Meio Ambiente E PolíTica Internacional

16.129 visualizações

Publicada em

Meio Ambiente e Política Internacional - aula de geografia

Publicada em: Turismo, Negócios
3 comentários
16 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
16.129
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
643
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.251
Comentários
3
Gostaram
16
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Meio Ambiente E PolíTica Internacional

  1. 1. Meio Ambiente e Política Internacional PROFESSORA VIRGÍNIA
  2. 2. <ul><li>AQUECIMENTO GLOBAL </li></ul>- O aquecimento global é um fenômeno climático de larga extensão — um aumento da temperatura média da superfície da Terra que vem acontecendo nos últimos 150 anos
  3. 3. <ul><li>O QUE É O EFEITO ESTUFA? </li></ul><ul><li>O fato de a atmosfera reter mais e mais o calor leva a crer que a temperatura média do planeta vai aumentar. Por menor que seja este aumento, deverá ter influência muito forte sobre o regime de chuvas e secas em várias partes do globo, por exemplo. Só isso seria suficiente para afetar plantações e florestas. Tende a haver também um degelo acelerado, tanto em picos mais elevados quanto nas próprias imediações do Ártico e da Antártida. O gelo derretido deve fazer com que o nível dos oceanos se eleve, encobrindo ilhas e invadindo continentes. As conseqüências são sérias para a vida na Terra no futuro próximo </li></ul>
  4. 5. <ul><li>Agravamento do efeito-estufa Ao longo dos anos, as atividades humanas, com o desenvolvimento de indústrias, a queima de combustíveis fósseis e a degradação do meio ambiente, passaram a emitir cada vez mais gases causadores do efeito estufa na atmosfera. O acúmulo desses gases potencializou o fenômeno e, com isso, a Terra passou a ser aquecida em excesso. </li></ul>
  5. 6. Gases do efeito estufa (GEE): <ul><li>Dióxido de carbono (CO2) - resultante da queima de combustíveis fósseis como carvão, petróleo e derivados. - Metano (CH4) - produzido pela decomposição da matéria orgânica, encontrado geralmente em aterros sanitários e lixões. O poder de aquecimento é 21 vezes maior do que o do CO2. - Óxido Nitroso (N2O) - Hidro Flúor Carbono (HFC) - Per Flúor Carbono (PFC) - Hexa Fluoreto de Enxofre (SF6) </li></ul>
  6. 7. Países industrializados emitiram a maior parte do CO2 antropogênico Área proporcional às emissões históricas de CO2 a partir da queima de combustíveis fósseis, 1900-1999
  7. 8. Consumo de petróleo per capita
  8. 9. Parcela das emissões de CO 2 <ul><li>Estados Unidos 30,3 % </li></ul><ul><li>Europa 27,3 % </li></ul><ul><li>Rússia 13,7 % </li></ul><ul><li>China, Índia e outros países da Ásia 12,% </li></ul><ul><li>Américas do Sul e Central 3,8 % </li></ul><ul><li>Japão 3,7 % </li></ul><ul><li>África 2,5 % </li></ul><ul><li>Canadá 2,3 % </li></ul><ul><li>Austrália 1,1 % </li></ul>
  9. 10. CONSEQUÊNCIAS DO AQUECIMENTO GLOBAL <ul><li>- Aumento do Nível dos Oceanos - Em decorrência da expansão térmica das águas dos oceanos e d o derretimento das calotas polares transformando o gelo em água. Esta segue para os oceanos, o que poderá causar futuramente a submersão de grandes cidades litorâneas. </li></ul>
  10. 12. <ul><li>Crescimento e Surgimento de Desertos - O aumento da temperatura provoca a morte de várias espécies animais e vegetais, desequilibrando vários ecossistemas. Somado ao desmatamento que vem ocorrendo, principalmente em florestas de países tropicais (Brasil, países africanos), a tendência é aumentar cada vez mais as regiões desérticas em nosso planeta; </li></ul>
  11. 13. Queimadas
  12. 16. <ul><li>Furacões - O aumento nas temperaturas faz com que haja maior evaporação das águas dos oceanos, e isso potencializa fenômenos climáticos como furacões. Os furacões são fenômenos climáticos caracterizados pela formação de um sistema de baixa-pressão. Formam-se, geralmente, em regiões tropicais do planeta. São eles os responsáveis pelo transporte do calor da região equatorial para as latitudes mais altas.  </li></ul>
  13. 18. Balão sobrevoa geleira na Patagônia com inscrição de protesto: &quot;Bush & Companhia = desastre climático&quot; PROTOCOLO DE KYOTO
  14. 19. <ul><li>O Protocolo de Kyoto é um acordo internacional para reduzir as emissões de gases-estufa dos países industrializados e para garantir um modelo de desenvolvimento limpo aos países em desenvolvimento. O documento prevê que, entre 2008 e 2012, os países desenvolvidos reduzam suas emissões em 5,2% em relação aos níveis medidos em 1990. </li></ul>
  15. 20. <ul><li>O tratado foi estabelecido em 1997 em Kyoto, Japão, e assinado por 84 países. Destes, cerca de 30 já o transformaram em lei. O pacto entrará em vigor depois que isso acontecer em pelo menos 55 países. O acordo impõe níveis diferenciados de reduções para 38 dos países considerados os principais emissores de dióxido de carbono e de outros cinco gases-estufa. </li></ul><ul><li>Para os países da União Européia, foi estabelecida a redução de 8% com relação às emissões de gases em 1990. Para os Estados Unidos, a diminuição prevista foi de 7% e, para o Japão, de 6%. </li></ul>
  16. 21. COMO FUNCIONA O PROTOCOLO? <ul><li>Duas estratégias amplas: Mitigação e Adaptação </li></ul><ul><li>Para atingir as metas: </li></ul><ul><ul><li>variedade de políticas e medidas: </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>aumento da eficiência energética, </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>promoção de energias alternativas, </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>limitar a emissão de carbono pelas fontes – Mudança de Combustíveis, </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>atividades de uso da terra, mudança do uso da terra e florestas </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>Mecanismos Flexíveis com abordagens de mercado visando aumentar a relação custo/benefício das políticas climáticas e, portanto, reduzindo o custo de redução das emissões para os países: </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Comércio Internacional de Emissões (MET) – Art. 17 </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Mecanismo de Desenvolvimento Limpo ( MDL ) – Art. 12 </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Implementação Conjunta (JI) – Art. 6 </li></ul></ul></ul></ul>
  17. 23. O QUE SÃO CRÉDITOS DE CARBONO? <ul><li>Crédito de Carbono é uma tonelada de dióxido de carbono (CO2) que não é jogada no meio ambiente. A cada 1 tonelada, é gerada um crédito de carbono. Este credito é negociado no mercado internacional. </li></ul>
  18. 25. O QUE É GEE ? <ul><li>- São os gases do efeito estufa. Créditos de carbono são certificados emitidos quando há diminuição da poluição. </li></ul><ul><li>E como o mercado de crédito de carbono ( Redução Certificada de Emissões -RCE) atua? </li></ul><ul><li>Para entender, saiba que no Protocolo de Kyoto foram feitos acordos internacionais estabelecendo o máximo que um país poderia poluir o meio-ambiente. Para contribuir, cada país criou suas leis de redução de gases do efeito estufa (GEE). </li></ul>
  19. 26. <ul><li>Agora imagine, a empresa A da Suécia não diminuiu a taxa de poluição nas cotas determinadas, e a empresa brasileira B conseguiu evitar e muito a emissão de gases, e agora tem Crédito de Carbono para vender. </li></ul><ul><li>O que acontece? A empresa Sueca compra o que a brasileira conseguiu guardar, e assim ela também consegue ficar dentro da cota estabelecida pelo seu país. </li></ul><ul><li>Assim nasce um novo mercado, quase uma bolsa de valores. </li></ul>
  20. 27. MDL - MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO <ul><li>É um dos mecanismos de flexibilização criados pelo Protocolo de Kyoto para auxiliar o processo de redução de emissões de gases do efeito estufa (GEE) ou de captura de carbono (ou seqüestro de carbono) por parte dos países do Anexo I. </li></ul><ul><li>O propósito do MDL é prestar assistência às Partes Não Anexo I da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima para que viabilizem o desenvolvimento sustentável através da implementação da respectiva atividade de projeto e contribuam para o objetivo final da Convenção e, por outro lado, prestar assistência às Partes Anexo I para que cumpram seus compromissos quantificados de limitação e redução de emissões de gases do efeito estufa. </li></ul>
  21. 28. <ul><li>Os projetos de MDL podem ser baseados em fontes renováveis e alternativas de energia, eficiência e conservação de energia ou reflorestamento. Existem regras claras e rígidas para aprovação de projetos no âmbito do MDL. Estes projetos devem utilizar metodologias aprovadas, devem ser validados e verificados por Entidades Operacionais Designadas (EODs), e devem ser aprovados e registrados pelo Conselho Executivo do MDL </li></ul>
  22. 29. O aterro sanitário de Nova Iguaçu, no Estado do Rio de Janeiro utiliza tecnologias bem precisas de engenharia sanitária, tendo os créditos de carbono sido negociados diretamente com os Países Baixos. O aterro sanitário Nova Gerar, no município fluminense de Nova Iguaçu, foi a primeira empresa do mundo a ser aprovada no Mecanismo de Desenvolvimento Limpo, uma das peças-chave do Protocolo de Kyoto
  23. 31. <ul><li>Espera-se que, em duas décadas, o projeto evite o lançamento na atmosfera de 14 milhões de toneladas de gases que causam o efeito estufa . O outro benefício é financeiro. Cada tonelada de gás que a Nova Gerar deixa de lançar na atmosfera corresponde a créditos de carbono. Esses papéis podem ser vendidos para empresas poluidoras de países ricos que têm metas obrigatórias de redução de emissões e, dessa maneira, significam uma importante fonte de recursos para que países emergentes possam se desenvolver preservando o meio ambiente. O Brasil largou na frente do Protocolo de Kyoto. </li></ul>
  24. 32. IMPLEMENTAÇÃO CONJUNTA <ul><li>Modalidade de acordo negociada bilateralmente, de execução conjunta entre países integrantes do Anexo I. Através do JI, um país industrializado, emissor de gases de efeito estufa, pode compensar suas emissões participando de sumidouros e projetos ambientalmente otimizados em outro país do Anexo I, com vistas à obtenção de menores custos de implementação, produzindo bens e serviços originais e emitindo em menores proporções, se comparado à implementação de um projeto não otimizado. </li></ul>
  25. 33. OBRIGADA! PRAIA DE GRUMARI - RJ Profª Virgínia Ribeiro Geografia

×