SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Construindo possibilidades hipertextuais Robson Santos da Silva – Ms cigrobson@yahoo.com.br
Hipertexto: características e possibilidades
Não-linearidade Quanto à não-linearidade, Parente (1999) que o hipertexto é não-linear porque todas as opções de percurso da leitura cabem, exclusivamente, ao leitor, suas intenções e possibilidades. Por sua vez, para o mesmo autor, o hipertexto permite ao leitor uma construção própria e única do documento ao mesmo tempo em que lhe permite transformar o conteúdo.
Heterogeneidade
Hiperpercurso [...] se definirmos um hipertexto como um espaço de percurso para leituras possíveis, um texto aparece como uma leitura particular de um hipertexto. O navegador participa, portanto, da relação do texto que lê. Tudo se dá como se o autor de um hipertexto construísse uma matriz de textos potenciais, o papel dos navegantes sendo o de realizar alguns desses textos, colocando-o em jogo, cada qual à sua maneira, a combinatória entre nós (LÉVY, 1999, P.57).
Hiperdocumento Segundo Bianchini (2000), na prática, o hiperdocumento, também denominado hipermídia, é a produção que inclui os fragmentos de informação e as conexões entre esses fragmentos, independente do sistema usado para ler ou escrever o documento. Ou seja, o hiperdocumento é a estrutura maior que contém hipertextos conectados e relacionados entre si, que, na prática, ratifica a nova forma de se organizar e  comunicar a mensagem.
Do papiro ao digital O antigo rolo de papiros era fortemente linear, em sua apresentação do texto. O codex, especialmente nos últimos anos da Idade Média, e então o livro impresso têm que fazer um esforço maior para acomodar associação e hierarquia. No livro moderno, o sumário define a hierarquia, enquanto o índice registra linhas associativas de pensamento que permeiam o texto. Um índice permite ao leitor localizar passagens que apresentam a mesma palavra, frase ou assunto, e então associam-se passagens que podem ser separadas na paginação do livro. (BOLTER, 1991, p.21).
Do papiro ao digital Em um dado sentido, o índice define outros livros que podem ser utilizados, outros temas que o autor poderá formar em uma narrativa analítica e enveredar o leitor para a leitura do livro por caminhos alternativos. Um index transforma um livro de uma árvore em uma rede, oferecendo múltiplos lugares de ordem – parágrafos e páginas. Não há necessidade de nenhum elemento privilegiado em uma rede, como há sempre em uma árvore, não há tópicos simples que dominem outros. Existem instantes de subordinações estritas (BOLTER, 1991, p.21).
Interação É a ação recíproca que dois atores estabelecem entre si por meio da intersubjetividade, permitindo que seja rompida a relação de espaço / tempo, que, por tanto tempo, caracteriza a escola e a educação.
Criando Hipertexto ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Criando Hipertexto - topologia – o funcionamento ocorre por proximidade; - mobilidade dos centros – os vários centros da rede são móveis, formando ao redor de si uma ramificação em estrutura de rizoma, sem raiz ou hierarquia, tipo uma vegetação que flutua na água. Quando o hipertexto é criado, seu processo de autoria é, em última análise, um processo de classificação. O autor planeja a estrutura global do hipertexto, seleciona símbolos apropriados (i.e., palavras, ícones) e cria  links  eletrônicos para representá-los. Conceitualmente, esse processo apresenta grande similaridade com o processo de classificação de documentos, no qual o classificador determina o conteúdo, seleciona termos apropriados e cria pontos de acesso (LIMA, 2003, p.32)
Métodos para desenvolver hipertextos Face às suas especificidades, nos últimos anos, vários métodos foram sendo desenvolvidos e aprimorados visando ao desenvolvimento dos hipertextos, assim, destacam-se: Hypertext Design Model (HDM), Relationship Management Methodology (RMM), Object-Oriented Hipermedia Design Method (OOHDM), Enhanced Object-Relationship Model (EOM) e Hypertext Model Based on Statecharts/Method (HMBS/M).
Método OOHDM Segundo o método OOHDM (Schwabe e Rossi, 1995), a estruturação de um hipertexto é composta por quatro momentos: a modelagem conceitual, o projeto de navegação, o projeto de interface de usuário e implementação.
 
Modelagem em progresso Na fase de modelagem conceitual de hiperdocumentos, as novas tecnologias de informação estão sendo incorporadas em etapas nem sempre consideradas as mais apropriadas. Os hiperdocumentos estão sendo construídos em processos que utilizam como etapa a elaboração de uma escrita linear. Este processo não é o mais apropriado, pois prescinde da comunicação entre o autor responsável pelo conteúdo do hiperdocumento e o autor da tecnologia, acarretando uma série de problemas na implementação do hiperdocumento. É evidenciada a falta de critérios metodológicos apropriados para a elaboração de hiperdocumentos, e apresentam-se princípios que podem nortear o desenvolvimento de metodologias para a elaboração de modelos conceituais mais apropriados para hiperdocumentos(CAMPOS, 2003, p.15).
Modelo conceitual Segundo os autores, um modelo conceitual se destina a representar os objetos e os respectivos relacionamentos existentes entre eles, apresentando dois mecanismos de abstração: agregação e generalização / especialização.  A agregação é utilizada na descrição de classes complexas como agregadas de classes mais simples. A generalização / especialização é utilizada na construção de hierarquias de classes e no uso de herança como um mecanismo de compartilhamento.
Teorias para Modelo Conceitual Dentre as teorias e ferramentas utilizadas para a composição do modelo conceitual, podem ser identificadas: a Teoria da Classificação Facetada, Teoria da Terminologia, Teoria do Conceito, Orientação a Objetos, Ontologias. Nesta obra em particular, o foco se concentrará no trabalho com Mapas Conceituais.
MAPAS CONCEITUAIS
Para Moreira e Buchweitz (1987, p.10),  mapas conceituais são:  representações gráficas de uma estrutura de conhecimento demonstrada hierarquicamente, apresentando forma e representação condizentes com a maneira como os conceitos são relacionados, diferenciados e organizados. Conceitos
[object Object],[object Object]
Login-Aprendizagem Organizacional Ltda. Segundo Novak (1984, p. 15), os Mapas Conceituais (MCs) “são representações significativas para relacionar conceitos em forma de proposições”.
Joseph D. Novak (1984) desenvolveu a  Teoria do Mapa Conceitual  a partir da  Teoria da Aprendizagem   (AUSUBEL, 1978),  suas perspectivas de utilização enquanto técnica de organização do conhecimento, a qual é baseada no conhecimento prévio arquivado na memória e que permite a formação de redes semânticas em uma área do conhecimento e a representação gráfica hipertextual deste conhecimento. TEORIA DE MAPA CONCEITUAL
REPRESENTAÇÃO (Novak)
APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA Segundo David Ausubel (1978, p. 59), aprender significativamente quer dizer aprender de forma não arbitrária, não mecânica. O autor acredita que alguém aprender de forma significativa implica dizer que aquele conhecimento não mais será esquecido.
APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA A S
MAPAS COGNITIVOS http://cmap.ihmc.us/conceptmap.html   http://www.mindomo.com/index.htm   Mapas  Mentais Mapas  Conceituais http://pt.wikipedia.org/wiki/Mapa_mental   http://pt.wikipedia.org/wiki/Mapas_conceituais   http://freemind.sourceforge.net/wiki/index.php/Main_Page
Login-Aprendizagem Organizacional Ltda. CARACTERÍSTICAS DOS MCs ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Mapas conceituais
 
ESTRUTURAS DE MAPAS CONCEITUAIS Estrutura Hierárquica Estrutura em Teia Fonte: Perspect. ciênc. inf., Belo Horizonte, v.9 n.2, p. 134-145, jul./dez. 2004. Adaptado de:LIMA, Gercina A.B.
Aplicação ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Mapeamento:  - Organizacional - De Processos/Projetos - De Conhecimentos - De Competências  - De Práticas - De TICs
CMAP TOOLS ,[object Object],http://cmap.ihmc.us/conceptmap.html
FUNCIONALIDADES DO CMAP TOOLS ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Projeto de Navegação - Enquanto os nós e as ligações especificam que objetos poderão ser vistos pelo usuário, o projeto de navegação se ocupa com a criação do modo e das possibilidades de como esta ação poderá ocorrer.  - É nesta etapa que são definidos os diferentes modos pelos quais as informações de uma aplicação hipermídia poderão ser exploradas pelo usuário. A ordem de acesso, o tempo de permanência (se for o caso) e outros parâmetros serão aqui definidos.
Interface abstrata Enquanto desdobramento natural da etapa anterior, a interface abstrata se ocupa da estrutura navegacional composta por menus, campos de texto, botões, dentro outros.
Implementação Nesta etapa, são realizados os testes e mapeamentos da interface abstrata e navegacional, viabilizando assim a tomada das ações corretivas que se fizerem necessárias.
Hipertextualidade aplicada à educação Mapa Conceitual da Hipertextualidade Aplicado à Educação Fonte: RODRIGUES, KÁTIA

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Magazine Het Ondernemersbelang de Baronie 0212
Magazine Het Ondernemersbelang de Baronie 0212Magazine Het Ondernemersbelang de Baronie 0212
Magazine Het Ondernemersbelang de Baronie 0212HetOndernemersBelang
 
Segundo Paquete Económico 2017 Zacatecas - Egresos (3-9)
Segundo Paquete Económico 2017 Zacatecas - Egresos (3-9)Segundo Paquete Económico 2017 Zacatecas - Egresos (3-9)
Segundo Paquete Económico 2017 Zacatecas - Egresos (3-9)Zacatecas TresPuntoCero
 
Metodología de la investigacióm
Metodología de la investigaciómMetodología de la investigacióm
Metodología de la investigaciómPaul Itusaca Canaza
 
Informe mantenimiento mecanico
Informe mantenimiento mecanicoInforme mantenimiento mecanico
Informe mantenimiento mecanicoJDPVasquez
 
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)Advocatenkantoor LEGALZ
 
Training Schrijven voor het Web
Training Schrijven voor het WebTraining Schrijven voor het Web
Training Schrijven voor het WebSimone Levie
 
Usuario Profesor Moodle
Usuario Profesor MoodleUsuario Profesor Moodle
Usuario Profesor Moodleturumerque
 
Marco del buen desempeño docente
Marco del buen desempeño docenteMarco del buen desempeño docente
Marco del buen desempeño docente0013
 
De Reis van de Heldin december 2015
De Reis van de Heldin december 2015De Reis van de Heldin december 2015
De Reis van de Heldin december 2015Peter de Kuster
 
1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)
1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)
1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)Geohistoria23
 
Error messages
Error messagesError messages
Error messagesrtinkelman
 
Gfpi f-019 guia de aprendizaje 01 tda orientar fpi
Gfpi f-019 guia de aprendizaje 01 tda orientar fpiGfpi f-019 guia de aprendizaje 01 tda orientar fpi
Gfpi f-019 guia de aprendizaje 01 tda orientar fpilisbet bravo
 
Análisis situacional integral de salud final
 Análisis situacional integral de salud final Análisis situacional integral de salud final
Análisis situacional integral de salud finalEstefanía Echeverría
 
Portafolio de Evidencias de mi Práctica Docente
Portafolio de Evidencias de mi Práctica DocentePortafolio de Evidencias de mi Práctica Docente
Portafolio de Evidencias de mi Práctica DocenteNorma Vega
 
JULIOPARI - Elaborando un Plan de Negocios
JULIOPARI - Elaborando un Plan de NegociosJULIOPARI - Elaborando un Plan de Negocios
JULIOPARI - Elaborando un Plan de NegociosJulio Pari
 

Destaque (20)

Magazine Het Ondernemersbelang de Baronie 0212
Magazine Het Ondernemersbelang de Baronie 0212Magazine Het Ondernemersbelang de Baronie 0212
Magazine Het Ondernemersbelang de Baronie 0212
 
Pasivo A Corto Y Largo Plazo
Pasivo A Corto Y Largo PlazoPasivo A Corto Y Largo Plazo
Pasivo A Corto Y Largo Plazo
 
Segundo Paquete Económico 2017 Zacatecas - Egresos (3-9)
Segundo Paquete Económico 2017 Zacatecas - Egresos (3-9)Segundo Paquete Económico 2017 Zacatecas - Egresos (3-9)
Segundo Paquete Económico 2017 Zacatecas - Egresos (3-9)
 
Metodología de la investigacióm
Metodología de la investigaciómMetodología de la investigacióm
Metodología de la investigacióm
 
Informe mantenimiento mecanico
Informe mantenimiento mecanicoInforme mantenimiento mecanico
Informe mantenimiento mecanico
 
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
Actualiteiten ICT Contracten en Partnerships (2012)
 
Training Schrijven voor het Web
Training Schrijven voor het WebTraining Schrijven voor het Web
Training Schrijven voor het Web
 
Usuario Profesor Moodle
Usuario Profesor MoodleUsuario Profesor Moodle
Usuario Profesor Moodle
 
Marco del buen desempeño docente
Marco del buen desempeño docenteMarco del buen desempeño docente
Marco del buen desempeño docente
 
"Protección de la salud mental luego del terremoto y tsunami del 27 de febrer...
"Protección de la salud mental luego del terremoto y tsunami del 27 de febrer..."Protección de la salud mental luego del terremoto y tsunami del 27 de febrer...
"Protección de la salud mental luego del terremoto y tsunami del 27 de febrer...
 
Relatietips
RelatietipsRelatietips
Relatietips
 
De Reis van de Heldin december 2015
De Reis van de Heldin december 2015De Reis van de Heldin december 2015
De Reis van de Heldin december 2015
 
1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)
1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)
1ºBACH ECONOMÍA Repaso temas 5 6-7 (gh23)
 
Error messages
Error messagesError messages
Error messages
 
Gfpi f-019 guia de aprendizaje 01 tda orientar fpi
Gfpi f-019 guia de aprendizaje 01 tda orientar fpiGfpi f-019 guia de aprendizaje 01 tda orientar fpi
Gfpi f-019 guia de aprendizaje 01 tda orientar fpi
 
Análisis situacional integral de salud final
 Análisis situacional integral de salud final Análisis situacional integral de salud final
Análisis situacional integral de salud final
 
Portafolio de Evidencias de mi Práctica Docente
Portafolio de Evidencias de mi Práctica DocentePortafolio de Evidencias de mi Práctica Docente
Portafolio de Evidencias de mi Práctica Docente
 
Geheugen verbeteren
Geheugen verbeterenGeheugen verbeteren
Geheugen verbeteren
 
JULIOPARI - Elaborando un Plan de Negocios
JULIOPARI - Elaborando un Plan de NegociosJULIOPARI - Elaborando un Plan de Negocios
JULIOPARI - Elaborando un Plan de Negocios
 
De impact van adhd
De impact van adhdDe impact van adhd
De impact van adhd
 

Semelhante a Hipermídias: Hipertextos, Hiperdocumentos

Livros, leitura e partilha no ambiente digital
Livros, leitura e partilha no ambiente digitalLivros, leitura e partilha no ambiente digital
Livros, leitura e partilha no ambiente digitalEmilia Pacheco
 
Mostra Cient(Ffica Talize Dia27oficialaiaia
Mostra Cient(Ffica  Talize Dia27oficialaiaiaMostra Cient(Ffica  Talize Dia27oficialaiaia
Mostra Cient(Ffica Talize Dia27oficialaiaiasemanact2007
 
Seminário PIBID - sobre cmap tools-UECE
Seminário  PIBID - sobre  cmap tools-UECESeminário  PIBID - sobre  cmap tools-UECE
Seminário PIBID - sobre cmap tools-UECEMazze Santos Santos
 
Cap2 bull-anstey
Cap2 bull-ansteyCap2 bull-anstey
Cap2 bull-ansteyFALE - UFMG
 
Arquitetura da Informação em Projetos Culturais
Arquitetura da Informação em Projetos CulturaisArquitetura da Informação em Projetos Culturais
Arquitetura da Informação em Projetos CulturaisSalomão Terra
 
Análise de Redes Sociais: novas possibilidades de serviços e pesquisa para bi...
Análise de Redes Sociais: novas possibilidades de serviços e pesquisa para bi...Análise de Redes Sociais: novas possibilidades de serviços e pesquisa para bi...
Análise de Redes Sociais: novas possibilidades de serviços e pesquisa para bi...Dalton Martins
 
Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...
Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...
Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...SIBiUSP
 
Interação, Autoria Coletiva e Web 2.0
Interação, Autoria Coletiva e Web 2.0Interação, Autoria Coletiva e Web 2.0
Interação, Autoria Coletiva e Web 2.0Colégio Pedro II
 
Formação continuada de professores em informática na educação especial
Formação continuada de professores em informática na educação especialFormação continuada de professores em informática na educação especial
Formação continuada de professores em informática na educação especialMaria Guilherme
 
A estrutura dos mapas conceituais: pensamento dinâmico e representação do con...
A estrutura dos mapas conceituais: pensamento dinâmico e representação do con...A estrutura dos mapas conceituais: pensamento dinâmico e representação do con...
A estrutura dos mapas conceituais: pensamento dinâmico e representação do con...Paulo Correia
 
Comunidade de aprendizagem
Comunidade de aprendizagemComunidade de aprendizagem
Comunidade de aprendizagemLucila Pesce
 
Fichamento valeria
Fichamento valeriaFichamento valeria
Fichamento valeriaValeria Rosa
 
Mapas Conceituais
Mapas ConceituaisMapas Conceituais
Mapas Conceituaiswtedeschi
 
Comunidade de aprendizagem
Comunidade de aprendizagemComunidade de aprendizagem
Comunidade de aprendizagemLucila Pesce
 

Semelhante a Hipermídias: Hipertextos, Hiperdocumentos (20)

Livros, leitura e partilha no ambiente digital
Livros, leitura e partilha no ambiente digitalLivros, leitura e partilha no ambiente digital
Livros, leitura e partilha no ambiente digital
 
Mostra Cient(Ffica Talize Dia27oficialaiaia
Mostra Cient(Ffica  Talize Dia27oficialaiaiaMostra Cient(Ffica  Talize Dia27oficialaiaia
Mostra Cient(Ffica Talize Dia27oficialaiaia
 
Seminário PIBID - sobre cmap tools-UECE
Seminário  PIBID - sobre  cmap tools-UECESeminário  PIBID - sobre  cmap tools-UECE
Seminário PIBID - sobre cmap tools-UECE
 
Explicação Mapas Conceituais
Explicação Mapas ConceituaisExplicação Mapas Conceituais
Explicação Mapas Conceituais
 
R7 2065-1
R7 2065-1R7 2065-1
R7 2065-1
 
Mapas conceituais
Mapas conceituaisMapas conceituais
Mapas conceituais
 
Concepção 5
Concepção 5Concepção 5
Concepção 5
 
Cap2 bull-anstey
Cap2 bull-ansteyCap2 bull-anstey
Cap2 bull-anstey
 
Technologias e conhecimento
Technologias e conhecimentoTechnologias e conhecimento
Technologias e conhecimento
 
Arquitetura da Informação em Projetos Culturais
Arquitetura da Informação em Projetos CulturaisArquitetura da Informação em Projetos Culturais
Arquitetura da Informação em Projetos Culturais
 
Análise de Redes Sociais: novas possibilidades de serviços e pesquisa para bi...
Análise de Redes Sociais: novas possibilidades de serviços e pesquisa para bi...Análise de Redes Sociais: novas possibilidades de serviços e pesquisa para bi...
Análise de Redes Sociais: novas possibilidades de serviços e pesquisa para bi...
 
Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...
Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...
Seminário de Uso das Redes Sociais Para Publicação Cientifica na USP_Dalton M...
 
Interação, Autoria Coletiva e Web 2.0
Interação, Autoria Coletiva e Web 2.0Interação, Autoria Coletiva e Web 2.0
Interação, Autoria Coletiva e Web 2.0
 
Formação continuada de professores em informática na educação especial
Formação continuada de professores em informática na educação especialFormação continuada de professores em informática na educação especial
Formação continuada de professores em informática na educação especial
 
A estrutura dos mapas conceituais: pensamento dinâmico e representação do con...
A estrutura dos mapas conceituais: pensamento dinâmico e representação do con...A estrutura dos mapas conceituais: pensamento dinâmico e representação do con...
A estrutura dos mapas conceituais: pensamento dinâmico e representação do con...
 
Metapesquisa apresentação ppt v3_completo
Metapesquisa apresentação ppt v3_completoMetapesquisa apresentação ppt v3_completo
Metapesquisa apresentação ppt v3_completo
 
Comunidade de aprendizagem
Comunidade de aprendizagemComunidade de aprendizagem
Comunidade de aprendizagem
 
Fichamento valeria
Fichamento valeriaFichamento valeria
Fichamento valeria
 
Mapas Conceituais
Mapas ConceituaisMapas Conceituais
Mapas Conceituais
 
Comunidade de aprendizagem
Comunidade de aprendizagemComunidade de aprendizagem
Comunidade de aprendizagem
 

Mais de Robson Santos da Silva

EAD Livros Importantes para educação a distância
EAD Livros Importantes para educação a distânciaEAD Livros Importantes para educação a distância
EAD Livros Importantes para educação a distânciaRobson Santos da Silva
 
Objetos de aprendizagem para educação a distância: REA para AVA
Objetos de aprendizagem para educação a distância: REA para AVAObjetos de aprendizagem para educação a distância: REA para AVA
Objetos de aprendizagem para educação a distância: REA para AVARobson Santos da Silva
 
EAD: integração de mídias e tecnologias
EAD: integração de mídias e tecnologiasEAD: integração de mídias e tecnologias
EAD: integração de mídias e tecnologiasRobson Santos da Silva
 
Docência online: sala de aula interativa
Docência online: sala de aula interativaDocência online: sala de aula interativa
Docência online: sala de aula interativaRobson Santos da Silva
 
Docência online: sala de aula interativa
Docência online: sala de aula interativaDocência online: sala de aula interativa
Docência online: sala de aula interativaRobson Santos da Silva
 
Ensino Superior a Distância: Graduação
Ensino Superior a Distância: GraduaçãoEnsino Superior a Distância: Graduação
Ensino Superior a Distância: GraduaçãoRobson Santos da Silva
 
RIVED - Rede Interativa Virtual de Educação
RIVED - Rede Interativa Virtual de EducaçãoRIVED - Rede Interativa Virtual de Educação
RIVED - Rede Interativa Virtual de EducaçãoRobson Santos da Silva
 

Mais de Robson Santos da Silva (14)

Competências Digitais
Competências DigitaisCompetências Digitais
Competências Digitais
 
EAD Livros Importantes para educação a distância
EAD Livros Importantes para educação a distânciaEAD Livros Importantes para educação a distância
EAD Livros Importantes para educação a distância
 
Moodle - Versão 2.0 e superiores
Moodle - Versão 2.0 e superioresMoodle - Versão 2.0 e superiores
Moodle - Versão 2.0 e superiores
 
Objetos de aprendizagem para educação a distância: REA para AVA
Objetos de aprendizagem para educação a distância: REA para AVAObjetos de aprendizagem para educação a distância: REA para AVA
Objetos de aprendizagem para educação a distância: REA para AVA
 
Ambientes virtuais interativos
Ambientes virtuais interativosAmbientes virtuais interativos
Ambientes virtuais interativos
 
EAD: integração de mídias e tecnologias
EAD: integração de mídias e tecnologiasEAD: integração de mídias e tecnologias
EAD: integração de mídias e tecnologias
 
Games em Educacao _ J Mattar
Games em Educacao _ J MattarGames em Educacao _ J Mattar
Games em Educacao _ J Mattar
 
Docência online: sala de aula interativa
Docência online: sala de aula interativaDocência online: sala de aula interativa
Docência online: sala de aula interativa
 
Docência online: sala de aula interativa
Docência online: sala de aula interativaDocência online: sala de aula interativa
Docência online: sala de aula interativa
 
Tutoria de EAD Online - Elearning
Tutoria de EAD Online - ElearningTutoria de EAD Online - Elearning
Tutoria de EAD Online - Elearning
 
WEB 2.0 e Redes Sociais
WEB 2.0 e Redes SociaisWEB 2.0 e Redes Sociais
WEB 2.0 e Redes Sociais
 
Educ Hipertextual: Conceitos Basicos
Educ Hipertextual: Conceitos BasicosEduc Hipertextual: Conceitos Basicos
Educ Hipertextual: Conceitos Basicos
 
Ensino Superior a Distância: Graduação
Ensino Superior a Distância: GraduaçãoEnsino Superior a Distância: Graduação
Ensino Superior a Distância: Graduação
 
RIVED - Rede Interativa Virtual de Educação
RIVED - Rede Interativa Virtual de EducaçãoRIVED - Rede Interativa Virtual de Educação
RIVED - Rede Interativa Virtual de Educação
 

Último

ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 

Último (20)

ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 

Hipermídias: Hipertextos, Hiperdocumentos

  • 1. Construindo possibilidades hipertextuais Robson Santos da Silva – Ms cigrobson@yahoo.com.br
  • 3. Não-linearidade Quanto à não-linearidade, Parente (1999) que o hipertexto é não-linear porque todas as opções de percurso da leitura cabem, exclusivamente, ao leitor, suas intenções e possibilidades. Por sua vez, para o mesmo autor, o hipertexto permite ao leitor uma construção própria e única do documento ao mesmo tempo em que lhe permite transformar o conteúdo.
  • 5. Hiperpercurso [...] se definirmos um hipertexto como um espaço de percurso para leituras possíveis, um texto aparece como uma leitura particular de um hipertexto. O navegador participa, portanto, da relação do texto que lê. Tudo se dá como se o autor de um hipertexto construísse uma matriz de textos potenciais, o papel dos navegantes sendo o de realizar alguns desses textos, colocando-o em jogo, cada qual à sua maneira, a combinatória entre nós (LÉVY, 1999, P.57).
  • 6. Hiperdocumento Segundo Bianchini (2000), na prática, o hiperdocumento, também denominado hipermídia, é a produção que inclui os fragmentos de informação e as conexões entre esses fragmentos, independente do sistema usado para ler ou escrever o documento. Ou seja, o hiperdocumento é a estrutura maior que contém hipertextos conectados e relacionados entre si, que, na prática, ratifica a nova forma de se organizar e comunicar a mensagem.
  • 7. Do papiro ao digital O antigo rolo de papiros era fortemente linear, em sua apresentação do texto. O codex, especialmente nos últimos anos da Idade Média, e então o livro impresso têm que fazer um esforço maior para acomodar associação e hierarquia. No livro moderno, o sumário define a hierarquia, enquanto o índice registra linhas associativas de pensamento que permeiam o texto. Um índice permite ao leitor localizar passagens que apresentam a mesma palavra, frase ou assunto, e então associam-se passagens que podem ser separadas na paginação do livro. (BOLTER, 1991, p.21).
  • 8. Do papiro ao digital Em um dado sentido, o índice define outros livros que podem ser utilizados, outros temas que o autor poderá formar em uma narrativa analítica e enveredar o leitor para a leitura do livro por caminhos alternativos. Um index transforma um livro de uma árvore em uma rede, oferecendo múltiplos lugares de ordem – parágrafos e páginas. Não há necessidade de nenhum elemento privilegiado em uma rede, como há sempre em uma árvore, não há tópicos simples que dominem outros. Existem instantes de subordinações estritas (BOLTER, 1991, p.21).
  • 9. Interação É a ação recíproca que dois atores estabelecem entre si por meio da intersubjetividade, permitindo que seja rompida a relação de espaço / tempo, que, por tanto tempo, caracteriza a escola e a educação.
  • 10.
  • 11. Criando Hipertexto - topologia – o funcionamento ocorre por proximidade; - mobilidade dos centros – os vários centros da rede são móveis, formando ao redor de si uma ramificação em estrutura de rizoma, sem raiz ou hierarquia, tipo uma vegetação que flutua na água. Quando o hipertexto é criado, seu processo de autoria é, em última análise, um processo de classificação. O autor planeja a estrutura global do hipertexto, seleciona símbolos apropriados (i.e., palavras, ícones) e cria links eletrônicos para representá-los. Conceitualmente, esse processo apresenta grande similaridade com o processo de classificação de documentos, no qual o classificador determina o conteúdo, seleciona termos apropriados e cria pontos de acesso (LIMA, 2003, p.32)
  • 12. Métodos para desenvolver hipertextos Face às suas especificidades, nos últimos anos, vários métodos foram sendo desenvolvidos e aprimorados visando ao desenvolvimento dos hipertextos, assim, destacam-se: Hypertext Design Model (HDM), Relationship Management Methodology (RMM), Object-Oriented Hipermedia Design Method (OOHDM), Enhanced Object-Relationship Model (EOM) e Hypertext Model Based on Statecharts/Method (HMBS/M).
  • 13. Método OOHDM Segundo o método OOHDM (Schwabe e Rossi, 1995), a estruturação de um hipertexto é composta por quatro momentos: a modelagem conceitual, o projeto de navegação, o projeto de interface de usuário e implementação.
  • 14.  
  • 15. Modelagem em progresso Na fase de modelagem conceitual de hiperdocumentos, as novas tecnologias de informação estão sendo incorporadas em etapas nem sempre consideradas as mais apropriadas. Os hiperdocumentos estão sendo construídos em processos que utilizam como etapa a elaboração de uma escrita linear. Este processo não é o mais apropriado, pois prescinde da comunicação entre o autor responsável pelo conteúdo do hiperdocumento e o autor da tecnologia, acarretando uma série de problemas na implementação do hiperdocumento. É evidenciada a falta de critérios metodológicos apropriados para a elaboração de hiperdocumentos, e apresentam-se princípios que podem nortear o desenvolvimento de metodologias para a elaboração de modelos conceituais mais apropriados para hiperdocumentos(CAMPOS, 2003, p.15).
  • 16. Modelo conceitual Segundo os autores, um modelo conceitual se destina a representar os objetos e os respectivos relacionamentos existentes entre eles, apresentando dois mecanismos de abstração: agregação e generalização / especialização. A agregação é utilizada na descrição de classes complexas como agregadas de classes mais simples. A generalização / especialização é utilizada na construção de hierarquias de classes e no uso de herança como um mecanismo de compartilhamento.
  • 17. Teorias para Modelo Conceitual Dentre as teorias e ferramentas utilizadas para a composição do modelo conceitual, podem ser identificadas: a Teoria da Classificação Facetada, Teoria da Terminologia, Teoria do Conceito, Orientação a Objetos, Ontologias. Nesta obra em particular, o foco se concentrará no trabalho com Mapas Conceituais.
  • 19. Para Moreira e Buchweitz (1987, p.10), mapas conceituais são: representações gráficas de uma estrutura de conhecimento demonstrada hierarquicamente, apresentando forma e representação condizentes com a maneira como os conceitos são relacionados, diferenciados e organizados. Conceitos
  • 20.
  • 21. Login-Aprendizagem Organizacional Ltda. Segundo Novak (1984, p. 15), os Mapas Conceituais (MCs) “são representações significativas para relacionar conceitos em forma de proposições”.
  • 22. Joseph D. Novak (1984) desenvolveu a Teoria do Mapa Conceitual a partir da Teoria da Aprendizagem (AUSUBEL, 1978), suas perspectivas de utilização enquanto técnica de organização do conhecimento, a qual é baseada no conhecimento prévio arquivado na memória e que permite a formação de redes semânticas em uma área do conhecimento e a representação gráfica hipertextual deste conhecimento. TEORIA DE MAPA CONCEITUAL
  • 24. APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA Segundo David Ausubel (1978, p. 59), aprender significativamente quer dizer aprender de forma não arbitrária, não mecânica. O autor acredita que alguém aprender de forma significativa implica dizer que aquele conhecimento não mais será esquecido.
  • 26. MAPAS COGNITIVOS http://cmap.ihmc.us/conceptmap.html http://www.mindomo.com/index.htm Mapas Mentais Mapas Conceituais http://pt.wikipedia.org/wiki/Mapa_mental http://pt.wikipedia.org/wiki/Mapas_conceituais http://freemind.sourceforge.net/wiki/index.php/Main_Page
  • 27.
  • 29.  
  • 30. ESTRUTURAS DE MAPAS CONCEITUAIS Estrutura Hierárquica Estrutura em Teia Fonte: Perspect. ciênc. inf., Belo Horizonte, v.9 n.2, p. 134-145, jul./dez. 2004. Adaptado de:LIMA, Gercina A.B.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34. Projeto de Navegação - Enquanto os nós e as ligações especificam que objetos poderão ser vistos pelo usuário, o projeto de navegação se ocupa com a criação do modo e das possibilidades de como esta ação poderá ocorrer. - É nesta etapa que são definidos os diferentes modos pelos quais as informações de uma aplicação hipermídia poderão ser exploradas pelo usuário. A ordem de acesso, o tempo de permanência (se for o caso) e outros parâmetros serão aqui definidos.
  • 35. Interface abstrata Enquanto desdobramento natural da etapa anterior, a interface abstrata se ocupa da estrutura navegacional composta por menus, campos de texto, botões, dentro outros.
  • 36. Implementação Nesta etapa, são realizados os testes e mapeamentos da interface abstrata e navegacional, viabilizando assim a tomada das ações corretivas que se fizerem necessárias.
  • 37. Hipertextualidade aplicada à educação Mapa Conceitual da Hipertextualidade Aplicado à Educação Fonte: RODRIGUES, KÁTIA