SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 80
Baixar para ler offline
CONSTRUÇÃO
CIVIL I
Profª Camila Dias
Serviços iniciais
◦Levantamento do terreno – Para reconhecimento
do local onde será executada a obra.
Levantamento planialtimétrico
◦ Indicação da linha norte-sul;
◦ Medidas do perímetro;
◦ Ângulos entre os segmentos do perímetro;
◦ Indicação da área real do imóvel;
◦ Curvas de nível, de metro em metro;
◦ Localização de árvores existentes, se o código de obras local
assim exigir;
◦ Demarcação de quaisquer cursos d’água existentes no imóvel
ou na divisa;
◦ Indicação de cotas de nível na guia.
Vizinhança
◦ Algumas informações sobre os arredores da obra
devem ser conhecidas, visto que a atividade
executada poderá interferir em estruturas vizinhas.
Vizinhança
◦Elementos que devem ser conhecidos:
◦Localização de postes, árvores, estruturas de
drenagem urbana e fiação ao redor;
◦Tipo de pavimentação do local;
◦Edificações vizinhas e suas distâncias;
◦Em terrenos inclinados, verificar os efeitos de uma
possível implantação de novas estruturas vizinhas.
Estudos de caso
◦O que se pode apontar como preocupação
quanto à vizinhança nas imagens a seguir?
Estudo Geotécnico
◦Sondagens em geral, a mais utilizada é a SPT
(Sondagem a percussão).
◦Uma para cada 200m² de área da edificação,
em casos até 1200m²;
◦Acima desse valor e até 2400m² é feito uma
para cada 400m² de área da edificação.
Relatório de campo
◦ Informações sobre a sondagem do solo, relatando
cada informação obtida.
Relatório para o cliente
◦ Menos técnico, com objetivo de informar o cliente
sobre as condições do solo onde ele pretende
construir.
Canteiro de obras –
Tipos
◦ Restrito: Quando o
terreno é quase
todo ocupado pela
construção, dando
ao canteiro pouco
espaço.
Canteiro de obras – Tipos
◦ Amplo – Quando a construção ocupa uma parcela
relativamente pequena do terreno, dando ao canteiro espaço
além do suficiente.
Canteiro de obras – Tipos
◦ Estreito – Quando uma das dimensões do terreno é muito maior
que a outra, obrigando o canteiro a estar ao longo deste lado
maior.
Área de vivência: condições gerais
◦Instalações sanitárias:
◦ Com privacidade suficiente;
◦ Ambiente higienizado, sem odores;
◦ Sem ligação direta com a área destinada a refeições;
◦ Ser independente para homens e mulheres;
◦ Em local de fácil e seguro acesso.
Área de vivência: condições gerais
◦Dormitórios:
◦ Distâncias mínimas conforme NR 24;
◦ Local arejado com iluminação suficiente;
Área de vivência: condições gerais
◦Refeitório:
◦ Ter capacidade para o numero de funcionários;
◦ Ventilação e iluminação adequadas;
◦ Distâncias mínimas conforme NR 24.
Área de vivência: condições gerais
◦Cozinha/copa:
◦ Ter instalações sanitárias para preparo dos alimentos;
◦ Ficar adjacente ao refeitório.
Áreas operacionais
Locação da obra
◦Consiste no uso de pontos de referência e instrumentos
de medição para posicionar precisamente a obra.
◦São levadas em consideração as dimensões do
terreno e da obra, além de seus elementos como
afastamento, recuo e fundação.
◦Requer a presença do engenheiro ou do arquiteto
responsável
◦Documentos de referência: Levantamento
planialtimétrico e projetos de fundação e
arquitetônico executivo de implantação.
Necessidade
◦ Um projeto de locação de precisão é essencial para a
qualidade do produto final, tendo importância nas
etapas de:
◦ Montagem de estruturas: erros de posicionamento são
danosos a elementos estruturais, podendo causar patologias e
até colapso.
◦ Marcação de alvenarias: erros de dimensionamento podem
afetar a usabilidade de cômodos e insatisfazer o cliente.
Necessidade
◦ Um projeto de locação de precisão é essencial para a
qualidade do produto final, tendo importância nas
etapas de:
◦ Passagem de instalações: erros de posicionamento podem
interferir na passagem de instalações elétricas e tubulações.
Locação de obra
◦Condições para o início: terreno terraplenado e
limpo, serviço realizado por profissional
habilitado.
◦É preciso uma noção dos locais de entrada e
saída da obra.
Locação de obra
◦Os métodos são escolhidos conforme o tipo de
edifício. Quanto maior a obra, ou de estrutura
mais precisa, mais precisa terá que ser a
locação:
◦Implantação sem instrumentos topográficos;
◦Implantação com instrumentos topográficos
(teodolito e nível).
Equipamentos
◦Teodolitos e níveis;
◦Trena metálica ou de fibra de 30 ou 50 metros;
◦Linhas de nylon;
◦Nível de bolha;
◦Arame;
◦Tinta esmalte (cores vermelha e branca);
◦Escala;
◦Nível de mangueira;
Equipamentos
◦Esquadro;
◦Prumo de centro;
◦Linha de pedreiro;
◦Martelo;
◦Marreta;
◦Barbante;
◦Piquetes ou estacas de madeira;
◦Ripões;
◦Pregos.
Locação da obra - Execução
◦ Definir a referência pela qual
será feita a locação da
construção, conferindo eixos
e divisas da obra.
◦ É comum usar pontos como
o alinhamento da rua, um
ponto deixado pelo
topógrafo quando da
realização do controle do
movimento de terra ou uma
lateral do terreno.
Locação sem instrumentos
topográficos
◦Começando pelo ponto de referência, usando
3 coordenadas, duas planimétricas e uma
altimétrica.
◦As distâncias são medidas com trenas metálicas,
a altura é medida por transferência de nível
com o respectivo aparelho.
Locação da obra
◦Elementos auxiliares para a demarcação:
◦Tabeira (gabarito);
◦Cavaletes;
◦Piquetes.
Método do gabarito (ou da tábua
corrida)
◦Estrutura de madeira que
definirá todo
posicionamento dos
elementos da obra.
◦Traçar perímetro a
distância de 1,0 a 1,2 m
da obra.
Método do gabarito (ou da tábua
corrida)
◦Pontaletes são
cravados de um em
um metro ao longo do
perímetro.
◦Tabuas corridas são
pregadas a esses
pontaletes, devendo
estar niveladas e em
esquadro entre si.
◦Com o gabarito montado:
◦São marcados os eixos do projeto nas tábuas.
◦Os elementos da obra são locados por um par de
linhas de náilon ortogonais (linhas mestras). A
intersecção das linhas é “levada ao chão” pelo prumo
de centro.
◦Os eixos da estrutura são transmitidos para a obra, e o
gabarito pode ser removido.
◦Ao longo da obra, esses eixos são transmitidos para a
construção, e das lajes inferiores para as superiores.
◦No gabarito, são demarcados:
◦Eixos ortogonais de referência;
◦Posições das estacas;
◦Eixos das vigas baldrame;
◦Centro geométrico e face dos
blocos;
◦Eixo de paredes/pilares .
Método do cavalete
◦ Em obras de pequeno porte utiliza-se o processo por
cavaletes, que conta com alinhamento por pregos
cravados em armações denominadas de cavaletes.
Método do gabarito
◦ Quando é inviável a estrutura da tabeira, ou para uma
construção de menor porte.
◦ Em vez dela, se usam vários cavaletes menores e
desconectadas para demarcar o perímetro.
◦ Permite maior movimentação dos trabalhadores e
máquinas.
◦ Geralmente, devido as proporções do projeto, não são
traçados todos os eixos da construção, como se faria
com a tabeira.
◦ Os procedimentos básicos de locação equivalem aos
da tabeira.
Exercício
◦ A locação de uma obra pode ocorrer por meio do gabarito ou
pelo método do cavalete, analise as afirmações abaixo e
assinale a alternativa incorreta:
A) O cavalete é um método para obras menores.
B) O gabarito conta com uso das tabeiras.
C) O cavalete permite maior movimentação na obra.
D) O gabarito limita a movimentação pela obra.
E) O cavalete limita a movimentação pela obra.
Exercício
Método do cavalete Método do gabarito Método do cavalete
Traçado
◦Após definido o método para a marcação, as
medidas das plantas da obra devem ser
transferidas para o terreno. Quando a obra
requer um grau de precisão que não podemos
realizar com métodos simples devemos utilizar
aparelhos topográficos.
Escavação
◦Efetuada para a execução da infraestrutura.
◦Pode ser manual ou mecânica.
Escavação mecânica
◦ Vantagens:
◦ Movimentos grandes de terra em menor tempo.
◦ Redução da mão de obra, aumento da capacitação do
funcionário.
◦ Maior precisão.
Materiais - classificação
◦ De 1ª categoria: Compreende os solos em geral, residual ou
sedimentar, seixos rolados ou não, com diâmetro máximo e
inferior a 0,15m, qualquer que seja o teor de umidade
apresentado.
Materiais - classificação
◦ De 2ª categoria: Compreende os de
resistência ao desmonte mecânico inferior
à rocha não alterada, cuja extração se
processe por combinação de métodos
que obriguem a utilização do maior
equipamento de escarificação exigido
contratualmente; a extração
eventualmente poderá envolver o uso de
explosivos ou processo manual adequado,
incluídos nesta classificação os blocos de
rocha, de volume inferior a 2 m³ e os
matacões ou pedras de diâmetro médio
entre 0,15m e 1,00m.
Materiais - classificação
◦ De 3ª categoria: Compreende os de resistência ao desmonte
mecânico equivalente à rocha não alterada e blocos de rocha,
com diâmetro médio superior a 1,00m, ou de volume igual ou
superior a 2m³, cuja extração e redução, a fim de possibilitar o
carregamento se processem com o emprego contínuo de
explosivos.
Máquinas
◦ Escavo-empurradoras
◦Trator com lâmina
Máquinas
◦ Escavo-transportadoras
◦Motoscraper
Máquinas
◦ Escavo-carregadoras
◦Carregadeira
◦Escavadeira
Máquinas
◦ Aplainadoras
◦Motoniveladora
Máquinas
◦ Escavadoras-elevadoras
Escolha dos equipamentos
◦Fatores:
◦Terreno natural;
◦Projeto;
◦Situação econômica.
Cortes
◦ Delimitar a área que sofrerá o corte.
◦ Marcação dos offsets (extremos da área).
Aterro e reaterro
◦ Utilizar solos sem presença
de material orgânico,
pedras ou entulho.
◦ Processo feito em camadas
de 30cm de material solto e
molhado.
◦ Se o movimento de terra
passar de 50m³, usa-se
processo mecânico.
Condições gerais
◦É obrigatório o controle de qualidade do serviço
nos casos abaixo:
◦ Aterros para suporte de fundações, pavimentos, ou
estruturas de contenção.
Condições gerais
◦ É obrigatório o controle de qualidade do serviço nos
casos abaixo:
◦ Aterros com altura superior a 1m.
Condições gerais
◦ É obrigatório o controle de qualidade do serviço nos
casos abaixo:
◦ Aterros com volume superior a 1000m³. Neste caso, há também
presença de consultor especialista em mecânica dos solos.
Ensaios para controle do aterro
◦ Nove ensaios de compactação a cada 1000m³,
passando de 9000m³, acrescentar um ensaio.
◦ Nove ensaios de determinação da massa específica in
situ, para cada 500m³ de material compactado. Acima
de 4500m³, acrescentar um ensaio.
◦ Durante a execução do aterro, duas determinações
por camada.
◦ Nove ensaios de granulometria, limite de liquidez e
limite de plasticidade, para cada grupo de quatro
amostras submetidas ao ensaio de compactação,
acima de 9000m³, acrescentar um ensaio.
Condições no local
◦ Grau de compactação desejado: mínimo de 95%.
◦ O solo deve estar com umidade ótima, podendo haver
variação máxima de 3%.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lumiform SH • Fôrma de aluminio para paredes de concreto!
Lumiform SH • Fôrma de aluminio para paredes de concreto!Lumiform SH • Fôrma de aluminio para paredes de concreto!
Lumiform SH • Fôrma de aluminio para paredes de concreto!SH Brasil
 
Curso de pedreiro
Curso de pedreiroCurso de pedreiro
Curso de pedreiroHugo Jean
 
Tabela 5 - alvenaria estrutural
Tabela 5 - alvenaria estruturalTabela 5 - alvenaria estrutural
Tabela 5 - alvenaria estruturalprofNICODEMOS
 
Nbr 11682 1991 - estabilidade de taludes
Nbr 11682   1991 - estabilidade de taludesNbr 11682   1991 - estabilidade de taludes
Nbr 11682 1991 - estabilidade de taludesFernando Boff
 
Metodologia executiva das Sondagens a Percussão SPT e Correlaões de Nspt
Metodologia executiva das Sondagens a Percussão SPT e Correlaões de NsptMetodologia executiva das Sondagens a Percussão SPT e Correlaões de Nspt
Metodologia executiva das Sondagens a Percussão SPT e Correlaões de NsptEdgar Pereira Filho
 
Obra anexo1c memorial descritivo_tp01_2009
Obra anexo1c memorial descritivo_tp01_2009Obra anexo1c memorial descritivo_tp01_2009
Obra anexo1c memorial descritivo_tp01_2009Francisco Almeida C
 
Aula sobre fundação 2016
Aula sobre fundação 2016Aula sobre fundação 2016
Aula sobre fundação 2016UNAERP
 
ConstruçãO De GináSios
ConstruçãO De GináSiosConstruçãO De GináSios
ConstruçãO De GináSiosMicael Oliveira
 
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...debvieir
 
Sistema de paredes de concreto
Sistema de paredes de concretoSistema de paredes de concreto
Sistema de paredes de concretoMaiza Coelho
 
Alvenaria - Curso de Engenharia civil
Alvenaria - Curso de Engenharia civilAlvenaria - Curso de Engenharia civil
Alvenaria - Curso de Engenharia civildebvieir
 
Metodologia executiva das sondagens Mistas e Rotativas com recuperação de tes...
Metodologia executiva das sondagens Mistas e Rotativas com recuperação de tes...Metodologia executiva das sondagens Mistas e Rotativas com recuperação de tes...
Metodologia executiva das sondagens Mistas e Rotativas com recuperação de tes...Edgar Pereira Filho
 
Passo a passo de execução - Parede de Concreto
Passo a passo de execução - Parede de ConcretoPasso a passo de execução - Parede de Concreto
Passo a passo de execução - Parede de ConcretoEder Santin
 
Aula unidade 4
Aula  unidade 4Aula  unidade 4
Aula unidade 4UNAERP
 
Ensaios Laboratoriais e de Campo- Eng. Antonio S. D. Penna
Ensaios Laboratoriais e de Campo- Eng. Antonio S. D. PennaEnsaios Laboratoriais e de Campo- Eng. Antonio S. D. Penna
Ensaios Laboratoriais e de Campo- Eng. Antonio S. D. PennaArthur Silva
 
Ebook 11-dicas-projetos-arquitetonicos
Ebook 11-dicas-projetos-arquitetonicosEbook 11-dicas-projetos-arquitetonicos
Ebook 11-dicas-projetos-arquitetonicosLucia Rosas
 

Mais procurados (20)

Lumiform SH • Fôrma de aluminio para paredes de concreto!
Lumiform SH • Fôrma de aluminio para paredes de concreto!Lumiform SH • Fôrma de aluminio para paredes de concreto!
Lumiform SH • Fôrma de aluminio para paredes de concreto!
 
Curso de pedreiro
Curso de pedreiroCurso de pedreiro
Curso de pedreiro
 
Tabela 5 - alvenaria estrutural
Tabela 5 - alvenaria estruturalTabela 5 - alvenaria estrutural
Tabela 5 - alvenaria estrutural
 
Nbr 11682 1991 - estabilidade de taludes
Nbr 11682   1991 - estabilidade de taludesNbr 11682   1991 - estabilidade de taludes
Nbr 11682 1991 - estabilidade de taludes
 
Metodologia executiva das Sondagens a Percussão SPT e Correlaões de Nspt
Metodologia executiva das Sondagens a Percussão SPT e Correlaões de NsptMetodologia executiva das Sondagens a Percussão SPT e Correlaões de Nspt
Metodologia executiva das Sondagens a Percussão SPT e Correlaões de Nspt
 
Obra anexo1c memorial descritivo_tp01_2009
Obra anexo1c memorial descritivo_tp01_2009Obra anexo1c memorial descritivo_tp01_2009
Obra anexo1c memorial descritivo_tp01_2009
 
Aula sobre fundação 2016
Aula sobre fundação 2016Aula sobre fundação 2016
Aula sobre fundação 2016
 
ConstruçãO De GináSios
ConstruçãO De GináSiosConstruçãO De GináSios
ConstruçãO De GináSios
 
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
 
Sistema de paredes de concreto
Sistema de paredes de concretoSistema de paredes de concreto
Sistema de paredes de concreto
 
Abnt nbr 7175 cal hidratada para argamassas
Abnt nbr 7175   cal hidratada para argamassasAbnt nbr 7175   cal hidratada para argamassas
Abnt nbr 7175 cal hidratada para argamassas
 
Alvenaria - Curso de Engenharia civil
Alvenaria - Curso de Engenharia civilAlvenaria - Curso de Engenharia civil
Alvenaria - Curso de Engenharia civil
 
Metodologia executiva das sondagens Mistas e Rotativas com recuperação de tes...
Metodologia executiva das sondagens Mistas e Rotativas com recuperação de tes...Metodologia executiva das sondagens Mistas e Rotativas com recuperação de tes...
Metodologia executiva das sondagens Mistas e Rotativas com recuperação de tes...
 
Passo a passo de execução - Parede de Concreto
Passo a passo de execução - Parede de ConcretoPasso a passo de execução - Parede de Concreto
Passo a passo de execução - Parede de Concreto
 
Aula unidade 4
Aula  unidade 4Aula  unidade 4
Aula unidade 4
 
Apostila pedreiro
Apostila pedreiroApostila pedreiro
Apostila pedreiro
 
Fundações
FundaçõesFundações
Fundações
 
Ensaios Laboratoriais e de Campo- Eng. Antonio S. D. Penna
Ensaios Laboratoriais e de Campo- Eng. Antonio S. D. PennaEnsaios Laboratoriais e de Campo- Eng. Antonio S. D. Penna
Ensaios Laboratoriais e de Campo- Eng. Antonio S. D. Penna
 
Ebook 11-dicas-projetos-arquitetonicos
Ebook 11-dicas-projetos-arquitetonicosEbook 11-dicas-projetos-arquitetonicos
Ebook 11-dicas-projetos-arquitetonicos
 
Curso de pedreiro
Curso de pedreiroCurso de pedreiro
Curso de pedreiro
 

Semelhante a Construção civil: locação de obra, equipamentos e métodos

serviços preliminares-Senai.pdf
serviços preliminares-Senai.pdfserviços preliminares-Senai.pdf
serviços preliminares-Senai.pdfGEPESSGrupodeEstudo
 
1 Introdução e Serviços Preliminares.pdf
1 Introdução e Serviços Preliminares.pdf1 Introdução e Serviços Preliminares.pdf
1 Introdução e Serviços Preliminares.pdfMariaJosdeJesusMarch
 
2 projeto trabalhos-preliminares-rev
2  projeto trabalhos-preliminares-rev2  projeto trabalhos-preliminares-rev
2 projeto trabalhos-preliminares-revEYM_62
 
Norma regulamentadora numero 19 Explosivos
Norma regulamentadora numero 19 ExplosivosNorma regulamentadora numero 19 Explosivos
Norma regulamentadora numero 19 ExplosivosRodineiGoncalves
 
Aula escavacao rocha xerox
Aula escavacao rocha xeroxAula escavacao rocha xerox
Aula escavacao rocha xeroxEly Barros
 
Aula escavacao rocha xerox
Aula escavacao rocha xeroxAula escavacao rocha xerox
Aula escavacao rocha xeroxMatheus Alves
 
Concreto para dutos terrestres
Concreto para dutos terrestresConcreto para dutos terrestres
Concreto para dutos terrestresMarco Taveira
 
Obra no bairro Luxemburgo
Obra no bairro LuxemburgoObra no bairro Luxemburgo
Obra no bairro LuxemburgoLudmila Souza
 
Ensaios e tipos de sondagens.pdf
Ensaios e tipos de sondagens.pdfEnsaios e tipos de sondagens.pdf
Ensaios e tipos de sondagens.pdfJeanMarques37
 
Execucao terraplanagem1
Execucao terraplanagem1Execucao terraplanagem1
Execucao terraplanagem1Jair Almeida
 
Aula de Abertura de Vala
Aula de Abertura de ValaAula de Abertura de Vala
Aula de Abertura de ValaMarco Taveira
 
FUNDAÇÕES - TEORIA E PRÁTICA - PRIMEIRO MODULO.pptx
FUNDAÇÕES - TEORIA E PRÁTICA - PRIMEIRO MODULO.pptxFUNDAÇÕES - TEORIA E PRÁTICA - PRIMEIRO MODULO.pptx
FUNDAÇÕES - TEORIA E PRÁTICA - PRIMEIRO MODULO.pptxAnaMachado812307
 
Tecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil iTecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil iBowman Guimaraes
 

Semelhante a Construção civil: locação de obra, equipamentos e métodos (20)

serviços preliminares-Senai.pdf
serviços preliminares-Senai.pdfserviços preliminares-Senai.pdf
serviços preliminares-Senai.pdf
 
1 Introdução e Serviços Preliminares.pdf
1 Introdução e Serviços Preliminares.pdf1 Introdução e Serviços Preliminares.pdf
1 Introdução e Serviços Preliminares.pdf
 
Explosivos parte 3 pedreiras
Explosivos parte 3 pedreirasExplosivos parte 3 pedreiras
Explosivos parte 3 pedreiras
 
2 projeto trabalhos-preliminares-rev
2  projeto trabalhos-preliminares-rev2  projeto trabalhos-preliminares-rev
2 projeto trabalhos-preliminares-rev
 
Norma regulamentadora numero 19 Explosivos
Norma regulamentadora numero 19 ExplosivosNorma regulamentadora numero 19 Explosivos
Norma regulamentadora numero 19 Explosivos
 
Aula escavacao rocha xerox
Aula escavacao rocha xeroxAula escavacao rocha xerox
Aula escavacao rocha xerox
 
Nbr 15696
Nbr 15696Nbr 15696
Nbr 15696
 
Aula escavacao rocha xerox
Aula escavacao rocha xeroxAula escavacao rocha xerox
Aula escavacao rocha xerox
 
Locação de obras
Locação de obrasLocação de obras
Locação de obras
 
Concreto para dutos terrestres
Concreto para dutos terrestresConcreto para dutos terrestres
Concreto para dutos terrestres
 
2 Locação de Obras.pptx
2 Locação de Obras.pptx2 Locação de Obras.pptx
2 Locação de Obras.pptx
 
Obra no bairro Luxemburgo
Obra no bairro LuxemburgoObra no bairro Luxemburgo
Obra no bairro Luxemburgo
 
Ensaios e tipos de sondagens.pdf
Ensaios e tipos de sondagens.pdfEnsaios e tipos de sondagens.pdf
Ensaios e tipos de sondagens.pdf
 
Métodos de lavra
Métodos de lavraMétodos de lavra
Métodos de lavra
 
Execucao terraplanagem1
Execucao terraplanagem1Execucao terraplanagem1
Execucao terraplanagem1
 
02
0202
02
 
Aula de Abertura de Vala
Aula de Abertura de ValaAula de Abertura de Vala
Aula de Abertura de Vala
 
FUNDAÇÕES - TEORIA E PRÁTICA - PRIMEIRO MODULO.pptx
FUNDAÇÕES - TEORIA E PRÁTICA - PRIMEIRO MODULO.pptxFUNDAÇÕES - TEORIA E PRÁTICA - PRIMEIRO MODULO.pptx
FUNDAÇÕES - TEORIA E PRÁTICA - PRIMEIRO MODULO.pptx
 
Tecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil iTecnicas de construção civil i
Tecnicas de construção civil i
 
Manual da construção civil
Manual da construção civilManual da construção civil
Manual da construção civil
 

Último

Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxBanco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxTherionAkkad2
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxConsultoria Acadêmica
 
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdfCondutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdfAroldoMenezes1
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGuilhermeLucio9
 
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...DL assessoria 31
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxAssimoIovahale
 

Último (7)

Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxBanco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
 
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdfCondutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
 
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
 
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
 

Construção civil: locação de obra, equipamentos e métodos

  • 2. Serviços iniciais ◦Levantamento do terreno – Para reconhecimento do local onde será executada a obra.
  • 3. Levantamento planialtimétrico ◦ Indicação da linha norte-sul; ◦ Medidas do perímetro; ◦ Ângulos entre os segmentos do perímetro; ◦ Indicação da área real do imóvel; ◦ Curvas de nível, de metro em metro; ◦ Localização de árvores existentes, se o código de obras local assim exigir; ◦ Demarcação de quaisquer cursos d’água existentes no imóvel ou na divisa; ◦ Indicação de cotas de nível na guia.
  • 4.
  • 5. Vizinhança ◦ Algumas informações sobre os arredores da obra devem ser conhecidas, visto que a atividade executada poderá interferir em estruturas vizinhas.
  • 6. Vizinhança ◦Elementos que devem ser conhecidos: ◦Localização de postes, árvores, estruturas de drenagem urbana e fiação ao redor; ◦Tipo de pavimentação do local; ◦Edificações vizinhas e suas distâncias; ◦Em terrenos inclinados, verificar os efeitos de uma possível implantação de novas estruturas vizinhas.
  • 7. Estudos de caso ◦O que se pode apontar como preocupação quanto à vizinhança nas imagens a seguir?
  • 8.
  • 9.
  • 10. Estudo Geotécnico ◦Sondagens em geral, a mais utilizada é a SPT (Sondagem a percussão). ◦Uma para cada 200m² de área da edificação, em casos até 1200m²; ◦Acima desse valor e até 2400m² é feito uma para cada 400m² de área da edificação.
  • 11.
  • 12. Relatório de campo ◦ Informações sobre a sondagem do solo, relatando cada informação obtida.
  • 13. Relatório para o cliente ◦ Menos técnico, com objetivo de informar o cliente sobre as condições do solo onde ele pretende construir.
  • 14. Canteiro de obras – Tipos ◦ Restrito: Quando o terreno é quase todo ocupado pela construção, dando ao canteiro pouco espaço.
  • 15. Canteiro de obras – Tipos ◦ Amplo – Quando a construção ocupa uma parcela relativamente pequena do terreno, dando ao canteiro espaço além do suficiente.
  • 16. Canteiro de obras – Tipos ◦ Estreito – Quando uma das dimensões do terreno é muito maior que a outra, obrigando o canteiro a estar ao longo deste lado maior.
  • 17. Área de vivência: condições gerais ◦Instalações sanitárias: ◦ Com privacidade suficiente; ◦ Ambiente higienizado, sem odores; ◦ Sem ligação direta com a área destinada a refeições; ◦ Ser independente para homens e mulheres; ◦ Em local de fácil e seguro acesso.
  • 18.
  • 19.
  • 20. Área de vivência: condições gerais ◦Dormitórios: ◦ Distâncias mínimas conforme NR 24; ◦ Local arejado com iluminação suficiente;
  • 21. Área de vivência: condições gerais ◦Refeitório: ◦ Ter capacidade para o numero de funcionários; ◦ Ventilação e iluminação adequadas; ◦ Distâncias mínimas conforme NR 24.
  • 22. Área de vivência: condições gerais ◦Cozinha/copa: ◦ Ter instalações sanitárias para preparo dos alimentos; ◦ Ficar adjacente ao refeitório.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28. Locação da obra ◦Consiste no uso de pontos de referência e instrumentos de medição para posicionar precisamente a obra. ◦São levadas em consideração as dimensões do terreno e da obra, além de seus elementos como afastamento, recuo e fundação. ◦Requer a presença do engenheiro ou do arquiteto responsável ◦Documentos de referência: Levantamento planialtimétrico e projetos de fundação e arquitetônico executivo de implantação.
  • 29. Necessidade ◦ Um projeto de locação de precisão é essencial para a qualidade do produto final, tendo importância nas etapas de: ◦ Montagem de estruturas: erros de posicionamento são danosos a elementos estruturais, podendo causar patologias e até colapso. ◦ Marcação de alvenarias: erros de dimensionamento podem afetar a usabilidade de cômodos e insatisfazer o cliente.
  • 30. Necessidade ◦ Um projeto de locação de precisão é essencial para a qualidade do produto final, tendo importância nas etapas de: ◦ Passagem de instalações: erros de posicionamento podem interferir na passagem de instalações elétricas e tubulações.
  • 31. Locação de obra ◦Condições para o início: terreno terraplenado e limpo, serviço realizado por profissional habilitado. ◦É preciso uma noção dos locais de entrada e saída da obra.
  • 32. Locação de obra ◦Os métodos são escolhidos conforme o tipo de edifício. Quanto maior a obra, ou de estrutura mais precisa, mais precisa terá que ser a locação: ◦Implantação sem instrumentos topográficos; ◦Implantação com instrumentos topográficos (teodolito e nível).
  • 33.
  • 34. Equipamentos ◦Teodolitos e níveis; ◦Trena metálica ou de fibra de 30 ou 50 metros; ◦Linhas de nylon; ◦Nível de bolha; ◦Arame; ◦Tinta esmalte (cores vermelha e branca); ◦Escala; ◦Nível de mangueira;
  • 35. Equipamentos ◦Esquadro; ◦Prumo de centro; ◦Linha de pedreiro; ◦Martelo; ◦Marreta; ◦Barbante; ◦Piquetes ou estacas de madeira; ◦Ripões; ◦Pregos.
  • 36. Locação da obra - Execução ◦ Definir a referência pela qual será feita a locação da construção, conferindo eixos e divisas da obra. ◦ É comum usar pontos como o alinhamento da rua, um ponto deixado pelo topógrafo quando da realização do controle do movimento de terra ou uma lateral do terreno.
  • 37. Locação sem instrumentos topográficos ◦Começando pelo ponto de referência, usando 3 coordenadas, duas planimétricas e uma altimétrica. ◦As distâncias são medidas com trenas metálicas, a altura é medida por transferência de nível com o respectivo aparelho.
  • 38.
  • 39. Locação da obra ◦Elementos auxiliares para a demarcação: ◦Tabeira (gabarito); ◦Cavaletes; ◦Piquetes.
  • 40. Método do gabarito (ou da tábua corrida) ◦Estrutura de madeira que definirá todo posicionamento dos elementos da obra. ◦Traçar perímetro a distância de 1,0 a 1,2 m da obra.
  • 41. Método do gabarito (ou da tábua corrida) ◦Pontaletes são cravados de um em um metro ao longo do perímetro. ◦Tabuas corridas são pregadas a esses pontaletes, devendo estar niveladas e em esquadro entre si.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45. ◦Com o gabarito montado: ◦São marcados os eixos do projeto nas tábuas. ◦Os elementos da obra são locados por um par de linhas de náilon ortogonais (linhas mestras). A intersecção das linhas é “levada ao chão” pelo prumo de centro. ◦Os eixos da estrutura são transmitidos para a obra, e o gabarito pode ser removido. ◦Ao longo da obra, esses eixos são transmitidos para a construção, e das lajes inferiores para as superiores.
  • 46.
  • 47. ◦No gabarito, são demarcados: ◦Eixos ortogonais de referência; ◦Posições das estacas; ◦Eixos das vigas baldrame; ◦Centro geométrico e face dos blocos; ◦Eixo de paredes/pilares .
  • 48.
  • 49. Método do cavalete ◦ Em obras de pequeno porte utiliza-se o processo por cavaletes, que conta com alinhamento por pregos cravados em armações denominadas de cavaletes.
  • 50. Método do gabarito ◦ Quando é inviável a estrutura da tabeira, ou para uma construção de menor porte. ◦ Em vez dela, se usam vários cavaletes menores e desconectadas para demarcar o perímetro. ◦ Permite maior movimentação dos trabalhadores e máquinas. ◦ Geralmente, devido as proporções do projeto, não são traçados todos os eixos da construção, como se faria com a tabeira. ◦ Os procedimentos básicos de locação equivalem aos da tabeira.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54.
  • 55. Exercício ◦ A locação de uma obra pode ocorrer por meio do gabarito ou pelo método do cavalete, analise as afirmações abaixo e assinale a alternativa incorreta: A) O cavalete é um método para obras menores. B) O gabarito conta com uso das tabeiras. C) O cavalete permite maior movimentação na obra. D) O gabarito limita a movimentação pela obra. E) O cavalete limita a movimentação pela obra.
  • 56. Exercício Método do cavalete Método do gabarito Método do cavalete
  • 57. Traçado ◦Após definido o método para a marcação, as medidas das plantas da obra devem ser transferidas para o terreno. Quando a obra requer um grau de precisão que não podemos realizar com métodos simples devemos utilizar aparelhos topográficos.
  • 58. Escavação ◦Efetuada para a execução da infraestrutura. ◦Pode ser manual ou mecânica.
  • 59. Escavação mecânica ◦ Vantagens: ◦ Movimentos grandes de terra em menor tempo. ◦ Redução da mão de obra, aumento da capacitação do funcionário. ◦ Maior precisão.
  • 60. Materiais - classificação ◦ De 1ª categoria: Compreende os solos em geral, residual ou sedimentar, seixos rolados ou não, com diâmetro máximo e inferior a 0,15m, qualquer que seja o teor de umidade apresentado.
  • 61. Materiais - classificação ◦ De 2ª categoria: Compreende os de resistência ao desmonte mecânico inferior à rocha não alterada, cuja extração se processe por combinação de métodos que obriguem a utilização do maior equipamento de escarificação exigido contratualmente; a extração eventualmente poderá envolver o uso de explosivos ou processo manual adequado, incluídos nesta classificação os blocos de rocha, de volume inferior a 2 m³ e os matacões ou pedras de diâmetro médio entre 0,15m e 1,00m.
  • 62. Materiais - classificação ◦ De 3ª categoria: Compreende os de resistência ao desmonte mecânico equivalente à rocha não alterada e blocos de rocha, com diâmetro médio superior a 1,00m, ou de volume igual ou superior a 2m³, cuja extração e redução, a fim de possibilitar o carregamento se processem com o emprego contínuo de explosivos.
  • 73. Escolha dos equipamentos ◦Fatores: ◦Terreno natural; ◦Projeto; ◦Situação econômica.
  • 74. Cortes ◦ Delimitar a área que sofrerá o corte. ◦ Marcação dos offsets (extremos da área).
  • 75. Aterro e reaterro ◦ Utilizar solos sem presença de material orgânico, pedras ou entulho. ◦ Processo feito em camadas de 30cm de material solto e molhado. ◦ Se o movimento de terra passar de 50m³, usa-se processo mecânico.
  • 76. Condições gerais ◦É obrigatório o controle de qualidade do serviço nos casos abaixo: ◦ Aterros para suporte de fundações, pavimentos, ou estruturas de contenção.
  • 77. Condições gerais ◦ É obrigatório o controle de qualidade do serviço nos casos abaixo: ◦ Aterros com altura superior a 1m.
  • 78. Condições gerais ◦ É obrigatório o controle de qualidade do serviço nos casos abaixo: ◦ Aterros com volume superior a 1000m³. Neste caso, há também presença de consultor especialista em mecânica dos solos.
  • 79. Ensaios para controle do aterro ◦ Nove ensaios de compactação a cada 1000m³, passando de 9000m³, acrescentar um ensaio. ◦ Nove ensaios de determinação da massa específica in situ, para cada 500m³ de material compactado. Acima de 4500m³, acrescentar um ensaio. ◦ Durante a execução do aterro, duas determinações por camada. ◦ Nove ensaios de granulometria, limite de liquidez e limite de plasticidade, para cada grupo de quatro amostras submetidas ao ensaio de compactação, acima de 9000m³, acrescentar um ensaio.
  • 80. Condições no local ◦ Grau de compactação desejado: mínimo de 95%. ◦ O solo deve estar com umidade ótima, podendo haver variação máxima de 3%.