A copa do mundo de futebol, o turismo e os problemas para as pc ds

159 visualizações

Publicada em

O Brasil receberá durante a copa da FIFA perto de um milhão de pessoas com deficiências e com mobilidade reduzida. Entretanto, encontrarão problemas de acessibilidade nas 12 cidades sede e para a visitação turística

Publicada em: Notícias e política
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

A copa do mundo de futebol, o turismo e os problemas para as pc ds

  1. 1. 1 A COPA DO MUNDO DE FUTEBOL E O TURISMO NO BRASIL: PROBLEMAS PARA AS PESSOAS COM MOBILIDADE REDUZIDA E COM DEFICIÊNCIAS Autor: Fernando Zornitta V.1, janeiro de 2014 1 No Brasil como na grande maioria das cidades sul-americanas, as pessoas com deficiências ficaram invisíveis e alijadas do exercício pleno da cidadania por séculos e um dos principais problemas é que as cidades, com o crescimento desordenado e pensadas somente para as pessoas em boas condições de saúde, deixaram o legado da falta da acessibilidade física, que sedimentou-se em 2 inúmeras barreiras para esse segmento de pessoas. A crescente migração do campo, o crescimento desordenado, sem planejamento e a favelização nas cidades, são realidades que contribuem para a geração e proliferação destas barreiras. Embora os avanços das leis e dos acordos internacionais, o Brasil; sede da Copa do Mundo de Futebol em 2014, não tem conseguido oferecer a 3 acessibilidade universal ; cumprir a legislação interna internacionais 5 4 e nem os tratados e, todas as cidades brasileiras estão sem essa condição de acessibilidade plena e restringem a vida de todos. Os mais prejudicados são segmentos dos idosos, pessoas com deficiências, obesos, gestantes; que passam por inúmeras dificuldades para exercerem os seus direitos e usufruírem dos espaços, equipamentos, edificações das cidades em condições de igualdade. 1 Arquiteto e Urbanista, Especialista em Turismo (WTO-ONU/Roma-IT); Especialista em Lazer e Recreação (ESEF-UFRGS/Porto Alegre-BR), Consultor em Acessibilidade e Membro do Fórum Permanente do Idoso e da Pessoa com Deficiência 2 As barreiras artificiais encontradas nas cidades são oriundas dos elementos de urbanização mal constituídos, mal implantados ou danificados (ex. Pavimentação inadequada, irregular ou com buracos, postes mal localizados e sinalizados, calçamento irregular – dentre outros); do mobiliário urbano mal construído, mal implantado ou danificado (ex. pontos de ônibus, telefones públicos, bancos de praças - dentre outros); de obras públicas no sistema viário (ex. para abertura de vias, saneamento, metrôs – dentre outras); do comércio e serviços ambulante e informal – que normalmente localiza-se nos espaços e vias públicas; do comércio e serviços regulares (ex. pela exposição de materiais em calçadas, pelos “containes” para venda de tudo – bancas de jornais e revistas, cartões telefônicos, sucos e lanches – dentre outros); de eventos em ambientes públicos – que normalmente ocorrem sem a devida preocupação com a acessibilidade universal; de arborização sem planejamento e nem gestão – que geram barreiras e irregularidades; dos automóveis e veículos – que ocupam calçadas e áreas impróprias como estacionamento; de materiais diversos depositados nas vias e em espaços públicos - como materiais de construção, entulho, objetos; de lixo – que não tem separação, armazenamento, coleta e destinação adequados e da população excluída – que busca moradia e que vive nas ruas, ocupa lagoas, praças e ruas. 3 Para todas as pessoas em condições de igualdade, independentemente da sua condição física e de saúde. 4 Especialmente o Decreto 5296/2004 e a NBR9050 5 Especialmente a Convenção da ONU Sobre Direito das Pessoas com Deficiências
  2. 2. 2 Segundo o Relatório Mundial Sobre Deficiência da OMS/ONU e Banco Mundial de 2011, o número das PCDs no planeta é de mais de um bilhão de pessoas perto de 15% da população mundial – 80% destas vivendo em países em desenvolvimento, mas no Brasil é de 23,9% – 45,6 milhões de pessoas têm algum tipo de deficiência; destes 38,5 milhões vivendo nas cidades e 67,2% do total de idosos, com mais de 65 anos. No nordeste o índice é de 26,% da população; no Ceará 27,7% - 2.340.000 de pessoas; um dos maiores índices do país e, na cidade de Fortaleza é de mais de 25% do conjunto da população; 6 perto de 700 mil pessoas; segundo o senso de 2010 do IBGE . As 12 cidades brasileiras que serão sede da Copa do Mundo de Futebol da FIFA preocuparam-se com a mobilidade urbana e abriram os caminhos dos aeroportos aos hotéis e destes aos estádios; mas não se prepararam para oferecer as condições mínimas para que o amplo espectro das cidades, das regiões e para que o turismo se viabilizasse de formas a atender também esses segmentos de pessoas. Os centros de comércio e serviços das cidades brasileiras são o exemplo da falta de acessibilidade, onde as barreiras 7 impedem da livre circulação e representam perigo para os transeuntes. Embora essa condição possa existir em algumas, o retardado esforço para a promoção da acessibilidade e eliminação destas barreiras, ainda prevalece a cultura do desrespeito, da falta de urbanidade e as cidades, seus espaços e edificações continuam sendo priorizadas para as pessoas normais e sem deficiências. É uma questão cultural arraigada que precisa de ações perenes; projetos e programas por parte do poder público, da sociedade e das suas instituições para que a médio e longo prazo tenhamos nossas cidades em condições de acessibilidade universal; boa para o residente e para o visitante. O turismo esportivo é uma, entre as dezenas de motivações humanas que dão o start para a atividade turística e, aqueles que nos visitarão para assistirem aos jogos, circularão pelas cidades sedes durante a copa e utilizar-se-ão da 6 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 7 Em estudo do autor, com bases em 8 mil registros fotográficos, realizado na cidade de Fortaleza/Brasil, publicado em texto intitulado CIDADE ACESSIVEL, EM BUSCA DOS CAMINHOS DA URBANIDADE E DO DIREITO UNIVERSAL e como um dos resultados – a Segmentação das Barreiras – comprovou a tipologia das principais barreiras encontradas nesta e em todas as cidades, comparativamente aos registros fotográficos também obtidos em várias outras cidades.
  3. 3. 3 infra e da superestrutura turística, da estrutura complementar e de animação e dos serviços; tanto do turismo interno como externo; entretanto as pessoas com deficiências não poderão vivenciar e interagir no contexto turístico e cultural da grande parte das localidades e das cidades das regiões pela falta de acessibilidade. O turismo é uma atividade que promove efeitos regionais; que atrai por motivações específicas e paisagens diferenciadas, o qual poderia levar benefícios econômicos, sociais e do intercâmbio sociocultural que o turismo oportuniza, pela interação do visitante com o habitante e, também, para a região, mas a grande maioria das cidades não se preparou para tal e nem oferecem as condições mínimas para tal. As estimativas indicam que perto de 1 milhão de PCDs estarão circulando para assistirem aos jogos e conhecer o país, mas a grande maioria das cidades estarão impedidas de acolher bem estes segmentos de pessoas pela falta das condições de acessibilidade, principalmente as com mobilidade reduzida e com deficiências. E não foi por falta de tempo para oferecer tal condição, desde que o Brasil foi escolhido para esse mega evento. O Brasil avança na sua economia e como receptor do turismo internacional, mas tarda em adaptar-se e em promover uma mudança do padrão cultural da sua população, das instituições e empreendedores, para que se ofereça a acessibilidade universal - em condições de igualdade para todas as pessoas, independentemente da sua condição física e de saúde. O país receberá também os Jogos Olímpicos em 2106 no Rio de Janeiro; cidade mais preparada para o turismo, mas esta também abunda em problemas de todas as ordens. Para o Rio, e há 4 anos do evento, ainda há tempo de fazer-se ver bem na foto e oferecer a acessibilidade universal; mas na Copa do Mundo de Futebol, nos desculpem os torcedores idosos, com deficiências ou com mobilidade reduzida, não temos mais tempo para oferecer-lhes essa imprescindível condição para qualquer ser humano e para o conforto, segurança e autonomia dos nossos ilustres visitantes, que se depararão com esse problema.
  4. 4. 4 O esporte, que não é só para a paz - como afirmou Nelson Mandela; ele pode ajudar na evolução da humanidade e do homem e deixar importantes legados, enquanto contribui para a melhoria das condições físicas, ambientais e da saúde humana; para a melhoria da qualidade de vida das populações onde ele é praticado e onde os eventos ocorrem. A Copa da FIFA poderia ter sido o catalisador da acessibilidade, mas por total insensibilidade e omissão das administrações municipais, das outras instâncias governamentais e de toda a sociedade, não serão. Minimamente existirá só para assistência aos jogos. Serviços básicos e imprescindíveis ao turista, como de táxis adaptados; de infraestrutura complementar e de animação do contexto turístico; do comércio e serviços, estarão em muito deficientes e aquém da expectativa da grandiosidade do evento e do país, além de não proporcionarem as condições para uma significativa parcela dos visitantes. Perderá o turismo, perderá o Brasil, que se mostrará ao mundo sem o respeito que todas as pessoas merecem, independentemente das suas condições físicas e de saúde. Isso não aparecerá nas telas durante o maior espetáculo da Terra; que, no ufanismo do grande circo da bola e para não desagradar ao promotor – a FIFA - e aos seus patrocinadores, só o lado bom será mostrado e escondida a sujeira em baixo do tapete. Mas quem tem algum problema de mobilidade física ou deficiência e vier, verá e sentirá essa realidade. O autor permite a publicação em qualquer meio e veículo; do todo ou parte do texto. Contato: fzornitta@hotmail.com
  5. 5. 5

×