Teologia do corpo para jovens

7.495 visualizações

Publicada em

formação sobre teologia do corpo para jovens, organizada no centro pastoral em Alfenas, MUR.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.495
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
593
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
259
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teologia do corpo para jovens

  1. 1. Teologia do Corpo para jovenssersimesmo.blogspot.com Maria Célia dos Reis Silvamariaceliareis@yahoo.com.br Psicóloga Clínica
  2. 2. O que seria TdC?• 129 Catequeses sobre o amor humano entre 79 a 84.• Por que não é uma antropologia do corpo, ou uma psicologia?• Se é teologia o que o corpo tem haver com Deus?• Base Bíblica: Qual analogia é mais utilizada para representar o amor de Deus pelo homem?• O ser humano se define pelo Amor. Criado pelo Amor (I Jo 4,8S) e para o Amor.• Duas vocações ao amor: Celibato e Matrimônio.• CIC 2336 – A concupiscência não diz a ultima palavra, pois Jesus veio para redimir nosso corpo, e nós dar uma vida nova.• “Deus contemplou sua obra e viu que tudo era muito bom” (Gn 1,31). A Beleza do corpo sai do registro da proibição para o registro da Exaltação.• Vocação inscrita no corpo: Ser Dom para o outro!• Por que Jesus diz que no céu não nós daremos em casamento? Por que a eternidade vai ser marcada pela nossa união intima com Deus, como diz São João da Cruz: “Ele será o Amado de nossa alma”.
  3. 3. Sexualidade e o Cristianismo• Sexualidade e a cultura atual• Por que eu tenho que me preocupar tanto assim com a minha forma de amar? Por que eu não posso amar do jeito que eu quiser? Que mal tem isso?• Nossa forma de amar altera as bases da nossa sociedade.• Qual é a base da sociedade? A família. De onde nasce as famílias? Dos casais de namorados.• Se quer saber o que há de mais sagrado no mundo, basta observar o que está sendo mais violentamente profanado.• No batismo o sacramental é a água, na Crisma o óleo, e no matrimonio?• Corpo está no centro do Cristianismo: “O verbo se fez carne”.• Corpo “espiritualizado” e espírito “encarnado”. (Carta as famílias, 1994)• “A Igreja é perita em humanidade’ (Concilio Vaticano II)
  4. 4. Ciclos1. “O princípio”2. “A Redenção do coração”3. “A Ressurreição da carne”4. “Celibato”5. “Matrimônio”6. “Amor e fecundidade”• Três momentos na História da Salvação – Principio: antes do pecado original. – História: momento atual em que a nossa natureza está doente. – Ressurreição: Como será nosso corpo na vida Eterna.
  5. 5. Parte I - Principio• O relacionamento entre o homem e a mulher é marcado pela cultura e época.• Como Deus pensou o relacionamento entre homem e mulher antes do pecado original?• Jesus evoca o princípio (Mt 19,3-8).• Genesis = Genital = Origem• A sexualidade está desde a origem dentro do plano de Deus para nós santificar.• Gn 1, 26-28 -> Eloísta• Gn 2, 7-23 -> Javista• Solidão original: Homem se sente sozinho no mundo, diferente dos animais.• Nudez Original– Auto defesa na presença do outro, para defender sua dignidade. “Os dois estavam nus, o homem e sua mulher, mas não sentiam vergonha” (Gn 2,25)• Em hebraico Costela = metade.• Hesser = ajuda adequada= socorro de Deus.• Ossos= sustentáculo da Vida• Carne= Self = Eu
  6. 6. Parte II – Redenção do coração• O pecado original deixou no coração do homem um campo de batalha entre a concupiscência e o sentido esponsal do corpo.• Quem é a mulher para o homem? E quem é o homem para a mulher?• Como se avaliar nossos desejos? (Mt 5,26-27).• Mesmo marido e esposa podem “adulterar em seu coração” quando se utiliza do outro como objeto.• Somos inclinados para dois extremos: puritanismo e permissivismo.• O corpo sai do lugar de proibição e entra na exaltação.• O chamado do Sermão da Montanha é ser “homem novo”.• Ética da redenção se realiza no autodomínio.• Carne nas cartas de São Paulo é igual ao Homem guiado pela concupiscência.
  7. 7. Parte III - A Ressurreição da carne• Mt 12,25 Atualmente vivemos uma prefiguração do que será plenamente no céu “núpcias do cordeiro”.• Espiritismo acredita que no céu seremos só espírito, nós acreditamos que na eternidade nosso corpo será glorioso.• I Cor 2,9 – Envolto no mistério da Ressurreição.• Esponsalidade do corpo – capacidade de expressar amor pelo corpo permanecerá, e terá sua plenitude realizada através da nossa comunhão com a Trindade.
  8. 8. Parte IV - Celibato• “É preciso ter consciência realista não só do valor daquilo que se escolhe, mas também do valor daquilo que se renuncia” (TdC).• É um anuncio do mundo que há de vir (Escatologia do homem).• “Meu amado existe para mim e eu para o meu Amado!” (Cântico dos Cânticos).• Trata-se de escolher, uma particular participação no mistério da redenção do corpo, que marca a semelhança com Cristo.• “Na ressurreição do corpo nada mais acontecerá no homem que não seja ato do homem”, ou seja “um outro sistema de forças interiores” JPII.• O celibato é um testemunho de que cremos na ressurreição do corpo.• O celibato anuncia a segunda vinda, a comunhão em Deus.
  9. 9. Parte V - Matrimônio• O que é um sacramento? São realidade terrenas que apontam para a eternidade.• Ef 5,31-32• Analogia esponsal: relação homem-mulher deve ser de amor e entrega total como Cristo e a Igreja, deste modo o sacramento age para a salvação dos cônjuges.• As diferença é que fecundam o amor oblativo.• O Matrimonio humano aponta para Mistério do Único grande casamento: Cristo e sua Igreja.• Amor que vence a concupiscência.• A linguagem do corpo e a liturgia dos corpos• O profetismo do corpo: somos verdadeiros profetas ou contamos verdadeiras metiras?
  10. 10. Parte VI - Amor e fecundidade• Humanae Vitae (Sobre a vida humana) Paulo VI.• Dentro da Igreja existe uma grande oposição.• Significado Unitivo e procriativo do ato sexual.• Somos livres para escolher ter uma relação sexual ou não, mas podemos mudar seu sentido ultimo?• Planejar o nascimentos dos filhos nada mais é do que reler a linguagem do corpo na verdade.• A virtude da castidade, como espiritualidade que preserva o amor do egoísmo, não empobrece as manifestações afetivas, pelo contrario enriquece.
  11. 11. OraçãoComo se poderia falar corretamente do amor, se Tu fosses esquecido, ó Deus do Amor, de quem provém tudo o amor no céu e na terra; Tu, que nada poupaste, mas tudo entregastes em amor; Tu que és amor, de modo que o que ama só é aquilo que é por permanecer em Ti!Como se poderia falar corretamente do amor, se Tu fosses esquecido, Tu que revelastes o que é o amor; Tu, nosso Salvador e reconciliador, que deste a Ti mesmo para libertar a todos!Como se poderia falar corretamente do amor, se Tu fosses esquecido, Espírito de Amor, que não reclamas nada do que é próprio Teu, mas recordas aquele sacrifício do Amor, recordas ao crente que deve amar como ele é amado, e amar ao próximo como a si mesmo!Ó, Amor Eterno, Tu que estás presente em toda parte e nunca deixas sem testemunho aquilo que aqui deve ser dito sobre o amor, ou sobre as obras do amor.Pois decerto há poucas obras que a linguagem humana, específica e mesquinha, denomina obras do amor; mas no Céu é diferente, aí nenhuma obra pode agradar se não for uma obra de amor: sincera na abnegação, uma necessidade do amor, e justamente por isso sem a pretensão de ser meritória! (S.Kierkegaard . Obras do Amor)
  12. 12. Cântico de Francisco de AssisChorando, Francisco, disse um dia a Jesus: “Amo o sol, amo as estrelas, amo Clara e as irmãs, amo o coração do homem, amo todas as coisas belas... Oh, meu Senhor, me deves perdoar, Pois só a Ti eu deveria amar!”.Sorrindo, Jesus, respondeu-lhe assim: “Amo o sol, amo as estrelas, amo Clara e as irmãs, amo o coração do homem, amo todas as coisas belas... Oh, meu Francisco, não deves mais chorar, porque eu amo aquilo que tu amas!”
  13. 13. Casamento – Adelia PradoHá mulheres que dizem:Meu marido, se quiser pescar, pesque,mas que limpe os peixes.Eu não. A qualquer hora da noite me levanto,ajudo a escamar, abrir, retalhar e salgar.É tão bom, só a gente sozinhos na cozinha,de vez em quando os cotovelos se esbarram,ele fala coisas como “esse foi difícil”,“prateou no ar dando rabanadas” e faz o gesto com a mão.O Silêncio de quando nos vimos a primeira vez atravessa a cozinha com um rio profundo.Por fim, os peixes na travessa, vamos dormir.Coisas prateados espocam: somos noivo e noiva.
  14. 14. Referencias Bibliográficas• Teologia do Corpo para Principiantes. Christopher West. Ed. Myrian. 2008 (e-mail: editoramyrian@terra.com.br)• TdC – Teologia do corpo: Catequeses sobre o amor humano, JPII. Homem e mulher o criou.• Sexualidade humana: Verdade e significado. Doc. Do conselho pontifício para a família.• CIC – Catecismo da Igreja Católica.• Bíblia• Sede Fecundo. Pe. Léo• Exortação apostólica: Familiaris Consortio.• Humanea Vitae . Paulo VI.• João Paulo II, Carta as famílias, 1994.• Amor e responsabilidade: livro de JPII.

×