Raffaella Rossettoraffaella@apta.sp.gov.brInfluência do corte de cana crua na adubação N e K emcana socaRecife, 2013.
Questão ambiental promove mudança no sistema de produção
Colchão de PalhaPromove conservação do solo, adições de matéria orgânicareciclagem de nutrientes, melhoramento da fertilid...
A camada de paha traz dificuldades para as operações agrícolas. A incorporação defertilizantes necessita de maquinas de ma...
Mudanças no Sistema deproducão
CANA CRUA REPRESENTA + 75% DAÁREA DO ESTADO DE SÃO PAULOTRANSIÇÃO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO
345,6t/ha80MANEJO CULTURALFATORES DE PRODUTIVIDADE
345,6t/ha80MANEJO CULTURALFATORES DE PRODUTIVIDADE
Cultivo da canaEXPANÇÃO DE AREAS, PRODUCÃO COMMÁQUINAS e IMPLEMENTOS PESADOSCOMPACTAÇÃOCAPACIDADE DO SOLO DE SUPORTARPESOU...
Pisoteio dalinha decanafotos: Alencar Magro Linha de cana nãocompactadalinha compactadaA mecanizacão pode compactar a linh...
Linha de cananão pisoteadaLinha de canapisoteadaEfeito do pisoteio – Exemplo: safra 2008/2009Consequência da colheita mecâ...
RAIZES CONFINADASFoto: Copersucar
13Compactação e absorção de nutrientes (2008/2009)Trouse 1972Crescimento radicular em função do aumento da densidade em so...
Compactação – Impacto na ProdutividadeFONTE: Projeto Institucional Índices de Compactação de Solos. Seção de Manejo de Sol...
Análise Solo em Ambiente A (Usina da Barra) em área com e semcompactação. Plantio Jan / 2004, Análise Solo Nov /2004Profun...
Compactação + problemas damecanização + presença de palhadaConceitos de Controle de tráfego,Canteirização e Agricultura de...
SULCO ALTERNADO – SistemaPenta (Mafes)
COM PALHA(conserva a umidade)SEM PALHASEM PALHAFonte: Vazante Agropecuária, 2006
Brotação de soqueira em solo ácrico, sob colheitamecânica, com palha e sem palha.Morro Agudo, 1996Foto: V. Barbosa, Us. Sa...
Cana PlantaVerão chuvosoInverno com irrigaçãoPreparo movimenta o soloAlta mineralizaçãoNitrogênio - Baixa respostaFósforo ...
AMOSTRAGEM DE SOLO PARA CANA-DE-AÇÚCARCANA PLANTAÉPOCA → deve serrealizada cerca detrês meses antes doplantio.LOCAL → perc...
Amostras de Solo:Amostras de Solo:Amostras de Solo:Amostras de Solo: Coletar amostras (0-20cm) e (20-40cm)a – raízes absor...
Amostragem solo georeferenciada• Grid de amostras• Um ponto a cada 2 ha (áreas de plantio)• Um ponto a cada 4 ha (áreas de...
Mapas interpretação dos dados – Objetivo:Aplicação taxas variáveis.
V < 60 % (camada de 0 a 20 e 20 a 40 cm)Corretivo de acidez e fonte de Ca e MgNC (t/ha) = (V2 – V1) x CTC10 PRNTEMPREGO DE...
Teor adequado de Ca no soloPRÁTICAS CORRETIVASEm que situação acima teríamos maior resistência aodéficit hídrico?Teor elev...
• monitorar as soqueiras - amostra na entre-linha• aplicar área total, antes dos tratos culturaisCCaa ((00--2200ccmm))mmmm...
V < 35-40% (camada de 20 a 40 cm)- Critério de recomendaçãoCONDICIONADOR DE SUB-SUPERFÍCIEPré-plantio e depois da calagem ...
AP - Mapas de aplicação - Calagem• Mais variáveis participam da fórmula• V%• Cálcio• Magnésio• CTC• PRNT do calcário• 0-20...
Aplicação dos Corretivos• Calagem• Fosfatagem• Stara Brutus 6000• Controlador Verion• Aplicação Uniforme• Possível redução...
Mudança no sistema – Presença da PALHA31
Estoque de carbono
POSITIVOS1. Aumenta a proteção do solo contraerosão; diminui o impacto direto dagota de chuva sobre a superfície dosolo e ...
35Material seco (MS), nutrientes e carboidratos estruturais contidos napalhada amostrada em 1996 e na remanescente 1997. (...
Mineralização da PalhaReciclagem de Nutrientes N P K Ca Mg SPalha (kg ha-1 ano-1) 54,7 4,4 76 54,9 25,5 15Taxa anual miner...
IMOBILIZAÇÃOMICROBIOLÓGICAC:N da palhaN indisponível C:N da palhaSISTEMA DE CANA CRUA - LIMITAÇÕES
3800,20,40,60,811,21,41,61,8Dez/99 Fev/00 Abr/00 Jun/00 Ago/00Amostragens - mesesNPPP-kgha-100,511,522,533,5%Recuperaçãodo...
Aproveitamento do N-palhada (41 kg ha-1 de N) pela primeira soca de cana-de-açúcar (SP80 3250) relacionada a adubação nitr...
Colchão de palhaFoto: A.C.Vitti (2011)Palhada 2011Palhada 2010 com pouca raizPalhada 2009 com raizPalhada 2008 com muita r...
10,015,020,025,030,035,040,045,050,055,060,00 10 20 30 40 50 60 70 80 90AproveitamentoN-resíduo,kg/ha/anoTempo, anosCPPSSS...
TRANSIÇÃOCOMO FICAADUBAÇÃO DASSOQUEIRAS?Uso do nitrogênio, na adubação desoqueiras?Mudanças nosistema deprodução
ProdutividadeesperadaNitrogênioP resina, mg/dm³K+ trocável,mmolc/dm³0 - 15 > 15 0,15 1,5-3,0 > 3,0t/ha N, kg/ha P2O5, kg/h...
Adubação nitrogenada sobre palhaMédia de 15 experimentos,y = -0,0004x2+ 0,128x + 80,805R2= 0,9867808284868890920 60 120 18...
SOCAS45
y = 6,7486x + 39,647R2= 0,91 - CV (%) = 1801020304050607080900 35 70 105 140 175Doses de N (kg ha-1)Produçãodecolmos(tha-1...
02550751001251501752002250 35 70 105 140 175Nextraído(kgha-1)Doses de N (kg ha-1)Ponteiro Folha SecaColmo RaizN extraído e...
Perdas N-NH3 > 60 %N NN NCO(NH2)2 + H2O NH3 + CO2Fertilização com uréia – cana cruaUREASEDIMINUIÇÃO NA EFICIÊNCIA DA URÉIA...
01020304050PerdasNH3,%NAASURURANAQUAVINFaixaÁrea totalVitti et al., 2002Neossolo, V=50%, 14 t/ha palhadaPerdas de NH3 em C...
A COBERTURA DA PALHA MUDA O MANEJO DO N PARA A CANA-DE-AÇÚCAR?A PALHADA DIFICULTA A INCORPORAÇÃO DOS FERTILIZANTES NITROGE...
51Há a necessidade de incorporação do N-fertilizante ao soloPrincipalmente se afonte de N for aURÉIAPorém a umidade do sol...
52Incorporação da uréia em solo com baixa umidadeDETALHES DO DISCOCORTANDO A PALHA
53Uma das alternativas para romper essa barreira física:Aplicação da uréia abaixo da palhada e sobre o soloALTERNATIVA PAR...
54Detatalhes da aplicação do N-uréia:grânulos de N estão sobre o solo mas abaixo da palha
Perdas de N-uréia x Formas de aplicação53%23%?Fortes et al., 2008X
y = -0,484x + 68,897(p<0,004; CV=9,1)0204060801000 5 10 15 20 25 30 35 40N-NH3 volatilizado acumulado (kg ha-1)Produtivida...
Fontes ______________Recuperação do N das fontes nitrogenadas15N __________________Planta toda1 __ ______Palha ______N Res...
0102030405060708090100MASSASECA(tha-1)RB92579SP81-3250RB872552RB863129RB763710RB943365SP79-1011SP78-4764RB72454RB867515RB8...
EXTRAÇÃO DE N153,1260,197,9142,3237,5226,0204,9175,0222,195,5175,0050100150200250300RB72454RB763710RB813804RB863129RB86751...
OPÇÕES PARA APLICAÇÃO DE NITROGÊNIOSOBRE PALHA• Fontes que não volatilizam N:Nitrato de amônio,sulfato de amônio, etc.• Ur...
Eficiência da adubação N e K1. Parcelamento• Dose N e K é alta SOCA (>100kg N/ha)• Parcelamento, em solosarenosos, ou arg....
• Adubação de N e K em taxas variáveisN – sensoriamento remoto para gerar mapaK – análise de solo em grid para gerar mapa•...
VANT – AGX Tiriba• Envergadura de 3m• Peso 4kg + 1,2 kg de carga útil• Velocidade de trabalho 70-100 km/h• Autonomia de tr...
NDVI• Utiliza duas bandas da imagem V e NIR• Razão das bandas
Quebra-lombo – Projeto Green Seeker
Green Seeker – Detecção ótica e sistema de aplicaçãoem taxa variável de Nitrogenio.• Sensor de NVDI• Aplicação em taxa var...
Adubação – Projeto - Sensoriamento remoto•Normalized Difference Vegetation Index (NDVI)•Índice de vegetação•Equação basead...
VANT – AGX Tiriba – Mapa de Nitrogênio
Mudança no sistema de colheita: reciclagem de K2O
70Material seco (MS), nutrientes e carboidratos estruturais contidos napalhada amostrada em 1996 e na remanescente (1997) ...
Mineralização da PalhaReciclagem de Nutrientes N P K Ca Mg SPalha (kg ha-1 ano-1) 54,7 4,4 76 54,9 25,5 15Taxa anual miner...
Estoque de nutrientes em resíduos culturais incorporados aosolo na reforma do canavial (Usina São Martinho)Palha residual ...
Adubação potássica sobre palhaMédia de 15 experimentos, Rossetto et al. 2008y = -0,0001x2 + 0,0355x + 84,843R2 = 0,9988848...
EXTRAÇÃO DE K295368249,5 229,1361,8344,21344,8299,5359,1276,6 297,4050100150200250300350400RB72454RB763710RB813804RB863129...
Adubação - Uniport 3000 NPKAduba 10 linhas (15 metros)Capacidade de carga de 3 toneladasAlto rendimento operacional (aprox...
Potássio em taxa variável•Concentração de Potássio em mmol/dm3•Resultado interpolado das analises de solo•Mapa de recomend...
• Vinhaça- Empregada Cana socaFonte de K2O e N e micros(Luz e Vitti , 2008)Redução100% do KUTILIZAÇÃO DE VINHAÇA EM CANA-D...
Faz. Mariana, Serrana,SP. Maio,2009,sem vinhaça, 120 m3/ha vinhaça (aplicação doseCetesb)
Faz. Vazante
Ambientes de Produção x VinhaçaB87 t/ha(5anosA97 t/ha(5anos)C75 t/ha(5anosD70 t/ha(5anosE65 t/ha(5anos)
50% dos micronutrientes permanecem no canavialFranco et al. (2008)
Vinhaça: aplicação média de 100 m3 ha-1 equivale a uma dose de Zn de 1320 g ha-1Torta de filtro: base úmida (20 t ha-1 equ...
Outras fontes de resíduos paraagriculturaGesso, escórias, pó de mineração, pó aciariaResíduos de processos industriais, (e...
Adubação eImpactos AmbientaisPerdas gasosas – GEEFertilizante nitrogenados - N2OVolatilização amoniaVinhaça - CO2, metano ...
Perdas N2O (GEE) em cana de açucar. Vargas, 2012Aplicação de sulfato amonio.Chuva intensa nas duas regiões.Adubação outubr...
ADUBAÇÃO CANA visar o melhor uso do nutriente esustentabilidade – Garantir produtividade2. ADIÇÕES DE MATÉRIA ORGÂNICA :Re...
“Minha terra tem palmeiras ????Não. Minha terra temengenhocas de rapadura,cachaça e açúcar...Tem cana caiana e cana crioul...
Seminário stab 2013   agrícola - 07. influência do corte de cana crua na adubação de n e k em cana soca - raffaella rosset...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Seminário stab 2013 agrícola - 07. influência do corte de cana crua na adubação de n e k em cana soca - raffaella rossetto (apta-iac)

2.155 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Seminário stab 2013 agrícola - 07. influência do corte de cana crua na adubação de n e k em cana soca - raffaella rossetto (apta-iac)

  1. 1. Raffaella Rossettoraffaella@apta.sp.gov.brInfluência do corte de cana crua na adubação N e K emcana socaRecife, 2013.
  2. 2. Questão ambiental promove mudança no sistema de produção
  3. 3. Colchão de PalhaPromove conservação do solo, adições de matéria orgânicareciclagem de nutrientes, melhoramento da fertilidadedo solo,Dificulta a operação de cultivo e adubação
  4. 4. A camada de paha traz dificuldades para as operações agrícolas. A incorporação defertilizantes necessita de maquinas de maior potencia, mais das operações, e maiores custos
  5. 5. Mudanças no Sistema deproducão
  6. 6. CANA CRUA REPRESENTA + 75% DAÁREA DO ESTADO DE SÃO PAULOTRANSIÇÃO DO SISTEMA DE PRODUÇÃO
  7. 7. 345,6t/ha80MANEJO CULTURALFATORES DE PRODUTIVIDADE
  8. 8. 345,6t/ha80MANEJO CULTURALFATORES DE PRODUTIVIDADE
  9. 9. Cultivo da canaEXPANÇÃO DE AREAS, PRODUCÃO COMMÁQUINAS e IMPLEMENTOS PESADOSCOMPACTAÇÃOCAPACIDADE DO SOLO DE SUPORTARPESOUMIDADE DO SOLOPOUCO TEMPO HABIL
  10. 10. Pisoteio dalinha decanafotos: Alencar Magro Linha de cana nãocompactadalinha compactadaA mecanizacão pode compactar a linha decana
  11. 11. Linha de cananão pisoteadaLinha de canapisoteadaEfeito do pisoteio – Exemplo: safra 2008/2009Consequência da colheita mecânicaFoto: A. MagroAvaliar as áreas compactadas e os índices de falhasDesafio:1) Solo compactado colhido no final de safra e depois de ter sido adubadosuperficialmente, com a intensificação das chuvas e havendo escorrimento superficialcomo ficaria a distribuição do adubo ao longo da linha?2) Em relação a adubação como ficaria a distribuição de adubo em linhas com falhaou com baixo vigor? Mesma quantidade para ambas as linhas? Normalmentelevamos em consideração os níveis de nutrientes do solo e a produtividade (Boletim100). Linha com falha ou baixo vigor superestima a dose. Talvez a AP ajude.
  12. 12. RAIZES CONFINADASFoto: Copersucar
  13. 13. 13Compactação e absorção de nutrientes (2008/2009)Trouse 1972Crescimento radicular em função do aumento da densidade em solo argilosoSlide: J.L.I. DEMATTÊ/ESALQ-USPConsequências da compactação: queda da produtividade.Fatores:1- Diminuição: de raízes, macroporos, absorção, infiltração, agua disponível;2- Aumento: de microporos, fixação do P em função das cargas, escorrimentosuperficial principalmente em solos argilosos.
  14. 14. Compactação – Impacto na ProdutividadeFONTE: Projeto Institucional Índices de Compactação de Solos. Seção de Manejo de Solos. Centro de Tecnologia Copersucar. Maio 2001
  15. 15. Análise Solo em Ambiente A (Usina da Barra) em área com e semcompactação. Plantio Jan / 2004, Análise Solo Nov /2004Profundidade pH MO P K V Zncm % ppm mmol/dm3 % ppmLinha da cana, area compactada, d=1,75 g/cm320 5,2 1,9 66 2,1 70 340 5,5 1,5 76 0,8 76 1,1Entre linha da cana, area compactada20 5 2 64 6,9 67 7,440 5,2 1,5 33 3,8 70 0,5Linha da cana, area com baixa compactação, d=1,34 g/cm320 5,7 1,5 8 0,6 76 0,540 5,9 1,2 5 0,3 75 0,4Entre linha da cana, area com baixa compactação20 5,3 1,8 16 1 70 1,940 5,6 0,3 4 0,1 71 0,3Slide: J.L.I. DEMATTÊ/ESALQ-USP
  16. 16. Compactação + problemas damecanização + presença de palhadaConceitos de Controle de tráfego,Canteirização e Agricultura de precisão
  17. 17. SULCO ALTERNADO – SistemaPenta (Mafes)
  18. 18. COM PALHA(conserva a umidade)SEM PALHASEM PALHAFonte: Vazante Agropecuária, 2006
  19. 19. Brotação de soqueira em solo ácrico, sob colheitamecânica, com palha e sem palha.Morro Agudo, 1996Foto: V. Barbosa, Us. Santa Elisa, SP.
  20. 20. Cana PlantaVerão chuvosoInverno com irrigaçãoPreparo movimenta o soloAlta mineralizaçãoNitrogênio - Baixa respostaFósforo – próximo raízesPotássio – alta respostaCana SocaPresença da palhadaInverno secoFertirrigaçãoBaixa mineralizaçãoN - Alta respostaFósforo – ?Potássio – alta respostaAdubação da Cana
  21. 21. AMOSTRAGEM DE SOLO PARA CANA-DE-AÇÚCARCANA PLANTAÉPOCA → deve serrealizada cerca detrês meses antes doplantio.LOCAL → percorrera área a serplantada em “zig-zag”, retirando cercade 15 sub-amostrasde solo nasprofundidades de 0-20 a 20-40 cm deprofundidade.CANA SOCAÉPOCA → deve serrealizada logo apóso corte do canavial.LOCAL → retirar asamostras de solo acerca de um palmo(20 a 25 cm) dalinha. Amostras nalinha ou entrelinhairão subestimare/ou superestimaralguns nutrientes.
  22. 22. Amostras de Solo:Amostras de Solo:Amostras de Solo:Amostras de Solo: Coletar amostras (0-20cm) e (20-40cm)a – raízes absorventesb – raízes sustentaçãoc – cordõesAté 40cm temos 70%das raízesSistema Radicular da cana-de-açúcar
  23. 23. Amostragem solo georeferenciada• Grid de amostras• Um ponto a cada 2 ha (áreas de plantio)• Um ponto a cada 4 ha (áreas de soca)• 12 sub-amostras por ponto Fotos: Vitor Campanelli
  24. 24. Mapas interpretação dos dados – Objetivo:Aplicação taxas variáveis.
  25. 25. V < 60 % (camada de 0 a 20 e 20 a 40 cm)Corretivo de acidez e fonte de Ca e MgNC (t/ha) = (V2 – V1) x CTC10 PRNTEMPREGO DE CALCÁRIOCritério de recomendação na cultura de cana-de-açúcarPreparo do SOLOCTC = capacidade de troca catiônica em superfície ou subsuperfície em mmolc/dm3
  26. 26. Teor adequado de Ca no soloPRÁTICAS CORRETIVASEm que situação acima teríamos maior resistência aodéficit hídrico?Teor elevado de Al no solo
  27. 27. • monitorar as soqueiras - amostra na entre-linha• aplicar área total, antes dos tratos culturaisCCaa ((00--2200ccmm))mmmmoollcc//110000ddmm33TT ccaallcc//hhaa<<88 2288 aa 1122 11,,55CCaa>>1122 ee MMgg<< 44 11,,55 ((ddoolloommííttiiccoo))Calagem – soqueiras – No de ciclos maior
  28. 28. V < 35-40% (camada de 20 a 40 cm)- Critério de recomendaçãoCONDICIONADOR DE SUB-SUPERFÍCIEPré-plantio e depois da calagem - instalação do canavialFonte: Vitti et al., 2004NG (t/ha) = (V2 – V1) x CTC500V2 = saturação por bases desejada em subsuperfície (50%)V1 = saturação por bases atual do solo em subsuperfícieCTC = capacidade de troca catiônica em subsuperfície em mmolc/dm3(Fórmula válida para CTC máx = 100 mmolc.dm-3)EMPREGO DO GESSO AGRÍCOLARAIJ (2011) - NG (t/ha) = (6 x Teor de Argila)
  29. 29. AP - Mapas de aplicação - Calagem• Mais variáveis participam da fórmula• V%• Cálcio• Magnésio• CTC• PRNT do calcário• 0-20 + 20-40
  30. 30. Aplicação dos Corretivos• Calagem• Fosfatagem• Stara Brutus 6000• Controlador Verion• Aplicação Uniforme• Possível redução de custo direto
  31. 31. Mudança no sistema – Presença da PALHA31
  32. 32. Estoque de carbono
  33. 33. POSITIVOS1. Aumenta a proteção do solo contraerosão; diminui o impacto direto dagota de chuva sobre a superfície dosolo e diminui o escorrimentosuperficial;2. Reduz da amplitude térmica nascamadas superficiais do solo3. Aumenta a atividade biológica4. Aumenta as taxas de infiltração deágua no solo;5. Reduz a evaporação;6. Controla parcialmente o mato eredução o consumo de herbicidas;7. Reduz a incidência de pragas (ex:elasmo);8. Aumenta a disponibilidade denutrientes (K, Ca, Mg, Si, S, N)9. Aumenta os teores de M.O. emelhora a capacidade de retenção deágua;10. Melhora o enraizamento, emdestaque o superficial.IMPACTOSDAPALHADANEGATIVOS1. Riscos de incêndio;2. Dificuldades para execução deoperações de cultivo;3. Retardamento ou falha na brotaçãoprincipalmente em zonas + frias;4. Aumento de algumas pragas (ex:cigarrinha);5. Menos opções com variedadesadaptadas a colheita mecânica
  34. 34. 35Material seco (MS), nutrientes e carboidratos estruturais contidos napalhada amostrada em 1996 e na remanescente 1997. (Oliveira et al., 1999)Médias seguidas de mesma letra na coluna não diferem estatisticamente entre si,pelo teste t, ao nível de 5% de probabilidade.Ano MS N P K Ca Mg S C Hemice-luloseCelu-loseLig-ninaConteúdoCelularC:Nt ha-1-------------------------------------------- kg ha-1------------------------------------------------1996 13,9a 64a 6,6a 66a 25a 13a 9a 6255a 3747a 5376a 1043a 3727a 97a1997 10,8b 53a 6,6a 10b 14b 8b 8a 3642b 943b 5619a 1053a 296 b 68b
  35. 35. Mineralização da PalhaReciclagem de Nutrientes N P K Ca Mg SPalha (kg ha-1 ano-1) 54,7 4,4 76 54,9 25,5 15Taxa anual mineralização (%) 20 60 85 50 50 60Total por ano (kg ha-1 ano-1) 10,9 2,6 64,6 27,5 12,8 9Alto retorno de K anualmentePODE DESCONTAR DA RECOMENDAÇÃO DE ADUBAÇÃOFonte: Trivelin, 2007
  36. 36. IMOBILIZAÇÃOMICROBIOLÓGICAC:N da palhaN indisponível C:N da palhaSISTEMA DE CANA CRUA - LIMITAÇÕES
  37. 37. 3800,20,40,60,811,21,41,61,8Dez/99 Fev/00 Abr/00 Jun/00 Ago/00Amostragens - mesesNPPP-kgha-100,511,522,533,5%RecuperaçãodoNdapalhaNPPP % Recuperação N da palhaNitrogênio na parte aérea da cana-de-açúcar proveniente da palha (kgha-1 e % de recuperação) (Vitti, 2003)(N-palhada = 62 kg ha-1 - safra 1999/2000; 3º corte)
  38. 38. Aproveitamento do N-palhada (41 kg ha-1 de N) pela primeira soca de cana-de-açúcar (SP80 3250) relacionada a adubação nitrogenada: 0 e 150 kg ha-1de N) –Usina São MartinhoFonte: Ferreira et al. (2008)
  39. 39. Colchão de palhaFoto: A.C.Vitti (2011)Palhada 2011Palhada 2010 com pouca raizPalhada 2009 com raizPalhada 2008 com muita raizDetalhe da quantidade de raízescrescendo junto a palhada,principalmente na mais velha40Quantidade de raizes superficiais – facilita aplicação de fertilizantes sobrea palha.
  40. 40. 10,015,020,025,030,035,040,045,050,055,060,00 10 20 30 40 50 60 70 80 90AproveitamentoN-resíduo,kg/ha/anoTempo, anosCPPSSSTSQSC Planta: 54kg/ha de N1ª Soca: 55 kg/ha de N2ª Soca: 50 kg/ha de N3ª Soca: 49 kg/ha de N4ª Soca: 47 kg/ha de NAPROVEITAMENTO DO N-MINERALIZADO DO RESÍDUO CULTURAL PELA CANAPLANTA E QUATRO SOCAS (CICLO DE REFORMA COM 5 CORTES): MANUTENÇÃODE 100% DA PALHA NO CANAVIAL. TRIVELIN ET AL. 2012.Total = 254 kg N / ha /cicloMédia : 50 kg N / ha / ano
  41. 41. TRANSIÇÃOCOMO FICAADUBAÇÃO DASSOQUEIRAS?Uso do nitrogênio, na adubação desoqueiras?Mudanças nosistema deprodução
  42. 42. ProdutividadeesperadaNitrogênioP resina, mg/dm³K+ trocável,mmolc/dm³0 - 15 > 15 0,15 1,5-3,0 > 3,0t/ha N, kg/ha P2O5, kg/ha K2O, kg/ha< 6060 - 8080 - 100> 100608010012030303030000090110130150608010012030507090↑↑↑↑ N - ↓↓↓↓ P2O5 - ↑↑↑↑ K2O10 t mat seca PALHA – deduzir 30 Kg K2O do recomendado.Cana queimada: K2O/N = 1,3 a 1,5/1,0 1,0 kg N/ 1t colmosCana Crua: K2O/N = 0,8 a 1,0/1,0 1,3 kg N /t colmos10 t mat seca PALHA – deduzir 30 Kg K2O do recomendado.ADUBAÇÃO N – P – K: EM SOQUEIRAS -IAC
  43. 43. Adubação nitrogenada sobre palhaMédia de 15 experimentos,y = -0,0004x2+ 0,128x + 80,805R2= 0,9867808284868890920 60 120 180Nitrogênio (kg.ha-1)Produtividadedecolmos(t.ha-1)Fonte:Rossetto et al. 2008
  44. 44. SOCAS45
  45. 45. y = 6,7486x + 39,647R2= 0,91 - CV (%) = 1801020304050607080900 35 70 105 140 175Doses de N (kg ha-1)Produçãodecolmos(tha-1)Produção de colmos em relação às doses crescentes de N emsolo de textura arenosa (Adaptado de Vitti et al., 2005b).
  46. 46. 02550751001251501752002250 35 70 105 140 175Nextraído(kgha-1)Doses de N (kg ha-1)Ponteiro Folha SecaColmo RaizN extraído em cana-soca SP81 3250 (3º corte) em Neossolo Quartzarênico emfunção de doses de N-nitrato de amônio (dados não publicados Vitti, 2008)
  47. 47. Perdas N-NH3 > 60 %N NN NCO(NH2)2 + H2O NH3 + CO2Fertilização com uréia – cana cruaUREASEDIMINUIÇÃO NA EFICIÊNCIA DA URÉIA COMO FONTE DE N
  48. 48. 01020304050PerdasNH3,%NAASURURANAQUAVINFaixaÁrea totalVitti et al., 2002Neossolo, V=50%, 14 t/ha palhadaPerdas de NH3 em Cana com Palha:aplicação em faixa ou área total
  49. 49. A COBERTURA DA PALHA MUDA O MANEJO DO N PARA A CANA-DE-AÇÚCAR?A PALHADA DIFICULTA A INCORPORAÇÃO DOS FERTILIZANTES NITROGENADOSAPLICAÇÃO DE ADUBOS NITROGENADOS NA SUPERFÍCIE
  50. 50. 51Há a necessidade de incorporação do N-fertilizante ao soloPrincipalmente se afonte de N for aURÉIAPorém a umidade do solo vai determinar o sucesso dessa incorporação
  51. 51. 52Incorporação da uréia em solo com baixa umidadeDETALHES DO DISCOCORTANDO A PALHA
  52. 52. 53Uma das alternativas para romper essa barreira física:Aplicação da uréia abaixo da palhada e sobre o soloALTERNATIVA PARAAPLICAÇÃO DE URÉIA EM ÉPOCAS SECAS
  53. 53. 54Detatalhes da aplicação do N-uréia:grânulos de N estão sobre o solo mas abaixo da palha
  54. 54. Perdas de N-uréia x Formas de aplicação53%23%?Fortes et al., 2008X
  55. 55. y = -0,484x + 68,897(p<0,004; CV=9,1)0204060801000 5 10 15 20 25 30 35 40N-NH3 volatilizado acumulado (kg ha-1)Produtividadedecana(tha-1)Produtividade de cana (2ª soca) vs. perda de NH3 por volatilização(Vitti, 2003)
  56. 56. Fontes ______________Recuperação do N das fontes nitrogenadas15N __________________Planta toda1 __ ______Palha ______N Residual2Recuperaçãototal3F AT F AT F AT F AT__________________________________________kg ha-1 ________________________________________SA 21,2 a 21,6 a 2,0 a 5,8 a 30,1 a 37,3 a 51,3 a 52,7aUréia 11,6 b 9,7 b 3,4 a 6,0 a 26,7 a 29,3 a 38,4 b 39,1bCV (%) 20,1 50,4 19,7 20,3_____________________________________________% ___________________________________________SA 30,3 a 30,9 a 2,9 b 8,3 a 43,0 a 53,3 a 73,3 a 73,3 aUréia 16,5 b 13,9 b 4,8 b 8,4 a 38,1 a 41,8 a 54,8 b 55,8 bCV (%) 20,3 49,6 19,7 16,7Aproveitamento do N (70 kg ha-1) dos adubos sulfato de amônio(SA) e uréia aplicados em faixa (F) e em área total (AT): “cana-crua” (Vitti, 2003; Vitti et al., 2007)1: colmo + ponteiro + folha seca + sistema radicular;2: sistema radicular, solo e palha;3: solo-cana-de-açúcar-palha;
  57. 57. 0102030405060708090100MASSASECA(tha-1)RB92579SP81-3250RB872552RB863129RB763710RB943365SP79-1011SP78-4764RB72454RB867515RB813804VARIEDADECOLMO FOLHA PONTEIROABCCCCCCCCCAcúmulo de massa seca total (colmo + folha + ponteiro) em diferentes variedades decana-de-açúcar . Fonte: Emidio C.Oliveira, 2008.80 kg ha-1 de N; 120 kg ha-1 de P2O5; 120 kg ha-1 de K2OLâmina de 17 mm - 90 DAP e Lâmina de 24mm - 120 DAP
  58. 58. EXTRAÇÃO DE N153,1260,197,9142,3237,5226,0204,9175,0222,195,5175,0050100150200250300RB72454RB763710RB813804RB863129RB867515RB872552RB92579RB943365SP78-4764SP79-1011SP81-3250(kgha-1)Extração de nutrientes
  59. 59. OPÇÕES PARA APLICAÇÃO DE NITROGÊNIOSOBRE PALHA• Fontes que não volatilizam N:Nitrato de amônio,sulfato de amônio, etc.• Uran (metade do N é uréia)• Inibidores (NBPT)• Misturar aquamônia à vinhaça (pH <7)• Utilizar uréia misturada com sulfato de amônio, porexemplo, a formulação 32-00-00-12, resultante damistura eqüitativa dessas duas fontes (Vitti, G.C.)• Incorporar uréia superficialmente• Uréias recobertas
  60. 60. Eficiência da adubação N e K1. Parcelamento• Dose N e K é alta SOCA (>100kg N/ha)• Parcelamento, em solosarenosos, ou arg. baixa CTC,• Épocas de chuva intensa• Sob irrigação2. Melhoria fertilidade emsuperf. e subsuperfície• Calagem, gessagem,fosfatagem• > CTC efetiva, > raiz3. Redução perdas• Melhor fonte, melhor época• Incorporar adubo - N• Uso de fertilizantesespeciais
  61. 61. • Adubação de N e K em taxas variáveisN – sensoriamento remoto para gerar mapaK – análise de solo em grid para gerar mapa• Tecnologia escolhida– VANT– Possibilidade de voar embaixo das nuvens– Rapidez na obtenção das imagens– Menor custo a médio prazo– Imagem com até 10 cm de precisão– Possibilidade de usar imagens para outros fins– Mapeamento de infestação de ervas daninhas– Mapeamento do índice de falhas do canavialAdubação N e K em soqueiras – Agricultura de PrecisãoAgropastoril Campanelli.
  62. 62. VANT – AGX Tiriba• Envergadura de 3m• Peso 4kg + 1,2 kg de carga útil• Velocidade de trabalho 70-100 km/h• Autonomia de trabalho 35-60 minutos
  63. 63. NDVI• Utiliza duas bandas da imagem V e NIR• Razão das bandas
  64. 64. Quebra-lombo – Projeto Green Seeker
  65. 65. Green Seeker – Detecção ótica e sistema de aplicaçãoem taxa variável de Nitrogenio.• Sensor de NVDI• Aplicação em taxa variável em tempo realSlide: Vitor Campanelli
  66. 66. Adubação – Projeto - Sensoriamento remoto•Normalized Difference Vegetation Index (NDVI)•Índice de vegetação•Equação baseada nas bandas Vermelho e InfraVermelho da imagem de satélite•Foto com precisão de 5 mts•Mapa de Aplicação baseado no NDVI•Variação do adubo de acordo com a biomassa SA•Mapa exemplo – mínimo de 500 kg/ha• Contaminação dos carreadores na imagem•Média 651 kg/ha•Taxa fixa 650 kg/ha
  67. 67. VANT – AGX Tiriba – Mapa de Nitrogênio
  68. 68. Mudança no sistema de colheita: reciclagem de K2O
  69. 69. 70Material seco (MS), nutrientes e carboidratos estruturais contidos napalhada amostrada em 1996 e na remanescente (1997) (Oliveira et al., 1999)Médias seguidas de mesma letra na coluna não diferem estatisticamente entre si,pelo teste t, ao nível de 5% de probabilidade.Ano MS N P K Ca Mg S C Hemice-luloseCelu-loseLig-ninaConteúdoCelularC:Nt ha-1-------------------------------------------- kg ha-1------------------------------------------------1996 13,9a 64a 6,6a 66a 25a 13a 9a 6255a 3747a 5376a 1043a 3727a 97a1997 10,8b 53a 6,6a 10b 14b 8b 8a 3642b 943b 5619a 1053a 296 b 68b
  70. 70. Mineralização da PalhaReciclagem de Nutrientes N P K Ca Mg SPalha (kg ha-1 ano-1) 54,7 4,4 76 54,9 25,5 15Taxa anual mineralização (%) 20 60 85 50 50 60Total por ano (kg ha-1 ano-1) 10,9 2,6 64,6 27,5 12,8 9Alto retorno de K anualmentePODE DESCONTAR DA RECOMENDAÇÃO DE ADUBAÇÃOFonte: Trivelin, 2007
  71. 71. Estoque de nutrientes em resíduos culturais incorporados aosolo na reforma do canavial (Usina São Martinho)Palha residual do ciclo anterior ΦMacronutrientesMassaSeca N K P Ca Mg St ha-1 __________________________________kg ha-1 __________________________________9,4 38,7 6,2 3,7 21,9 4,7 7,5Parte aérea de rebrota antes da reforma e após aplicação de herbicida φMacronutrientesMassaSeca N K P Ca Mg St ha-1 __________________________________kg ha-1__________________________________2,7 20,6 39,9 3,3 8,8 3,6 5,9Sistema radicular da rebrota antes da reforma e após aplicação de herbicida φMacronutrientesMassaSeca N K P Ca Mg St ha-1 __________________________________kg ha-1__________________________________4,6 24,0 18,5 2,0 6,1 3,0 4,2Total de nutrientes incorporados ao solo na reforma do canavialψMacronutrientesMassaSeca N K P Ca Mg St ha-1 __________________________________kg ha-1__________________________________16,7 83,3 64,6 9,0 36,8 11,3 17,6Φvalores são médias de 13 pontos amostrados; φvalores são médias de 6 pontos amostrados; ψSomatório dos resultados de sistema radicular, parte aérea e palhadaFonte: Franco et al. (2007)
  72. 72. Adubação potássica sobre palhaMédia de 15 experimentos, Rossetto et al. 2008y = -0,0001x2 + 0,0355x + 84,843R2 = 0,998884858687880 70 140 210Potássio (kg.ha-1)Produtividadedecolmos(t.ha-1)Apoio: ANDA
  73. 73. EXTRAÇÃO DE K295368249,5 229,1361,8344,21344,8299,5359,1276,6 297,4050100150200250300350400RB72454RB763710RB813804RB863129RB867515RB872552RB92579RB943365SP78-4764SP79-1011SP81-3250(kgha-1)Extração de nutrientesFonte: Emidio C. Oliveira, 2008
  74. 74. Adubação - Uniport 3000 NPKAduba 10 linhas (15 metros)Capacidade de carga de 3 toneladasAlto rendimento operacional (aprox. 10 ha/hora)Utilização do reboque 14 ton (trasnf. de 1,25 ton/min)Piloto automático – adubação mesmo antes da brotaçãoFechamento automático de seçãoTaxa VariávelMenor custo de aplicaçãoMaior qualidade de aplicaçãoN ou K / plantio de crotalária e pastagens)
  75. 75. Potássio em taxa variável•Concentração de Potássio em mmol/dm3•Resultado interpolado das analises de solo•Mapa de recomendação de potássio•Adubo a ser utilizado 00-00-60 granulado•Mínimo de 90 kg/ha de K2O•Mínimo de 150 kg/ha de cloreto de potássioFonte: Vitor Campanelli, 2013
  76. 76. • Vinhaça- Empregada Cana socaFonte de K2O e N e micros(Luz e Vitti , 2008)Redução100% do KUTILIZAÇÃO DE VINHAÇA EM CANA-DE-AÇÚCAR
  77. 77. Faz. Mariana, Serrana,SP. Maio,2009,sem vinhaça, 120 m3/ha vinhaça (aplicação doseCetesb)
  78. 78. Faz. Vazante
  79. 79. Ambientes de Produção x VinhaçaB87 t/ha(5anosA97 t/ha(5anos)C75 t/ha(5anosD70 t/ha(5anosE65 t/ha(5anos)
  80. 80. 50% dos micronutrientes permanecem no canavialFranco et al. (2008)
  81. 81. Vinhaça: aplicação média de 100 m3 ha-1 equivale a uma dose de Zn de 1320 g ha-1Torta de filtro: base úmida (20 t ha-1 equivale a uma dose de 660 g ha-1)Cinza de caldeira: base úmida (5 a 10 t de cinzas equivalem a 85 a 170 g ha-1 de Zn)Áreas com aplicação de resíduos da indústria sucroalcooleiraÁreas com aplicação de resíduos da indústria sucroalcooleiraNutrienteVinhaça Torta de filtro Cinza de caldeira Calcário Gessog m-3 mg kg-1 mg kg-1 ppm ppmZinco 13,2 33 17,1 46 9Vitti et al. (2006)
  82. 82. Outras fontes de resíduos paraagriculturaGesso, escórias, pó de mineração, pó aciariaResíduos de processos industriais, (ex. residuo daajinomoto, lodo da coca cola, Rhodia, Hercules, Inbrafértil)Estercos animais, compostos,Resíduos agrícolas, palhasResíduos urbanos – lodo esgoto, composto lixoAdubação verdeTurfa, linhitoFertilizantes organo minerais
  83. 83. Adubação eImpactos AmbientaisPerdas gasosas – GEEFertilizante nitrogenados - N2OVolatilização amoniaVinhaça - CO2, metano – Tanques,canaisVinhaça - Perdas por lixiviaçãoNO3, SO4, Cl, KDecomposição torta – GEE, POPs
  84. 84. Perdas N2O (GEE) em cana de açucar. Vargas, 2012Aplicação de sulfato amonio.Chuva intensa nas duas regiões.Adubação outubro (época chuvosa)
  85. 85. ADUBAÇÃO CANA visar o melhor uso do nutriente esustentabilidade – Garantir produtividade2. ADIÇÕES DE MATÉRIA ORGÂNICA :Resíduo da agroindustria e adubo verde ou rotação - alta reciclagem3. MANUTENÇÃO DA PALHADA – redução30 – 60 kg K2O/ ha4. ADUBAÇÃO MINERAL - FONTES, ÉPOCAS EMODO DE APLICAÇÃO MAIS EFICIENTES1. RESTITUIR E MANTER A FERTILIDADE DO SOLO – CORRIGIR –CALAGEM, GESSAGEM, FOSFATAGEM e ADUBAÇÃO DE BASE -principalmente em cana planta – não economizar5. EPOCA DE COLHEITA E PLANTIO X EXIGENCIANUTRICIONAL DA VARIEDADE X EVITAR PERDAS- DE SOLO, DE ÁGUA, DE NUTRIENTESConclusão / Resumo6. ATENÇÃO ESPECIAL ÀS QUESTÕES AMBIENTAIS
  86. 86. “Minha terra tem palmeiras ????Não. Minha terra temengenhocas de rapadura,cachaça e açúcar...Tem cana caiana e cana crioula,Cana pitu, cana rajada, cana dogoverno e garapas...”Carlos Drummond de Andrade

×