INFLUÊNCIA DO ÂNGULO DO JOELHO E DA POSIÇÃO
DOS ELETRODOS NA ELETROMIOGRAFIA DO MÚSCULO
VASTO LATERAL EM DIFERENTES INTENS...
INTRODUÇÃO
Na última década, o número de pesquisas que
utilizam a eletromiografia (EMG) para investigar a
ativação muscula...
Eletromiografia (EMG) bipolar amplamente
utilizada
 Avaliação do treinamento muscular (Paz et al., 2014)
 Fadiga muscula...
INFLUENCIADORES NAS RESPOSTA DO EMG
BIPOLAR
 Distância entre os eletrodos (SENIAM)
 Posicionamento dos eletrodos em rela...
RELAÇÃO EMG X AP
 Manal et al. (2008): Aumento do sinal EMG e concomitante
aumento do ângulo de penação (AP) à medida que...
ÂNGULO DE PENAÇÃO X TORQUE
 Zuniga et al. (2010): Compararam orientação na direção das fibras e
perpendicular às mesmas em diversas intensidades de ...
Investigar o efeito de dois posicionamentos de eletrodos em
dois ângulos do joelho no sinal EMG do músculo vasto lateral
(...
MÉTODOS
Amostra:
 Nove homens e oito mulheres saudáveis (26,5±5,1 anos; 1,66±0,09m;
64,4±12,3kg)
 Voluntários
 Pratican...
Eletromiógrafo Biometrics (Inglaterra)
 Eletrodos encapsulados
 Sistema de aquisição DataLink
 Frequência de amostragem...
INSTRUMENTOS
 Ultrassom SD800
(Aloka)
INSTRUMENTOS
 Isocinético
BIODEX
SYSTEM 4
PRO (USA)
PROTOCOLO DE TESTES
 Contração isométrica máxima com o joelho em 90º e 120º.
 Contrações isométricas em 25%, 50% e 75% d...
PROCESSAMENTO E ESTATÍSTICA
 Processamento do EMG em Matlab.
 De todos os sinais EMG foram retirados os valores RMS
(RMS...
RESULTADOS
Ângulo de penação (AP) no repouso e nas quatro cargas, nos dois ângulos do joelho. O
ângulo não influenciou o AP para qual...
Valor RMS-EMG (uV) nas cargas e nos dois canais (A e B). Não houve efeito do ângulo para as
outras cargas. Não houve efeit...
A diferença no posicionamento dos eletrodos só produziu efeito significativo na FM com
o joelho em 90º com carga de 50% (p...
O ângulo do joelho produziu efeito na FM para 25%, (p=0,016; TE=0,64), 50%
(p<0,001; TE=0,82) e 75% (p<0,001; TE=0,70), ma...
O efeito do ângulo articular no sinal RMS deve estar associado ao
comprimento muscular, que influencia a capacidade do mú...
ARABADZHIEV TI, Dimitrov VG, Dimitrova NA, Dimitrov GV. Influence of motor unit synchronization on amplitude characteristi...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

apresentacao2.0

312 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
312
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

apresentacao2.0

  1. 1. INFLUÊNCIA DO ÂNGULO DO JOELHO E DA POSIÇÃO DOS ELETRODOS NA ELETROMIOGRAFIA DO MÚSCULO VASTO LATERAL EM DIFERENTES INTENSIDADES DE CONTRAÇÃO ISOMÉTRICA Alunos:  João Paulo Galano de Lima  Jéssica de Jesus Souza Cid Orientadores:  Felipe Torres Miranda de Oliveira  Carlos Gomes de Oliveira Laboratório de Biomecânica Escola de Educação Física e Desportos XXXVII Jornada Giulio Massarani de Iniciação Científica
  2. 2. INTRODUÇÃO Na última década, o número de pesquisas que utilizam a eletromiografia (EMG) para investigar a ativação muscular durante exercícios resistidos aumentou exponencialmente (Arabadzhiev et al., 2010).
  3. 3. Eletromiografia (EMG) bipolar amplamente utilizada  Avaliação do treinamento muscular (Paz et al., 2014)  Fadiga muscular (Carregaro et al., 2012)  Estimativa de força muscular (Staudenmann et al., 2012) INTRODUÇÃO
  4. 4. INFLUENCIADORES NAS RESPOSTA DO EMG BIPOLAR  Distância entre os eletrodos (SENIAM)  Posicionamento dos eletrodos em relação à orientação das fibras  Posicionamento em relação ao ponto motor  Impedância do eletrodo  Ângulo articular  Ângulo de penação  Outros
  5. 5. RELAÇÃO EMG X AP  Manal et al. (2008): Aumento do sinal EMG e concomitante aumento do ângulo de penação (AP) à medida que a intensidade de contração aumentava. Concluíram que seria possível inferir sobre o AP a partir do sinal EMG.  Entretanto: Aumento da demanda, aumenta o sinal EMG e o AP, portanto não pode ser considerada uma relação causal EMG x AP.
  6. 6. ÂNGULO DE PENAÇÃO X TORQUE
  7. 7.  Zuniga et al. (2010): Compararam orientação na direção das fibras e perpendicular às mesmas em diversas intensidades de contração isométrica. Concluíram que na direção das fibras a amplitude do EMG é maior em contrações mais intensas, mas não viram alteração na frequência mediana (FM).  Housh et al. (2009): Mesmo tipo de comparação em exercício em cicloergômetro. Encontrou resultados similares aos de Zuniga et al. (2010).  Resultados similares para eretores da coluna (ZEDA et al., 1997). OUTROS ESTUDOS
  8. 8. Investigar o efeito de dois posicionamentos de eletrodos em dois ângulos do joelho no sinal EMG do músculo vasto lateral (VL). Posicionamento dos eletrodos: Um par foi orientado na direção das fibras musculares em repouso (C1) e o outro formando 15o medialmente com o primeiro (C2). Este último posicionamento considerou o aumento médio do ângulo de penação nas contrações mais intensas O Ângulo articular do joelho foram 90 e 120 graus OBJETIVO
  9. 9. MÉTODOS Amostra:  Nove homens e oito mulheres saudáveis (26,5±5,1 anos; 1,66±0,09m; 64,4±12,3kg)  Voluntários  Praticantes de atividade física regular ou não
  10. 10. Eletromiógrafo Biometrics (Inglaterra)  Eletrodos encapsulados  Sistema de aquisição DataLink  Frequência de amostragem: 1000Hz B A INSTRUMENTOS
  11. 11. INSTRUMENTOS  Ultrassom SD800 (Aloka)
  12. 12. INSTRUMENTOS  Isocinético BIODEX SYSTEM 4 PRO (USA)
  13. 13. PROTOCOLO DE TESTES  Contração isométrica máxima com o joelho em 90º e 120º.  Contrações isométricas em 25%, 50% e 75% das máximas respectivas em 90º e 120º (ordem contrabalanceada e alvos por feedback na tela do computador do Biodex).  Medição do AP durante cada contração após congelamento da imagem no equipamento de ultrassom.  Duração dos testes máximos: 3s.  Registros dos testes submáximos: 3s após atingido o alvo.  Intervalo entre testes: 3 min
  14. 14. PROCESSAMENTO E ESTATÍSTICA  Processamento do EMG em Matlab.  De todos os sinais EMG foram retirados os valores RMS (RMS-EMG) e a frequência mediana (FM).  ANOVA para medidas repetidas com duas entradas: ângulo do joelho (90º e 120º) e posição dos pares de eletrodos (A e B). Post Hoc de Bonferroni.  Índice de significância de 0,05.
  15. 15. RESULTADOS
  16. 16. Ângulo de penação (AP) no repouso e nas quatro cargas, nos dois ângulos do joelho. O ângulo não influenciou o AP para qualquer carga.
  17. 17. Valor RMS-EMG (uV) nas cargas e nos dois canais (A e B). Não houve efeito do ângulo para as outras cargas. Não houve efeito do canal e para todas as cargas. p=0,006 p=0,004
  18. 18. A diferença no posicionamento dos eletrodos só produziu efeito significativo na FM com o joelho em 90º com carga de 50% (p=0,003; TE=0,68).
  19. 19. O ângulo do joelho produziu efeito na FM para 25%, (p=0,016; TE=0,64), 50% (p<0,001; TE=0,82) e 75% (p<0,001; TE=0,70), mas não para 100% (p=0,573).
  20. 20. O efeito do ângulo articular no sinal RMS deve estar associado ao comprimento muscular, que influencia a capacidade do músculo gerar torque máximo. O efeito do ângulo articular na FM pode também ter relação com o arranjo das fibras musculares nos dois ângulos. A variabilidade intrínseca do sinal EMG pode ter sido maior do que a promovida pela diferença inerente aos 15o formados entre os pares de eletrodos, o que resultou na falta de efeito da mesma sobre os parâmetros analisados. CONCLUSÃO
  21. 21. ARABADZHIEV TI, Dimitrov VG, Dimitrova NA, Dimitrov GV. Influence of motor unit synchronization on amplitude characteristics of surface and intramuscularly recorded EMG signals. Eur J Appl Physiol 108:227–237, 2010. CARREGARO et al. Muscle fatigue and metabolic responses following three different antagonist pre-load resistance exercises. Journal of Electromyography and Kinesiology 23 (2013) 1090–1096 HOUSH et al. The effects of electrode orientation on electromyographic amplitude and mean power frequency during cycle ergometry. J Neurosci Methods; 184(2): 256-62, 2009. KURT et al. Can pennation angles be predicted from EMGs for the primary ankle plantar and dorsiflexors during isometric contractions?, Journal of Biomechanics, 2008, 41, 2492–2497. MANAL et al. Can pennation angles be predicted from EMGs for the primary ankle plantar and dorsiflexors during isometric contractions?, Journal of Biomechanics, 2008, 41, 2492–2497. PAZ et al. Atividade eletromiográfica dos músculos extensores do tronco durante exercícios de estabilização lumbar. Rev Andal Med Deporte. 2014;7(2):72-7. ZUNIGA et al. The effects of parallel versus perpendicular electrode orientations on EMG amplitude and mean power frequency from the biceps brachii. Electromyogr Clin Neurophysiol; 50(2): 87-96, 2010. ZEDKA et al. Comparison of surface EMG signals between electrode types, interelectrode distances and electrode orientations in isometric exercise of the erector spinae muscle. Electromyogr Clin Neurophysiol; 37(7): 439-47, 1997. REFERÊNCIAS

×