Serviço social edudação

785 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
785
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Serviço social edudação

  1. 1. ArtigosSociedade e CulturaO ASSISTENTE SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA INSERÇÃO NECESSÁRIA.Publicado em 03 de dezembro de 2010 em Sociedade e CulturaO ASSISTENTE SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMAINSERÇÃO NECESSÁRIAO ASSISTENTE SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA INSERÇÃO NECESSÁRIA.Barbara Cristina Dias Firmino do CarmoErica Daniele da Silva LacerdaRESUMO: A pertinência deste trabalho tem como objetivo apresentar a necessidade do profissional deserviço social no sistema educacional público. Visto que este profissional possui formação para lidar comos reflexos da questão social, no qual alguns destes reflexos atingem constantemente os alunos, suasfamílias e a comunidade escolar.PALAVRAS CHAVE: Educação, Assistência social, Direitos sociaisINTRODUÇÃOSão inúmeras as possibilidades de atuação do (a) Assistente Social, principalmente no que se refere aosreflexos da questão social. Temos como base os primeiro trabalhos deste profissional, que surgiu nadécada de 30 nas fábricas, partindo para as famílias operárias destas fábricas e em seguida no campo daeducação. Nesta época, o Serviço Social também era utilizado como instrumento do capital, e atravésdeste mecanismo a classe operária era mantida sob controle, sendo ludibriada com os benefícios prestadospela assistência.Como objetivo, este trabalho procura dar ênfase à necessidade do assistente social no sistemaeducacional. A educação é o principal meio para o desenvolvimento social e a falta dela pode resultar emuma sociedade mal informada e inconsciente de seus direitos e deveres perante a sociedade. O assistentesocial na educação pública é de suma importância para a ampliação e efetivação dos direitos sociais,contribuindo também com a realização de diagnósticos sociais, indicando possíveis alternativas àproblemática social vivida por muitas crianças e adolescentes na rede pública de ensino, e, desta forma,refletindo na melhoria das condições de enfrentamento da vida escolar.O impulso que norteou o estudo sobre a necessidade do assistente social no âmbito educacional foi à leinº 15.075 de 2006, que dispõem sobre a implantação do Programa de Atendimento Psicopedagógico esocial em todas as unidades escolares que integram a Rede de Ensino Público. Essa lei encontra-se naAssembléia Legislativa do Paraná.
  2. 2. O assistente social vem desta forma, atuar em conjunto com a equipe pedagógica da escola e suas funçõesmais comuns serão: realizar diagnósticos sociais indicando possíveis alternativas à problemática socialvivida por muitas crianças e adolescentes; criar programas que visem à prevenção (violências, drogas,álcool, gravidez, etc.); analisar e diagnosticar as causas dos problemas sociais detectados em relação aosalunos, objetivando saná-los ou atenuá-los; desenvolver contatos com as famílias a fim de articularescola/grupos de pais ou responsáveis, fazendo com que estas famílias tenham conhecimento sobre a vidaescolar de seus filhos. Através de encontros, palestras ou dinâmicas em grupo, realizar visitasdomiciliares, com o intuito de conhecer a realidade sócio-familiar do aluno, e, desta forma, possibilitar aele um melhor desenvolvimento escolar.AS PERSPECTIVAS DA ATUAÇAO DO ASSISTENTE SOCIAL NA EDUCAÇAOO ECA-Estatuto da Criança e do Adolescente, compreende e estabelece qual deve ser o tratamento socialoferecido a crianças e adolescentes de todo o país visando a proteção de seus direitos.Art. 53. A criança e o adolescente têm direito à educação, visando ao pleno desenvolvimento de suapessoa, preparo para o exercício da cidadania e qualificação para o trabalho, assegurando-se-lhes:I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;II - direito de ser respeitado por seus educadores;III - direito de contestar critérios avaliativos, podendo recorrer às instâncias escolares superiores;IV - direito de organização e participação em entidades estudantis;V - acesso à escola pública e gratuita próxima de sua residência.Parágrafo único. É direito dos pais ou responsáveis ter ciência do processo pedagógico, bem comoparticipar da definição das propostas educacionais.(ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE, 13 jul 1990).Quando verificamos a igualdade de condições para o acesso e permanência na escola, o direito dos paisou responsáveis ter ciência do processo pedagógico, bem como participar da definição das propostaseducacionais na vida escolar de seus filhos, o que se sabe é que isto na maioria das vezes não é exercido.No entanto, não é analisado o motivo do não exercício desses direitos e deveres.A atuação do assistente social na educação seria também para uma efetiva articulação entre escola efamília, pois nota-se que os profissionais da educação não conseguem obter essa articulação por nãoterem uma formação para trabalhar com os reflexos da questão social. Também não conseguem ter umbom diálogo com estas famílias, porque muitas "não se importam" com a vida escolar de seus filhos.Porém, esta falta de compromisso também não pode ser considerada uma negligência, pois a sociedadeestá cada vez mais competitiva no mercado de trabalho, alguns pais não possuem um bom grau deinstrução sequer para compreender o boletim dos filhos e sentem-se constrangidos por isso. Além disso,
  3. 3. muitas famílias são desestruturadas, pois raramente encontramos as famílias tradicionais (pai, mãe efilhos), atualmente existem famílias dentro de famílias e outros membros desta família acabam ocupandoo lugar do pai ou da mãe. Esses novos contextos acabam gerando uma insegurança e rejeição nas criançase adolescentes o que normalmente refletirá na sua vida escolar.A Lei 9394 de 20 de dezembro de 1996 traz significativas alterações para o ensino brasileiro, porémcomo muitas outras, esta lei também acaba se tornando contraditória. Visto que ela apresenta umaproposta de transformação do ensino público, mas que não é colocada em prática como deveria.Principalmente por ser dissociada do contexto econômico e políticoComo podemos verificar na lei 9.394/96, em seu artigo 1º, inciso 2º, a educação escolar deverá vincular-se ao mundo do trabalho e à prática social. Com esta base, verificamos a necessidade do profissional deServiço Social inserido na educação. Este deverá contribuir na identificação dos fatores sociais, culturaise econômicos que atormentam o campo educacional, visto que os docentes não possuem formação paralidar com esses fatores, dentre outros do atual contexto; tais como: evasão escolar, baixo rendimentoescolar, atitudes e comportamentos agressivos, drogas, pouco ou nenhum acompanhamento da família navida escolar, etc. Tais questões são de grande complexidade e faz-se necessário uma intervençãoconjunta, ou seja, o assistente social virá para complementar à equipe pedagógica existente na escola,possibilitando, conseqüentemente, uma ação efetiva.CONSIDERAÇOES FINAISSabendo que a educação serve para a manutenção da ordem social ou para a transformação desta ordem,vemos que a atuação de um assistente social junto a profissionais da classe pedagógica pode contribuirpara uma conscientização da sociedade, dando as crianças e adolescente das escolas publica aoportunidade de uma melhor formação, ou pelo menos com mais informação sobre sua realidade social.Conclui-se então que a inserção da assistência no meio educacional ira contribuir para que a escolapública execute sua função social, que é a proteção dos direitos fundamentais de crianças e adolescentes.REFERENCIASBRASIL. Lei nº 8.069/90, de 13 de julho de 1.990. Estatuto da Criança e do Adolescente.BRASIL. Lei n° 9.394/96, de 20 de dezembro de 1.996.IAMAMOTO, Marilda; CARVALHO, Raul. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil. Esboço de umainterpretação histórico-metodológica. São Paulo: Cortez, 1982.LOPES, Eleni de Melo Silva. Serviço Social e Educação: As perspectivas de avanços do profissional deServiço Social no sistema escolar público. Serviço Social em revista, Londrina v. 8, n. 2, Jan/Jun 2006.Disponível em: http://www.ssrevista.uel.br/c-v8n2.htm. Acesso em: 07 de setembro de 2010.PARANÁ. Lei n° 15.075/06, de 05 de maio de 2006

×