POLÍTICAS ESTADUAL E NACIONAL     DE RESÍDUOS SÓLIDOS  José Cláudio Junqueira Ribeiro    Belo Horizonte, novembro de 2010 ...
Resíduos sólidosResíduos nos estados sólido e semi-sólido, que resultamde atividades de origem industrial, doméstica,hospi...
Gestão de resíduos sólidosCompreende o conjunto de ações sob responsabilidadedo gerador, aplicadas aos processos de segreg...
Valorização de resíduos sólidosOperação    que permite a requalificação do resíduosólido como material secundário ou sub-p...
Avaliação do ciclo de vida do produtoConsiderações    das conseqüências dos impactoscausados à saúde, humana e à qualidade...
Logística reversaConjunto de ações, procedimentos e meios, destinados afacilitar a coleta e a restituição dos resíduos sól...
PrincípiosI - a prevenção da geração de resíduos sólidos;II - a não geração de resíduos sólidosIII - a redução da geração ...
Diretrizes  participação da sociedade no planejamento, formulação e implementação das políticaspúblicas, na regulação, fis...
Objetivos Preservar a saúde pública, proteger e melhorar a qualidade do meioambiente;  Conscientizar a população sobre a i...
Para alcançar esses objetivos cabe ao Poder Público fomentar:   mercado para materiais reutilizáveis ou recicláveis direta...
Instrumentos da PolíticaEstadual de Resíduos Sólidos    Política Estadual de Resíduos Sólidos
Indicadores para o estabelecimento de padrões relativos à gestão dos resíduos sólidos;  Plano de Gestão Integrada de Resíd...
Plano de Gestão Integrada de                Resíduos Sólidos  Municípios;  Fabricantes,     importadores,  distribuidores,...
Obrigações e ResponsabilidadeI - Fabricantes e importadores:  adotar tecnologias de modo a absorver ou reaproveitar os res...
III - Consumidores  após a utilização do produto, efetuar a entrega dos resíduos sólidos reversos aos comerciantes edistri...
Proibições• São proibidas as seguintes formas de destinação dos resíduos     sólidos:I - lançamento "in natura" a céu aber...
Penalidadesadvertência;multa de R$ 50,00 a R$ 50 milhões;multa diária;embargo;suspensão de atividade;apreensão         Pol...
Instrumentos Econômicos e FinanceirosIncentivos fiscais, financeiros ou creditícios para industrias einstituições que trab...
PrazosO prazo para a elaboração dos Planos de Gestão Integrada da  União e dos estados é de dois anosO prazo para a elabor...
Prazos Logística ReversaEmbalagens de agrotóxicosÓleos lubrificantesPneusPilhas e bateriasLâmpadasEletroeletrônicos – R3E ...
OBRIGADOjcjunqueira@meio ambiente.mg.gov.br      Política Estadual de Resíduos Sólidos
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

José cláudio junqueira ribeiro

4.107 visualizações

Publicada em

Seminário "Políticas Nacional e Estadual de Resíduos Sólidos"

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.107
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
88
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

José cláudio junqueira ribeiro

  1. 1. POLÍTICAS ESTADUAL E NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS José Cláudio Junqueira Ribeiro Belo Horizonte, novembro de 2010 Política Estadual de Resíduos Sólidos
  2. 2. Resíduos sólidosResíduos nos estados sólido e semi-sólido, que resultamde atividades de origem industrial, doméstica,hospitalar, comercial, agrícola, de serviços e devarrição. Ficam incluídos nesta definição os lodosprovenientes de sistemas de tratamento de água,aqueles gerados em equipamentos e instalações decontrole de poluição, bem como determinados líquidoscujas particularidades tornem inviável seu lançamentona rede pública de esgotos ou corpos de água, ouexijam para isso soluções técnicas e economicamenteinviáveis em face à melhor tecnologia disponível. Política Estadual de Resíduos Sólidos
  3. 3. Gestão de resíduos sólidosCompreende o conjunto de ações sob responsabilidadedo gerador, aplicadas aos processos de segregação,coleta, manipulação, manejo, acondicionamento,transporte, armazenamento, tratamento, e destinaçãofinal dos resíduos sólidos. Política Estadual de Resíduos Sólidos
  4. 4. Valorização de resíduos sólidosOperação que permite a requalificação do resíduosólido como material secundário ou sub-produtoagregando-lhe valor por meio do reaproveitamento, dareciclagem, reuso, valorização energética outratamento para outras aplicações. Política Estadual de Resíduos Sólidos
  5. 5. Avaliação do ciclo de vida do produtoConsiderações das conseqüências dos impactoscausados à saúde, humana e à qualidade ambiental,decorrente da produção e consumo, desde suaconcepção, obtenção de matérias-primas e insumos, atéseu consumo e destinação final. Método sistêmico queavalia os impactos dos bens e serviços no ciclo de vidado produto. Política Estadual de Resíduos Sólidos
  6. 6. Logística reversaConjunto de ações, procedimentos e meios, destinados afacilitar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos aocentro que os produziu, para o seu reaproveitamento naforma de novas matérias-primas em seu processoprodutivo ou de terceiros, seu tratamento, e a disposiçãofinal adequada dos rejeitos. Política Estadual de Resíduos Sólidos
  7. 7. PrincípiosI - a prevenção da geração de resíduos sólidos;II - a não geração de resíduos sólidosIII - a redução da geração de resíduos sólidos;IV - a reutilização dos resíduos sólidos;V - a reciclagemVI - o tratamento dos resíduos sólidos;VII - a disposição final ambientalmente adequada. Política Estadual de Resíduos Sólidos
  8. 8. Diretrizes participação da sociedade no planejamento, formulação e implementação das políticaspúblicas, na regulação, fiscalização, avaliação e prestação de serviços por meio dasinstâncias de controle social; universalidade, regularidade, continuidade e funcionalidade dos serviços públicos demanejo integrado dos resíduos sólidos; incentivo ao uso de matérias-primas e insumos derivados de materiais recicláveis ereciclados, bem como o desenvolvimento de novos produtos e processos, com a utilizaçãodas tecnologias ambientalmente saudáveis; responsabilidade socio-ambiental compartilhada entre poder público, geradores,transportadores, distribuidores e consumidores no fluxo de resíduos sólidos; integração dos catadores nas ações que envolvam o fluxo de resíduos sólidos, comoforma de garantir condições dignas de trabalho. consumo sustentável e princípio do poluidor pagador Política Estadual de Resíduos Sólidos
  9. 9. Objetivos Preservar a saúde pública, proteger e melhorar a qualidade do meioambiente; Conscientizar a população sobre a importância de sua participaçãona gestão de resíduos sólidos; Gerar benefícios sociais, econômicos e ambientais; Promover modelo de gestão que incentive a cooperaçãointermunicipal, estimulando a busca de soluções consorciadas; Estimular o desenvolvimento de novas tecnologias e processos nãopoluentes ambientalmente saudáveis para reciclagem, tratamento edisposição final dos resíduos sólidos. Política Estadual de Resíduos Sólidos
  10. 10. Para alcançar esses objetivos cabe ao Poder Público fomentar: mercado para materiais reutilizáveis ou recicláveis direta ou indiretamente; capacitação de recursos humanos; incentivo à pesquisa científica e ao desenvolvimento tecnológico; divulgação de informações ambientais sobre resíduos sólidos; implementação de programas de educação ambiental; valorização dos resíduos sólidos; criação de cooperativas de catadores para a coleta, separação e beneficiamento dos resíduos sólidos de geração difusa; implantação de unidades receptoras de resíduos sólidos; implantação do sistema de coleta seletiva nos municípios. Política Estadual de Resíduos Sólidos
  11. 11. Instrumentos da PolíticaEstadual de Resíduos Sólidos Política Estadual de Resíduos Sólidos
  12. 12. Indicadores para o estabelecimento de padrões relativos à gestão dos resíduos sólidos; Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos com participação da sociedade; Sistema integrado de informações voltadas às ações relativas a gestão dos resíduos sólidos; Inventário estadual de resíduos sólidos industriais instituído pela Resolução CONAMA n° 313; Financiamentos para práticas de prevenção à poluição pelos resíduos sólidos gerados, bem como a recuperaçãodas áreas contaminadas por estes; Incentivos fiscais, financeiros e creditícios para as atividades de redução da geração, reutilização, reciclagem,tratamento ou disposição final de resíduos sólidos; Previsão de planos de consorcio de municípios; Educação ambiental; Programas de incentivo à adoção de sistemas de gestão ambiental pelas empresas; Pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias para gestão de resíduos sólidos; Planejamento regional integrado Programas de incentivos voltados aos mercados locais para comercialização ou consumo de materiaisrecicláveis ou reciclado. Política Estadual de Resíduos Sólidos
  13. 13. Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Municípios; Fabricantes, importadores, distribuidores,comerciantes, prestadores de serviços e demaisfontes geradoras regulamentadas. Política Estadual de Resíduos Sólidos
  14. 14. Obrigações e ResponsabilidadeI - Fabricantes e importadores: adotar tecnologias de modo a absorver ou reaproveitar os resíduos sólidos reversos; coletar os resíduos sólidos e dar disposição final ambientalmente adequada, sob pena deresponder civil e criminalmente; articular com sua rede de comercialização a implementação da estrutura necessáriapara garantir o fluxo de retorno dos resíduos sólidos reversos; responsabilidade solidaria entre gerador, transportador e unidades de destinação final;II - Revendedores, comerciantes e distribuidor receber, acondicionar e armazenar temporariamente, de forma ambientalmentesegura, os resíduos sólidos do sistema reverso; garantir o recebimento, criar e manter locais destinados à coleta dos resíduossólidos do sistema reverso, e informar ao consumidor a localização desses postos. Política Estadual de Resíduos Sólidos
  15. 15. III - Consumidores após a utilização do produto, efetuar a entrega dos resíduos sólidos reversos aos comerciantes edistribuidores, ou destiná-los aos postos de coleta especificados; na operação de coleta e manuseio dos resíduos sólidos poderá ser incentivada a contrataçãoformal das organizações de catadores existentes no Município, com vistas ao atendimento dasdiretrizes desta Política, as quais passarão a responder solidariamente pelo adequadoarmazenamento e gerenciamento dos mesmos, até que ocorra a sua efetiva entrega ao geradorresponsável; o Poder Público dos Municípios deverá instituir formas de ressarcimento pela prestação efetivados serviços públicos de coleta e tratamento dos resíduos sólidos, bem como, a destinação final dosrejeitos, ou a eventual ação reversa dos resíduos sólidos abandonados em espaços e logradourospúblicos.IV – Unidades de disposição final registro de encerramento de atividades Política Estadual de Resíduos Sólidos
  16. 16. Proibições• São proibidas as seguintes formas de destinação dos resíduos sólidos:I - lançamento "in natura" a céu aberto, sem tratamento prévio, em áreas urbanas e rurais;II - queima a céu aberto ou em recipientes, instalações ou equipamentos não licenciados para esta finalidade, salvo em caso de decretação de emergência sanitária e desde que autorizada pelo órgão competente;III - lançamento ou disposição em lagoa, curso dágua, área de várzea, cavidade subterrânea ou dolina, terreno baldio, poço, cacimba, rede de drenagem de águas pluviais, galeria de esgoto, duto condutor de eletricidade ou telefone, mesmo que abandonados, em área sujeita a inundação e em área de proteção ambiental integral. Política Estadual de Resíduos Sólidos
  17. 17. Penalidadesadvertência;multa de R$ 50,00 a R$ 50 milhões;multa diária;embargo;suspensão de atividade;apreensão Política Estadual de Resíduos Sólidos
  18. 18. Instrumentos Econômicos e FinanceirosIncentivos fiscais, financeiros ou creditícios para industrias einstituições que trabalhem com reciclados;A unidade recicladora gozará de benefícios fiscais e tributários,nos termos de normas específicas editadas pelo PoderExecutivo. Parágrafo único. Os benefícios de que trata o caputserão concedidos sob a forma de créditos especiais, deduções,isenções de impostos, tarifas diferenciadas, prêmios,empréstimos e demais modalidades especificamenteestabelecidas na legislação pertinente. Política Estadual de Resíduos Sólidos
  19. 19. PrazosO prazo para a elaboração dos Planos de Gestão Integrada da União e dos estados é de dois anosO prazo para a elaboração dos Planos de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos dos Municípios de MG será estabelecido pelo Copam, observado o prazo máximo de cinco anos contados da data de publicação da regulamentação desta Lei.O prazo para a disposição adequada dos rejeitos é de quatro anos. Política Estadual de Resíduos Sólidos
  20. 20. Prazos Logística ReversaEmbalagens de agrotóxicosÓleos lubrificantesPneusPilhas e bateriasLâmpadasEletroeletrônicos – R3E Política Estadual de Resíduos Sólidos
  21. 21. OBRIGADOjcjunqueira@meio ambiente.mg.gov.br Política Estadual de Resíduos Sólidos

×