O templo de Zeus Olímpico, também conhecido como Olympeion, é aruína monumental de um antigo templo dedicado a Zeus em sua...
Desde a pré-história o local era usado para cultode deidades ctônicas e heróis. O primeiro templo erguido no localse deve ...
Somente em 174 a.C. a construção foi retomada, por ordem deAntíoco IV Epifânio, que se considerava uma encarnação de Zeus....
Novamente o templo sofreu no saque de Atenas de 267, promovidopelos hérulos. Possivelmente não foi restaurado depois disso...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Templo de zeus

866 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
866
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Templo de zeus

  1. 1. O templo de Zeus Olímpico, também conhecido como Olympeion, é aruína monumental de um antigo templo dedicado a Zeus em sua qualidadede rei dos deuses do Olimpo. Está localizado no centro de Atenas,na Grécia. Sua construção começou no século VI a.C. e só foi concluídano reinado de Adriano. Em seu apogeu foi um dos maiores e maisfamosos templos gregos.
  2. 2. Desde a pré-história o local era usado para cultode deidades ctônicas e heróis. O primeiro templo erguido no localse deve ao tirano Pisístrato, datando de c. 550 a.C. Logo depois damorte de Pisístrato seus filhos Hipias e Hiparco o demoliram paradar lugar a uma construção maior, projetadapor Antistates, Callaeschrus, Antimachides e Porinus. Tinha umestilo dórico e se elevava sobre um pódio de 41 m x 108 m, comuma série dupla de colunas na frente e nos fundos, e uma sériesimples nos lados. Com a abolição da tirania o trabalho foiinterrompido, ainda incompleto. Durante o período dademocracia nada se fez nele, e Aristóteles, em sua Política, dava otemplo como um exemplo de como os tiranos mantinham apopulação ocupada com obras monumentais a fim de que nãotivesse tempo ou energia para rebeliões.
  3. 3. Somente em 174 a.C. a construção foi retomada, por ordem deAntíoco IV Epifânio, que se considerava uma encarnação de Zeus.O arquiteto Decimus Cossutius alterou o projeto e acrescentou umasérie de colunas na frente e nos fundos e uma outra nos lados,perfazendo um total de 104 colunas de 17 m de altura e 2 m dediâmetro. O seu estilo foi igualmente alterado para o jônico, e emvez do calcário foi adotado o custoso mármore pentélico. Com amorte do rei o projeto foi mais uma vez abandonado.No saque de Atenas por Lucius Cornelius Sulla em 86 a.C. aconstrução foi espoliada, e algumas de suas colunas acabaramsendo usadas no templo de Júpiter Capitolino,em Roma. Augusto tentou terminar a obra, mas somente Adriano oconseguiria. Ele acrescentou um prescinto, umaenorme estátua de ouro e marfim de Zeus, e o adornou de estátuasde deuses e personificações das províncias romanas. Em gratidão opovo de Atenas ergueu uma estátua colossal do imperador atrás dotemplo, que foi consagrado em 132, ocasião em que Adriano adotouo título de Panhellenios (de todos os gregos).
  4. 4. Novamente o templo sofreu no saque de Atenas de 267, promovidopelos hérulos. Possivelmente não foi restaurado depois disso, masde qualquer forma foi desativado com a supressãodo paganismo em 425 por Teodósio II, que usou parte do materialpara erguer uma basílica cristã nas proximidades. Desde então otemplo foi sistematicamente depredado para retiradade mármore para outras edificações em Atenas, e quando Ciríacode Ancona o visitou em 1436 só encontrou 21 das 104 colunasoriginais. Uma outra coluna desapareceu durante ogoverno turco de Tzisdarakis, que usou o mármore para decoraçãoda uma mesquita em Monastiraki. Hoje restam 15 colunas em pé, euma outra caída ao solo. Nada restou da cella e da decoração, nemda estatuária.Em 21 de janeiro de 2007 o templo foi pela primeira vez desde aantiguidade usado como local de culto, quando foi realizada ali umacerimônia neopagã pelo grupo Ellinais.

×