Apocalipse - Capítulo 20

356 visualizações

Publicada em

Seminário Bíblico Apocalipse
Apocalipse Capítulo 20

Igreja Batista Central de Jacarepaguá
Pr. Julio Cesar
http://www.ibcjrj.com.br

Publicada em: Espiritual
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Apocalipse - Capítulo 20

  1. 1. Apocalipse Capítulo 20 Aula 20
  2. 2. Como antecipei, poucas questões têm ‘dividido’ a igreja por tanto tempo e provocado tantos debates quantos as questões suscitadas neste capítulo. Ainda que muitos dos temas abordados neste texto sejam encontrados em outros lugares na Bíblia, a referência a este ‘reino milenar’ só existe aqui.
  3. 3. Fato é que como fruto destas discussões, basicamente, três teorias ganharam força no decorrer da história. São elas: 1. O Pré-Milenismo: Suas crenças básicas são:
  4. 4. O pré-milenismo ensina que Jesus Cristo voltará antes do período milenar, as características do reino milenar são: - terá duração de mil anos - sua localização será aqui na terra - o governo será mundial sob ordens de Jesus Cristo em pessoa
  5. 5. A posição pré-milenista é sem dúvida a mais antiga e criada pela Igreja desde seus primeiros séculos. O pré- milenismo perdeu força com o início da Igreja católica no tempo de Agostinho (354-430 A.D.), o catolicismo unido com o Estado na época de Constantino fez esmorecer a esperança da volta de Jesus, porém sempre houve pré- milenistas, mesmo quando não era conhecido.
  6. 6. Em suma, O pré-milenismo ensina que no fim do presente século haverá uma grande tribulação seguida pela segunda vinda de Cristo. Na vinda de Cristo, o Anticristo será julgado, os justos serão ressuscitados, Satanás será preso e Cristo estabelecerá o seu reino na terra, o que durará mil anos e será um tempo de bênção sem precedentes para a igreja...
  7. 7. ...No fim do milênio, Satanás será solto e instigará uma rebelião, que será rapidamente subjugada. Nesse momento, os injustos serão ressuscitados para o julgamento, e o estado eterno terá início.
  8. 8. 2. A Visão Amilenista. O amilenismo, crê que o milênio de Apocalipse 20 deve ser interpretado simbolicamente. Ao contrário do que a palavra deixa a entender, sendo ausência de milênio, o amilenismo crê num milênio, porém não da forma literal como o pré-amilenista ou o pós-amilenista.
  9. 9. O amilenismo crê num milênio que iniciou-se com a primeira Vinda de Cristo, representando o período do Evangelho, que segue até a Segunda Vinda de Cristo. Entende, assim, a primeira ressurreição de modo espiritual: se a segunda morte é a separação de Deus no lago de fogo, a primeira ressurreição é a união com Cristo até a ressurreição dos justos, para o juízo final.
  10. 10. Logo, espiritualmente, os mortos em Cristo já estariam participando do milênio no Paraíso (céu). Durante esse período, Satanás estaria preso de modo não total, ficando inerte, mas teria seu poder limitado com a morte e ressurreição de Cristo, de modo que não pode impedir o crescimento do Evangelho.
  11. 11. De modo geral, o Milênio, na visão Amilenista, seria o período da Dispensação da Graça, onde os justos falecidos habitam com Deus e Satanás tem seu poder limitado, culminando com a Volta de Cristo e com o Juízo Final e único, iniciando a Eternidade.
  12. 12. Em fim, O amilenismo vê Apocalipse 20 como uma descrição do reino de Cristo com o santos ao longo de todo o presente século. Alguns amilenistas enfatizam o reino de Cristo com os santos nos céus, enquanto outros ensinam que esse reino também está conectado com a igreja militante aqui na terra.
  13. 13. Amilenistas tendem a argumentar que o crescimento do reino de Cristo possui poucas, se é que possui, manifestações visíveis. O foco está mais no sofrimento pelo qual Cristo indicou que a igreja passaria.
  14. 14. De acordo com o amilenismo, o presente século milenar, que é caracterizado pelo sofrimento, será seguido pela segunda vinda de Cristo, a ressurreição geral, o último julgamento, o novo céu e nova terra, e, com estes, o reino eterno e glorioso do Pai. Por fim, para esta teoria vivenciamos o milênio.
  15. 15. 3. A visão Pós-Milenista. O pós-milenismo defende que Cristo virá pela segunda vez, ao término do milênio. Muitos pós-milenistas creem que a era Milenar iniciou-se quando Cristo foi assunto ao céu e outros creem que ela surgirá quando o Evangelho houver sido pregado em toda terra, promovendo um tempo de justiça, paz, e refrigério para a humanidade.
  16. 16. O pós-milenismo espera que a grande maioria da população mundial se converterá à Cristo, este será um tempo de triunfo do evangelho antes do retorno glorioso de Cristo.
  17. 17. Reforçando, O pós-milenismo ensina que os “mil anos” de Apocalipse 20 ocorrem antes da segunda vinda de Cristo. Até recentemente, a maioria dos pós-milenistas ensinavam que o milênio seriam os últimos mil anos do presente século. Hoje, muitos pós- milenistas ensinam que a era do milênio é todo o período entre o primeiro e o segundo advento de Cristo.
  18. 18. Como veremos, isso significa que versões contemporâneas do pós- milenismo são muito próximas em muitas maneiras ao amilenismo. A principal diferença entre os dois não é tanto o momento do milênio, mas a natureza do milênio.
  19. 19. Em geral, o pós-milenismo ensina que no presente século, o Espírito Santo atrairá multidões sem precedentes para Cristo através da fiel pregação do evangelho. Para esta teoria entre as multidões que serão convertidas estão os israelitas étnicos que, até então, rejeitaram o Messias...
  20. 20. No fim do presente século, Cristo retornará, haverá uma ressurreição geral dos justos e injustos, e o julgamento final acontecerá, sendo sucedido pela inauguração do novo céu e da nova terra.
  21. 21. Entretanto, esta discussão é secundária, diante da função que este texto ocupa em todo o Apocalipse. Sobre isso podemos lembrar que Apoc. 20 é parte de uma seção bem maior (17 ao 20) que, como aprendemos,
  22. 22. ...trata do juízo final sobre as forças do mal e da chegada do escaton (17 ao 19) e que, tais temas, se fundem e findam aqui quando nos deparamos com a derrota do dragão e a vindicação dos santos, o que INDEPENDE DA NOSSA VISÃO ACERCA DO MILÊNIO.
  23. 23. São três os acontecimentos descritos por este capítulo: 1.Satanás é amarrado. (1 a 3) 2. O reinado de mil anos dos santos. (4 a 6) 3. A libertação de Satanás e a batalha final. (7 a 10)
  24. 24. Mas... O que significa a prisão de satanás? A primeira coisa que precisamos entender é que toda esta linguagem de poço, tampa, chave, corrente é simbólica. Pois trata-se de um ser espiritual e não vai ser uma tampa ou uma corrente que prenderá um espírito.
  25. 25. Ainda sim, prender, fechar e selar são termos que denotam limitação do seu poder. Significa dizer que nem em sua casa, nem na terra, nem no céu ele tem poder para agir livremente. O que não significa dizer que ele está inativo ou fora de cena, mas sua atividade está restringida.
  26. 26. Por isso podemos entender a segunda afirmação sobre ele: Porque está preso e amarrado “satanás não pode mais enganar as nações”. Aliás, para isso ele foi preso e amarrado: para que não enganasse as nações, para que não faça uso de sua principal estratégia que é o engano do mundo.
  27. 27. A grande questão é saber qual a extensão de suas amarras no que diz respeito aos seus limites. Satanás está amarrado, mas atua de forma limitada. Qual é o limite de sua atuação? Aqui se dá, talvez, a principal cisma entre o pré e o amilenista.
  28. 28. Para os que acreditam que esta condição de satanás é a mesmo de Marcos 3.27 – João 12.31 – Col. 2.15 - “Ninguém pode roubar os bens do valente, entrando-lhe em sua casa, se primeiro não maniatar o valente; e então roubará a sua casa.” “Agora é o juízo deste mundo; agora será expulso o príncipe deste mundo.”
  29. 29. “E, despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo.” Quero dizer, para estes a prisão refere- se à era da igreja. Onde por mais incrível que pareça satanás não opera todo mal que deseja porque está amarrado e limitado em suas ações...
  30. 30. Por conta disso, a igreja consegue avançar em sua obra missionária e chegar a lugares nunca antes visitados com as boas novas de Cristo. Assim, para muitos, a prisão de satanás começou na primeira vinda de Cristo.
  31. 31. Mas... Haverá um tempo em que satanás será solto. Deus determinou ser necessária a soltura dele por um breve período final. A questão é: Por que Deus consideraria isso necessário? Não encontramos uma resposta conclusiva no texto, deste modo...
  32. 32. Mas... Haverá um tempo em que satanás será solto. Deus determinou ser necessária a soltura dele por um breve período final. As questões são: Quando? Por que Deus consideraria isso necessário? Não encontramos uma resposta conclusiva no texto, deste modo...
  33. 33. A partir de uma leitura de todo contexto apocalíptico, acredita-se sua soltura seja o tempo da grande tribulação, da apostasia e do reinado do anticristo, e, que o propósito deste acontecimento é provar o poder da depravação humana que não se arrepende e demonstrar, de uma vez por todas, a necessidade do castigo eterno. Assim,
  34. 34. O milênio é a evidência judicial que condenará as habitantes da terra e provará que seu pecado eterno requer castigo eterno.
  35. 35. O que se segue é a certeza que Deus nos dá que satanás se levanta tão e simplesmente para tornar a cair, agora, de modo definitivo. Assim, quando os inimigos de Deus e do seu povo se reúnem para guerrear, Deus envia fogo do céu para devorá-los como prelúdio do fogo eterno que será o destino deles...
  36. 36. ... Neste momento satanás se une ais outros dois membros da falsa trindade no lago de fogo, onde seus seguidores logo se juntarão a eles. Pois a justiça divina requer tal resposta...
  37. 37. Ainda sim, os que se sentem ofendidos por esse ensino das escrituras e por esse desfecho para o ímpios, o fazem porque têm uma percepção pequena demais da natureza terrível do pecado e da reação natural que a santidade divina deve ter a ele...
  38. 38. Podemos, inclusive, lembrar que Deus buscou o arrependimento das nações muitas vezes. Deus não tolera o pecado e sua resposta é justa e definitiva. Como bem disse Osborne:
  39. 39. “ a eternidade não pode começar enquanto o pecado não for eliminado e é o que acontece aqui. Assim, a nova ordem é estabelecida, quero dizer: como a desaparecimento da antiga ordem, do que é humano, da morte; o novo, o que é espiritual, a vida se estabelece.
  40. 40. Amém!

×