SlideShare uma empresa Scribd logo

16736253 Espiritismo Infantil Historia 05

1 de 4
Baixar para ler offline
História 05

                                      "A CASA DE MAZALU"
                                          Malba Tahan


Ciclo: Primário
TEMA: Simplicidade
(Desenhos e adaptação de Maria R. de Amaral)




                                            Era um sapo que se chamava Mazalu.
                                            Leia bem devagar: MA-ZA-LU. O sapo Mazalu vivia
                                          muito quito debaixo de uma pedra junto ao rio.




    Certa manhã, o sapo Mazalu saiu a passeio e
encontrou o seu amigo tatu. O tatu chamava-se Pavio.
     Leia sem se apressar: PA-VI-O .
     - Como vai, amigo Mazalu? Como tem passado?
     O sapo respondeu:
     - Vou bem, obrigado, amigo Pavio.
     Disse então o tatu:
     - Qualquer dia eu apareço lá por sua casa. Vou fazer-
lhe uma visita. O sapo tremeu. E sabem por que? Ele não
tinha casa. Morava embaixo de uma pedra num lugar frio e
cheio de lama. Como receber a visita de um amigo tão
elegante como o pavio?
      Depois de pensar uma pouco, o sapo respondeu delicado :
      - Apareça, amigo tatu, apareça. Vá um dia jantar comigo.
                                                - Está bem, amigo sapo. Brevemente irei passar a
                                          tarde em sua casa.
                                                Nesse mesmo dia, o sapo tratou de arranjar uma
                                          casa onde pudesse receber a visita do tatu.
                                              Ele ouvira dizer que uma ave chamada joão-de-barro
                                          fazia casas. E que casas bonitas! Mais bonitas que as
                                          casas feitas pelos engenheiros. Dali mesmo ele foi procurar
                                          o joão-de-barro.
                                               - Você pode fazer uma casa para mim, joão-de-barro ?
                                               O João-de-Barro respondeu:
                                                 - Não há nada mais fácil. Farei para você uma casa
                                          muito bonita com portas e varanda. Custa só cem reais.

       - Está bem, respondeu o sapo.
       E pagou os cem reais para o João-de-Barro. No dia seguinte o sapo foi ver a casa construída
pelo João-de-Barro.
       Era muito bonita, bem feita e tinha porta e varanda . mas ficava muito alta, no galho de uma
árvore e o sapo não podia chegar até lá.
       Mazalu foi obrigado a desistir da casa feita pelo
João-de-Barro.
    "Só a formiga saúva será capaz de fazer uma casa que
sirva", pensou o sapo. "Vou falar com a formiga saúva".
     Mas a formiga morava em formigueiros horríveis onde


                                                                                                      1
não entra água.
    E a casa feita pela formiga saúva, não serviu ao sapo. Era pequena, muito seca e abafada.
    O sapo gostava de lugares úmidos e frios.




                                            O sapo lembrou-se da velha coruja que passa o dia
                                          recolhida e só sai à noite para passear. A coruja sim é que
                                          sabe fazer casas magníficas. E o sapo resolveu comprar
                                          uma casa da coruja.
                                              Mas a casa da coruja não ia servir para ele; era um
                                          buraco feito no tronco de uma velha mangueira e o sapo,
                                          por mais que pulasse não conseguiria alcançar a porta de
                                          sua nova moradia.
                                                Pobre Mazalu! Mal sabia ele que casa de coruja não
                                          serve para sapo.

   Muito triste, o sapo procurou o macaco que vivia a saltar
pelas árvores.
    - Macaco, você pode fazer uma casa para mim?
    - Ora se posso! - respondeu o macaco.
    E sabe o que fez o macaco?




                                            Arranjou um
                                          caixote sem tampo e desse caixote fez uma casa para o
                                          sapo.
                                              - Agora sim - disse o sapo - posso receber a visita do
                                          meu amigo tatu.
                                               Mas no dia da visita o tatu ficou muito triste. Não podia
                                          entrar na casa do sapo. O caixote era muito pequeno; ele
                                          não cabia lá dentro.




     - Amigo sapo - disse o tatu - a casa é para mim pequena e
desagradável. Pensei que você morasse debaixo de uma pedra junto ao
rio. Era lá que eu queria jantar com você.
     Ao ouvir isso, o sapo ficou muito espantado. Tivera tanto trabalho e
despesa para arranjar aquela casa e, no entanto, o tatu queria encontrá-lo
como ele vivia, modesto e tranqüilo debaixo de uma pedra junto ao rio.


                                               O sapo voltou para o seu lugar e lá recebeu muitas
                                          visitas . Cada vez que o tatu ia visitá-lo, levava um belo
                                          presente para o amigo.




                                                                                                        2
AQUELE QUE É FELIZ NUMA CASA MODESTA E POBRE NÀO DEVE INVEJAR O PALÁCIO
DO RICO.
     VIVAMOS , POIS, COM SIMPLICIDADE E MODÉSTIA, POIS A FELICIDADE NÃO RESIDE NO
LUXO NEM NA OPULÊNCIA!



                                   QUADRINHAS

                               Era uma vez um Sapo
                                Que chamava Mazalu
                              E tinha um grande amigo
                                  O Carpinteiro Tatu.
                                Mazalu morava quieto
                              Debaixo de grande pedra
                                Lá numa curva do rio
                              Bem pertinho da floresta.
                               Visitar o grande amigo
                                 Era o sonho do Tatu
                            "Mas em casa tão estranha..."
                                Pensou logo Mazalu.
                                Seu amigo, o Macaco
                              Muito alegre e brincalhão
                              De um caixote fez a casa
                               O Tatu não gostou não.
                               Terminada a confusão,
                              Disse o Tatu para o Sapo;
                                  - A tua casa no rio
                               É que é bonita de fato!
                              Jantaram os dois amigos
                                 Na maior felicidade
                                 Aprendendo a lição
                             Que traz a SIMPLICIDADE




                                      CANTO

                              Sapo jururu ( MAZALU )
                                   Na beira do rio
                            Quando o sapo canta, morena
                                Diz que está com frio
                                   Eu vi um sapo
                                   Na beira do rio
                              De camisa verde, ó lê lê
                                   Ele não me viu
                                 A mulher do sapo
                                 Foi que me contou
                             Que o marido dela, ó lê lê
                                    Era professor
                               Sapo jururu (MAZALU)
                                   Na beira do rio
                            Quando o sapo canta, morena



                                                                               3
É porque tem frio
    A mulher do sapo
   Deve estar lá dentro
Fazendo rendinha, morena
   Pro seu casamento




                           4
Anúncio

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Maria castanha(história)
Maria castanha(história)Maria castanha(história)
Maria castanha(história)labeques
 
Trabalhos Da Semana Jgf 4 (Idiomatismos E Outras Tarefas)
Trabalhos Da Semana Jgf 4 (Idiomatismos E Outras Tarefas)Trabalhos Da Semana Jgf 4 (Idiomatismos E Outras Tarefas)
Trabalhos Da Semana Jgf 4 (Idiomatismos E Outras Tarefas)luisprista
 
Pág.crianças 18 12-2010
Pág.crianças 18 12-2010Pág.crianças 18 12-2010
Pág.crianças 18 12-2010mrvpimenta
 
Confabulando com fabulas
Confabulando com fabulasConfabulando com fabulas
Confabulando com fabulassilviaholanda
 
Maria castanha com a historia dos duendes
Maria castanha com a historia dos duendesMaria castanha com a historia dos duendes
Maria castanha com a historia dos duendeszemeira
 
A festa da tartaruga Tuga
A festa da tartaruga TugaA festa da tartaruga Tuga
A festa da tartaruga TugaBeatriz Andrade
 
áRvores da floresta
áRvores da florestaáRvores da floresta
áRvores da florestacatarina01
 
Conto sapo.apaixonado
Conto sapo.apaixonadoConto sapo.apaixonado
Conto sapo.apaixonadoSheila Santos
 
Histórias selecionadas do Ateliê
Histórias selecionadas do Ateliê Histórias selecionadas do Ateliê
Histórias selecionadas do Ateliê Cristina Calado
 

Mais procurados (17)

A bondade de pita livro
A bondade de pita livroA bondade de pita livro
A bondade de pita livro
 
Maria castanha(história)
Maria castanha(história)Maria castanha(história)
Maria castanha(história)
 
Reescrita de Contos
Reescrita de ContosReescrita de Contos
Reescrita de Contos
 
Trabalhos Da Semana Jgf 4 (Idiomatismos E Outras Tarefas)
Trabalhos Da Semana Jgf 4 (Idiomatismos E Outras Tarefas)Trabalhos Da Semana Jgf 4 (Idiomatismos E Outras Tarefas)
Trabalhos Da Semana Jgf 4 (Idiomatismos E Outras Tarefas)
 
Pág.crianças 18 12-2010
Pág.crianças 18 12-2010Pág.crianças 18 12-2010
Pág.crianças 18 12-2010
 
Confabulando com fabulas
Confabulando com fabulasConfabulando com fabulas
Confabulando com fabulas
 
Maria castanha com a historia dos duendes
Maria castanha com a historia dos duendesMaria castanha com a historia dos duendes
Maria castanha com a historia dos duendes
 
A festa da tartaruga Tuga
A festa da tartaruga TugaA festa da tartaruga Tuga
A festa da tartaruga Tuga
 
áRvores da floresta
áRvores da florestaáRvores da floresta
áRvores da floresta
 
Conto sapo.apaixonado
Conto sapo.apaixonadoConto sapo.apaixonado
Conto sapo.apaixonado
 
3 perguntas do rei
3 perguntas do rei3 perguntas do rei
3 perguntas do rei
 
A gritadeira
A gritadeiraA gritadeira
A gritadeira
 
Billy e a fera
Billy e a feraBilly e a fera
Billy e a fera
 
Histórias selecionadas do Ateliê
Histórias selecionadas do Ateliê Histórias selecionadas do Ateliê
Histórias selecionadas do Ateliê
 
Letras com rugas
Letras com rugasLetras com rugas
Letras com rugas
 
10 sonhos de_natal
10 sonhos de_natal10 sonhos de_natal
10 sonhos de_natal
 
A história do pinda
A história do pindaA história do pinda
A história do pinda
 

Destaque

Destaque (20)

16752468 Espiritismo Infantil Historia 07(2)
16752468 Espiritismo Infantil Historia 07(2)16752468 Espiritismo Infantil Historia 07(2)
16752468 Espiritismo Infantil Historia 07(2)
 
História do sapo
História do sapoHistória do sapo
História do sapo
 
Historia " Os Nossos Amigos Animais"
Historia " Os Nossos Amigos Animais"Historia " Os Nossos Amigos Animais"
Historia " Os Nossos Amigos Animais"
 
Para PNAIC - Atividades Sequenciadas-2
Para PNAIC - Atividades Sequenciadas-2Para PNAIC - Atividades Sequenciadas-2
Para PNAIC - Atividades Sequenciadas-2
 
The roadlesstraveled
The roadlesstraveledThe roadlesstraveled
The roadlesstraveled
 
Sapo sonhador
Sapo sonhadorSapo sonhador
Sapo sonhador
 
Dimafilis, ariel g. power point presentation
Dimafilis, ariel g. power point presentationDimafilis, ariel g. power point presentation
Dimafilis, ariel g. power point presentation
 
Atv 1 o sapo egoísta
Atv 1 o sapo egoístaAtv 1 o sapo egoísta
Atv 1 o sapo egoísta
 
Osapo
OsapoOsapo
Osapo
 
O Grilo E O Sapo
O Grilo E O SapoO Grilo E O Sapo
O Grilo E O Sapo
 
O pequeno polegar
O pequeno polegarO pequeno polegar
O pequeno polegar
 
O sapo maluquinho
O sapo maluquinhoO sapo maluquinho
O sapo maluquinho
 
A historia infantil como um instrumento para desenvol crianca
A historia infantil como um instrumento para desenvol criancaA historia infantil como um instrumento para desenvol crianca
A historia infantil como um instrumento para desenvol crianca
 
Sílaba mediana
Sílaba medianaSílaba mediana
Sílaba mediana
 
O espelho magico historia infantil
O espelho magico historia infantilO espelho magico historia infantil
O espelho magico historia infantil
 
Atividades ÃO
Atividades ÃOAtividades ÃO
Atividades ÃO
 
A pequena sereia slides - Alunos 3º ano
A pequena sereia slides - Alunos 3º anoA pequena sereia slides - Alunos 3º ano
A pequena sereia slides - Alunos 3º ano
 
Cartilha Ensino Infantil
Cartilha Ensino InfantilCartilha Ensino Infantil
Cartilha Ensino Infantil
 
Sequência didática
Sequência didáticaSequência didática
Sequência didática
 
A princesa e a sapo
A princesa e a sapoA princesa e a sapo
A princesa e a sapo
 

Semelhante a 16736253 Espiritismo Infantil Historia 05

Historias infantis para evangelizacao espirita (autores diversos)
Historias infantis para evangelizacao espirita (autores diversos)Historias infantis para evangelizacao espirita (autores diversos)
Historias infantis para evangelizacao espirita (autores diversos)Alice Lirio
 
A horta do sr. lobo
A horta do sr. loboA horta do sr. lobo
A horta do sr. lobobibabbe
 
A horta do Sr. Lobo
A horta do Sr. LoboA horta do Sr. Lobo
A horta do Sr. Lobobibabbe
 
A horta do sr. lobo
A horta do sr. loboA horta do sr. lobo
A horta do sr. lobobibabbe
 
A horta do sr lobo[1]
A horta do sr lobo[1]A horta do sr lobo[1]
A horta do sr lobo[1]Teresa Ramos
 
17302897 Espiritismo Infantil Historia 71
17302897 Espiritismo Infantil Historia 7117302897 Espiritismo Infantil Historia 71
17302897 Espiritismo Infantil Historia 71Ana Cristina Freitas
 
D. leão e d.catatua his realizada pelo grupo
D. leão e d.catatua   his realizada pelo grupoD. leão e d.catatua   his realizada pelo grupo
D. leão e d.catatua his realizada pelo grupoBeatriz Sousa
 
Monteiro lobato -_Sitio_do_Picapau_Amarelo_-_vol_1-_Reinacoes_de_Narizinho
Monteiro lobato -_Sitio_do_Picapau_Amarelo_-_vol_1-_Reinacoes_de_NarizinhoMonteiro lobato -_Sitio_do_Picapau_Amarelo_-_vol_1-_Reinacoes_de_Narizinho
Monteiro lobato -_Sitio_do_Picapau_Amarelo_-_vol_1-_Reinacoes_de_NarizinhoTânia Sampaio
 
Toda a magia numa bola de sabão
Toda a magia numa bola de sabãoToda a magia numa bola de sabão
Toda a magia numa bola de sabãoIsabel Martins
 
Livro abc do aprender
Livro abc do aprenderLivro abc do aprender
Livro abc do aprendersbtvd
 
Adaptação da história o gato gatão
Adaptação da história  o gato gatãoAdaptação da história  o gato gatão
Adaptação da história o gato gatãoanibiblio
 
História Japonesa
História JaponesaHistória Japonesa
História JaponesaIsabel Rosa
 
Somnus bos algumas-pgs
Somnus bos algumas-pgsSomnus bos algumas-pgs
Somnus bos algumas-pgspedrofsarmento
 

Semelhante a 16736253 Espiritismo Infantil Historia 05 (20)

Historias infantis para evangelizacao espirita (autores diversos)
Historias infantis para evangelizacao espirita (autores diversos)Historias infantis para evangelizacao espirita (autores diversos)
Historias infantis para evangelizacao espirita (autores diversos)
 
A horta do sr. lobo
A horta do sr. loboA horta do sr. lobo
A horta do sr. lobo
 
A horta do Sr. Lobo
A horta do Sr. LoboA horta do Sr. Lobo
A horta do Sr. Lobo
 
A horta do sr. lobo
A horta do sr. loboA horta do sr. lobo
A horta do sr. lobo
 
A horta do sr lobo[1]
A horta do sr lobo[1]A horta do sr lobo[1]
A horta do sr lobo[1]
 
17302897 Espiritismo Infantil Historia 71
17302897 Espiritismo Infantil Historia 7117302897 Espiritismo Infantil Historia 71
17302897 Espiritismo Infantil Historia 71
 
Pdf contos
Pdf contosPdf contos
Pdf contos
 
Pdf contos
Pdf contosPdf contos
Pdf contos
 
Contos pdf
Contos pdfContos pdf
Contos pdf
 
D. leão e d.catatua his realizada pelo grupo
D. leão e d.catatua   his realizada pelo grupoD. leão e d.catatua   his realizada pelo grupo
D. leão e d.catatua his realizada pelo grupo
 
Monteiro lobato -_Sitio_do_Picapau_Amarelo_-_vol_1-_Reinacoes_de_Narizinho
Monteiro lobato -_Sitio_do_Picapau_Amarelo_-_vol_1-_Reinacoes_de_NarizinhoMonteiro lobato -_Sitio_do_Picapau_Amarelo_-_vol_1-_Reinacoes_de_Narizinho
Monteiro lobato -_Sitio_do_Picapau_Amarelo_-_vol_1-_Reinacoes_de_Narizinho
 
3408628.ppt
3408628.ppt3408628.ppt
3408628.ppt
 
Toda a magia numa bola de sabão
Toda a magia numa bola de sabãoToda a magia numa bola de sabão
Toda a magia numa bola de sabão
 
Livro abc do aprender
Livro abc do aprenderLivro abc do aprender
Livro abc do aprender
 
Os contos do 5.º E
Os contos  do 5.º EOs contos  do 5.º E
Os contos do 5.º E
 
Adaptação da história o gato gatão
Adaptação da história  o gato gatãoAdaptação da história  o gato gatão
Adaptação da história o gato gatão
 
Contos de Rayassim
Contos de RayassimContos de Rayassim
Contos de Rayassim
 
História Japonesa
História JaponesaHistória Japonesa
História Japonesa
 
Cartazes
CartazesCartazes
Cartazes
 
Somnus bos algumas-pgs
Somnus bos algumas-pgsSomnus bos algumas-pgs
Somnus bos algumas-pgs
 

Mais de Ana Cristina Freitas (20)

Bingo amor ao proximo
Bingo amor ao proximoBingo amor ao proximo
Bingo amor ao proximo
 
Jesus modelo e guia
Jesus modelo e guiaJesus modelo e guia
Jesus modelo e guia
 
Sugestão de atividades para aulas de evangelização ovelha (1)
Sugestão de atividades para aulas de evangelização ovelha (1)Sugestão de atividades para aulas de evangelização ovelha (1)
Sugestão de atividades para aulas de evangelização ovelha (1)
 
Colônias espirituais nosso lar
Colônias espirituais nosso larColônias espirituais nosso lar
Colônias espirituais nosso lar
 
Médico dos pobres
Médico dos pobresMédico dos pobres
Médico dos pobres
 
Atos administrativo sa
Atos administrativo saAtos administrativo sa
Atos administrativo sa
 
Serviços públicos adm ii
Serviços públicos adm iiServiços públicos adm ii
Serviços públicos adm ii
 
Poder de polícia
Poder de políciaPoder de polícia
Poder de polícia
 
Poderes administrativos parte ii adm i
Poderes administrativos parte ii adm iPoderes administrativos parte ii adm i
Poderes administrativos parte ii adm i
 
Adm i revisao av1.2013
Adm i revisao av1.2013Adm i revisao av1.2013
Adm i revisao av1.2013
 
Revisão av1 (2)
Revisão av1 (2)Revisão av1 (2)
Revisão av1 (2)
 
Seres orgânicos e inorgânicos
Seres orgânicos e inorgânicosSeres orgânicos e inorgânicos
Seres orgânicos e inorgânicos
 
Formacao dos seres_vivos
Formacao dos seres_vivosFormacao dos seres_vivos
Formacao dos seres_vivos
 
Seres orgânicos e inorgânicos aula grupo - 08 de julho 2012
Seres orgânicos e inorgânicos   aula grupo - 08 de julho 2012Seres orgânicos e inorgânicos   aula grupo - 08 de julho 2012
Seres orgânicos e inorgânicos aula grupo - 08 de julho 2012
 
Paz no lar
Paz no larPaz no lar
Paz no lar
 
Nonô
NonôNonô
Nonô
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
A paz nasce no lar
A paz nasce no larA paz nasce no lar
A paz nasce no lar
 
Manual le1-arquivo1
Manual le1-arquivo1Manual le1-arquivo1
Manual le1-arquivo1
 
Manual le1-arquivo1
Manual le1-arquivo1Manual le1-arquivo1
Manual le1-arquivo1
 

16736253 Espiritismo Infantil Historia 05

  • 1. História 05 "A CASA DE MAZALU" Malba Tahan Ciclo: Primário TEMA: Simplicidade (Desenhos e adaptação de Maria R. de Amaral) Era um sapo que se chamava Mazalu. Leia bem devagar: MA-ZA-LU. O sapo Mazalu vivia muito quito debaixo de uma pedra junto ao rio. Certa manhã, o sapo Mazalu saiu a passeio e encontrou o seu amigo tatu. O tatu chamava-se Pavio. Leia sem se apressar: PA-VI-O . - Como vai, amigo Mazalu? Como tem passado? O sapo respondeu: - Vou bem, obrigado, amigo Pavio. Disse então o tatu: - Qualquer dia eu apareço lá por sua casa. Vou fazer- lhe uma visita. O sapo tremeu. E sabem por que? Ele não tinha casa. Morava embaixo de uma pedra num lugar frio e cheio de lama. Como receber a visita de um amigo tão elegante como o pavio? Depois de pensar uma pouco, o sapo respondeu delicado : - Apareça, amigo tatu, apareça. Vá um dia jantar comigo. - Está bem, amigo sapo. Brevemente irei passar a tarde em sua casa. Nesse mesmo dia, o sapo tratou de arranjar uma casa onde pudesse receber a visita do tatu. Ele ouvira dizer que uma ave chamada joão-de-barro fazia casas. E que casas bonitas! Mais bonitas que as casas feitas pelos engenheiros. Dali mesmo ele foi procurar o joão-de-barro. - Você pode fazer uma casa para mim, joão-de-barro ? O João-de-Barro respondeu: - Não há nada mais fácil. Farei para você uma casa muito bonita com portas e varanda. Custa só cem reais. - Está bem, respondeu o sapo. E pagou os cem reais para o João-de-Barro. No dia seguinte o sapo foi ver a casa construída pelo João-de-Barro. Era muito bonita, bem feita e tinha porta e varanda . mas ficava muito alta, no galho de uma árvore e o sapo não podia chegar até lá. Mazalu foi obrigado a desistir da casa feita pelo João-de-Barro. "Só a formiga saúva será capaz de fazer uma casa que sirva", pensou o sapo. "Vou falar com a formiga saúva". Mas a formiga morava em formigueiros horríveis onde 1
  • 2. não entra água. E a casa feita pela formiga saúva, não serviu ao sapo. Era pequena, muito seca e abafada. O sapo gostava de lugares úmidos e frios. O sapo lembrou-se da velha coruja que passa o dia recolhida e só sai à noite para passear. A coruja sim é que sabe fazer casas magníficas. E o sapo resolveu comprar uma casa da coruja. Mas a casa da coruja não ia servir para ele; era um buraco feito no tronco de uma velha mangueira e o sapo, por mais que pulasse não conseguiria alcançar a porta de sua nova moradia. Pobre Mazalu! Mal sabia ele que casa de coruja não serve para sapo. Muito triste, o sapo procurou o macaco que vivia a saltar pelas árvores. - Macaco, você pode fazer uma casa para mim? - Ora se posso! - respondeu o macaco. E sabe o que fez o macaco? Arranjou um caixote sem tampo e desse caixote fez uma casa para o sapo. - Agora sim - disse o sapo - posso receber a visita do meu amigo tatu. Mas no dia da visita o tatu ficou muito triste. Não podia entrar na casa do sapo. O caixote era muito pequeno; ele não cabia lá dentro. - Amigo sapo - disse o tatu - a casa é para mim pequena e desagradável. Pensei que você morasse debaixo de uma pedra junto ao rio. Era lá que eu queria jantar com você. Ao ouvir isso, o sapo ficou muito espantado. Tivera tanto trabalho e despesa para arranjar aquela casa e, no entanto, o tatu queria encontrá-lo como ele vivia, modesto e tranqüilo debaixo de uma pedra junto ao rio. O sapo voltou para o seu lugar e lá recebeu muitas visitas . Cada vez que o tatu ia visitá-lo, levava um belo presente para o amigo. 2
  • 3. AQUELE QUE É FELIZ NUMA CASA MODESTA E POBRE NÀO DEVE INVEJAR O PALÁCIO DO RICO. VIVAMOS , POIS, COM SIMPLICIDADE E MODÉSTIA, POIS A FELICIDADE NÃO RESIDE NO LUXO NEM NA OPULÊNCIA! QUADRINHAS Era uma vez um Sapo Que chamava Mazalu E tinha um grande amigo O Carpinteiro Tatu. Mazalu morava quieto Debaixo de grande pedra Lá numa curva do rio Bem pertinho da floresta. Visitar o grande amigo Era o sonho do Tatu "Mas em casa tão estranha..." Pensou logo Mazalu. Seu amigo, o Macaco Muito alegre e brincalhão De um caixote fez a casa O Tatu não gostou não. Terminada a confusão, Disse o Tatu para o Sapo; - A tua casa no rio É que é bonita de fato! Jantaram os dois amigos Na maior felicidade Aprendendo a lição Que traz a SIMPLICIDADE CANTO Sapo jururu ( MAZALU ) Na beira do rio Quando o sapo canta, morena Diz que está com frio Eu vi um sapo Na beira do rio De camisa verde, ó lê lê Ele não me viu A mulher do sapo Foi que me contou Que o marido dela, ó lê lê Era professor Sapo jururu (MAZALU) Na beira do rio Quando o sapo canta, morena 3
  • 4. É porque tem frio A mulher do sapo Deve estar lá dentro Fazendo rendinha, morena Pro seu casamento 4