Apostila de Mitologia Grega

13.622 visualizações

Publicada em

0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13.622
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
500
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apostila de Mitologia Grega

  1. 1. Apostila deMitologia Grega (Organizado por Doug Caesar)
  2. 2. CronologiaIdade Período Período Eventos Eventos Obras Mitológico Histórico Mitológicos HistóricosOuro Cosmogônico Teogonia / Urano Teogonia dePrata Teogônico Genealogia Hesíodo Divina O Trabalho e os Dias de Hesíodo Mitológico Titanomáquia / Cronos Criação de Pandora Mitológico Gigantomáquia Mitológico TifãoBronze Heróico Minóico Minos / Minotauro CivilizaçãoHeróis Centauromáquia Cicládica e Amazonomáquia Minóica Heróico Micênico Perseu Invasão dos Hércules 12 Aqueus Trabalhos Civilização Os Heráclidas Micênica Os ArgonautasFerro Heróico Homérico Guerra de Tróia - Invasão dos Ilíada de& Aço Odisséia Dórios, Jônios Homero e Eólios Odisséia de Homero Reis Arcaico Genealogias Cinecismo e Reais formação das Cidades-Estado Colonização Grega Trágica Clássico Guerras Greco- Tragédias e Pérsicas Comédias Sofística Clássico Guerras do Sócrates, Peloponeso – Platão Hegemonia Sofística Alexandrino Alexandre Aristóteles Conquista Macedônia Sofística Helenístico Reinos Helenísticos Sofística Romano Conquista São Paulo, Romana Santo André Cristianização da Grécia Cristã Bizantino Nova Tróia Império Bizantino Cristã Otomano Conquista Turca Otomana Cristã Romaico / Dodecateísmo Guerra de Moderno Independência GregaÍcor Escatológico Atena destrona Zeus
  3. 3. Atividades com Mapas - Grécia1) Localize as seguintes regiões da Grécia e escreva no mapa: Ática, Peloponeso, GréciaCentral, Épiro, Tessália, Macedônia, Trácia, Ásia Menor.2) Escolha cores diferentes, exceto azul, para pintar cada uma das regiões.3) Localize os mares e escreva no mapa: Mar Jônico, Golfo de Patras, Mar Sarônico, MarEgeu, Mar de Mármara.4) Em qual região localizam-se as Ilhas do Mar Trácio, Ilha de Creta, Ilha deseguintes cidades gregas: Cítera e Anticítera, Dodecaneso, a) Atenas ______________ Cíclades, Ilhas do Mar Egeu.b) Tebas ______________c) Esparta _____________ 6) Pinte de cores diferentes osd) Micenas _____________ arquipélagos citados.e) Cnossos ____________f) Argos _______________ 7) Cite ilhas que fazem parte dosg) Iolcos _______________ arquipélagos abaixo:h) Bizâncio ____________ a) Ilhas Jônicas:____________________i) Megara ______________ b) Ilhas do Mar Trácio: ______________j) Tróia ________________ c) Dodecaneso: ____________________l) Delfos _______________ d) Cíclades: _______________________m) Monte Olimpo ______ e) Ilhas do Mar Egeu: _______________5) Localize os seguintes arquipélagosgregos e escreva no mapa: Ilhas Jõnicas,
  4. 4. A Genealogia dos DeusesCaos Tifão: Tentou derrotar Zeus mais junto aDivindades: Destino, Erébo, Noite, Atena os dois venceram o gigante.Discórdia, Parcas, Gréias, Concórdia,Amor, Dia Os Deuses OlimpicosUrano – Fúrias e Afrodite Zeus e Hera: pais de Ares, Hefesto, Hebe eGéia / Gaia / Terra Ilítia.Os Titãs: Saturno / Cronos, Hipérion, Zeus e Mnemósine: pais das Musas.Coeus, Crios, Oceano, Jápeto Zeus e Leto: pais de Apolo e Ártemis.As Titânidas: Réia / Cibele / Ops, Téia, Zeus e Deméter: pais de PerséfoneFebe, Mnemósine / Memória, Tétis, Métis / Zeus e Métis: pais de Atena.Prudência Zeus e Maia: pais de Hermes. Zeus e Sêmele: pais de Dionísio.Os Casais: Zeus e Díone: pais de Afrodite.Cronos e Réia: pais de Zeus, Poseidon, Zeus e Têmis: pais das Horas e MoirasHades, Héstia, Hera e Deméter. Afrodite e Ares: pais de Eros, Anteros,Hipérion e Téia: pais de Hélios (Sol), Himineu, Harmonia, Deimos e Fobos.Selene (Lua) e Éos (Aurora) Hades e Perséfone: não tiveram filhos.Coeus e Febe: pais de Leto (Latona) Poseidon e Anfitrite: pais de Tritão eOceano e Tétis: pais das oceânidas e das Proteu.nereidas, as principais são Anfitrite e Tétis.Japeto e Climene: pais de Prometeu, Zeus e Alcmena: HérculesEpimeteu, Menécio e Atlas. Aniope: Anfitone e Zeto Calisto: ArcadeOs Hecatonquiros: Coto, Giges e Briareus Danae: PerseuOs Ciclopes: Arges, Brontes e Steratopes Egina: ÉacoA Titanomáquia: Guerra entre Deuses e Europa: Minos, Sarpedon, RadamantoTitãs. Io: EpafoA Gigantomáquia: Os gigantes tentaram Leda: Helema, Dioscorussubir o Monte Olimpo mais foramderrotados pelos deuses.
  5. 5. Teogonia História do Céu e de Crono Quantos da Terra e do Céu nasceram,Os Deuses primordiais filhos os mais temíveis, detestava-os o paiSim bem primeiro nasceu Caos, depois dês o começo: tão logo cada um deles nasciatambém a todos ocultava, à luz não os permitindo,Terra de amplo seio, de todos sede irresvalável na cova da Terra. Alegrava-se na maligna obrasempre, o Céu. Por dentro gemia a Terra prodigiosados imortais que têm a cabeça do Olimpo atulhada, e urdiu dolosa e maligna arte.nevado, Rápida criou o gênero do grisalho aço,e Tártaro nevoento no fundo do chão de forjou grande podão e indicou aos filhos.amplas vias, Disse com ousadia, ofendida no coração:e Eros: o mais belo entre Deuses imortais, “Filhos meus e do pai estólido, se quiserdessolta-membros, dos Deuses todos e dos ter-me fé, puniremos o maligno ultraje de vossohomens todos pai, pois ele tramou antes obras indignas”.ele doma no peito o espírito e a prudentevontade. Assim falou e a todos reteve o terror, ninguém vozeou. Ousado o grande Crono de curvoDo Caos Érebos e Noite negra nasceram. pensarDa Noite aliás Éter e Dia nasceram, devolveu logo as palavras à mãe cuidadosa:gerou-os fecundada unida a Érebos em amor. “Mãe, isto eu prometo e cumprireiTerra primeiro pariu igual a si mesma a obra, porque nefando não me importa oCéu constelado, para cercá-la toda ao redor nossoe ser aos Deuses venturosos sede irresvalável pai, pois ele tramou antes obras indignas”.sempre. Assim falou. Exultou nas entranhas TerraPariu altas Montanhas, belos abrigos das prodigiosa,Deusas colocou-o oculto em tocaia, pôs-lhe nas mãosninfas que moram nas montanhas frondosas. a foice dentada e inculcou-lhe todo o ardil. Veio com a noite o grande Céu, ao redor daE pariu a infecunda planície impetuosa de Terraondas desejando amor sobrepairou e estendeu-seo Mar, sem o desejoso amor. Depois pariu a tudo. Da tocaia o filho alcançou com a mãodo coito com Céu: Oceano de fundos esquerda, com a destra pegou a prodigiosaremoinhos foicee Coios e Crios e Hipérion e Jápeto longa e dentada. E do pai o pênise Teia e Réia e Têmis e Memória ceifou com ímpeto e lançou-o a esmoe Febe de áurea coroa e Tétis amorosa. para trás. Mas nada inerte escapou da mão:E após com ótimas armas Crono de curvo quantos salpicos respingaram sanguíneospensar, a todos recebeu-os a Terra; com o girar do anofilho o mais terrível: detestou o florescente pai. gerou as Erínias duras, os grandes Gigantes rútilos nas armas, com longas lanças nasPariu ainda os Ciclopes de soberbo coração: mãos,Trovão, Relâmpago e Arges de violento ânimo e Ninfas chamadas Freixos sobre a terraque a Zeus deram o trovão e forjaram o raio. infinita.Eles no mais eram comparáveis aos Deuses, O pênis, tão logo cortando-o com o açoúnico olho bem no meio repousava na fronte. atirou do continente no undoso mar,Ciclopes denominava-os o nome, porque neles aí muito boiou na planície, ao redor brancacircular olho sozinho repousava na fronte. espuma da imortal carne ejaculava-se, delaVigor, violência e engenho possuíam na ação. uma virgem criou-se. Primeiro Citera divina atingiu, depois foi à circunfluída ChipreOutros ainda da Terra e do Céu nasceram, e saiu veneranda bela Deusa, ao redor relvatrês filhos enormes, violentos, não nomeáveis. crescia sob esbeltos pés. A ela. AfroditeCotos, Briareu e Giges, assombrosos filhos. Deusa nascida de espuma e bem-coroadaDeles, eram cem braços que saltavam dos Citeréiaombros, apelidam homens e Deuses, porque da espumaimproximáveis; cabeças de cada um cinqüenta criou-se e Citeréia porque tocou Citera,brotavam dos ombros, sobre os grossos Cípria porque nasceu na undosa Chipre,membros. e Amor-do-pênis porque saiu do pênis à luz.Vigor sem limite, poderoso na enorme forma Eros acompanhou-a, Desejo seguiu-a belo, tão logo nasceu e foi para a grei dos Deuses.
  6. 6. Esta honra tem dês o começo e na partilha ao rei Crono e ao filho de violento ânimo.coube-lhe entre homens e Deuses imortais Enviaram-na a Licto, gorda região de Creta,as conversas de moças, os sorrisos, os quando ela devia parir o filho de ótimas armas,enganos, o grande Zeus, e recebeu-o Terra prodigiosao doce gozo, o amor e a meiguice. na vasta Creta para nutri-lo e criá-lo. Aí levando-o através da veloz noite negraO pai com o apelido de Titãs apelidou-os: atingiuo grande Céu vituperando filhos que gerou primeiro Licto, e com ele nas mãos escondeu-odizia terem feito, na altiva estultícia, em gruta íngreme sob o covil da terra divinagrã obra de que castigo teriam no porvir. no monte das Cabras denso de árvores. Encueirou grande pedra e entregou-aO nascimento de Zeus ao soberano Uranida rei dos antigos Deuses.Réia submetida a Crono pariu brilhantes filhos: Tomando-a nas mãos meteu-a ventre abaixoHéstia, Deméter e Hera de áureas sandálias, o coitado, nem pensou nas entranhas queo forte Hades que sob o chão habita um palácio deixavacom impiedoso coração, o troante Treme-terra em vez da pedra o seu filho invicto e seguroe o sábio Zeus, pai dos Deuses e dos homens, ao porvir. Este com violência e mãossob cujo trovão até a ampla terra se abala. dominando-o logo o expulsaria da honra e reinaria entreE engolia-os o grande Crono tão logo cada um imortais.do ventre sagrado da mãe descia aos joelhos,tramando-o para que outro dos magníficos Rápido o vigor e os brilhantes membrosUranidas do príncipe cresciam. E com o girar do ano,não tivesse entre os imortais a honra de rei. enganado por repetidas instigações da Terra,Pois soube da Terra e do Céu constelado soltou a prole o grande Crono de curvo pensar,que lhe era destino por um filho ser submetido vencido pelas artes e violência do filho.apesar de poderoso, por desígnios do grande Primeiro vomitou a pedra por último engolida.Zeus. Zeus cravou-a sobre a terra de amplas viasE não mantinha vigilância de cego, mas à em Delfos divino, nos vales ao pé do Parnaso,espreita signo ao porvir e espanto aos perecíveisengolia os filhos. Réia agarrou-a longa aflição. mortais.Mas quando a Zeus pai dos Deuses e doshomens E livrou das perdidas prisões os tios paternosela devia parir, suplicou-lhe então aos pais Trovão, Relâmpago e Arges de violento ânimo,queridos, filhos de Céu a quem o pai em desvarioaos seus, à Terra e ao Céu constelado, prendeu;comporem um ardil para que oculta parisse e eles lembrados da graça benéficao filho, e fosse punido pelas Erínias do pai deram-lhe o trovão e o raio flamantee filhos engolidos o grande Crono de curvo e o relâmpago que antes Terra prodigiosapensar. recobria.Eles escutaram e atenderam à filha querida Neles confiante reina sobre mortais e imortais.e indicaram quanto era destino ocorrer
  7. 7. Atividades1) Complete a cruzadinha abaixo:Horizontal3. Deus do submundo e dos mortos. É acompanhado pelo seu cachorro Cérbero.5. Deus da guerra.7. Deusa das mulheres, do casamento e do parto.8. Deusa alada da VItória.9. Mensageiro dos deuses. Seu símbolo é o caduceu.10. Deus da beleza, do sol, das artes e da profecia.Vertical1. Deus do céu, dos raios e dos homens.2. Deusa virgem do lar e do fogo.4. Deusa do amor e da beleza. Nasceu das espumas do mar.6. Artesão e ferreiro dos deuses.2) Observe a cerâmica abaixo e identifique a divindade retratada: _________________ __________________ _____________
  8. 8. 3) Complete a cruzadinha abaixo: Horizontal: 1. Uma das nereidas, deusa do mar. 3. Deus do vinho, das festas e do teatro. É sempre acompanhado de seu tirso, dos sátiros e das mênades. 4. Deusa da Lua, da caça e da morte súbita. 5. Titã que foi punido pelos deuses e passou a carregar o mundo nas costas. 6. Maior heroi grego, com sua força venceu inúmeros monstros como o Leão de Neméia, a Hidra de Lerna e o Javali de Erimanto. 8. Deusa da agricultura e da germinação das sementes. Foi raptada por Hades e se tornou a rainha do submundo. Vertical: 1. Deusa da guerra, dos herois e saiu completamente armada da cabeça de Zeus. 2. Deus do mar, dos terremotos e dos cavalos. Seu símbolo é o tridente. 3. Deusa da agricultura. Seu símbolo é a cornucópia, a abundância. 7. Deus do amor. Representado como uma criança portando asas, um arco e as flechas da paixão.4) Observe a cerâmica abaixo e identifique a divindade retratada: _________________ __________________ _____________
  9. 9. Deuses Gregos Nome Nome Nome Templo Nome Nome Nome Templo Grego Latino Etrusc Grego Latino Etrusc o o Zeus Júpiter Tinia Olympeum Héracles Hércules Hercle Heracleiu Lycaeum Alcides m Nemeum ChrysaoreumPoseidon Netuno Nethun Poseideum Hélios Sol s Poseidoneum Rodon Hades Plutão Aita Plutoneum Selene Lua Dis Martus Necyomanteu Orcus m Hera Juno Heraion Éos Aurora Heraeon Héstia Vesta Hestieon Hécate Trívia Hecatesiu m Demeter Ceres Eleusineum Perséfon Prosérpin Ferspn Demetreum e a ai Atena Minerv Athenaeum Anfitrite Salácia Palas a Venília Ares Marte Laran Areion Asclépio Esculápio Asclepieiu m Lebenaeu m Afrodite Vênus Turan Aphrodiseum Eros Amor Cupido Hefesto Vulcan Sethlan Hephaestium Leto Latona o s Dionísio Baco Fufluns Dionyseum Musas Zagreos Liber Lenaeum SabaziosNeodionisi o Hermes Mercúri Turms Hermaeum Pã Fauno o Apolo Febo Loxias Apolloneum Réia Ops Metroeum Pytheum Cibele Delium Delphineum Amyclaeum Lyceum Triopeum Artemis Diana Artume Artemiseum Cronos Saturno Epheseum Tauropoleum
  10. 10. O Culto dos Deuses na Grécia AntigaTipos de CultoJogos: Olímpia, Nemeia, Delfos, IstmoSantuáriosOráculosTemplos Políades e Templos Pan-HelênicosMistériosCulto Políades a Deuses: cada cidade tinha o seu deus.Culto Políades a Heróis: cada cidade tinha o seu herói: Belerofonte (Corinto), Jasão (Iolcos).
  11. 11. Nome Deus Culto Atributos Festival GregoZeus Céu, Destino, Olímpia, Dodona, Raio, Égide, Águia, Touro, Olympia, Nemea, Ithomaea, Reis, Tempo Nemeia, Stratos, Cetro, Nike, Keraunos, Carro Lycaea, Eleutheria, Daedala Dion de ÁguiasPoseidon Mar, Cavalos, Corinto, Istmo, Tridente ou Cúspide, Carro Poseidonia, Istmia Terremotos Sounion de Golfinhos, Hipocampo ou CavalosHades Submundo Thesprotia, Éfira, Cerbero, Elmo da Escuridão, Épiro Bidente, Chave do Hades, Carro com 4 Cavalos NegrosHera Mulheres, Argos, Samos, Romã, Pavao, Diadema, Heraia, Daedala Casamento Olimpia Carro de PavõesHéstia Lar, Família, Delfos, Vestais Porcos, Burro, Grou, Cidades, Fogo Chaleira, FogueiraDemeter Agricultura, Eleusis, Tocha, Leão, Cornucópia, Tesmoforias, Chthonia, Civilização, Termopilas, Creta Festim de Trigo, Bengala de Orgia, Mistério, Eleusinia Vida após a Lótus, Mangual de Ouro, morte Carro de DragõesAtena Sabedoria, Atenas, Troia, Coruja, Oliva, Cobra, Athenaea, Panathenaea, Guerra, Artes, Lindos Aranha, Égide, Lança, Chalcea, Procharisteria, Conhecimento, Górgona, Medusa, Nike, Scira, Plynteria, Protelea, Estratégia Carro de Corujas Aleaea, Halotia, Itonia, PanboeotiaAres Guerra, Aetolia, Tocha, Lança, Elmo, Instinto Thesprotia, Monte Escudo, Nike, Espada de Irracional, Haimos (Trácia) Marte, Spartoi, Abutre, Javali, Cão, Carro de Corcéis com fogo na narina ou LobosAfrodite Amor, Sexo, Cithera, Corinto, Golfinho, Rosa, Cestus, Aphrodisia, Adonia, Hysteria, Fertilidade, Chipre, Pella, Concha, Cisne, Espelho, Anagogia Luxuria, Pafos Pombos, Maçã, Anêmonas, Beleza Carro de Cisnes ou TritõesHefesto Metalurgia, Lemnos, Etna Martelo, Bigorna, Tenaz, Hephaestia, Chalceia Fogo, Poder, Burro, Cabiros, Cíclopes, Violência Talos, CaeculusDionísio Vinho, Tebas, Naxos, Tirso, Pele de Leopardo, Dionysia, Lenaea, Theonia, Loucura, Monte Citerion, Tigre, Uva, Pantera, Anthesteria, Thyia, Apaturia, Teatro, Vida Teos, India (Nisa), Onocentauro, Carro de Lampteria, Ascolia, Sciria, após a morte Tessália Leopardos ou Panteras Phellus, Tyrba, AstydromiaHermes Comércio Monte Cilene, Caduceu, Galo, Lira, Hermaea Herma / Hermai Tartaruga, Talaria, Petasus, Lâmina Adamantina, Carro de Pombos ou CorvosApolo Sol, Profecia, Delfos, Delos, Lira, Louros, Piton, Corvo, Phythia / Ptoea, Carnea, Música, Corinto, Bassae, Arco-Flecha, Girassol, Hyacinthia, Actia, Delia, Beleza, Claros, Miletos, Helianto, Jacinto, Carro de Gymnopaedeae, Theoxenia, Saúde, Artes Didimos, Rodes Cavalos Heorte ArgyeusArtemis Lua, Virgens, Calidon, Efeso, Corça, Arco, Cães de Caça, Efesiacas, Artemisias, Selvas, Caça, Esparta, Lua, Dardo, Carro de Corças Muniqueon Crianças Magnesia, EubeiaHéracles Força Monte Oeta HeracleaHélios Sol Rodes Carro de CavalosSelene Lua Carro de Cavalos ou AnjosÉos Aurora Carro de CavalosPerséfone EleusisAsclépio Epidaurus, Cós, Epidauria Messenia, PérgamoEros Thespiae, ParionRéia Natureza Gortyn Palma, Palmeira, Carro de Phrygia, Orgia, Megalesia LeõesCronos Tempo Carro de Serpentes ou Dragões, Harpe
  12. 12. AtividadesOs personagens do Sítio do Pica-pau Amarelo foram até a Grécia Antiga salvar Tia Nastáciadas mãos dos monstros que invadiram o sítio e na viagem Dona Benta acompanhada dePéricles, Fídias, Narizinho, Emília e Pedrinho fazem uma visita ao Partenon. O Partenon é oTemplo da deusa Atena localizado na Acrópole de Atenas. Dona Benta faz uma descrição dosdois frontões do Templo: “Fídias transpôs em mármore uns versos de Homero ´Começocantando Palas Atena, a deusa augusta, fértil em sábios conselhos, nobilíssima virgem decoração inflexível, guardiã das cidades, a forte diva que o prudente Zeus fez brotar de suacabeça, toda revestida de cintilantes armas de ouro. Ao verem-na surgir, brandindo a lançaaguda, os imortais pasmaram; o Olimpo estarreceu diante de sua força; a Terra soltougrandes gritos; os mares tumultuaram as ondas; e Apolo susteve as rédeas de seus fogososcorcéis até que Palas Atena depusesse as armas. Zeus irradiava de orgulho´. Os detalhesincluíam os corcéis da Noite, que surgem do Oceano, sustentada por Teseu. Perséfone comgraça se apóia no ombro da mãe Deméter. Ao lado está Íris, que anuncia o nascimento deAtena, a Vitória Alada e as Três deusas do Destino, Cloto, a fiandeira de vidas, Láquesis, acortadeira do fio da vida, Átropos, a implacável medidora do comprimento dos fios. No ladooposto encontrava-se outro frontão onde se via a luta entre Poseidon e Atena pelo domínio daÁtica. Atena assusta com sua presença os cavalos de Poseidon, o deus dos oceanos. Atrásde Atena figuravam as cecrópidas Aglaura e Herse, e Ilissos, um dos rios de Atenas. E atrásde Poseidon figuravam Tétis, a nereida, Anfitrite, esposa de Poseidon, e a formosa Latonacom suas filhas Ártemis e Afrodite. O tridente de Poseidon e o escudo de Atena eram debronze.” (Monteiro Lobato, O Minotauro).1) O que os dois frontões do Templo de 4) Descreva a localização e os materiaisAtena descrevem? utilizados na construção do Partenon.1º Frontão: ____________________________________________________________2º Frontão: ____________________________________________________________2) A imagem abaixo corresponde a qualfrontão do Partenon? Localização _________________________ Materiais ______________________________________________________________ 5) Cite cinco divindades gregas e seus domínios. 1 _________________________________ 2 _________________________________ 3 _________________________________ 4 _________________________________ 5 ____________________________________________________________________ 6) Como foi o nascimento de Atena? ___________________________________3) Quais os atributos da deusa Atena? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ _________________________________________________________________________________________________________
  13. 13. Hades, Thanatos e HypnosOs deuses Thanatos e Hypnos eram considerados irmãos gêmeos na mitologia grega.Thanatos era o deus da Morte, e Hypnos era o deus do Sono Eterno. Ambos deuses eramctônicos, ou seja, divindades do submundo. Homero descreve na Ilíada que Zeus enviouThanatos e Hypnos no campo de batalha entre gregos e troianos para recuperar o corpodo seu filho morto Sárpedon. Sárpedon era irmão de Minos e Radamanto, e os doisúltimos se tornaram juízes do inferno por Hades. Thanatos era conhecido em Roma comoMors ou Morte e Hypnos como Somno, Sono ou Sopor. Eram filhos de Nix, a Noite.Thanatos era o braço direito de Hades, já que era ele o responsável pela morte daspessoas. Hades era um deus que não representava o mal em si, em comparação com o“Diabo” ou Lucifer da religião católica. Era um deus infernal que possuía seus vícios edefeitos. Hades era descrito como um homem rude, e principalmente tinha dois traçosmarcantes: a primeira era que Hades sempre buscava aumentar o seu número de súditosno Erébo, o que causava inúmeras mortes; e a segunda, sempre colocava condições paradificultar um favor pedido por alguém. Foi assim com Hércules quando foi este foi libertarPírito e Teseu, aprisionados no hades por tentaram seqüestrar Perséfone, a consorte dePlutão. Hades concedeu liberdada apenas a Teseu. O mesmo Hércules conseguiupermissão para enfrentar Cérbero, o cão tricéfalo de Hades, parte do seus 12 trabalhos,com a condição de que não utilizaria qualquer tipo de armas e apenas capturá-lo vivo.Orfeu também pôde levar Euridice para a terra, desde que não olhasse para trás. Aprópria Perséfone após a abdução de Hades e seu reencontro com sua desesperada mãeDeméter, pôde voltar a Terra novamente, com a condição de que ela passaria um terçodo ano no inferno ao lado de Hades, pelo fato de ter comido uma romã. Hades era umadivindade que praticamente não tinha culto na Grécia, assim como os demais deusesctônicos. Até mesmo a pronúncia do nome do deus era um tabu entre os gregos, poisacreditavam que estavam chamando Plutão para buscá-los. Esse tabu ainda existe atéhoje, já que existe uma proibição pelas pessoas em geral de pronunciar palavras comoSatã, Diabo, etc.Morte / ThanatosThanatos a Morte era representado pelos gregos como um anjocarregando uma espada. Existia em Roma uma divindade femininaque simbolizava a morte chamada Libitina, provavelmente umadivindade de origem pré-romana, ou seja, italiota. Atualmente nomundo ocidental a Morte é representada como um espectro comcorpo esquelético carregando uma foice, sendo a “ceifadora de vidas”.Sono / HypnosO deus do sono Hypnos era representado pelos gregos como um humano com asas.Hypnos vivia em seu palácio às margens do Lete, e ao dormir assumia a forma de umpássaro. O símbolo de Hypnos era a papoula, essa planta sempre aparece sendocarregada pelo deus.No reino do Sono existiam dois portais por onde passavam os sonhos, os mil filhos deSono e Pasitéia. O Portão de Chifre passavam os sonhos falsos, enquanto que peloPortão de Marfim passavam os sonhos verdadeiros. Os Oneroi ou Oneiros, os sonhosfilhos de Hypno, eram liderados por Morfeu, Fantasos e Icelos. Na mitologia aparecemquando Hera pede para Iris pedir a Hipno que envie um sonho à uma rainha avisando-lheda morte de seu marido durante a guerra.
  14. 14. Os Demônios ExistemO texto descreve algumas plantas e animais que foram batizados por cientistas comnomes macabros associados a demônios e deuses ctônicos de diversas culturas.Atropa belladonna – A beladonaA planta beladona é conhecida como Atropa belladonna e temesse nome devido a uma das Moiras, Átropos. As Moiras ouFatae eram divindades greco-romanas associadas ao destino.Átropos era a moira responsável por cortar o fio da vida que eratecido por Cloto e medido por Láquesis. A beladona é uma plantanativa do Velho Mundo e o cientista sueco Lineu a batizou de“belladonna” pois as mulheres a utilizavam como cosmético paradilatar as pupilas com o objetivo de torná-las mais atraentes, as “belas donas”. O nomeAtropa surgiu devido a toxicidade da planta que é fatal se ingerida em pequenasquantidades pelos humanos, além de também ser utilizada como droga. Euryale ferox – A noz-de-raposa A planta é chamada de makhana, noz-de-raposa (devido a aparência que a flor possui com uma raposa) ou planta-górgona. É um nenúfar gigante como a famosa Vitória-Régia sul-americana. De origem asiática a planta foi batizada com o nome “A Feroz Euríale” devido ao seu aspecto parecido com as três Górgonas da mitologia grega. As três Górgonas eram Medusa, Euríale e Esteno, sendo queMedusa é a mais conhecida das três. Euríale assim como suas irmãs possuía corpo demulher mas suas madeixas eram formadas por cobras. Um único olhar de um ser humanoera suficiente para transformar-se em pedra. A planta teve esse nome devido aosinúmeros acúleos presentes em seu corpo.Moloch horridus – O Diabo-espinhoso"O Horrível Moloque". O réptil australiano conhecido vulgarmente comodiabo-espinhoso recebeu um nome compatível com sua aparência assustadora: Moloch horridus. O nome cientifico significa “O Horrível Moloque”, sendo que Moloque era um deus adorado no Oriente Médio por povos semitas durante o mundo antigo. Moloque era representado como uma estátua com cabeça de leão ou touro e uma cavidade no estomago onde eram introduzidas crianças e posteriormente eram estas incineradas dentrodessa estátua sinistra como parte do culto ao deus. Apesar do nome ser um tantoexagerado o “design” espinhoso do lagarto não passa de uma evolução da natureza paraevitar a desitradação dessa espécie que habita nos desertos da Austrália Ocidental. 2) Lucifer – gênero de pequenos camarões Lucifer penicilifer Os Lucifer são um gênero de pequenos camarões com oito espécies diferentes. Os Lucifer possivelmente receberam esse nome devido a capacidade de refletir a luz, tornando-se facilmentevisíveis em contato com ela. Lucifer quer dizer “o portador da luz” ou “Lux Fert” no originalem latim. Inicialmente era o nome dado pelos romanos ao planeta Vênus. Porém passoua ser o nome do líder dos Anjos Caídos na tradição cristã. O nome da espécie penicilifersignifica “o portador da penicilina”. Isso indica que essa espécie apresenta a capacidade
  15. 15. de produzir penicilina, um antibiótico, assim como algumas espécies de fungo. Pelomenos esse "Lucifer" pode ser útil a humanidade...3) Ifrita kowaldi – “Ifrit”É o nome de uma espécie de pássaro insetívoro nativo da ilha deNova Guiné. O pássaro foi batizado com o nome “Ifrit” sendo que osIfrit são seres infernais da mitologia árabe e islâmica, seres de fogocom grande força e poder. O pássaro recebeu esse nome devido aofato de ser uma das poucas espécies de aves venenosas. O venenose encontra no corpo do pássaro que o adquire após suaalimentação baseada em outros animais venenosos. 4) Sarcophilus harrisii - Demônio-da-Tasmânia Apesar de ser popularmente conhecido como “demônio-da-Tasmânia” o nome cientifico do marsupial é Sarcophilus harrisii. Harrisii é devido ao primeiro cientista a descrevê-lo, George Harris. Já Sarcophilus significa literalmente “amante de carne”. Deve ser por isso que o mais famoso demônio-da-Tasmânia, o Taz, é agitado daquela forma.5) Tisiphone ou Agkistrodon - Agkistrodon contortrixAs cobras Tisiphone tiveram o seu nome científico substituído porAgkistrodon que significa em grego "anzol de pesca". Tisífone erauma das três Fúrias ou Eríneas, deusas responsáveis pela puniçãoaos piores crimes praticados pelos humanos, como o matricídio, oparrícidio, etc. A espécie de cobra Agkistrodon contortrix tem essenome devido a garras em forma de anzol existentes em sua cabeça.Contortrix significa contorcedora, talvez devido ao fato de ficarenrolada ou ao método de aniquilação da sua presa. 6) Leviathan melvillei – “Leviatã” A espécie Leviathan melvillei foi identificada na região do atual Peru. Corresponde a uma espécie extinta de baleia, pertencente a ordem dos Cetáceos. O nome baleia já deriva de um monstro mitológico, Cetus, que inclusive está no céu como uma constelação. O lendário Cetus foi morto por Perseu para salvar Andrômeda da ira de Poseidon. Leviatã é o nome de um lendário monstro marinho narrado na bíblia. O nome da espécie fóssil que correponde ao maior cetáceo que já existiu, deriva tanto do monstro mitológico Leviatã e da literatura. Melvillei é uma homenagem ao escritor ianque da obra Moby Dick, Herman Melville. A obra conta a história da caça à baleia Moby Dick, e é mundialmente conhecida.7) Hypnos monopterygius,A espécie Hypnos monopterygius é nativa da Austrália. Pertencem aordem dos Peixes Rajiformes sendo parentes da raia e da jamanta. Ogênero recebeu o nome do deus grego do sono Hypnos talvez devidoao seu comportamento, pois fica estática no fundo do mar.Monoperygius origina-se do fato do animal possuir apenas um pterígio(talvez o corpo é formado por uma única forma triangular). 8) Orcus - gênero de cocinelídeos ou joaninhas Orcus australasiae O nome Orcus deriva da mitologia etrusca e romana. Orcus era o nome de uma divindade infernal que mais tarde foi associada a
  16. 16. outros deuses como Mantus, Plutão, Dis Pater e Hades. As joaninhas ou cocinelídeosapesar de serem inofensivas, quando são larvas possuem uma forma assustadora. Talvezseja por isso que recebeu o nome infernal para o gênero.9) Mormo - gênero de mariposasMormo maura “Terrível escura” ou Mormo maura é o nome da espécie de mariposa que recebeu esse nome graças a uma entidade grega conhecida como Mormo. Mormo é identificado como o consorte da deusa da magia Hécate. Muitas espécies de lepidópteros receberam nomes derivados de seres da mitologia como Dagon, gênero de borboletas que foi associado a um monstro mitológico de mesmo nome. 10) Erebus - gênero de mariposas Erebus macrops Erébo era o nome que os gregos davam ao submundo. Erébo é sinônimo de hades ou inferno. O nome Erebus macrops possivelmente significa“Grande Visão do Inferno” ou “Olhos do Erebo” devido as formas da mariposa que formamdois olhos em suas asas.11) Aquerontia laquesis Aquerontia laquesis é outra espécie de mariposa que possui seu nome derivado de personalidades do submundo da mitologia grega. Aquerontia deriva de Aqueronte, um dos cinco rios do inferno. Laquesis é uma das três Moiras, divindades que eram responsáveis por tecer os fios da vida de todos os homens e mulheres vivos. A espécie apresenta o formato de uma caveira nas suas costas!12) Lachesis – gênero de cobrasLaquésis também é o nome do gênero de cobras. 13) Megaera ou Trimeresurus – gênero de cobras. Megaera é o nome de um gênero de cobras. Porém atualmente os biólogos substituíram o nome Megaera por Trimeresurus. Megera é uma das Fúrias assim como Alecto e Tisífone. 14) Tartarus – gênero de aranhasTartarus murdochensisAs aranhas do gênero Tartarus receberam essa denominação devido a um dos domíniosmais remotos do Erébo ou inferno grego: o Tártaro. O Tártaro é aprisão dos Titãs e dos condenados pelos deuses por crimes hediondos.15) Alouatta belzebul – guariba-de-mãos-ruivasEssa espécie de guariba nativo do Estado do Maranhão, no Brasil,recebeu o cognome de “Belzebul” devido ao seu grito assustador
  17. 17. emitido nas florestas tropicais da América do Sul. Apesar da aparência frágil, o grito écapaz de assustar realmente! 16) Molossus – gênero de morcegos Mormoops blainvilii O nome Molossus deriva do antigo Estado do Épiro na Molóssia, atual Grécia. Os molossos eram famosos e temidos na antiguidade por seus hábitos “sinistros”. A famosa mãe de Alexandre o Grande, Olímpia, era do Reino da Molóssia, e era destacada feiticeira. Porém a espécie de morcego maisaterrorizante é o Mormoops, que significa “VisãoAssustadora”.17) Empusa pennataEmpusa pennata é o nome de uma espécie de louva-a-deus nativo da Espanha e França.O seu aspecto fantasmagórico valeu o seu nome cientifico de Empusa, que na mitologiagrega, eram fantasmas que acompanham o séquito da deusa Hécate, assim comoMormo, Lamia e os mormolyceas (lobos alados). 18) Idolomantis diabolica O nome mais original de um animal, sem dúvida é o Idolomantis diabolica. Seu nome significa “Louva-a-deus e ídolos diabólicos”. A natureza criou uma espécie totalmente assustadora e ao mesmo tempo maravilhosa. Mas foram os homens que batizaram a espécie com esse nome esquisito.
  18. 18. Pégaso e a QuimeraQuando Perseu cortou a cabeça de Medusa, o sangue, caindo sobre a terra, transformou-se no cavalo alado Pégaso. Minerva pegou-o e amansou-o, dando-o de presente àsmusas. A fonte de Hipocreue, situada na montanha onde viviam as musas, Hélicon, foiaberta por um coice daquele cavalo. A Quimera era um monstro horripilante, que expeliafogo pela boca e pelas narinas. A parte anterior de seu corpo era uma combinação deleão e cabra e a parte posterior, a de um dragão. Causava grandes estragos na Lícia, desorte que o rei do país, lobates, procurava um herói para destruí-la. Naquela ocasião,chegou à sua corte um jovem e bravo guerreiro, chamado Belerofonte, que trazia carta de Proteu, genro de lobates, recomendando-o em termos calorosos como um herói invencível, mas acrescentando, no fim, um pedido ao sogro para mandar matá-lo. O motivo disso é que Proteu tinha ciúme de Belerofonte, por desconfiar de que sua esposa, Antéia, nutria demasiada admiração pelo jovem guerreiro. Ao ler as cartas, Iobates ficou hesitante, não querendo violar as regras da hospitalidade, mas desejoso de satisfazer a vontade do genro. Teve, então, a idéia de mandar Belerofonte lutar contra a Quimera. Belerofonte aceitou a proposta, mas antes de entrar em combate, consultou o vidente Polido, que o aconselhou a recorrer, se possível, para a luta, ao cavalo Pégaso. Para esse fim, o jovem deveria passar a noite no templo de Minerva. Assim fez Belerofonte e, enquanto dormia, Minerva procurou- o e entregou-lhe uma rédea de ouro, que seencontrava na mão do jovem quando ele despertou. Minerva mostrou-lhe, também,Pégaso bebendo água no poço de Pirene, e, mal avistou a rédea dourada, o cavaloaproximou-se docilmente e se deixou cavalgar. Nele montado, Belerofonte elevou-se nosares, não tardou a encontrar a Quimera e obteve uma fácil vitória sobre o monstro. Depoisde vencer a Quimera, Belerofonte foi exposto a novos perigos e trabalhos por seu poucoamável hospedeiro, mas, com a ajuda de Pégaso, triunfou em todas as provas, até queIobates, vendo que o herói eraparticularmente favorecido pelosdeuses, deu-lhe sua filha emcasamento e tornou-o seusucessor no trono. AfinalBelerofonte, por seu orgulho epresunção, incorreu na ira dosdeuses; chegou, segundo seconta, a tentar voar até o céu emseu corcel alado, mas Júpitermandou um moscardo atormentarPégaso. O cavalo atirou ao chão ocavaleiro, que, em conseqüência,se tornou coxo e cego. Depoisdisso, Belerofonte vagou sozinhopelos campos aleanos, evitando ocontato dos homens, e morreumiseravelmente.
  19. 19. A Esfinge Laio, rei de Tebas, foi advertido por um oráculo de que haveria perigo para sua vida e seu trono se crescesse seu filho recém-nascido. Ele, então, entregou a criança a um pastor, com ordem que fosse morta. O pastor levado pela piedade, ao mesmo tempo, não se atrevendo a desobedecer à ordem recebida, amarrou a criança pelos pés e deixou-a pendendo de uma árvore. O menino foi encontrado por um camponês, que o levou aos seus patrões. O casal adotou a criança, que recebeu o nome de Édipo, ou Pés-Distendidos. Anos depois, quando Laio se dirigia para Delfos, acompanhado apenas de um servo, encontrou-se, numa estrada muito estreita, com um jovem que também dirigia um carro. Como este se recusasse a obedecer à ordem de afastar-se do caminho, o servo matou um de seus cavalos, e o estranho, furioso, matou Laio e seu servo. O jovem era Édipo que, desse modo, se tornou o assassino involuntário do próprio pai.Pouco depois desse fato, a cidade de Tebas viu-se afligida por ummonstro, que assolava as estradas e era chamado de Esfinge.Tinha a parte inferior do corpo de leão e a parte superior de umamulher e, agachada no alto de um rochedo, detinha todos osviajantes que passavam pelo caminho, propondo-lhes um enigma,com a condição de que passariam sãos e salvos aqueles que odecifrassem, mas seriam mortos os que não conseguissemencontrar a solução. Ninguém conseguira decifrar o enigma, etodos haviam sido mortos. Édipo, sem se deixar intimidar pelasassustadoras narrativas, aceitou, ousadamente, o desafio.— Qual é o animal que de manhã anda com quatro pés, à tardecom dois e à noite com três? — perguntou a Esfinge.— É o homem, que engatinha na infância, anda ereto najuventude e com ajuda de um bastão na velhice — respondeuÉdipo.A Esfinge ficou tão humilhada ao ver resolvido o enigma, que se atirou do alto do rochedoe morreu.A gratidão do povo pela sua libertação foi tão grande que fez de Édipo seu rei, dando-lhea rainha Jocasta em casamento. Não conhecendo seus progenitores, Édipo já se tornaraassassino do próprio pai; casando-se com a rainha, tornou-se marido da própria mãe.Esses horrores ficaram desconhecidos, até que Tebas foi assolada pela peste e, sendoconsultado o oráculo, revelou-se o duplo crime de Édipo. Jocasta pôs fim à própria vida eÉdipo, tendo enlouquecido, furou os olhos e fugiu de Tebas, temido e abandonado portodos, exceto pelas filhas, que fielmente o seguiram, até que, depois de dolorosaperegrinação, ele se libertou de sua desgraçada vida. (Thomas Bulfinch, O Livro de Ouroda Mitologia Grega)
  20. 20. Atividades1) As duas peças de cerâmica abaixo foram produzidas na Grécia Antiga e retratam mitosdas cidades-Estado e estórias de herois. Analise as duas peças de cerâmica identificandoo nome dos herois e dos monstros retratados:2) Faça o reconto da história de um dos heróis citados na questão anterior e dê um títuloao seu texto considerando a cena retratada na pinturaabaixo: Sucedeu que Tutmósis, chegou, ao meio-dia, e repousou à sombra desse deus. Um sonho acometeu-o e esse deus disse: “Contempla-me! Meu filho. Eu sou teu pai, e te darei meu reino na terra da fonte da vida. Usarás a coroa no trono. Tua será toda a terra. Teu será o alimento das Duas Terras, o tributo de todos os países, a duração de um longo período de anos. Tua é minha face, para ti se volta o meu desejo. Serás para mim um protetor, sinto-me adoecer em todos os meus membros. Alcançou-me a areia deste deserto sobre o qual estou; volta-te para mim, para fazer aquilo que desejei, vem para cá, eis que estou contigo, eis que sou o teu guia” Quando ele terminou este discurso, esse filho de rei acordou compreendeu as palavras desse deus e disse disse: “Vem, corramos à cidade entoaremos louvores à estátua feita para Atum”. O trecho acima descreve a Estela do Sonho erigida a mando do Faraó Tutmósis, após ter tido um sonho no qual a Esfinge lhe dizia que daria o trono do Egito caso ele a desenterrasse das areias do deserto. A Esfinge é a maior rocha talhada do mundo e desde os primórdios viajantes tem encontrado semelhanças entre ela e o monstro formulador de enigmas da mitologia grega. O nome do personagem que resolveu o enigma da Esfinge na mitologia grega é:
  21. 21. Teseu e o MinotauroTeseu era filho de Egeu, rei de Atenas, e de Etra, filha do rei de Trézen, porquem foi criado. Depois de homem, foi mandado a Atenas e entregue a seupai. Egeu, separando-se de Etra, antes do nascimento do filho, colocou aespada e as sandálias sob uma grande pedra e determinou à esposa que lhemandasse o filho quando este fosse bastante forte para levantar a pedra.Chegada a ocasião, a mãe de Teseu executou a incumbência e o jovemremoveu a pedra com facilidade e se apoderou da espada e das sandálias.Como as estradas estavam infestadas de bandidos, o avô de Teseuaconselhou-o a seguir o caminho mais seguro e mais curto para o país de seupai: por mar. O jovem, contudo, sentindo em si o espírito e a alma de um herói,e desejoso de se destacar como Hércules, cuja fama corria, então, por toda aGrécia, pelo fato de destruir os malfeitores e os monstros que flagelavam opaís, resolveu fazer a viagem mais perigosa e aventurosa por terra.No primeiro dia de viagem, chegou a Epidauro, onde vivia um filho de Vulcano,Perifetes, selvagem feroz, sempre armado com uma clava de ferro, queatemorizava os viajantes, com seus atos de violência. Ao ver aproximar-seTeseu, ele o atacou, mas foi logo vencido pelo jovem herói que se apoderou desua clava e trouxe-a sempre consigo, depois disso, como lembrança de suaprimeira vitória.Seguiram-se várias lutas semelhantes contra tiranetes e bandidos e em todasTeseu saiu vitorioso. Um dos malfeitores chamava-se Procusto e tinha um leitode ferro, no qual costumava amarrar todos os viajantes que lhe caíam nasmãos. Se eram menores que o leito, ele lhes espichava as pernas e, se fossemmaiores, cortava a parte que sobrava. Teseu castigou-o, fazendo com ele oque ele fazia com os outros. Tendo vencido todos os perigos da viagem, Teseufinalmente chegou a Atenas, onde novas ameaças o aguardavam. Medéia, afeiticeira, que fugira de Corinto, depois de separar-se de Jasão, tornara-seesposa de Egeu, pai de Teseu. Sabendo, graças às suas artes, quem ele era, ereceando perder a influência sobre o marido, se Teseu fosse reconhecido comoseu filho, induziu mil suspeitas no espírito de Egeu e aconselhou-o a fazer ojovem estrangeiro beber uma taça de veneno. No entanto, quando Teseuavançava para receber a taça, seu pai, reconhecendo a espada que ele trazia,viu quem ele era e não deixou que tomasse o veneno. Medéia, desmascarada,fugiu mais uma vez ao merecido castigo indo para a Ásia, onde deu nome aopaís posteriormente chamado Média. Teseu foi reconhecido pelo pai edeclarado seu sucessor. Os atenienses encontravam-se, naquela época, emestado de grande aflição, devido ao tributo que eram obrigados a pagar aMinos, rei de Tebas. Esse tributo consistia em sete jovens e sete donzelas, queeram entregues todos os anos, a fim de serem devorados pelo Minotauro,monstro com corpo de homem e cabeça de touro, forte e feroz, que eramantido num labirinto construído por Dédalo, e tão habilmente projetado quequem se visse ali encerrado não conseguiria sair, sem ajuda.Teseu resolveu livrar seus patrícios dessa calamidade, ou morrer na tentativa.Assim, quando chegou a ocasião de enviar o tributo e os jovens foramsorteados, de acordo com o costume, ele se ofereceu para ser uma dasvítimas, a despeito dos rogos de seu pai. O navio partiu, como era de hábito,com velas negras, que Teseu prometeu ao pai mudar para brancas no caso deregressar vitorioso. Chegando a Creta, os jovens e donzelas foram todosexibidos diante de Minos, e Ariadne, filha do rei, que estava presente,
  22. 22. apaixonou-se por Teseu, e este amor foi correspondido. A jovem deu-lhe,então, uma espada, para enfrentar o Minotauro, e um novelo de linha, graçasao qual poderia encontrar o caminho. Teseu foi bem-sucedido, matando oMinotauro e saindo do labirinto. Levando, então, Ariadne, regressou a Atenas,juntamente com os companheiros salvos do monstro. Durante a viagem,pararam na Ilha de Naxos, onde Teseu abandonou Ariadne, deixando-aadormecida.1 A desculpa que deu para tratar com tanta ingratidão suabenfeitora foi que Minerva lhe apareceu num sonho ordenando-lhe que assim ofizesse. Ao aproximar-se do litoral da Atica, Teseu esqueceu-se da combinaçãoque fizera com o pai e não mandou alçar as velas brancas. O velho rei,julgando que o filho tivesse morrido, suicidou-se. Teseu tornou-se, então, rei deAtenas.A Amazomáquia e a CentauromáquiaUma das mais célebres aventuras de Teseu foi a expedição contra asamazonas. Atacou-as antes que elas se tivessem refeito da derrota infligida porHércules, e aprisionou sua rainha, Antíope. As amazonas, por sua vez,invadiram o reino de Atenas, penetrando na própria cidade, onde se travou abatalha final, em que Teseu as derrotou. Essa batalha foi um dos assuntosfavoritos dos escultores da antigüidade e ainda existem várias obras-de-arteque a representam.A amizade entre Teseu e Pírito, embora íntima, originou-se em combate. Píritoinvadiu a planície de Maratona e roubou os rebanhos do rei de Atenas. Teseufoi repelir os invasores. No momento em que o viu,Pírito foi tomado de admiração; estendeu a mão, como sinal de paz e gritou:— Sê juiz tu mesmo. Que satisfação exiges?— Tua amizade — respondeu o ateniense.E os dois juraram inviolável fidelidade. Suas façanhas correspondiam a seusvotos e eles se mantiveram sempre verdadeiros irmãos de armas. Ambosaspiravam desposar uma filha de Júpiter. Teseu escolheu Helena, aindacriança e mais tarde tão célebre por causa da Guerra de Tróia, e, com ajuda doamigo, raptou-a. Pírito aspirava conquistar a esposa do monarca de Erebo, eTeseu, embora consciente do perigo, acompanhou o ambicioso amante, nadescida ao mundo subterrâneo. Plutão, porém, aprisionou-os e prendeu-osnuma rocha encantada na porta de seu palácio, onde ficaram até que Hérculeschegou e libertou Teseu, deixando Pírito entregue ao seu destino. Depois damorte de Antíope, Teseu desposou Fedra, filha de Minos, rei de Tebas. Fedraviu em Hipólito, filho de Teseu, um jovem dotado de todas as qualidades evirtudes do pai, e de idade correspondendo à sua própria. Amou-o, mas ele arepeliu e o amor transformou-se em ódio. Fedra lançou mão do apaixonadomarido, para torná-lo ciumento do filho e Teseu invocou contra ele a vingançade Netuno. Quando Hipólito, certo dia, dirigia seu carro junto à praia, ummonstro marinho surgiu das águas e espantou os cavalos, que dispararam,despedaçando o carro. Hipólito morreu, mas, com a ajuda de Esculápio, Dianaressuscitou-o e afastou-o do iludido pai e da traiçoeira madrasta, deixando-o naItália, sob a proteção da ninfa Egéria. Finalmente, Teseu, privado da simpatiade seu povo, retirou-se para a corte de Licômedes, rei dos Ciros, que, aprincípio, o tratou com bondade, porém, mais tarde, matou-o traiçoeiramente.Em época posterior, o general ateniense Címon descobriu o lugar onde jaziamseus restos, que foram traslados para Atenas e depositados num templo
  23. 23. chamado Teseum, erguido em honra do herói. A rainha das Amazonas queTeseu desposou é chamada por alguns de Hipólita. Este é o nome que apareceno Sonho de Uma Noite de Verão de Shakespeare, cujo enredo são asfestividades que precederam as núpcias de Teseu e Hipólita.Teseu é um personagem semi-histórico, que unificou as diversas tribos quehabitavam o território da Ática, do qual Atenas se tornou a capital.Comemorando esse importante acontecimento, foi instituída a festividadechamada Panatenéias, em honra de Minerva, padroeira de Atenas. Essafestividade diferenciava-se das outras festividades gregas, principalmente emduas coisas: era peculiar aos atenienses e sua característica principal consistianuma procissão solene, em que o Péplus, ou túnica sagrada de Minerva, eralevado para o Partenon e colocado diante da estátua da deusa. O Péplus eracoberto de bordados, executados por virgens escolhidas entre as mais nobresfamílias de Atenas. Da procissão participavam pessoas de todas as idades ede ambos os sexos. Os velhos traziam nas mãos ramos de oliveira e os moços,armas, ao passo que as moças levavam na cabeça cestos com os utensíliossagrados, bolos e tudo mais necessário aos sacrifícios. Essa procissãoconstituiu o motivo dos baixos-relevos que ornamentavam a parte externa doPartenon, e grande parte dos quais encontra-se, atualmente, no MuseuBritânico, sendo conhecida como "mármores de Elgin".
  24. 24. Perseu e MedusaPerseu era filho de Júpiter e de Dânae. Seu avô, Acrísio, assustado com apredição de um oráculo, no sentido de que o filho de sua filha seria oinstrumento de sua morte, determinou que a mãe e o filho fossem encerrados numa arca, e esta colocada no mar. A arca flutuou até Serifo, onde foi encontrada por um pescador, que levou a mãe e o filho a Polidectes, o rei do país, que os tratou com bondade. Quando Perseu tornou-se homem, Polidectes mandou-o combater Medusa, monstro terrível que devastava o país. Medusa fora outrora uma linda donzela, que se orgulhava principalmente de seus cabelos, mas se atreveu a competir em beleza com Minerva, e a deusa privou-a de seus encantos e transformou as lindas madeixas em hórridas serpentes. Medusa tornou-se um monstro cruel, de aspecto tão horrível, que nenhum ser vivo podia fitá-la sem se transformar em pedra. Em torno da cavem; onde ela vivia, viam-se as figuras petrificadas de homens e de animais quetinham ousado contemplá-la. Perseu, com Apolo de Minerva, que lhe enviouseu escudo, e de Mercúrio, que lhe mandou suas sandálias aladas, aproximou-se de Medusa enquanto ela dormia e, tomando o cuidado de não olhardiretamente para o monstro, e sim guiado pela imagem refletida no brilhanteescudo que trazia, cortou-lhe a cabeça e ofereceu a Minerva, que passou atrazê-la presa no meio da Égide.Perseu e AtlasDepois de matar Medusa, Perseu, carregando a cabeça da górgona, voousobre a terra e sobre o mar. Ao anoitecer, atingiu o limite ocidental da Terra,onde o sol se põe. Sentir-se-ia feliz de ali descansar até o amanhecer. Era oreino de Atlas, cuja estatura ultrapassava a de todos os outros homens.Possuía ele grande riqueza em rebanhos e não tinha vizinho ou rival que lhedisputasse os bens. Seu maior orgulho, porém, eram os seus jardins, ondefrutos de ouro pendiam de galhos também de ouro, ocultos por folhas de ouro.— Vim como hóspede — disse-lhe Perseu. — Se honrais uma origem ilustre,sabe que tenho Júpiter por pai. Se preferes feitos valorosos, sabe que venci agórgona. Procuro repouso e alimento. Atlas, porém, lembrou-se de que umavelha profecia o advertira de que um filho de Jove lhe roubaria, um dia, asmaçãs de ouro. — Sai! — retrucou, portanto. — Não serás protegido por tuasfalsas pretensões de origem ilustre ou feitos gloriosos. Ao mesmo tempo, tratoude expulsá-lo. Perseu, percebendo que o gigante era muito forte para ele,retrucou: — Uma vez que prezas tão pouco minha amizade, digna-te dereceber um presente. E, virando o rosto para o lado, levantou a cabeça dagórgona. O corpo enorme de Atlas transformou-se em pedra. Sua barba e seuscabelos tornaram-se florestas, os braços e ombros, rochedos, a cabeça, umcume e os ossos, as rochas. Cada parte aumentou de volume até se tornar
  25. 25. uma montanha e (assim quiseram os deuses) o céu, com todas as suasestrelas, se apóia em seus ombros.O Monstro MarinhoContinuando seu vôo, Perseu chegou ao país dos etíopes, cujo rei era Cefeu. Arainha Cassiopeia, orgulhosa de sua beleza, atrevera-se a comparar-se com asninfas marinhas, que, indignadas, mandaram um prodigioso monstro marinhodevastar o litoral. A fim de apaziguar as divindades,Cefeu foi aconselhado, por um oráculo, a expor sua filha Andrômeda, para serdevorada pelo monstro. Olhando do alto, em seu vôo, Perseu avistou a virgemacorrentada a um rochedo e esperando que o dragão se aproximasse. Estavatão pálida e imóvel, que, se não fossem as lágrimas que escorriam e oscabelos que a brisa agitava, Perseu a teria tomado por uma estátua demármore. Tão surpreso ficou ele diante do que via, que quase se esqueceu debater as asas. Adejando sobre Andrômeda, exclamou: — O virgem, que nãomereces estas cadeias, mas antes aquelas que prendem os amantes, dize-me,peço-te, teu nome e o nome de teu país, e por que estás presa desse modo.Ela, a princípio, manteve-se em silêncio, levada pelo recato, e teria escondido orosto nas mãos, se o pudesse. Quando, porém, ele repetiu as perguntas,receosa de que lhe fosse atribuída a culpa de algum ato que não cometera, avirgem revelou seu nome e o de seu país, e o orgulho de sua mãe com aprópria beleza. Antes que acabasse de falar, ouviu-se um ruído vindo da águae apareceu o monstro marinho, com a cabeça erguida sobre a superfície,cortando as ondas com o enorme peito. A virgem estremeceu, e seus pais, quehaviam chegado ao local, mostravam-se desesperados, principalmente a mãe,que, incapaz, contudo, de proteger a filha, limitava-se a lamentar e abraçar avítima.— Não há tempo para lágrimas — exclamou Perseu, então. — Só temos estemomento para salvá-la. Minha posição como filho de Júpiter e meu renomecomo matador da górgona torna-me aceitável como pretendente. Tentarei,contudo, merecê-la pelos serviços prestados, se os deuses me forem propícios.Se ela for salva pelo meu valor, peço que seja a minha recompensa.Os pais consentiram (quem teria hesitado?) e prometeram, com a filha, umdote real. O monstro já se encontrava a uma distância em que seria alcançadopor uma pedrada de um hábil atirador, quando o jovem, num impulso súbito,ergueu-se no ar. Como uma águia, quando das alturas em que voa, avista umaserpente aquecendo-se ao sol, lança-se sobre ela e prende-a pelo pescoço,impedindo-a de virar a cabeça e utilizar-se de seus dentes, assim o joveminvestiu contra o dorso do monstro, mergulhando a espada em seus ombros.Furioso com o ferimento, o monstro ergueu-se no ar, depois mergulhou no mare, em seguida, como o javali cercado por uma matilha de cães, voltou-serapidamente de um lado para o outro enquanto o jovem livrava-se de seusataques por meio das asas. Sempre que conseguia encontrar, entre asescamas, uma passagem para a espada, Perseu produzia um ferimento nomonstro, atingindo ora o flanco, ora as proximidades da cauda. A fera lançava,pelas narinas, água misturada com sangue. As asas do herói estavammolhadas e ele já não se atrevia a confiar nelas. Colocando-se num rochedoque se erguia acima das ondas, e erguendo um fragmento da rocha, desfechoucom ele o golpe mortal. O povo, que se reunira na praia, ergueu um grito queecoou pelos montes. Os pais, arrebatados de alegria, abraçaram o futuro
  26. 26. genro, proclamando-o libertador e salvador de sua casa, e a virgem, causa erecompensa da luta, desceu do rochedo.Cassiopeia é chamada a "estelar rainha da Etiópia", porque, depois de morta,foi colocada entre as estrelas, formando a constelação daquele nome. Emborativesse alcançado essa honra, as ninfas do mar, suas velhas inimigas,conseguiram que ela fosse colocada na parte do céu próxima ao pólo, onde,todas as noites, tem de passar metade do tempo com a cabeça para baixo,recebendo uma lição de humildade.A Festa NupcialAcompanhando Perseu e Andrômeda, os alegres pais voltaram ao palácioonde se realizou um banquete, e tudo era risos e alegria. De súbito, porém,ouviram-se gritos belicosos, e Frineu, o noivo da donzela, surgiu com um grupode seus sequazes, exigindo a jovem, como sua. Em vão Cefeu retrucou-lhe: —Deverias tê-la reclamado quando ela se encontrava acorrentada ao rochedo,vítima do monstro. A sentença dos deuses, voltando-a a tal destino, dissolveutodos os compromissos, como a morte o teria feito. Frineu, em vez deresponder, lançou seu dardo contra Perseu, não o atingindo, porém, e ficandodesarmado. Perseu teria replicado, lançando o próprio dardo, mas o covardeatacante fugiu e escondeu-se atrás do altar. Isso foi sinal para o ataque geralde seu bando contra os convivas de Cefeu. Estes defenderam-se seguindo-seum conflito geral, e o velho rei retirou-se da cena depois de infrutíferos apelos,invocando o testemunho dos deuses de que não tinha culpa do ultraje aosdeveres de hospitalidade. Perseu e seu amigos sustentaram, por algum tempo,a luta desigual, mas o número de atacantes era excessivo para eles e suadestruição parecia inevitável, quando Perseu teve uma idéia. "Farei minhainimiga defender-me." Depois exclamou, em voz alta:— Se tenho aqui algum amigo, que ele afaste os olhos! E levantou a cabeça deMedusa— Não tentes amedrontar-nos com tuas imposturas! — exclamou Tesceleu.Ergueu o dardo, para lançá-lo, e transformou-se em pedra nessa posição.Ampix ia cravar a espada no corpo de um inimigo prostrado, mas seu braçointeiriçou-se, e ele não pôde estendê-lo, nem dobrá-lo. Outro, no meio de umruidoso desafio ficou com a boca aberta, sem emitir qualquer som. Aconteus,um dos amigos de Perseu, avistou a górgona e imobilizou-se como os outros.Astíages atingiu-o com a espada, mas esta, em vez de feri-lo, retrocedeu, comum ruído áspero. Frineu, contemplando o terrível resultado de sua injustaagressão, ficou transtornado. Chamou os amigos, em voz alta, mas não obteveresposta; tocou-os e viu que eram pedra. Caindo de joelhos e estendendo osbraços para Perseu, mas com o rosto voltado para outro lado, imploroumisericórdia. — Toma tudo, mas poupa-me a vida — exclamou. — Desprezívelcovarde — retrucou Perseu —, conceder-te-ei isso. Nenhuma arma te tocará.Além disso, serás conservado em minha casa, como lembrança destesacontecimentos.Assim dizendo, levantou a cabeça da górgona na direção em que Frineu olhavae este transformou-se num bloco de pedra, na mesma posição em que seencontrava, de joelhos, com os braços estendidos e o rosto virado.
  27. 27. Jasão e os ArgonautasViviam na Tessália os reis Atamas e Nefele, que tinham um casal de filhos. Atamas seenfadou da esposa, expulsou-a e casou-se com outra mulher. Nefele, receosa de que osfilhos corressem perigo pediu ajuda a Hermes que deu-lhe um carneiro com um velocinode ouro, no qual Nefele colocou as duas crianças que as levaria a um lugar seguro. Ocarneiro elevou-se no ar rumando ao nascente, até que, ao passar sobre o estreito quesepara a Europa da Ásia, a menina, chamada Heles, caiu no mar, que passou a serchamado Helesponto. O carneiro continuou a viagem, até chegar ao reino da Cólquida, nacosta do Mar Negro, onde depositou o menino Frixo. Frixo sacrificou o carneiro a Zeus eofereceu a Etes o Velocino de Ouro, que foi posto numa gruta sagrada, sob a guarda deum dragão que não dormia. Havia na Tessália outro reino, perto do de Atamas, egovernado pelo seu irmão Pélias. Cansado com o trabalho de governo, o Rei Esãopassou a coroa a seu irmão, até a maioridade do seu filho Jasão. Jasão foi reclamar acoroa, Pélias fingiu-se disposto a entregá-la, mas, sugeriu ao jovem a aventura de ir embusca do Velocino de Ouro, que se sabia estar na Cólquida. Jasão acolheu a idéia etratou de fazer os preparativos para a expedição. Jasão incumbiu Argos de construir umaembarcação capaz de transportar cinqüenta homens. O barco tomou o nome de "Argo",em homenagem ao seu construtor. Jasão convidou a participarem da empresa todos osjovens gregos amantes de aventuras como Hércules, Teseu, Orfeu e Nestor. Osexpedicionários foram chamados argonautas. O "Argo", com sua tripulação, deixou aTessália e, depois de tocar na Ilha de Lemos, fez a travessia para a Mísia e dali passou àTrácia, onde os argonautas encontraram o sábio Frineu e dele receberam instruçõessobre o futuro curso. A entrada do Ponto Euxino estava impedida por duas pequenas ilhasrochosas, que flutuavam na superfície do mar e, sacudidas pelas vagas, ajuntavam-se, àsvezes, esmagando completamente qualquer objeto que estivesse entre elas. Eramchamadas as Simplegades. Frineu instruiu os argonautas sobre o modo de atravessaraquele estreito perigoso. Quando os expedicionários chegaram às ilhas, soltaram umapomba, que passou entre os rochedos sã e salva, perdendo só algumas penas da cauda.Jasão e seus companheiros aproveitaram-se do momento favorável em que as ilhas seafastavam uma da outra, remaram com vigor e passaram a salvo, enquanto as ilhas secolidiam de novo, atingindo a popa do barco. Remaram, então, ao longo do litoral, atéchegarem à extremidade oriental do mar, onde desembarcaram no reino da Cólquida.Jasão transmitiu sua mensagem ao rei Etes, que concordou em desistir do Velocino deOuro, se Jasão, por sua vez, concordasse em arar a terra com dois touros de patas debronze que soltavam fogo pela boca e pelas narinas, e semeasse os dentes do dragãoque Cadmo matara e dos quais sairia, segundo se sabia, uma safra de guerreiros, quevoltariam suas armas contra o semeador. Jasão aceitou as condições e foi marcada aocasião das provas. Antes, porém, Medéia a filha do rei, decidiu ajudá-lo, em troca de secasar com ela, invocando, por juramento, o testemunho de Hécate. Medéia cedeu e,graças à sua ajuda, pois ela era uma poderosa feiticeira, Jasão conseguiu umencantamento, para se livrar da respiração de fogo dos touros e das armas dosguerreiros. Na ocasião marcada, o povo reuniu-se no Campo de Marte e o rei sentou-seno trono Os touros de patas de bronze surgiram, respirando fogo e queimando as ervas,enquanto passavam, com as chamas que lhe saíam das narinas. O ruído que faziam erasemelhante ao de uma fornalha e a fumaça que desprendiam à provocada pela águalançada sobre a cal viva. Jasão avançou, ousadamente, para enfrentá-los. Seus amigostremeram ao contemplá-lo. Não obstante a respiração de fogo dos touros, ele lhesacalmou com a voz, afagou-os no pescoço e destramente colocou-lhes o jugo e obrigou-os a arar a terra. Os habitantes da Cólquida ficaram assombrados; os gregos lançaramgritos de alegria. Logo surgiu a sementeira de homens armados e mal tinham atingido asuperfície da terra, esses homens, brandindo suas armas, investiram contra Jasão. Os
  28. 28. gregos tremeram de medo por seu herói. Jasão, durante algum tempo, manteve osatacantes a distância, com a espada e o escudo, mas, vendo que seu número eraesmagador, recorreu ao encantamento que Medéia lhe ensinara: pegou uma pedra eatirou-a no meio dos inimigos. Estes, imediatamente, voltaram as armas uns contra osoutros e, dentro em pouco, não havia vivo um só da estirpe do dragão. Os gregosabraçaram seu herói, e Medéia também o teria abraçado, se se atrevesse.Restava fazer adormecer o dragão que guardava o velocino e isso foi conseguidolançando-se sobre ele algumas gotas de um preparado que Medéia fornecera. Sentindo-lhe o cheiro, o dragão acalmou-se, ficou imóvel, por um momento, depois fechou osgrandes olhos redondos, que, segundo se sabia, nunca fechara antes e, virando-se delado, adormeceu. Jasão apoderou-se do velocino e, acompanhado dos amigos e deMedéia, apressou-se em dirigir-se ao barco, antes que o rei Etes impedisse a partida, evoltou à Tessália, onde todos chegaram sãos e salvos, e Jasão entregou o velocino aPélias e consagrou "Argo" a Netuno. Não sabemos o que foi feito posteriormente doVelocino de Ouro, mas talvez se tenha verificado, à semelhança de muitos outrostesouros, que ele não valera o trabalho da conquista.
  29. 29. Atividades1) Enumere a seqüência dos acontecimentos da estória de Jasão (de 01 a 10): ___ A princesa Medeia apaixonada por Jasão ajuda o heroi a enfrentar o desafio proposto pelo rei Etes para entrar na caverna do dragão que protege o Velo de Ouro. ___ Após a semeadura os dentes de dragão originaram soldados completamente armados que atacam Jasão. Jasão luta contra os espartontes e joga a pedra enfeitiçada por Medeia para vencer os soldados. ___ Heróis de toda Grécia são convidados por Jasão para a expedição do Velocino de Ouro. Os heróis são chamados de Argonautas. ___ Jasão entra na caverna do dragão, que é adormecido graças a um feitiço preparado por Medeia. Jasão obtém o Velo de Ouro. ___ Jasão pede para Argo construir um barco com afinalidade de chegar a Cólquida. Jasão batiza o barco de “Argo” em homenagem ao seuconstrutor. ___ Jasão reclama o trono de Iolcos e seu tio Pélias ordena-o que encontre o Velo deouro.___ No Campo de Marte Jasão semeia o campo com os dentes de dragão com touros depatas de bronze que possuíam respiração flamejante.___ Os argonautas chegam ao Reino da Cólquida, onde são recebidos pelo rei Etes e suafilha Medeia.___ Os Argonautas cruzam as Simplegades, um grupo de ilhas rochosas que flutuavamno mar, que sacudidas, ajuntavam-se e esmagavam tudo que estivesse entre elas.___ Os Argonautas iniciam sua jornada ao zarparem do porto de Iolcos em direção aCólquida. Na Ilha de Creta os Argonautas são atacados por Talos, um gigante de bronze,construído por Hefesto, o ferreiro dos deuses.2) Considerando a lenda do Minotauro dê um título para cada uma das imagens abaixo: ____________________ ____________________ ______________
  30. 30. Os 12 Trabalhos de Hércules
  31. 31. Sacrifício humano?Há muito existem provas que podem destruir inteiramente a imagem da antiga civilizaçãominóica derivada dos afrescos. Cenas de flores de lírios e lótus conviviam com outras, deelegantes damas conversando e se enfeitando — em resumo, a imagem de umasociedade culta e altamente sofisticada, apenas desfigurada pelas cenas do "jogo"perigoso e suicida do salto ao touro. Sombra muito mais escura foi lançada em 1979,pelas descobertas terríveis, feitas nos porões de uma enorme casa em Cnossos, por Peter Warren, Professor de Arqueologia Clássica da Universidade de Bristol. Os aposentos superiores da casa ruíram sobre o porão, onde foi encontrado o seu conteúdo — principalmente objetos do cotidiano, como pesos para tecelagem, contas, ferramentas e cerâmica. Havia também um grande vaso de armazenagem contendo terra queimada, restos de caracóis e de mariscos comestíveis, além de três ossos humanos, um dos quais (uma vértebra cervical) com evidentes marcas de corte. Por que esses géneros alimentícios estariam misturados a restos humanos? O rasto das evidencias continuou num aposento adjacente, escavado por Warren, que ele passou a chamar de "Aposento dos Ossos de Crianças”. Ali encontrou 251 ossos de animais pertencentes a bois, carneiros, porcos e cães, alémde 371 ossos e fragmentos de ossos humanos. A análise demonstrou a presença derestos de pelo menos quatro indivíduos, todos crianças. No total, 79 desses ossoscontinham marcas de cortes ou de terem sido serrados com lâmina fina. Em outrosaposentos da casa foram encontrados mais 54 ossos humanos, todos pertencentes acrianças, e oito com marcas de corte.Warren e sua equipe ficaram estarrecidos com o significado dessa prova. Em algumasculturas antigas, os corpos eram desmembrados ou descarnados antes de serementerrados, ou mesmo escavados depois decomposição e enterrados novamente.Entretanto, no caso dos ossos das crianças, os sinais de corte ficavam longe dasextremidades, onde se esperaria encontrar marcas, se as várias partes do corpo (porexemplo, braço, antebraço e mão) fossem deliberadamente separadas. Isto sugeriu aWarren e ao especialista em ossos Louis Binford que o corte não se destinara adesmembrar o esqueleto, mas sim para remover a carne. Mas a ausência de marcaslongitudinais demonstrava que o propósito não era remover todos os vestígios de carne –e sim grandes nacos – e portanto o objetivo talvez não fosse descarnar. Então, pareceque o que se fazia com os ossos não era parte de um ritual de sepultamento. Aconteciaalguma outra prática de culto, e Warren chegou à terrível conclusão de que envolvia osacrifício ritual de infantes, que depois eram cozinhados e ingeridos.Naturalmente, como o próprio Warren admite, não há provas absolutas de que a carnedas crianças era consumida depois de removida dos ossos. Em todo caso, parece umaexplicação mais provável do que as outras alternativas como, por exemplo, simplesassassinato ou preparação para o sepultamento. Dennis Hughes, especialista emclassicismo da Universidade de lowa, sugeriu que os ossos foram levados para o porãocomo parte de uma prática de um segundo sepultamento, e que já haviam sido separadose descarnados antes de serem depositados ali. Contudo, admite que não há provas deritos de sepultamento. Embora se saiba que existia um segundo sepultamento em Creta,na Idade do Bronze, não há exemplo de remoção de carne, nem de deliberadadesarticulação do corpo, antes do novo sepultamento. É preciso enfrentar o terrível fatode que, se as marcas de cortes fossem encontradas em ossos de animais, osarqueólogos assumiriam, sem pensar duas vezes, que estavam diante dos restos de umarefeição.
  32. 32. A explicação de Warren, de consumação ritual, continua sendo a melhor, embora sechoque muito contra a tradicional ideia preconcebida de uma sociedade minoica"pacífica". A presença de ossos de animais com marcas semelhantes, a terra queimada eos caracóis comestíveis, sugerem que as crianças eram mortas, cozinhadas e ingeridas,junto com os animais em festas associadas a algum culto religioso demoníaco. Tambémnão é tão difícil imaginar que as vítimas desse culto canibalesco eram trazidas das terrasdominadas — como Atenas, na lenda de Teseu. Se Warren estiver certo, tem-se umanova explicação para a origem da lenda de um monstro que comia crianças em Cnossos;havia um monstro em Cnossos, sem cabeça de touro, mas suficientemente real, e aindamais sinistro do que o lendário Minotauro.(JAMES, Peter. O Livro de Ouro dos Mistérios da Antiguidade. Rio de Janeiro:Ediouro, 2002. p. 368-370).1) Resolva a palavra cruzada abaixo:Horizontal: 4. Nome da cidade onde foi encontrado um disco que pode ser a mais antigamáquina de impressão do mundo, anterior mesmo a invenção de Gutenber. 6. Nome doedifício construído por Dédalo para aprisionar o Minotauro. 8. Nome do lendário rei deCreta. 9. Princesa fenícia, filha de Agenor, que foi abduzida por Zeus na forma de umTouro Branco. 10. Nome do principal palácio da ilha de CretaVertical: 1. Lendário rei de Atenas, pai de Teseu, que batizou o nome do mar queenvolve a Grécia. 2 Deus dos mares da mitologia grega que fez sair do mar um TouroBranco que deveria ter sido sacrificado por Minos. 3. Monstro com cabeça de touro ecorpo humano que se alimentava de carne humana. 5. Nome do grupo de ilhas gregaslocalizadas entre a Península do Peloponeso e a ilha de Creta. 7. Princesa de Creta queajudou Teseu a vencer o Minotauro.
  33. 33. A Genealogia dos Reis de Micenas
  34. 34. A História Lendária de MicenasO artigo abaixo descreve a história lendária de Micenas, que corresponde aoperíodo Micênico da história grega. A lenda refere-se da fundação de Micenas porPerseu, ao governo de Agamêmnon, líder dos gregos na Guerra de Tróia.O rei de Argos Acrísio possuía uma filha de grande beleza, Danae, que foi aprisionada emuma torre de bronze após Acrísio ser alertado sobre uma profecia que dizia que ele seriamorto pelo seu próprio neto. Zeus, o deus do céu, se apaixonou por Danae e entrou natorre disfarçando-se de uma chuva de ouro. Danae deu a luz a Perseu. Acrísio colocouDanae e Perseu em uma arca e os jogaram no Mar Egeu. Danae foi salva por umpescador e junto com Perseu passaram a viver na ilha de Serifos. Quando adulto Perseudescobriu o seu passado e retornou a Argos. Acrísio que temia por sua vida devido aprofecia, propôs inúmeras tarefas para Perseu, uma delas decapitar a górgona Medusa.Graças ao auxilio dos deuses Hermes, que lhe emprestou sua sandália alada, Atena, quelhe emprestou seu escudo, e Hades, que lhe emprestou seu capacete da invisibilidade,Perseu encontrou Medusa e graças a imagem da górgona refletida em seu escudo, podearrancar a sua cabeça. Após seu feito Perseu voou com as sandálias aladas de Hermespor todo o firmamento, desde as terras ocidentais, moradia de Atlas, gigante que sustentao universo, até o reino dos etíopes. Na Etiópia Perseu encontrou uma bela moçaacorrentada a um rochedo. Ela revelou ser Andrômeda, princesa da Etiópia e devido apresunção de sua mãe, Cassiopéia, que comparara sua beleza a das Nereidas, foidestinada a servir de sacrifício ao monstro marinho Cetus, enviado por Poseidon paradestruir o reino da Etiópia. Perseu pediu a mão da moça em casamento caso eleenfrentasse e vencesse o monstro. Os reis Cefeu e Cassiopéia aceitaram a proposta e dofundo das águas surge o monstro marinho. Graças a sua espada, Perseu lutou com omonstro e o eliminou. Vencido Cetus, Perseu obteve a mão de Andrômeda, e juntosretornaram para Argos. Perseu e Andrômeda tiveram muitos filhos, os Perseidas, que reinaram sobre as cidades fundadas por Perseu: Tirinto e Micenas. Alceu se tornou rei de Tirinto e Estenêlo de Micenas. Alceu era pai de Anfitrião que estava em guerra contra os tebanos. Durante sua campanha militar, Anfitrião ausentou-se de Tirinto e Zeus enamorou-se pela esposa do rei, Alcmena. Graças à um disfarce, Zeus se metamorfoseou em Anfitrião e visitou os aposentos de Alcmena. Alcmena engravidou e Anfitrião foi persuadido por um emissário de Zeus, que Alcmena estava grávida de um deus. No Olimpo Zeus profetiza que o próximo príncipe perseida que nascer no Peloponeso será o rei de Micenas e de toda a Grécia. Hera ao desconfiar se tratar de mais uma das traições de seu marido, descobre que Zeus havia a traído com Alcmena. Para puni-lo Hera atrasa a gestação de Alcmena e nasce Euristeus, filho de Estenêlo, antes de Hércules, filho de Alcmena. Zeus que havia jurado pelo Estíge que o próximo perseida seria o rei de Perseu toda a Grécia, não pode fazer nada para que seu filho Hércules assumisse o trono de Micenas. Alcmena deu aluz a dois filhos gêmeos, um mortal, Ificles, e outro semideus, Hércules (em gregoHeracles, “glória de Hera” ou Alcides, “descendente de Alceu”).
  35. 35. Hera passou a perseguir Hercules desde o seu nascimento.Mandou duas serpentes matá-lo em seu quarto, massurpreendentemente o bebe Hercules estrangulou as duasserpentes com os próprios punhos. Hera tentou amamentá-lo,mas o bebê era tão forte que ela impediu que ele a machucasse,esparramando leite por todo o firmamento, originando a galáxia(o “caminho de leite”), ou a Via - Láctea. Quando se tornouadulto Hércules num momento de loucura provocado por Hera,matou toda a sua família e sua esposa Megara. Para purgarseus crimes, Hércules foi até o oráculo de Delfos, quedeterminou que ele deveria se tornar escravo de seu primoEuristeus, rei de Micenas, e cumprir doze trabalhosdeterminados por ele. Hércules foi aos confins da Terra pararealizar os doze trabalhos, e cumpriu todos. Hércules tevemuitos filhos, os “Heráclidas”, porém nenhum foi mais notávelque o pai. Os descendentes de Hércules organizaram umataque ao reino de Micenas, para expulsarem o usurpador dotrono legítimo do seu pai. O usurpador era Euristeus. O retorno Hérculesdos Heráclidas corresponde ao episódio das invasões dórias.Durante as guerras dos heráclidas, Euristeus morreu em campo de batalha, e legou otrono de Perseu a Atreu, um primo distante por parte materna. Atreu era filho de Pélops, aamaldiçoada descendência de Tântalo, que era rei de Pisa, o antigo embrião da cidadepan-helênica de Olímpia. Os descendentes de Atreu, os Átridas, também carregavam amaldição de Tântalo, e Agamêmnon tornou-se rei de Micenas, e Menelau, rei de Esparta.Agamêmnon rei de Micenas e líder dos gregos durante a Guerra de Tróia obteve taldistinção graças ao usurpador de Micenas, Euristeus. Atividades1) “O mito do labirinto conta a historia de um herói, Teseu, que é enviado a Creta paraenfrentar o Minotauro, retratado como um ser monstruoso. Ele mata o Minotauro, fogecom a filha do rei Minos, abandona a ilha e volta para Atenas. Esse mito representa umpouco a idéia de vitoria dos micênicos sobre os minóicos: Teseu era ateniense, portantotinha ascendência micênica, que consegue derrotar o poder do rei Minos. O Minotauro erao símbolo desse poder dos minóicos. Representa o momento em que eles perdem odomínio sobre o Mediterrâneo”. (Alvaro Allegrette, arqueólogo da École FrançaiseD´Athènes, foi o responsável pela escavação da cripta hipostila na cidade de alia, na ilhade Creta). Considerando o texto acima responda:a) Relacione os principais personagens da Lenda do Minotauro, Teseu e Minos, àrealidade histórica a qual representam._______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________b) Qual a importância do Mediterrâneo para os minóicos?_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________2) “Quando Euristeus iniciou a expedição da qual resultou sua morte nas mãos dosHeráclidas, Atreu, irmão de sua mãe, que havia sido banido por seu pai por haverassassinado Crisipos, recebeu provisoriamente de Euristeus a cidade de Micenas e a

×