Projeto pessoal y7

248 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
248
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Projeto pessoal y7

  1. 1. Por: Isabella Villacorta 7º B 05/11/09 Projeto Pessoal- Alzheimer Me alimentar... Dormir... Lembrar...
  2. 3. <ul><li>Eu escolhi este tema por que eu quero explorar mais a fundo o mistério que é a mente humana já que ainda há muitas coisas que desconhecemos sobre o nosso próprio cérebro. Com isso em mente, resolvi escolher uma área que pouco se sabe sobre e que muda e identifica cada um de nós. Eu acredito que uma das coisas funda-mentais para nos fazer quem somos é, além da época em que vive-mos, nossas memórias. Desde o ano passado quero entender e aprender mais sobre a nossa memória, porém este é um tema muito amplo, resolvi então fazer recortes de doenças e síndromes que creio poder me ajudar a examinar primeiramente os extremos da nossa memória para que ao final de tudo eu possa compreender o que existe no meio. </li></ul>
  3. 4. <ul><li>Acredito que minha pesquisa seja muito importante já que pouco é falado sobre a memória nas escolas, apesar de ela estar sempre presente no nosso dia a dia. Me parece um absurdo como algo que faz parte da nossa vida, do nosso cotidiano, seja ignorado por tantas instituições educacionais. Dependemos da nossa memória para absolutamente tudo, o que aconteceria se por exemplo esquecêssemos como amarrar os sapatos? Ou se nos esquecêssemos de como vestir nossas roupas? Ou pior, e se esquecêssemos como andar, falar ou correr? Estaríamos perdidos. Mesmo anotando nossas tarefas, trabalhos ou compromissos, as vezes nos esquecemos deles e esse pequeno esquecimento gera uma dor de cabeça tremenda para nós, nossos chefes ou professores. O estudo da memória pode desenvolver novas formas de nos fazer lembrar, além de facilitar nossa vida, esse aprofundamento nos ajudaria a entender nossas memórias, como as vezes algo que a primeira vista julgamos insignificante como o cheiro de verde, de natureza do sitio do nosso avô que ficou guardado na nossa memória, pode estar arquivado em nós por algum motivo que toda via desconhecemos. </li></ul>
  4. 5. <ul><li>Envelhecimento saudável : No envelhecimento saudável os neurônios vão morrendo aos poucos e mesmo com a morte de alguns deles, outros assumem suas funções se a pessoa de idade for estimulada a pensar. </li></ul><ul><li>Mal de Alzheimer : No mal de Alzheimer uma proteína chamada “proteína Tau” impede a troca de </li></ul><ul><li>informações entre os neurônios </li></ul><ul><li>que acabam morrendo de inani- </li></ul><ul><li>ção (fome, falta de comunicação, </li></ul><ul><li>etc.) e as funções desses neurô- </li></ul><ul><li>nios não são redistribuídas além </li></ul><ul><li>de que essa proteína se espalha </li></ul><ul><li>para todo o cérebro e no final da </li></ul><ul><li>doença todos os neurônios aca- </li></ul><ul><li>bam por morrer . </li></ul>
  5. 6. Alzheimer: Foi descoberta em: 1906 por : Alois Alzheimer. É causada: pela mutação da proteína Tau. É uma doença: Degenerativa. Sintomas: Perda de memória recente e a longo prazo, atrofiação dos músculos, mudanças de humor, psicose, delírios, o vocabulário é drasticamente reduzido, perda de funções motoras, perda da flexibilidade no pensamento, perde se a capacidade de ler, escrever e realizar tarefas simples. Mais comum entre pessoas : Com mais de 65 anos, já houve casos em que esta doença apareceu em pessoas de 40 anos também. É congenita? Não se sabe ao certo, podem aparecer vários casos numa mesma família, e também pode acontecer casos únicos, sem nenhum outro parente afetado. Existe de fato uma “cura” para a Alzheimer? Não, entretanto,estudos dizem que certos fatores alteráveis como mudanças na dieta, uso de produtos farmaceuticos ou atividade intelectual podem ajudar a diminuir as chances de contrair esse mal.

×