O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Caso Clínico- ALCOOLISMO 
Manoel, 34 anos, pedreiro, morador da zona leste de São Paulo, 
filho de nordestinos paraibanos ...
Perguntas: 
- O que aconteceu com Cristiano ao longo de sua vida; quais os seus 
diagnosticos? 
- que exames você pediria ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Alcoolismo caso-clnico - delirium -demencia (1)

603 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Alcoolismo caso-clnico - delirium -demencia (1)

  1. 1. Caso Clínico- ALCOOLISMO Manoel, 34 anos, pedreiro, morador da zona leste de São Paulo, filho de nordestinos paraibanos que vieram para a cidade grande tentar a vida na década de 50; é casado com Joana e tem um casal de filhos de 8 e 11 anos. Bebedor de cachaça e cerveja desde os 11 anos, tendo adquirido este “hábito” com sua família de origem. Atualmente vem apresentando sintomas clínicos relacionados a problemas de estômago e fígado. Procurou o Posto do ESF, perto de sua casa , foi atendido pelo Dr. Cristiano, de quem gostou muito. Dr. Cristiano pediu alguns exames e fez um “teste “com ele,o qual deixou claro que ele tem que diminuir ou parar de beber. Chegando em casa ele conversou com a mulher, que ficou feliz dele parar de beber.Joana falou que ele cada vez estava bebendo mais e que as crianças já comentavam seu comportamento agressivo e sem paciência. Chegava em casa e ia dormir. Manoel tentou parar e ficou assustado quando percebeu que ele não conseguia parar de beber . Na primeira semana que tentou começou a ficar nervoso, com insônia, tremia muito, agitado, e começou a ver “coisas”, cismando com o vizinho. Veio um forte desejo de beber e chegou a ficar agressivo com a família quando eles tentaram impedi-lo de beber. Manoel voltou a beber e nada que os médicos fizessem mudava sua conduta. Mudou-se da comunidade. Muitos anos depois Dr. Cristiano foi trabalhar em outra cidade e encontrou Cristiano, mas este não o reconheceu, se desculpando alegando que a “memoria tava fraca”. Ia sempre na unidade da ESF porque tinha problemas para andar:”pernas fracas”. Estava magro, com ascite e continuava bebendo, pois precisava beber para para parar de tremer de manha. Não conseguia mais trabalhar, sua conversa era sem graça, respondia lentamente as perguntas e não se interessava por mais nada. Sua esposa tinha morrido de câncer e ele vivia coma pensão do INSS e a ajuda dos filhos.
  2. 2. Perguntas: - O que aconteceu com Cristiano ao longo de sua vida; quais os seus diagnosticos? - que exames você pediria nestes dois momentos? - quais seriam sua conduta nestes dois momentos?

×