SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO – UEMA
CAMPUS CODÓ
NOÇÕES DE DIREITO CIVIL E LINDB
Professor: Luan Victor Zaidan de Sousa
Codó – MA
2023
Conceito de Direito
O direito só pode existir em função do homem que é um ser
eminentemente social, que não vive isolado, mas em grupo.
Com isso, espontaneamente é levado a formar grupos sociais:
família, escola, associação esportiva, recreativa, cultural
religiosa, profissional, sociedade agrícola, mercantil, industrial,
grêmio, partido político etc. Para que a sociedade possa se
conservar é importante delimitar a atividade das pessoas que a
compõem mediante normas jurídicas.
 Direito Positivo e Direito Natural
Direito positivo é um conjunto de normas estabelecidas pelo
poder político, que se impõem e regulam a vida social de um
dado povo em determinada época. É por meio dessas normas
que o direito pretende alcançar o equilíbrio social, impedindo a
desordem e os delitos, resguardando os direitos e a liberdade
das pessoas.
Direito natural correspondente a uma justiça superior e
suprema. É o ordenamento ideal, a ideia abstrata do direito.
 Direito Objetivo e Direito Subjetivo
 Direito Objetivo é o conjunto de normas jurídicas que regulam o
comportamento humano, de modo obrigatório, estabelecendo uma
sanção no caso de sua violação (jus est norma agendi).
 Direito Subjetivo (facultas agendi) é a permissão dada por meio da
norma jurídica, em face dos demais membros da sociedade. São
próprias das pessoas que as possuem, podendo ser ou não usadas
por elas. Por exemplo, as permissões de casar e constituir família;
de adotar pessoa com filho; de ter domicílio inviolável; de vender
seus pertences etc.
 Direito Potestativo
Caracterizam-se por atribuir ao titular a possibilidade de
produzir efeitos jurídicos em determinadas situações mediante
um ato próprio de vontade, inclusive atingindo terceiros
interessados nessa situação, que não poderão se opor. Podemos
citar como exemplo, o direito reconhecido ao herdeiro de
aceitar, ou não, a herança que lhe foi transmitida (CC, art.
1.804).
 Noções de Direito Civil
O Direito Civil, também conhecido como direito do cidadão, é o
ramo do Direito, de ordem privada, que compreende os direitos
e deveres de todo cidadão, assim como suas relações em
sociedade.
Segundo a Constituição, um indivíduo assume a personalidade
civil desde o seu nascimento. No entanto, os menores de 16
anos são considerados incapazes de assumir os atos da vida
civil.
 O que é Direito Civil?
O Direito Civil, em termos gerais, norteia a nossa vida em sociedade,
desde o nascimento até a morte. Um exemplo é quando compramos
ou vendemos um imóvel que, perante a lei, nos pertence. O cidadão
está fazendo uso do seu direito civil, o direito à propriedade.
O Direito Penal, por exemplo, tem como objetivo principal regular o
poder do Estado de punir, estabelecendo penas e consequências para
atos que são considerados infratores. Percebe que os dois estão
intimamente relacionados? O Código Civil determina os direitos e
deveres de uma pessoa, enquanto o Código Penal estipula as
consequências de um ato infracional.
 O que é Direito Civil?
Essa área jurídica é considerada uma das mais extensas e
complexas para se conhecer e estudar, e isso é explicado pelo
fato de o Direito Civil definir as diretrizes da nossa vida em
sociedade.
Podemos concluir, então, que o Direito Civil é o ramo da área
jurídica brasileira que engloba todos os direitos e deveres dos
cidadãos, seja pessoa jurídica, seja física, para, assim,
vivermos de forma harmoniosa em sociedade.
Código Civil Brasileiro
Como mencionamos, o Direito Civil é o ramo do Direito de
ordem privada que estabelece os direitos e deveres das pessoas
jurídicas e físicas para conviver em sociedade.
Desse modo, o Direito Civil é regido pelo Código Civil, assim
como o Direito Penal é regido pelo Código Penal. A Lei Nº 10.406
traz o conjunto de regras e normas que norteia a vida e os atos
de todos os indivíduos dispostos na esfera civil.
Código Civil Brasileiro
O Código Civil que atualmente está em vigor é o de 2002, dividido
em duas partes: a Parte Geral e a Parte Especial. Ele é composto
por 2.046 artigos e por três princípios: socialidade, eticidade e
operabilidade.
Uma informação extra e muito importante é que antes do Código
Civil de 2002, o nosso país era regido pelo Código Beviláqua, que
regeu os direitos e deveres dos cidadãos por 86 anos, até
acontecer a reforma e o estabelecimento do estatuto atual.
Princípios do Direito Civil
1. Sociabilidade
Dentro da esfera do Direito Civil, uma pessoa tem os seus
direitos individuais e os valores coletivos.
Desse modo, o princípio da socialidade estabelece que os
valores coletivos devem ser priorizados em relação aos valores
individuais. Isso quer dizer que o Direito Civil sempre vai levar
em consideração o ambiente, ou seja, a sociedade em que uma
pessoa está inserida.
Princípios do Direito Civil
2. Eticidade
Já o princípio da eticidade não é somente do Direito Civil, mas
de tudo o que compõe a nossa Constituição Federal, afinal, a
ética é um dos preceitos básicos da nossa sociedade.
Aqui, ela se dá diretamente na aplicação da lei que, segundo o
princípio de eticidade, deve ser empregada dentro da boa-fé,
objetiva e subjetiva, considerando a ética, a moral, a equidade
e a probidade.
Princípios do Direito Civil
3. Operabilidade
Também conhecido como concretude, esse preceito determina
a liberdade e a autonomia para a criação e a aplicação das
regras seguindo as mudanças e transformações da sociedade.
Por isso, ele concede ao julgador o poder de criar regras, que
estabeleçam normas de convivência, além da capacidade de
julgar uma situação considerando casos reais. Assim, ele fica
assegurado de modular a lei e aplicá-la como julgar necessário.
2. LEI DE INTRODUÇÃO ÀS NORMAS DO DIREITO
BRASILEIRO.
. Contéudo e Função
No Brasil, diferentemente do que ocorre, por exemplo, na França
e na Itália, esta lei de introdução, que até 2010 chamava-se Lei de
Introdução ao Código Civil (LICC), não faz parte do Código civil, nem se
trata de um anexo deste, trata-se, então, de um dispositivo autônomo,
não se confundindo nem integrando o Código Civil.
Embora apresentem diversas denominações, todos os códigos são
geralmente acompanhados de leis introdutórias e preliminares. Como
você verá adiante, trata-se de uma lei de fundamental importância
para o regramento das normas como um todo e não só com relação ao
direito civil.
Embora se destine a facilitar a sua aplicação, tem caráter
universal, aplicando-se a todos os ramos do direito. Acompanha
o Código Civil simplemente porque se trata do diploma
considerado de maior importância. Na realidade constitui um
repositório de normas preliminar à totalidade do ordenamento
jurídico nacional.
A Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro
(LINDB), nova redação dada pela Lei 12.376-10, é o Decreto-Lei
4.657 de 1942, norma que disciplina não só o Direito Civil, mas,
também, outros ramos do Direito.
Atualmente a LINDB é recepcionada como lei ordinária. A
doutrina costuma chamá-la de Norma de Sobredireito, tendo
em vista seu caráter introdutório, que disciplina princípios,
aplicação, vigência, interpretação e integração, itens
relacionados a todo o direito e não somente ao Código Civil.
Vale ressaltar que tanto a LINDB como a anterior LICC
possuem, é fato, sentido mais amplo que uma simples
introdução às leis civis. Cuida-se, na verdade, de introdução a
todo o sistema legislativo brasileiro. Um bom exemplo é o
artigo 5º que não se limita ao âmbito do Código Civil.
LINBD: Art. 5°. Na aplicação da lei, o juiz atenderá aos fins
sociais a que ela se dirige e às exigências do bem comum.
I- Da lei e sua obrigatoriedade:
(art. 1º) início da obrigatoriedade da lei;
(art. 2º) tempo de obrigatoriedade;
(art. 3º) não ignorância da lei vigente.
II- Da aplicação, interpretação e integração das normas jurídicas: (art. 4º)
aplicação da norma jurídica e integração da ordem jurídica positiva; (art.
5º) interpretação da norma jurídica.
III- Do império da lei em relação ao tempo – direito: (art. 6º).
IV- Do direito internacional privado brasileiros: (arts. 7º a 17).
V – Dos atos civis praticados, no estrangeiro, pelas autoridades consulares
brasileiras: (art. 18).
 Fontes do Direito
A expressão fontes do direito indica, desde logo, as
formas pelas quais o direito se manifesta.
Nas palavras do autor Carlos Roberto Gonçalves, “A
expressão fontes do direito, tanto significa o poder de criar
normas jurídicas quanto a forma de expressão dessas normas”.
Washington de Barros Monteiro, “são os meios pelos quais
se formam ou se estabelecem as normas jurídicas. São os órgãos
sociais de que dimana o direito objetivo”.
 Fontes materiais: São os fatos sociais, as próprias forças sociais
criadoras do Direito.
 Fontes históricas: Os estudiosos investigam a origem histórica de
institutos jurídicos ou de um sistema.
 Fontes formais: A lei, a analogia, o costume e os princípios gerais do
direito.
 Fontes não formais: A doutrina e a jurispurdência.
 Nesse sentido, a lei é a principal fonte do direito e o objeto da LINDB.
 Costuma-se, também, dividir as fontes do direito em diretas (ou
imediatas) e indiretas (ou mediatas). As primeiras são a lei e o costume,
que por si só geram a regra jurídica; as segundas são a doutrina e a
jurisprudência, que contribuem para que a norma seja elaborada.
Direito Civil e suas principais noções

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Direito Civil e suas principais noções

Direito da Comunicação, Sebenta de Flávia Menezes das aulas do Professor Dout...
Direito da Comunicação, Sebenta de Flávia Menezes das aulas do Professor Dout...Direito da Comunicação, Sebenta de Flávia Menezes das aulas do Professor Dout...
Direito da Comunicação, Sebenta de Flávia Menezes das aulas do Professor Dout...A. Rui Teixeira Santos
 
Apostila de-direito-civil
Apostila de-direito-civilApostila de-direito-civil
Apostila de-direito-civilMaycon Santos
 
Apostila de-direito-civil
Apostila de-direito-civilApostila de-direito-civil
Apostila de-direito-civilMaycon Santos
 
Sebenta Noções Fundamentais de Direito
Sebenta Noções Fundamentais de DireitoSebenta Noções Fundamentais de Direito
Sebenta Noções Fundamentais de DireitoAndré Silva
 
Sebentanocoesfundamentaisdedireito 111031182349-phpapp01
Sebentanocoesfundamentaisdedireito 111031182349-phpapp01Sebentanocoesfundamentaisdedireito 111031182349-phpapp01
Sebentanocoesfundamentaisdedireito 111031182349-phpapp01Luisa Teixeira
 
Sebentanocoesfundamentaisdedireito 111031182349-phpapp01
Sebentanocoesfundamentaisdedireito 111031182349-phpapp01Sebentanocoesfundamentaisdedireito 111031182349-phpapp01
Sebentanocoesfundamentaisdedireito 111031182349-phpapp01Luisa Teixeira
 
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...Jordano Santos Cerqueira
 
INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO PROGRAMUS.docx
INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO PROGRAMUS.docxINSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO PROGRAMUS.docx
INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO PROGRAMUS.docxMariaDeSousa41
 
Noções Básica de Legislação (1).pdf
Noções Básica de Legislação (1).pdfNoções Básica de Legislação (1).pdf
Noções Básica de Legislação (1).pdfRogrioSantiago7
 
Aula Direito Objetivo Subjetivo
Aula   Direito Objetivo   SubjetivoAula   Direito Objetivo   Subjetivo
Aula Direito Objetivo SubjetivoGrupo VAHALI
 
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...A. Rui Teixeira Santos
 
Apresentação sobre Direito Civil.pptx
Apresentação sobre Direito Civil.pptxApresentação sobre Direito Civil.pptx
Apresentação sobre Direito Civil.pptxSheilaCortes2
 
Revisão para av1 2012.1
Revisão para av1 2012.1Revisão para av1 2012.1
Revisão para av1 2012.1Nilo Tavares
 
Revisão para av1 2012.1
Revisão para av1 2012.1Revisão para av1 2012.1
Revisão para av1 2012.1Nilo Tavares
 
1 o homem a sociedade e o direito
1 o homem a sociedade e o direito1 o homem a sociedade e o direito
1 o homem a sociedade e o direitoPelo Siro
 
7 aula 1 - Divisão Clássica do Direito Público e Direito Privado
7 aula 1 - Divisão Clássica do Direito Público e Direito Privado7 aula 1 - Divisão Clássica do Direito Público e Direito Privado
7 aula 1 - Divisão Clássica do Direito Público e Direito PrivadoSiderlane Dias Pereira Gomes
 
NOÇÃO DE DIREITO
NOÇÃO DE DIREITONOÇÃO DE DIREITO
NOÇÃO DE DIREITOURCAMP
 

Semelhante a Direito Civil e suas principais noções (20)

Direito da Comunicação, Sebenta de Flávia Menezes das aulas do Professor Dout...
Direito da Comunicação, Sebenta de Flávia Menezes das aulas do Professor Dout...Direito da Comunicação, Sebenta de Flávia Menezes das aulas do Professor Dout...
Direito da Comunicação, Sebenta de Flávia Menezes das aulas do Professor Dout...
 
Apostila de-direito-civil
Apostila de-direito-civilApostila de-direito-civil
Apostila de-direito-civil
 
Apostila de-direito-civil
Apostila de-direito-civilApostila de-direito-civil
Apostila de-direito-civil
 
Sebenta Noções Fundamentais de Direito
Sebenta Noções Fundamentais de DireitoSebenta Noções Fundamentais de Direito
Sebenta Noções Fundamentais de Direito
 
Sebentanocoesfundamentaisdedireito 111031182349-phpapp01
Sebentanocoesfundamentaisdedireito 111031182349-phpapp01Sebentanocoesfundamentaisdedireito 111031182349-phpapp01
Sebentanocoesfundamentaisdedireito 111031182349-phpapp01
 
Sebentanocoesfundamentaisdedireito 111031182349-phpapp01
Sebentanocoesfundamentaisdedireito 111031182349-phpapp01Sebentanocoesfundamentaisdedireito 111031182349-phpapp01
Sebentanocoesfundamentaisdedireito 111031182349-phpapp01
 
Lei, Justiça e Cidadania
Lei, Justiça e Cidadania Lei, Justiça e Cidadania
Lei, Justiça e Cidadania
 
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
FACELI - D1 - Helga Catarina Pereira de Magalhães Faria - Teoria Geral do Dir...
 
INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO PROGRAMUS.docx
INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO PROGRAMUS.docxINSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO PROGRAMUS.docx
INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO PROGRAMUS.docx
 
Noções Básica de Legislação (1).pdf
Noções Básica de Legislação (1).pdfNoções Básica de Legislação (1).pdf
Noções Básica de Legislação (1).pdf
 
Aula Direito Objetivo Subjetivo
Aula   Direito Objetivo   SubjetivoAula   Direito Objetivo   Subjetivo
Aula Direito Objetivo Subjetivo
 
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO, APONTAMENTOS DAS AULAS DO PROF. DOUTOR RUI T...
 
Apresentação sobre Direito Civil.pptx
Apresentação sobre Direito Civil.pptxApresentação sobre Direito Civil.pptx
Apresentação sobre Direito Civil.pptx
 
Revisão para av1 2012.1
Revisão para av1 2012.1Revisão para av1 2012.1
Revisão para av1 2012.1
 
Revisão para av1 2012.1
Revisão para av1 2012.1Revisão para av1 2012.1
Revisão para av1 2012.1
 
Ramos do direito
Ramos do direitoRamos do direito
Ramos do direito
 
1 o homem a sociedade e o direito
1 o homem a sociedade e o direito1 o homem a sociedade e o direito
1 o homem a sociedade e o direito
 
7 aula 1 - Divisão Clássica do Direito Público e Direito Privado
7 aula 1 - Divisão Clássica do Direito Público e Direito Privado7 aula 1 - Divisão Clássica do Direito Público e Direito Privado
7 aula 1 - Divisão Clássica do Direito Público e Direito Privado
 
Idpp2
Idpp2Idpp2
Idpp2
 
NOÇÃO DE DIREITO
NOÇÃO DE DIREITONOÇÃO DE DIREITO
NOÇÃO DE DIREITO
 

Último

BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptxthaisamaral9365923
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdf
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdfProva uniasselvi tecnologias da Informação.pdf
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdfArthurRomanof1
 
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxPedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxleandropereira983288
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 

Último (20)

BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
“Sobrou pra mim” - Conto de Ruth Rocha.pptx
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdf
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdfProva uniasselvi tecnologias da Informação.pdf
Prova uniasselvi tecnologias da Informação.pdf
 
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptxPedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
Pedologia- Geografia - Geologia - aula_01.pptx
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 5, CPAD, Os Inimigos do Cristão, 2Tr24, Pr Henrique.pptx
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 

Direito Civil e suas principais noções

  • 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO – UEMA CAMPUS CODÓ NOÇÕES DE DIREITO CIVIL E LINDB Professor: Luan Victor Zaidan de Sousa Codó – MA 2023
  • 2. Conceito de Direito O direito só pode existir em função do homem que é um ser eminentemente social, que não vive isolado, mas em grupo. Com isso, espontaneamente é levado a formar grupos sociais: família, escola, associação esportiva, recreativa, cultural religiosa, profissional, sociedade agrícola, mercantil, industrial, grêmio, partido político etc. Para que a sociedade possa se conservar é importante delimitar a atividade das pessoas que a compõem mediante normas jurídicas.
  • 3.  Direito Positivo e Direito Natural Direito positivo é um conjunto de normas estabelecidas pelo poder político, que se impõem e regulam a vida social de um dado povo em determinada época. É por meio dessas normas que o direito pretende alcançar o equilíbrio social, impedindo a desordem e os delitos, resguardando os direitos e a liberdade das pessoas. Direito natural correspondente a uma justiça superior e suprema. É o ordenamento ideal, a ideia abstrata do direito.
  • 4.  Direito Objetivo e Direito Subjetivo  Direito Objetivo é o conjunto de normas jurídicas que regulam o comportamento humano, de modo obrigatório, estabelecendo uma sanção no caso de sua violação (jus est norma agendi).  Direito Subjetivo (facultas agendi) é a permissão dada por meio da norma jurídica, em face dos demais membros da sociedade. São próprias das pessoas que as possuem, podendo ser ou não usadas por elas. Por exemplo, as permissões de casar e constituir família; de adotar pessoa com filho; de ter domicílio inviolável; de vender seus pertences etc.
  • 5.  Direito Potestativo Caracterizam-se por atribuir ao titular a possibilidade de produzir efeitos jurídicos em determinadas situações mediante um ato próprio de vontade, inclusive atingindo terceiros interessados nessa situação, que não poderão se opor. Podemos citar como exemplo, o direito reconhecido ao herdeiro de aceitar, ou não, a herança que lhe foi transmitida (CC, art. 1.804).
  • 6.  Noções de Direito Civil O Direito Civil, também conhecido como direito do cidadão, é o ramo do Direito, de ordem privada, que compreende os direitos e deveres de todo cidadão, assim como suas relações em sociedade. Segundo a Constituição, um indivíduo assume a personalidade civil desde o seu nascimento. No entanto, os menores de 16 anos são considerados incapazes de assumir os atos da vida civil.
  • 7.  O que é Direito Civil? O Direito Civil, em termos gerais, norteia a nossa vida em sociedade, desde o nascimento até a morte. Um exemplo é quando compramos ou vendemos um imóvel que, perante a lei, nos pertence. O cidadão está fazendo uso do seu direito civil, o direito à propriedade. O Direito Penal, por exemplo, tem como objetivo principal regular o poder do Estado de punir, estabelecendo penas e consequências para atos que são considerados infratores. Percebe que os dois estão intimamente relacionados? O Código Civil determina os direitos e deveres de uma pessoa, enquanto o Código Penal estipula as consequências de um ato infracional.
  • 8.  O que é Direito Civil? Essa área jurídica é considerada uma das mais extensas e complexas para se conhecer e estudar, e isso é explicado pelo fato de o Direito Civil definir as diretrizes da nossa vida em sociedade. Podemos concluir, então, que o Direito Civil é o ramo da área jurídica brasileira que engloba todos os direitos e deveres dos cidadãos, seja pessoa jurídica, seja física, para, assim, vivermos de forma harmoniosa em sociedade.
  • 9. Código Civil Brasileiro Como mencionamos, o Direito Civil é o ramo do Direito de ordem privada que estabelece os direitos e deveres das pessoas jurídicas e físicas para conviver em sociedade. Desse modo, o Direito Civil é regido pelo Código Civil, assim como o Direito Penal é regido pelo Código Penal. A Lei Nº 10.406 traz o conjunto de regras e normas que norteia a vida e os atos de todos os indivíduos dispostos na esfera civil.
  • 10. Código Civil Brasileiro O Código Civil que atualmente está em vigor é o de 2002, dividido em duas partes: a Parte Geral e a Parte Especial. Ele é composto por 2.046 artigos e por três princípios: socialidade, eticidade e operabilidade. Uma informação extra e muito importante é que antes do Código Civil de 2002, o nosso país era regido pelo Código Beviláqua, que regeu os direitos e deveres dos cidadãos por 86 anos, até acontecer a reforma e o estabelecimento do estatuto atual.
  • 11. Princípios do Direito Civil 1. Sociabilidade Dentro da esfera do Direito Civil, uma pessoa tem os seus direitos individuais e os valores coletivos. Desse modo, o princípio da socialidade estabelece que os valores coletivos devem ser priorizados em relação aos valores individuais. Isso quer dizer que o Direito Civil sempre vai levar em consideração o ambiente, ou seja, a sociedade em que uma pessoa está inserida.
  • 12. Princípios do Direito Civil 2. Eticidade Já o princípio da eticidade não é somente do Direito Civil, mas de tudo o que compõe a nossa Constituição Federal, afinal, a ética é um dos preceitos básicos da nossa sociedade. Aqui, ela se dá diretamente na aplicação da lei que, segundo o princípio de eticidade, deve ser empregada dentro da boa-fé, objetiva e subjetiva, considerando a ética, a moral, a equidade e a probidade.
  • 13. Princípios do Direito Civil 3. Operabilidade Também conhecido como concretude, esse preceito determina a liberdade e a autonomia para a criação e a aplicação das regras seguindo as mudanças e transformações da sociedade. Por isso, ele concede ao julgador o poder de criar regras, que estabeleçam normas de convivência, além da capacidade de julgar uma situação considerando casos reais. Assim, ele fica assegurado de modular a lei e aplicá-la como julgar necessário.
  • 14. 2. LEI DE INTRODUÇÃO ÀS NORMAS DO DIREITO BRASILEIRO. . Contéudo e Função No Brasil, diferentemente do que ocorre, por exemplo, na França e na Itália, esta lei de introdução, que até 2010 chamava-se Lei de Introdução ao Código Civil (LICC), não faz parte do Código civil, nem se trata de um anexo deste, trata-se, então, de um dispositivo autônomo, não se confundindo nem integrando o Código Civil. Embora apresentem diversas denominações, todos os códigos são geralmente acompanhados de leis introdutórias e preliminares. Como você verá adiante, trata-se de uma lei de fundamental importância para o regramento das normas como um todo e não só com relação ao direito civil.
  • 15. Embora se destine a facilitar a sua aplicação, tem caráter universal, aplicando-se a todos os ramos do direito. Acompanha o Código Civil simplemente porque se trata do diploma considerado de maior importância. Na realidade constitui um repositório de normas preliminar à totalidade do ordenamento jurídico nacional. A Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro (LINDB), nova redação dada pela Lei 12.376-10, é o Decreto-Lei 4.657 de 1942, norma que disciplina não só o Direito Civil, mas, também, outros ramos do Direito.
  • 16. Atualmente a LINDB é recepcionada como lei ordinária. A doutrina costuma chamá-la de Norma de Sobredireito, tendo em vista seu caráter introdutório, que disciplina princípios, aplicação, vigência, interpretação e integração, itens relacionados a todo o direito e não somente ao Código Civil. Vale ressaltar que tanto a LINDB como a anterior LICC possuem, é fato, sentido mais amplo que uma simples introdução às leis civis. Cuida-se, na verdade, de introdução a todo o sistema legislativo brasileiro. Um bom exemplo é o artigo 5º que não se limita ao âmbito do Código Civil. LINBD: Art. 5°. Na aplicação da lei, o juiz atenderá aos fins sociais a que ela se dirige e às exigências do bem comum.
  • 17. I- Da lei e sua obrigatoriedade: (art. 1º) início da obrigatoriedade da lei; (art. 2º) tempo de obrigatoriedade; (art. 3º) não ignorância da lei vigente. II- Da aplicação, interpretação e integração das normas jurídicas: (art. 4º) aplicação da norma jurídica e integração da ordem jurídica positiva; (art. 5º) interpretação da norma jurídica. III- Do império da lei em relação ao tempo – direito: (art. 6º). IV- Do direito internacional privado brasileiros: (arts. 7º a 17). V – Dos atos civis praticados, no estrangeiro, pelas autoridades consulares brasileiras: (art. 18).
  • 18.  Fontes do Direito A expressão fontes do direito indica, desde logo, as formas pelas quais o direito se manifesta. Nas palavras do autor Carlos Roberto Gonçalves, “A expressão fontes do direito, tanto significa o poder de criar normas jurídicas quanto a forma de expressão dessas normas”. Washington de Barros Monteiro, “são os meios pelos quais se formam ou se estabelecem as normas jurídicas. São os órgãos sociais de que dimana o direito objetivo”.
  • 19.  Fontes materiais: São os fatos sociais, as próprias forças sociais criadoras do Direito.  Fontes históricas: Os estudiosos investigam a origem histórica de institutos jurídicos ou de um sistema.  Fontes formais: A lei, a analogia, o costume e os princípios gerais do direito.  Fontes não formais: A doutrina e a jurispurdência.  Nesse sentido, a lei é a principal fonte do direito e o objeto da LINDB.  Costuma-se, também, dividir as fontes do direito em diretas (ou imediatas) e indiretas (ou mediatas). As primeiras são a lei e o costume, que por si só geram a regra jurídica; as segundas são a doutrina e a jurisprudência, que contribuem para que a norma seja elaborada.