SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
Amigas
do
Peito
Mônica Costa – Psicóloga
CRP 13/ 4170
A Vida é muito curta
para ser pequena
• I Aspectos
Psicossomáticos do
Câncer de Mama
• II Fatores
Alavancadores
• III Atitudes e Hábitos
Preventivos
• IV Princípios de
Resiliência
Conteúdo Programático
Aspectos Psicossomáticos do
Câncer de Mama
Alexander Lowen (1989) diz que, teoricamente,
cada doença é psicossomática, uma vez que
fatores emocionais influenciam todos os
processos do corpo, através das vias nervosas
humorais e que os fenômenos somáticos e
psicológicos ocorrem no mesmo organismo e são
apenas dois aspectos do mesmo processo.
(CERCHIARI, 2000).
O que são doenças
Psicossomáticas ?
• Estudo e tratamento das doenças do
corpo, cuja causa principal é de ordem
psicológica;
- A palavra psicossomática deriva dos
termos gregos psyche e soma, que
querem dizer mente e corpo,
respectivamente.
Quais são os Aspectos Psicossomáticos
que se Apresentam no Câncer de Mama?
Contudo nós sabemos ainda, como psicanalistas, que o
valor simbólico do seio é de uma profundidade muito
grande. Os seres humanos são, em toda a escala
zoológica, aqueles que nascem mais desprotegidos e
incompletos. O bebê humano, se não for cuidado e
alimentado, fatalmente sucumbirá. E este fato primeiro,
deixa marcas indeléveis em todos nós. Ora, a pessoa que
se incumbe dos primeiros cuidados com o bebê é uma
mulher, mais comumente a mãe. É ela quem amamenta.
E é, portanto, através do seio que o bebê começa a se
relacionar com o mundo. O seio é portanto, o primeiro
objeto de amor.( Monteiro, Marly Piva.1996.Vol1)
Alimento x castigo
“Perdera um dos seus atrativos, o marido não iria
mais desejá-la. Aliás notava como, alegando que
ela devia poupar-se, ele vinha se esquivando das
relações sexuais. Estava definitivamente castrada.
Incapaz para atrair, passível de não ter mais o
direito ao prazer sexual. Uma castração a nível
mais profundo – a possibilidade da perda do
prazer sexual, mutilada. Vivendo a incerteza de
uma castração ainda maior, o aniquilamento, a
morte. A estória de x... bem poderia ser a estória
fiel de alguma, ou a colcha de retalhos das estórias
de nossas pacientes com câncer de mama.”
Prazer x castração
O câncer sempre teve a sua metáfora ligada à destruição e à
morte. O uso da palavra câncer está irremediavelmente associado
a idéia de crescimento desordenado, incontido, caos, destruição.
Define uma condição arrasadora que extrapola a linguagem
médica e alcança o discurso político e social. O terrorismo, poder-
se-ia dizer que é "um câncer social". A Guerra do Vietnã e
Watergate foram considerados "Cânceres" na vida política dos
EUA.
Vida x Morte
Cada indivíduo tem um modo
de viver e adoecer. O tipo de
doença e a época da vida em
que ela se manifesta tem
relação com a sua história,
com a natureza dos seus
conflitos intrapsíquicos e com
a forma de lidar com eles.
Manuel Bandeira em seu
poema Desesperança,
conclui assim seus
versos:
“ Ah! Como dói viver
quando falta a
esperança!”
A maior chance de cura é por meio do diagnóstico precoce.
Um tumor diagnosticado no estágio 0 ou 1 chega a ter mais
de 90% de chance de cura. Já um câncer de mama no
estágio 3 ou 4 tem de 30 a 40% de chance de cura total.
Mas isso não é motivo para desistir ou achar que o seu caso
não tem cura – com o tratamento adequado e força de
vontade, todo o obstáculo é transpassado. Mesmo cânceres
em estágios mais avançados podem responder bem ao
tratamento, podendo ser operados e retirados
completamente. Por isso é importante conversar com sua
equipe multidisciplinar – médico, psicólogo, fisioterapeuta
etc e sempre buscar novas formas de lidar com a doença.
Causas Multifatoriais, citando algumas delas:
Predisposição genética – De 5 a 10% dos casos de
câncer de mama são hereditários, o que significa que
resultam diretamente de defeitos genéticos herdados de
um dos pais. O risco de câncer de mama é maior entre
as mulheres com parentes em primeiro grau (mãe, irmã
ou filha) que tiveram a doença. Nesses casos o risco da
doença praticamente dobra. Ter dois parentes de
primeiro grau aumenta o seu risco cerca de 3 vezes.
Fatores Alavancadores (de risco)
Fatores Alavancadores (de risco)
• Estilo de Vida –
Alcoolismo;
Obesidade;
Sedentarismo;
Tabagismo;
Uso de anticoncepcionais.
Fatores Alavancadores (de risco)
• Psicológicos – Nos anos 60 e 70 foi intensificada a atenção aos fatores
psicológicos. Palmeira (1997) assinala que os fatores da “esfera psíquica” mais
freqüentemente estudados e considerados como implicados na carcinogênese
podem ser reunidos em dois grupos genéricos. No primeiro estão os estados
disfóricos (depressão, tristeza, infelicidade, abatimento, desânimo,
desesperança, desamparo, desapontamento) e de ansiedade, juntamente com
situações traumáticas envolvendo perdas e privações. No segundo, estão os
fatores definidos por características de personalidade e de enfrentamento da
doença, que variam segundo os pressupostos teóricos adotados. Nessa nova
concepção, o “candidato ideal” para desenvolver o câncer apresentaria uma
personalidade marcada pela passividade, pouca emotividade, regularidade dos
hábitos, baixa agressividade ou negação da hostilidade, depressão e dificuldade
na formação de vínculos afetivos. Observamos que no bojo dos movimentos
sociais da época, esperava-se que a mulher devesse ter voz, ser mais agressiva
e ativa na vida, inclusive para evitar o câncer. (Tavares & Trad, 2005).
O câncer de mama na verdade ainda não pode ser prevenido, mas sim diagnosticado o
mais cedo possível. Para isto recomenda-se que as mulheres conheçam seu corpo
desde que apresentem o crescimento das mamas na adolescência. O auto-exame das
mamas, hoje em dia, deve ser chamado de auto-cuidado, e pode ser feito pelo menos
uma vez ao mês, preferencialmente no mesmo dia do mês para que as mulheres se
familiarizem com suas mamas.
Após os 40 anos, a mamografia começa a ser um exame importante para a detecção da
doença e recomenda-se que seja feito pelo menos uma vez por ano a partir daí. Todas
as mulheres deveriam procurar um mastologista para acompanhamento e exame anual
durante sua vida, mas principalmente a partir dos 40 anos.
Atitudes e Hábitos Preventivos
Atitudes e Hábitos Preventivos
• Autoexame da mama;
• Mamografia;
• Dieta alimentar
saudável;
• Exercícios físicos;
• Pouca ingestão de
bebidas alcoólicas;
• Nenhum cigarro;
• Autoestima positiva;
• Disposição para
mudanças;
• Manter
relacionamentos
saudáveis e
prazerosos;
• Auto conhecimento
Princípios de Resiliência
a) Grande número de mulheres esconde
das amigas a mastectomia por sentirem-
se envergonhadas;
b) Outras só aceitam o coito de olhos
fechados;
c) Muitas insistem no uso das próteses
nos porta-seios submetendo-se a
micoses e escaras freqüentes. Este medo
inconsciente que domina faz com que
recuse a relação sob os pretextos mais
variados. Mas há sempre solicitações do
marido ou da esposa para
esclarecimento sobre a vida sexual, após
as cirurgias.
Comportamentos Comuns em
Pacientes Mastectomizadas
“ ...Ela recebeu o diagnóstico de um câncer
metastático no seio, um retorno e
disseminação da malignidade, vários anos
depois do que julgara ter sido uma bem-
sucedida cirurgia para extirpar a doença.
Agora o médico não mais podia falar de
cura e a quimioterapia, na melhor das
hipóteses, ofereceria apenas mais uns
poucos meses de vida. Ela estava,
deprimida – sempre que ia ao oncologista,
caía em prantos. Reação do médico a
cada consulta: pedir-lhe que deixasse
imediatamente o consultório. . .”
(Goleman, 1995.p.190)
4 Meios de Lidar com as
Emoções ( Impactantes)
• Abstenção
• Negação
• Competição
• Aprendizado e Uso
Maria, Maria
Milton Nascimento
Maria, Maria, é um dom, uma certa magia
Uma força que nos alerta
Uma mulher que merece viver e amar
Como outra qualquer do planeta
Maria, Maria, é o som, é a cor, é o suor
É a dose mais forte e lenta
De uma gente que ri quando deve chorar
E não vive, apenas aguenta
Mas é preciso ter força, é preciso ter raça
É preciso ter gana sempre
Quem traz no corpo a marca
Maria, Maria, mistura a dor e a alegria
Mas é preciso ter manha, é preciso ter graça
É preciso ter sonho sempre
Quem traz na pele essa marca
Possui a estranha mania de ter fé na vida
Referências Bibliográficas:
• Lowen, Alexander. O Corpo em
Depressão. SP, 1983.
• Lowen, Alexander. A Espiritualidade do
Corpo. SP,1990.
www.monicaconsultoria.com.br
83 81039765

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Câncer de mama - Palestra para comunidade
Câncer de mama -  Palestra para comunidadeCâncer de mama -  Palestra para comunidade
Câncer de mama - Palestra para comunidadeMaylu Souza
 
Outubro Rosa e a prevenção do cancer de mama
Outubro Rosa e a prevenção do cancer de mamaOutubro Rosa e a prevenção do cancer de mama
Outubro Rosa e a prevenção do cancer de mamaGustavo Alvarez
 
Outubro Rosa
Outubro RosaOutubro Rosa
Outubro RosaAna Luzia
 
Outubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de MamaOutubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de MamaCarlos Lima
 
Outubro Rosa: faça parte desse movimento!
Outubro Rosa: faça parte desse movimento!Outubro Rosa: faça parte desse movimento!
Outubro Rosa: faça parte desse movimento!Oncoguia
 
Câncer de Mama uma visão mais objetiva do assunto.
Câncer de Mama uma visão mais objetiva do assunto.Câncer de Mama uma visão mais objetiva do assunto.
Câncer de Mama uma visão mais objetiva do assunto.biankathamara
 
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)educacaodetodos
 
A importancia da auto estima na mulher graça
A importancia da auto estima na mulher  graçaA importancia da auto estima na mulher  graça
A importancia da auto estima na mulher graçaLiene Campos
 
Guia prevencao suicidio
Guia prevencao suicidioGuia prevencao suicidio
Guia prevencao suicidioDenise Pacheco
 
Novembro Azul - VI SIPAT EMI 2014
Novembro Azul - VI SIPAT EMI 2014Novembro Azul - VI SIPAT EMI 2014
Novembro Azul - VI SIPAT EMI 2014Carlos Lima
 
Palestras motivacionais para mulheres
Palestras motivacionais para mulheresPalestras motivacionais para mulheres
Palestras motivacionais para mulheresSolange Wittmann
 
Um toque de carinho!
Um toque de carinho!Um toque de carinho!
Um toque de carinho!Cátia Costa
 

Mais procurados (20)

Palestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro AmareloPalestra Setembro Amarelo
Palestra Setembro Amarelo
 
Câncer de mama - Palestra para comunidade
Câncer de mama -  Palestra para comunidadeCâncer de mama -  Palestra para comunidade
Câncer de mama - Palestra para comunidade
 
Outubro rosa
Outubro rosaOutubro rosa
Outubro rosa
 
Outubro Rosa e a prevenção do cancer de mama
Outubro Rosa e a prevenção do cancer de mamaOutubro Rosa e a prevenção do cancer de mama
Outubro Rosa e a prevenção do cancer de mama
 
Outubro Rosa
Outubro RosaOutubro Rosa
Outubro Rosa
 
Outubro Rosa. Mitos e Verdades
Outubro Rosa. Mitos e VerdadesOutubro Rosa. Mitos e Verdades
Outubro Rosa. Mitos e Verdades
 
Outubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de MamaOutubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de Mama
 
Outubro Rosa: faça parte desse movimento!
Outubro Rosa: faça parte desse movimento!Outubro Rosa: faça parte desse movimento!
Outubro Rosa: faça parte desse movimento!
 
Câncer de Mama uma visão mais objetiva do assunto.
Câncer de Mama uma visão mais objetiva do assunto.Câncer de Mama uma visão mais objetiva do assunto.
Câncer de Mama uma visão mais objetiva do assunto.
 
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
PALESTRA SOBRE O CÂNCER DE MAMA - ESCOLAS DE ITAMBÉ-PE (25-10-2013)
 
A importancia da auto estima na mulher graça
A importancia da auto estima na mulher  graçaA importancia da auto estima na mulher  graça
A importancia da auto estima na mulher graça
 
Guia prevencao suicidio
Guia prevencao suicidioGuia prevencao suicidio
Guia prevencao suicidio
 
Slides gravidez adolescencia
Slides gravidez adolescenciaSlides gravidez adolescencia
Slides gravidez adolescencia
 
Slide novembro azul
Slide novembro azul Slide novembro azul
Slide novembro azul
 
ApresentaçãO Do SemináRio Sobre CâNcer De Mama
ApresentaçãO Do SemináRio Sobre CâNcer De MamaApresentaçãO Do SemináRio Sobre CâNcer De Mama
ApresentaçãO Do SemináRio Sobre CâNcer De Mama
 
Cancer de Próstata
Cancer de PróstataCancer de Próstata
Cancer de Próstata
 
Novembro Azul - VI SIPAT EMI 2014
Novembro Azul - VI SIPAT EMI 2014Novembro Azul - VI SIPAT EMI 2014
Novembro Azul - VI SIPAT EMI 2014
 
Palestras motivacionais para mulheres
Palestras motivacionais para mulheresPalestras motivacionais para mulheres
Palestras motivacionais para mulheres
 
Um toque de carinho!
Um toque de carinho!Um toque de carinho!
Um toque de carinho!
 
janeiro branco.pptx
janeiro branco.pptxjaneiro branco.pptx
janeiro branco.pptx
 

Semelhante a Amigas do Peito - Aspectos Psicossomáticos do Câncer de Mama

Câncer de mama- Outubro Rosa
 Câncer de mama- Outubro Rosa Câncer de mama- Outubro Rosa
Câncer de mama- Outubro RosaTeresa Oliveira
 
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha informativa.pptx
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha informativa.pptxInfluências emocionais no câncer de mama - Cartilha informativa.pptx
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha informativa.pptxGilson Tavares
 
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha Informativa.ppt
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha Informativa.pptInfluências emocionais no câncer de mama - Cartilha Informativa.ppt
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha Informativa.pptGilson Tavares
 
Influências emocionais no câncer de mama cartilha informativa
Influências emocionais no câncer de mama   cartilha informativaInfluências emocionais no câncer de mama   cartilha informativa
Influências emocionais no câncer de mama cartilha informativaGilson Tavares
 
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Lucas Fontes
 
Câncer de mama metastático: entre a cura e o controle, há vida!
Câncer de mama metastático: entre a cura e o controle, há vida!Câncer de mama metastático: entre a cura e o controle, há vida!
Câncer de mama metastático: entre a cura e o controle, há vida!Oncoguia
 
Se cuidar está na moda
Se cuidar está na modaSe cuidar está na moda
Se cuidar está na modaluisadettoni
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de MamaOncoguia
 
Apresentação TCC - Flores Guerreiras
Apresentação TCC  - Flores GuerreirasApresentação TCC  - Flores Guerreiras
Apresentação TCC - Flores GuerreirasBeatriz Cruz
 
Cancro na adolescencia
Cancro na adolescenciaCancro na adolescencia
Cancro na adolescenciabeatriz9911
 
TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"
TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"
TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"Marcia Oliveira
 
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar dissoCartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar dissoFarmacêutico Digital
 

Semelhante a Amigas do Peito - Aspectos Psicossomáticos do Câncer de Mama (20)

Aula Psicoonco 10
Aula Psicoonco 10Aula Psicoonco 10
Aula Psicoonco 10
 
Câncer de mama- Outubro Rosa
 Câncer de mama- Outubro Rosa Câncer de mama- Outubro Rosa
Câncer de mama- Outubro Rosa
 
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha informativa.pptx
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha informativa.pptxInfluências emocionais no câncer de mama - Cartilha informativa.pptx
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha informativa.pptx
 
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha Informativa.ppt
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha Informativa.pptInfluências emocionais no câncer de mama - Cartilha Informativa.ppt
Influências emocionais no câncer de mama - Cartilha Informativa.ppt
 
Influências emocionais no câncer de mama cartilha informativa
Influências emocionais no câncer de mama   cartilha informativaInfluências emocionais no câncer de mama   cartilha informativa
Influências emocionais no câncer de mama cartilha informativa
 
Câncer
CâncerCâncer
Câncer
 
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
Oncologia e emoções - No Caminho da Enfermagem - Lucas Fontes.
 
Câncer de mama metastático: entre a cura e o controle, há vida!
Câncer de mama metastático: entre a cura e o controle, há vida!Câncer de mama metastático: entre a cura e o controle, há vida!
Câncer de mama metastático: entre a cura e o controle, há vida!
 
Campanha Outubro Rosa
Campanha Outubro RosaCampanha Outubro Rosa
Campanha Outubro Rosa
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
 
Se cuidar está na moda
Se cuidar está na modaSe cuidar está na moda
Se cuidar está na moda
 
Saúde da mulher slides
Saúde da mulher  slidesSaúde da mulher  slides
Saúde da mulher slides
 
Câncer de Mama
Câncer de MamaCâncer de Mama
Câncer de Mama
 
Apresentação TCC - Flores Guerreiras
Apresentação TCC  - Flores GuerreirasApresentação TCC  - Flores Guerreiras
Apresentação TCC - Flores Guerreiras
 
VACINA ANTICÂNCER
VACINA ANTICÂNCERVACINA ANTICÂNCER
VACINA ANTICÂNCER
 
Reprodução e bioética
Reprodução e bioética Reprodução e bioética
Reprodução e bioética
 
Cancro na adolescencia
Cancro na adolescenciaCancro na adolescencia
Cancro na adolescencia
 
TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"
TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"
TCF sobre "Entendendo o cancer de mama"
 
Outubro rosa e novembro azul 2018
Outubro rosa e novembro azul 2018Outubro rosa e novembro azul 2018
Outubro rosa e novembro azul 2018
 
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar dissoCartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
Cartilha Campanha Outubro Rosa 2014 - Câncer de Mama: é preciso falar disso
 

Amigas do Peito - Aspectos Psicossomáticos do Câncer de Mama

  • 1. Amigas do Peito Mônica Costa – Psicóloga CRP 13/ 4170
  • 2. A Vida é muito curta para ser pequena
  • 3. • I Aspectos Psicossomáticos do Câncer de Mama • II Fatores Alavancadores • III Atitudes e Hábitos Preventivos • IV Princípios de Resiliência Conteúdo Programático
  • 4. Aspectos Psicossomáticos do Câncer de Mama Alexander Lowen (1989) diz que, teoricamente, cada doença é psicossomática, uma vez que fatores emocionais influenciam todos os processos do corpo, através das vias nervosas humorais e que os fenômenos somáticos e psicológicos ocorrem no mesmo organismo e são apenas dois aspectos do mesmo processo. (CERCHIARI, 2000).
  • 5. O que são doenças Psicossomáticas ? • Estudo e tratamento das doenças do corpo, cuja causa principal é de ordem psicológica; - A palavra psicossomática deriva dos termos gregos psyche e soma, que querem dizer mente e corpo, respectivamente.
  • 6. Quais são os Aspectos Psicossomáticos que se Apresentam no Câncer de Mama? Contudo nós sabemos ainda, como psicanalistas, que o valor simbólico do seio é de uma profundidade muito grande. Os seres humanos são, em toda a escala zoológica, aqueles que nascem mais desprotegidos e incompletos. O bebê humano, se não for cuidado e alimentado, fatalmente sucumbirá. E este fato primeiro, deixa marcas indeléveis em todos nós. Ora, a pessoa que se incumbe dos primeiros cuidados com o bebê é uma mulher, mais comumente a mãe. É ela quem amamenta. E é, portanto, através do seio que o bebê começa a se relacionar com o mundo. O seio é portanto, o primeiro objeto de amor.( Monteiro, Marly Piva.1996.Vol1) Alimento x castigo
  • 7. “Perdera um dos seus atrativos, o marido não iria mais desejá-la. Aliás notava como, alegando que ela devia poupar-se, ele vinha se esquivando das relações sexuais. Estava definitivamente castrada. Incapaz para atrair, passível de não ter mais o direito ao prazer sexual. Uma castração a nível mais profundo – a possibilidade da perda do prazer sexual, mutilada. Vivendo a incerteza de uma castração ainda maior, o aniquilamento, a morte. A estória de x... bem poderia ser a estória fiel de alguma, ou a colcha de retalhos das estórias de nossas pacientes com câncer de mama.” Prazer x castração
  • 8. O câncer sempre teve a sua metáfora ligada à destruição e à morte. O uso da palavra câncer está irremediavelmente associado a idéia de crescimento desordenado, incontido, caos, destruição. Define uma condição arrasadora que extrapola a linguagem médica e alcança o discurso político e social. O terrorismo, poder- se-ia dizer que é "um câncer social". A Guerra do Vietnã e Watergate foram considerados "Cânceres" na vida política dos EUA. Vida x Morte
  • 9. Cada indivíduo tem um modo de viver e adoecer. O tipo de doença e a época da vida em que ela se manifesta tem relação com a sua história, com a natureza dos seus conflitos intrapsíquicos e com a forma de lidar com eles.
  • 10. Manuel Bandeira em seu poema Desesperança, conclui assim seus versos: “ Ah! Como dói viver quando falta a esperança!”
  • 11. A maior chance de cura é por meio do diagnóstico precoce. Um tumor diagnosticado no estágio 0 ou 1 chega a ter mais de 90% de chance de cura. Já um câncer de mama no estágio 3 ou 4 tem de 30 a 40% de chance de cura total. Mas isso não é motivo para desistir ou achar que o seu caso não tem cura – com o tratamento adequado e força de vontade, todo o obstáculo é transpassado. Mesmo cânceres em estágios mais avançados podem responder bem ao tratamento, podendo ser operados e retirados completamente. Por isso é importante conversar com sua equipe multidisciplinar – médico, psicólogo, fisioterapeuta etc e sempre buscar novas formas de lidar com a doença.
  • 12.
  • 13. Causas Multifatoriais, citando algumas delas: Predisposição genética – De 5 a 10% dos casos de câncer de mama são hereditários, o que significa que resultam diretamente de defeitos genéticos herdados de um dos pais. O risco de câncer de mama é maior entre as mulheres com parentes em primeiro grau (mãe, irmã ou filha) que tiveram a doença. Nesses casos o risco da doença praticamente dobra. Ter dois parentes de primeiro grau aumenta o seu risco cerca de 3 vezes. Fatores Alavancadores (de risco)
  • 14. Fatores Alavancadores (de risco) • Estilo de Vida – Alcoolismo; Obesidade; Sedentarismo; Tabagismo; Uso de anticoncepcionais.
  • 15. Fatores Alavancadores (de risco) • Psicológicos – Nos anos 60 e 70 foi intensificada a atenção aos fatores psicológicos. Palmeira (1997) assinala que os fatores da “esfera psíquica” mais freqüentemente estudados e considerados como implicados na carcinogênese podem ser reunidos em dois grupos genéricos. No primeiro estão os estados disfóricos (depressão, tristeza, infelicidade, abatimento, desânimo, desesperança, desamparo, desapontamento) e de ansiedade, juntamente com situações traumáticas envolvendo perdas e privações. No segundo, estão os fatores definidos por características de personalidade e de enfrentamento da doença, que variam segundo os pressupostos teóricos adotados. Nessa nova concepção, o “candidato ideal” para desenvolver o câncer apresentaria uma personalidade marcada pela passividade, pouca emotividade, regularidade dos hábitos, baixa agressividade ou negação da hostilidade, depressão e dificuldade na formação de vínculos afetivos. Observamos que no bojo dos movimentos sociais da época, esperava-se que a mulher devesse ter voz, ser mais agressiva e ativa na vida, inclusive para evitar o câncer. (Tavares & Trad, 2005).
  • 16.
  • 17. O câncer de mama na verdade ainda não pode ser prevenido, mas sim diagnosticado o mais cedo possível. Para isto recomenda-se que as mulheres conheçam seu corpo desde que apresentem o crescimento das mamas na adolescência. O auto-exame das mamas, hoje em dia, deve ser chamado de auto-cuidado, e pode ser feito pelo menos uma vez ao mês, preferencialmente no mesmo dia do mês para que as mulheres se familiarizem com suas mamas. Após os 40 anos, a mamografia começa a ser um exame importante para a detecção da doença e recomenda-se que seja feito pelo menos uma vez por ano a partir daí. Todas as mulheres deveriam procurar um mastologista para acompanhamento e exame anual durante sua vida, mas principalmente a partir dos 40 anos. Atitudes e Hábitos Preventivos
  • 18. Atitudes e Hábitos Preventivos • Autoexame da mama; • Mamografia; • Dieta alimentar saudável; • Exercícios físicos; • Pouca ingestão de bebidas alcoólicas; • Nenhum cigarro; • Autoestima positiva; • Disposição para mudanças; • Manter relacionamentos saudáveis e prazerosos; • Auto conhecimento
  • 19.
  • 21. a) Grande número de mulheres esconde das amigas a mastectomia por sentirem- se envergonhadas; b) Outras só aceitam o coito de olhos fechados; c) Muitas insistem no uso das próteses nos porta-seios submetendo-se a micoses e escaras freqüentes. Este medo inconsciente que domina faz com que recuse a relação sob os pretextos mais variados. Mas há sempre solicitações do marido ou da esposa para esclarecimento sobre a vida sexual, após as cirurgias. Comportamentos Comuns em Pacientes Mastectomizadas
  • 22. “ ...Ela recebeu o diagnóstico de um câncer metastático no seio, um retorno e disseminação da malignidade, vários anos depois do que julgara ter sido uma bem- sucedida cirurgia para extirpar a doença. Agora o médico não mais podia falar de cura e a quimioterapia, na melhor das hipóteses, ofereceria apenas mais uns poucos meses de vida. Ela estava, deprimida – sempre que ia ao oncologista, caía em prantos. Reação do médico a cada consulta: pedir-lhe que deixasse imediatamente o consultório. . .” (Goleman, 1995.p.190)
  • 23.
  • 24. 4 Meios de Lidar com as Emoções ( Impactantes) • Abstenção • Negação • Competição • Aprendizado e Uso
  • 25.
  • 26. Maria, Maria Milton Nascimento Maria, Maria, é um dom, uma certa magia Uma força que nos alerta Uma mulher que merece viver e amar Como outra qualquer do planeta Maria, Maria, é o som, é a cor, é o suor É a dose mais forte e lenta De uma gente que ri quando deve chorar E não vive, apenas aguenta Mas é preciso ter força, é preciso ter raça É preciso ter gana sempre Quem traz no corpo a marca Maria, Maria, mistura a dor e a alegria Mas é preciso ter manha, é preciso ter graça É preciso ter sonho sempre Quem traz na pele essa marca Possui a estranha mania de ter fé na vida
  • 27.
  • 28. Referências Bibliográficas: • Lowen, Alexander. O Corpo em Depressão. SP, 1983. • Lowen, Alexander. A Espiritualidade do Corpo. SP,1990.