Normas de desempenho, certificações de sustentabilidade eNormas de desempenho, certificações de sustentabilidade e a efici...
responsáveis pela emissão de gases causadores de efeito estufa, e por isso cabe aos stakeholders
envolvidos no projeto, co...
3 Metodologia
A nossa metodologia consistirá em uma breve revisão bibliográfica relacionada ao tema e o estudo
de caso da ...
Os certificados possuem critérios que analisam não apenas o edifício em si, mas também o entorno
no qual ele será construí...
Tabela 2 - Critérios de pontuação LEED para Eficiência energética e emissão de gases nocivos
Fonte: U.S. Green Building Co...
Tabela 4 - Critérios de pontuação LEED para Qualidade Ambiente Interno e Inovação
Fonte: U.S. Green Building Council
Certa...
5 Estudo de Caso
Como forma de analisar o impacto ambiental positivo da implantação de critérios de
desempenho de sustenta...
Nobel Athletic Park
 Construção: 2007
 Certificação LEED Silver
 Sistema fotovoltaico de 20kW de potência que atende a ...
6 Considerações finais
O setor de construção civil é responsável por grande parte das emissões de CO2 na atmosfera, bem
co...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Construinova artigo normas e eficiência energética

252 visualizações

Publicada em

Este artigo aborda como as normas de desempenho e as certificações sustentáveis podem orientar os construtores, engenheiros e arquitetos e demais envolvidos (stakeholders) a adotarem medidas que reduzam o impacto ambiental das edificações.

This article aims to correlate state regulations on performance and sustainable certifications, such as LEED, can change the ways the engineers, architects and others involved in Real Estate (stakeholders) pursue sustainalibity measures for the property they design and build.

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
252
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Construinova artigo normas e eficiência energética

  1. 1. Normas de desempenho, certificações de sustentabilidade eNormas de desempenho, certificações de sustentabilidade e a eficiênciaa eficiência energética nas edificaçõesenergética nas edificações Roberto Camargo Leite Moreira roberto.c.moreira@caixa.gov.br O autor trabalha na CAIXA Econômica Federal, é Mestrando no Programa Inovação em Construção Civil pela Escola Politécnica da USP e Especialista em Mercado de Capitais e Finanças pela Fundação Getúlio Vargas Disciplina – Construção Baseada em Desempenho; Professora Mercia Maria Bottura de Barros. Resumo O presente artigo buscará abordar o tema da eficiência energética nas edificações, lançando luz nas relações existentes entre as normas de desempenho emanadas das autoridades reguladoras competentes, bem como as regras exigidas pelas entidades certificadoras de sustentabilidade nas edificações (LEED), relacionadas ao tema de eficiência no uso da energia, por um lado, e a busca pela sustentabilidade nas edificações por parte dos projetistas, engenheiros, arquitetos, empreendedores e demais profissionais envolvidos no edifício a ser projetado e construído, por outro lado. Apresentaremos sucintamente dados que mostram que o setor de Construção Civil é considerado como sendo um dos maiores responsáveis pela emissão de gases geradores do efeito estufa na atmosfera. Procuraremos também entender as motivações dos diversos stakeholders envolvidos na construção de edifícios com elevados índices de eficiência energética e de sustentabilidade ambiental, e analisaremos como as normas de desempenho e as regras das certificações de sustentabilidade são capazes de orientá-los de maneira objetiva em relação a quais as medidas que devem ser adotadas na busca pela sustentabilidade das edificações. Como resultado chega-se à conclusão de que as normas de desempenho e as certificações de sustentabilidade apresentam parâmetros bastante razoáveis para orientar a busca dos stakeholders pela implantação de itens que visam minimizar o impacto ambiental das edificações, seja na fase de projeto e construção, seja na fase de manutenção e operação. Palavras-chave: Eficiência energética; energia solar fotovoltaica; geração distribuída; normas de desempenho; certificação LEED; sustentabilidade nas edificações. 1 Objetivos Os temas relacionados à sustentabilidade ambiental tem adquirido importância cada vez mais premente em nossa sociedade, que por sua vez tem buscado incessantemente novas maneiras de fazer com que as atividades cotidianas presentes tenham cada vez menos impacto na capacidade de as gerações futuras de garantirem sua subsistência. Neste sentido buscaremos apresentar os impactos energéticos das edificações e procuraremos delinear como as normas de desempenho e certificações de sustentabilidade atuam no sentido de direcionar os arquitetos e engenheiros na busca pela eficiência energética nas edificações, para que possam atuar com este enfoque desde a fase de planejamento, passando pela escolha de materiais, nos processo de construção, e orientando- os também no acompanhamento da operação do edifício, minimizando os impactos ambientais dos edifícios. 2 Justificativa Existe a necessidade de entender e clarificar as relações existentes entre as normas de desempenho e as certificações, por um lado, e as motivações inerentes aos profissionais da construção e usuários das edificações, por outro lado, as quais acabam por orientar a construção de edifícios e residências com melhores níveis de eficiência energética, e consequentemente minimizando o seu impacto ambiental. Diversos dados e estudos apontam que o setor de construção civil é um dos principais
  2. 2. responsáveis pela emissão de gases causadores de efeito estufa, e por isso cabe aos stakeholders envolvidos no projeto, construção, operação e manutenção das edificações a adoção de medidas que minimizem este impacto amiental. Conforme estudo realizado por MAZRIA (2004) as edificações são responsáveis por cerca de 50% das emissões de gás carbônico (CO2), correspondem a 65% do consumo de energia elétrica nos EUA, representam 136 milhões de toneladas de resíduos de construção e demolição por ano neste país, e correspondem ainda ao consumo de 40% da matéria-prima em uso no mundo (3 bilhões de toneladas). Abaixo apresentamos o a Figura 1 que evidencia o impacto ambiental dos diferentes setores da economia. Figura 1 – Evolução da emissão de gases CO2 por diferentes setores da economia Fonte: MAZRIA (2004) Em relação às motivações básicas relacionadas à adoção de medidas de redução do impacto ambiental, CLEVENGER (2008) destaca as seguintes, para os diferentes stakeholders envolvidos na Construção Civil: Para os proprietários de imóveis comerciais  Aumentar a taxa de ocupação dos edifícios;  Aumentar a taxa de satisfação dos inquilinos;  Aumentar a taxa de permanência de inquilinos;  Redução de custos operacionais;  Aumento do valor dos ativos imobiliários;  Aumento do valor das ações/ cotas de Fundos Imobiliários; Para os clientes Corporate  Redução dos custos operacionais e de manutenção;  Melhorar a relação com os funcionários ao incrementar a qualidade de vida;  Incremento da imagem relacionada à sustentabilidade ambiental; Para os clientes governamentais  Melhoria na Governança ambiental;  Redução dos custos operacionais e de manutenção;  Melhorar a relação com os funcionários ao incrementar a qualidade de vida;
  3. 3. 3 Metodologia A nossa metodologia consistirá em uma breve revisão bibliográfica relacionada ao tema e o estudo de caso da Prefeitura de San Diego, a qual a adotou como regra a obtenção da certificação LEED para seus novos edifícios públicos, medida que foi capaz de produzir importantes melhorias da eficiência energética dos edifícios públicos construídos a partir de então, em relação às normas de desempenho de eficiência energéticas norte-americanas. Em estudo realizado para o New Buildings Institute, os pesquisadores TURNER e FRANKEL (2008) fizeram um levantamento com mais de 121 edifícios com certificação LEED (Leadership in Energy an Environmental Design) nos EUA, comparando-os com os dados da Commercial Building Energy Consumption Survey (CBECS), uma pesquisa nacional realizada com edifícios norte- americanos a cada 4 anos, e o resultado foi positivo, demonstrando que a totalidade dos edifícios certificados obtiveram desempenho energético em média 24% melhor que o padrão dos outros edifícios da pesquisa CBECS. Em relação aos ganhos ambientais promovidos pela certificação LEED a edifícios novos, a autora CLEVENGER (2008) aponta que os ganhos energéticos ficam em média 30% menores que o padrão normativo, 35% melhores na redução da emissão de gases CO2, de 30% a 50% de redução de consumo de água, e de 50% a até 90% na redução dos custos relacionados a resíduos produzidos pelas edificações. 4 Certificação LEED Em relação à certificação LEED é necessário esclarecer que elas podem ser emitidas para diversas categorias de edificações, sendo aplicadas desde a edificações novas, como também para as já existentes, residências, hospitais, áreas comerciais, etc., conforme Figura 2 destacada abaixo. Existem diferentes critérios de pontuação para cada categoria. Figura 2 – Diferentes categorias de certificação LEED Fonte: CLEVENGER (2008)
  4. 4. Os certificados possuem critérios que analisam não apenas o edifício em si, mas também o entorno no qual ele será construído, bem como a adequação e harmonia da edificação em relação ao espaço urbano. Outro critério considerado diz respeito à eficiência no tratamento de água, bem como as medidas de redução de consumo, etc., conforme se observa com mais detalhes na Tabela 1 destacada abaixo. Estes quesitos de entorno sustentável e gestão da água correspondem a 14 e 5 pontos na avaliação para a certificação, respectivamente. Como critérios de desempenho ambiental são também avaliados os quesitos ligados à eficiência energética, considerados não apenas como sendo o uso de energia elétrica em níveis menores que os preconizados pela norma da região em que o edifício está sendo construído, mas também consideram a quantidade de energia renovável gerada no próprio local (geração distribuída). Outro item considerado na pontuação é relacionado à emissão de gases nocivos à atmosfera (CFC e a camada de ozônio), conforme se observa com mais detalhes na Tabela 2 destacada abaixo. Estes critérios de eficiência energética e emissão de gases poluentes correspondem a 17 pontos. A própria origem dos materiais empregados na construção de um edifício sustentável também é considerada na pontuação para a certificação LEED. Estes critérios de materiais e recursos utilizados na edificação consideram o uso de materiais reciclados, que minimizam o uso de novos recursos extraídos da natureza, o uso de materiais locais, que minimizam os gastos e a correspondente emissão de gases poluentes com transporte, o uso de madeira certificada, que evita que sejam utilizadas madeiras provenientes de extração ilegal, bem como o tratamento de resíduos, os quais promovem a redução de resíduos não reciclados no próprio ambiente da edificação. Estes quesitos podem ser observados com mais detalhes na Tabela 3 destacada abaixo. Os quesitos relacionados a materiais conferem até 13 pontos na avaliação geral. Tabela 1 – Critérios de pontuação LEED para entornos sustentáveis e gestão de água Fonte: U.S. Green Building Council
  5. 5. Tabela 2 - Critérios de pontuação LEED para Eficiência energética e emissão de gases nocivos Fonte: U.S. Green Building Council Tabela 3 - Critérios de pontuação LEED para Materiais e recursos utilizados Fonte: U.S. Green Building Council Existem também os critérios relacionados à qualidade do ambiente interior e a inovação, os quais consideram o quanto que os materiais usados na decoração interna emitem de CO2 em sua fabricação (pegada ecológica), o nível de controle do conforto térmico, a iluminação natural, e por fim a inovação no design, promotora de vantagens relacionadas à sustentabilidade ambiental como o melhor aproveitamento da luz natural difusa, conforme apresentado na Tabela 4 abaixo. Estes quesitos relacionados à qualidade do ambiente interno e inovações no design correspondem a 15 e 5 pontos na avaliação geral, respectivamente.
  6. 6. Tabela 4 - Critérios de pontuação LEED para Qualidade Ambiente Interno e Inovação Fonte: U.S. Green Building Council Certamente que a certificação LEED oferece aos construtores diretrizes importantes na busca de critérios objetivos e mensuráveis de sustentabilidade ambiental, todavia devemos destacar que TURNER e FRANKEL (2008) identificaram que alguns edifícios com certificação LEED poupam MENOS energia que o projetado. Constatou-se também que alguns estão com consumo superior à norma norte-americana. Em sua maioria, no entanto, as certificações conseguem melhorar a eficiência energética do edifício, conforme apresentado na Figura 3 destacada abaixo. Figura 3 – Comparativo entre o desempenho energético projetado e o realizado por edifícios com LEED
  7. 7. 5 Estudo de Caso Como forma de analisar o impacto ambiental positivo da implantação de critérios de desempenho de sustentabilidade adotados pela certificação LEED, passaremos a analisar algumas edificações construídas pela Prefeitura Municipal de San Diego, no estado da California, e apresentaremos algumas das medidas adotadas, materiais e métodos construtivos que minimizaram o impacto ambiental, e aumentaram a eficiência energética dos edifícios. A partir da crise energética ocorrida em 2001, a prefeitura de San Diego criou a Divisão de Administração e Conservação de Energia. O objetivo era o de buscar o objetivo de longo prazo de obter a independência energética. Os objetivos propostos vão desde a criação de incentivos para os retrofits de edifícios comerciais, implantação de projetos de geração distribuída e cogeração, adoção de certificação LEED para edifícios públicos, produção de energia elétrica a partir de água de esgotos, dentre outras medidas de impacto ambiental positivo. O mote do programa de San Diego é “Estamos comprometidos com nossos cidadãos e com o meio ambiente. Juntos conseguiremos fazer a diferença em nossa situação energética e criaremos um futuro energético sustentável no longo prazo”. Em seguida apresentaremos 3 edifícios construídos pela Prefeitura da Cidade de San Diego, e as principais medidas de redução do impacto ambiental implementadas. Posto de Bombeiros n.47  Construção: 2008  Certificação LEED Silver  Sistema fotovoltaico de 8kW de potência que atende a 30% do consumo  Consumo de energia 35% inferior à norma americana CA Title 24  HVAC sem gás CFC  Telhas especiais com alta reflectância solar Figura 4 – Posto de Bombeiros n.47 – San Diego Fonte: http://www.sandiego.gov/environmental-services/energy
  8. 8. Nobel Athletic Park  Construção: 2007  Certificação LEED Silver  Sistema fotovoltaico de 20kW de potência que atende a 12% do consumo  Consumo de energia 36,9% inferior à norma americana CA Title 24  HVAC sem gás CFC  Redução anual de energia de 161,3 Mwh  Redução de custo anual de conta de luz de US$29 Mil Figura 5 – Nobel Athletic Park – San Diego Fonte: http://www.sandiego.gov/environmental-services/energy Northwestern Division Police Substation  Construção: 2007  Certificação LEED Silver  Sistema fotovoltaico de 17kW de potência que atende a 12% do consumo  Consumo de energia 17% inferior à norma americana CA Title 24  Cerca de 85% dos ambientes recebem iluminação com luz natural  Sistema de iluminação com uso de fluorescentes eficientes, sensor de ocupação, lâmpadas LED Figura 6 – Northwestern Division Police Substation – San Diego Fonte: http://www.sandiego.gov/environmental-services/energy
  9. 9. 6 Considerações finais O setor de construção civil é responsável por grande parte das emissões de CO2 na atmosfera, bem como do consumo de energia mundial, portanto os responsáveis pelo projeto, construção e operação das edificações devem contribuir para minimizar o impacto ambiental por elas produzido. As normas de desempenho e certificações de sustentabilidade orientam os construtores e responsáveis pelas edificações a atenderem certos padrões de eficiência energética que procuram minimizar o impacto ambiental das edificações, ao reduzirem o consumo energético, ao otimizarem o uso da iluminação natural, ao minimizar perdas de energia, e também através da geração própria de energia sustentável. No caso brasileiro ainda não existem normativas emitidas pela ABNT que orientam na busca por medidas objetivas de eficiência energética das edificações, apesar de haver normas que regulam a eficiência energética de alguns equipamentos utilizados (elevadores, ar- condicionado, etc.). As certificações buscam aferir diversos requisitos objetivos de sustentabilidade, mas conforme observamos elas também possuem oportunidades de melhoria, principalmente na parte de operação e manutenção dos edifícios certificados, na medida em que foi observado que alguns edifícios com certificação LEED apresentam eficiência energética inferior ao padrão preconizado pelas normas norte-americanas, e muito abaixo dos níveis que lhe conferiram a certificação, indicando a necessidade de avaliação periódica. 7 Referências NEW BUILDINGS INSTITUTE. 2008. Energy Performance of LEED for New Construction Building. <http://www.usgbc.org/Docs/Archive/General/Docs3930.pdf>.Acessado em 9/12/2014.<http://www.usgbc.org/Docs/Archive/General/Docs3930.pdf>.Acessado em 9/12/2014. CLEVENGER, Caroline. 2008. Leadership in Energy and Environmental Design VALENTE, Josie Pingret. 2009. Certificações na Construção Civil : Comparativo entre LEED e HQE <http://web.stanford.edu/class/cee115/wiki/uploads/Main/Schedule/LEED.pdf> Acessado em 09/12/2014 <http://www.energy.ca.gov/ab758/>. Acessado em 9/12/2014 <http://www.sandiego.gov/environmental- services/energy/pdf/091118NWpolicesubstation.pdf>.Acessado em 9/12/2014

×