SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
Os efeitos da dança como terapia em mulheres com
fibromialgia
Andréia Salvador Baptista1
, Anamaria Jones1
, Jamil Natour J1
1
Setor de Reabilitação aplicado a Reumatologia, Divisão de Reumatologia, Universidade
Federal de São Paulo, Brasil.
Endereço:
Ciências da Saúde Aplicadas à Reumatologia
Rua Botucatu, 740
São Paulo – SP
Brasil
Cep: 04023-900
Correspondência ao autor:
Fisioterapeuta e bailarina Andréia Salvador Baptista
Telefone/Fax: 55-13- 3458-1716
e-mail: deiasalvador1@yahoo.com.br
Artigo publicado na integra em revista Clin Exp Rheumatol. 2012 Nov-Dec;30(6 Suppl
74):18-23. Epub 2012 Dec 14. Effectiveness of dance in patients with fibromyalgia: a
randomized, single-blind, controlled study. Baptista AS, Villela AL, Jones A, Natour J.
PMID:PMD: 23020850 [PubMed - indexed for MEDLINE]
Introdução
A fibromialgia (FM) é uma síndrome dolorosa não-inflamatória, crônica,
caracterizada por dores difusas pelo corpo e pela presença de tender points1
, distúrbios do
sono, rigidez2
, fadiga, depressão ou outras alterações psicológicas e disautonomia3
(Bennett,
2002). Sua prevalência é de aproximadamente de 2 a 5% na população em geral4,5
.
O sintoma mais importante na FM é a dor, porém não tem relação com uma lesão
estrutural. O sintoma “dor” é definido como uma manifestação subjetiva de desconforto que
envolve dimensões físicas, psicológicas e culturais, causando incapacidade e perda da
qualidade de vida, tendo sempre uma conotação negativa para o paciente (OMS).
Os pacientes com fibromialgia sentem-se incapazes de realizar a maioria das
atividades de vida diária6,7
, além de apresentarem perda da qualidade de vida mesmo
comparado a outras doenças crônicas8
.
White, 1999 descreve em seu estudo que comparando a população em geral com
pacientes fibromialgicos os escores do FIQ e teste caminhada de 6 minutos são reduzidos,
também ocorre uma notável diminuição da qualidade de vida. O exercício aeróbico tem
efeitos positivos na qualidade de vida10,11,12
.
Mais da metade dos pacientes com FM faz uso de terapias complementares e
medicinas alternativas para auxiliar no alívio das dores e severidade da fadiga13
como:
massagem terapêutica (44-53%), quiropraxia (37-47%), acupuntura (11-22%) e prática física
natural (37%), elevando seus gastos e se mantendo por aproximadamente um ano. Por este
motivo se fazem necessários estudos para comprovar a real efetividade destes tratamentos14
.
A terapia medicamentosa para pacientes com FM tem se mostrado pouco eficaz com
apenas 25 a 45% de melhora e após 4 anos uma piora de 60% nos sintomas15
, por este
motivo cada vez mais tratamentos não farmacológicos e co-intervenções têm sido testados.
Atividade física por definição é qualquer movimento corporal produzido por
músculos e que resulta em maior dispêndio de energia e exercício é uma atividade física
planejada, estruturada, repetitiva e proposital16
, sendo que então a dança pode ser
considerada um tipo de exercício.
A atividade física tem demonstrado resultados importantes no tratamento da FM. O
condicionamento aeróbico comparado ao alongamento se mostrou superior para estado
mental, dor17
, além de melhorar a depressão, ansiedade, função física e qualidade de
vida.18,12
Devido a uma imensa variedade dos sintomas desta doença, a pobre resposta
medicamentosa e boa resposta ao exercício, escolhemos a dança do ventre como proposta
terapêutica para mulheres com FM, por ser uma atividade que nos possibilitaria trabalhar os
diferentes aspectos influenciáveis na sintomatologia de cada paciente como: dor, fadiga,
sono, auto-imagem, feminilidade, enfrentamento, aceitação de si própria, exposição do
corpo, além de ser uma terapia dinâmica e espontânea.
A dança do ventre tem seus primeiros registros na era do paleolítico superior,
confirmado nas paredes e tetos de cavernas. A primeira figura rupestre datada de 6000a.C.
era um culto estritamente feminino para a mãe Deusa. Em 4000a.C. surgiram figuras em
Naqada, no Egito que são claras evidencias da dança oriental, no sentido de adoração ao sol
e culto à fertilidade, mas foi em 1300d.C. com a invasão do Egito pelos árabes que essa
dança ganhou o caráter festivo de hoje, perdendo parte de seu aspecto sagrado e ritualístico,
e ganhando a conotação alegre e espontânea19
.
A dança do ventre é uma dança estritamente feminina, onde são realizados
movimentos lentos e sinuosos ou rápidos e marcados, através das atividades ritmadas
proporcionadas pela dança conseguimos modular a contração e relaxamento muscular
quanto à intensidade, velocidade e duração dos movimentos20
, possibilitando o controle
corporal de forma seguimentada, individualizando o trabalho de quadril, tronco e
membros21
.
Bojner em 2006 realizou um estudo com dançaterapia em pacientes com FM
avaliando desenho da auto figura relacionando com escalas verbais. Bojner em 2003 avaliou
a concentração hormonal após terapia com dança. Ambos os estudos apresentaram melhoras
significante para sono, ansiedade, rigidez e fadiga no grupo de dança. No entanto nenhum
dos estudos avaliou qualidade de vida, dor e capacidade funcional.
Objetivo
O objetivo deste estudo é avaliar a efetividade da dança do ventre como tratamento
de pacientes com fibromialgia.
Material e Método
Pacientes: Foram incluídas 80 pacientes com FM que preencheram os seguintes critérios:
classificação de fibromialgia segundo Colégio Americano de Reumatolologia1
, sexo
feminino, idade entre 18 a 65 anos, não ter alterado o tratamento durante os últimos 3 meses
e ter assinado o termo de consentimento livre e esclarecido. Foram excluídas as pacientes
com outras doenças reumáticas e osteoarticulares dolorosas, doenças cárdio-respiratórias
descompensadas, doenças de membros inferiores e diabetes mellitus descompensada. O
recrutamento destas pacientes foi realizado nos ambulatórios da Universidade Federal de
São Paulo (UNIFESP).
Avaliação: Todos os pacientes foram avaliados no inicio (T0), 16 semanas (T16) e após 32
semanas (T32) a partir da primeira avaliação. A avaliação foi realizada por um avaliador
cego, fisioterapeuta treinado para realização dos testes, nos três tempos de avaliação, com
seguintes instrumentos: escala visual analógica de dor (EVA), graduada de 0 a 10cm, onde 0
“sem dor” e 10 “dor insuportável”, teste de caminhada de 6 minutos, onde o paciente
percorre 20 metros durante 6 minutos tendo um resultado em metros percorridos24
,
Fibromyalgia Impact Questionnaire (FIQ), instrumento que contém 10 itens para mensurar
função física e severidade dos sintomas25
, Medical Outcome Survey Short Form 36 (SF-36)
questionário que avalia a qualidade de vida26
, Inventário de Beck, inventário com 21 itens
para mensurar depressão27
, Inventário de Ansiedade Traço-Estado (IDATE), inventário é
disposto por item em frases e avaliado pela atribuição do escore de 1 a 4, indicando quanto
maior o número maior a ocorrência28
, Questionário Body Dysorphic Disorder Examination
(BDDE) que possui 32 itens relacionados com a preocupação e avaliação negativa da
aparência, excessiva importância com auto-avaliar sua aparência e mudança de
comportamento relativo a aparência 29
.
Intervenção: Os participantes do grupo intervenção realizam aulas de dança do ventre
durante 16 semanas, duas vezes por semana com duração de uma hora por aula, cada turma
consistia de um numero máximo de oito alunas. As aulas foram ministradas por uma
fisioterapeuta com experiência de 8 anos na dança do ventre. Para o desenvolvimento do
estudo houve uma escolha dos movimentos mais adequados para as FM (quadro A). As
aulas iniciavam-se com aquecimento, movimentos pré-determinados do dia, coreografia e
esfriamento. As pacientes receberam um compact disc (CD) de músicas e uma apostila com
o histórico e os movimentos propostos pelo programa, onde a partir da 4º semana foi
elaborada uma seqüência de movimentos em forma de coreografia para a memorização dos
movimentos e o treino em casa. O grupo controle realizou avaliações nos tempos pré-
determinados e ao término do acompanhamento foi proposto o mesmo tratamento que do
grupo intervenção.
Discussão
Este é o primeiro trabalho cego, randomizado e controlado que avalia a dança do ventre
como modalidade terapêutica em mulheres com FM, como pratica de atividade física e uma
intervenção que faz parte do tratamento, o intuito do estudo foi oferecer mais uma opção
terapêutica para diminuição da dor e melhora da qualidade de vida.
Alguns autores defendem a hipótese de que exercícios rítmicos ativam
ergoreceptores e este estímulo é transmitido até a substância cinzenta periaquedutal e
núcleos de rafe, região envolvida com as fibras descendentes inibitórias da dor30
, talvez por
este motivo o grupo de dança tenha obtido uma diminuição no EVA de dor em 40%,
melhora esta sustentada por 32 semanas.
A dor é o sintoma central da FM, portanto devemos focar a terapêutica sobre ela.
Para avaliar a dor utilizamos a escala visual analógica para dor e no SF-36 o domínio dor e
em ambos os parâmetros encontramos melhora estatisticamente significante e clinicamente
relevante, melhora esta também encontrada em estudos prévios com condicionamento em
mulheres com FM 18,12, 31
.
O FIQ é um instrumento que mede diversos aspectos da doença e seu impacto sobre
o doente, e nesse estudo constatamos que houve uma diminuição dos resultados levando a
uma diferença estatística significante para o GD, sendo sustentado até o término do estudo
de 32 semanas, outros ensaios terapêuticos detectaram esta mudança entre o grupo de
tratamento versus ao grupo controle, ao longo do tempo32,3,33,18,34
. Gowans (1999) conseguiu
em seu estudo com exercício lúdico ritmado observar uma melhora no valor total do FIQ
após 12 semanas se seguimento.
Cerca de 76 a 100% dos pacientes queixam-se de fadiga e após atividades
aparentemente leves agravam a dor e o cansaço35
. As pacientes do grupo de dança
inicialmente relatavam aumento da dor e do cansaço durante as primeiras 4 semanas,
diminuindo com o passar do tempo. Ao decorrer do estudo as pacientes referiam sensação de
diminuição das tensões ao término do exercício e facilidade na realização das atividades
diárias, dados estes confirmados com os resultados do teste de caminhada, instrumento
capaz de demonstrar melhora na capacidade física35
. O FIQ também foi sensível,
apresentando uma melhora na capacidade funcional nos domínios de tarefas do dia-a-dia.
Em nosso estudo o teste de caminhada de 6 minutos demonstrou uma melhora
significante até o final do estudo, sendo semelhantes a outros estudos que também utilizaram
este teste36,37,34
, mas ao compararmos os valores da capacidade funcional pelo SF-36
observamos que não houve diferença estatística, o que pode ter acontecido é que as pacientes
não incorporam percepção de melhora, pelo SF-36 que é uma analise subjetiva. Mesmo com
a diferença entre os grupos para o teste de caminha na avaliação inicial pudemos encontrar
uma melhora importante no grupo intervenção.
Os sintomas mentais, as limitações, a dificuldade de concentração, alteração de humor,
a depressão e problemas para dormir não influenciam diretamente a aptidão aeróbica, porém
alguns pacientes tem problemas no reconhecimento das manifestações em si próprio,
complicando a relação de percepção da qualidade de vida e a realidade podendo ou não
limitar a capacidade funcional aeróbica do paciente em relação a outros fatores, como força
de vontade, seu papel na família, etc38
. King por sua vez não encontrou correlação do FIQ
com o este de caminhada de 6 minutos, divergindo de nossos resultados. A maior parte dos
estudos que tem o tratamento baseado em exercício, com a utilização de ambos os testes tem
alcançado melhora estatisticamente significante para capacidade aeróbica e qualidade de
vida10
.
O SF-36 avalia o impacto da doença sobre os domínios físico, mental e social e o
grupo de dança do ventre apresentou uma melhora em seus domínios com exceção da
capacidade funcional, limitação por aspectos físicos, estado geral de saúde, vitalidade e
aspectos sociais, resultados estes que divergem com o FIQ e teste de caminhada. Uma
justificativa seria que devamos explorar o processo dinâmico de iniciar a mudança de
comportamento para uma incorporação dos efeitos alcançados39
.
Vários autores avaliaram o impacto do exercício no humor e nos aspectos
emocionais da FM, mas poucos estudos demonstraram alguma melhora17,40
, em nosso estudo
houve uma melhora significante para dor, aspectos emocionais e saúde mental pelo SF-36,
resultados sustentados por 32 semanas, mas para avaliação com questionários específicos de
depressão como o inventário de Beck e de ansiedade com o IDATE não encontramos
melhora significante, assim como outros estudos que utilizaram o exercício como
modalidade terapêutica31,32,33,34,41
. Talvez um tempo maior de atividade pudesse trazer
benefícios para depressão e a ansiedade, ou ainda um grupo de educação associada à
intervenção, para uma mudança de hábitos, comportamento e enfrentamento da doença. Um
tratamento medicamentoso coadjuvante especifico para depressão poderia auxiliar na
melhora do quadro geral, uma vez que a maioria das nossas pacientes tinham grau de
depressão de moderada a grave.
A educação ao paciente tem sido reconhecida como elemento essencial no tratamento
da FM, encontrando melhora na dor, sono, auto-eficácia e qualidade de vida, mantendo-se
por 12 meses32
. A terapia cognitivo comportamental (TCC) melhora a auto-eficácia e
qualidade de vida32
. Mas a TCC se mostrou superior apenas que a consulta médica para o
inventário de Beck, saúde mental (SF-36) e número de paracetamol42
. Uma combinação de
tratamento para o corpo e a mente (exercício e TCC) podem ter efeitos sinérgicos43
, visto
que o paciente traz para a consulta um estilo de comportamento (negativo ou positivo) que
pode influenciar na relação terapêutica. A literatura aponta que os pacientes com dor crônica
tem maior angústia psicológica e são os pacientes que aderem menos ao tratamento39
.
O conceito de auto-imagem pode ser formulado como um fenômeno psicológico de
representação do corpo do indivíduo em sua mente e deste modo pode ser traduzido como a
imagem que o indivíduo tem de si próprio44
. O questionário Body Dysmorphic Disorder
Examination (BDDE) é um instrumento específico de avaliação da qualidade de vida que
abrange um único domínio, a imagem corporal, já validado para o português29
.
Em nosso estudo as pacientes com fibromialgia apresentaram valores baixos no
questionário de auto-imagem significando que a alteração na sua aparência não é a principal
questão de preocupação, mesmo assim obtivemos valores significantemente melhores após a
intervenção com dança. A dança possibilitou as pacientes ter uma atenção maior para sua
aparência, deste modo com a melhora de sua auto-imagem e da auto-estima29,45
.
Há uma estreita correlação entre a dor, sono e exercício. Moldofsky 1976 observou
que a privação do sono em indivíduos sedentários induz a dor muscular. A atividade física
resulta em um aumento de ondas lentas do sono, sendo esta fase muito importante para a
restauração do individuo47
. Neste estudo podemos observar a melhora da qualidade do sono
das pacientes do grupo intervenção, melhora esta sustentada por oito meses, assim como
Gowans, 99 a literatura demonstra que muitos estudos não encontram diferença estatística
significante para o sono com exercício como intervenção40,34,17,41,47,31
. Torsavall, em seu
estudo refere que não é a quantidade de horas de sono e sim qualidade que leva a diminuir a
dor e da depressão.
Em estudos prévios com exercício para fibromialgia teve uma porcentagem de
desistência de 9 a 37%11,17,31,33,49,50
e em nosso estudo tivemos perda de apenas 7,5%, sem
diferença entre os grupos, porém um dado importante é que a desistência no grupo de dança
ocorreu no primeiro mês de atividade, onde as pacientes relataram um aumento da dor e
cansaço.
Devido aos benefícios alcançados 60% pacientes mantiveram a dança ou procuraram
outra atividade. Então devemos estimular estratégias não apenas para iniciação à prática de
exercício, mas também para melhorar aderência. A percepção dos benefícios durante a
intervenção faz com que o pacientes continuem a mantendo a mudança de comportamento39
.
A aderência durante o estudo vai depender da modalidade do exercício aeróbico, que
é fator determinante para a manutenção pós tratamento, sendo assim a manutenção é a chave
para continuidade dos benefícios33
. A inabilidade elevada é um fator importante para uma
piora da manutenção. A medicação tem boa aderência apenas de curto prazo quando a
comparado a outras terapêuticas39
, nossos pacientes tiveram boa aderência mesmo ao
termino da intervenção.
Ainda se faz necessário um consenso a respeito do exercício que é um componente
importante para o tratamento da FM, educando o paciente a respeito de como iniciar e
continuar o exercício e que é crucial para o sucesso do tratamento33
.
Neste estudo não houve uma preocupação fundamental em fazer arte, mas o fazer
com a arte a partir dela, podendo contribuir para o uso máximo de suas potencialidades,
sejam elas conhecidas ou não, objetivado o tratamento físico e psíquico na promoção de sua
máxima capacidade.
Conclusão
Concluímos então que a dança do ventre melhora a dor, sono, capacidade funcional e
auto imagem das pacientes fibromialgicas. A melhora da qualidade de vida e a aderência
destes pacientes fazem desta intervenção uma nova e segura estratégia terapêutica para
mulheres com fibromilagia.
Quadros A
Movimentos utilizados (Malika, 1998):
 Membro superior (movimento de serpente e circundução do punho);
 Cintura escapular (protrusão elevação e retrução de ombro);
 Tronco (elevação e encaixe, deslocamento lateral e redondo);
 Quadril (báscula, batida lateral, redondo, Camelo pélvico, Shimmy,
infinito, oito maia para baixo e para cima, básico egípcio);
 Deslocamento (Frente e trás com shimmy, lateral com shimmy e dabke)
 Véu (Oito, asa de anjo, bandeja e cabana)
Obs.: Os movimentos foram ensinados de forma progressiva respeitando a seqüência
de evolução dos movimentos (do mais simples ao mais elaborado).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalga crônica
Avaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalga crônicaAvaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalga crônica
Avaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalga crônicaDra. Welker Fisioterapeuta
 
Auriculoterapia como coadjuvante no processo de emagrecimento - um estudo de ...
Auriculoterapia como coadjuvante no processo de emagrecimento - um estudo de ...Auriculoterapia como coadjuvante no processo de emagrecimento - um estudo de ...
Auriculoterapia como coadjuvante no processo de emagrecimento - um estudo de ...AbenaNacional
 
Mobilização neural como tratamento da dor em pacientes
Mobilização neural como tratamento da dor em pacientesMobilização neural como tratamento da dor em pacientes
Mobilização neural como tratamento da dor em pacientesFaculdade Anglo-Americano
 
USO DAS PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES AO ALÍVIO DA DOR À PARTURIENTE...
USO DAS PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES AO ALÍVIO DA DOR À PARTURIENTE...USO DAS PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES AO ALÍVIO DA DOR À PARTURIENTE...
USO DAS PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES AO ALÍVIO DA DOR À PARTURIENTE...AbenaNacional
 
Protocolo de Assistência aos Casos Crônicos de Chikungunya
Protocolo de Assistência aos Casos Crônicos de ChikungunyaProtocolo de Assistência aos Casos Crônicos de Chikungunya
Protocolo de Assistência aos Casos Crônicos de ChikungunyaCentro Universitário Ages
 
Assistencia de enfermagem e dor em pacientes ortopedicos n recuperacao aneste...
Assistencia de enfermagem e dor em pacientes ortopedicos n recuperacao aneste...Assistencia de enfermagem e dor em pacientes ortopedicos n recuperacao aneste...
Assistencia de enfermagem e dor em pacientes ortopedicos n recuperacao aneste...Danielle Batista Porto
 
A influencia de diferentes recuperações entre as séries no treinamento de for...
A influencia de diferentes recuperações entre as séries no treinamento de for...A influencia de diferentes recuperações entre as séries no treinamento de for...
A influencia de diferentes recuperações entre as séries no treinamento de for...gemusc
 
Artigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelho
Artigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelhoArtigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelho
Artigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelhoRenato Almeida
 
Dissertação de viviane aparecida de oliveira
Dissertação de viviane aparecida de oliveiraDissertação de viviane aparecida de oliveira
Dissertação de viviane aparecida de oliveirassuser390e96
 

Mais procurados (20)

Avaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalga crônica
Avaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalga crônicaAvaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalga crônica
Avaliação da qualidade de vida com o instrumento SF-36 em lombalga crônica
 
Natalia beatriz
Natalia beatrizNatalia beatriz
Natalia beatriz
 
Auriculoterapia como coadjuvante no processo de emagrecimento - um estudo de ...
Auriculoterapia como coadjuvante no processo de emagrecimento - um estudo de ...Auriculoterapia como coadjuvante no processo de emagrecimento - um estudo de ...
Auriculoterapia como coadjuvante no processo de emagrecimento - um estudo de ...
 
Rpg e Alongamento Segmentar - tese
Rpg e Alongamento Segmentar  - teseRpg e Alongamento Segmentar  - tese
Rpg e Alongamento Segmentar - tese
 
Correlação entre Flexibilidade e Dor Lombar
Correlação entre Flexibilidade e Dor LombarCorrelação entre Flexibilidade e Dor Lombar
Correlação entre Flexibilidade e Dor Lombar
 
283 1118-2-pb
283 1118-2-pb283 1118-2-pb
283 1118-2-pb
 
Mobilização neural como tratamento da dor em pacientes
Mobilização neural como tratamento da dor em pacientesMobilização neural como tratamento da dor em pacientes
Mobilização neural como tratamento da dor em pacientes
 
03
0303
03
 
Comparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
Comparativo entre RPG e Alongamento SegmentarComparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
Comparativo entre RPG e Alongamento Segmentar
 
USO DAS PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES AO ALÍVIO DA DOR À PARTURIENTE...
USO DAS PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES AO ALÍVIO DA DOR À PARTURIENTE...USO DAS PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES AO ALÍVIO DA DOR À PARTURIENTE...
USO DAS PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES AO ALÍVIO DA DOR À PARTURIENTE...
 
Alongamento Muscular Global e Segmentar
Alongamento Muscular Global e Segmentar Alongamento Muscular Global e Segmentar
Alongamento Muscular Global e Segmentar
 
Protocolo de Assistência aos Casos Crônicos de Chikungunya
Protocolo de Assistência aos Casos Crônicos de ChikungunyaProtocolo de Assistência aos Casos Crônicos de Chikungunya
Protocolo de Assistência aos Casos Crônicos de Chikungunya
 
Efeitos
EfeitosEfeitos
Efeitos
 
Influência de um programa de treinamento físico específico no equilíbrio e co...
Influência de um programa de treinamento físico específico no equilíbrio e co...Influência de um programa de treinamento físico específico no equilíbrio e co...
Influência de um programa de treinamento físico específico no equilíbrio e co...
 
Assistencia de enfermagem e dor em pacientes ortopedicos n recuperacao aneste...
Assistencia de enfermagem e dor em pacientes ortopedicos n recuperacao aneste...Assistencia de enfermagem e dor em pacientes ortopedicos n recuperacao aneste...
Assistencia de enfermagem e dor em pacientes ortopedicos n recuperacao aneste...
 
Semina 29 2_20_35dor
Semina 29 2_20_35dorSemina 29 2_20_35dor
Semina 29 2_20_35dor
 
Bengala
BengalaBengala
Bengala
 
A influencia de diferentes recuperações entre as séries no treinamento de for...
A influencia de diferentes recuperações entre as séries no treinamento de for...A influencia de diferentes recuperações entre as séries no treinamento de for...
A influencia de diferentes recuperações entre as séries no treinamento de for...
 
Artigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelho
Artigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelhoArtigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelho
Artigo (acupuntura) - Acupuntura no pós-operatório de artroscopia do joelho
 
Dissertação de viviane aparecida de oliveira
Dissertação de viviane aparecida de oliveiraDissertação de viviane aparecida de oliveira
Dissertação de viviane aparecida de oliveira
 

Semelhante a Efeitos da dança do ventre em mulheres com fibromialgia

75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdfHelenKatharine
 
Benefícios da Terapia de Reflexo (Reflexologia) para pacientes com câncer e a...
Benefícios da Terapia de Reflexo (Reflexologia) para pacientes com câncer e a...Benefícios da Terapia de Reflexo (Reflexologia) para pacientes com câncer e a...
Benefícios da Terapia de Reflexo (Reflexologia) para pacientes com câncer e a...Sandro Pedrol
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgiaPlugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgiaDra. Welker Fisioterapeuta
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(3)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(3)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(3)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(3)Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Conferência de Pesquisa_20240216_111327_0000.pdf
Conferência de Pesquisa_20240216_111327_0000.pdfConferência de Pesquisa_20240216_111327_0000.pdf
Conferência de Pesquisa_20240216_111327_0000.pdfAveline8
 
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio MuscularEfeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio MuscularDra. Welker Fisioterapeuta
 
Revista Fisiomagazine Edição.02
Revista Fisiomagazine Edição.02Revista Fisiomagazine Edição.02
Revista Fisiomagazine Edição.02Terapia Manual
 
Acupuntura Desporto
Acupuntura DesportoAcupuntura Desporto
Acupuntura Desportoruben4l
 
Balbino lizardo, 2008
Balbino lizardo, 2008Balbino lizardo, 2008
Balbino lizardo, 2008Florr Verasay
 
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI Fisioterapeuta
 
Acu coreana cervical
Acu coreana cervicalAcu coreana cervical
Acu coreana cervicalJose Vertiz
 
Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...
Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...
Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...marcelosilveirazero1
 
Aurículoterapia - Débora Garcia
Aurículoterapia - Débora GarciaAurículoterapia - Débora Garcia
Aurículoterapia - Débora GarciaFelipe Galdiano
 
Exercícios na fase gestacional: solo x água
Exercícios na fase gestacional: solo x águaExercícios na fase gestacional: solo x água
Exercícios na fase gestacional: solo x águaAnaCarolinaCastroF
 

Semelhante a Efeitos da dança do ventre em mulheres com fibromialgia (20)

75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
75298-Texto do artigo-101935-1-10-20140224.pdf
 
Benefícios da Terapia de Reflexo (Reflexologia) para pacientes com câncer e a...
Benefícios da Terapia de Reflexo (Reflexologia) para pacientes com câncer e a...Benefícios da Terapia de Reflexo (Reflexologia) para pacientes com câncer e a...
Benefícios da Terapia de Reflexo (Reflexologia) para pacientes com câncer e a...
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgiaPlugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(3)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(3)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(3)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(3)
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(5)
 
Pilates na Lombalgia - revisão
Pilates na Lombalgia - revisãoPilates na Lombalgia - revisão
Pilates na Lombalgia - revisão
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(4)
 
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)
Plugin revis%e3o%20de%20 pilates%20na%20lombalgia(1)
 
RPG para Lombalgia gestacional
RPG para Lombalgia gestacionalRPG para Lombalgia gestacional
RPG para Lombalgia gestacional
 
Conferência de Pesquisa_20240216_111327_0000.pdf
Conferência de Pesquisa_20240216_111327_0000.pdfConferência de Pesquisa_20240216_111327_0000.pdf
Conferência de Pesquisa_20240216_111327_0000.pdf
 
ESPONDILITE ANQUILOSANTE.pdf
ESPONDILITE ANQUILOSANTE.pdfESPONDILITE ANQUILOSANTE.pdf
ESPONDILITE ANQUILOSANTE.pdf
 
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio MuscularEfeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
 
Revista Fisiomagazine Edição.02
Revista Fisiomagazine Edição.02Revista Fisiomagazine Edição.02
Revista Fisiomagazine Edição.02
 
Acupuntura Desporto
Acupuntura DesportoAcupuntura Desporto
Acupuntura Desporto
 
Balbino lizardo, 2008
Balbino lizardo, 2008Balbino lizardo, 2008
Balbino lizardo, 2008
 
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
 
Acu coreana cervical
Acu coreana cervicalAcu coreana cervical
Acu coreana cervical
 
Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...
Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...
Efeitos de um programa de treinamento de forca em portadores de hernia de dis...
 
Aurículoterapia - Débora Garcia
Aurículoterapia - Débora GarciaAurículoterapia - Débora Garcia
Aurículoterapia - Débora Garcia
 
Exercícios na fase gestacional: solo x água
Exercícios na fase gestacional: solo x águaExercícios na fase gestacional: solo x água
Exercícios na fase gestacional: solo x água
 

Último

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDiegoFernandes857616
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfAULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfClaudiaAraujo428025
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfqualidadediagnostico
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfvejic16888
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMayaraStefanydaSilva1
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxmikashopassos123
 

Último (8)

DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfAULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 

Efeitos da dança do ventre em mulheres com fibromialgia

  • 1. Os efeitos da dança como terapia em mulheres com fibromialgia Andréia Salvador Baptista1 , Anamaria Jones1 , Jamil Natour J1 1 Setor de Reabilitação aplicado a Reumatologia, Divisão de Reumatologia, Universidade Federal de São Paulo, Brasil. Endereço: Ciências da Saúde Aplicadas à Reumatologia Rua Botucatu, 740 São Paulo – SP Brasil Cep: 04023-900 Correspondência ao autor: Fisioterapeuta e bailarina Andréia Salvador Baptista Telefone/Fax: 55-13- 3458-1716 e-mail: deiasalvador1@yahoo.com.br Artigo publicado na integra em revista Clin Exp Rheumatol. 2012 Nov-Dec;30(6 Suppl 74):18-23. Epub 2012 Dec 14. Effectiveness of dance in patients with fibromyalgia: a randomized, single-blind, controlled study. Baptista AS, Villela AL, Jones A, Natour J. PMID:PMD: 23020850 [PubMed - indexed for MEDLINE] Introdução A fibromialgia (FM) é uma síndrome dolorosa não-inflamatória, crônica, caracterizada por dores difusas pelo corpo e pela presença de tender points1 , distúrbios do sono, rigidez2 , fadiga, depressão ou outras alterações psicológicas e disautonomia3 (Bennett, 2002). Sua prevalência é de aproximadamente de 2 a 5% na população em geral4,5 . O sintoma mais importante na FM é a dor, porém não tem relação com uma lesão estrutural. O sintoma “dor” é definido como uma manifestação subjetiva de desconforto que envolve dimensões físicas, psicológicas e culturais, causando incapacidade e perda da qualidade de vida, tendo sempre uma conotação negativa para o paciente (OMS). Os pacientes com fibromialgia sentem-se incapazes de realizar a maioria das atividades de vida diária6,7 , além de apresentarem perda da qualidade de vida mesmo comparado a outras doenças crônicas8 . White, 1999 descreve em seu estudo que comparando a população em geral com pacientes fibromialgicos os escores do FIQ e teste caminhada de 6 minutos são reduzidos, também ocorre uma notável diminuição da qualidade de vida. O exercício aeróbico tem efeitos positivos na qualidade de vida10,11,12 . Mais da metade dos pacientes com FM faz uso de terapias complementares e medicinas alternativas para auxiliar no alívio das dores e severidade da fadiga13 como: massagem terapêutica (44-53%), quiropraxia (37-47%), acupuntura (11-22%) e prática física
  • 2. natural (37%), elevando seus gastos e se mantendo por aproximadamente um ano. Por este motivo se fazem necessários estudos para comprovar a real efetividade destes tratamentos14 . A terapia medicamentosa para pacientes com FM tem se mostrado pouco eficaz com apenas 25 a 45% de melhora e após 4 anos uma piora de 60% nos sintomas15 , por este motivo cada vez mais tratamentos não farmacológicos e co-intervenções têm sido testados. Atividade física por definição é qualquer movimento corporal produzido por músculos e que resulta em maior dispêndio de energia e exercício é uma atividade física planejada, estruturada, repetitiva e proposital16 , sendo que então a dança pode ser considerada um tipo de exercício. A atividade física tem demonstrado resultados importantes no tratamento da FM. O condicionamento aeróbico comparado ao alongamento se mostrou superior para estado mental, dor17 , além de melhorar a depressão, ansiedade, função física e qualidade de vida.18,12 Devido a uma imensa variedade dos sintomas desta doença, a pobre resposta medicamentosa e boa resposta ao exercício, escolhemos a dança do ventre como proposta terapêutica para mulheres com FM, por ser uma atividade que nos possibilitaria trabalhar os diferentes aspectos influenciáveis na sintomatologia de cada paciente como: dor, fadiga, sono, auto-imagem, feminilidade, enfrentamento, aceitação de si própria, exposição do corpo, além de ser uma terapia dinâmica e espontânea. A dança do ventre tem seus primeiros registros na era do paleolítico superior, confirmado nas paredes e tetos de cavernas. A primeira figura rupestre datada de 6000a.C. era um culto estritamente feminino para a mãe Deusa. Em 4000a.C. surgiram figuras em Naqada, no Egito que são claras evidencias da dança oriental, no sentido de adoração ao sol e culto à fertilidade, mas foi em 1300d.C. com a invasão do Egito pelos árabes que essa dança ganhou o caráter festivo de hoje, perdendo parte de seu aspecto sagrado e ritualístico, e ganhando a conotação alegre e espontânea19 . A dança do ventre é uma dança estritamente feminina, onde são realizados movimentos lentos e sinuosos ou rápidos e marcados, através das atividades ritmadas proporcionadas pela dança conseguimos modular a contração e relaxamento muscular quanto à intensidade, velocidade e duração dos movimentos20 , possibilitando o controle corporal de forma seguimentada, individualizando o trabalho de quadril, tronco e membros21 . Bojner em 2006 realizou um estudo com dançaterapia em pacientes com FM avaliando desenho da auto figura relacionando com escalas verbais. Bojner em 2003 avaliou a concentração hormonal após terapia com dança. Ambos os estudos apresentaram melhoras significante para sono, ansiedade, rigidez e fadiga no grupo de dança. No entanto nenhum dos estudos avaliou qualidade de vida, dor e capacidade funcional. Objetivo O objetivo deste estudo é avaliar a efetividade da dança do ventre como tratamento de pacientes com fibromialgia. Material e Método
  • 3. Pacientes: Foram incluídas 80 pacientes com FM que preencheram os seguintes critérios: classificação de fibromialgia segundo Colégio Americano de Reumatolologia1 , sexo feminino, idade entre 18 a 65 anos, não ter alterado o tratamento durante os últimos 3 meses e ter assinado o termo de consentimento livre e esclarecido. Foram excluídas as pacientes com outras doenças reumáticas e osteoarticulares dolorosas, doenças cárdio-respiratórias descompensadas, doenças de membros inferiores e diabetes mellitus descompensada. O recrutamento destas pacientes foi realizado nos ambulatórios da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Avaliação: Todos os pacientes foram avaliados no inicio (T0), 16 semanas (T16) e após 32 semanas (T32) a partir da primeira avaliação. A avaliação foi realizada por um avaliador cego, fisioterapeuta treinado para realização dos testes, nos três tempos de avaliação, com seguintes instrumentos: escala visual analógica de dor (EVA), graduada de 0 a 10cm, onde 0 “sem dor” e 10 “dor insuportável”, teste de caminhada de 6 minutos, onde o paciente percorre 20 metros durante 6 minutos tendo um resultado em metros percorridos24 , Fibromyalgia Impact Questionnaire (FIQ), instrumento que contém 10 itens para mensurar função física e severidade dos sintomas25 , Medical Outcome Survey Short Form 36 (SF-36) questionário que avalia a qualidade de vida26 , Inventário de Beck, inventário com 21 itens para mensurar depressão27 , Inventário de Ansiedade Traço-Estado (IDATE), inventário é disposto por item em frases e avaliado pela atribuição do escore de 1 a 4, indicando quanto maior o número maior a ocorrência28 , Questionário Body Dysorphic Disorder Examination (BDDE) que possui 32 itens relacionados com a preocupação e avaliação negativa da aparência, excessiva importância com auto-avaliar sua aparência e mudança de comportamento relativo a aparência 29 . Intervenção: Os participantes do grupo intervenção realizam aulas de dança do ventre durante 16 semanas, duas vezes por semana com duração de uma hora por aula, cada turma consistia de um numero máximo de oito alunas. As aulas foram ministradas por uma fisioterapeuta com experiência de 8 anos na dança do ventre. Para o desenvolvimento do estudo houve uma escolha dos movimentos mais adequados para as FM (quadro A). As aulas iniciavam-se com aquecimento, movimentos pré-determinados do dia, coreografia e esfriamento. As pacientes receberam um compact disc (CD) de músicas e uma apostila com o histórico e os movimentos propostos pelo programa, onde a partir da 4º semana foi elaborada uma seqüência de movimentos em forma de coreografia para a memorização dos movimentos e o treino em casa. O grupo controle realizou avaliações nos tempos pré- determinados e ao término do acompanhamento foi proposto o mesmo tratamento que do grupo intervenção. Discussão Este é o primeiro trabalho cego, randomizado e controlado que avalia a dança do ventre como modalidade terapêutica em mulheres com FM, como pratica de atividade física e uma intervenção que faz parte do tratamento, o intuito do estudo foi oferecer mais uma opção terapêutica para diminuição da dor e melhora da qualidade de vida. Alguns autores defendem a hipótese de que exercícios rítmicos ativam ergoreceptores e este estímulo é transmitido até a substância cinzenta periaquedutal e núcleos de rafe, região envolvida com as fibras descendentes inibitórias da dor30 , talvez por este motivo o grupo de dança tenha obtido uma diminuição no EVA de dor em 40%, melhora esta sustentada por 32 semanas. A dor é o sintoma central da FM, portanto devemos focar a terapêutica sobre ela. Para avaliar a dor utilizamos a escala visual analógica para dor e no SF-36 o domínio dor e
  • 4. em ambos os parâmetros encontramos melhora estatisticamente significante e clinicamente relevante, melhora esta também encontrada em estudos prévios com condicionamento em mulheres com FM 18,12, 31 . O FIQ é um instrumento que mede diversos aspectos da doença e seu impacto sobre o doente, e nesse estudo constatamos que houve uma diminuição dos resultados levando a uma diferença estatística significante para o GD, sendo sustentado até o término do estudo de 32 semanas, outros ensaios terapêuticos detectaram esta mudança entre o grupo de tratamento versus ao grupo controle, ao longo do tempo32,3,33,18,34 . Gowans (1999) conseguiu em seu estudo com exercício lúdico ritmado observar uma melhora no valor total do FIQ após 12 semanas se seguimento. Cerca de 76 a 100% dos pacientes queixam-se de fadiga e após atividades aparentemente leves agravam a dor e o cansaço35 . As pacientes do grupo de dança inicialmente relatavam aumento da dor e do cansaço durante as primeiras 4 semanas, diminuindo com o passar do tempo. Ao decorrer do estudo as pacientes referiam sensação de diminuição das tensões ao término do exercício e facilidade na realização das atividades diárias, dados estes confirmados com os resultados do teste de caminhada, instrumento capaz de demonstrar melhora na capacidade física35 . O FIQ também foi sensível, apresentando uma melhora na capacidade funcional nos domínios de tarefas do dia-a-dia. Em nosso estudo o teste de caminhada de 6 minutos demonstrou uma melhora significante até o final do estudo, sendo semelhantes a outros estudos que também utilizaram este teste36,37,34 , mas ao compararmos os valores da capacidade funcional pelo SF-36 observamos que não houve diferença estatística, o que pode ter acontecido é que as pacientes não incorporam percepção de melhora, pelo SF-36 que é uma analise subjetiva. Mesmo com a diferença entre os grupos para o teste de caminha na avaliação inicial pudemos encontrar uma melhora importante no grupo intervenção. Os sintomas mentais, as limitações, a dificuldade de concentração, alteração de humor, a depressão e problemas para dormir não influenciam diretamente a aptidão aeróbica, porém alguns pacientes tem problemas no reconhecimento das manifestações em si próprio, complicando a relação de percepção da qualidade de vida e a realidade podendo ou não limitar a capacidade funcional aeróbica do paciente em relação a outros fatores, como força de vontade, seu papel na família, etc38 . King por sua vez não encontrou correlação do FIQ com o este de caminhada de 6 minutos, divergindo de nossos resultados. A maior parte dos estudos que tem o tratamento baseado em exercício, com a utilização de ambos os testes tem alcançado melhora estatisticamente significante para capacidade aeróbica e qualidade de vida10 . O SF-36 avalia o impacto da doença sobre os domínios físico, mental e social e o grupo de dança do ventre apresentou uma melhora em seus domínios com exceção da capacidade funcional, limitação por aspectos físicos, estado geral de saúde, vitalidade e aspectos sociais, resultados estes que divergem com o FIQ e teste de caminhada. Uma justificativa seria que devamos explorar o processo dinâmico de iniciar a mudança de comportamento para uma incorporação dos efeitos alcançados39 . Vários autores avaliaram o impacto do exercício no humor e nos aspectos emocionais da FM, mas poucos estudos demonstraram alguma melhora17,40 , em nosso estudo houve uma melhora significante para dor, aspectos emocionais e saúde mental pelo SF-36, resultados sustentados por 32 semanas, mas para avaliação com questionários específicos de depressão como o inventário de Beck e de ansiedade com o IDATE não encontramos melhora significante, assim como outros estudos que utilizaram o exercício como modalidade terapêutica31,32,33,34,41 . Talvez um tempo maior de atividade pudesse trazer benefícios para depressão e a ansiedade, ou ainda um grupo de educação associada à
  • 5. intervenção, para uma mudança de hábitos, comportamento e enfrentamento da doença. Um tratamento medicamentoso coadjuvante especifico para depressão poderia auxiliar na melhora do quadro geral, uma vez que a maioria das nossas pacientes tinham grau de depressão de moderada a grave. A educação ao paciente tem sido reconhecida como elemento essencial no tratamento da FM, encontrando melhora na dor, sono, auto-eficácia e qualidade de vida, mantendo-se por 12 meses32 . A terapia cognitivo comportamental (TCC) melhora a auto-eficácia e qualidade de vida32 . Mas a TCC se mostrou superior apenas que a consulta médica para o inventário de Beck, saúde mental (SF-36) e número de paracetamol42 . Uma combinação de tratamento para o corpo e a mente (exercício e TCC) podem ter efeitos sinérgicos43 , visto que o paciente traz para a consulta um estilo de comportamento (negativo ou positivo) que pode influenciar na relação terapêutica. A literatura aponta que os pacientes com dor crônica tem maior angústia psicológica e são os pacientes que aderem menos ao tratamento39 . O conceito de auto-imagem pode ser formulado como um fenômeno psicológico de representação do corpo do indivíduo em sua mente e deste modo pode ser traduzido como a imagem que o indivíduo tem de si próprio44 . O questionário Body Dysmorphic Disorder Examination (BDDE) é um instrumento específico de avaliação da qualidade de vida que abrange um único domínio, a imagem corporal, já validado para o português29 . Em nosso estudo as pacientes com fibromialgia apresentaram valores baixos no questionário de auto-imagem significando que a alteração na sua aparência não é a principal questão de preocupação, mesmo assim obtivemos valores significantemente melhores após a intervenção com dança. A dança possibilitou as pacientes ter uma atenção maior para sua aparência, deste modo com a melhora de sua auto-imagem e da auto-estima29,45 . Há uma estreita correlação entre a dor, sono e exercício. Moldofsky 1976 observou que a privação do sono em indivíduos sedentários induz a dor muscular. A atividade física resulta em um aumento de ondas lentas do sono, sendo esta fase muito importante para a restauração do individuo47 . Neste estudo podemos observar a melhora da qualidade do sono das pacientes do grupo intervenção, melhora esta sustentada por oito meses, assim como Gowans, 99 a literatura demonstra que muitos estudos não encontram diferença estatística significante para o sono com exercício como intervenção40,34,17,41,47,31 . Torsavall, em seu estudo refere que não é a quantidade de horas de sono e sim qualidade que leva a diminuir a dor e da depressão. Em estudos prévios com exercício para fibromialgia teve uma porcentagem de desistência de 9 a 37%11,17,31,33,49,50 e em nosso estudo tivemos perda de apenas 7,5%, sem diferença entre os grupos, porém um dado importante é que a desistência no grupo de dança ocorreu no primeiro mês de atividade, onde as pacientes relataram um aumento da dor e cansaço. Devido aos benefícios alcançados 60% pacientes mantiveram a dança ou procuraram outra atividade. Então devemos estimular estratégias não apenas para iniciação à prática de exercício, mas também para melhorar aderência. A percepção dos benefícios durante a intervenção faz com que o pacientes continuem a mantendo a mudança de comportamento39 . A aderência durante o estudo vai depender da modalidade do exercício aeróbico, que é fator determinante para a manutenção pós tratamento, sendo assim a manutenção é a chave para continuidade dos benefícios33 . A inabilidade elevada é um fator importante para uma piora da manutenção. A medicação tem boa aderência apenas de curto prazo quando a comparado a outras terapêuticas39 , nossos pacientes tiveram boa aderência mesmo ao termino da intervenção.
  • 6. Ainda se faz necessário um consenso a respeito do exercício que é um componente importante para o tratamento da FM, educando o paciente a respeito de como iniciar e continuar o exercício e que é crucial para o sucesso do tratamento33 . Neste estudo não houve uma preocupação fundamental em fazer arte, mas o fazer com a arte a partir dela, podendo contribuir para o uso máximo de suas potencialidades, sejam elas conhecidas ou não, objetivado o tratamento físico e psíquico na promoção de sua máxima capacidade. Conclusão Concluímos então que a dança do ventre melhora a dor, sono, capacidade funcional e auto imagem das pacientes fibromialgicas. A melhora da qualidade de vida e a aderência destes pacientes fazem desta intervenção uma nova e segura estratégia terapêutica para mulheres com fibromilagia. Quadros A Movimentos utilizados (Malika, 1998):  Membro superior (movimento de serpente e circundução do punho);  Cintura escapular (protrusão elevação e retrução de ombro);  Tronco (elevação e encaixe, deslocamento lateral e redondo);  Quadril (báscula, batida lateral, redondo, Camelo pélvico, Shimmy, infinito, oito maia para baixo e para cima, básico egípcio);  Deslocamento (Frente e trás com shimmy, lateral com shimmy e dabke)  Véu (Oito, asa de anjo, bandeja e cabana) Obs.: Os movimentos foram ensinados de forma progressiva respeitando a seqüência de evolução dos movimentos (do mais simples ao mais elaborado).