SlideShare uma empresa Scribd logo

Comparativo da atividade elétrica do músculo multífido durante o Pilates, série de Williams e Estabilização Segmentar

Dra. Welker Fisioterapeuta
Dra. Welker Fisioterapeuta
Dra. Welker FisioterapeutaFisioterapeuta em Clinica Deckers

Comparativo atividade elétrica músculo multífido durante diversos exercícios

Comparativo da atividade elétrica do músculo multífido durante o Pilates, série de Williams e Estabilização Segmentar

1 de 8
Baixar para ler offline
Fisioter Mov. 2013 jan/mar;26(1):87-94
ISSN 0103-5150
Fisioter. Mov., Curitiba, v. 26, n. 1, p. 87-94, jan./mar. 2013
Licenciado sob uma Licença Creative Commons
[T]
Análise comparativa da atividade elétrica do
músculo multífido durante exercícios do Pilates,
série de Williams e Spine Stabilization
[I]
Analysis of the multifidus muscle during Pilates,
Williams´ flexion and Spine Stabilization
[A]
Mônica Angélica Cardoso Silva[a]
, Josilainne Marcelino Dias[b]
, Mariana Felipe Silva[c]
,
Bruno Fles Mazuquin[d]
, Taufik Abrão[e]
, Jefferson Rosa Cardoso[f]
[a]
Mestranda do Programa Associado em Ciências da Reabilitação (UEL-Unopar), Londrina, PR - Brasil, e-mail:
monicaa_cardoso@hotmail.com
[b]
Doutoranda do Programa Associado em Educação Física (UEL-Unopar), Londrina, PR - Brasil, e-mail: lainne@hotmail.com
[c]
Mestranda do Programa Associado em Ciências da Reabilitação (UEL-Unopar), Londrina, PR - Brasil, e-mail:
marianaf.fisio@gmail.com
[d]
Mestrando do Programa Associado em Ciências da Reabilitação (UEL-Unopar), Londrina, PR - Brasil, e-mail:
bruno_mazuka@hotmail.com
[e]
Pós-Doutor em Sistemas de Telecomunicações pela University of Southampton, professor associado do Departamento de
Engenharia Elétrica, Universidade Estadual de Londrina (UEL) Londrina, PR - Brasil, e-mail: taufik.abrao@gmail.com
[f]
Doutor em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), coordenador do Laboratório de Biomecânica
e Epidemiologia Clínica, Grupo PAIFIT, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, PR - Brasil, e-mail:
jeffcar@uel.br
[R]
Resumo
Introdução:Afraquezadamusculaturaparaespinhalestárelacionadaàetiologiadadorlombar.Atualmenteexis-
tem vários métodos que apresentam exercícios para o fortalecimento dessa musculatura. Objetivos: Comparar
e analisar o sinal eletromiográfico do músculo multífido bilateralmente durante exercícios do método Pilates,
série de Williams e Spine Stabilization. Materiais e métodos: Participaram do estudo dez mulheres voluntárias
e saudáveis que realizaram os exercícios leg pull front support modificado do Pilates, o quarto exercício da série
adicional de Williams e o quadruped exercise do Spine Stabilization. O sinal foi normalizado pelo pico eletromio-
gráfico da atividade dinâmica e foram ajustados para 2000 amostras por segundo e o filtro em uma frequência de
passagem de 20 a 450 Hz. A ANOVA foi utilizada para verificar diferenças entre os exercícios, o teste t para amos-
tras dependentes foi usado para comparar a ativação entre os lados direito e esquerdo do multífido para cada
Fisioter Mov. 2013 jan/mar;26(1):87-94
Silva MAC, Dias JM, Silva MF, Mazuquin BF, Abrão T, Cardoso JR.
88
Introdução
A estabilidade dinâmica da coluna vertebral
está relacionada com a musculatura paraespinhal,
composta pelos músculos iliocostal, longuíssimo do
dorso, espinhais e multífidos (1, 2). Na fadiga dessa
musculatura, ocorre sobrecarga sobre os elementos
passivos responsáveis pela estabilidade da coluna
vertebral (cápsulas, ligamentos e discos interverte-
brais), o que causa danos a estruturas sensíveis à
distensão e dor (3). A fadiga excessiva desses mús-
culos paraespinhais é muitas vezes associada à dor
lombar crônica (4).
Estudos biomecânicos e clínicos mostram que os
músculos promovem a estabilização segmentar por
meio do controle motor da região neutra e que esta
pode ser recuperada dentro das limitações fisioló-
gicas por um controle muscular efetivo (5, 6). Em
indivíduos com lombalgia crônica observou-se, por
exame de ressonância magnética, 80% de degene-
ração dos músculos multífidos (7). Em função desse
desequilíbrio dos multífidos, diversos métodos são
utilizados atualmente na prática clínica para o for-
talecimento dos músculos estabilizadores da coluna,
entre eles, pode-se citar o Pilates, a Série de Williams
e o Spine Stabilization.
exercício. Resultados e considerações finais: Na comparação entre os exercícios, observaram-se diferenças
significativas para o músculo multífido a favor do exercício do método Pilates tanto na fase concêntrica quanto na
excêntrica, o que demonstra ser o exercício de melhor ativação elétrica para o músculo analisado.
[P]
Palavras-chave: Eletromiografia. Exercício. Fisioterapia.
[B]Abstract
Introduction: The back muscle weakness is related with the etiology of low back pain. Nowadays, there are
several methods the focus is on back muscle strengthening. Objectives: The purpose of this study was to com-
pare and analyze the multifidus muscle bilaterally during exercises of the Pilates method, Spine Stabilization
and Williams’ flexion. Materials and methods: Ten healthy female volunteers participated in the study. They
performed the leg pull front support exercise from the Pilates method, the quadruped exercise from the Spine
Stabilization and the fourth exercise from the additional Williams’ flexion. The signal was normalized by the
electromyographic peak of the dynamic activity and was adjusted to 2000 samples/s and filter with a frequen-
cy band from 20 to 450 Hz. ANOVA was used to verify differences between the exercises, the paired-sample t test
was used to compare activation between the right and left multifidus for each exercise. Results and conclu-
sion: When the exercises where compared, statistically significant differences were observed in the concentric
and eccentric phases for the Pilates exercise, showing that this exercise is the one who activates the muscula-
ture the most between the exercises evaluated.
[K]
Keywords: Electromyography. Exercises. Physical Therapy.
O Pilates é um método que tem sido bem difundi-
do na atualidade e possui vantagens como estimular
a circulação, melhorar o condicionamento físico, a
flexibilidade, a amplitude muscular e o alinhamento
postural (8, 9). Foi desenvolvido por Joseph Pilates
durante a Primeira Guerra Mundial e reúne conceitos
de ginástica, yoga, artes marciais e dança. O siste-
ma básico possui exercícios para todo o corpo e foca
principalmente o fortalecimento das musculaturas
abdominal e paravertebral e também a flexibilidade
da coluna (9, 10). A Série de Williams foi desenvolvida
por Paul Williams, em 1937, como um programa de
exercícios que tem como proposta reduzir a dor e
promover estabilidade de tronco em pacientes com
dor lombar crônica (11). O Spine Stabilization salienta
a importância da força, do controle e da resistência,
requerendo o uso de toda a musculatura do tronco
(12). Estudos demonstram que os exercícios do mé-
todo são mais eficientes em pacientes que possuem
instabilidade da coluna vertebral (13, 14).
Na prática clínica, é necessário o conhecimento
sobre quais exercícios oferecem maior dificuldade de
realização para que uma progressão adequada seja
realizada. Além disso, o uso de exercícios não é exclu-
sivo à reabilitação, sendo muitas vezes utilizado na
prevenção de condições dolorosas, como a lombalgia.
Fisioter Mov. 2013 jan/mar;26(1):87-94
Análise comparativa da atividade elétrica do músculo multífido durante exercícios do Pilates,
série de Williams e Spine Stabilization
89
Procedimento
Antes do início das coletas foi realizada a limpeza
com álcool 70% e tricotomia do local. Os eletrodos
foram posicionados sobre o músculo multífido no ní-
vel de L5, 3 cm de seu processo espinhoso seguindo
a recomendação SENIAM (Surface Electromyography
for the Non Invasive Assessment of Muscles). A dis-
tância intereletrodos foi de 2 cm, seguindo a di-
reção da fibra muscular. O eletrodo de referência
foi posicionado no processo estiloide da ulna do
membro superior não dominante. Foram realizadas
três repetições de cada exercício, com intervalo de
3 segundos entre elas. Entre cada exercício foi es-
tabelecido um intervalo de 5 minutos na tentativa
de prevenir a fadiga muscular. A ordem de execução
dos exercícios foi definida por sorteio simples.
Antes da execução do exercício, as participantes
realizaram dois exercícios preparatórios do Pilates
como aquecimento: Breathing e Prone hip exten-
sion. Os exercícios utilizados foram: Leg Pull front
support (modificado), do método Pilates (Figura
1-A), o quarto exercício da série adicional, da Série
de Williams (Figura 1-B) e o quadruped exercise do
Spine Stabilization (Figura 1-C).
Na literatura, há uma carência de estudos que com-
parem diferentes métodos de exercício para os exten-
sores do tronco. Assim, o estudo tem como objetivo
comparar e analisar por meio da eletromiografia de
superfícieomúsculomultífidobilateralmentedurante
um exercício de Pilates, um da Série de Williams e um
do Spine Stabilization em mulheres saudáveis.
Método
Participantes
A amostra foi de dez mulheres voluntárias, saudá-
veis, de 18 a 25 anos, com idade média de 21,5 anos
(DP = 0,64) e índice de massa corporal médio de 19,6
kg/cm2
(DP = 0,4). Os critérios de exclusão foram:
praticantes de atividades físicas regulares, lombalgia,
protrusão de disco intervertebral, cirurgias abdomi-
nais ou de coluna prévias, espondilolistese, escoliose
evidente, doenças neurológicas ou infecciosas, cân-
cer e gravidez. As participantes assinaram o Termo
de Consentimento Livre e Esclarecido. O estudo
foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da
Universidade Estadual de Londrina (CEP 266/07).
A
B
C
Figura 1- Exercícios analisados: Leg pull front support, do método Pilates (A); quarto exercício da série adicional, da Série de
Williams (B); e Quadruped exercise, do Spine Stabilization
Fonte: Lab. PAIFIT, 2013.
Fisioter Mov. 2013 jan/mar;26(1):87-94
Silva MAC, Dias JM, Silva MF, Mazuquin BF, Abrão T, Cardoso JR.
90
Resultados
As porcentagens de ativação variaram de 17%
a 25%, com maior ativação do multífido esquerdo
(ME) durante a fase concêntrica do exercício Pilates
realizado com o membro inferior direito (25,5%). Ao
comparar as porcentagens de ativação entre o ME e
multífidodireito(MD),houvediferençacomsignificân-
cianoexercícioSpineStabilizationrealizadocomolado
esquerdo, tanto na fase concêntrica, com maior recru-
tamento do MD (p = 0,03), quanto na excêntrica, que
recrutou mais o ME (p = 0,01); e na série de Williams,
na fase excêntrica, a favor do MD (p = 0,05). O mús-
culo ME ativou significativamente na fase excêntrica
nos exercícios da série de Williams (p = 0,002) e Spine
Stabilization (p = 0,02) executado com o lado direito
(Quadros1e2).Nãohouvediferençasignificantepara
o exercício do Pilates tanto ao se comparar as fases
quanto os músculos multífidos esquerdo e direito.
Na comparação entre os exercícios para o ME,
foram encontradas diferenças estatisticamente sig-
nificantes na fase concêntrica a favor do Pilates com
o membro inferior direito (25,5%) quando compara-
do aos exercícios Spine Stabilization com o membro
inferior direito (p = 0,004), Spine Stabilization com
o membro inferior esquerdo (p = 0,002) e Williams
(p = 0,003). Na fase excêntrica, diferenças significan-
tes foram encontradas a favor do Pilates com membro
inferior direito (24,6%) comparado aos exercícios
Spine Stabilization com membro inferior esquerdo
(p = 0,003) e Williams (p = 0,002); e entre o Pilates
com membro inferior esquerdo e Williams (p =
0,005), a favor do Pilates (22,6%) (Quadros 3 e 4).
Equipamento
Foi utilizado um eletromiógrafo de superfície com
8 canais (MP150; BIOPAC System Inc., Aero Camino,
CA) para obtenção dos sinais, composto por um con-
versor analógico-digital de 16 bits, frequência de cor-
te com banda de 20 a 450 Hz, ganho de amplificação
total de 2000, com razão de rejeição do modo comum
de 120 dB. Eletrodos ativos bipolares foram conecta-
dos a um pré-amplificador de alta impedância (2 MΩ).
Todos os sinais foram coletados com frequência de
amostragem de 2000 amostras por segundo por canal
utilizando um programa específico para aquisição
e análise dos dados (AcqKnowledge 3.9.1; BIOPAC
System Inc., Aero Camino, CA). Para a diferenciação
da fase concêntrica e excêntrica em cada exercício,
foi utilizada uma câmera de vídeo de 30 Hz da marca
Sony e uma placa de vídeo.
Processamento do sinal EMG
Os trechos analisados correspondem às fases
concêntricas e excêntricas de cada exercício, esta-
belecidos por meio dos dados cinemáticos. Todos os
procedimentos numéricos para obtenção dos valores
de porcentagem de ativação do valor de RMS foram
obtidos por meio de uma rotina matematicamente
elaborada em ambiente de simulação do programa
Matlab 7.6.0.324. (Mathworks, TM). Foi empregado
o pico do sinal retificado da atividade dinâmica como
valor de referência para a normalização do sinal.
Análise Estatística
Asvariáveisnuméricasforamtestadasquantoàdis-
tribuição de normalidade por meio do teste Shapiro-
Wilk. A análise de variância de medidas repetidas
(ANOVA) foi utilizada para verificar diferenças entre
os exercícios, o teste de esfericidade de Mauchly W. foi
aplicado e, quando este foi violado, correções técnicas
foram realizadas utilizando o teste de Greenhouse-
Geisser. Quando o teste F foi significante, a análise
pelo teste de comparações múltiplas de Bonferroni
foi aplicada. O teste t para amostras dependentes foi
usado para comparar a ativação entre os lados direito
e esquerdo do multífido para cada exercício. A signi-
ficância estatística foi estipulada em 5%. As análises
foram feitas no programa SPSS, versão 15.0
Quadro 1 - Comparação dos valores de porcentagem de
ativação normalizada (média e desvio padrão)
entre os multífidos direito e esquerdo na fase
concêntrica e excêntrica do Spine Stabilization
e Série de Williams
Músculo_fase X (DP) p
ME_SpineD_f1 19,39 (1,7)
0,575
MD_SpineD_f1 17,67 (2,77)
ME_SpineD_f2 20,96 (5,11)
0,086
MD_SpineD_f2 19,17 (3,75)
ME_SpineE_f1 18,03 (3,33)
0,032
MD_SpineE_f1 19,70 (2,57)
(Continua)
Fisioter Mov. 2013 jan/mar;26(1):87-94
Análise comparativa da atividade elétrica do músculo multífido durante exercícios do Pilates,
série de Williams e Spine Stabilization
91
Quadro 1 - Comparação dos valores de porcentagem de
ativação normalizada (média e desvio padrão)
entre os multífidos direito e esquerdo na fase
concêntrica e excêntrica do Spine Stabilization
e Série de Williams
Músculo_fase X (DP) p
ME_SpineE_f2 18,58 (3,22)
0,001
MD_SpineE_f2 20,80 (3,56)
ME_Will_f1 18,76 (1,67)
0,417
MD_Will_f1 19,23 (2,77)
ME_Will_f2 17,27 (2,3)
0,050
MD_Will_f2 19,18 (3,49)
ME_Will_f1 18,76 (1,67)
0,417
MD_Will_f1 19,23 (2,77)
ME_Will_f2 17,27 (2,3)
0,050
MD_Will_f2 19,18 (3,49)
Legenda: ME = Multífido esquerdo; MD = Multífido direito; SpineD =
Spine Stabilization realizado com membro inferior direito;
SpineE = Spine Stabilization realizado com membro infe-
rior esquerdo; Will = Williams; f1 = fase concêntrica; f2 =
fase excêntrica.
Fonte: Dados da pesquisa.
Nota: Diferenças significantes, quando p < 0,05.
(Conclusão)
Quadro 2 - Comparação dos valores de porcentagem de
ativação normalizada (média e desvio padrão)
entre as fases concêntrica e excêntrica do
Spine Stabilization realizado com membro
inferior esquerdo e direito e Série de Williams
Músculo_fase
Fase
Concêntrica
X (DP)
Fase
Excêntrica
X (DP) p
ME_SpineD 19,39 (1,70)
20,96 (5,12) 0,015
MD_SpineD 17,67 (2,77)
19,17 (3,75) 0,336
ME_SpineE 18,03 (3,33)
18,58 (3,22) 0,904
MD_SpineE 19,70 (2,57)
20,80 (3,56) 0,498
ME_Will 18,76 (1,67)
17,27 (2,3) 0,107
MD_Will 19,23 (2,77)
19,18 (3,49) 0,002
Legenda: ME = Multífido esquerdo; MD = Multífido direito; SpineD =
Spine Stabilization realizado com membro inferior direito;
SpineE = Spine Stabilization realizado com membro in-
ferior esquerdo; Will = Série de Williams; P = fase con-
cêntrica × fase excêntrica.
Fonte: Dados da pesquisa.
Nota: Diferenças significantes, quando p < 0,05.
Quadro 3 - Comparação dos valores de porcentagem de ativação (média e desvio padrão) normalizados entre exercícios
na fase concêntrica
Exercício P
Músculo PilatesD PilatesE SpineD SpineE Will P1 P2 P3 P4 P5 P6 P7 P8 P9 P10
ME
25,5
(4,0)
23,2
(3,8)
19,4
(1,8)
17,9
(3,5)
18,6
(1,7)
1 0,049 0,03 0,03 0,41 0,16 0,2 1 1 1
MD
23,2
(5,8)
23,7
(2,0)
18,2
(2,2)
19,1
(1,9)
19,4
(2,9)
1 0,55 0,74 0,57 0,01 0,02 0,01 1 1 1
Legenda: ME = Multífido esquerdo; MD = Multífido direito; PilatesD = Pilates realizado com membro inferior direito; PilatesE = Pilates
realizado com membro inferior esquerdo; SpineD = Spine Stabilization realizado com membro inferior direito; SpineE = Spine
Stabilization realizado com membro inferior esquerdo; Will = Williams; P1 = PilatesD × PilatesE; P2 = PilatesD × SpineD; P3 =
PilatesD × SpineE; P4 = PilatesD × Will; P5 = PilatesE × SpineD; P6 = PilatesE × SpineE; P7 = PilatesE × Will; P8 = SpineD ×
SpineE; P9 = SpineD × Will; P10 = SpineE × Will.
Fonte: Dados da pesquisa.
Nota: Diferenças significantes, quando p < 0,05.
Fisioter Mov. 2013 jan/mar;26(1):87-94
Silva MAC, Dias JM, Silva MF, Mazuquin BF, Abrão T, Cardoso JR.
92
com nossos resultados de que o exercício baseado
no método Pilates apresenta uma porcentagem de
ativação maior que a Spine Stabilization.
Como músculo multífido tem a capacidade de
controlar o movimento de um segmento móvel ileso
da coluna lombar e restaurar o controle desse seg-
mento após uma lesão (18), é importante investigar
a ativação desse músculo aplicada à reabilitação.
Conforme os resultados encontrados nesse estudo,
o ideal seria aplicar o exercício do método Pilates
como evolução dos exercícios do Spine Stabilization
e da Série de Williams.
Em um estudo (19)americano foram encontradas
porcentagens de contração isométrica voluntária má-
xima (CIVM) de 56% para multífido esquerdo e 50%
para multífido direito em um exercício de extensão de
tronco (Série de Williams). Entretanto, esse foi rea-
lizado mantendo o quadril equilibrado em uma bola
suíça e os pés no chão, demonstrando que variações
do exercício básico utilizado nesse trabalho podem
promover maiores porcentagens de ativação da mus-
culatura. Ainda nesse trabalho, o autor classifica o
exercício quadruped como um exercício moderado,
pois, como em nosso estudo, obteve uma porcenta-
gem de ativação menor que 50%.
Como visto anteriormente, no exercício do Spine
Stabilizationrealizadocomomembroinferioresquer-
doemsuafaseexcêntrica,omultífidodireitofoiomais
Na comparação entre os exercícios para o MD,
diferenças significantes foram encontradas a favor
do Pilates com o membro inferior esquerdo (23,7%)
quando comparado com o Spine Stabilization com o
membroinferiordireito(p=0,001),SpineStabilization
comomembroinferioresquerdo(p=0,002)e Williams
(p = 0,003) (Quadros 3 e 4).
Discussão
O exercício leg pull front support adaptado do
método Pilates foi o que apresentou maior porcen-
tagem de ativação entre os exercícios avaliados (23,2
a 25,5%). Menacho et al. (15) avaliaram a ativação da
musculatura extensora em três exercícios de Pilates:
swimming (61%), single leg kick (19%) e double leg
kick (47%). Estes dados confirmam que os exercí-
cios do Pilates podem promover boa ativação desse
grupo muscular.
Para o pós-operatório de microdiscectomia,
Flannagan et al. (16) e Selkovitz et al. (17)apresen-
taram em seus estudos um protocolo com exercícios
para tronco e membros inferiores. O protocolo apon-
tou várias séries de exercícios e suas progressões, en-
tre elas, uma em que se inicia com o quadruped exer-
cise e, em seu maior grau de dificuldade, um exercício
semelhante ao leg pull front support, corroborando
Quadro 4 - Comparação dos valores de porcentagem de ativação (média e desvio padrão) normalizados entre exercícios
na fase excêntrica
Exercício p
Músculo PilatesD PilatesE SpineD SpineE Will P1 P2 P3 P4 P5 P6 P7 P8 P9 P10
ME
24,7
(2,3)
22,7
(2,9)
20,9
(5,4)
18,3
(3,3)
17,6
(2,2)
0,68 1 0,3 0,002 1 0,28 0,05 1 1 1
MD
24,8
(4,25)
24,7
(3,8)
19,1
(4,0)
20,5
(3,6)
19,3
(3,7)
1 0,5 0,28 0,57 0,39 0,38 0,11 1 1 1
Legenda: ME = Multífido esquerdo; MD = Multífido direito; PilatesD = Pilates realizado com membro inferior direito; PilatesE = Pilates
realizado com membro inferior esquerdo; SpineD = Spine Stabilization realizado com membro inferior direito; SpineE = Spine
Stabilization realizado com membro inferior esquerdo; Will = Williams; P1 = PilatesD × PilatesE; P2 = PilatesD × SpineD; P3 =
PilatesD × SpineE; P4 = PilatesD × Will; P5 = PilatesE × SpineD; P6 = PilatesE × SpineE; P7 = PilatesE × Will; P8 = SpineD ×
SpineE; P9 = SpineD × Will; P10 = SpineE × Will.
Fonte: Dados da pesquisa.
Nota: Diferenças significantes, quando p < 0,05.

Recomendados

Efeito de diferentes formas de aquecimento muscular
Efeito de diferentes formas de aquecimento muscularEfeito de diferentes formas de aquecimento muscular
Efeito de diferentes formas de aquecimento muscularDra. Welker Fisioterapeuta
 
Comparação entre dois sistemas de treino de força no desenvolvimento da força...
Comparação entre dois sistemas de treino de força no desenvolvimento da força...Comparação entre dois sistemas de treino de força no desenvolvimento da força...
Comparação entre dois sistemas de treino de força no desenvolvimento da força...gemusc
 
ALONGAMENTO MUSCULAR: suas implicações na performance e na prevenção de lesões
ALONGAMENTO MUSCULAR: suas implicações na performance e na prevenção de lesõesALONGAMENTO MUSCULAR: suas implicações na performance e na prevenção de lesões
ALONGAMENTO MUSCULAR: suas implicações na performance e na prevenção de lesõesFernando Farias
 
Análise do conhecimento de profissionais de Educação Física referente à pres...
Análise do conhecimento de profissionais de  Educação Física referente à pres...Análise do conhecimento de profissionais de  Educação Física referente à pres...
Análise do conhecimento de profissionais de Educação Física referente à pres...Fernando Farias
 
Efeito agudo do alongamento estático e facilitação neuromuscular proprioceti...
Efeito agudo do alongamento estático e facilitação  neuromuscular proprioceti...Efeito agudo do alongamento estático e facilitação  neuromuscular proprioceti...
Efeito agudo do alongamento estático e facilitação neuromuscular proprioceti...Fernando Farias
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Efeito agudo do alongamento estático nos antagonistas sobre o teste de repet...
Efeito agudo do alongamento estático nos  antagonistas sobre o teste de repet...Efeito agudo do alongamento estático nos  antagonistas sobre o teste de repet...
Efeito agudo do alongamento estático nos antagonistas sobre o teste de repet...Fernando Farias
 
Alongamento e prev lesoes
Alongamento e prev lesoesAlongamento e prev lesoes
Alongamento e prev lesoesjuuliacarolina
 
Alongamento muscular suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoes
Alongamento muscular   suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoesAlongamento muscular   suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoes
Alongamento muscular suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoesAlexandra Nurhan
 
Reeducação Dinâmica Muscular no Tratamento da Lombalgia
Reeducação Dinâmica Muscular no Tratamento da LombalgiaReeducação Dinâmica Muscular no Tratamento da Lombalgia
Reeducação Dinâmica Muscular no Tratamento da LombalgiaDra. Welker Fisioterapeuta
 
Rbcm 2003 flexibilidade e lombalgia
Rbcm 2003 flexibilidade e lombalgiaRbcm 2003 flexibilidade e lombalgia
Rbcm 2003 flexibilidade e lombalgiaAlexandra Nurhan
 
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...Fernando Farias
 
Metanálise dos efeitos agudos do alongamento na realização de corridas curtas...
Metanálise dos efeitos agudos do alongamento na realização de corridas curtas...Metanálise dos efeitos agudos do alongamento na realização de corridas curtas...
Metanálise dos efeitos agudos do alongamento na realização de corridas curtas...Fernando Farias
 
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de troncoAvaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de troncoDra. Welker Fisioterapeuta
 
Recuperação pós-exercício
Recuperação pós-exercícioRecuperação pós-exercício
Recuperação pós-exercícioFernando Farias
 
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...Fernanda Emikaele
 
Balbino lizardo, 2008
Balbino lizardo, 2008Balbino lizardo, 2008
Balbino lizardo, 2008Florr Verasay
 
Comportamento da força e da área muscular
Comportamento da força e da área muscularComportamento da força e da área muscular
Comportamento da força e da área muscularFernando Farias
 
Rbcdh 2000 qualidade_de_vida_e_flexibilidade
Rbcdh 2000 qualidade_de_vida_e_flexibilidadeRbcdh 2000 qualidade_de_vida_e_flexibilidade
Rbcdh 2000 qualidade_de_vida_e_flexibilidadeAlexandra Nurhan
 
Introdução ao Exercício Resistido - Prof. Paulo Costa Amaral
Introdução ao Exercício Resistido - Prof. Paulo Costa AmaralIntrodução ao Exercício Resistido - Prof. Paulo Costa Amaral
Introdução ao Exercício Resistido - Prof. Paulo Costa AmaralPAULO AMARAL
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(3)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(3)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(3)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(3)Dra. Welker Fisioterapeuta
 

Mais procurados (18)

Efeito agudo do alongamento estático nos antagonistas sobre o teste de repet...
Efeito agudo do alongamento estático nos  antagonistas sobre o teste de repet...Efeito agudo do alongamento estático nos  antagonistas sobre o teste de repet...
Efeito agudo do alongamento estático nos antagonistas sobre o teste de repet...
 
Alongamento e prev lesoes
Alongamento e prev lesoesAlongamento e prev lesoes
Alongamento e prev lesoes
 
Alongamento muscular suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoes
Alongamento muscular   suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoesAlongamento muscular   suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoes
Alongamento muscular suas implicacoes na performance e na prevencao de lesoes
 
Avaliação neuromotora
Avaliação  neuromotoraAvaliação  neuromotora
Avaliação neuromotora
 
Reeducação Dinâmica Muscular no Tratamento da Lombalgia
Reeducação Dinâmica Muscular no Tratamento da LombalgiaReeducação Dinâmica Muscular no Tratamento da Lombalgia
Reeducação Dinâmica Muscular no Tratamento da Lombalgia
 
Rbcm 2003 flexibilidade e lombalgia
Rbcm 2003 flexibilidade e lombalgiaRbcm 2003 flexibilidade e lombalgia
Rbcm 2003 flexibilidade e lombalgia
 
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
 
Metanálise dos efeitos agudos do alongamento na realização de corridas curtas...
Metanálise dos efeitos agudos do alongamento na realização de corridas curtas...Metanálise dos efeitos agudos do alongamento na realização de corridas curtas...
Metanálise dos efeitos agudos do alongamento na realização de corridas curtas...
 
Efeito metodo pilates
Efeito metodo pilatesEfeito metodo pilates
Efeito metodo pilates
 
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de troncoAvaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
 
Recuperação pós-exercício
Recuperação pós-exercícioRecuperação pós-exercício
Recuperação pós-exercício
 
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
 
Balbino lizardo, 2008
Balbino lizardo, 2008Balbino lizardo, 2008
Balbino lizardo, 2008
 
Comportamento da força e da área muscular
Comportamento da força e da área muscularComportamento da força e da área muscular
Comportamento da força e da área muscular
 
Rbcdh 2000 qualidade_de_vida_e_flexibilidade
Rbcdh 2000 qualidade_de_vida_e_flexibilidadeRbcdh 2000 qualidade_de_vida_e_flexibilidade
Rbcdh 2000 qualidade_de_vida_e_flexibilidade
 
A03v23n4
A03v23n4A03v23n4
A03v23n4
 
Introdução ao Exercício Resistido - Prof. Paulo Costa Amaral
Introdução ao Exercício Resistido - Prof. Paulo Costa AmaralIntrodução ao Exercício Resistido - Prof. Paulo Costa Amaral
Introdução ao Exercício Resistido - Prof. Paulo Costa Amaral
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(3)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(3)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(3)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(3)
 

Semelhante a Comparativo da atividade elétrica do músculo multífido durante o Pilates, série de Williams e Estabilização Segmentar

Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...
Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...
Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...Fernando S. S. Barbosa
 
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio posturalEfeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio posturalMelissa Louyse Duarte
 
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais Evelyn Feitosa
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgiaPlugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgiaDra. Welker Fisioterapeuta
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...
Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...
Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...marcelosilveirazero1
 
Plugin diego%20 alano%20carvalho-%20lombalgia%20-%20pilates
Plugin diego%20 alano%20carvalho-%20lombalgia%20-%20pilatesPlugin diego%20 alano%20carvalho-%20lombalgia%20-%20pilates
Plugin diego%20 alano%20carvalho-%20lombalgia%20-%20pilatesDra. Welker Fisioterapeuta
 
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casos
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casosPilates na Lombalgia crônica - relato de casos
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casosDra. Welker Fisioterapeuta
 
CORE - Métodos de treinamento da estabilização central
CORE - Métodos de treinamento da estabilização centralCORE - Métodos de treinamento da estabilização central
CORE - Métodos de treinamento da estabilização centralFernando Farias
 
ARTIGO V3n1a08
ARTIGO V3n1a08ARTIGO V3n1a08
ARTIGO V3n1a08Nonamundo
 
Alongamento pré- exercício - Sim ou Não?
Alongamento pré- exercício - Sim ou Não?Alongamento pré- exercício - Sim ou Não?
Alongamento pré- exercício - Sim ou Não?Fernando Farias
 
Pilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação postural
Pilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação posturalPilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação postural
Pilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação posturalDra. Welker Fisioterapeuta
 
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI Fisioterapeuta
 
EFEITOS DO EXERCÍCIO DO MÉTODO PILATES NA ESCOLIOSE.pdf
EFEITOS DO EXERCÍCIO DO MÉTODO PILATES NA ESCOLIOSE.pdfEFEITOS DO EXERCÍCIO DO MÉTODO PILATES NA ESCOLIOSE.pdf
EFEITOS DO EXERCÍCIO DO MÉTODO PILATES NA ESCOLIOSE.pdfCAMILAZIGANTIFAVARO1
 

Semelhante a Comparativo da atividade elétrica do músculo multífido durante o Pilates, série de Williams e Estabilização Segmentar (20)

Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...
Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...
Atividade Eletromiográfica de Músculos Lombares Durante Contrações Isométrica...
 
Avaliação isocinética com o Pilates
Avaliação isocinética com o PilatesAvaliação isocinética com o Pilates
Avaliação isocinética com o Pilates
 
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio posturalEfeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
 
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
Noções de Atividade Física e Treinamento para Grupos Especiais
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgiaPlugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)
 
Pilates na Lombalgia - revisão
Pilates na Lombalgia - revisãoPilates na Lombalgia - revisão
Pilates na Lombalgia - revisão
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)
 
Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...
Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...
Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...
 
Pilates na Lombalgia
Pilates na LombalgiaPilates na Lombalgia
Pilates na Lombalgia
 
Plugin diego%20 alano%20carvalho-%20lombalgia%20-%20pilates
Plugin diego%20 alano%20carvalho-%20lombalgia%20-%20pilatesPlugin diego%20 alano%20carvalho-%20lombalgia%20-%20pilates
Plugin diego%20 alano%20carvalho-%20lombalgia%20-%20pilates
 
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casos
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casosPilates na Lombalgia crônica - relato de casos
Pilates na Lombalgia crônica - relato de casos
 
CORE - Métodos de treinamento da estabilização central
CORE - Métodos de treinamento da estabilização centralCORE - Métodos de treinamento da estabilização central
CORE - Métodos de treinamento da estabilização central
 
ARTIGO V3n1a08
ARTIGO V3n1a08ARTIGO V3n1a08
ARTIGO V3n1a08
 
Alongamento pré- exercício - Sim ou Não?
Alongamento pré- exercício - Sim ou Não?Alongamento pré- exercício - Sim ou Não?
Alongamento pré- exercício - Sim ou Não?
 
Pilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação postural
Pilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação posturalPilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação postural
Pilates: Aspectos biomecânicos e reestruturação postural
 
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
 
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
 
EFEITOS DO EXERCÍCIO DO MÉTODO PILATES NA ESCOLIOSE.pdf
EFEITOS DO EXERCÍCIO DO MÉTODO PILATES NA ESCOLIOSE.pdfEFEITOS DO EXERCÍCIO DO MÉTODO PILATES NA ESCOLIOSE.pdf
EFEITOS DO EXERCÍCIO DO MÉTODO PILATES NA ESCOLIOSE.pdf
 

Mais de Dra. Welker Fisioterapeuta

Plugin jago -effect of-4_weeks_of_pilates_on_the_
Plugin jago -effect of-4_weeks_of_pilates_on_the_Plugin jago -effect of-4_weeks_of_pilates_on_the_
Plugin jago -effect of-4_weeks_of_pilates_on_the_Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Intra abdominal Pressure Mechanism for Stabilizing the Lombar Spine
Intra abdominal Pressure Mechanism for Stabilizing the Lombar SpineIntra abdominal Pressure Mechanism for Stabilizing the Lombar Spine
Intra abdominal Pressure Mechanism for Stabilizing the Lombar SpineDra. Welker Fisioterapeuta
 
Transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20during%20pi...
Transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20during%20pi...Transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20during%20pi...
Transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20during%20pi...Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Pilates and low back pain: a systematic review
Pilates and low back pain: a systematic reviewPilates and low back pain: a systematic review
Pilates and low back pain: a systematic reviewDra. Welker Fisioterapeuta
 
Plugin transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20duri...
Plugin transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20duri...Plugin transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20duri...
Plugin transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20duri...Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Effect of 4 weeks of Pilates on the body composition of young girls
Effect of 4 weeks of Pilates on the body composition of young girlsEffect of 4 weeks of Pilates on the body composition of young girls
Effect of 4 weeks of Pilates on the body composition of young girlsDra. Welker Fisioterapeuta
 
Table summary of studies testing clinical effectiveness of the rpg method
Table summary of studies testing clinical effectiveness of the rpg methodTable summary of studies testing clinical effectiveness of the rpg method
Table summary of studies testing clinical effectiveness of the rpg methodDra. Welker Fisioterapeuta
 
Pilates na Reabilitação: uma Revisão Sistemática
Pilates na Reabilitação: uma Revisão SistemáticaPilates na Reabilitação: uma Revisão Sistemática
Pilates na Reabilitação: uma Revisão SistemáticaDra. Welker Fisioterapeuta
 
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio MuscularEfeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio MuscularDra. Welker Fisioterapeuta
 
Plugin jacek%20-%20 intra-abdominal%20pressure%20mechanism%20for%20stabilizin...
Plugin jacek%20-%20 intra-abdominal%20pressure%20mechanism%20for%20stabilizin...Plugin jacek%20-%20 intra-abdominal%20pressure%20mechanism%20for%20stabilizin...
Plugin jacek%20-%20 intra-abdominal%20pressure%20mechanism%20for%20stabilizin...Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombarProtocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombarDra. Welker Fisioterapeuta
 
Transversus abdominis and obliquus internus activity during pilates exercises...
Transversus abdominis and obliquus internus activity during pilates exercises...Transversus abdominis and obliquus internus activity during pilates exercises...
Transversus abdominis and obliquus internus activity during pilates exercises...Dra. Welker Fisioterapeuta
 

Mais de Dra. Welker Fisioterapeuta (19)

Plugin jago -effect of-4_weeks_of_pilates_on_the_
Plugin jago -effect of-4_weeks_of_pilates_on_the_Plugin jago -effect of-4_weeks_of_pilates_on_the_
Plugin jago -effect of-4_weeks_of_pilates_on_the_
 
Intra abdominal Pressure Mechanism for Stabilizing the Lombar Spine
Intra abdominal Pressure Mechanism for Stabilizing the Lombar SpineIntra abdominal Pressure Mechanism for Stabilizing the Lombar Spine
Intra abdominal Pressure Mechanism for Stabilizing the Lombar Spine
 
Transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20during%20pi...
Transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20during%20pi...Transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20during%20pi...
Transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20during%20pi...
 
Pilates and the Powerhouse
Pilates and the PowerhousePilates and the Powerhouse
Pilates and the Powerhouse
 
Pilates and low back pain: a systematic review
Pilates and low back pain: a systematic reviewPilates and low back pain: a systematic review
Pilates and low back pain: a systematic review
 
Plugin transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20duri...
Plugin transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20duri...Plugin transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20duri...
Plugin transversus%20 abdominis%20and%20obliquus%20internus%20activity%20duri...
 
Effect of 4 weeks of Pilates on the body composition of young girls
Effect of 4 weeks of Pilates on the body composition of young girlsEffect of 4 weeks of Pilates on the body composition of young girls
Effect of 4 weeks of Pilates on the body composition of young girls
 
Table summary of studies testing clinical effectiveness of the rpg method
Table summary of studies testing clinical effectiveness of the rpg methodTable summary of studies testing clinical effectiveness of the rpg method
Table summary of studies testing clinical effectiveness of the rpg method
 
Pilates na Reabilitação: uma Revisão Sistemática
Pilates na Reabilitação: uma Revisão SistemáticaPilates na Reabilitação: uma Revisão Sistemática
Pilates na Reabilitação: uma Revisão Sistemática
 
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio MuscularEfeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
 
Plugin jacek%20-%20 intra-abdominal%20pressure%20mechanism%20for%20stabilizin...
Plugin jacek%20-%20 intra-abdominal%20pressure%20mechanism%20for%20stabilizin...Plugin jacek%20-%20 intra-abdominal%20pressure%20mechanism%20for%20stabilizin...
Plugin jacek%20-%20 intra-abdominal%20pressure%20mechanism%20for%20stabilizin...
 
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombarProtocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
Protocolo Fisioterapêutico para tratamento da dor lombar
 
Transversus abdominis and obliquus internus activity during pilates exercises...
Transversus abdominis and obliquus internus activity during pilates exercises...Transversus abdominis and obliquus internus activity during pilates exercises...
Transversus abdominis and obliquus internus activity during pilates exercises...
 
Abordagem Fisioterapeutica do Pilates
Abordagem Fisioterapeutica do PilatesAbordagem Fisioterapeutica do Pilates
Abordagem Fisioterapeutica do Pilates
 
Owsley - an introduction to clinical pilates
Owsley - an introduction to clinical pilatesOwsley - an introduction to clinical pilates
Owsley - an introduction to clinical pilates
 
Pilates em Adultos Saudáveis
Pilates em Adultos SaudáveisPilates em Adultos Saudáveis
Pilates em Adultos Saudáveis
 
Pilate Method: History and philosophy
Pilate Method: History and philosophyPilate Method: History and philosophy
Pilate Method: History and philosophy
 
Rpg e Alongamento Segmentar - tese
Rpg e Alongamento Segmentar  - teseRpg e Alongamento Segmentar  - tese
Rpg e Alongamento Segmentar - tese
 
Pilates and motor control
Pilates and motor controlPilates and motor control
Pilates and motor control
 

Último

Desvendando os Segredos do Metabolismo- Acelere sua Queima de Gordura e Alcan...
Desvendando os Segredos do Metabolismo- Acelere sua Queima de Gordura e Alcan...Desvendando os Segredos do Metabolismo- Acelere sua Queima de Gordura e Alcan...
Desvendando os Segredos do Metabolismo- Acelere sua Queima de Gordura e Alcan...Ketlyn Novaes
 
Rejuvenescimento Facial: O Guia Completo para uma Pele Radiante e Jovem
Rejuvenescimento Facial: O Guia Completo para uma Pele Radiante e JovemRejuvenescimento Facial: O Guia Completo para uma Pele Radiante e Jovem
Rejuvenescimento Facial: O Guia Completo para uma Pele Radiante e JovemVanilzaMel
 
Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!
Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!
Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!lojadropch
 
Como diminuir a diabetes rapidamente de forma natural
Como diminuir a diabetes rapidamente de forma naturalComo diminuir a diabetes rapidamente de forma natural
Como diminuir a diabetes rapidamente de forma naturalsauljunior
 
2.Gardner - Anatomia.pdf
2.Gardner - Anatomia.pdf2.Gardner - Anatomia.pdf
2.Gardner - Anatomia.pdfBrunnaHolanda
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperaçãodouglasmeira456
 
ciências morfo sistema imune e hematologico
ciências morfo sistema imune e hematologicociências morfo sistema imune e hematologico
ciências morfo sistema imune e hematologicopamelacastro71
 
COMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO
COMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃOCOMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO
COMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃOMr. Johnny Bispo
 

Último (9)

Desvendando os Segredos do Metabolismo- Acelere sua Queima de Gordura e Alcan...
Desvendando os Segredos do Metabolismo- Acelere sua Queima de Gordura e Alcan...Desvendando os Segredos do Metabolismo- Acelere sua Queima de Gordura e Alcan...
Desvendando os Segredos do Metabolismo- Acelere sua Queima de Gordura e Alcan...
 
Rejuvenescimento Facial: O Guia Completo para uma Pele Radiante e Jovem
Rejuvenescimento Facial: O Guia Completo para uma Pele Radiante e JovemRejuvenescimento Facial: O Guia Completo para uma Pele Radiante e Jovem
Rejuvenescimento Facial: O Guia Completo para uma Pele Radiante e Jovem
 
Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!
Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!
Como prevenir a queda no seu cabelo|queda nunca mais!
 
ENXAQUECA
ENXAQUECAENXAQUECA
ENXAQUECA
 
Como diminuir a diabetes rapidamente de forma natural
Como diminuir a diabetes rapidamente de forma naturalComo diminuir a diabetes rapidamente de forma natural
Como diminuir a diabetes rapidamente de forma natural
 
2.Gardner - Anatomia.pdf
2.Gardner - Anatomia.pdf2.Gardner - Anatomia.pdf
2.Gardner - Anatomia.pdf
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
 
ciências morfo sistema imune e hematologico
ciências morfo sistema imune e hematologicociências morfo sistema imune e hematologico
ciências morfo sistema imune e hematologico
 
COMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO
COMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃOCOMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO
COMO PREVENIR A DENGUE: ESTRATÉGIAS DE PREVENÇÃO
 

Comparativo da atividade elétrica do músculo multífido durante o Pilates, série de Williams e Estabilização Segmentar

  • 1. Fisioter Mov. 2013 jan/mar;26(1):87-94 ISSN 0103-5150 Fisioter. Mov., Curitiba, v. 26, n. 1, p. 87-94, jan./mar. 2013 Licenciado sob uma Licença Creative Commons [T] Análise comparativa da atividade elétrica do músculo multífido durante exercícios do Pilates, série de Williams e Spine Stabilization [I] Analysis of the multifidus muscle during Pilates, Williams´ flexion and Spine Stabilization [A] Mônica Angélica Cardoso Silva[a] , Josilainne Marcelino Dias[b] , Mariana Felipe Silva[c] , Bruno Fles Mazuquin[d] , Taufik Abrão[e] , Jefferson Rosa Cardoso[f] [a] Mestranda do Programa Associado em Ciências da Reabilitação (UEL-Unopar), Londrina, PR - Brasil, e-mail: monicaa_cardoso@hotmail.com [b] Doutoranda do Programa Associado em Educação Física (UEL-Unopar), Londrina, PR - Brasil, e-mail: lainne@hotmail.com [c] Mestranda do Programa Associado em Ciências da Reabilitação (UEL-Unopar), Londrina, PR - Brasil, e-mail: marianaf.fisio@gmail.com [d] Mestrando do Programa Associado em Ciências da Reabilitação (UEL-Unopar), Londrina, PR - Brasil, e-mail: bruno_mazuka@hotmail.com [e] Pós-Doutor em Sistemas de Telecomunicações pela University of Southampton, professor associado do Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade Estadual de Londrina (UEL) Londrina, PR - Brasil, e-mail: taufik.abrao@gmail.com [f] Doutor em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), coordenador do Laboratório de Biomecânica e Epidemiologia Clínica, Grupo PAIFIT, Universidade Estadual de Londrina (UEL), Londrina, PR - Brasil, e-mail: jeffcar@uel.br [R] Resumo Introdução:Afraquezadamusculaturaparaespinhalestárelacionadaàetiologiadadorlombar.Atualmenteexis- tem vários métodos que apresentam exercícios para o fortalecimento dessa musculatura. Objetivos: Comparar e analisar o sinal eletromiográfico do músculo multífido bilateralmente durante exercícios do método Pilates, série de Williams e Spine Stabilization. Materiais e métodos: Participaram do estudo dez mulheres voluntárias e saudáveis que realizaram os exercícios leg pull front support modificado do Pilates, o quarto exercício da série adicional de Williams e o quadruped exercise do Spine Stabilization. O sinal foi normalizado pelo pico eletromio- gráfico da atividade dinâmica e foram ajustados para 2000 amostras por segundo e o filtro em uma frequência de passagem de 20 a 450 Hz. A ANOVA foi utilizada para verificar diferenças entre os exercícios, o teste t para amos- tras dependentes foi usado para comparar a ativação entre os lados direito e esquerdo do multífido para cada
  • 2. Fisioter Mov. 2013 jan/mar;26(1):87-94 Silva MAC, Dias JM, Silva MF, Mazuquin BF, Abrão T, Cardoso JR. 88 Introdução A estabilidade dinâmica da coluna vertebral está relacionada com a musculatura paraespinhal, composta pelos músculos iliocostal, longuíssimo do dorso, espinhais e multífidos (1, 2). Na fadiga dessa musculatura, ocorre sobrecarga sobre os elementos passivos responsáveis pela estabilidade da coluna vertebral (cápsulas, ligamentos e discos interverte- brais), o que causa danos a estruturas sensíveis à distensão e dor (3). A fadiga excessiva desses mús- culos paraespinhais é muitas vezes associada à dor lombar crônica (4). Estudos biomecânicos e clínicos mostram que os músculos promovem a estabilização segmentar por meio do controle motor da região neutra e que esta pode ser recuperada dentro das limitações fisioló- gicas por um controle muscular efetivo (5, 6). Em indivíduos com lombalgia crônica observou-se, por exame de ressonância magnética, 80% de degene- ração dos músculos multífidos (7). Em função desse desequilíbrio dos multífidos, diversos métodos são utilizados atualmente na prática clínica para o for- talecimento dos músculos estabilizadores da coluna, entre eles, pode-se citar o Pilates, a Série de Williams e o Spine Stabilization. exercício. Resultados e considerações finais: Na comparação entre os exercícios, observaram-se diferenças significativas para o músculo multífido a favor do exercício do método Pilates tanto na fase concêntrica quanto na excêntrica, o que demonstra ser o exercício de melhor ativação elétrica para o músculo analisado. [P] Palavras-chave: Eletromiografia. Exercício. Fisioterapia. [B]Abstract Introduction: The back muscle weakness is related with the etiology of low back pain. Nowadays, there are several methods the focus is on back muscle strengthening. Objectives: The purpose of this study was to com- pare and analyze the multifidus muscle bilaterally during exercises of the Pilates method, Spine Stabilization and Williams’ flexion. Materials and methods: Ten healthy female volunteers participated in the study. They performed the leg pull front support exercise from the Pilates method, the quadruped exercise from the Spine Stabilization and the fourth exercise from the additional Williams’ flexion. The signal was normalized by the electromyographic peak of the dynamic activity and was adjusted to 2000 samples/s and filter with a frequen- cy band from 20 to 450 Hz. ANOVA was used to verify differences between the exercises, the paired-sample t test was used to compare activation between the right and left multifidus for each exercise. Results and conclu- sion: When the exercises where compared, statistically significant differences were observed in the concentric and eccentric phases for the Pilates exercise, showing that this exercise is the one who activates the muscula- ture the most between the exercises evaluated. [K] Keywords: Electromyography. Exercises. Physical Therapy. O Pilates é um método que tem sido bem difundi- do na atualidade e possui vantagens como estimular a circulação, melhorar o condicionamento físico, a flexibilidade, a amplitude muscular e o alinhamento postural (8, 9). Foi desenvolvido por Joseph Pilates durante a Primeira Guerra Mundial e reúne conceitos de ginástica, yoga, artes marciais e dança. O siste- ma básico possui exercícios para todo o corpo e foca principalmente o fortalecimento das musculaturas abdominal e paravertebral e também a flexibilidade da coluna (9, 10). A Série de Williams foi desenvolvida por Paul Williams, em 1937, como um programa de exercícios que tem como proposta reduzir a dor e promover estabilidade de tronco em pacientes com dor lombar crônica (11). O Spine Stabilization salienta a importância da força, do controle e da resistência, requerendo o uso de toda a musculatura do tronco (12). Estudos demonstram que os exercícios do mé- todo são mais eficientes em pacientes que possuem instabilidade da coluna vertebral (13, 14). Na prática clínica, é necessário o conhecimento sobre quais exercícios oferecem maior dificuldade de realização para que uma progressão adequada seja realizada. Além disso, o uso de exercícios não é exclu- sivo à reabilitação, sendo muitas vezes utilizado na prevenção de condições dolorosas, como a lombalgia.
  • 3. Fisioter Mov. 2013 jan/mar;26(1):87-94 Análise comparativa da atividade elétrica do músculo multífido durante exercícios do Pilates, série de Williams e Spine Stabilization 89 Procedimento Antes do início das coletas foi realizada a limpeza com álcool 70% e tricotomia do local. Os eletrodos foram posicionados sobre o músculo multífido no ní- vel de L5, 3 cm de seu processo espinhoso seguindo a recomendação SENIAM (Surface Electromyography for the Non Invasive Assessment of Muscles). A dis- tância intereletrodos foi de 2 cm, seguindo a di- reção da fibra muscular. O eletrodo de referência foi posicionado no processo estiloide da ulna do membro superior não dominante. Foram realizadas três repetições de cada exercício, com intervalo de 3 segundos entre elas. Entre cada exercício foi es- tabelecido um intervalo de 5 minutos na tentativa de prevenir a fadiga muscular. A ordem de execução dos exercícios foi definida por sorteio simples. Antes da execução do exercício, as participantes realizaram dois exercícios preparatórios do Pilates como aquecimento: Breathing e Prone hip exten- sion. Os exercícios utilizados foram: Leg Pull front support (modificado), do método Pilates (Figura 1-A), o quarto exercício da série adicional, da Série de Williams (Figura 1-B) e o quadruped exercise do Spine Stabilization (Figura 1-C). Na literatura, há uma carência de estudos que com- parem diferentes métodos de exercício para os exten- sores do tronco. Assim, o estudo tem como objetivo comparar e analisar por meio da eletromiografia de superfícieomúsculomultífidobilateralmentedurante um exercício de Pilates, um da Série de Williams e um do Spine Stabilization em mulheres saudáveis. Método Participantes A amostra foi de dez mulheres voluntárias, saudá- veis, de 18 a 25 anos, com idade média de 21,5 anos (DP = 0,64) e índice de massa corporal médio de 19,6 kg/cm2 (DP = 0,4). Os critérios de exclusão foram: praticantes de atividades físicas regulares, lombalgia, protrusão de disco intervertebral, cirurgias abdomi- nais ou de coluna prévias, espondilolistese, escoliose evidente, doenças neurológicas ou infecciosas, cân- cer e gravidez. As participantes assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual de Londrina (CEP 266/07). A B C Figura 1- Exercícios analisados: Leg pull front support, do método Pilates (A); quarto exercício da série adicional, da Série de Williams (B); e Quadruped exercise, do Spine Stabilization Fonte: Lab. PAIFIT, 2013.
  • 4. Fisioter Mov. 2013 jan/mar;26(1):87-94 Silva MAC, Dias JM, Silva MF, Mazuquin BF, Abrão T, Cardoso JR. 90 Resultados As porcentagens de ativação variaram de 17% a 25%, com maior ativação do multífido esquerdo (ME) durante a fase concêntrica do exercício Pilates realizado com o membro inferior direito (25,5%). Ao comparar as porcentagens de ativação entre o ME e multífidodireito(MD),houvediferençacomsignificân- cianoexercícioSpineStabilizationrealizadocomolado esquerdo, tanto na fase concêntrica, com maior recru- tamento do MD (p = 0,03), quanto na excêntrica, que recrutou mais o ME (p = 0,01); e na série de Williams, na fase excêntrica, a favor do MD (p = 0,05). O mús- culo ME ativou significativamente na fase excêntrica nos exercícios da série de Williams (p = 0,002) e Spine Stabilization (p = 0,02) executado com o lado direito (Quadros1e2).Nãohouvediferençasignificantepara o exercício do Pilates tanto ao se comparar as fases quanto os músculos multífidos esquerdo e direito. Na comparação entre os exercícios para o ME, foram encontradas diferenças estatisticamente sig- nificantes na fase concêntrica a favor do Pilates com o membro inferior direito (25,5%) quando compara- do aos exercícios Spine Stabilization com o membro inferior direito (p = 0,004), Spine Stabilization com o membro inferior esquerdo (p = 0,002) e Williams (p = 0,003). Na fase excêntrica, diferenças significan- tes foram encontradas a favor do Pilates com membro inferior direito (24,6%) comparado aos exercícios Spine Stabilization com membro inferior esquerdo (p = 0,003) e Williams (p = 0,002); e entre o Pilates com membro inferior esquerdo e Williams (p = 0,005), a favor do Pilates (22,6%) (Quadros 3 e 4). Equipamento Foi utilizado um eletromiógrafo de superfície com 8 canais (MP150; BIOPAC System Inc., Aero Camino, CA) para obtenção dos sinais, composto por um con- versor analógico-digital de 16 bits, frequência de cor- te com banda de 20 a 450 Hz, ganho de amplificação total de 2000, com razão de rejeição do modo comum de 120 dB. Eletrodos ativos bipolares foram conecta- dos a um pré-amplificador de alta impedância (2 MΩ). Todos os sinais foram coletados com frequência de amostragem de 2000 amostras por segundo por canal utilizando um programa específico para aquisição e análise dos dados (AcqKnowledge 3.9.1; BIOPAC System Inc., Aero Camino, CA). Para a diferenciação da fase concêntrica e excêntrica em cada exercício, foi utilizada uma câmera de vídeo de 30 Hz da marca Sony e uma placa de vídeo. Processamento do sinal EMG Os trechos analisados correspondem às fases concêntricas e excêntricas de cada exercício, esta- belecidos por meio dos dados cinemáticos. Todos os procedimentos numéricos para obtenção dos valores de porcentagem de ativação do valor de RMS foram obtidos por meio de uma rotina matematicamente elaborada em ambiente de simulação do programa Matlab 7.6.0.324. (Mathworks, TM). Foi empregado o pico do sinal retificado da atividade dinâmica como valor de referência para a normalização do sinal. Análise Estatística Asvariáveisnuméricasforamtestadasquantoàdis- tribuição de normalidade por meio do teste Shapiro- Wilk. A análise de variância de medidas repetidas (ANOVA) foi utilizada para verificar diferenças entre os exercícios, o teste de esfericidade de Mauchly W. foi aplicado e, quando este foi violado, correções técnicas foram realizadas utilizando o teste de Greenhouse- Geisser. Quando o teste F foi significante, a análise pelo teste de comparações múltiplas de Bonferroni foi aplicada. O teste t para amostras dependentes foi usado para comparar a ativação entre os lados direito e esquerdo do multífido para cada exercício. A signi- ficância estatística foi estipulada em 5%. As análises foram feitas no programa SPSS, versão 15.0 Quadro 1 - Comparação dos valores de porcentagem de ativação normalizada (média e desvio padrão) entre os multífidos direito e esquerdo na fase concêntrica e excêntrica do Spine Stabilization e Série de Williams Músculo_fase X (DP) p ME_SpineD_f1 19,39 (1,7) 0,575 MD_SpineD_f1 17,67 (2,77) ME_SpineD_f2 20,96 (5,11) 0,086 MD_SpineD_f2 19,17 (3,75) ME_SpineE_f1 18,03 (3,33) 0,032 MD_SpineE_f1 19,70 (2,57) (Continua)
  • 5. Fisioter Mov. 2013 jan/mar;26(1):87-94 Análise comparativa da atividade elétrica do músculo multífido durante exercícios do Pilates, série de Williams e Spine Stabilization 91 Quadro 1 - Comparação dos valores de porcentagem de ativação normalizada (média e desvio padrão) entre os multífidos direito e esquerdo na fase concêntrica e excêntrica do Spine Stabilization e Série de Williams Músculo_fase X (DP) p ME_SpineE_f2 18,58 (3,22) 0,001 MD_SpineE_f2 20,80 (3,56) ME_Will_f1 18,76 (1,67) 0,417 MD_Will_f1 19,23 (2,77) ME_Will_f2 17,27 (2,3) 0,050 MD_Will_f2 19,18 (3,49) ME_Will_f1 18,76 (1,67) 0,417 MD_Will_f1 19,23 (2,77) ME_Will_f2 17,27 (2,3) 0,050 MD_Will_f2 19,18 (3,49) Legenda: ME = Multífido esquerdo; MD = Multífido direito; SpineD = Spine Stabilization realizado com membro inferior direito; SpineE = Spine Stabilization realizado com membro infe- rior esquerdo; Will = Williams; f1 = fase concêntrica; f2 = fase excêntrica. Fonte: Dados da pesquisa. Nota: Diferenças significantes, quando p < 0,05. (Conclusão) Quadro 2 - Comparação dos valores de porcentagem de ativação normalizada (média e desvio padrão) entre as fases concêntrica e excêntrica do Spine Stabilization realizado com membro inferior esquerdo e direito e Série de Williams Músculo_fase Fase Concêntrica X (DP) Fase Excêntrica X (DP) p ME_SpineD 19,39 (1,70) 20,96 (5,12) 0,015 MD_SpineD 17,67 (2,77) 19,17 (3,75) 0,336 ME_SpineE 18,03 (3,33) 18,58 (3,22) 0,904 MD_SpineE 19,70 (2,57) 20,80 (3,56) 0,498 ME_Will 18,76 (1,67) 17,27 (2,3) 0,107 MD_Will 19,23 (2,77) 19,18 (3,49) 0,002 Legenda: ME = Multífido esquerdo; MD = Multífido direito; SpineD = Spine Stabilization realizado com membro inferior direito; SpineE = Spine Stabilization realizado com membro in- ferior esquerdo; Will = Série de Williams; P = fase con- cêntrica × fase excêntrica. Fonte: Dados da pesquisa. Nota: Diferenças significantes, quando p < 0,05. Quadro 3 - Comparação dos valores de porcentagem de ativação (média e desvio padrão) normalizados entre exercícios na fase concêntrica Exercício P Músculo PilatesD PilatesE SpineD SpineE Will P1 P2 P3 P4 P5 P6 P7 P8 P9 P10 ME 25,5 (4,0) 23,2 (3,8) 19,4 (1,8) 17,9 (3,5) 18,6 (1,7) 1 0,049 0,03 0,03 0,41 0,16 0,2 1 1 1 MD 23,2 (5,8) 23,7 (2,0) 18,2 (2,2) 19,1 (1,9) 19,4 (2,9) 1 0,55 0,74 0,57 0,01 0,02 0,01 1 1 1 Legenda: ME = Multífido esquerdo; MD = Multífido direito; PilatesD = Pilates realizado com membro inferior direito; PilatesE = Pilates realizado com membro inferior esquerdo; SpineD = Spine Stabilization realizado com membro inferior direito; SpineE = Spine Stabilization realizado com membro inferior esquerdo; Will = Williams; P1 = PilatesD × PilatesE; P2 = PilatesD × SpineD; P3 = PilatesD × SpineE; P4 = PilatesD × Will; P5 = PilatesE × SpineD; P6 = PilatesE × SpineE; P7 = PilatesE × Will; P8 = SpineD × SpineE; P9 = SpineD × Will; P10 = SpineE × Will. Fonte: Dados da pesquisa. Nota: Diferenças significantes, quando p < 0,05.
  • 6. Fisioter Mov. 2013 jan/mar;26(1):87-94 Silva MAC, Dias JM, Silva MF, Mazuquin BF, Abrão T, Cardoso JR. 92 com nossos resultados de que o exercício baseado no método Pilates apresenta uma porcentagem de ativação maior que a Spine Stabilization. Como músculo multífido tem a capacidade de controlar o movimento de um segmento móvel ileso da coluna lombar e restaurar o controle desse seg- mento após uma lesão (18), é importante investigar a ativação desse músculo aplicada à reabilitação. Conforme os resultados encontrados nesse estudo, o ideal seria aplicar o exercício do método Pilates como evolução dos exercícios do Spine Stabilization e da Série de Williams. Em um estudo (19)americano foram encontradas porcentagens de contração isométrica voluntária má- xima (CIVM) de 56% para multífido esquerdo e 50% para multífido direito em um exercício de extensão de tronco (Série de Williams). Entretanto, esse foi rea- lizado mantendo o quadril equilibrado em uma bola suíça e os pés no chão, demonstrando que variações do exercício básico utilizado nesse trabalho podem promover maiores porcentagens de ativação da mus- culatura. Ainda nesse trabalho, o autor classifica o exercício quadruped como um exercício moderado, pois, como em nosso estudo, obteve uma porcenta- gem de ativação menor que 50%. Como visto anteriormente, no exercício do Spine Stabilizationrealizadocomomembroinferioresquer- doemsuafaseexcêntrica,omultífidodireitofoiomais Na comparação entre os exercícios para o MD, diferenças significantes foram encontradas a favor do Pilates com o membro inferior esquerdo (23,7%) quando comparado com o Spine Stabilization com o membroinferiordireito(p=0,001),SpineStabilization comomembroinferioresquerdo(p=0,002)e Williams (p = 0,003) (Quadros 3 e 4). Discussão O exercício leg pull front support adaptado do método Pilates foi o que apresentou maior porcen- tagem de ativação entre os exercícios avaliados (23,2 a 25,5%). Menacho et al. (15) avaliaram a ativação da musculatura extensora em três exercícios de Pilates: swimming (61%), single leg kick (19%) e double leg kick (47%). Estes dados confirmam que os exercí- cios do Pilates podem promover boa ativação desse grupo muscular. Para o pós-operatório de microdiscectomia, Flannagan et al. (16) e Selkovitz et al. (17)apresen- taram em seus estudos um protocolo com exercícios para tronco e membros inferiores. O protocolo apon- tou várias séries de exercícios e suas progressões, en- tre elas, uma em que se inicia com o quadruped exer- cise e, em seu maior grau de dificuldade, um exercício semelhante ao leg pull front support, corroborando Quadro 4 - Comparação dos valores de porcentagem de ativação (média e desvio padrão) normalizados entre exercícios na fase excêntrica Exercício p Músculo PilatesD PilatesE SpineD SpineE Will P1 P2 P3 P4 P5 P6 P7 P8 P9 P10 ME 24,7 (2,3) 22,7 (2,9) 20,9 (5,4) 18,3 (3,3) 17,6 (2,2) 0,68 1 0,3 0,002 1 0,28 0,05 1 1 1 MD 24,8 (4,25) 24,7 (3,8) 19,1 (4,0) 20,5 (3,6) 19,3 (3,7) 1 0,5 0,28 0,57 0,39 0,38 0,11 1 1 1 Legenda: ME = Multífido esquerdo; MD = Multífido direito; PilatesD = Pilates realizado com membro inferior direito; PilatesE = Pilates realizado com membro inferior esquerdo; SpineD = Spine Stabilization realizado com membro inferior direito; SpineE = Spine Stabilization realizado com membro inferior esquerdo; Will = Williams; P1 = PilatesD × PilatesE; P2 = PilatesD × SpineD; P3 = PilatesD × SpineE; P4 = PilatesD × Will; P5 = PilatesE × SpineD; P6 = PilatesE × SpineE; P7 = PilatesE × Will; P8 = SpineD × SpineE; P9 = SpineD × Will; P10 = SpineE × Will. Fonte: Dados da pesquisa. Nota: Diferenças significantes, quando p < 0,05.
  • 7. Fisioter Mov. 2013 jan/mar;26(1):87-94 Análise comparativa da atividade elétrica do músculo multífido durante exercícios do Pilates, série de Williams e Spine Stabilization 93 3. Gonçalves M, Barbosa FSS. Análise de parâmetros de força e resistência dos músculos eretores da es- pinha lombar durante a realização de exercício iso- métrico em diferentes níveis de esforço. Rev Bras Med Esporte. 2005;11(2):109-14. doi:10.1590/ S1517-86922005000200003. 4. Holmstrom E, Moritz U, Andersson M. Trunk muscle strength and back muscle endurance in construction workers with and without low back disorders. Scand J Rehabil Med. 1992;24(1):3-10. PMid:1534932. 5. Danneels LA, Vanderstraeten GG, Cambier DC, Wi- tvrouw EE, Bourgois J, Dankaerts W, et al. Effects of three different training modalities on the cross sec- tional area of the lumbar multifidus muscle in pa- tients with chronic low back pain. Br J Sports Med. 2001;35(3):186-91. doi:10.1136/bjsm.35.3.186. 6. Suni J, Rinne M, Natri A, Statistisian MP, Parkkari J, Alaranta H. Control of the lumbar neutral zone de- creases low back pain and improves self-evaluated work ability: a 12-month randomized controlled study. Spine. 2006;31:E611-20. doi:10.1097/01.brs. 0000231701.76452.05. 7. Kader D, Wardlaw D, Smith F. Correlation between the MRI changes in the lumbar multifidus muscles and leg pain. Clin Radiol. 2000;55:145-9. doi:10.1053/ crad.1999.0340. 8. Sacco ICN, Andrade MS, Souza PS, Nisiyama M, Cantuária AL, Maeda FYI, et al. Método pilates em revista: aspectos biomecânicos de movimentos es- pecíficos para reestruturação postural – estudos de caso. R Bras Ci e Mov. 2005;13:65-78. 9. Dorado C, Calbet JAL, Lopez-Gordillo A, Alayon S, Sanchis-Moysi J. Marked effects of Pilates on the abdominal muscles: a longitudinal MRI study. Med Sci Sports Exerc. 2012;44(8):1589-94. doi:10.1249/ MSS.0b013e31824fb6ae. 10. Kolyniak IEG, Cavalcanti SMB, Aoki MS. Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexão e extensão do tronco: efeito do método Pilates. Rev Bras Med Esporte. 2004;10(6):487-90. doi:10.1590/ S1517-86922004000600005. 11. Blackburn SE, Portney LG. Electromyographic activity of back musculature during Williams' flexion exer- cises. Phys Ther. 1981;61(6):878-5. PMid:6454146. recrutado ao comparar a porcentagem do valor de RMS, isso se deve possivelmente ao trabalho de es- tabilização feito pelo músculo para que o movimento com o membro inferior contralateral possa ocorrer. Em uma análise da arquitetura muscular do multífido, Wardetal.(20)concluíramqueessemúsculotemuma estrutura anatômica propícia para agir como estabi- lizador quando grandes forças são produzidas, como por exemplo, a extensão do membro, além de que o multífido fornece uma fonte essencial de extensão e torque de rotação para a base da coluna (21). Conclusão Os resultados apontaram que exercício do Pilates, quando comparada a porcentagem de ativação, pro- porciona uma atividade muscular maior que nos demais exercícios analisados. Portanto, na prática clínica, considerando esses resultados, é sugerido que se utilize o exercício do Pilates em uma fase mais avançada de tratamento. Além disso, foi ob- servada a importância do músculo multífido em sua ação estabilizadora. Agradecimentos Os autores agradecem à Fisioterapeuta Ana Paula Rossetto G. Cardoso pelas orientações quanto aos exercícios e leitura crítica do manuscrito e tam- bém agradecem ao CNPq pelo Edital MCT/CNPq 12/2010, à Fundação Araucária pelo Edital Programa de Apoio à Pesquisa Básica e Aplicada (14/2008) e pela Bolsa Produtividade em Pesquisa para os dois últimos autores. Referências 1. Bogduk N, Macintosh JE, Pearcy MJ. A universal model of the lumbar back muscles in the upright position. Spine. 1992;17(8):897-913. doi:10.1097/ 00007632-199208000-00007. 2. Kendall F, McCreary EK, Provance P, Rodgers MM, Romani WA. Músculos provas e funções. 5. ed. São Paulo: Manole; 2007.
  • 8. Fisioter Mov. 2013 jan/mar;26(1):87-94 Silva MAC, Dias JM, Silva MF, Mazuquin BF, Abrão T, Cardoso JR. 94 18. Macdonald DA, Moseley GL, Hodges PW. The lumbar multifidus: does the evidence support clinical be- liefs? Man Ther. 2006;11(4):254-63. doi:10.1016/j. math.2006.02.004. 19. Ekstrom RA, Osborn RW, Hauer PL. Surface elec- tromyographic analysis of the low back muscles du- ring rehabilitation exercises. J Orthop Sports Phys Ther. 2008;28:736-45. 20. Ward SR, Kim CW, Eng CM, Gottschalk IV LJ, Tomiya A, Garfin, SR, et al. Architectural analysis and intra- operative measurements demonstrate the unique design of the multifidus muscle for lumbar spine stability. J Bone Joint Surg Am. 2009;91(1):176-85. doi:10.2106/JBJS.G.01311. 21. Tateuchi H, Taniguchi M, Mori N, Ichihashi N. Balance of hip and trunk muscle activity is associated with increased anterior pelvic tilt during prone hip ex- tension. J Electromyogr Kinesiol. 2012;22(3):391-7. doi:10.1016/j.jelekin.2012.03.003. Recebido: 19/07/2012 Received: 07/19/2012 Aprovado: 10/01/2013 Approved: 01/10/2013 12. McGill SM, Karpowicz A. Exercises for spine stabi- lization: motion/motor patterns, stability progres- sions, and clinical technique. Arch Phys Med Rehabil. 2009;90(1):118-26. doi:10.1016/j.apmr.2008.06.026. 13. Souza GM, Baker LL, Powers CM. Electromyogra- phic activity of selected trunk muscles during spi- ne stabilization exercises. Arch Phys Med Rehabil. 2001;82(11):1551-7. doi:10.1053/apmr.2001.26082. 14. Fritz JM, Whitman JM, Childs JD. Lumbar spine seg- mental mobility assessment: an examination of va- lidity for determining intervention strategies in pa- tients with low back pain. Arch Phys Med Rehabil. 2005;86:1745-52. doi:10.1016/j.apmr.2005.03.028. 15. Menacho MO, Obara K, Conceição JS, Chitolina ML, Krantz DR, Silva AS, et al. Electromyographic effect of mat Pilates exercise on the back muscle activity of healthy adult females. J Manipulative Physiol Ther. 2010;33(9):672-8. doi:10.1016/j.jmpt.2010.08.012. 16. Flanagan SP, Kulig K, Clinresnet P. Time courses of adaptation in lumbar extensor performance of pa- tients with a single-level microdiscectomy during a physical therapy exercise program. J Orthop Sports Phys Ther. 2010;40(6):336-44. PMid:20479532. 17. Selkowitz DM, Kulig K, Clinresnet P, Poppert EM, Flanagan SP, Matthews ND, Beneck GJ, et al. The immediate and long-term effects of exercise and patient education on physical, functional, and quality-of-life outcome measures after single-level lumbar microdiscectomy: a randomized controlled trial protocol. BMC Musculoskelet Disord, 2006;7:70. doi:10.1186/1471-2474-7-70.