A pontuação

527 visualizações

Publicada em

Sinais gráficos de pontuação

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
527
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
25
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A pontuação

  1. 1. Oficina de Escrita 5º ano Professora Vanda Barreto
  2. 2. Sinais de Pontuação São um conjunto de sinais gráficos que têm como função organizar os diversos elementos de uma frase, para torná-la compreensível e clara. Vamos recordá-los!
  3. 3. Qual será o sinal de pontuação? • Usa-se no final da frase e indica uma pausa prolongada. • Indica uma pausa pequena. • Indica uma pausa maior do que a anterior, mas não corresponde ao final de uma frase. • Introduzem as falas do discurso direto e as enumerações. • Exprime uma interrogação. • Exprime uma exclamação. • Indica uma fala e separa na frase uma palavra, expressão ou oração. • Indicam que alguma coisa ficou por dizer. • Isolam uma frase ou um elemento da frase. • Marcam o início e o fim de citações.
  4. 4. Vamos agora dar um pouco mais de atenção à vírgula. Usa-se Exemplo • nas enumerações e repetições Vi um cão, um gato, uma rola e duas rãs. • para separar o vocativo Pedro, vem cá. • para separar numa data, o lugar Mourão, 24 de dezembro de 2015 • para separar indicações temporais e espaciais Em Mourão, há um castelo medieval. Na Primavera, as andorinhas regressam. • para separar expressões explicativas Não percebi, isto é, percebi mais ou menos. • para separar os advérbios sim e não Sim, vou ao cinema contigo. • antes das conjunções mas e porém Não gostei, mas comi tudo. • antes e depois da conjunção pois Cheguei a horas, pois, tinha um teste.
  5. 5. Não se usa • para separar o sujeito e o predicado • para separar o predicado dos complementos direto, indireto e oblíquo.
  6. 6. Vamos treinar um pouco. Sempre que regressava da escola, Olinda abalava para o porto a fazer companhia a Mestre Feliciano da Barca. Quando a barca largava, via-lhe bem os olhos vidrados a seguirem a carreira para a outra margem. A rapariga puxava conversa para afastá-lo daquela pena: - Padrinho, como é isso da Lua e do Mar? – Se estava de maré, ele fazia-lhe uma história. - A Lua era uma princesa que vivia na Terra, num grande palácio, mais lindo que tudo que há no mundo. Tinha muitas aias. - Que é isso? - São criadas, Linda. Os seus cabelos eram de oiro, muito compridos, tão compridos que quando andava era como se levasse um manto atrás dela. Não havia na Terra uma cara assim. Cresceu e fez-se mulher. Um dia, o pai quis casá-la. Mandou ministros por todo o mundo, a dizer a nova: “Vai casar a princesa Lua!” Encheram-se todos os caminhos que davam ao palácio. Eram carros, cavalos brancos …

×