SlideShare uma empresa Scribd logo
Grandes mudanças ocorreram na forma de fazer agricultura depois da
utilização de tratores e o uso intensivo de adubos químicos e agrotóxicos. Muitos
agricultores mudaram seus sistemas e técnicas e passaram a depender destes
insumos para manter a produção.

      No entanto, essas mudanças não aconteceram sozinhas. A intensificação da
produção a partir de insumos favoreceu principalmente grandes agricultores e
criou dificuldades para a pequena produção. A agricultura dependente de
insumos externos aliada a variações nos preços dos produtos agrícolas deixam a
produção familiar fragilizada e levam as terras a empobrecerem.

       Na Região do Litoral Norte do Rio Grande do Sul estas mudanças
aconteceram um pouco diferente. A recuperação da fertilidade dos solos que era
feita através do sistema pousio-corte-queima (coivara), deixou de ser feito devido
à necessidade de manter mais e maiores áreas de roça para garantir o sustento
familiar. Porém, com o passar dos anos, as terras sem descanso sofrem erosão e
perdem sua fertilidade. Com a evolução das leis ambientais, o sistema tradicional
de queimada foi proibido o que dificultou ainda mais a continuidade destas
formas de manejo.

      Cultivos como o fumo, horticultura e a bananicultura incorporaram de
forma mais intensiva o uso de adubos e agrotóxicos. Atualmente, estes sistemas
de produção tem sua viabilidade econômica dependente das variações do preço
de compra dos insumos e dos preços de venda. Isso coloca muitos agricultores
numa condição desfavorável, sobretudo aqueles que dependem de
financiamento.

      Nesta cartilha procuramos abordar algumas práticas e técnicas que podem
auxiliar os agricultores a quebrarem este ciclo e tornarem-se mais independentes,
buscando maior qualidade de vida para suas famílias e melhorando o seu principal
recurso de produção: a Terra.
Azedinha (Oxalis oxyptera)             Terra argilosa, pH baixo, deficiência de Ca e de Mo.
Beldroega (Portulaca oleracea)         Solo fértil, não prejudica as lavouras, protege o solo e é planta
                                       alim entícia com elevado teor de proteína.
Cabelo-de-porco (Carex sp.)            Com pactação e pouco cálcio.
Capim-caninha ou capim-colorado        Solos    tem porariam ente    encharcados,        periodicam ente
(Andropogon laterallis)                queim ados e com deficiência de fósforo.
Capim-marm elada ou papuã              Típico de solos constantem ente arados, gradeados e com
(Brachiaria plantaginea)               deficiência de Zn; desaparece com o plantio de centeio, aveia
                                       preta e ervilhaca; dim inui com a perm anência da própria
                                       palhada sobre a superfície do solo; regride com a adubação
                                       corretiva de P e Ca e com a reestruturação do solo.
Capim rabo-de-burro                    Típico de terras abandonadas e gastas - indica solos ácidos
(Andropogon sp.)                       com baixo teor de Ca, im perm eável entre 60 e 120 cm de
                                       profundidade.
Capim amoroso ou carrapicho            Solo em pobrecido e m uito duro, deficiência de Ca.
(Cenchrus spp.)
Caraguatá (Erygium ciliatum)           Húm us ácido, desaparece com a calagem e rotação de
                                       culturas; freqüente em solos onde se praticam queim adas.
Carqueja (Bacharis articulata)         Pobreza do solo, com pactação superficial, prefere solos com
                                       água estagnada na estação chuvosa.
Carrapicho-de-carneiro                 Deficiência de Ca.
(Acanthospermum hispidum)
Dente-de-leão (Taraxacum officinale)   Indica solo fértil.
Grama-seda (Cynodon dactylon)          Indica solo m uito com pactado.
Guanxuma (Sida sp.)                    Solo com pactado ou superficialm ente erodido. Em solo fértil fica
                                       viçosa; em solo pobre fica pequena.

Língua-de-vaca (Rumex obtusifolius)    Solos com pactados e úmidos. Ocorre freqüentem ente após
                                       lavouras m ecanizadas e em solos m uito expostos ao pisoteio
                                       do gado.

M aria-mole (Senecio brasiliensis)     Solo adensado (40 a 120 cm). Regride com a aplicação de K e
                                       em áreas subsoladas.
M io-mio (Baccharis coridifolia)       Ocorre em solos rasos e firm es, indica deficiência de Mo.
Nabo (Raphanus raphanistrum)           Deficiência de B e Mn.
Picão preto (Galinsoga parviflora)     Solo com excesso de N e deficiente em m icronutrientes,
                                       principalm ente Cu.
Samambaia (Pteridium aquilinium)       Alto teor de alum ínio. Sua presença reduz com a calagem . As
                                       queim adas fazem voltar o alum ínio ao solo e proporcionam em
                                       retorno vigoroso da sam ambaia.

Tanchagem (Plantago maior)             Solos com pouca aeração, com pactados ou adensados.
Tiririca (Cyperus rotundus)            Solos ácidos, adensados, anaeróbicos, com carência de Mg.
Urtiga (Urtica urens)                  Excesso de N (m atéria orgânica). Deficiência de Cu
É indicado para áreas com maior declividade. Consiste em deixar faixas de
vegetação permanente respeitando as curvas de nível dentro das áreas de cultivo. Estas
faixas servem como uma barreira para evitar o escorrimento superficial da água,
ajudando na sua infiltração e evitando a erosão do solo. Nestas curvas de nível é comum
utilizar cultivos de cana de açúcar, capim elefante, árvores frutíferas, etc..
Inclinação do    Distância
        terreno      entre faixas
        2 a 4%        45 metros
        4 a 6%        40 metros
        6 a 8%        35 metros
       8 a 10%        30 metros




12
a última
camada deve
ser feita com
uma boa co-
bertura de
palha para
evitar o en-
charcamento
em caso de
chuva,
Realização:   Patrocínio:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Memorando do Processo de Produção da Mecanização Agrícola
Memorando do Processo de Produção da Mecanização AgrícolaMemorando do Processo de Produção da Mecanização Agrícola
Memorando do Processo de Produção da Mecanização Agrícola
Paulo Frazilio Mechanical Engineer
 
Gramados no Paisagismo
Gramados no PaisagismoGramados no Paisagismo
Gramados no Paisagismo
Chusquea Paisagismo e Permacultura
 
Seminário stab 2013 agrícola - 07. influência do corte de cana crua na adub...
Seminário stab 2013   agrícola - 07. influência do corte de cana crua na adub...Seminário stab 2013   agrícola - 07. influência do corte de cana crua na adub...
Seminário stab 2013 agrícola - 07. influência do corte de cana crua na adub...
STAB Setentrional
 
Resumo cana de açucar
Resumo cana de açucarResumo cana de açucar
Resumo cana de açucar
Carlos Agro
 
Fruticultura
FruticulturaFruticultura
Fruticultura
Sher Hamid
 
Apostila de Física do Solo e Tensiometria
Apostila de Física do Solo e TensiometriaApostila de Física do Solo e Tensiometria
Apostila de Física do Solo e Tensiometria
IF Baiano - Campus Catu
 
Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja
Geagra UFG
 
Forragem- trabalho-seminário
Forragem- trabalho-seminárioForragem- trabalho-seminário
Forragem- trabalho-seminário
UNICAP
 
Cultivo de alface pronto
Cultivo de alface prontoCultivo de alface pronto
Cultivo de alface pronto
Tayza Taveira
 
Nutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milhoNutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milho
Geagra UFG
 
Monalysa
MonalysaMonalysa
Monalysa
santosjorane19
 
Mandioca no RS.
Mandioca no RS.Mandioca no RS.
Mandioca no RS.
Denifer Teixeira
 
Cot002
Cot002Cot002
Cot002
Renatofg1987
 
Solo Arenoso
Solo ArenosoSolo Arenoso
Solo Arenoso
Misterytu8
 
Apresentação Agromax slide
Apresentação Agromax slideApresentação Agromax slide
Apresentação Agromax slide
Sementes Agromax Ltda
 
Gramados e forrações
Gramados  e forraçõesGramados  e forrações
Gramados e forrações
Telma Moura
 
Nutricao e adubação do milho
Nutricao e adubação do milho Nutricao e adubação do milho
Nutricao e adubação do milho
Alisson Fernandes
 
Adubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e FoliarAdubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e Foliar
Geagra UFG
 

Mais procurados (18)

Memorando do Processo de Produção da Mecanização Agrícola
Memorando do Processo de Produção da Mecanização AgrícolaMemorando do Processo de Produção da Mecanização Agrícola
Memorando do Processo de Produção da Mecanização Agrícola
 
Gramados no Paisagismo
Gramados no PaisagismoGramados no Paisagismo
Gramados no Paisagismo
 
Seminário stab 2013 agrícola - 07. influência do corte de cana crua na adub...
Seminário stab 2013   agrícola - 07. influência do corte de cana crua na adub...Seminário stab 2013   agrícola - 07. influência do corte de cana crua na adub...
Seminário stab 2013 agrícola - 07. influência do corte de cana crua na adub...
 
Resumo cana de açucar
Resumo cana de açucarResumo cana de açucar
Resumo cana de açucar
 
Fruticultura
FruticulturaFruticultura
Fruticultura
 
Apostila de Física do Solo e Tensiometria
Apostila de Física do Solo e TensiometriaApostila de Física do Solo e Tensiometria
Apostila de Física do Solo e Tensiometria
 
Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja Correção do solo e adubação da soja
Correção do solo e adubação da soja
 
Forragem- trabalho-seminário
Forragem- trabalho-seminárioForragem- trabalho-seminário
Forragem- trabalho-seminário
 
Cultivo de alface pronto
Cultivo de alface prontoCultivo de alface pronto
Cultivo de alface pronto
 
Nutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milhoNutrição mineral na cultura do milho
Nutrição mineral na cultura do milho
 
Monalysa
MonalysaMonalysa
Monalysa
 
Mandioca no RS.
Mandioca no RS.Mandioca no RS.
Mandioca no RS.
 
Cot002
Cot002Cot002
Cot002
 
Solo Arenoso
Solo ArenosoSolo Arenoso
Solo Arenoso
 
Apresentação Agromax slide
Apresentação Agromax slideApresentação Agromax slide
Apresentação Agromax slide
 
Gramados e forrações
Gramados  e forraçõesGramados  e forrações
Gramados e forrações
 
Nutricao e adubação do milho
Nutricao e adubação do milho Nutricao e adubação do milho
Nutricao e adubação do milho
 
Adubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e FoliarAdubação de Cobertura e Foliar
Adubação de Cobertura e Foliar
 

Semelhante a Cartilha anama agric_familiar

Cartilha da ANAMA (Associação Nascente Maquiné) para Práticas Agroecológicas ...
Cartilha da ANAMA (Associação Nascente Maquiné) para Práticas Agroecológicas ...Cartilha da ANAMA (Associação Nascente Maquiné) para Práticas Agroecológicas ...
Cartilha da ANAMA (Associação Nascente Maquiné) para Práticas Agroecológicas ...
Carol Daemon
 
6º ano - 1º bimestre - Solo
6º ano - 1º bimestre - Solo6º ano - 1º bimestre - Solo
6º ano - 1º bimestre - Solo
Carolina Suisso
 
O mundo rural em portugal e seus fatores
O mundo rural em portugal e seus fatoresO mundo rural em portugal e seus fatores
O mundo rural em portugal e seus fatores
Cacilda Basto
 
Bioma Caatinga
Bioma CaatingaBioma Caatinga
Bioma Caatinga
Jean Leão
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
Trabalho de Ecologia - Bioma Pampa
Trabalho de Ecologia - Bioma PampaTrabalho de Ecologia - Bioma Pampa
Trabalho de Ecologia - Bioma Pampa
Jean Leão
 
Formação e Manejo de Pastagens Tropicais
Formação e Manejo de Pastagens TropicaisFormação e Manejo de Pastagens Tropicais
Formação e Manejo de Pastagens Tropicais
Sérgio Amaral
 
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2
Antonio Pessoa
 
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2
Antonio Pessoa
 
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2
Antonio Pessoa
 
Potafos cana
Potafos canaPotafos cana
Potafos cana
gustavohfs
 
Clima e biodiversidade parte 3
Clima e biodiversidade parte 3Clima e biodiversidade parte 3
Clima e biodiversidade parte 3
Gabriela de Lima
 
Brasildomniosmorfoclimticos 120820152533-phpapp02 (1)
Brasildomniosmorfoclimticos 120820152533-phpapp02 (1)Brasildomniosmorfoclimticos 120820152533-phpapp02 (1)
Brasildomniosmorfoclimticos 120820152533-phpapp02 (1)
JANAINAIARANASCIMENT
 
brasildomniosmorfoclimticos- 7 ano.pptxa
brasildomniosmorfoclimticos- 7 ano.pptxabrasildomniosmorfoclimticos- 7 ano.pptxa
brasildomniosmorfoclimticos- 7 ano.pptxa
CarladeOliveira25
 
brasildomniosmorfoclimticos-120820152533-phpapp02.pptx
brasildomniosmorfoclimticos-120820152533-phpapp02.pptxbrasildomniosmorfoclimticos-120820152533-phpapp02.pptx
brasildomniosmorfoclimticos-120820152533-phpapp02.pptx
Rosiney1
 
Info deserto-bx
Info deserto-bxInfo deserto-bx
Info deserto-bx
Ercio Novaes
 
[Livro] plantas noções básicas de jardinagem
[Livro] plantas   noções básicas de jardinagem[Livro] plantas   noções básicas de jardinagem
[Livro] plantas noções básicas de jardinagem
maria isabel
 
Caatinga
Caatinga Caatinga
Caatinga
professorjoseca
 
Degradação do solo
Degradação do soloDegradação do solo
Degradação do solo
Ivan Araujo
 
Pedologia / solo - Professor Edu Gonzaga 2013
Pedologia / solo - Professor Edu Gonzaga 2013Pedologia / solo - Professor Edu Gonzaga 2013
Pedologia / solo - Professor Edu Gonzaga 2013
Edu Gonzaga
 

Semelhante a Cartilha anama agric_familiar (20)

Cartilha da ANAMA (Associação Nascente Maquiné) para Práticas Agroecológicas ...
Cartilha da ANAMA (Associação Nascente Maquiné) para Práticas Agroecológicas ...Cartilha da ANAMA (Associação Nascente Maquiné) para Práticas Agroecológicas ...
Cartilha da ANAMA (Associação Nascente Maquiné) para Práticas Agroecológicas ...
 
6º ano - 1º bimestre - Solo
6º ano - 1º bimestre - Solo6º ano - 1º bimestre - Solo
6º ano - 1º bimestre - Solo
 
O mundo rural em portugal e seus fatores
O mundo rural em portugal e seus fatoresO mundo rural em portugal e seus fatores
O mundo rural em portugal e seus fatores
 
Bioma Caatinga
Bioma CaatingaBioma Caatinga
Bioma Caatinga
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
Trabalho de Ecologia - Bioma Pampa
Trabalho de Ecologia - Bioma PampaTrabalho de Ecologia - Bioma Pampa
Trabalho de Ecologia - Bioma Pampa
 
Formação e Manejo de Pastagens Tropicais
Formação e Manejo de Pastagens TropicaisFormação e Manejo de Pastagens Tropicais
Formação e Manejo de Pastagens Tropicais
 
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2
 
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2
 
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte2
 
Potafos cana
Potafos canaPotafos cana
Potafos cana
 
Clima e biodiversidade parte 3
Clima e biodiversidade parte 3Clima e biodiversidade parte 3
Clima e biodiversidade parte 3
 
Brasildomniosmorfoclimticos 120820152533-phpapp02 (1)
Brasildomniosmorfoclimticos 120820152533-phpapp02 (1)Brasildomniosmorfoclimticos 120820152533-phpapp02 (1)
Brasildomniosmorfoclimticos 120820152533-phpapp02 (1)
 
brasildomniosmorfoclimticos- 7 ano.pptxa
brasildomniosmorfoclimticos- 7 ano.pptxabrasildomniosmorfoclimticos- 7 ano.pptxa
brasildomniosmorfoclimticos- 7 ano.pptxa
 
brasildomniosmorfoclimticos-120820152533-phpapp02.pptx
brasildomniosmorfoclimticos-120820152533-phpapp02.pptxbrasildomniosmorfoclimticos-120820152533-phpapp02.pptx
brasildomniosmorfoclimticos-120820152533-phpapp02.pptx
 
Info deserto-bx
Info deserto-bxInfo deserto-bx
Info deserto-bx
 
[Livro] plantas noções básicas de jardinagem
[Livro] plantas   noções básicas de jardinagem[Livro] plantas   noções básicas de jardinagem
[Livro] plantas noções básicas de jardinagem
 
Caatinga
Caatinga Caatinga
Caatinga
 
Degradação do solo
Degradação do soloDegradação do solo
Degradação do solo
 
Pedologia / solo - Professor Edu Gonzaga 2013
Pedologia / solo - Professor Edu Gonzaga 2013Pedologia / solo - Professor Edu Gonzaga 2013
Pedologia / solo - Professor Edu Gonzaga 2013
 

Mais de Igor Bulhões

Ocapitalemquadrinhos 101026190846-phpapp01
Ocapitalemquadrinhos 101026190846-phpapp01Ocapitalemquadrinhos 101026190846-phpapp01
Ocapitalemquadrinhos 101026190846-phpapp01Igor Bulhões
 
Intolerancia religiosa em salvador da bahia
Intolerancia religiosa em salvador da bahiaIntolerancia religiosa em salvador da bahia
Intolerancia religiosa em salvador da bahia
Igor Bulhões
 
Pageflip 4204236-487363-lt educao-do_campo_e_for-2702367
Pageflip 4204236-487363-lt educao-do_campo_e_for-2702367Pageflip 4204236-487363-lt educao-do_campo_e_for-2702367
Pageflip 4204236-487363-lt educao-do_campo_e_for-2702367
Igor Bulhões
 
Cartas de amor nº 37
Cartas de amor nº 37Cartas de amor nº 37
Cartas de amor nº 37
Igor Bulhões
 
No mundo há muitas armadilhas
No mundo há muitas armadilhasNo mundo há muitas armadilhas
No mundo há muitas armadilhas
Igor Bulhões
 
No caminho com maiakovski
No caminho com maiakovskiNo caminho com maiakovski
No caminho com maiakovski
Igor Bulhões
 
Caderno de agitprop.finalizado
Caderno de agitprop.finalizadoCaderno de agitprop.finalizado
Caderno de agitprop.finalizado
Igor Bulhões
 
Reforma agrária na_bahia
Reforma agrária na_bahiaReforma agrária na_bahia
Reforma agrária na_bahia
Igor Bulhões
 
A inserção do_tema_agrário
A inserção do_tema_agrárioA inserção do_tema_agrário
A inserção do_tema_agrário
Igor Bulhões
 
Historia da agronomia na bahia
Historia da agronomia na bahiaHistoria da agronomia na bahia
Historia da agronomia na bahia
Igor Bulhões
 
A escola grícola da bahia
A escola grícola da bahiaA escola grícola da bahia
A escola grícola da bahia
Igor Bulhões
 
Art09
Art09Art09
Sofismo
SofismoSofismo
Sofismo
Igor Bulhões
 
Direitos quilombolas
Direitos quilombolasDireitos quilombolas
Direitos quilombolas
Igor Bulhões
 
Eudaldo
EudaldoEudaldo
Eudaldo
Igor Bulhões
 
Nota de solidariedade aos estudantes de cundinamarca
Nota de solidariedade aos estudantes de cundinamarcaNota de solidariedade aos estudantes de cundinamarca
Nota de solidariedade aos estudantes de cundinamarca
Igor Bulhões
 
095 maria antonieta
095 maria antonieta095 maria antonieta
095 maria antonieta
Igor Bulhões
 
Tese a formacao de saberes profissionais da agronomia em contexto de atuacao
Tese   a formacao de saberes profissionais da agronomia em contexto de atuacaoTese   a formacao de saberes profissionais da agronomia em contexto de atuacao
Tese a formacao de saberes profissionais da agronomia em contexto de atuacao
Igor Bulhões
 
Formacao do eng_agronomo
Formacao do eng_agronomoFormacao do eng_agronomo
Formacao do eng_agronomo
Igor Bulhões
 
2 cartilla basta-de_violencia_contra_las_mujeres_portugues
2   cartilla basta-de_violencia_contra_las_mujeres_portugues2   cartilla basta-de_violencia_contra_las_mujeres_portugues
2 cartilla basta-de_violencia_contra_las_mujeres_portugues
Igor Bulhões
 

Mais de Igor Bulhões (20)

Ocapitalemquadrinhos 101026190846-phpapp01
Ocapitalemquadrinhos 101026190846-phpapp01Ocapitalemquadrinhos 101026190846-phpapp01
Ocapitalemquadrinhos 101026190846-phpapp01
 
Intolerancia religiosa em salvador da bahia
Intolerancia religiosa em salvador da bahiaIntolerancia religiosa em salvador da bahia
Intolerancia religiosa em salvador da bahia
 
Pageflip 4204236-487363-lt educao-do_campo_e_for-2702367
Pageflip 4204236-487363-lt educao-do_campo_e_for-2702367Pageflip 4204236-487363-lt educao-do_campo_e_for-2702367
Pageflip 4204236-487363-lt educao-do_campo_e_for-2702367
 
Cartas de amor nº 37
Cartas de amor nº 37Cartas de amor nº 37
Cartas de amor nº 37
 
No mundo há muitas armadilhas
No mundo há muitas armadilhasNo mundo há muitas armadilhas
No mundo há muitas armadilhas
 
No caminho com maiakovski
No caminho com maiakovskiNo caminho com maiakovski
No caminho com maiakovski
 
Caderno de agitprop.finalizado
Caderno de agitprop.finalizadoCaderno de agitprop.finalizado
Caderno de agitprop.finalizado
 
Reforma agrária na_bahia
Reforma agrária na_bahiaReforma agrária na_bahia
Reforma agrária na_bahia
 
A inserção do_tema_agrário
A inserção do_tema_agrárioA inserção do_tema_agrário
A inserção do_tema_agrário
 
Historia da agronomia na bahia
Historia da agronomia na bahiaHistoria da agronomia na bahia
Historia da agronomia na bahia
 
A escola grícola da bahia
A escola grícola da bahiaA escola grícola da bahia
A escola grícola da bahia
 
Art09
Art09Art09
Art09
 
Sofismo
SofismoSofismo
Sofismo
 
Direitos quilombolas
Direitos quilombolasDireitos quilombolas
Direitos quilombolas
 
Eudaldo
EudaldoEudaldo
Eudaldo
 
Nota de solidariedade aos estudantes de cundinamarca
Nota de solidariedade aos estudantes de cundinamarcaNota de solidariedade aos estudantes de cundinamarca
Nota de solidariedade aos estudantes de cundinamarca
 
095 maria antonieta
095 maria antonieta095 maria antonieta
095 maria antonieta
 
Tese a formacao de saberes profissionais da agronomia em contexto de atuacao
Tese   a formacao de saberes profissionais da agronomia em contexto de atuacaoTese   a formacao de saberes profissionais da agronomia em contexto de atuacao
Tese a formacao de saberes profissionais da agronomia em contexto de atuacao
 
Formacao do eng_agronomo
Formacao do eng_agronomoFormacao do eng_agronomo
Formacao do eng_agronomo
 
2 cartilla basta-de_violencia_contra_las_mujeres_portugues
2   cartilla basta-de_violencia_contra_las_mujeres_portugues2   cartilla basta-de_violencia_contra_las_mujeres_portugues
2 cartilla basta-de_violencia_contra_las_mujeres_portugues
 

Cartilha anama agric_familiar

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6. Grandes mudanças ocorreram na forma de fazer agricultura depois da utilização de tratores e o uso intensivo de adubos químicos e agrotóxicos. Muitos agricultores mudaram seus sistemas e técnicas e passaram a depender destes insumos para manter a produção. No entanto, essas mudanças não aconteceram sozinhas. A intensificação da produção a partir de insumos favoreceu principalmente grandes agricultores e criou dificuldades para a pequena produção. A agricultura dependente de insumos externos aliada a variações nos preços dos produtos agrícolas deixam a produção familiar fragilizada e levam as terras a empobrecerem. Na Região do Litoral Norte do Rio Grande do Sul estas mudanças aconteceram um pouco diferente. A recuperação da fertilidade dos solos que era feita através do sistema pousio-corte-queima (coivara), deixou de ser feito devido à necessidade de manter mais e maiores áreas de roça para garantir o sustento familiar. Porém, com o passar dos anos, as terras sem descanso sofrem erosão e perdem sua fertilidade. Com a evolução das leis ambientais, o sistema tradicional de queimada foi proibido o que dificultou ainda mais a continuidade destas formas de manejo. Cultivos como o fumo, horticultura e a bananicultura incorporaram de forma mais intensiva o uso de adubos e agrotóxicos. Atualmente, estes sistemas de produção tem sua viabilidade econômica dependente das variações do preço de compra dos insumos e dos preços de venda. Isso coloca muitos agricultores numa condição desfavorável, sobretudo aqueles que dependem de financiamento. Nesta cartilha procuramos abordar algumas práticas e técnicas que podem auxiliar os agricultores a quebrarem este ciclo e tornarem-se mais independentes, buscando maior qualidade de vida para suas famílias e melhorando o seu principal recurso de produção: a Terra.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11. Azedinha (Oxalis oxyptera) Terra argilosa, pH baixo, deficiência de Ca e de Mo. Beldroega (Portulaca oleracea) Solo fértil, não prejudica as lavouras, protege o solo e é planta alim entícia com elevado teor de proteína. Cabelo-de-porco (Carex sp.) Com pactação e pouco cálcio. Capim-caninha ou capim-colorado Solos tem porariam ente encharcados, periodicam ente (Andropogon laterallis) queim ados e com deficiência de fósforo. Capim-marm elada ou papuã Típico de solos constantem ente arados, gradeados e com (Brachiaria plantaginea) deficiência de Zn; desaparece com o plantio de centeio, aveia preta e ervilhaca; dim inui com a perm anência da própria palhada sobre a superfície do solo; regride com a adubação corretiva de P e Ca e com a reestruturação do solo. Capim rabo-de-burro Típico de terras abandonadas e gastas - indica solos ácidos (Andropogon sp.) com baixo teor de Ca, im perm eável entre 60 e 120 cm de profundidade. Capim amoroso ou carrapicho Solo em pobrecido e m uito duro, deficiência de Ca. (Cenchrus spp.) Caraguatá (Erygium ciliatum) Húm us ácido, desaparece com a calagem e rotação de culturas; freqüente em solos onde se praticam queim adas. Carqueja (Bacharis articulata) Pobreza do solo, com pactação superficial, prefere solos com água estagnada na estação chuvosa. Carrapicho-de-carneiro Deficiência de Ca. (Acanthospermum hispidum) Dente-de-leão (Taraxacum officinale) Indica solo fértil. Grama-seda (Cynodon dactylon) Indica solo m uito com pactado. Guanxuma (Sida sp.) Solo com pactado ou superficialm ente erodido. Em solo fértil fica viçosa; em solo pobre fica pequena. Língua-de-vaca (Rumex obtusifolius) Solos com pactados e úmidos. Ocorre freqüentem ente após lavouras m ecanizadas e em solos m uito expostos ao pisoteio do gado. M aria-mole (Senecio brasiliensis) Solo adensado (40 a 120 cm). Regride com a aplicação de K e em áreas subsoladas. M io-mio (Baccharis coridifolia) Ocorre em solos rasos e firm es, indica deficiência de Mo. Nabo (Raphanus raphanistrum) Deficiência de B e Mn. Picão preto (Galinsoga parviflora) Solo com excesso de N e deficiente em m icronutrientes, principalm ente Cu. Samambaia (Pteridium aquilinium) Alto teor de alum ínio. Sua presença reduz com a calagem . As queim adas fazem voltar o alum ínio ao solo e proporcionam em retorno vigoroso da sam ambaia. Tanchagem (Plantago maior) Solos com pouca aeração, com pactados ou adensados. Tiririca (Cyperus rotundus) Solos ácidos, adensados, anaeróbicos, com carência de Mg. Urtiga (Urtica urens) Excesso de N (m atéria orgânica). Deficiência de Cu
  • 12. É indicado para áreas com maior declividade. Consiste em deixar faixas de vegetação permanente respeitando as curvas de nível dentro das áreas de cultivo. Estas faixas servem como uma barreira para evitar o escorrimento superficial da água, ajudando na sua infiltração e evitando a erosão do solo. Nestas curvas de nível é comum utilizar cultivos de cana de açúcar, capim elefante, árvores frutíferas, etc..
  • 13. Inclinação do Distância terreno entre faixas 2 a 4% 45 metros 4 a 6% 40 metros 6 a 8% 35 metros 8 a 10% 30 metros 12
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24. a última camada deve ser feita com uma boa co- bertura de palha para evitar o en- charcamento em caso de chuva,
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47. Realização: Patrocínio: