antropologia-forense

6.535 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.535
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
96
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

antropologia-forense

  1. 1. Antropologia Forense Identidade e IdentificaçãoConjunto de elementos particulares que identifica coisas ou pessoas.Pode ser didaticamente dividida em:SUBJETIVA: Pela noção que cada indivíduo tem de si próprio, no tempo e no espaço.É a sua maneira de ser, sua natureza, sua essência."O que se é; o que se tem e o que se apresenta para os outros" (Schopenhauer - séculoXVIII).OBJETIVA:· Físicos ou anatômicos: Normais: altura, idade, sexo e raça Patológicos: doenças e deficiências anatômicas, cicatrizes, mutilações.· Funcionais: Normais Patológicos: deficiências e doenças funcionais· Psicológicos ou mentais: Normais Anormais: doenças mentais, distúrbios psicológicos. Determinação da Identidade Identificação Genérica: espécie, raça, sexo, idade, estatura etc. Identificação Específica: cicatrizes, tatuagens, sinais profissionais, mutilações.Identificação Método simples Cédulas de identidade ou registros Fotografias Testemunhas Retrato falado Vídeo Sinais individuaisSinais individuais Unhas Névus (pintas) Hemangiomas Malformações diversas Identificação Sinais Profissionais: Calosidades nas mãos dos sapateiros Calos nos lábios sopradores de vidro Ausência de pêlos em nadadores Identificação Métodos Complexos
  2. 2. Estudo Antropológico (antropometria) Métodos laboratoriais, químico/físicos. DNA - cabelo,secreções, manchas e etc Superposição de imagens Datiloscopia (papiloscopia) Arcada dentária ÍrisAveriguação da identidade de criminosos ealienadosAveriguação da idade verdadeiraAveriguação da paternidade e maternidadeAveriguação de consangüinidadeAveriguação do sexo Identificação Em casos de ossadas:Remontar as peças em alinhamentoanatômico para a conformação doesqueleto ou corpoEm caso de catástrofes:Envolvimento de grande quantidade deenergia destrutiva (explosões, incêndios)com muitos indivíduos Identificação Objetos pessoais: medalhas, aliança, anéis,fotos, documentos, vestesIdentificação por testemunhas: nem semprefidedignaReconstrução fisionômica: crânioIdentidade de certeza: arcada dentária,impressões digitais (papiloscopia), DNA IdentificaçãoImpressões Digito-papilaresDactiloscopia Impressões plantares e palmares Impressões digitaisImutabilidadeVariedade/individuaisPerenidade IdentificaçãoImpressões no local do delitoAs impressões papilares podem ser encontradasna forma:VisíveisInvisíveis ou Latentes IdentificaçãoEvidenciação, Levantamento e TransporteTécnicas químicas em função do suor
  3. 3. Fotografadas com luz oblíqua"Levantadas" ou colhidas com fita gomadaTransportada até o laboratório de análisePapiloscópica Uso de conhecimentos científicos no estudo analítico do corpo humano completoou despojos, visando a identificação antropológica, a identidade civil, data ecausa provável da morte Antropologia ForenseCiência que reconstrói a vida a partir do mortoExistência de danos consideráveis induzidos ao cadáver que o torne irreconhecível: DecomposiçãoQueimadurasAmputações Aplicações Técnicos especializados com conhecimento em: Anatomia Patologia Criminalística Fisiologia Bioquímica Antropólogo forenseConhecimentos complemetares:Escavação arqueológicaAnálise de cabelos, pegadas, insetos ematerial vegetalReconstrução facialSobreposição fotográficaIdentificação de variações anatômicas Antropólogo forenseTécnicas mais forenses:Análise da cena do crimeManejo de provasFotografiaBalística e armamento Antropólogo forense "Apesar de todos os humanos adultosterem os mesmos 206 ossos, não existem dois esqueletos iguais" Antropólogo forense 7Principal preocupação:Confrontarse com um corpo, vestígiosesqueléticos ou outro qualquer materialque se assemelhe a tecido ósseoPROCESSOS DA ANTROPOLOGIA
  4. 4. FORENSERemanescentes não são humanos ou osvestígios são de caráter histórico oumesmo préhistórico:Caso é encerradoTransferência para outras áreas deestudos científicos PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSEInteresse legal e forense no materialdescoberto:Processo de identificação dedeterminados caracteres de relevânciapara a investigaçãoReconstituição do indivíduo ante mortem PROCESSOS DA ANTROPOLOGIAFatores a identificar:Idade aquando da morteSexoEstatura PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSEPesoFiliação racialPatologias e historial médico do indivíduo PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSEPara além dos caracteres, o antropólogoforense deve:Compreender e concluir o modo e a causada morteHomicídio: identificar o agressor PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSE INVENTÁRIO Identificação, registro e descrição pormenorizada de todos os ossos relevantes na identificação do cadáver Análise de cada osso individualmente PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSE INVENTÁRIO Quanto à descrição:· Modo preciso e rigoroso· Registrar a condição geral dos ossos, dimensões
  5. 5. · Presença/ausência e qualquer tipo de anomalia ou saliência de relevância PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSE FILIAÇÃO RACIAL Método de fraca fidelidade Correlações entre raças e características morfológicas que podem não ser verificadas empiricamente PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSE FILIAÇÃO RACIAL Uso de particularidades nomeadamente da face· Caucasianos: Faces mais estreitas Narizes longos Queixos proeminentes PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSE· Negros: Grandes aberturas nasais Cavidades subnasais· Asiáticos e índios americanos: Ossos das bochechas salientes Características dentárias particulares PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSE SEXO Análise de medidas de vários componentes do esqueleto Pélvis Margens supraorbitais Crânio PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSETab. 1. Diferenças entre sexo masculino e feminino Características Sexo Masculino Sexo Feminino Estatura Grande PequenoMargem Supraorbital Arredondada AguçadoProcesso Mastóide Grande Pequeno Osso occipital Marcas musculares Marcas musculares bem marcadas não marcadas Glabela Ossuda Lisa Palatinos Grandes e em Forma Pequenos e em de U forma de parábolas
  6. 6. Côndilos occipitais Grandes PequenosPROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSE Fig. 1. Pelvis Masculina Fig. 2. Pelvis Feminina PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSEIDADEAnálise dos dentes e mandíbulaTécnicas comparativas entre as suturas docrânio e a fusão das epífisesInicialmente procedese à análise dassuturas endocranianas PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSE 12 IDADE Muito pouco rigorosoResultado final representado com umamargem de erro relativamente grande PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSE Tab. 2. Correlação da união total das epífises com a idade Osso Anos Cotovelo 14 Mãos e Pés 15 Calcanhar 16 Fêmur proximal 17 Joelho 18 Pulso 19 Ombro 20 Anca 21 Clavícula proximal 28 PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSE ESTATURA E PESOFórmula que considera a dimensão de trêsossos pares (tanto o direito como oesquerdo): úmero, rádio e ulnaEstatura = 3.26 x (úmero) + 62.10 (erro = +/4.43cm)Estatura = 3.42 x (rádio) + 81.56 (erro = +/4.30)Estatura = 3.26 x (ulna) + 78.29 (erro = +/4.42) PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSE 13
  7. 7. ESTATURA E PESO EXEMPLO: Úmero - direito (33,3) e esquerdo (33,4) - média (33,35) 3,26 × 33,35 + 62,1 = 170,82cm Rádio - direito e esquerdo (25,9) 3,42 × 25,9 + 81,56 = 170,14cm Ulna - direito (28,5) e esquerdo (28,4) - média (28,45) 3,26 × 28,45 + 78,29 = 171,04cm Média de Alturas - 170,67cm Médias de Erros - 4,38 Altura final - entre 166,29 (170,67 - 4,38) e 175,05 (170,67 + 4,38) PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSE ESTATURA E PESOApós calcular a altura prevista doindivíduo, pode se alcançar o peso domesmo pela aplicação direta da seguintefórmula:P (libras) = 4,4 × altura (em polegadas) - 143 PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSE ESTATURA E PESOExemplo:Altura média = 170,67cm1 polegada = 2,54cmP (libras) = 4,4 × altura (em polegadas) - 143P (libras) = 4,4 x 67,19 - 143 = 152,65 libras1 libra = 0,45 kg então...152,65 libras são 68,7kg PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSE 14TEMPO DESDE A MORTEColocarse em relação ao tempo decorridoentre a morte do indivíduo e o momentoda necropsia PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSEConhecimento prévio:Ossos não se decompõem tão facilmentecomo os outros tecidosNuma primeira fase de decomposição:pele e os tecidos molesDecomposição parcial: apresentaarticulações e cartilagens
  8. 8. PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSE TEMPO DESDE A MORTE Decomposição de um corpo depende de vários fatores:· Temperatura do solo· Acidez no local PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSE 15· Corpo exposto, atividade de insetos: Decomposição parcial em duas semanas Decomposição total em oito meses PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSE TEMPO DESDE A MORTE Se o corpo for queimado:· Um a dois anos para decomposição total· Deixado em solo arenoso, pode mumificar e ser conservado PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSE TEMPO DESDE A MORTE TEMPERATURA CORPÓREA: resfriamento de cerca de 1ºC a cada hora HIPOSTASES: localizam se nas áreas de maior declive após 30 minutos. Fixam se com aproximadamente 8 h TONUS MUSCULAR: RIGIDEZ do pólo cefálico para o caudal cerca de 2 h após a morte. Regressão no mesmo sentido cerca de 24h depois da morte PROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSETEMPO DESDE A MORTEMANCHA VERDE ABDOMINAL: região inguinal direita cerca de 18h após a morte.Degradação da bilirrubina em bileverdinaCIRCULAÇÃO PÓSTUMA DE BOURARDEL: tumefação dos vasos em razão da formaçãode gases no interior destesPROCESSOS DA ANTROPOLOGIA FORENSE MODO E CAUSA DA MORTECausa: doença, lesão ou ferimentos.Modo da morte: homicídio, suicídio, acidental, natural e desconhecida.Facilitado quando o cadáver ainda apresenta toda a sua estrutura de tecidos,músculos e carne.Lesões ósseas, restos de metais, dentes serrados ou fragmentos de balas.Declaração da causa e modo da morte do indivíduo:
  9. 9. Médico que analisa e avalia a informação cedida pelo antropólogo em conjunto com anecropsiaTRAUMAS E MARCASIdentificar particularidades do indivíduo que permitam a sua identificaçãoFraturas, vestígios de cirurgias, marcas de agressões passadas ou mesmo envolvidas nacausa da morteDeformações ósseas causadas por doençasMalformações ou alterações que são únicas de cada ser

×