SlideShare uma empresa Scribd logo
Esse equipamento de manobra conhecido durante décadas como chave
seccionadora, teve sua designação normalizada pela ABNT, nas NBR's
6935/85 e 7571/85 que trata do equipamento, ou seja, foi renomeado
como secionador. Porém, face ao que é comumente usado, continuaremos
a tratá-lo como chave seccionadora.
Equipamentos de manobra são componentes do sistema elétrico de
potência que têm não somente a função de estabelecer a união entre
geradores, transformadores, consumidores e linhas de transmissão e
separá-los ou secioná-los de acordo com as exigências desse serviço,
como também são utilizados praticamente para proteção de todos os
componentes elétricos contra a atuação perigosa de sobre-cargas,
correntes de curto-circuito e contatos a terra. As chaves seccionadoras são
equipamentos que fazem parte do grupo denominado Equipamento de
Manobra.
As chaves são dispositivos mecânicos de manobra, que na posição aberta
assegura uma distância de isolamento e na posição fechada mantêm a
continuidade do circuito elétrico, nas condições especificadas.
Conforme a norma NBR 6935, secionador é:
 “Um dispositivo mecânico de manobra capaz
de abrir e fechar um circuito elétrico quando
uma corrente de intensidade desprezível é
interrompida ou restabelecida. Também é
capaz de conduzir correntes sob condições
normais do circuito e, durante um tempo
especificado, correntes sob condições
anormais, como curto-circuito“.
 Abertura Lateral
O secionador SAL/PMB40 obedece o padrão construtivo AL da ABNT. Cada pólo
é composto por duas colunas de isoladores, sendo uma fixa e outra rotativa.
A coluna rotativa é responsável pelo acionamento do equipamento.
Quando acionado o comando motorizado, que é responsável pelo acionamento
da coluna rotativa, este modelo de chave abre lateralmente.
 Abertura Central
O secionador SAC obedece o padrão construtivo AC da ABNT. Cada pólo é
composto por duas colunas de isoladores, sendo ambas rotativas.
A coluna rotativa é responsável pelo acionamento do equipamento.
A abertura deste modelo de chave acontece bem no centro da lâmina principal
no momento que é acionado o mecanismo motorizado.
 Dupla Abertura Lateral
O modelo secionador SDA obedece o padrão construtivo da ABNT ou o tipo B
da ANSI. Cada pólo é composto por duas colunas laterais fixas e uma central
rotativa.
A coluna rotativa que é central é responsável pelo acionamento do
equipamento.
Acionando o comando motorizado, acontece o acionamento da coluna rotativa,
abrindo o polo seccionador duplamente em suas extremidades, por isso é
considerada dupla abertura. Em Furnas verificamos durante o estágio que este
modelo é muito utilizado. Os grandes fornecedores deste tipo de chave são
Camargo Corrêa, Laelc, Siemens.
 Abertura Vertical
Obedece ao padrão construtivo AV da ABNT ou o tipo A da ANSI. Cada pólo é
composto por três colunas de isoladores, sendo duas fixas e uma rotativa.
A coluna rotativa fica em uma extremidade, junto ao mecanismo de
acionamento do equipamento é responsável pelo acionamento do
equipamento.
Quando acionado o comando motorizado, que é responsável pelo acionamento
da coluna rotativa, a abertura desta chave acontece verticalmente.
Os grandes fornecedores deste tipo de chave são Camargo Corrêa, Laelc,
Siemens. Podemos ter chaves neste modelo que podem operar em tensões de
até 800kV.
 Abertura Semi-Pantográfica Vertical
Obedece ao tipo SV da ABNT. Quanto à composição das colunas de isoladores e
o tipo de fechamento vertical, podem ser os seguintes modelos:
A coluna rotativa fica em uma extremidade, junto ao mecanismo de
acionamento do equipamento é responsável pelo acionamento do
equipamento.
Quando acionado o comando motorizado, que é responsável pelo acionamento
da coluna rotativa, a abertura desta chave acontece verticalmente, ocorrendo
um desdobramento central, pois no centro da lamina principal, os contatos são
todos articulados. Portanto neste caso o tipo de abertura é semi-pantográfica.
Como esta chave é montada verticalmente em uma subestação, ela é
considerada montagem vertical.
Os grandes fornecedores deste tipo de chave são Camargo Corrêa, Laelc,
Siemens. Podemos ter chaves neste modelo que podem operar em tensões de
345kV até 550kV.
 Lâmina Terra
É uma chave de terra acoplada a um seccionador, serve para aterrar a parte do
circuito secionado e desenergizado, mas que pode estar com carga capacitiva
ou ainda ter uma tensão induzida por linhas energizadas próximas ao circuito
aberto. A lâmina de terra possui um comando independente ao comando do
seccionador, porém ambas devem estar intertravadas mecanicamente para
evitar que a lâmina de terra seja fechada quando o seccionador estiver fechado
e vice-versa.
A lâmina de terra não precisa ter capacidade de condução de uma corrente
nominal, mas deve ter capacidade para suportar corrente de curta duração.
Algumas peças que compõe o seccionador são:
 Base ~ É construída em aço laminado, galvanizado a quente, com perfis U, I, U dupla, treliça ou tubos
de aço de parede reforçada.
 Mancal ~ É a parte rotativa da base do seccionador, onde o será fixado a coluna rotativa.
 Sub-Bases(Sup. Isolador) ~ Destinam-se a elevar a altura da coluna isolante, equiparando-se com as
outras.
 Coluna Isolante ~ As colunas isolantes mantêm a isolação entre a parte viva e a base do secionador, é,
portanto parte fundamental na função isolante do seccionador.
 Lâmina Principal ~ É feita de tubo ou barra de material altamente condutor (cobre ou alumínio); é uma
peça móvel que na posição fechada do seccionador conduz a corrente elétrica de um terminal a outro e
na posição aberta assegura uma distância de isolamento.
 Contatos
É o conjunto de duas ou mais peças condutoras de um seccionador, destinadas
a assegurar a continuidade do circuito quando se tocam, e que devido ao seu
movimento relativo durante uma operação, fecham ou abrem esse circuito. O
contato propriamente dito é então feito através das superfícies de prata ou sua
liga. A pressão nos contatos é dada por molas de aço inox, bronze fosforoso ou
cobre-berílio. É a parte do seccionador que mais apresenta problemas, com
necessidade de substituição, pois é onde ocorre o contato direto entre contato
móvel da lâmina principal.
Nos sistemas de automação, os sensores desempenham um papel fundamental.
São responsáveis pela conversão de uma grandeza física para um sinal elétrico,
que pode ser compreendido pelo controlador lógico programável (CLP). Dentre
os inúmeros tipos de sensores com diferentes funções, existe o sensor
indutivo. Este tipo de sensor apresenta a capacidade de detectar objetos
metálicos em pequenas distâncias. Sendo, portanto, definido como um sensor
de proximidade.
O sensor indutivo possui algumas características que tornam seu uso uma
opção muito viável e vantajosa na aplicação em sistemas industriais. Por não
possuírem partes móveis, o sensor indutivo possue uma vida útil prolongada
em relação aos sensores fim de curso que utilizam contatos mecânicos.
Adicionalmente, são componentes muito bem vedados e que podem trabalhar
em ambientes com poeira (não metálica) e até mesmo em contato com líquidos.
E apesar da pequena distância de detecção, apresenta ótima precisão e,
portanto, repetibilidade em medições de proximidade.
O sensor indutivo é composto por um núcleo de ferrite envolto
por uma bobina, um circuito oscilador e, por fim, um circuito
disparador em conjunto com um amplificador (Disparador de
Schmitt). Como apresentado na figura abaixo:
Os sensores indutivos podem ser aplicados em diferentes funções
relacionadas à percepção de proximidade. Dentre as principais
aplicações deste tipo de sensor estão:
 Detecção de presença ou ausência de um material metálico;
 Detecção de passagem de material;
 Detecção de fim de curso;
 Contagem e reconhecimento de pulsos por meio de componente
mecânico dentado;
 Identificação de materiais metálicos;
 Leitura de posição (longa distância).
O sensor indutivo é um dispositivo que apresenta versatilidade,
oferece segurança nas aplicações de automação e, portanto, possui
grande utilidade na indústria.
Relé temporizador ou simplesmente rele de tempo ou timer,
é o termo utilizado para denominar qualquer relé com a
capacidade de realizar operações de chaveamento com
manipulação de tempo.
Pode ser um dispositivo desenvolvido especificamente para
essa aplicação ou simplesmente um modulo auxiliar, que
quando acoplado ao relé e/ou sua base exerce a mesma
funcionalidade. As principais funções desse tipo de relé são
retardo na energização e retardo na desenergização,
geração de pulsos (também chamado de ciclico ou blink)
dentre muitas outras. Porém atualmente existe uma
tendência ao uso de temporizadores capazes de
desempenhar múltiplas funções em diferentes escalas e
intervalos de tempo ou alimentação, tal como o
temporizador multifunção – CIM, ou CRV/CSV que pode ter
até 15 funções diferentes num único timer, ambos
fabricados pelo grupo Comat Releco.
O mecanismo do relé temporizador manipula a
comutação de um mecanismo relé (eletromecânico
ou estado sólido), esse mecanismo pode ser
desempenhado por um sistema eletromecânico,
com eletrônica convencional ou por um sistema
micro processado.
Quando o relé é alimentado por uma fonte de
energia, o estado de seus contatos será alterado
depois de um determinado período de tempo pré-
estabelecido em seu seletor ou programação.
Podem funcionar de duas maneiras:
 Ondellay: Quando a bobina de um rele temporizador on-
delay é energizada (ou no caso de modelos de estado
sólido as entradas), os contatos mudam os estados depois
do um tempo pré determinado. É utilizado em um circuito
em que se deseja que a bobina seja acionada após certo
tempo (ajustado pelo operador). Nesse exato momento,
todos os contatos da bobina, que são do tipo NF, passam
a abrir, e os contatos do tipo NA passam a fechar, até que
as condições de energização sejam desativadas.
 Offdelay: Quando a bobina ou entrada de um rele
temporizador off-delay é energizada, os contatos mudam
imediatamente os estados e depois de um tempo pré
determinado voltam para a posição original. É utilizado
quando necessitamos deixar um equipamento ligado
durante certo tempo, mesmo após a condição de ativação
ser desligada.
São muitas as aplicações possíveis para esse tipo de
relé, dentre as principais:
 Prevenção de sobrecarga no sistema de potência
durante partidas de motores
 Ligação de motores de estrela pra triângulo
 Padronização de sinais para CLP’s
 Auxilio na Automação e sincronismo industrial
 Chaves compensadoras e quadros de comando
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transformadores para medição e proteção
Transformadores para medição e proteçãoTransformadores para medição e proteção
Transformadores para medição e proteção
Rodrigo Prado
 
Dispositivos de Comandos elétricos
Dispositivos de Comandos elétricosDispositivos de Comandos elétricos
Dispositivos de Comandos elétricos
Eduardo Sacomano
 
Cabine PRIMARIA - SENAI.pdf
Cabine PRIMARIA - SENAI.pdfCabine PRIMARIA - SENAI.pdf
Cabine PRIMARIA - SENAI.pdf
DenilsonLima42
 
Sensores
SensoresSensores
Sensores
JÚLIO PEIXOTO
 
Dispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
Dispositivos Utilizados em Comandos ElétricosDispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
Dispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
Jadson Caetano
 
[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf
[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf
[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf
LucasEduardoSilva7
 
[E-BOOK 2] - Comandos Elétricos 2.pdf
[E-BOOK 2] - Comandos Elétricos 2.pdf[E-BOOK 2] - Comandos Elétricos 2.pdf
[E-BOOK 2] - Comandos Elétricos 2.pdf
LucasEduardoSilva7
 
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardoEletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Carlos Melo
 
Pop manutenção elétrica
Pop manutenção elétricaPop manutenção elétrica
Pop manutenção elétrica
FcoAfonso
 
Metodos de chaves de partida para motores.ppt
Metodos de chaves de partida para motores.pptMetodos de chaves de partida para motores.ppt
Metodos de chaves de partida para motores.ppt
MauroArthuzo1
 
Livro de comando eletricos-antonio inacio ferraz, eletronica-agropecuária-col...
Livro de comando eletricos-antonio inacio ferraz, eletronica-agropecuária-col...Livro de comando eletricos-antonio inacio ferraz, eletronica-agropecuária-col...
Livro de comando eletricos-antonio inacio ferraz, eletronica-agropecuária-col...
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Apostila de automação com clp em linguagem ladder
Apostila de automação com clp em linguagem ladderApostila de automação com clp em linguagem ladder
Apostila de automação com clp em linguagem ladder
marv2
 
Docslide.com.br aula01 eletricidade-industrial
Docslide.com.br aula01 eletricidade-industrialDocslide.com.br aula01 eletricidade-industrial
Docslide.com.br aula01 eletricidade-industrial
Fábio Costa
 
Aula - CLP & Linguagem Ladder
Aula - CLP & Linguagem LadderAula - CLP & Linguagem Ladder
Aula - CLP & Linguagem Ladder
Anderson Pontes
 
Liga e desliga com um unico botao
Liga e desliga com um unico botaoLiga e desliga com um unico botao
Liga e desliga com um unico botao
Ademir Santos
 
Eletricidade predial simbologiav2
Eletricidade predial simbologiav2Eletricidade predial simbologiav2
Eletricidade predial simbologiav2
Carlos Melo
 
Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )
Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )
Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )
Ricardo Akerman
 
Levantamento de carga
Levantamento de cargaLevantamento de carga
Levantamento de carga
Carlos Melo
 
Dimensionamento partida direta de motores
Dimensionamento partida direta de motoresDimensionamento partida direta de motores
Dimensionamento partida direta de motores
jccabral
 
Redes industriais introducao
Redes industriais introducaoRedes industriais introducao
Redes industriais introducao
MarcioRodrigues173060
 

Mais procurados (20)

Transformadores para medição e proteção
Transformadores para medição e proteçãoTransformadores para medição e proteção
Transformadores para medição e proteção
 
Dispositivos de Comandos elétricos
Dispositivos de Comandos elétricosDispositivos de Comandos elétricos
Dispositivos de Comandos elétricos
 
Cabine PRIMARIA - SENAI.pdf
Cabine PRIMARIA - SENAI.pdfCabine PRIMARIA - SENAI.pdf
Cabine PRIMARIA - SENAI.pdf
 
Sensores
SensoresSensores
Sensores
 
Dispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
Dispositivos Utilizados em Comandos ElétricosDispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
Dispositivos Utilizados em Comandos Elétricos
 
[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf
[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf
[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf
 
[E-BOOK 2] - Comandos Elétricos 2.pdf
[E-BOOK 2] - Comandos Elétricos 2.pdf[E-BOOK 2] - Comandos Elétricos 2.pdf
[E-BOOK 2] - Comandos Elétricos 2.pdf
 
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardoEletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
 
Pop manutenção elétrica
Pop manutenção elétricaPop manutenção elétrica
Pop manutenção elétrica
 
Metodos de chaves de partida para motores.ppt
Metodos de chaves de partida para motores.pptMetodos de chaves de partida para motores.ppt
Metodos de chaves de partida para motores.ppt
 
Livro de comando eletricos-antonio inacio ferraz, eletronica-agropecuária-col...
Livro de comando eletricos-antonio inacio ferraz, eletronica-agropecuária-col...Livro de comando eletricos-antonio inacio ferraz, eletronica-agropecuária-col...
Livro de comando eletricos-antonio inacio ferraz, eletronica-agropecuária-col...
 
Apostila de automação com clp em linguagem ladder
Apostila de automação com clp em linguagem ladderApostila de automação com clp em linguagem ladder
Apostila de automação com clp em linguagem ladder
 
Docslide.com.br aula01 eletricidade-industrial
Docslide.com.br aula01 eletricidade-industrialDocslide.com.br aula01 eletricidade-industrial
Docslide.com.br aula01 eletricidade-industrial
 
Aula - CLP & Linguagem Ladder
Aula - CLP & Linguagem LadderAula - CLP & Linguagem Ladder
Aula - CLP & Linguagem Ladder
 
Liga e desliga com um unico botao
Liga e desliga com um unico botaoLiga e desliga com um unico botao
Liga e desliga com um unico botao
 
Eletricidade predial simbologiav2
Eletricidade predial simbologiav2Eletricidade predial simbologiav2
Eletricidade predial simbologiav2
 
Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )
Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )
Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )
 
Levantamento de carga
Levantamento de cargaLevantamento de carga
Levantamento de carga
 
Dimensionamento partida direta de motores
Dimensionamento partida direta de motoresDimensionamento partida direta de motores
Dimensionamento partida direta de motores
 
Redes industriais introducao
Redes industriais introducaoRedes industriais introducao
Redes industriais introducao
 

Semelhante a Chave seccionadora, Sensor indutivo e Relé temporizador

01 cabines primárias parte 1
01 cabines primárias   parte 101 cabines primárias   parte 1
01 cabines primárias parte 1
pereirajosepereira
 
Contatores e relés
Contatores e relésContatores e relés
Contatores e relés
Antonio Carlos Pedrassi
 
Redes e Subestação de Energia Iª PARTE
Redes e Subestação de Energia Iª PARTERedes e Subestação de Energia Iª PARTE
Redes e Subestação de Energia Iª PARTE
Adão manuel Gonga
 
Estrela triângulo
Estrela triânguloEstrela triângulo
Estrela triângulo
Valdineilao Lao
 
COMANDOS ELETRICOS.ppt
COMANDOS ELETRICOS.pptCOMANDOS ELETRICOS.ppt
COMANDOS ELETRICOS.ppt
JacksonAugusto7
 
Maria fernanda fisica
Maria fernanda fisicaMaria fernanda fisica
Maria fernanda fisica
Cristiane Tavolaro
 
Tudo sobre relés
Tudo sobre relésTudo sobre relés
Tudo sobre relés
Gustavo de Andrade Coelho
 
Apostila acionamentos 2005
Apostila acionamentos 2005Apostila acionamentos 2005
Apostila acionamentos 2005
CESP - Companhia Energética de São Paulo
 
Apostila_Acionamentos_CEFETRJ.pdf
Apostila_Acionamentos_CEFETRJ.pdfApostila_Acionamentos_CEFETRJ.pdf
Apostila_Acionamentos_CEFETRJ.pdf
ssuser823aef
 
Curso de Operação em Subestação para LT_JAN-2023.pptx
Curso de Operação em Subestação para LT_JAN-2023.pptxCurso de Operação em Subestação para LT_JAN-2023.pptx
Curso de Operação em Subestação para LT_JAN-2023.pptx
Alan539599
 
Relés Domine O Uso Para Autos Parte I
Relés Domine O Uso Para Autos Parte IRelés Domine O Uso Para Autos Parte I
Relés Domine O Uso Para Autos Parte I
SOM AMBIENTE®
 
16 manual instalador
16 manual instalador16 manual instalador
16 manual instalador
Miguel Eletricista
 
Eletropneumatica
EletropneumaticaEletropneumatica
Eletropneumatica
Elvis Bruno
 
Grupo 12 lixo robô
Grupo 12 lixo robôGrupo 12 lixo robô
Grupo 12 lixo robô
Gabriel Cabral da Silva
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
Keila Guedes
 
Apostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricosApostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricos
Marcelo Pozati
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
andydurdem
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
andydurdem
 
slides - sae.pdf
slides - sae.pdfslides - sae.pdf
slides - sae.pdf
filipeisep
 
Trabalho Senai completo sensores coma dos.pptx
Trabalho Senai completo sensores coma dos.pptxTrabalho Senai completo sensores coma dos.pptx
Trabalho Senai completo sensores coma dos.pptx
DayanaFrancielly
 

Semelhante a Chave seccionadora, Sensor indutivo e Relé temporizador (20)

01 cabines primárias parte 1
01 cabines primárias   parte 101 cabines primárias   parte 1
01 cabines primárias parte 1
 
Contatores e relés
Contatores e relésContatores e relés
Contatores e relés
 
Redes e Subestação de Energia Iª PARTE
Redes e Subestação de Energia Iª PARTERedes e Subestação de Energia Iª PARTE
Redes e Subestação de Energia Iª PARTE
 
Estrela triângulo
Estrela triânguloEstrela triângulo
Estrela triângulo
 
COMANDOS ELETRICOS.ppt
COMANDOS ELETRICOS.pptCOMANDOS ELETRICOS.ppt
COMANDOS ELETRICOS.ppt
 
Maria fernanda fisica
Maria fernanda fisicaMaria fernanda fisica
Maria fernanda fisica
 
Tudo sobre relés
Tudo sobre relésTudo sobre relés
Tudo sobre relés
 
Apostila acionamentos 2005
Apostila acionamentos 2005Apostila acionamentos 2005
Apostila acionamentos 2005
 
Apostila_Acionamentos_CEFETRJ.pdf
Apostila_Acionamentos_CEFETRJ.pdfApostila_Acionamentos_CEFETRJ.pdf
Apostila_Acionamentos_CEFETRJ.pdf
 
Curso de Operação em Subestação para LT_JAN-2023.pptx
Curso de Operação em Subestação para LT_JAN-2023.pptxCurso de Operação em Subestação para LT_JAN-2023.pptx
Curso de Operação em Subestação para LT_JAN-2023.pptx
 
Relés Domine O Uso Para Autos Parte I
Relés Domine O Uso Para Autos Parte IRelés Domine O Uso Para Autos Parte I
Relés Domine O Uso Para Autos Parte I
 
16 manual instalador
16 manual instalador16 manual instalador
16 manual instalador
 
Eletropneumatica
EletropneumaticaEletropneumatica
Eletropneumatica
 
Grupo 12 lixo robô
Grupo 12 lixo robôGrupo 12 lixo robô
Grupo 12 lixo robô
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
 
Apostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricosApostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricos
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
 
slides - sae.pdf
slides - sae.pdfslides - sae.pdf
slides - sae.pdf
 
Trabalho Senai completo sensores coma dos.pptx
Trabalho Senai completo sensores coma dos.pptxTrabalho Senai completo sensores coma dos.pptx
Trabalho Senai completo sensores coma dos.pptx
 

Último

Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenhariaAula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
JosAtila
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
Consultoria Acadêmica
 
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60AManual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Tronicline Automatismos
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
Vilson Stollmeier
 
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
carlos silva Rotersan
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
Consultoria Acadêmica
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 

Último (7)

Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenhariaAula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
 
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60AManual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
 
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
 

Chave seccionadora, Sensor indutivo e Relé temporizador

  • 1.
  • 2.
  • 3. Esse equipamento de manobra conhecido durante décadas como chave seccionadora, teve sua designação normalizada pela ABNT, nas NBR's 6935/85 e 7571/85 que trata do equipamento, ou seja, foi renomeado como secionador. Porém, face ao que é comumente usado, continuaremos a tratá-lo como chave seccionadora. Equipamentos de manobra são componentes do sistema elétrico de potência que têm não somente a função de estabelecer a união entre geradores, transformadores, consumidores e linhas de transmissão e separá-los ou secioná-los de acordo com as exigências desse serviço, como também são utilizados praticamente para proteção de todos os componentes elétricos contra a atuação perigosa de sobre-cargas, correntes de curto-circuito e contatos a terra. As chaves seccionadoras são equipamentos que fazem parte do grupo denominado Equipamento de Manobra. As chaves são dispositivos mecânicos de manobra, que na posição aberta assegura uma distância de isolamento e na posição fechada mantêm a continuidade do circuito elétrico, nas condições especificadas.
  • 4. Conforme a norma NBR 6935, secionador é:  “Um dispositivo mecânico de manobra capaz de abrir e fechar um circuito elétrico quando uma corrente de intensidade desprezível é interrompida ou restabelecida. Também é capaz de conduzir correntes sob condições normais do circuito e, durante um tempo especificado, correntes sob condições anormais, como curto-circuito“.
  • 5.  Abertura Lateral O secionador SAL/PMB40 obedece o padrão construtivo AL da ABNT. Cada pólo é composto por duas colunas de isoladores, sendo uma fixa e outra rotativa. A coluna rotativa é responsável pelo acionamento do equipamento. Quando acionado o comando motorizado, que é responsável pelo acionamento da coluna rotativa, este modelo de chave abre lateralmente.
  • 6.  Abertura Central O secionador SAC obedece o padrão construtivo AC da ABNT. Cada pólo é composto por duas colunas de isoladores, sendo ambas rotativas. A coluna rotativa é responsável pelo acionamento do equipamento. A abertura deste modelo de chave acontece bem no centro da lâmina principal no momento que é acionado o mecanismo motorizado.
  • 7.  Dupla Abertura Lateral O modelo secionador SDA obedece o padrão construtivo da ABNT ou o tipo B da ANSI. Cada pólo é composto por duas colunas laterais fixas e uma central rotativa. A coluna rotativa que é central é responsável pelo acionamento do equipamento. Acionando o comando motorizado, acontece o acionamento da coluna rotativa, abrindo o polo seccionador duplamente em suas extremidades, por isso é considerada dupla abertura. Em Furnas verificamos durante o estágio que este modelo é muito utilizado. Os grandes fornecedores deste tipo de chave são Camargo Corrêa, Laelc, Siemens.
  • 8.  Abertura Vertical Obedece ao padrão construtivo AV da ABNT ou o tipo A da ANSI. Cada pólo é composto por três colunas de isoladores, sendo duas fixas e uma rotativa. A coluna rotativa fica em uma extremidade, junto ao mecanismo de acionamento do equipamento é responsável pelo acionamento do equipamento. Quando acionado o comando motorizado, que é responsável pelo acionamento da coluna rotativa, a abertura desta chave acontece verticalmente. Os grandes fornecedores deste tipo de chave são Camargo Corrêa, Laelc, Siemens. Podemos ter chaves neste modelo que podem operar em tensões de até 800kV.
  • 9.  Abertura Semi-Pantográfica Vertical Obedece ao tipo SV da ABNT. Quanto à composição das colunas de isoladores e o tipo de fechamento vertical, podem ser os seguintes modelos: A coluna rotativa fica em uma extremidade, junto ao mecanismo de acionamento do equipamento é responsável pelo acionamento do equipamento. Quando acionado o comando motorizado, que é responsável pelo acionamento da coluna rotativa, a abertura desta chave acontece verticalmente, ocorrendo um desdobramento central, pois no centro da lamina principal, os contatos são todos articulados. Portanto neste caso o tipo de abertura é semi-pantográfica. Como esta chave é montada verticalmente em uma subestação, ela é considerada montagem vertical. Os grandes fornecedores deste tipo de chave são Camargo Corrêa, Laelc, Siemens. Podemos ter chaves neste modelo que podem operar em tensões de 345kV até 550kV.
  • 10.  Lâmina Terra É uma chave de terra acoplada a um seccionador, serve para aterrar a parte do circuito secionado e desenergizado, mas que pode estar com carga capacitiva ou ainda ter uma tensão induzida por linhas energizadas próximas ao circuito aberto. A lâmina de terra possui um comando independente ao comando do seccionador, porém ambas devem estar intertravadas mecanicamente para evitar que a lâmina de terra seja fechada quando o seccionador estiver fechado e vice-versa. A lâmina de terra não precisa ter capacidade de condução de uma corrente nominal, mas deve ter capacidade para suportar corrente de curta duração.
  • 11. Algumas peças que compõe o seccionador são:  Base ~ É construída em aço laminado, galvanizado a quente, com perfis U, I, U dupla, treliça ou tubos de aço de parede reforçada.  Mancal ~ É a parte rotativa da base do seccionador, onde o será fixado a coluna rotativa.  Sub-Bases(Sup. Isolador) ~ Destinam-se a elevar a altura da coluna isolante, equiparando-se com as outras.  Coluna Isolante ~ As colunas isolantes mantêm a isolação entre a parte viva e a base do secionador, é, portanto parte fundamental na função isolante do seccionador.  Lâmina Principal ~ É feita de tubo ou barra de material altamente condutor (cobre ou alumínio); é uma peça móvel que na posição fechada do seccionador conduz a corrente elétrica de um terminal a outro e na posição aberta assegura uma distância de isolamento.
  • 12.  Contatos É o conjunto de duas ou mais peças condutoras de um seccionador, destinadas a assegurar a continuidade do circuito quando se tocam, e que devido ao seu movimento relativo durante uma operação, fecham ou abrem esse circuito. O contato propriamente dito é então feito através das superfícies de prata ou sua liga. A pressão nos contatos é dada por molas de aço inox, bronze fosforoso ou cobre-berílio. É a parte do seccionador que mais apresenta problemas, com necessidade de substituição, pois é onde ocorre o contato direto entre contato móvel da lâmina principal.
  • 13.
  • 14. Nos sistemas de automação, os sensores desempenham um papel fundamental. São responsáveis pela conversão de uma grandeza física para um sinal elétrico, que pode ser compreendido pelo controlador lógico programável (CLP). Dentre os inúmeros tipos de sensores com diferentes funções, existe o sensor indutivo. Este tipo de sensor apresenta a capacidade de detectar objetos metálicos em pequenas distâncias. Sendo, portanto, definido como um sensor de proximidade. O sensor indutivo possui algumas características que tornam seu uso uma opção muito viável e vantajosa na aplicação em sistemas industriais. Por não possuírem partes móveis, o sensor indutivo possue uma vida útil prolongada em relação aos sensores fim de curso que utilizam contatos mecânicos. Adicionalmente, são componentes muito bem vedados e que podem trabalhar em ambientes com poeira (não metálica) e até mesmo em contato com líquidos. E apesar da pequena distância de detecção, apresenta ótima precisão e, portanto, repetibilidade em medições de proximidade.
  • 15. O sensor indutivo é composto por um núcleo de ferrite envolto por uma bobina, um circuito oscilador e, por fim, um circuito disparador em conjunto com um amplificador (Disparador de Schmitt). Como apresentado na figura abaixo:
  • 16. Os sensores indutivos podem ser aplicados em diferentes funções relacionadas à percepção de proximidade. Dentre as principais aplicações deste tipo de sensor estão:  Detecção de presença ou ausência de um material metálico;  Detecção de passagem de material;  Detecção de fim de curso;  Contagem e reconhecimento de pulsos por meio de componente mecânico dentado;  Identificação de materiais metálicos;  Leitura de posição (longa distância). O sensor indutivo é um dispositivo que apresenta versatilidade, oferece segurança nas aplicações de automação e, portanto, possui grande utilidade na indústria.
  • 17.
  • 18. Relé temporizador ou simplesmente rele de tempo ou timer, é o termo utilizado para denominar qualquer relé com a capacidade de realizar operações de chaveamento com manipulação de tempo. Pode ser um dispositivo desenvolvido especificamente para essa aplicação ou simplesmente um modulo auxiliar, que quando acoplado ao relé e/ou sua base exerce a mesma funcionalidade. As principais funções desse tipo de relé são retardo na energização e retardo na desenergização, geração de pulsos (também chamado de ciclico ou blink) dentre muitas outras. Porém atualmente existe uma tendência ao uso de temporizadores capazes de desempenhar múltiplas funções em diferentes escalas e intervalos de tempo ou alimentação, tal como o temporizador multifunção – CIM, ou CRV/CSV que pode ter até 15 funções diferentes num único timer, ambos fabricados pelo grupo Comat Releco.
  • 19. O mecanismo do relé temporizador manipula a comutação de um mecanismo relé (eletromecânico ou estado sólido), esse mecanismo pode ser desempenhado por um sistema eletromecânico, com eletrônica convencional ou por um sistema micro processado. Quando o relé é alimentado por uma fonte de energia, o estado de seus contatos será alterado depois de um determinado período de tempo pré- estabelecido em seu seletor ou programação.
  • 20. Podem funcionar de duas maneiras:  Ondellay: Quando a bobina de um rele temporizador on- delay é energizada (ou no caso de modelos de estado sólido as entradas), os contatos mudam os estados depois do um tempo pré determinado. É utilizado em um circuito em que se deseja que a bobina seja acionada após certo tempo (ajustado pelo operador). Nesse exato momento, todos os contatos da bobina, que são do tipo NF, passam a abrir, e os contatos do tipo NA passam a fechar, até que as condições de energização sejam desativadas.  Offdelay: Quando a bobina ou entrada de um rele temporizador off-delay é energizada, os contatos mudam imediatamente os estados e depois de um tempo pré determinado voltam para a posição original. É utilizado quando necessitamos deixar um equipamento ligado durante certo tempo, mesmo após a condição de ativação ser desligada.
  • 21. São muitas as aplicações possíveis para esse tipo de relé, dentre as principais:  Prevenção de sobrecarga no sistema de potência durante partidas de motores  Ligação de motores de estrela pra triângulo  Padronização de sinais para CLP’s  Auxilio na Automação e sincronismo industrial  Chaves compensadoras e quadros de comando