Senso critico-metodo-ver-agir-e-julgar (1)

1.060 visualizações

Publicada em

pj

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.060
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
65
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Senso critico-metodo-ver-agir-e-julgar (1)

  1. 1. VER JULGAR AGIR O SENSO CRÍTICO E O MÉTODO
  2. 2. • A inspiração para este método surgiu de duas formas: 1) Um grupo de casais de mais de 8 anos de existência queria passar de uma problemática conjugal e um engajamento paroquial para um engajamento social; 2) A Pastoral da Juventude viu que o uso do método era seu principal meio de formação da maturidade Cristã. • A reunião dos bispos da América Latina em Puebla veio confirmar o método.
  3. 3. • O método VER-JULGAR-AGIR é simplesmente uma explicitação de um processo de decisão da mente humana. Não é nada novo. • Como qualquer outro método, não funciona como passe de mágica. Depende da maturidade do grupo. • Ele desperta o senso crítico para que o cristão desenvolva a sua capacidade de perceber a realidade como ela é.
  4. 4. FINALIDADES: • Desenvolver uma pedagogia de formação na ação; • Formar o senso crítico; • Formar líderes cristãos que se engajem na transformação dos seus meios específicos; • Educar para a liberdade; • Ligar a religião com a vida; • Chegar a decisões certas na vida diária;
  5. 5. FINALIDADES: • Montar encontros de conscientização; • Elaborar documentos; • Avaliar o engajamento e caminhada de um grupo; • Resolver o problema de reuniões sem rumo; • Método para chegar a decisões certas na vida das pessoas.
  6. 6. VER (ANALISAR, PERCEBER, LEVANTAMENTO DA REALIDADE) • Nesta primeira fase aprendemos a suspender nosso julgamento para verificar qual é a realidade mesma. • Descobrimos até que ponto nosso próprio mundo de pensamentos e sentimentos corresponde à realidade das coisas.
  7. 7. ESTRUTURA DO VER • Coloca-se o fato ou o tema: a) se partir de um tema, cada um deve colocar fatos da sua experiência relacionados com o tema; b) se partir de um fato, cada um coloca um fato recente da sua vida. O grupo escolhe o fato mais significativo para ser aprofundado.
  8. 8. ESTRUTURA DO VER • Fatos sobre o Tema ou Fato mais significativo: a) será que é um fato isolado ou é comum? Alguém tem estatísticas? b) quais as afirmações são fatos e quais são boatos, opiniões? (atitude de desconfiança) c) precisa haver o desbloqueio para poder ouvir. O julgamento precipitado leva a erros. d) ver semelhanças, diferenças e contradições entre os fatos.
  9. 9. ESTRUTURA DO VER • As Causas – se não aceitarmos as causas o remédio que aplicarmos depois não terá efeito. É importante distinguir: a) causas aparentes b) causas imediatas c) causas secundárias d) causa principal
  10. 10. ESTRUTURA DO VER • As Conseqüências: a) conscientização sobre a amplitude e gravidade do problema em discussão; b) ser capaz de ver causas e conseqüências é o primeiro passo para despertar o senso crítico;
  11. 11. ESTRUTURA DO VER • FATOS – são como que os sintomas de uma doença; • CAUSA – é a própria doença; • CONSEQÜÊNCIAS – é a morte, o enfraquecimento ou a cura.
  12. 12. JULGAR Julgar no sentido de analisar para discernir o que está certo e o que está errado e depois partir para uma ação transformadora. Julgar é perceber o que está ajudando ou impedindo os homens de se libertarem e se tornarem irmãos.
  13. 13. JULGAR Temos um elemento a mais para chegar à verdade: a Revelação de Deus através da Bíblia ou da Igreja. A Revelação vem dar o sentido profundo e último ao problema que é levantado e aprofundado no VER.
  14. 14. JULGAR O julgamento exige: a) um conhecimento cada vez mais profundo da mensagem cristã, através de estudos, cursos, etc.; b) um clima de oração; c) um diálogo profundo com Cristo; d) uma purificação cada vez maior do nosso egoísmo pessoal.
  15. 15. AGIR  A discussão deve concluir com pistas para a ação.  A ação em prol do outro faz parte integrante da vida do cristão.  A ação do grupo tem que ser uma ação transformadora em cima das causas levantadas no VER.
  16. 16. AGIR  A ação é diferente da atividade na medida em que é profunda, duradoura, refletida e transformadora.  O grande inimigo da ação transformadora é o imediatismo – querer resolver o problema com resultados imediatos.
  17. 17. AGIR  Para que o grupo faça uma ação concreta é preciso mostrar um projeto com todos os seus detalhes.  A comunicação e a organização são elementos importantes.  É importante começar com objetivos razoáveis. As pessoas aprendem através do processo, tornam-se mais capacitadas.
  18. 18. REVER (COBRAR E AVALIAR)  Sem avaliação a ação deixa de ser transformadora.  Sem avaliação a ação não estimula novas ações.  Sem avaliação a ação morre e o grupo para.  Sem avaliação não se valorizam os sucessos e não se tiram lições dos fracassos.
  19. 19. VER-JULGAR-AGIR  VER – descobrir a realidade;  JULGAR – formar a consciência crítica à luz libertadora do Evangelho;  AGIR – transformar a realidade;  REVER – as ações realizadas, para garantir a continuidade do processo e chegar a uma ação mais profunda.

×