SlideShare uma empresa Scribd logo
ACIDENTES RADIOATIVOS
GESTÃO DE RISCO
Disciplina: Jogos Empresariais
Orientação: Profª. Eni Bertolini
Aroldo Matos – Clarice Chianca
Fernanda Santos – Gleidson Mesquita
Julio Machado – Lizioneto Vieira
Lucas Paiva – Paula Castro
O QUE É CÉSIO
O césio é um elemento químico representado pelo símbolo
Cs, cujo número atômico é 55. Sua descoberta ocorreu no ano de
1860, pelos cientistas Kirchoff e Bunsen. O seu nome vem do
termo latino caesius, que significa “céu azul” em função tanto do
metal quanto de seus compostos emitirem uma luminosidade de
coloração azul.
Fonte: Google Fonte: Google
LOCALIZAÇÃO NA TABELA PERIÓDICA
Está localizado no grupo dos metais alcalinos.
Juntamente com o gálio e o mercúrio; é um dos
poucos metais que se encontra no estado
líquido a temperaturas próximas da ambiente
(apresenta um ponto de fusão de 28.44ºC).
TABELA PERIÓDICA
O QUE É CESIO 137
Seu número de massa é a soma dos prótons e nêutrons
presentes no núcleo do átomo. Na maioria dos elementos
o número de prótons e nêutrons é igual ou próximo, mas
alguns isótopos (césio por exemplo) possuem muito mais
nêutrons do que prótons, e em virtude disto seus núcleos
se tornam instáveis e emitem radiações.
Assim, o césio-137 é um radioisótopo do césio que tem
em seu núcleo 55 prótons e 82 nêutrons.
USO DO CÉSIO 137
Usado normalmente encapsulado, como
fonte de raios gama na industrias e nas
irradiações terapêuticas.
Fonte: Google
SINTOMAS DA CONTAMINAÇÃO POR
CÉSIO 137
Essa radioatividade pode ter efeito devastador
no organismo humano. Começa a destruí-lo
de dentro para fora, primeiro a camada
muscular e os vasos sangüíneos, depois atinge
a camada de gordura, até chegar à pele.
Estima-se que um ser humano pode absorver
sem correr risco a radiação equivalente a
12.000 exames de Raio-X.
ACIDENTES RADIOATIVOS
GOIÂNIA 13 DE SETEMBRO DE 1987
A ORIGEM DO ACIDENTE
A ORIGEM DO ACIDENTE
O Instituto Goiano de Radioterapia (IGR) era
um instituto privado, localizado na Avenida
Paranaíba, no Centro de Goiânia;
O equipamento que gerou a contaminação na
cidade entrou em funcionamento em
1971, tendo sido desativado em 1985, quando
o IGR deixou de operar no endereço
mencionado.
IMAGEM DO INSTITUTO GOIANO DE
RADIOTERAPIA
Com a mudança de localização, o
equipamento de radio terapia foi abandonado
no interior das antigas instalações;
A maior parte das edificações pertencentes à
clínica foi demolida, mas algumas salas
inclusive aquela em que se localizava o
aparelho - foram mantidas sem nenhuma
segurança.
A ORIGEM DO ACIDENTE
ENTENDA COMO ACONTECEU...
No dia 13 de setembro de 1987
catadores de lixo entraram e acharam a
cápsula que continha Césio-137 que
estava dentro de um aparelho de
radioterapia.
ENTENDA COMO ACONTECEU...
No dia 18 de setembro Devair Alves Ferreira o dono do ferro-
velho, ao desmontar a máquina, expôs ao ambiente 19,26 g do
material radioativo, um pó branco parecido com o sal de cozinha.
Ele descobre que a substância, em ambientes escuros, emite
uma luz azulada. Encantado, acredita estar diante de algo
sobrenatural e leva o pó para casa.
Fonte: Google
ENTENDA COMO ACONTECEU...
De 19 a 21 de setembro Devair recebe a visita
de parentes, interessados em ver a misteriosa
luz azul. Todos começam a apresentar
tonturas, náuseas, vômitos e diarréia - os
primeiros sintomas da contaminação
radioativa. No dia 19, seu irmão Ivo leva a
substância para casa e ela é ingerida por sua
filha Leide das Neves de apenas 6 anos.
ENTENDA COMO ACONTECEU...
Odesson Ferreira, irmão de Devair, entra em
contato com a substância. Ele é motorista de
ônibus; contamina centenas de passageiros. A
frente de seu veículo foi considerada uma alta
fonte de contaminação e destruída como lixo
radioativo.
Com o grande número de doentes os
profissionais de saúde, pensaram tratar-se de
algum tipo de doença contagiosa
desconhecida, medicando os doentes em
conformidade com os sintomas descritos.
ENTENDA COMO ACONTECEU...
ENTENDA COMO ACONTECEU...
Maria Gabriela, esposa de Devair, suspeita que o
pó branco seja o responsável pelos sintomas;
Ela e um empregado do ferro-velho levaram a
cápsula de ônibus, até a Vigilância
Sanitária, onde permaneceu durante 2 dias
em uma cadeira.
Fonte: Google
ENTENDA COMO ACONTECEU...
O físico Walter Mendes é chamado e descobre
tratar-se de uma substância radioativa. Ele
chega a tempo de impedir que os bombeiros
joguem a cápsula dentro do rio Meio
Ponte, principal fonte de abastecimento da
cidade;
Imediatamente emite o alerta à CNEN
(Comissão Nacional de Energia Nuclear).
ENTENDA COMO ACONTECEU...
Os técnicos da CNEN chegam a Goiânia e,
junto com a polícia militar, começam os
trabalhos de descontaminação. Centenas de
pessoas que apresentam os sintomas são
colocadas de quarentena num estádio, onde
passam por uma triagem para identificar o
grau de contaminação.
CONSIDERADO DE GRANDES
PROPORÇÕES
Foi o maior acidente radioativo do mundo fora de
uma usina nuclear e o maior acontecido no Brasil;
Os números não oficiais dão conta de 104
mortos, entre moradores, policiais e bombeiros.
ACIDENTE QUE CLARAMENTE
PODERIA SER EVITADO
• O número (não oficial) é de 6.000 vítimas com
sequelas, as quais sofrem com preconceito e
descaso das autoridades.
Fonte: Google
SEGUNDA VÍTIMA FATAL
A pequena Leide das Neves de apenas 6 anos
ingeriu acidentalmente uma pequena
quantidade do pó radioativo;
Ela morreu dia 23/10/1987 duas horas após a
primeira vítima.
LEIDE DAS NEVES
Fonte: Google
TUMULTO NO CEMITÉRIO
Fonte: Google
TUMULTO NO CEMITÉRIO
Os corpos das quatro primeiras vítimas estão
enterrados no cemitério municipal de Goiânia;
Os túmulos têm mais que o dobro do
tamanho dos outros. Debaixo do
mármore, existem toneladas de concreto.
Tudo isso para bloquear a emissão de
material radioativo;
Cada caixão pesava cerca de 500 Kg e todos
feitos de chumbo.
TUMULTO NO CEMITÉRIO
Fonte: Google Fonte: Google
O governo da época tentou minimizar o
acidente escondendo dados da
população, dizendo ser apenas um vazamento
de gás.
A DEMORA NA DETECÇÃO
Outra razão é que Goiânia sediava, na
época, o GP Internacional de Motovelocidade
no Autódromo Internacional que hoje chama-
se Ayrton Senna, e o Governador do estado
Henrique Santillo não queria que o pânico
fosse instalado nos estrangeiros.
A DEMORA NA DETECÇÃO
ALERTA DADO . . .
A CNEN mandou examinar toda a população da região;
No total 112.800 pessoas foram expostas aos efeitos do
césio, muitas com contaminação corporal externa
revertida a tempo;
129 pessoas apresentaram contaminação corporal
interna e externa concreta, vindo a desenvolver sintomas
e foram apenas medicadas. Porém, 49 foram
internadas, sendo que 21 precisaram sofrer tratamento
intensivo; destas, quatro não resistiram e acabaram
morrendo.
ALERTA DADO . . .
ALERTA DADO . . .
Muitas casas foram esvaziadas e limpas a vácuo
para remover a poeira antes das superfícies serem
examinadas para detecção de radioatividade;
Objetos como brinquedos, fotografias e utensílios
domésticos foram considerados material de rejeito;
O que foi recolhido com a limpeza foi transferido
para o Parque Estadual Telma Ortegal.
COLETA DO LIXO
Fonte: Google
COLETA DO LIXO
Fonte: Google
COLETA DO LIXO
Fonte: Google
COLETA DO LIXO
Fonte: Google
TAMBORES CONTENDO LIXO
RADIOATIVO
Fonte: Google
OS TAMBORES DENTRO DE
CONTAINERS
Fonte: Google
DEPÓSITO DEFINITIVO
13 toneladas de lixo radioativo, oriundos de apenas
19 gramas de césio 137;
A estimativa é que o risco acabe apenas no ano
2187;
O local foi projetado para durar 300 anos – 100 anos
além do que estima-se acabe a emissão de radiação;
O local tem espessura de 1 metro de chumbo e mais
1,5 metro de concreto.
Local - Abadia de Goiás – 23Km de Goiânia
DEPÓSITO DEFINITIVO
Fonte: Google
Todos os contaminados ainda desenvolvem
enfermidades relacionadas a exposição à
radioatividade, fato este muitas vezes não
noticiado pela mídia.
VÍTIMAS SOFREM ATÉ HOJE
Fonte: Google
PUNIÇÃO AOS CULPADOS
Em julho de 1992 os médicos Orlando
Teixeira, Crizeide Dourado, Carlos Bezerril
responsáveis pela clínica abandonada e o
físico nuclear Flamarion Gourlart, foram
condenados por homicídio culposo;
Condenados a 3 anos de prisão em regime
semi-aberto, mas depois de 01 anos foram
perdoados através de um indulto presidencial.
PUNIÇÃO AOS CULPADOS
PUNIÇÃO AOS CULPADOS
A CNEM que deveria fiscalizar a clínica, foi
condenada a prestar assistência médica as
vítimas e a seus parentes;
O Governo de Goiás e a CNEM foram
condenados a pagar indenização as vítimas
que variam entre R$ 100mil e R$ 1Milhão de
reais;
Nenhuma indenização foi paga até hoje.
DIFERENTES OPINIÕES
O diretor da CNEN, Ivan Salati, afirma que a
possibilidade de ocorrer outro acidente como
o de Goiânia é pequena. Segundo ele, o
processo de controle de fontes radioativas
evoluiu bastante desde o acidente com o césio
137.
Fonte: Google
O senador Cyro Miranda (PSDB-GO) disse em
entrevista que o país “aprendeu muito pouco”
a partir do acidente com césio 137 ocorrido
em Goiânia. Desastres semelhantes ainda
podem acontecer em qualquer lugar do
Brasil, já que a fiscalização continua ineficaz.
DIFERENTES OPINIÕES
Fonte: Google
DIA DE CONCIENTIZAÇÃO
Em maio de 2012, a presidente da
República, Dilma Rousseff, sancionou a Lei
12.646/2012, que instituiu a data de 13 de
setembro como o Dia Nacional de Luta dos
Acidentados por Fontes Radioativas, para
lembrar o maior acidente com materiais
radioativos da história do país.
CHERNOBYL – 26 DE ABRIL DE 1986
ACIDENTES RADIOATIVOS
ENTENDA COMO ACONTECEU...
No dia 26 de abril de 1986, os operadores da
usina nuclear de Chernobyl, na
Ucrânia, realizaram um experimento com o
reator 4.
Contudo, para que o teste fosse possível, os
responsáveis pela unidade teriam que quebrar
o cumprimento de uma série de regras de
segurança indispensáveis.
ENTENDA COMO ACONTECEU...
Entre outros erros, os funcionários envolvidos
no episódio interromperam a circulação do
sistema hidráulico que controlava as
temperaturas do reator;
Mesmo operando com uma capacidade
inferior, o reator entrou em um processo de
superaquecimento incapaz de ser revertido.
CHERNOBYL
O acidente na Usina Nuclear de Chernobyl, é
considerado o pior acidente nuclear da história e
gerou uma nuvem radioativa que atingiu a
Rússia, Europa Oriental, Escandinávia e Reino
Unido.
ÁREA ATINGIDA
Fonte: Google
ÁREA ATINGIDA
A nuvem, com uma grande quantidade de materiais
radioativos, depositou especialmente Césio, por
praticamente todo o solo Europeu;
Até o ano de 2005, ele ainda era encontrado em
alimentos produzidos na região.
USINA APÓS O ACIDENTE
Fonte: Google
POPULAÇÃO HOJE
Estima-se que aproximadamente 5 milhões de
pessoas habitam, áreas ainda contaminadas
com material radioativo.
Chernobyl - Hoje
Fonte: Google
EXPOSIÇÃO À RADIAÇÃO
Em setembro de 2005, as Nações Unidas
publicaram um relatório segundo o qual 4 mil
pessoas morreram ou eventualmente
morreriam como resultado de exposição à
radiação de Chernobyl.
Fonte: Google
Muitas organizações não-governamentais
contestam as alegações da ONU e o movimento
ambientalista Greenpeace situa o número de
potenciais mortos por câncer em 93 mil.
EXPOSIÇÃO À RADIAÇÃO
Fonte: Google
Mesmo após ao acidente, devido à alta demanda por
energia do país, a usina nuclear de Chernobyl continuou a
operar os reatores 1, 2 e 3 até o dia 12 dezembro de 2000;
Alguns trabalhadores ainda permanecem no local já que
os três reatores da central, embora não estejam mais em
operação, ainda contêm combustível nuclear que deve ser
monitorado constantemente;
A Usina será completamente desativada até o ano de
2065.
USINA NUCLEAR
VEÍCULOS E HELICÓPTEROS USADOS
NO ACIDENTE
Fonte: Google
CHERNOBYL - CIDADE FANTASMA
Fonte: Google
CHERNOBYL - CIDADE FANTASMA
Fonte: Google
CHERNOBYL - CIDADE FANTASMA
Fonte: Google
PROPOSTA PARA EVITAR NOVOS
ACIDENTES
Criação de leis mais severas, onde os principais responsáveis
por acidentes radioativos sejam punidos com rigor, com penas
altas, inafiançáveis e com multas de alto valor onde o dinheiro
seja usado em beneficio das vítimas;
Buscar novos meios de energia, que substituam as usinas
nucleares, pois mesmo se tomando todos os cuidados
necessários o risco de um acidente ainda existe;
PROPOSTA PARA EVITAR NOVOS
ACIDENTES
Criar um programa educacional onde todas as crianças possam
aprender em sala de aula os danos que podem ser causados.
Toda amostra de substância radioativa deveria ser monitorada
por órgãos oficiais. Este deveria manter controle sobre todos os
aparelhos que utilizam substâncias radioativas e recolher tais
substâncias (com todos os cuidados recomendados), evitando
desta forma que o aparelho ou máquina que contém a
substância radioativa, caia nas mão de pessoas desinformadas e
provoque um novo acidente;
PROPOSTA PARA EVITAR NOVOS
ACIDENTES
Em relação as usinas nucleares, a fiscalização deve ser mais
intensa para averiguar se todas as normas de segurança estão
sendo cumpridas. E os países que possuem este meio de energia
devem investir preventivamente em planos que amenizem os
estragos causados por acidentes como esses;
A população precisa ser melhor informada em relação ao perigo
oferecido por substâncias radioativas e como agir caso um
acidente.
CICLO PDCA
•Aplicação das leis e dos
programas de informação;
•Implantar novos meios de
energia
•Verificar o cumprimento da
lei e os resultados dos
programas;
•Avaliar os novos meios de
energia.
•Criação de leis e
programas de informação
para a população;
•Buscar e sugerir meios de
energia que substituam as
usina s nucleares
•Corrigir as falhas
encontradas e criar
outras soluções se
for necessário.
A P
DC
Fonte: Google
FOTOS MUITO
FORTES
VÍTIMAS DE GOÂNIA
Fonte: Google
VÍTIMAS DA USINA CHERNOBIL
Fonte: Google
VITIMAS DE CHERNOBYL
Fonte: Mundo Bizarro/Chernobyl
QUANTIDADE DE USINAS NO MUNDO
Fonte: Google
SERÁ QUE PRECISAMOS????
OUTRAS FORMAS DE ENERGIA
SOLAR
EÓLICA ONDAS
HIDROELÉTRICA
Fonte: Google
BIBLIOGRAFIA
www.g1.com.br/goias - Acesso: 06/04/13
www.youtube.com – Acesso: 07/04/13
www.band.com.br – Acesso: 11/04/13
www.uol.com.br – Acesso: 11/05/13
www.curiosidades.com.br – Acesso: 05/05/13
www.google.com.br – Acesso: 15/05/13

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.Lucas Senna
 
Aplicações da radiação ionizante
Aplicações da radiação ionizanteAplicações da radiação ionizante
Aplicações da radiação ionizanteMagno Cavalheiro
 
Efeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da RadiaçãoEfeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da RadiaçãoWelisson Porto
 
História da radioatividade
História da radioatividadeHistória da radioatividade
História da radioatividadeMagno Cavalheiro
 
Acidentes Nucleares e Radiológicos
Acidentes Nucleares e RadiológicosAcidentes Nucleares e Radiológicos
Acidentes Nucleares e RadiológicosMagno Cavalheiro
 
Resenha crítica modelo
Resenha crítica   modeloResenha crítica   modelo
Resenha crítica modelotaise_paz
 
Efeitos biológicos das radiações
Efeitos biológicos das radiaçõesEfeitos biológicos das radiações
Efeitos biológicos das radiaçõesJames Barbosa
 
Medicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia DigitalMedicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia DigitalNoara Thomaz
 
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕESAULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕESMagno Cavalheiro
 

Mais procurados (20)

Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
Radiação: conceito, histórico, aplicações e prevenção.
 
Lixo radioativo
Lixo radioativoLixo radioativo
Lixo radioativo
 
Aplicações da radiação ionizante
Aplicações da radiação ionizanteAplicações da radiação ionizante
Aplicações da radiação ionizante
 
Radiação
RadiaçãoRadiação
Radiação
 
Efeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da RadiaçãoEfeitos Deletéris da Radiação
Efeitos Deletéris da Radiação
 
Fissão e fusão nuclear
Fissão e fusão nuclearFissão e fusão nuclear
Fissão e fusão nuclear
 
FÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕESFÍSICA DAS RADIAÇÕES
FÍSICA DAS RADIAÇÕES
 
História da radioatividade
História da radioatividadeHistória da radioatividade
História da radioatividade
 
Definição de Biossegurança para Radiologia
Definição de Biossegurança para RadiologiaDefinição de Biossegurança para Radiologia
Definição de Biossegurança para Radiologia
 
História da radiologia
História da radiologiaHistória da radiologia
História da radiologia
 
Radiologia Forense
Radiologia ForenseRadiologia Forense
Radiologia Forense
 
Acidentes Nucleares e Radiológicos
Acidentes Nucleares e RadiológicosAcidentes Nucleares e Radiológicos
Acidentes Nucleares e Radiológicos
 
Resenha crítica modelo
Resenha crítica   modeloResenha crítica   modelo
Resenha crítica modelo
 
Aula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológicaAula 03 proteção radológica
Aula 03 proteção radológica
 
Efeitos biológicos das radiações
Efeitos biológicos das radiaçõesEfeitos biológicos das radiações
Efeitos biológicos das radiações
 
Medicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia DigitalMedicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia Digital
 
Tomografia computadorizada
Tomografia computadorizadaTomografia computadorizada
Tomografia computadorizada
 
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕESAULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
AULA DE FÍSICA DAS RADIAÇÕES
 

Semelhante a Acidente radioativo – césio 137

Semelhante a Acidente radioativo – césio 137 (20)

Lana radio
Lana radioLana radio
Lana radio
 
2010agosto cesio137
2010agosto cesio1372010agosto cesio137
2010agosto cesio137
 
Trabalho esp2872 e1_andre ladeira
Trabalho esp2872 e1_andre ladeiraTrabalho esp2872 e1_andre ladeira
Trabalho esp2872 e1_andre ladeira
 
Césio 137
Césio 137Césio 137
Césio 137
 
Acidente com césio 137
Acidente com césio 137Acidente com césio 137
Acidente com césio 137
 
Memorial às vítimas do césio 137
Memorial às vítimas do césio 137Memorial às vítimas do césio 137
Memorial às vítimas do césio 137
 
Brilho da morte completo
Brilho da morte completoBrilho da morte completo
Brilho da morte completo
 
Energia Nuclear
Energia NuclearEnergia Nuclear
Energia Nuclear
 
Fontes naturais de radiação ionizante
Fontes naturais de radiação ionizanteFontes naturais de radiação ionizante
Fontes naturais de radiação ionizante
 
Scientific american brasil janeiro 2016
Scientific american brasil   janeiro 2016Scientific american brasil   janeiro 2016
Scientific american brasil janeiro 2016
 
Quimica 1EM 1BIM
Quimica 1EM 1BIM Quimica 1EM 1BIM
Quimica 1EM 1BIM
 
Isótopos e suas aplicações
Isótopos e suas aplicaçõesIsótopos e suas aplicações
Isótopos e suas aplicações
 
Michael crichton -_o_parque_dos_dinossauros
Michael crichton -_o_parque_dos_dinossaurosMichael crichton -_o_parque_dos_dinossauros
Michael crichton -_o_parque_dos_dinossauros
 
O Parque dos Dinossauros - Michael Crichton
O Parque dos Dinossauros - Michael CrichtonO Parque dos Dinossauros - Michael Crichton
O Parque dos Dinossauros - Michael Crichton
 
Césio 137
Césio 137 Césio 137
Césio 137
 
Consorcio realiza Conferência de Consumo responsável
Consorcio realiza Conferência de Consumo responsávelConsorcio realiza Conferência de Consumo responsável
Consorcio realiza Conferência de Consumo responsável
 
As Moléculas
As MoléculasAs Moléculas
As Moléculas
 
Poluio radioativa
Poluio radioativaPoluio radioativa
Poluio radioativa
 
Os sítios mais tóxicos do planeta
Os sítios mais tóxicos do planetaOs sítios mais tóxicos do planeta
Os sítios mais tóxicos do planeta
 
Sitios mais tóxicos do planeta
Sitios mais tóxicos do planetaSitios mais tóxicos do planeta
Sitios mais tóxicos do planeta
 

Mais de Eni Bertolini

Saúde - Manifestações 2013
Saúde - Manifestações 2013Saúde - Manifestações 2013
Saúde - Manifestações 2013Eni Bertolini
 
Gestão Ambiental - O lixo na cidade de Campinas
Gestão Ambiental - O lixo na cidade de CampinasGestão Ambiental - O lixo na cidade de Campinas
Gestão Ambiental - O lixo na cidade de CampinasEni Bertolini
 
Desmoronamento RJ e 11 de setembro
Desmoronamento RJ e 11 de setembroDesmoronamento RJ e 11 de setembro
Desmoronamento RJ e 11 de setembroEni Bertolini
 
Acidente no Hopi Hari
Acidente no Hopi Hari  Acidente no Hopi Hari
Acidente no Hopi Hari Eni Bertolini
 
Estadio Fonte Nova - Gestão de Risco
Estadio Fonte Nova - Gestão de RiscoEstadio Fonte Nova - Gestão de Risco
Estadio Fonte Nova - Gestão de RiscoEni Bertolini
 
Dengue nas cooperativas
Dengue nas cooperativasDengue nas cooperativas
Dengue nas cooperativasEni Bertolini
 
Apresentacao sobre desastre eni bertolini 16-05-2013
Apresentacao sobre desastre    eni bertolini  16-05-2013Apresentacao sobre desastre    eni bertolini  16-05-2013
Apresentacao sobre desastre eni bertolini 16-05-2013Eni Bertolini
 
Crianças contra a dengue
Crianças contra a dengueCrianças contra a dengue
Crianças contra a dengueEni Bertolini
 
Gestão de Risco - Incêncios
Gestão de Risco - IncênciosGestão de Risco - Incêncios
Gestão de Risco - IncênciosEni Bertolini
 
Conscientização sobre a dengue
Conscientização sobre a dengueConscientização sobre a dengue
Conscientização sobre a dengueEni Bertolini
 
Governo contra a dengue
Governo contra a dengueGoverno contra a dengue
Governo contra a dengueEni Bertolini
 
Dengue no canteiro de obra
Dengue no canteiro de obraDengue no canteiro de obra
Dengue no canteiro de obraEni Bertolini
 
Dengue na periferia de campinas
Dengue na periferia de campinasDengue na periferia de campinas
Dengue na periferia de campinasEni Bertolini
 
O Mosquito da dengue
O Mosquito da dengueO Mosquito da dengue
O Mosquito da dengueEni Bertolini
 
Projeto casa sustentável
Projeto casa sustentávelProjeto casa sustentável
Projeto casa sustentávelEni Bertolini
 
Projeto casa com produtos recicláveis
Projeto casa com produtos recicláveisProjeto casa com produtos recicláveis
Projeto casa com produtos recicláveisEni Bertolini
 
Texto para leitura nº fi v2
Texto para leitura   nº fi v2Texto para leitura   nº fi v2
Texto para leitura nº fi v2Eni Bertolini
 
Texto para leitura nº Fi
Texto para leitura   nº FiTexto para leitura   nº Fi
Texto para leitura nº FiEni Bertolini
 
Texto para leitura nº fi v2
Texto para leitura   nº fi v2Texto para leitura   nº fi v2
Texto para leitura nº fi v2Eni Bertolini
 

Mais de Eni Bertolini (20)

Saúde - Manifestações 2013
Saúde - Manifestações 2013Saúde - Manifestações 2013
Saúde - Manifestações 2013
 
Gestão Ambiental - O lixo na cidade de Campinas
Gestão Ambiental - O lixo na cidade de CampinasGestão Ambiental - O lixo na cidade de Campinas
Gestão Ambiental - O lixo na cidade de Campinas
 
Desmoronamento RJ e 11 de setembro
Desmoronamento RJ e 11 de setembroDesmoronamento RJ e 11 de setembro
Desmoronamento RJ e 11 de setembro
 
Acidente no Hopi Hari
Acidente no Hopi Hari  Acidente no Hopi Hari
Acidente no Hopi Hari
 
Estadio Fonte Nova - Gestão de Risco
Estadio Fonte Nova - Gestão de RiscoEstadio Fonte Nova - Gestão de Risco
Estadio Fonte Nova - Gestão de Risco
 
Dengue nas cooperativas
Dengue nas cooperativasDengue nas cooperativas
Dengue nas cooperativas
 
Apresentacao sobre desastre eni bertolini 16-05-2013
Apresentacao sobre desastre    eni bertolini  16-05-2013Apresentacao sobre desastre    eni bertolini  16-05-2013
Apresentacao sobre desastre eni bertolini 16-05-2013
 
Crianças contra a dengue
Crianças contra a dengueCrianças contra a dengue
Crianças contra a dengue
 
Gestão de Risco - Incêncios
Gestão de Risco - IncênciosGestão de Risco - Incêncios
Gestão de Risco - Incêncios
 
Conscientização sobre a dengue
Conscientização sobre a dengueConscientização sobre a dengue
Conscientização sobre a dengue
 
Dengue em Campinas
Dengue em CampinasDengue em Campinas
Dengue em Campinas
 
Governo contra a dengue
Governo contra a dengueGoverno contra a dengue
Governo contra a dengue
 
Dengue no canteiro de obra
Dengue no canteiro de obraDengue no canteiro de obra
Dengue no canteiro de obra
 
Dengue na periferia de campinas
Dengue na periferia de campinasDengue na periferia de campinas
Dengue na periferia de campinas
 
O Mosquito da dengue
O Mosquito da dengueO Mosquito da dengue
O Mosquito da dengue
 
Projeto casa sustentável
Projeto casa sustentávelProjeto casa sustentável
Projeto casa sustentável
 
Projeto casa com produtos recicláveis
Projeto casa com produtos recicláveisProjeto casa com produtos recicláveis
Projeto casa com produtos recicláveis
 
Texto para leitura nº fi v2
Texto para leitura   nº fi v2Texto para leitura   nº fi v2
Texto para leitura nº fi v2
 
Texto para leitura nº Fi
Texto para leitura   nº FiTexto para leitura   nº Fi
Texto para leitura nº Fi
 
Texto para leitura nº fi v2
Texto para leitura   nº fi v2Texto para leitura   nº fi v2
Texto para leitura nº fi v2
 

Acidente radioativo – césio 137

  • 3. Aroldo Matos – Clarice Chianca Fernanda Santos – Gleidson Mesquita Julio Machado – Lizioneto Vieira Lucas Paiva – Paula Castro
  • 4. O QUE É CÉSIO O césio é um elemento químico representado pelo símbolo Cs, cujo número atômico é 55. Sua descoberta ocorreu no ano de 1860, pelos cientistas Kirchoff e Bunsen. O seu nome vem do termo latino caesius, que significa “céu azul” em função tanto do metal quanto de seus compostos emitirem uma luminosidade de coloração azul. Fonte: Google Fonte: Google
  • 5. LOCALIZAÇÃO NA TABELA PERIÓDICA Está localizado no grupo dos metais alcalinos. Juntamente com o gálio e o mercúrio; é um dos poucos metais que se encontra no estado líquido a temperaturas próximas da ambiente (apresenta um ponto de fusão de 28.44ºC).
  • 7. O QUE É CESIO 137 Seu número de massa é a soma dos prótons e nêutrons presentes no núcleo do átomo. Na maioria dos elementos o número de prótons e nêutrons é igual ou próximo, mas alguns isótopos (césio por exemplo) possuem muito mais nêutrons do que prótons, e em virtude disto seus núcleos se tornam instáveis e emitem radiações. Assim, o césio-137 é um radioisótopo do césio que tem em seu núcleo 55 prótons e 82 nêutrons.
  • 8. USO DO CÉSIO 137 Usado normalmente encapsulado, como fonte de raios gama na industrias e nas irradiações terapêuticas. Fonte: Google
  • 9. SINTOMAS DA CONTAMINAÇÃO POR CÉSIO 137 Essa radioatividade pode ter efeito devastador no organismo humano. Começa a destruí-lo de dentro para fora, primeiro a camada muscular e os vasos sangüíneos, depois atinge a camada de gordura, até chegar à pele. Estima-se que um ser humano pode absorver sem correr risco a radiação equivalente a 12.000 exames de Raio-X.
  • 10.
  • 11. ACIDENTES RADIOATIVOS GOIÂNIA 13 DE SETEMBRO DE 1987
  • 12. A ORIGEM DO ACIDENTE
  • 13. A ORIGEM DO ACIDENTE O Instituto Goiano de Radioterapia (IGR) era um instituto privado, localizado na Avenida Paranaíba, no Centro de Goiânia; O equipamento que gerou a contaminação na cidade entrou em funcionamento em 1971, tendo sido desativado em 1985, quando o IGR deixou de operar no endereço mencionado.
  • 14. IMAGEM DO INSTITUTO GOIANO DE RADIOTERAPIA
  • 15. Com a mudança de localização, o equipamento de radio terapia foi abandonado no interior das antigas instalações; A maior parte das edificações pertencentes à clínica foi demolida, mas algumas salas inclusive aquela em que se localizava o aparelho - foram mantidas sem nenhuma segurança. A ORIGEM DO ACIDENTE
  • 16. ENTENDA COMO ACONTECEU... No dia 13 de setembro de 1987 catadores de lixo entraram e acharam a cápsula que continha Césio-137 que estava dentro de um aparelho de radioterapia.
  • 17. ENTENDA COMO ACONTECEU... No dia 18 de setembro Devair Alves Ferreira o dono do ferro- velho, ao desmontar a máquina, expôs ao ambiente 19,26 g do material radioativo, um pó branco parecido com o sal de cozinha. Ele descobre que a substância, em ambientes escuros, emite uma luz azulada. Encantado, acredita estar diante de algo sobrenatural e leva o pó para casa. Fonte: Google
  • 18. ENTENDA COMO ACONTECEU... De 19 a 21 de setembro Devair recebe a visita de parentes, interessados em ver a misteriosa luz azul. Todos começam a apresentar tonturas, náuseas, vômitos e diarréia - os primeiros sintomas da contaminação radioativa. No dia 19, seu irmão Ivo leva a substância para casa e ela é ingerida por sua filha Leide das Neves de apenas 6 anos.
  • 19. ENTENDA COMO ACONTECEU... Odesson Ferreira, irmão de Devair, entra em contato com a substância. Ele é motorista de ônibus; contamina centenas de passageiros. A frente de seu veículo foi considerada uma alta fonte de contaminação e destruída como lixo radioativo.
  • 20. Com o grande número de doentes os profissionais de saúde, pensaram tratar-se de algum tipo de doença contagiosa desconhecida, medicando os doentes em conformidade com os sintomas descritos. ENTENDA COMO ACONTECEU...
  • 21. ENTENDA COMO ACONTECEU... Maria Gabriela, esposa de Devair, suspeita que o pó branco seja o responsável pelos sintomas; Ela e um empregado do ferro-velho levaram a cápsula de ônibus, até a Vigilância Sanitária, onde permaneceu durante 2 dias em uma cadeira. Fonte: Google
  • 22. ENTENDA COMO ACONTECEU... O físico Walter Mendes é chamado e descobre tratar-se de uma substância radioativa. Ele chega a tempo de impedir que os bombeiros joguem a cápsula dentro do rio Meio Ponte, principal fonte de abastecimento da cidade; Imediatamente emite o alerta à CNEN (Comissão Nacional de Energia Nuclear).
  • 23. ENTENDA COMO ACONTECEU... Os técnicos da CNEN chegam a Goiânia e, junto com a polícia militar, começam os trabalhos de descontaminação. Centenas de pessoas que apresentam os sintomas são colocadas de quarentena num estádio, onde passam por uma triagem para identificar o grau de contaminação.
  • 24. CONSIDERADO DE GRANDES PROPORÇÕES Foi o maior acidente radioativo do mundo fora de uma usina nuclear e o maior acontecido no Brasil; Os números não oficiais dão conta de 104 mortos, entre moradores, policiais e bombeiros.
  • 25. ACIDENTE QUE CLARAMENTE PODERIA SER EVITADO • O número (não oficial) é de 6.000 vítimas com sequelas, as quais sofrem com preconceito e descaso das autoridades. Fonte: Google
  • 26. SEGUNDA VÍTIMA FATAL A pequena Leide das Neves de apenas 6 anos ingeriu acidentalmente uma pequena quantidade do pó radioativo; Ela morreu dia 23/10/1987 duas horas após a primeira vítima.
  • 29. TUMULTO NO CEMITÉRIO Os corpos das quatro primeiras vítimas estão enterrados no cemitério municipal de Goiânia; Os túmulos têm mais que o dobro do tamanho dos outros. Debaixo do mármore, existem toneladas de concreto.
  • 30. Tudo isso para bloquear a emissão de material radioativo; Cada caixão pesava cerca de 500 Kg e todos feitos de chumbo. TUMULTO NO CEMITÉRIO Fonte: Google Fonte: Google
  • 31. O governo da época tentou minimizar o acidente escondendo dados da população, dizendo ser apenas um vazamento de gás. A DEMORA NA DETECÇÃO
  • 32. Outra razão é que Goiânia sediava, na época, o GP Internacional de Motovelocidade no Autódromo Internacional que hoje chama- se Ayrton Senna, e o Governador do estado Henrique Santillo não queria que o pânico fosse instalado nos estrangeiros. A DEMORA NA DETECÇÃO
  • 34. A CNEN mandou examinar toda a população da região; No total 112.800 pessoas foram expostas aos efeitos do césio, muitas com contaminação corporal externa revertida a tempo; 129 pessoas apresentaram contaminação corporal interna e externa concreta, vindo a desenvolver sintomas e foram apenas medicadas. Porém, 49 foram internadas, sendo que 21 precisaram sofrer tratamento intensivo; destas, quatro não resistiram e acabaram morrendo. ALERTA DADO . . .
  • 35. ALERTA DADO . . . Muitas casas foram esvaziadas e limpas a vácuo para remover a poeira antes das superfícies serem examinadas para detecção de radioatividade; Objetos como brinquedos, fotografias e utensílios domésticos foram considerados material de rejeito; O que foi recolhido com a limpeza foi transferido para o Parque Estadual Telma Ortegal.
  • 41. OS TAMBORES DENTRO DE CONTAINERS Fonte: Google
  • 42. DEPÓSITO DEFINITIVO 13 toneladas de lixo radioativo, oriundos de apenas 19 gramas de césio 137; A estimativa é que o risco acabe apenas no ano 2187; O local foi projetado para durar 300 anos – 100 anos além do que estima-se acabe a emissão de radiação; O local tem espessura de 1 metro de chumbo e mais 1,5 metro de concreto.
  • 43. Local - Abadia de Goiás – 23Km de Goiânia DEPÓSITO DEFINITIVO Fonte: Google
  • 44. Todos os contaminados ainda desenvolvem enfermidades relacionadas a exposição à radioatividade, fato este muitas vezes não noticiado pela mídia. VÍTIMAS SOFREM ATÉ HOJE Fonte: Google
  • 46. Em julho de 1992 os médicos Orlando Teixeira, Crizeide Dourado, Carlos Bezerril responsáveis pela clínica abandonada e o físico nuclear Flamarion Gourlart, foram condenados por homicídio culposo; Condenados a 3 anos de prisão em regime semi-aberto, mas depois de 01 anos foram perdoados através de um indulto presidencial. PUNIÇÃO AOS CULPADOS
  • 47. PUNIÇÃO AOS CULPADOS A CNEM que deveria fiscalizar a clínica, foi condenada a prestar assistência médica as vítimas e a seus parentes; O Governo de Goiás e a CNEM foram condenados a pagar indenização as vítimas que variam entre R$ 100mil e R$ 1Milhão de reais; Nenhuma indenização foi paga até hoje.
  • 48. DIFERENTES OPINIÕES O diretor da CNEN, Ivan Salati, afirma que a possibilidade de ocorrer outro acidente como o de Goiânia é pequena. Segundo ele, o processo de controle de fontes radioativas evoluiu bastante desde o acidente com o césio 137. Fonte: Google
  • 49. O senador Cyro Miranda (PSDB-GO) disse em entrevista que o país “aprendeu muito pouco” a partir do acidente com césio 137 ocorrido em Goiânia. Desastres semelhantes ainda podem acontecer em qualquer lugar do Brasil, já que a fiscalização continua ineficaz. DIFERENTES OPINIÕES Fonte: Google
  • 50. DIA DE CONCIENTIZAÇÃO Em maio de 2012, a presidente da República, Dilma Rousseff, sancionou a Lei 12.646/2012, que instituiu a data de 13 de setembro como o Dia Nacional de Luta dos Acidentados por Fontes Radioativas, para lembrar o maior acidente com materiais radioativos da história do país.
  • 51. CHERNOBYL – 26 DE ABRIL DE 1986 ACIDENTES RADIOATIVOS
  • 52. ENTENDA COMO ACONTECEU... No dia 26 de abril de 1986, os operadores da usina nuclear de Chernobyl, na Ucrânia, realizaram um experimento com o reator 4. Contudo, para que o teste fosse possível, os responsáveis pela unidade teriam que quebrar o cumprimento de uma série de regras de segurança indispensáveis.
  • 53. ENTENDA COMO ACONTECEU... Entre outros erros, os funcionários envolvidos no episódio interromperam a circulação do sistema hidráulico que controlava as temperaturas do reator; Mesmo operando com uma capacidade inferior, o reator entrou em um processo de superaquecimento incapaz de ser revertido.
  • 54. CHERNOBYL O acidente na Usina Nuclear de Chernobyl, é considerado o pior acidente nuclear da história e gerou uma nuvem radioativa que atingiu a Rússia, Europa Oriental, Escandinávia e Reino Unido.
  • 56. ÁREA ATINGIDA A nuvem, com uma grande quantidade de materiais radioativos, depositou especialmente Césio, por praticamente todo o solo Europeu; Até o ano de 2005, ele ainda era encontrado em alimentos produzidos na região.
  • 57. USINA APÓS O ACIDENTE Fonte: Google
  • 58. POPULAÇÃO HOJE Estima-se que aproximadamente 5 milhões de pessoas habitam, áreas ainda contaminadas com material radioativo. Chernobyl - Hoje Fonte: Google
  • 59. EXPOSIÇÃO À RADIAÇÃO Em setembro de 2005, as Nações Unidas publicaram um relatório segundo o qual 4 mil pessoas morreram ou eventualmente morreriam como resultado de exposição à radiação de Chernobyl. Fonte: Google
  • 60. Muitas organizações não-governamentais contestam as alegações da ONU e o movimento ambientalista Greenpeace situa o número de potenciais mortos por câncer em 93 mil. EXPOSIÇÃO À RADIAÇÃO Fonte: Google
  • 61. Mesmo após ao acidente, devido à alta demanda por energia do país, a usina nuclear de Chernobyl continuou a operar os reatores 1, 2 e 3 até o dia 12 dezembro de 2000; Alguns trabalhadores ainda permanecem no local já que os três reatores da central, embora não estejam mais em operação, ainda contêm combustível nuclear que deve ser monitorado constantemente; A Usina será completamente desativada até o ano de 2065. USINA NUCLEAR
  • 62. VEÍCULOS E HELICÓPTEROS USADOS NO ACIDENTE Fonte: Google
  • 63. CHERNOBYL - CIDADE FANTASMA Fonte: Google
  • 64. CHERNOBYL - CIDADE FANTASMA Fonte: Google
  • 65. CHERNOBYL - CIDADE FANTASMA Fonte: Google
  • 66. PROPOSTA PARA EVITAR NOVOS ACIDENTES Criação de leis mais severas, onde os principais responsáveis por acidentes radioativos sejam punidos com rigor, com penas altas, inafiançáveis e com multas de alto valor onde o dinheiro seja usado em beneficio das vítimas; Buscar novos meios de energia, que substituam as usinas nucleares, pois mesmo se tomando todos os cuidados necessários o risco de um acidente ainda existe;
  • 67. PROPOSTA PARA EVITAR NOVOS ACIDENTES Criar um programa educacional onde todas as crianças possam aprender em sala de aula os danos que podem ser causados. Toda amostra de substância radioativa deveria ser monitorada por órgãos oficiais. Este deveria manter controle sobre todos os aparelhos que utilizam substâncias radioativas e recolher tais substâncias (com todos os cuidados recomendados), evitando desta forma que o aparelho ou máquina que contém a substância radioativa, caia nas mão de pessoas desinformadas e provoque um novo acidente;
  • 68. PROPOSTA PARA EVITAR NOVOS ACIDENTES Em relação as usinas nucleares, a fiscalização deve ser mais intensa para averiguar se todas as normas de segurança estão sendo cumpridas. E os países que possuem este meio de energia devem investir preventivamente em planos que amenizem os estragos causados por acidentes como esses; A população precisa ser melhor informada em relação ao perigo oferecido por substâncias radioativas e como agir caso um acidente.
  • 69. CICLO PDCA •Aplicação das leis e dos programas de informação; •Implantar novos meios de energia •Verificar o cumprimento da lei e os resultados dos programas; •Avaliar os novos meios de energia. •Criação de leis e programas de informação para a população; •Buscar e sugerir meios de energia que substituam as usina s nucleares •Corrigir as falhas encontradas e criar outras soluções se for necessário. A P DC Fonte: Google
  • 72. VÍTIMAS DA USINA CHERNOBIL Fonte: Google
  • 73. VITIMAS DE CHERNOBYL Fonte: Mundo Bizarro/Chernobyl
  • 74. QUANTIDADE DE USINAS NO MUNDO Fonte: Google
  • 76. OUTRAS FORMAS DE ENERGIA SOLAR EÓLICA ONDAS HIDROELÉTRICA Fonte: Google
  • 77. BIBLIOGRAFIA www.g1.com.br/goias - Acesso: 06/04/13 www.youtube.com – Acesso: 07/04/13 www.band.com.br – Acesso: 11/04/13 www.uol.com.br – Acesso: 11/05/13 www.curiosidades.com.br – Acesso: 05/05/13 www.google.com.br – Acesso: 15/05/13