Curso de comandos elétricos

2.085 visualizações

Publicada em

1 comentário
3 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.085
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
250
Comentários
1
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Curso de comandos elétricos

  1. 1. Escola Técnica Sandra Silva CURSO DE COMANDOS ELÉTRICOS Botoeira ou Botão de comando Em comandos elétricos a “chave” que liga os motores é diferente de uma chave usual, destas que se tem em casa para ligar a luz por exemplo. A diferença principal está no fato de que ao movimentar a “chave residencial” ela vai para uma posição e permanece nela, mesmo quando se retira a pressão do dedo. Na “chave industrial” ou botoeira há o retorno para a posição de repouso através de uma mola. Contatores É um dispositivo eletro-mecânico de comando a distância, com uma única posição de repouso e sem travamento, o contator consiste basicamente de um núcleo magnético excitado por uma bobina. Uma parte do núcleo magnético é móvel, e é atraído por forças de ação magnética quando a bobina é percorrida por corrente e cria um fluxo magnético. Quando não circula corrente pela bobina de excitação essa parte do núcleo é repelida por ação de molas. Contatos elétricos são distribuídos solidariamente a esta parte móvel do núcleo, constituindo um conjunto de contatos móveis. Solidário a carcaça do contator existe um conjunto de contatos fixos. Cada jogo de contatos fixos e móveis podem ser do tipo: Normalmente abertos (NA), ou normalmente fechados (NF).
  2. 2. Escola Técnica Sandra Silva Os contatores podem ser classificados como principais (CW, CWM) ou auxiliares (CAW). De forma simples pode-se afirmar que os contatores auxiliares tem corrente máxima de 10A e possuem de 4 a 8 contatos, podendo chegar a 12 contatos. Os contatores principais têm corrente máxima de até 600A. De uma maneira geral possuem 3 contatos principais do tipo NA, para manobra de cargas trifásicas a 3 fios. Classificação: AC1: é aplicada em cargas ôhmicas ou pouco indutivas, como aquecedores e fornos a resistência. AC2: é para acionamento de motores de indução com rotor bobinado. AC3: é aplicação de motores com rotor de gaiola em cargas normais como bombas, ventiladores e compressores. AC4: é para manobras pesadas, como acionar o motor de indução em plena carga, reversão em plena marcha e operação intermitente. Fusíveis Os fusíveis são elementos bem conhecidos, pois se encontram em instalações residenciais, nos carros, em equipamentos eletrônicos, máquinas, entre outros. São elementos que se destinam a proteção contra correntes de curto-circuito. Sua atuação deve-se a fusão de um elemento pelo efeito Joule, provocado pela súbita elevação de corrente em determinado circuito. O elemento fusível tem propriedades físicas, tais que o seu ponto de fusão é inferior ao ponto de fusão do cobre. Este último é o material mais utilizado em condutores de aplicação geral.
  3. 3. Escola Técnica Sandra Silva Disjuntores Assim como os fusíveis, são elementos que também se destinam a proteção do circuito contra correntes de curto-circuito. Em alguns casos, quando há o elemento térmico os disjuntores também podem se destinar a proteção contra correntes de sobrecarga. A corrente de sobrecarga pode ser causada por uma súbita elevação na carga mecânica, ou mesmo pela operação do motor em determinados ambientes fabris, onde a temperatura é elevada. A vantagem dos disjuntores é que permitem a re-ligação do sistema após a ocorrência da elevação da corrente, enquanto os fusíveis devem ser substituídos antes de uma nova operação. Relé Térmico ou de Sobrecarga Antigamente a proteção contra corrente de sobrecarga era feita por um elemento separado denominado de relé térmico. Este elemento é composto por uma junta bimetálica que se dilatava na presença de uma corrente acima da nominal por um período de tempo longo. Atualmente os disjuntores englobam esta função e sendo assim os relés de sobrecarga caíram em desuso
  4. 4. Escola Técnica Simbologia gráfica Sandra Silva
  5. 5. Escola Técnica Simbologia numérica e Sandra Silva literal Assim como cada elemento em um comando tem o seu símbolo gráfico específico, também a numeração dos contatos e denominação literal dos mesmos tem um padrão que deve ser seguido. Neste capítulo serão apresentados alguns detalhes, para maiores informações deve-se consultar a norma NBR 5280 ou a IEC 113.2. A numeração dos contatos que representam terminais de força é feita da seguinte maneira: 1, 3 e 5  Circuito de entrada (linha) 2, 4 e 6  Circuito de saída (terminal) Já a numeração dos contatos auxiliares segue o seguinte padrão: 1e2 Contato normalmente fechado (NF), sendo 1 a entrada e 2 a saída 3e4 Contato normalmente aberto (NA), sendo 3 a entrada e 4 a saída Nos relés e contatores tem-se A1 e A2 para os terminais da bobina. Os contatos auxiliares de um contator seguem um tipo especial de numeração, pois o número é composto por dois dígitos, sendo: Primeiro dígito: indica o número do contato Segundo dígito: indica se o contato é do tipo NF (1 e 2) ou NA (3 e 4) Os motores de indução podem ser comprados com 6 pontas e 12 pontas. No caso do motor de 6 pontas existem dois tipos de ligação: Triângulo: a tensão nominal é de 220 V (ver figura 9.1a) Estrela: a tensão nominal é de 380 V (ver figura 9.1b) No caso do motor de 12 pontas, existem quatro tipos possíveis de ligação:
  6. 6. Escola Técnica Triângulo em paralelo: a tensão nominal é 220 V Estrela em paralelo: a tensão nominal é 380 V Triângulo em série: a tensão nominal é 440 V Estrela em série: a tensão nominal é 760 V Sandra Silva
  7. 7. Escola Técnica Sandra Silva Comando simples Programa em Ladder Obs: Será utilizado no térmico o contato fechado 95 e 96. Por isso o contato I1 é aberto. A chave de desliga também é normalmente fechada. Por isso o contato I2 também é aberto. Se o térmico atuar irá aparecer na tela do CLP a mensagem `` Térmico atuado ´´
  8. 8. Escola Técnica Sandra Silva Comando com Reversão Programação em Ladder Obs : O térmico e o STOP são comuns para os dois comandos, por isso, é utilizado uma memória. (Como o térmico e o stop são normalmente fechados é utilizado um contato fechado dessa memória nas duas linhas de comando.
  9. 9. Escola Técnica Sandra Silva Comando estrela Triângulo Programação em Ladder T1 desliga a bobina estrela T2 liga a bobina triângulo q3 e q2 são intertravamentos.
  10. 10. Escola Técnica Sandra Silva PROCEDIMENTO PARA PARAMETRIZAÇÃO BÁSICA PARA OPERAÇÃO COM COMANDOS VIA IHM (INTERFACE HOMEM MÁQUINA DESBLOQUEAR O INVERSOR PARA A ALTERAÇÃO DE VALORES DOS PARÂMETROS. • • • • Apertar na tecla PROG. Acessar o parâmetro p000 através da tecla ▲ ou da tecla ▼. Apertar novamente na tecla PROG. Aparecerá o número 0 no visor. Alterar o valor do parâmetro para 5 através da tecla ▲. Pressionar novamente a tecla prog para gravar o valor selecionado. Aparecerá p000 no visor. DEFINIÇÃO DA FAIXA DE FREQUÊNCIAS DE OPERAÇÃO (FAIXA DE VELOCIDADES DE OPERAÇÃO DO MOTOR) A frequência mínima é definida no parâmetro 133 e a frequência máxima no parâmetro 134. Considerando uma faixa de operação entre uma velocidade bem pequena, próxima de zero, e uma velocidade de aproximadamente 1,5 vezes a velocidade nominal, nesta aula, a frequência mínima deverá ser ajustada em 5 hz e a frequência máxima em 90 hz. DEFINIÇÃO DA TENSÃO MÁXIMA DE SAÍDA DO INVERSOR. • A tensão máxima de saída do inversor pode ser ajustada entre 0 e 100% do valor da tensão da rede, através do parâmetro 142. A rede de entrada é de 220 v. O motor deverá ser alimentado em 220 v. Desta forma, a máxima tensão de saída do inversor deverá ser ajustada em 100% do valor da tensão da rede DEFINIÇÃO DA CORRENTE DE SOBRECARGA. • Define-se como corrente de sobrecarga a máxima corrente que será permitida na saída do inversor em regime contínuo de funcionamento. Correntes de saída acima deste valor provocam o desligamento do inversor. O tempo de desligamento é regido por uma curva corrente versus tempo semelhante aquelas de dispositivos de proteção como, por exemplo, relés de sobrecarga. • Quanto mais severa for a sobrecarga, mais rapidamente o inversor será desligado. Este parâmetro não atua em sobrecargas transitórias de curta duração, como é o caso das partidas. Usualmente, a corrente de sobrecarga é ajustada num valor • superior ao valor da corrente nominal do motor que será acionado. Procedimento prático: • Acessar o parâmetro 156 e ajustar o valor do parâmetro, no valor correspondente a uma sobrecarga de 20% no valor da corrente nominal do motor.
  11. 11. Escola Técnica Sandra Silva • A referência de velocidade, neste caso, é constituída por um intervalo de aceleração, um intervalo de operação com velocidade constante e um intervalo de desaceleração. Três parâmetros devem ser configurados: o tempo de aceleração, o tempo de desaceleração e a frequência correspondente a velocidade de operação. • • • P 100 — V=6 segundos (tempo de aceleração) P101—V=12 segundos (tempo de desaceleração) P121—V=50 Hz (frequência correspondente a velocidade de operação) SELEÇÃO DA FONTE. • Serve para definir se a operação será considerada como local ou como remota. (verificar configurações possíveis no manual de operações) P 220 — V=0 (local) SELEÇÃO DA FONTE DE COMANDOS. • Serve para definir a origem dos comandos, ou seja, se virão das teclas ou se virão dos bornes. P229- 0 SELEÇÃO DO SENTIDO DE GIRO. • Serve para definir se a operação será sempre no sentido horário, sempre no sentido anti-horário ou se a definição do sentido de giro será feita através de comandos. Para maiores detalhes, consultar o manual P231 – 2 LEITURA DA FREQUÊNCIA DE SAÍDA DO INVERSOR. • • • A leitura da frequência de saída do inversor é realizada através do parâmetro P005. A leitura da corrente de saída do inversor é realizada através do parâmetro P003. A leitura da tensão de saída do inversor é realizada através do parâmetro P007.
  12. 12. Escola Técnica Sandra Silva
  13. 13. Escola Técnica Sandra Silva
  14. 14. Escola Técnica Sandra Silva
  15. 15. Escola Técnica Sandra Silva MULTISPEED (CONTROLE DE VELOCIDADE, MODO REMOTO). • Fazer com que uma pessoa controle a velocidade de um motor a distância. O multispeed é utilizado quando se deseja até 8 velocidades fixas préprogramadas. • Permite o controle da velocidade de saída relacionando os valores definidos pelos parâmetros P124 a P131, conforme a combinação lógica das entradas digitais programadas para multispeed. • Entrar com a senha de acesso → P000 –V=5. Programações dos parâmetros definição remoto, modo multispeed
  16. 16. Escola • • • Técnica Sandra Silva Para que o inversor inicia o funcionamento devemos ativar a saída I1 e mais uma saída das quais foram programadas. Pois, o inversor neste modo só inicia o funcionamento com no mínimo duas saídas ativadas. Na tabela abaixo, para que a coluna I1e I2 seja ativada, ou seja, receba 0V, os dois devem estar ativados. Ativar I1 mais I3, para verificação da velocidade (freqüência) que o motor esta funcionando, basta verificar o valor do parâmetro de P126. Para tira a prova, basta fazer a leitura da freqüência no parâmetro P005. Para os demais basta verificar as saídas ativadas (0V) e verificar o parâmetro de referência indicado na tabela.

×