Classificações bibliográficas

1.137 visualizações

Publicada em

Aula a respeito dos esquemas de classificação bibliográfica, realizada pelo monitor da disciplina de Representação da Informação e do Conhecimento, Igor Falce, na Universidade Federal Fluminense no curso de Biblioteconomia e Documentação.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.137
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
40
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Classificações bibliográficas

  1. 1. Classificações Bibliográficas POR IGOR FALCE DIAS DE LIMA SOB ORIENTAÇÃO DA PROFª JOICE 2014.2
  2. 2. Classificação  Ação inerente ao ser humano;  Processo mental;  Realizada com propósitos pré-estabelecidos;  Processo x Produto;
  3. 3. Classifique os filmes abaixo:
  4. 4. Possibilidades: País de Origem Gênero Faixa etária
  5. 5. Classificações Bibliográficas  Objetivo: servir de base à organização e localização de documentos em unidades de informação;  Classificações Filosóficas  os autores de sistemas de classificação bibliográfica tem procurado inspiração e modelo nas classificações filosóficas (FONSECA, 1976). Classificação do Conhecimento x Conhecimento Registrado
  6. 6. Classificações Bibliográficas  Esquema de classificação bibliográfica;  “permite classificar os materiais bibliográficos qualquer que seja o domínio que abarcam e os assuntos que tratam” (GUARIDO, 2008, p.5);  Classificações Utilitaristas  Ranganathan categoriza as classificações bibliográficas acordo como a forma de apresentação dos assuntos e estrutura;  Teoria descritiva e teoria dinâmica.
  7. 7. Teoria Descritiva  caracteriza-se por “enumerar todos os assuntos - do passado, do presente e do futuro antecipado” (RANGANATHAN, 1967 apud Campos, 2001, p. 34)  verifica-se que nos esquemas pertencentes a esta teoria, os assuntos dos documentos que existem e que virão a existir são determinados a priori da criação de tais esquemas.
  8. 8. Teoria Descritiva  Esquemas Enumerativos - Classificação da Library of Congress (1901) e a Classificação Internacional de Rider (1961);  Esquemas Quase Enumerativos - Classificação Decimal de Dewey (1876), a Classificação Expansiva de Cutter (1891) e a Classificação de Assuntos de Brown (1906);  Esquemas Quase Facetados - a Classificação Decimal Universal (1905) e a Classificação Bibliográfica de Bliss (1935).
  9. 9. Teoria Descritiva  Esquemas Enumerativos  Esquemas Quase Enumerativos  Esquemas Quase Facetados Tabela principal -Tabela principal; - Tabela de auxiliares ou isolados comuns. - Tabela principal; - Tabelas auxiliares especiais; - Orientação para a elaboração da notação.
  10. 10. Teoria Dinâmica  busca garantir a adequada inclusão de novos assuntos que venham surgir com a dinâmica do conhecimento, nela os esquemas de classificação são elaborados com mecanismos que possibilitam a constante inovação do conhecimento;  Isto é possível, porque neste sistema os assuntos não estão prontos e devem ser construídos no momento da análise do documento (CAMPOS, 2001).
  11. 11. Teoria Dinâmica  Para Ranganathan, o único esquema que possui as características que se enquadram na Teoria Dinâmica deve ser estruturado com base na Teoria Classificação Facetada;  Classificação de Dois Pontos.
  12. 12. Classificação Decimal de Dewey  Melvil Dewey (1851-1931);  Assistente de biblioteca do Amherst College em Massachusetts;  a necessidade de criar um sistema de classificação bibliográfica através de um arranjo intelectual dos livros nas estantes;  notações de acordo com os assuntos – Aplicação nos livros.
  13. 13. Classificação Decimal de Dewey Fonte: Biblioteconomia para concursos
  14. 14. Classificação Decimal de Dewey  Tabela 1 - Subdivisões padrão ou Standard;  Tabela 2 - Áreas geográficas, períodos históricos e pessoas;  Tabela 3 - Subdivisões para Artes, literatura individual e formas literárias específicas;  Tabela 4 - Subdivisões de línguas individuais e famílias de línguas;  Tabela 5 - Grupos raciais, étnicos e nacionais;  Tabela 6 - Linguagem;
  15. 15. Classificação Expansiva De Cutter  Charles Ammi Cutter (1837-1903);  Bibliotecário erudito norte-americano do Ateneu de Boston;  Iniciou em 1880, sob influência da CDD, a implantação de um sistema de classificação próprio para a organização dos documentos da biblioteca onde trabalhava, cujo acervo era de aproximadamente 170.000 volumes.
  16. 16. Classificação Expansiva De Cutter  Cutter Expansive Classification;  considerava que seu esquema era ajustável à expansão dos conhecimentos humanos;
  17. 17. Notação Classes A Obras Gerais B Filosofia, Religião C Cristianismo, Judaísmo D Ciências Históricas E Bibliografia F História G Geografia, Viagens H Ciências Sociais I Sociologia J Administração Pública, Governo K Legislação L Ciências M História Natural N Botânica O Zoologia P Vertebrados Q Medicina R Artes Aplicadas, Tecnologia S Construções, Engenharia T Ofícios, Manufaturas U Arte, Ciências Militares V Atletismo W Belas Artes X Linguagem Y Literatura Z Arte Do Livro, Bibliografia, Biblioteconomia
  18. 18. Classificação Decimal Universal  concebida por Paul Otlet (1868-1944) e Henri La Fontaine (1854-1943), advogados belgas e ativistas da paz;  resolveram elaborar um “índice universal do saber registrado” através da construção de um arranjo sistemático;  Na época, as bibliotecas norte-americanas adotavam a CDD, já em sua 5ª edição.
  19. 19. Classificação Decimal Universal  Primeira Conferência Internacional de Bibliografia;  Instituto Internacional de Bibliografia;  “É importante apontar que Dewey, ao elaborar seu sistema, objetivou a criação de uma classificação bibliotecária, cujo propósito era a organização de livros, em contrapartida, o sistema de Otlet e La Fontaine foi o primeiro originalmente voltado para uma classificação bibliográfica, pautada na organização da informação.” (PINHO, 2006)
  20. 20. Classificação Decimal 0 Generalidades 1 Filosofia Universal 2 Religião 3 Ciências Sociais 4 (Vaga) 5 Ciências Puras 6 Ciências Aplicadas 7 Artes 8 Literatura e Língua 9 História e Geografia • A CDU contém, além da tabela principal, tabelas auxiliares comuns e especiais compostas por sinais gráficos que tem como função proporcionar maior especificidade aos assuntos. Esta, portanto, é a característica mais marcante da CDU que a singulariza e a difere da CDD.
  21. 21. Classificação de assuntos de Brown  James Duff Brown (1816-1914);  Bibliotecário escocês, famoso por criar um sistema de classificação geral na Inglaterra.  Brown introduziu o livre acesso às estantes nas bibliotecas públicas inglesas, tendo a Biblioteca Pública de Clerkenwell como sua primeira experiência.  A partir de então, decidiu construir um esquema simples, lógico e prático que viesse ao encontro das necessidades das bibliotecas britânicas de todos os tipos e tamanhos.
  22. 22. Classificação de assuntos  Quinn-Brown System; de Brown  o sistema proposto por Brown funcionou como uma tentativa de suprir a falta de flexibilidade do Sistema de Dewey;  Não teve a mesma aceitação e sua utilização ficou restrita às bibliotecas públicas inglesas de pequeno e médio porte.
  23. 23. Classificação de assuntos Relação Áreas do conhecimento Letras Matéria e Força Ciências Físicas -B –C –D Vida Ciências Biológicas Etnologia – Medicina Biologia -E –F -G –H -I Inteligência Filosofia e Religião Ciência Políticas e Sociais -J –K -L Registro Língua e Literatura Formas literárias História e Geografia Biografia -M -N -O –P –Q –R –S –T –U –V -X de Brown
  24. 24. Classificação de Dois Pontos  Shiyali Ramamrita Ranganathan (1892-1972)  Bacharel e Mestre em Matemática formado pela Universidade de Madras;  Estudou as práticas biblioteconômicas na Universidade de Londres;  Aplicabilidade dos sistemas de classificação já existentes e verificou as limitações de cada um, considerando-os muito rígidos para abranger todos os aspectos de um assunto. (ARANALDE, 2009)
  25. 25. Classificação de Dois Pontos  “percebeu a necessidade de elaborar esquemas de classificação que pudessem acompanhar as mudanças e a evolução do conhecimento” (CAMPOS, 2001, p. 28).  Dinamicidade e atualidade;  Teoria da Classificação Facetada, que tem como primeiro esquema representante a Colon Classification ou Classificação de Dois Pontos, também desenvolvida pelo indiano.
  26. 26. Classificação de Dois Pontos  A CC é utilizada por inúmeras bibliotecas da Índia, porém limita-se a tal país;  Seu estudo, todavia, é considerado essencial e importante devido à influência que exerceu sobre os estudiosos e classificacionistas, principalmente os membros do Classification Research Group da Inglaterra, que defendem a utilização das classificações facetadas.
  27. 27. Classificação de Dois Pontos  estrutura facetada com síntese notacional;  método hipotético-dedutivo em três planos de trabalho: o ideacional, o verbal e o notacional;  Ranganathan considera que o conhecimento apresenta um caráter multidimensional, no qual as inter-relações de cada conceito alastram-se em muitas direções.
  28. 28. Índice Classes Índice Classes A Ciências Naturais MZ Humanidades e Ciências Sociais AZ Ciências Matemáticas N Belas Artes B Matemática NX Literatura e Língua BZ Ciências Físicas O Literatura C Física P Linguística D Engenharia Q Religião E Química R Filosofia F Tecnologia S Psicologia G Geologia T Educação HX Mineração U Geografia I Botânica V História J Agricultura W Ciências Políticas K Zoologia X Economia KZ Zootecnia Y Sociologia L Medicina YZ Serviço Social LX Farmacologia Z Direito M Artes Úteis
  29. 29. Classificação Internacional De Rider  Fremont Rider (1885-1962);  bibliotecário americano da Universidade de Wesleyan, em Middletown, Connecticut.  Considerado um discípulo de Dewey, foi membro da Comissão Consultiva da CDD por vários anos, exercendo funções de conselheiro.  Rider questionava a expansão excessiva das subclasses da CDD, argumentando, ela distanciava-se do objetivo de organizar e recuperar documentos de forma eficiente, racional e com êxito.
  30. 30. Classificação Internacional De Rider  Rider’s International Classification for the Arrangement of Books on the Shelves of General Libraries;  A CIR é uma classificação geral de caráter enumerativo criada com o objetivo de oferecer símbolos de classificação curtos e por meio de letra; Princípio da Proporcionalidade e Princípio da subdivisão
  31. 31. Dúvidas?

×