Aldeni poesia turma 900 2014

954 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
954
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
56
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aldeni poesia turma 900 2014

  1. 1. INFÂNCIA ENCANTADA Temos uma coisa dentro de nós sem nome e sem forma. Essa coisa é o que somos. Temos bons motivos para acreditar que isso em mim é saudade. E parte dela, acredito, que a maioria se desgasta em lembrança. A ideia de que um dia teremos saudade do hoje É perturbadora. Mais ainda, de que tudo o que vivemos será esquecido, Pois é inevitável. O quintal, o jardim, os muros. As fotografias, eu as encontrei e mergulhei no mar de emoções. A grande e antiga mesa de madeira, a escada que rangia, Os artefatos de meu pai, relíquias para ele das quais se orgulhava. Lembro-me de cada detalhe de minha antiga casa, Do tamanho dos móveis e onde estavam localizados. Lembro-me de meus brinquedos E no canto do quintal onde brincava.
  2. 2. Sei que a minha casa está demolida, tento me conformar, Porém a saudade é inquebrável, e não senti-la é impossível. Rasguei todas as fotos por motivo que ainda desconheço, Pois vivendo uma dor passada no presente, será vivê-la no futuro eternamente. Não me importa se as fotografias estão rasgadas. As imagens estão bem claras, vagando em alguma dimensão do meu cérebro. Não me importa se a casa foi demolida, O menino continua lá no seu recanto como brinquedo semirreal. LARISSA DIAS E REBECCA SILVA, TURMA 900 LEMBRANÇAS Lembro-me do banco de madeira, Das lembranças boas de quando eu estava lá. Lembro-me do meu primeiro beijo Com a sobrinha da minha vizinha. Foi numa festa de Natal em minha casa. Conversamos e brincamos à noite toda Até que nos sentamos no banco e ficamos nos olhando Sem sair nenhuma palavra, com respiração ofegante.
  3. 3. De tanto brincar, até que ela me perguntou se eu queria beijá-la. E eu perguntei por quê? Para sentir como é beijar alguém. Éramos inocentes e não tínhamos experiência, mas foi especial. Depois desta festa, voltei tarde para casa. Aquele degrau que pulei era o quinto que rangia. Deitei em minha cama E até hoje recordo como se fosse ontem. ALEX E MADSSON, TURMA 900 SAUDADES DO MEU PASSADO Memórias da casa onde nasci e vivi. Entre papéis inúteis em minha gaveta, Encontrei trinta fotografias guardadas Que nem mais me lembrava.
  4. 4. Minha mãe não dormia até o último filho chegar. Tantos colóquios amorosos, geralmente inocentes, no quintal. A acácia floria todos os anos, lindas flores do outro lado do muro Me fazia ler Sonetos de Raul de Leoni. Na sala de jantar, a grande mesa antiga rodeada por seis cadeiras. Ao lado da janela, as sobressalentes, Que os primos recorriam diretamente. Rasguei as fotografias para não sofrer por um passado. As fotografias rasgadas, atirei tudo pela janela Como se a rua parada Parasse meu mundo com ela. KATRINE E LUCAS ROSADO, TURMA 900
  5. 5. MEMÓRIAS NÃO FICAM EM FOTOGRAFIA Estava recordando a minha antiga casa. Ela me lembrava das coisas da vida passada. Peguei as fotografias, eram todas muito lindas. Lembrei-me de coisas que você nem imagina. A casa era muito bonita, Pena que ela foi destruída. Era muito bom quando ficava no quintal, Tudo era muito sensacional. Eu tinha várias fotografias da minha casa, Mas a memória fica no coração E as fotografias se vão. De que vale sofrer Por um lugar onde foi a casa? Porque a vida continua e pode ser admirada. HIGOR E MACIEL CURVELLO, TURMA 900
  6. 6. FOTOGRAFIAS ESQUECIDAS Fotografias perdidas e esquecidas, Lembrança de vários anos da minha vida. Fotografias que tirei Logo antes de minha saída. Lembrei-me da minha mãe Quando ela esperava a mim e meus irmãos. Ela só iria dormir Quando o último dos filhos chegasse. Várias fotografias Do jardim, da escada, da mesa de jantar, Do escritório do papai e duas da cozinha. Até fotos de cada quarto ali havia. Lembranças do quintal. Cada foto uma saudade Que com grande tristeza Meu coração invade. Mas do que adianta as fotografias Se a casa foi destruída? E com elas se vão minhas lembranças de uma casa Onde um garoto feliz ali vivia.
  7. 7. ADALBERTO ROCHA E JOÃOPEDRO, TURMA 900 A CASA DOS MEUS SONHOS Ah! Assim foi a casa dos meus sonhos! Bem clichê. Feito contos de fadas. Com rosas vermelhas por todo o jardim, Com vista de frente para o mar, Com um cachorro a me acompanhar Me sentia livre num lugar só meu. Pela manhã ouvia os pássaros cantar Via o sol raiar Com sua beleza natural. Mas me faltava algo para um final feliz. Um príncipe encantado, Quem sabe Então meu conto seria perfeito? Eu nem sempre vivi em mil maravilhas, Mas tentei amenizar cada ferida Que a vida me trouxe Em cada despertar de um novo dia. E penso comigo mesma De que vale sofrer por um passado
  8. 8. Que fez parte das minhas feridas? ELLEM E ANDRÉIA, TURMA 900 RECORDAÇÕES Oh, como eu sinto saudade Da minha antiga casa Onde nela me acalmava E me fazia pensar na vida! São tantas memórias vividas, Tantas emoções sentidas, Uma infância inesquecível e querida. No jardim, as flores, A escada que rangia. Foi profundamente momentâneo Recordar em fotografias Que felizmente restaram Com belas recordações do passado. STEPHANNY RODRIGUES E STEFFANNY SANTANA, TURMA 900
  9. 9. SAUDADES Trinta fotografias tiradas e esquecidas Jogadas numa gaveta inútil. Antes de sair, delas me lembrei. Sabe lá Deus por que as guardei. Durante anos esquecidas no meio de papéis inúteis Como se precisasse dessas fotos guardadas, Pois não saem da minha memória Aquilo que a mim é útil. Fotos do canto do jardim, o banco de madeira, A antiga mesa da sala de jantar. Ah, que saudade da minha casa! Rasgo as fotografias. Do que vale sofrer por um passado destruído? Já que as fotografias são momentos eternamente vividos. BEATRIZ E RAYANNA, TURMA 900
  10. 10. LEMBRANÇA Rasguei aquelas fotografias, Pois não adiantava mais olhá-las. As verdadeiras lembranças ficam no coração. O tempo que não volta mais. Eu era feliz e não sabia. Como não ter responsabilidade era bom! Eu só brincava e estudava no quarto Daquela imensa casa. Quando meus primos vinham pra cá Era só “Deus na causa”, Pois uma grande bagunça se formava. O tempo não volta mais. Agora estou velho, infeliz, mas responsável. Eu era feliz e, hoje, nada mais. NATÁLIA E FÁBIO DA SILVA, TURMA 900
  11. 11. LEMBRANÇAS PASSADAS Passado lembrado em memória E fotografias. Lembro-me das flores, do belo quintal E da bela casa onde fui criado. Na mudança, olho para a gaveta. Deparo-me com fotografias do passado Fazendo com que minha memória Se lembrasse com mais clareza dos belos momentos. Não só momentos, mas sim coisas, Lugares e como era a casa e o quintal Que hoje é um apartamento de cinco andares. Demoliram, sim, a casa, mas não minhas memórias. LUÍS HENRIQUE E FABRÍCIO, TURMA 900
  12. 12. SAUDADE Há uma saudade em meu peito E ao ver as fotografias desperta meu anseio. Lembranças tenho da minha infância, Mas não queria relembrá-las. Nada posso fazer, pois não tinha conhecimento Do que iria acontecer ao encontrá-las. Apesar das minhas más lembranças, Tenho boas esperanças. De nada valia o meu silêncio, Pois um dia minha mãe perdia o seu sono À espera da minha chegada. Hoje rasgo essas fotografias Que vieram de uma gaveta cheia de inutilidades. Porém da minha mente não poderei tirá-las, Porque em uma casa que foi demolida Passei os primeiros vinte e quatro anos da minha vida. ANNA BEATRIZ, REBECA ANDRADE E THAMIRES, TURMA 900
  13. 13. FOTOGRAFIAS DA INFÂNCIA Fotografia foi o que restou Daquela casa que tanto me aconchegou. Na memória, as lembranças Das brincadeiras no quintal quando era criança. Do quinto degrau da escada, vinha um barulho estranho Que durante à noite despertava a mamãe de seu sono. Já no jardim, lindas flores Que durante a primavera enfeitava a casa com suas cores. Guardar tudo na memória é um desafio Por me lembrar de tantas coisas E tanto momentos vividos Naquela casa de jardim florido. Quando me deparo com antigas fotografias Penso se vale mesmo apenas Sofrer por causa da lembrança do passado Por não poder voltar ao tempo. Se a vida me permitisse, Voltaria a ser criança. Mas como não é possível, Fica apenas na lembrança. MARIANA E SIBELLY, TURMA 900

×