores, dos programas de enriquecimento curricular,
da adequação e produção de materiais didáticos e pedagógicos, da utilização de recursos ópticos e
não ópticos, da tecnologia assistida e outros.
Cabe aos sistemas de ensino, ao organizar a educação especial na perspectiva da educação
inclusiva, disponibilizar as funções de instrutor, tradutor/intérprete de Libras e guia intérprete,
bem como de monitor ou cuidador aos alunos com necessidade de apoio nas atividades de
higiene, alimentação, locomoção, entre outras que exijam auxílio constante no cotidiano escolar.
Para atuar na educação especial, o professor deve ter como base da sua formação, inicial e
continuada, conhecimentos gerais para o exercício da docência e conhecimentos específicos da
área. Essa formação possibilita a sua atuação no atendimento educacional especializado e deve
aprofundar o caráter interativo e interdisciplinar da atuação nas salas comuns do ensino regular,
6
nas salas de recursos, nos centros de atendimento educacional especializado, nos núcleos de
acessibilidade das instituições de educação superior, nas classes hospitalares e nos ambientes
domiciliares, para a oferta dos serviços e recursos de educação especial.
Entendemos que a inclusão escolar é um desafio, uma vez que provoca uma qualificação no
processo educativo, e deve possibilitar o direito de todos os alunos, sejam especiais ou não, de
exercerem e de usufruírem de uma educação de qualidade, pois qualquer tentativa de inclusão
deve ser analisada e avaliada em seus mais diversos aspectos, a fim de termos garantia de que
esta será a melhor opção para o individuo que apresenta necessidades especiais. Na interpretação
de Figueiredo (2002) nos diz que a educação inclusiva deve ser um espaço para todos os alunos,
deve-se inserir na escola todos os excluídos garantir qualidade na educação, considerar as
diferenças e valorizar a diversidade evitando as práticas excludentes. Isso significa que trabalhar
numa educação inclusiva respeitando os diferentes saberes, compreender que, não existem
melhores ou piores e, sim que existem homens e mulheres vivendo em sociedade que muitas
vezes exclui,esquecendo de valorizar o ser. Na interpretação de Mantoan (2003), educar para a
inclusão consiste em rever paradigmas e quebrar preconceitos, sendo necessária uma mudança no
modelo educacional. A inclusão não é algo impossível, representa um desafio, que só será
superado quando todos os profissionais do processo educativo se abrir á mudança, revelando a
necessidade de romper com a idéia preconcebida que muitos têm, que só educadores
especializados podem trabalhar com alunos que apresentam necessidades educacionais especiais.
Apesar de ser legalmente garantida, a acessibilidade ao ensino possui ainda um longo caminho a
ser percorrido no Brasil, pois além ainda estar se consolidando no ambiente escolar, ela esbarra
ainda nos problemas estruturais da Educação Pública no Brasil, e no preconceito sofrido pelos
portadores de deficiência, uma conscientização social é necessária para que o objetivo de inclui-
los tanto educacional quanto socialmente seja alcançado.
7
Considerações finais
Com a idéia delineada que muitos têm que só educadores especializados podem trabalhar
com alunos que apresentam necessidades educacionais especiais. Ao analisarmos as idéias de
Figueiredo e Mantoan sobre a realidade, não temos dúvida de que todos devem ter direito a uma
educação de qualidade, mas apenas incluir alunos especiais não é inclusão, precisamos de
investimento e de uma grande reforma no sistema educacional.
Inclusão escolar seria deste modo, não somente manter o aluno na escola, mas além de
mantê-lo, faz-se necessário tornar a escola um ambiente no qual ele possa de fato se desenvolver.
Portanto o processo de construção de uma educação inclusiva é responsabilidade de todos e leva-
nos uma ampla discussão, pois a inclusão é uma realidade e, como tal emerge em um momento
complexo, exigindo um posicionamento de toda a sociedade.
8
Referencias Bibliografias
http://www.ucb.br/sites/100/103/TCC/12005/StellaMarisdeLimaCosta.pdf
http://www.fcee.sc.gov.br/index.php?option=com_content&task=view&id=46&Itemid=606.
http://inclusaocb.blogspot.com.br/2012/03/legislacao-que-regulamenta-educacao.html
http://deficiencia.no.comunidades.net/index.php?pagina=1177118084
http://www.defnet.org.br/elizabet.htm
http://www.portalsaofrancisco.com.br/
http://search.scielo.org/?q=educa%E7%E3o%20especial&where=ORG
http://pt.shvoong.com/social-sciences/political-science/1743275educa%C3%A7%C3%A3o-
especial/
http://www.scielo.br/pdf/spp/v14n2/9788.pdf
FIGUEIREDO, Rita Vieira. Políticas de inclusão: escola gestão da aprendizagem na diversidade.
In: Políticas organizativas e curriculares, educação inclusiva e formação de professores. Rio de
Janeiro: DP&A, 200
MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer?nSão Paulo:
Moderna, 2003.
ALVES F. Inclusão: muitos olhares, vários caminhos e um grande desafio. Rio de Janeiro, WAK
EDITORA, 2009.
9
Referencias Bibliografias
http://www.ucb.br/sites/100/103/TCC/12005/StellaMarisdeLimaCosta.pdf
http://www.fcee.sc.gov.br/index.php?option=com_content&task=view&id=46&Itemid=606.
http://inclusaocb.blogspot.com.br/2012/03/legislacao-que-regulamenta-educacao.html
http://deficiencia.no.comunidades.net/index.php?pagina=1177118084
http://www.defnet.org.br/elizabet.htm
http://www.portalsaofrancisco.com.br/
http://search.scielo.org/?q=educa%E7%E3o%20especial&where=ORG
http://pt.shvoong.com/social-sciences/political-science/1743275educa%C3%A7%C3%A3o-
especial/
http://www.scielo.br/pdf/spp/v14n2/9788.pdf
FIGUEIREDO, Rita Vieira. Políticas de inclusão: escola gestão da aprendizagem na diversidade.
In: Políticas organizativas e curriculares, educação inclusiva e formação de professores. Rio de
Janeiro: DP&A, 200
MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer?nSão Paulo:
Moderna, 2003.
ALVES F. Inclusão: muitos olhares, vários caminhos e um grande desafio. Rio de Janeiro, WAK
EDITORA, 2009.
9

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto Multidisciplinar sobre o Dia Mundial da Conscientização do Autismo
Projeto Multidisciplinar sobre o Dia Mundial da Conscientização do Autismo Projeto Multidisciplinar sobre o Dia Mundial da Conscientização do Autismo
Projeto Multidisciplinar sobre o Dia Mundial da Conscientização do Autismo
Ivete Diniz
 
Relatório de observação
Relatório de observaçãoRelatório de observação
Relatório de observação
Arte Tecnologia
 
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
pipatcleopoldina
 
Portfolio adaptação curricular
Portfolio adaptação curricularPortfolio adaptação curricular
Portfolio adaptação curricular
Juvenal Alves
 
Plano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEEPlano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEE
Patricia Bampi
 

Mais procurados (20)

Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
 
Projeto Multidisciplinar sobre o Dia Mundial da Conscientização do Autismo
Projeto Multidisciplinar sobre o Dia Mundial da Conscientização do Autismo Projeto Multidisciplinar sobre o Dia Mundial da Conscientização do Autismo
Projeto Multidisciplinar sobre o Dia Mundial da Conscientização do Autismo
 
1.formação inclusão 2016 adaptação curricular
1.formação inclusão 2016 adaptação  curricular1.formação inclusão 2016 adaptação  curricular
1.formação inclusão 2016 adaptação curricular
 
Relatório de observação
Relatório de observaçãoRelatório de observação
Relatório de observação
 
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERA
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERARELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERA
RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA EJA-CARUTAPERA
 
relatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágiorelatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágio
 
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
 
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
 
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
 
Conheça a Aee
Conheça a AeeConheça a Aee
Conheça a Aee
 
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO/ SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO/ SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAISATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO/ SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS
ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO/ SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS
 
Materiais srm
Materiais srmMateriais srm
Materiais srm
 
DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA
DEFICIÊNCIA MÚLTIPLADEFICIÊNCIA MÚLTIPLA
DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA
 
Portfolio adaptação curricular
Portfolio adaptação curricularPortfolio adaptação curricular
Portfolio adaptação curricular
 
Plano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEEPlano de Ação do AEE
Plano de Ação do AEE
 
Modelo de-relatorio-neuropsicopedagogico (1)
Modelo de-relatorio-neuropsicopedagogico (1)Modelo de-relatorio-neuropsicopedagogico (1)
Modelo de-relatorio-neuropsicopedagogico (1)
 
Projeto estágio séries iniciais set-2014
Projeto estágio séries iniciais  set-2014Projeto estágio séries iniciais  set-2014
Projeto estágio séries iniciais set-2014
 
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestradoEducação inclusiva pre-projeto mestrado
Educação inclusiva pre-projeto mestrado
 
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
 

Destaque

TCC 2011-PEDAGOGIA Sobre VIOLÊNCIA NA ESCOLA
TCC 2011-PEDAGOGIA Sobre VIOLÊNCIA NA ESCOLATCC 2011-PEDAGOGIA Sobre VIOLÊNCIA NA ESCOLA
TCC 2011-PEDAGOGIA Sobre VIOLÊNCIA NA ESCOLA
regina luzia barros
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
Gislaine
 

Destaque (12)

Slide ludicidade 3
Slide ludicidade 3Slide ludicidade 3
Slide ludicidade 3
 
Slide ed.infantil-v per.ped
Slide ed.infantil-v per.pedSlide ed.infantil-v per.ped
Slide ed.infantil-v per.ped
 
TCC - Pedagogia
TCC - PedagogiaTCC - Pedagogia
TCC - Pedagogia
 
TCC 2011-PEDAGOGIA Sobre VIOLÊNCIA NA ESCOLA
TCC 2011-PEDAGOGIA Sobre VIOLÊNCIA NA ESCOLATCC 2011-PEDAGOGIA Sobre VIOLÊNCIA NA ESCOLA
TCC 2011-PEDAGOGIA Sobre VIOLÊNCIA NA ESCOLA
 
Slide Tcc
Slide TccSlide Tcc
Slide Tcc
 
ApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
ApresentaçãO Tcc Fernanda RibeiroApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
ApresentaçãO Tcc Fernanda Ribeiro
 
Ludicidade
LudicidadeLudicidade
Ludicidade
 
Apresentação de slides pronto
Apresentação de slides prontoApresentação de slides pronto
Apresentação de slides pronto
 
Apresentação unopar modelo 3
Apresentação unopar modelo 3Apresentação unopar modelo 3
Apresentação unopar modelo 3
 
Apresentação unopar modelo 1
Apresentação unopar modelo 1Apresentação unopar modelo 1
Apresentação unopar modelo 1
 
Apresentação unopar modelo 2
Apresentação unopar modelo 2Apresentação unopar modelo 2
Apresentação unopar modelo 2
 
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃOTCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
TCC SLIDE DE APRESENTAÇÃO
 

Semelhante a Portifolio pronto

Aee da surdez mec
Aee da surdez mecAee da surdez mec
Aee da surdez mec
Laura Serpa
 
Atendimento Educacional Especializado - Para Alunos Surdos..pdf
Atendimento Educacional Especializado - Para Alunos Surdos..pdfAtendimento Educacional Especializado - Para Alunos Surdos..pdf
Atendimento Educacional Especializado - Para Alunos Surdos..pdf
MarianaLima625902
 
A inclusão e a multideficiência
A inclusão e a multideficiência A inclusão e a multideficiência
A inclusão e a multideficiência
Andreia Branco
 
Saberes e Praticas da Inclusão - Defficiencia Multipla
Saberes e Praticas da Inclusão - Defficiencia MultiplaSaberes e Praticas da Inclusão - Defficiencia Multipla
Saberes e Praticas da Inclusão - Defficiencia Multipla
asustecnologia
 
Saberes e Praticas da Inclusão - Deficiência Múltipla
Saberes e Praticas da Inclusão - Deficiência MúltiplaSaberes e Praticas da Inclusão - Deficiência Múltipla
Saberes e Praticas da Inclusão - Deficiência Múltipla
asustecnologia
 
Saberes e Praticas da Inclusão - Deficiência Múltipla
Saberes e Praticas da Inclusão - Deficiência MúltiplaSaberes e Praticas da Inclusão - Deficiência Múltipla
Saberes e Praticas da Inclusão - Deficiência Múltipla
asustecnologia
 
Educação especial e educação inclusiva aproximações e convergências
Educação especial e educação inclusiva  aproximações e convergênciasEducação especial e educação inclusiva  aproximações e convergências
Educação especial e educação inclusiva aproximações e convergências
Gizéle Vianna
 

Semelhante a Portifolio pronto (20)

ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdfARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
 
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdfARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
 
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdfARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
ARTIGO 2 PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA .pdf
 
7 ARTIGO PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA.pdf
7 ARTIGO  PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA.pdf7 ARTIGO  PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA.pdf
7 ARTIGO PRATICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA.pdf
 
Aee deficiência auditiva
Aee deficiência auditivaAee deficiência auditiva
Aee deficiência auditiva
 
Aee surdez
Aee surdezAee surdez
Aee surdez
 
Aee da surdez mec
Aee da surdez mecAee da surdez mec
Aee da surdez mec
 
Atendimento Educacional Especializado - Para Alunos Surdos..pdf
Atendimento Educacional Especializado - Para Alunos Surdos..pdfAtendimento Educacional Especializado - Para Alunos Surdos..pdf
Atendimento Educacional Especializado - Para Alunos Surdos..pdf
 
Pratica de ensino
Pratica de ensinoPratica de ensino
Pratica de ensino
 
A inclusão e a multideficiência
A inclusão e a multideficiência A inclusão e a multideficiência
A inclusão e a multideficiência
 
metodologia_do_ensino_da_educacao_especial___apostila_unidade_01.pdf
metodologia_do_ensino_da_educacao_especial___apostila_unidade_01.pdfmetodologia_do_ensino_da_educacao_especial___apostila_unidade_01.pdf
metodologia_do_ensino_da_educacao_especial___apostila_unidade_01.pdf
 
Saberes e Praticas da Inclusão - Defficiencia Multipla
Saberes e Praticas da Inclusão - Defficiencia MultiplaSaberes e Praticas da Inclusão - Defficiencia Multipla
Saberes e Praticas da Inclusão - Defficiencia Multipla
 
Saberes e Praticas da Inclusão - Deficiência Múltipla
Saberes e Praticas da Inclusão - Deficiência MúltiplaSaberes e Praticas da Inclusão - Deficiência Múltipla
Saberes e Praticas da Inclusão - Deficiência Múltipla
 
Saberes e Praticas da Inclusão - Deficiência Múltipla
Saberes e Praticas da Inclusão - Deficiência MúltiplaSaberes e Praticas da Inclusão - Deficiência Múltipla
Saberes e Praticas da Inclusão - Deficiência Múltipla
 
Educação especial e educação inclusiva aproximações e convergências
Educação especial e educação inclusiva  aproximações e convergênciasEducação especial e educação inclusiva  aproximações e convergências
Educação especial e educação inclusiva aproximações e convergências
 
FUNIBER. Sônia Regina Sena de Souza - A formação de professores de educação e...
FUNIBER. Sônia Regina Sena de Souza - A formação de professores de educação e...FUNIBER. Sônia Regina Sena de Souza - A formação de professores de educação e...
FUNIBER. Sônia Regina Sena de Souza - A formação de professores de educação e...
 
Sala de recursos multifuncionais
Sala de recursos multifuncionaisSala de recursos multifuncionais
Sala de recursos multifuncionais
 
Desafio inclusão
Desafio inclusão Desafio inclusão
Desafio inclusão
 
INCLUSÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL A inserção da criança surda
INCLUSÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL A inserção da criança surdaINCLUSÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL A inserção da criança surda
INCLUSÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL A inserção da criança surda
 
Edsucação Inclusiva.pdf
Edsucação Inclusiva.pdfEdsucação Inclusiva.pdf
Edsucação Inclusiva.pdf
 

Portifolio pronto

  • 1. SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO Educação Física - Licenciatura - 1º Semestre CELIOMAR FERREIRA DA SILVA PARADIGMAS EDUCACIONAIS NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL BRASILEIRA Bom Jesus da Lapa 12/05/2015 1
  • 2. CELIOMAR FERREIRA DA SILVA PARADIGMAS EDUCACIONAIS NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL BRASILEIRA Trabalho apresentado ao Curso Educação Física Licenciatura da UNOPAR - Universidade Norte do Paraná, para a disciplina Sociedade Educação e Cultura. Prof. Wilson Sanches Bom Jesus da Lapa 12/05/2015 2
  • 3. Sumário 1. Introdução...................................................................................................................................04 2. Desenvolvimento........................................................................................................................05 3. Considerações finais...................................................................................................................08 4. Referencias.................................................................................................................................09 3
  • 4. Introdução A educação inclusiva pode ser concebida como a capacidade de acolher a todos independentemente de suas condições, possibilita a revisão de nossas praticas, para assim, construir a escola da diversidade. Relevantes para o momento que estamos vivenciando a inclusão possibilita a interação e a integração dos alunos especiais, gerando assim benefício para todo o grupo, pois a convivência entre eles permite a ampliação de valores e o reconhecimento de que cada um tem suas particularidades, desenvolvimento e uma percepção de igualdade. O processo inclusivo não é um fim em si mesmo, é um trabalho coletivo, continuo interativo e cooperativo, abrindo possibilidade de compartilhar experiências. Trata-se de um desafio formar professores e conscientizar a sociedade para que todos possam ser acolhidos pela instituição de ensino, combatendo a exclusão e reafirmando o compromisso com uma política de educação inclusiva. Ao reconhecer que as dificuldades enfrentadas nos sistemas de ensino evidenciam a necessidade de confrontar as práticas discriminatórias e criar alternativas para superá-las, a educação inclusiva assume espaço central no debate acerca da sociedade contemporânea e do papel da escola na superação da lógica da exclusão. 4
  • 5. Desenvolvimento O conceito de educação inclusiva surgiu a partir de 1994, com a Declaração de Salamanca. A ideia é que as crianças com necessidades educativas especiais sejam incluídas em escolas de ensino regular. O objetivo da inclusão demonstra uma evolução da cultura ocidental, defendendo que nenhuma criança deve ser separada das outras por apresentar alguma espécie de deficiência. Do ponto de vista pedagógico esta integração assume a vantagem de existir interação entre crianças, procurando um desenvolvimento conjunto. No entanto, por vezes, surge uma imensa dificuldade por parte das escolas em conseguirem integrar as crianças com necessidades especiais devido à necessidade de criar as condições adequadas. Com a Declaração de Salamanca surgiu o termo necessidades educativas especiais, que veio substituir o termo “criança especial”, termo anteriormente utilizado para designar uma criança com deficiência. Porém, este novo termo não se refere apenas ás pessoas com deficiência, este engloba todas e quaisquer necessidades consideradas “diferentes” e que necessitem de algum tipo de abordagem específica por parte de instituições. Num mundo cheio de incertezas, o Homem está sempre à procura da sua identidade e, por vezes, chega mesmo a procurar integrar-se na sociedade que o rodeia, pois fica um pouco“perdido”. A inclusão escolar tem início na educação infantil, onde se desenvolvem as bases necessárias para a construção do conhecimento e seu desenvolvimento global. Nessa etapa, o lúdico, o acesso às formas diferenciadas de comunicação, a riqueza de estímulos nos aspectos físicos, emocionais, cognitivos, psicomotores e sociais e a convivência com as diferenças favorecem as relações interpessoais, o respeito e a valorização da criança. Do nascimento aos três anos, o atendimento educacional especializado se expressa por meio de serviços de intervenção precoce que objetivam aperfeiçoar o processo de desenvolvimento e aprendizagem em interface com os serviços de saúde e assistência social. Em todas as etapas e modalidades da educação básica, o atendimento educacional especializado é organizado para apoiar o desenvolvimento dos alunos, constituindo oferta obrigatória dos sistemas de ensino e deve ser realizado no turno inverso ao da classe comum, na própria escola ou centro especializado que realize esse serviço educacional. Desse modo, na modalidade de educação de jovens e adultos e educação profissional, as ações da educação especial possibilitam a ampliação de oportunidades de escolarização, 5
  • 6. formação para a inserção no mundo do trabalho e efetiva participação social. A interface da educação especial na educação indígena, do campo e quilombola deve assegurar que os recursos, serviços e atendimento educacional especializado estejam presentes nos projetos pedagógicos construídos com base nas diferenças socioculturais desses grupos. Na educação superior, a transversalidade da educação especial se efetiva por meio de ações que promovam o acesso, a permanência e a participação dos alunos. Estas ações envolvem o planejamento e a organização de recursos e serviços para a promoção da acessibilidade arquitetônica, nas comunicações, nos sistemas de informação, nos materiais didáticos e pedagógicos, que devem ser disponibilizados nos processos seletivos e no desenvolvimento de todas as atividades que envolvem o ensino, a pesquisa e a extensão. Para a inclusão dos alunos surdos, nas escolas comuns, a educação bilíngue - Língua Portuguesa/LIBRAS, desenvolve o ensino escolar na Língua Portuguesa e na língua de sinais, o ensino da Língua Portuguesa como segunda língua na modalidade escrita para alunos surdos, os serviços de tradutor/intérprete de Libras e Língua Portuguesa e o ensino da Libras para os demais alunos da escola. O atendimento educacional especializado é ofertado, tanto na modalidade oral e escrita, quanto na língua de sinais. Devido à diferença linguística, na medida do possível, o aluno surdo deve estar com outros pares surdos em turmas comuns na escola regular. O atendimento educacional especializado é realizado mediante a atuação de profissionais com conhecimentos específicos no ensino da Língua Brasileira de Sinais, da Língua Portuguesa na modalidade escrita como segunda língua, do sistema Braille, do soroban, da orientação e mobilidade, das atividades de vida autônoma, da comunicação alternativa, do desenvolvimento dos processos mentais superiores, dos programas de enriquecimento curricular, da adequação e produção de materiais didáticos e pedagógicos, da utilização de recursos ópticos e não ópticos, da tecnologia assistida e outros. Cabe aos sistemas de ensino, ao organizar a educação especial na perspectiva da educação inclusiva, disponibilizar as funções de instrutor, tradutor/intérprete de Libras e guia intérprete, bem como de monitor ou cuidador aos alunos com necessidade de apoio nas atividades de higiene, alimentação, locomoção, entre outras que exijam auxílio constante no cotidiano escolar. Para atuar na educação especial, o professor deve ter como base da sua formação, inicial e continuada, conhecimentos gerais para o exercício da docência e conhecimentos específicos da área. Essa formação possibilita a sua atuação no atendimento educacional especializado e deve aprofundar o caráter interativo e interdisciplinar da atuação nas salas comuns do ensino regular, 6
  • 7. nas salas de recursos, nos centros de atendimento educacional especializado, nos núcleos de acessibilidade das instituições de educação superior, nas classes hospitalares e nos ambientes domiciliares, para a oferta dos serviços e recursos de educação especial. Entendemos que a inclusão escolar é um desafio, uma vez que provoca uma qualificação no processo educativo, e deve possibilitar o direito de todos os alunos, sejam especiais ou não, de exercerem e de usufruírem de uma educação de qualidade, pois qualquer tentativa de inclusão deve ser analisada e avaliada em seus mais diversos aspectos, a fim de termos garantia de que esta será a melhor opção para o individuo que apresenta necessidades especiais. Na interpretação de Figueiredo (2002) nos diz que a educação inclusiva deve ser um espaço para todos os alunos, deve-se inserir na escola todos os excluídos garantir qualidade na educação, considerar as diferenças e valorizar a diversidade evitando as práticas excludentes. Isso significa que trabalhar numa educação inclusiva respeitando os diferentes saberes, compreender que, não existem melhores ou piores e, sim que existem homens e mulheres vivendo em sociedade que muitas vezes exclui,esquecendo de valorizar o ser. Na interpretação de Mantoan (2003), educar para a inclusão consiste em rever paradigmas e quebrar preconceitos, sendo necessária uma mudança no modelo educacional. A inclusão não é algo impossível, representa um desafio, que só será superado quando todos os profissionais do processo educativo se abrir á mudança, revelando a necessidade de romper com a idéia preconcebida que muitos têm, que só educadores especializados podem trabalhar com alunos que apresentam necessidades educacionais especiais. Apesar de ser legalmente garantida, a acessibilidade ao ensino possui ainda um longo caminho a ser percorrido no Brasil, pois além ainda estar se consolidando no ambiente escolar, ela esbarra ainda nos problemas estruturais da Educação Pública no Brasil, e no preconceito sofrido pelos portadores de deficiência, uma conscientização social é necessária para que o objetivo de inclui- los tanto educacional quanto socialmente seja alcançado. 7
  • 8. Considerações finais Com a idéia delineada que muitos têm que só educadores especializados podem trabalhar com alunos que apresentam necessidades educacionais especiais. Ao analisarmos as idéias de Figueiredo e Mantoan sobre a realidade, não temos dúvida de que todos devem ter direito a uma educação de qualidade, mas apenas incluir alunos especiais não é inclusão, precisamos de investimento e de uma grande reforma no sistema educacional. Inclusão escolar seria deste modo, não somente manter o aluno na escola, mas além de mantê-lo, faz-se necessário tornar a escola um ambiente no qual ele possa de fato se desenvolver. Portanto o processo de construção de uma educação inclusiva é responsabilidade de todos e leva- nos uma ampla discussão, pois a inclusão é uma realidade e, como tal emerge em um momento complexo, exigindo um posicionamento de toda a sociedade. 8
  • 9. Referencias Bibliografias http://www.ucb.br/sites/100/103/TCC/12005/StellaMarisdeLimaCosta.pdf http://www.fcee.sc.gov.br/index.php?option=com_content&task=view&id=46&Itemid=606. http://inclusaocb.blogspot.com.br/2012/03/legislacao-que-regulamenta-educacao.html http://deficiencia.no.comunidades.net/index.php?pagina=1177118084 http://www.defnet.org.br/elizabet.htm http://www.portalsaofrancisco.com.br/ http://search.scielo.org/?q=educa%E7%E3o%20especial&where=ORG http://pt.shvoong.com/social-sciences/political-science/1743275educa%C3%A7%C3%A3o- especial/ http://www.scielo.br/pdf/spp/v14n2/9788.pdf FIGUEIREDO, Rita Vieira. Políticas de inclusão: escola gestão da aprendizagem na diversidade. In: Políticas organizativas e curriculares, educação inclusiva e formação de professores. Rio de Janeiro: DP&A, 200 MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer?nSão Paulo: Moderna, 2003. ALVES F. Inclusão: muitos olhares, vários caminhos e um grande desafio. Rio de Janeiro, WAK EDITORA, 2009. 9
  • 10. Referencias Bibliografias http://www.ucb.br/sites/100/103/TCC/12005/StellaMarisdeLimaCosta.pdf http://www.fcee.sc.gov.br/index.php?option=com_content&task=view&id=46&Itemid=606. http://inclusaocb.blogspot.com.br/2012/03/legislacao-que-regulamenta-educacao.html http://deficiencia.no.comunidades.net/index.php?pagina=1177118084 http://www.defnet.org.br/elizabet.htm http://www.portalsaofrancisco.com.br/ http://search.scielo.org/?q=educa%E7%E3o%20especial&where=ORG http://pt.shvoong.com/social-sciences/political-science/1743275educa%C3%A7%C3%A3o- especial/ http://www.scielo.br/pdf/spp/v14n2/9788.pdf FIGUEIREDO, Rita Vieira. Políticas de inclusão: escola gestão da aprendizagem na diversidade. In: Políticas organizativas e curriculares, educação inclusiva e formação de professores. Rio de Janeiro: DP&A, 200 MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer?nSão Paulo: Moderna, 2003. ALVES F. Inclusão: muitos olhares, vários caminhos e um grande desafio. Rio de Janeiro, WAK EDITORA, 2009. 9