SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL Condutas em Infertilidade Clínica Pró-Criar Reprodução Assistida Belo Horizonte – MG Brasil
Conceitos ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Epidemiologia Guttmacher Classic Table - JAMA 161: 855, 1956 Probabilidade de se alcançar uma gestação em função do tempo de exposição Meses de exposição % de gravidez 3 meses   57% 6 meses   72% 1 ano   85% 2 anos   93%
Causas de infertilidade Casal Mulher Fator Tubo-peritoneal 40% Fator Ovulatório 40% Outros 10% Inexplicada 10% Fator  Ovulatório 15% Fator Tubo-Peritoneal 35% Fator Masculino 35% Outros 5% Inexplicada 10%
Propedêutica ANAMNESE ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Epidemiologia ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Epidemiologia Idade e Reprodução   Nº Oócitos Nascimentos Gravidez/Mês
Epidemiologia CDC, 2001
Propedêutica Tempo de Infertilidade ,[object Object],[object Object],[object Object],(Hull et al., 1985)
Propedêutica do fator masculino – 35% Anamnese ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Propedêutica do fator masculino ESPERMOGRAMA Valores Normais para a avaliação seminal (OMS - 1992) Volume ≥  2,0 ml pH 7,2 - 8,0 Concentração ≥  20.000.000 Contagem Total ≥  40.000.000 por ejaculado Motilidade > 50% com progressão linear (tipos A e B); > 25% de progressão rápida (tipo A) Morfologia * ≥  30% formas normais Vitalidade ≥  75% de vivos Leucócitos < 1 x  10 6 /ml
Oligospermia < 20.000.000/ml Astenospermia < 50% com progressão linear (A+B) < 25% de progressão rápida (A) Teratospermia * < 30% de sptz com morfologia normal Oligoastenoteratospermia 3 variáveis alteradas Azoospermia ausência de sptz no ejaculado Aspermia ausência de ejaculado *   O ideal  é utilizar a morfologia estrita de Kruger ESPERMOGRAMA Pelo menos 2 análises do sêmen – intervalo 1 a 3 semanas 72 a 84 dias para espermatogênese Abstinência de 2 a 5 dias Análise dentro de 1 hora
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],ESPERMOGRAMA Vawda et al., 1996 Melhor para predição de taxa de fertilização
Propedêutica do fator tubário – 35% HISTEROSSALPINGOGRAFIA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Anamnese ,[object Object],[object Object],[object Object]
Fator Tubo-Peritoneal Histerossalpingografia S/ Alterações  Alterada Fator excluído (?)  Vídeo-Laparoscopia  Sensibilidade – 65% Especificidade – 83% Swart et al., 1995
Propedêutica do fator ovulatório – 15% Anamnese ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Propedêutica do fator ovulatório ULTRA-SONOGRAFIA ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Propedêutica do fator ovulatório ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],DOSAGEM SÉRICA DE PROGESTERONA
Propedêutica do fator ovulatório DOSAGENS HORMONAIS ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Propedêutica do fator uterino ,[object Object],[object Object],[object Object],Histerossalpingografia, Ultra Som   S/ Alterações  Alterada   Histeroscopia
1º 7º 14º 21º 26º 3º 28º HSG FSH, LH, TSH Estradiol Prolactina P. U.S.  Transvaginal Espermograma 23º Propedêutica básica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Grupo 2 Causas De Infertilidade E T%C3%A9cnicas De Reprodu%C3%A7%C3%A3o Assis...
Grupo 2 Causas De Infertilidade E T%C3%A9cnicas De Reprodu%C3%A7%C3%A3o Assis...Grupo 2 Causas De Infertilidade E T%C3%A9cnicas De Reprodu%C3%A7%C3%A3o Assis...
Grupo 2 Causas De Infertilidade E T%C3%A9cnicas De Reprodu%C3%A7%C3%A3o Assis...
guestfcb1d
 
Cuidados farmacêuticos na gravidez
Cuidados farmacêuticos na gravidezCuidados farmacêuticos na gravidez
Cuidados farmacêuticos na gravidez
Cassyano Correr
 
Palestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
Palestra sexualidade, gravidez e dst s prontaPalestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
Palestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
Bianca Trajanoski
 
Anticoncepcion
AnticoncepcionAnticoncepcion
Anticoncepcion
aka17palb
 

Mais procurados (20)

Métodos contraceptivos.6.4ºbim
Métodos contraceptivos.6.4ºbimMétodos contraceptivos.6.4ºbim
Métodos contraceptivos.6.4ºbim
 
DIU de cobre nas maternidades
DIU de cobre nas maternidadesDIU de cobre nas maternidades
DIU de cobre nas maternidades
 
Planjamento familiar
Planjamento familiarPlanjamento familiar
Planjamento familiar
 
Grupo 2 Causas De Infertilidade E T%C3%A9cnicas De Reprodu%C3%A7%C3%A3o Assis...
Grupo 2 Causas De Infertilidade E T%C3%A9cnicas De Reprodu%C3%A7%C3%A3o Assis...Grupo 2 Causas De Infertilidade E T%C3%A9cnicas De Reprodu%C3%A7%C3%A3o Assis...
Grupo 2 Causas De Infertilidade E T%C3%A9cnicas De Reprodu%C3%A7%C3%A3o Assis...
 
Cuidados farmacêuticos na gravidez
Cuidados farmacêuticos na gravidezCuidados farmacêuticos na gravidez
Cuidados farmacêuticos na gravidez
 
Atenção à Infertilidade na Média Complexidade
Atenção à Infertilidade na Média ComplexidadeAtenção à Infertilidade na Média Complexidade
Atenção à Infertilidade na Média Complexidade
 
Modificações sistêmicas da gestação
Modificações sistêmicas da gestaçãoModificações sistêmicas da gestação
Modificações sistêmicas da gestação
 
Ovulation Stimulation Protocols for IUI
Ovulation Stimulation Protocols for IUIOvulation Stimulation Protocols for IUI
Ovulation Stimulation Protocols for IUI
 
Sangramento Vaginal Anormal: não deixe de examinar!
Sangramento Vaginal Anormal: não deixe de examinar!Sangramento Vaginal Anormal: não deixe de examinar!
Sangramento Vaginal Anormal: não deixe de examinar!
 
Palestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
Palestra sexualidade, gravidez e dst s prontaPalestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
Palestra sexualidade, gravidez e dst s pronta
 
Puberdade precoce
Puberdade precocePuberdade precoce
Puberdade precoce
 
Tens Secrets to Ovarian Stimulation
Tens Secrets to Ovarian StimulationTens Secrets to Ovarian Stimulation
Tens Secrets to Ovarian Stimulation
 
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZ
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZ
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS DA GRAVIDEZ
 
Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
 
Contraceptivos
ContraceptivosContraceptivos
Contraceptivos
 
Anticoncepcion
AnticoncepcionAnticoncepcion
Anticoncepcion
 
Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
 
Consulta Ginecologica Chirlei
Consulta Ginecologica ChirleiConsulta Ginecologica Chirlei
Consulta Ginecologica Chirlei
 
Monitoring ART cycle Aboubakr Elnashar
Monitoring ART cycle Aboubakr ElnasharMonitoring ART cycle Aboubakr Elnashar
Monitoring ART cycle Aboubakr Elnashar
 
A Dor no Parto: significados e manejo
A Dor no Parto: significados e manejoA Dor no Parto: significados e manejo
A Dor no Parto: significados e manejo
 

Semelhante a Aula 01 PropedêUtica Em Infertilidade

Estudo de caso parto prematuro e exame físico obstétrico
Estudo de caso parto prematuro e exame físico obstétrico Estudo de caso parto prematuro e exame físico obstétrico
Estudo de caso parto prematuro e exame físico obstétrico
Thaila Cavalheiro
 
Aula de saúde ginecológica pronta para preparatório 2014
Aula de saúde ginecológica pronta para preparatório 2014Aula de saúde ginecológica pronta para preparatório 2014
Aula de saúde ginecológica pronta para preparatório 2014
angelalessadeandrade
 
Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento Familiar
Unis
 
Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento Familiar
Unis
 
Papel do ginecologista na infertilidade
Papel do ginecologista na infertilidadePapel do ginecologista na infertilidade
Papel do ginecologista na infertilidade
itpack
 

Semelhante a Aula 01 PropedêUtica Em Infertilidade (20)

Puberdade Precoce: como conduzir
Puberdade Precoce: como conduzirPuberdade Precoce: como conduzir
Puberdade Precoce: como conduzir
 
Aula 09 Condutas Em Infertilidade Sem Causa Aparente
Aula 09   Condutas Em Infertilidade Sem Causa AparenteAula 09   Condutas Em Infertilidade Sem Causa Aparente
Aula 09 Condutas Em Infertilidade Sem Causa Aparente
 
Gestação Normal.ppt
Gestação Normal.pptGestação Normal.ppt
Gestação Normal.ppt
 
4.-Aula-Pré-natal.pdf
4.-Aula-Pré-natal.pdf4.-Aula-Pré-natal.pdf
4.-Aula-Pré-natal.pdf
 
Estudo de caso parto prematuro e exame físico obstétrico
Estudo de caso parto prematuro e exame físico obstétrico Estudo de caso parto prematuro e exame físico obstétrico
Estudo de caso parto prematuro e exame físico obstétrico
 
Amenorréia prmfc 2014
Amenorréia prmfc 2014Amenorréia prmfc 2014
Amenorréia prmfc 2014
 
Programa de Orientação sobre Anticoncepção - Planejamento Familiar
Programa de Orientação sobre Anticoncepção - Planejamento FamiliarPrograma de Orientação sobre Anticoncepção - Planejamento Familiar
Programa de Orientação sobre Anticoncepção - Planejamento Familiar
 
Falencia ovariana precoce - diagnostico - FIV - drogas
Falencia ovariana precoce - diagnostico - FIV - drogas Falencia ovariana precoce - diagnostico - FIV - drogas
Falencia ovariana precoce - diagnostico - FIV - drogas
 
Aula 15 Acompanhamento Obstétrico Após TRA
Aula 15   Acompanhamento Obstétrico Após TRAAula 15   Acompanhamento Obstétrico Após TRA
Aula 15 Acompanhamento Obstétrico Após TRA
 
Turner Syndrome: Fertility Preservation [Renato Tomioka, MD]
Turner Syndrome: Fertility Preservation [Renato Tomioka, MD]Turner Syndrome: Fertility Preservation [Renato Tomioka, MD]
Turner Syndrome: Fertility Preservation [Renato Tomioka, MD]
 
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.pptGestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
 
Terapia de reposição hormonal
Terapia de reposição hormonalTerapia de reposição hormonal
Terapia de reposição hormonal
 
Aula de saúde ginecológica pronta para preparatório 2014
Aula de saúde ginecológica pronta para preparatório 2014Aula de saúde ginecológica pronta para preparatório 2014
Aula de saúde ginecológica pronta para preparatório 2014
 
Aula 02 Fatores PrognóSticos Para Resposta Ovariana
Aula 02   Fatores PrognóSticos Para Resposta OvarianaAula 02   Fatores PrognóSticos Para Resposta Ovariana
Aula 02 Fatores PrognóSticos Para Resposta Ovariana
 
Aula 10 InduçãO Da OvulaçãO Para Tratamento De Baixa Complexidade
Aula 10   InduçãO Da OvulaçãO Para Tratamento De Baixa ComplexidadeAula 10   InduçãO Da OvulaçãO Para Tratamento De Baixa Complexidade
Aula 10 InduçãO Da OvulaçãO Para Tratamento De Baixa Complexidade
 
Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento Familiar
 
Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento Familiar
 
Aula Planejamento Familiar
Aula Planejamento FamiliarAula Planejamento Familiar
Aula Planejamento Familiar
 
Papel do ginecologista na infertilidade
Papel do ginecologista na infertilidadePapel do ginecologista na infertilidade
Papel do ginecologista na infertilidade
 
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo riscoProtocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
 

Mais de Clínica Pró-Criar Medicina Reprodutiva (10)

Dinâmica Ovariana
Dinâmica OvarianaDinâmica Ovariana
Dinâmica Ovariana
 
Dinâmica Ovariana
Dinâmica OvarianaDinâmica Ovariana
Dinâmica Ovariana
 
Aula 13 Condutas Em Perda Gestacional De RepetiçãO
Aula 13   Condutas Em Perda Gestacional De RepetiçãOAula 13   Condutas Em Perda Gestacional De RepetiçãO
Aula 13 Condutas Em Perda Gestacional De RepetiçãO
 
Aula 12 Como Monitorizar A InduçãO Da OvulaçãO
Aula 12   Como Monitorizar A InduçãO Da OvulaçãOAula 12   Como Monitorizar A InduçãO Da OvulaçãO
Aula 12 Como Monitorizar A InduçãO Da OvulaçãO
 
Aula 11 InduçãO Da OvulaçãO Para Tratamento De Alta Complexidade
Aula 11   InduçãO Da OvulaçãO Para Tratamento De Alta ComplexidadeAula 11   InduçãO Da OvulaçãO Para Tratamento De Alta Complexidade
Aula 11 InduçãO Da OvulaçãO Para Tratamento De Alta Complexidade
 
Aula 08 Condutas Em Endometriose
Aula 08   Condutas Em EndometrioseAula 08   Condutas Em Endometriose
Aula 08 Condutas Em Endometriose
 
Aula 08 Condutas Em Endometriose
Aula 08   Condutas Em EndometrioseAula 08   Condutas Em Endometriose
Aula 08 Condutas Em Endometriose
 
Aula 06 Condutas Na AnovulaçãO CrôNica
Aula 06   Condutas Na AnovulaçãO CrôNicaAula 06   Condutas Na AnovulaçãO CrôNica
Aula 06 Condutas Na AnovulaçãO CrôNica
 
Aula 05 Condutas No Fato TubáRio
Aula 05   Condutas No Fato TubáRioAula 05   Condutas No Fato TubáRio
Aula 05 Condutas No Fato TubáRio
 
Aula 03 Acompanhamento PsicolóGico Dos Casais
Aula 03   Acompanhamento PsicolóGico Dos CasaisAula 03   Acompanhamento PsicolóGico Dos Casais
Aula 03 Acompanhamento PsicolóGico Dos Casais
 

Aula 01 PropedêUtica Em Infertilidade

  • 1. PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL Condutas em Infertilidade Clínica Pró-Criar Reprodução Assistida Belo Horizonte – MG Brasil
  • 2.
  • 3. Epidemiologia Guttmacher Classic Table - JAMA 161: 855, 1956 Probabilidade de se alcançar uma gestação em função do tempo de exposição Meses de exposição % de gravidez 3 meses 57% 6 meses 72% 1 ano 85% 2 anos 93%
  • 4. Causas de infertilidade Casal Mulher Fator Tubo-peritoneal 40% Fator Ovulatório 40% Outros 10% Inexplicada 10% Fator Ovulatório 15% Fator Tubo-Peritoneal 35% Fator Masculino 35% Outros 5% Inexplicada 10%
  • 5.
  • 6.
  • 7. Epidemiologia Idade e Reprodução Nº Oócitos Nascimentos Gravidez/Mês
  • 9.
  • 10.
  • 11. Propedêutica do fator masculino ESPERMOGRAMA Valores Normais para a avaliação seminal (OMS - 1992) Volume ≥ 2,0 ml pH 7,2 - 8,0 Concentração ≥ 20.000.000 Contagem Total ≥ 40.000.000 por ejaculado Motilidade > 50% com progressão linear (tipos A e B); > 25% de progressão rápida (tipo A) Morfologia * ≥ 30% formas normais Vitalidade ≥ 75% de vivos Leucócitos < 1 x 10 6 /ml
  • 12. Oligospermia < 20.000.000/ml Astenospermia < 50% com progressão linear (A+B) < 25% de progressão rápida (A) Teratospermia * < 30% de sptz com morfologia normal Oligoastenoteratospermia 3 variáveis alteradas Azoospermia ausência de sptz no ejaculado Aspermia ausência de ejaculado * O ideal é utilizar a morfologia estrita de Kruger ESPERMOGRAMA Pelo menos 2 análises do sêmen – intervalo 1 a 3 semanas 72 a 84 dias para espermatogênese Abstinência de 2 a 5 dias Análise dentro de 1 hora
  • 13.
  • 14.
  • 15. Fator Tubo-Peritoneal Histerossalpingografia S/ Alterações Alterada Fator excluído (?) Vídeo-Laparoscopia Sensibilidade – 65% Especificidade – 83% Swart et al., 1995
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21. 1º 7º 14º 21º 26º 3º 28º HSG FSH, LH, TSH Estradiol Prolactina P. U.S. Transvaginal Espermograma 23º Propedêutica básica