JSL S.A. – Análise do Período de 2013 a 2015

9 visualizações

Publicada em

Trabalho Final apresentado por conta da disciplina de Análise das Demonstrações Financeiras, do curso de Ciências Contábeis do IBMEC de Belo Horizonte. Professora Aline Rabelo.

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

JSL S.A. – Análise do Período de 2013 a 2015

  1. 1. TRABALHO FINAL ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS JSL S.A. – ANÁLISE DO PERÍODO DE 2013 A 2015 Componentes do Grupo: Dalton Madeira Diego Kolling Dimas Funghi Gabriel Oliveira Pedro Lino
  2. 2. Localizaçãode atuação da JSL Logística Centros de Distribuição pelo Brasil (CLI) Centro Logístico Intermodal Colaboradores Filiais em 20 Estados e 4 Países Porto Seco e 1 REDEX Concessionárias Leves Seminovos Leves Concessionárias Pesados Seminovos Pesados Movida – RAC (em todos os estados) 14 1 + 24.000 + 210 1 23 34 13 16 163 Ativos Operacionais86.000 86 Lojas próprias RR AM AC RO PA AP MT MS Chile Argentina Uruguai PR SC RS MA CE PI TO DF GO SP MG BA ES RJ PB PE AL SE RN
  3. 3. Principais Pontos • Faturamento Bruto Recorde nos três anos • Crescimento elevado do Capital Oneroso (38,84% em 2014 e 30,73% em 2015 • ROA constante - Crescimento do NOPAT e do Ativo • ROE em queda - Lucro Líquido decrescente (-22,59% em 2014 e -35,45% em 2015) • EVA em queda - Elevação do custo de capital (WACC) e do Capital de Terceiros • Estratégia de Geração de Caixa, com boa liquidez no curto prazo
  4. 4. Faturamento JSL 2013 à 2015 17.06% 15.95% 7.94% 0.00% 2.00% 4.00% 6.00% 8.00% 10.00% 12.00% 14.00% 16.00% 18.00% 0.0 1,000.0 2,000.0 3,000.0 4,000.0 5,000.0 6,000.0 7,000.0 2013 2014 2015 Receita Bruta Receita Crescimento • Em 2013 a JSL apresentou uma Receita Bruta consolidada de 5,2 Bilhões, apresentando uma crescimento de 17,1% comparado ao ano de 2012 • Em 2014 a JSL apresentou uma Receita Bruta consolidada R$ 6.1 Bilhões , apresentando um crescimento de 16% comparado ao ano de 2013. • Em 2015 a JSL apresentou uma Receita Bruta consolidada de R$ R$ 6.6 Bilhões, apresentando um crescimento de 7,9% comparado ao ano de 2014. • Durante o período de 2013 à 2015, a JSL vem apresentando números recordes em suas receitas brutas comparadas aos anos anteriores, uma grande parte deste resultado é devido a sua estratégia de diversificação setorial e aquisições estratégicas realizadas durante todo período.
  5. 5. JSL Logística 4,071.40 4,664.20 4,375.50 22% 6% -6% -10% -5% 0% 5% 10% 15% 20% 25% 3,700.00 3,800.00 3,900.00 4,000.00 4,100.00 4,200.00 4,300.00 4,400.00 4,500.00 4,600.00 4,700.00 4,800.00 2013 2014 2015 JSL Logística Receita Bruta Crescimento • E 2013 a JSL Logistica apresentou um Receita Bruta Total de 4,1 Bilhões, obtendo um crescimento de 22%, comparado ao ano de 2012. • Em 2014, a JSL Logística apresentou uma Receita Bruta Total de 4,7 Bilhões, obtendo um crescimento de 6% comparado ao ano de 2013 • Em 2015, a JSL Logística apresentou uma Receita Bruta Total de 4,4 bilhões, tendo uma queda de 6% comparado ao ano de 2014.
  6. 6. JSL Concessionária de Veículo R$ 1,230.60 R$ 1,318.80 R$ 1,083.80 6% 7% -18% -20% -15% -10% -5% 0% 5% 10% R$ - R$ 200.00 R$ 400.00 R$ 600.00 R$ 800.00 R$ 1,000.00 R$ 1,200.00 R$ 1,400.00 2013 2014 2015 Receita Bruta Receita Bruta Crescimento • Em 2013, a Receita Bruta Total da JSL Concessionárias foi de R$ 1,2 bilhão, sendo R$ 738,4 de Leves e R$ 278,7 de Pesados, A receita de Pós-Venda apresentou crescimento de 21,5%, aumento de 5,8% em relação à Receita Bruta . • Em 2014, registrou uma Receita Bruta Total de R$ 1,3 bilhão, sendo R$ 752,5 milhões de Leves e R$ 318,0 milhões de Pesados, e de Pós-Venda apresentou crescimento de 18,6%, devido a peças de reposição e serviços para clientes, um crescimento de 7,2%. • Em 2015, JSL Concessionárias registrou uma Receita Bruta Total de R$ 1,1 bilhão em 2015, sendo R$ 637,0 milhões de Leves, R$ 226,7 milhões de Pesados e R$ 200,0 milhões em Pós Vendas, 17,8% menor na comparação com 2014, devido a redução do volume de veículos vendidos em função das condições gerais de mercado.
  7. 7. MOVIDA R$ 7.1 R$ 221 R$ 1,300.60 3013% 489% 0% 500% 1000% 1500% 2000% 2500% 3000% 3500% R$ - R$ 200.0 R$ 400.0 R$ 600.0 R$ 800.0 R$ 1,000.0 R$ 1,200.0 R$ 1,400.0 2013 2014 2015 Movida Receita Bruta Crescimento • Em 2013, a Movida obteve uma receita bruta total de R$ 7,1 milhões, sendo R$ 5,2 milhões de Aluguel e Franchising e R$ 1,9 milhão de vendas de Ativos. • Ao longo de 2014, a Movida apresentou uma Receita Bruta Total no valor de R$ 211,0 milhões, composto por uma Receita Bruta de Serviços de R$ 168,3 milhões e Receita Bruta de Venda de Ativos de R$ 42,7 milhões. • Ao longo de 2015 a Movida obteve uma Receita Bruta Total no valor de R$ 1,3 bilhão, composto por Receita Bruta de Serviços de R$ 717,9 milhões e Receita Bruta de Venda de Ativos de R$ 582,7 milhões, com destaque para o crescimento de 170,3% da Receita Bruta de Serviços .
  8. 8. Rentabilidade R$ 354,857.00 R$ 460,102.00 R$ 583,455.00 R$ 4,746,520 R$ 5,539,194 R$ 5,989,912 7.48% 8.31% 9.74% 0.00% 2.00% 4.00% 6.00% 8.00% 10.00% 12.00% R$ - R$ 1,000,000.00 R$ 2,000,000.00 R$ 3,000,000.00 R$ 4,000,000.00 R$ 5,000,000.00 R$ 6,000,000.00 R$ 7,000,000.00 2013 2014 2015 Margem Operacional EBIT Receita Liquida Margem Operacional Durante o período analisado a JSL obteve um crescimento constante em sua Margem Operacional, nos mostrando o desempenho positivo em sua operações, tendo um lucro de R$ 9,97 antes do imposto de renda em cada venda e/ou serviço prestado em 2015.
  9. 9. Rentabilidade R$ 4,746,520 R$ 5,539,194 R$ 5,989,912 R$ 93,585.00 R$ 72,441.00 R$ 46,763.00 2.0% 1.3% 0.8% 0.0% 0.5% 1.0% 1.5% 2.0% 2.5% R$ - R$ 1,000,000 R$ 2,000,000 R$ 3,000,000 R$ 4,000,000 R$ 5,000,000 R$ 6,000,000 R$ 7,000,000 2013 2014 2015 Margem Liquida Receita Liquida Lucro Liquido Margem Podemos verificar que durante o período analisado a JSL vem obtendo retorno de lucro cada vez menores. .
  10. 10. ROA(Saldos Finais) Verifica-se que não houveram alterações relevantes na rentabilidade sobre os ativos. O NOPAT cresceu 29,65% em 2014 e 26,81% em 2015. O Ativo Total cresceu 28,45% em 2014 e 16,74% em 2015. 4.02% 4.05% 4.40% 0.00% 0.50% 1.00% 1.50% 2.00% 2.50% 3.00% 3.50% 4.00% 4.50% 5.00% 2013 2014 2015 ROA
  11. 11. ROE (Saldos Finais) Observa-se grande piora no retorno sobre o capital próprio. O Lucro Líquido caiu 22,59% em 2014 e 35,45% em 2015. O PL cresceu 2,97% em 2014 e caiu 3,4% em 2015, se mantendo praticamente constante ao final do triênio (2013-2015). 9.22% 6.93% 4.59% 0.00% 1.00% 2.00% 3.00% 4.00% 5.00% 6.00% 7.00% 8.00% 9.00% 10.00% 2013 2014 2015 ROE
  12. 12. ROIC (Saldos Finais) O ROIC se manteve constante no período. O NOPAT cresceu 29,65% em 2014 e 26,81% em 2015. O PL cresceu 2,97% em 2014 e caiu 3,4% em 2015, se mantendo praticamente constante ao final do triênio (2013-2015). O Capital Oneroso (Curto e Longo Prazos) cresceu 38,84% em 2014 e 30,73% em 2015. 5.20% 5.16% 5.24% 0.00% 1.00% 2.00% 3.00% 4.00% 5.00% 6.00% 2013 2014 2015 ROIC
  13. 13. GAF O Grau de Alavancagem Financeira está se reduzindo no período, por conta da redução do ROE. Essa relação se explica por: Lucro Líquido em queda. Patrimônio Líquido Constante. Capital Oneroso em crescimento. 2.30 1.71 1.04 0.00 0.50 1.00 1.50 2.00 2.50 2013 2014 2015 GAF
  14. 14. Análise DuPont – Alteração de Estratégia Queda de Giro 0.81 0.74 0.69 0.60 0.65 0.70 0.75 0.80 0.85 2013 2014 2015 GIRO Aumento de Margem 4.93% 5.48% 6.43% 0.00% 1.00% 2.00% 3.00% 4.00% 5.00% 6.00% 7.00% 2013 2014 2015 MARGEM
  15. 15. Análise do EVA • EVA vem se reduzindo no período 2013-2015: • EVA = (ROIC - WACC) x Capital Investido • As razões estão detalhadas a seguir... -57,184.59 -113,427.76 -224,007.17 -250,000.00 -200,000.00 -150,000.00 -100,000.00 -50,000.00 0.00 2013 2014 2015 EVA (milhares R$)
  16. 16. Análise do EVA – WACC • Crescimento do WACC se justifica tanto pelo aumento do custo de capital de terceiros (Kd) quando pelo aumento do custo do capital próprio (Ke – taxa SELIC). 6.47% 7.08% 8.28% 6.00% 6.50% 7.00% 7.50% 8.00% 8.50% 2013 2014 2015 WACC (Weighted Average Capital Cost/Custo Médio Ponderado do Capital)
  17. 17. Análise do EVA – WACC (cont.) • A seguir está a demonstração da elavação dos custos de capital de terceiros e capital próprio: 9.00% 9.46% 11.28% 8.29% 10.96% 13.47% 0.00% 5.00% 10.00% 15.00% 20.00% 25.00% 30.00% 2013 2014 2015 Kd x Ke Custo da Dívida (Kd) CAPM (Ke)
  18. 18. Análise do EVA – Capital Investido • Aumento do valor da dívida total no período, elevando o capital investido. Os valores do PL se mantiveram constantes. 3,489,702 4,845,448 6,334,526 1,014,659 1,044,879 1,019,873 4,504,361 5,890,327 7,354,399 0 2,000,000 4,000,000 6,000,000 8,000,000 0 1,000,000 2,000,000 3,000,000 4,000,000 5,000,000 6,000,000 7,000,000 2013 2014 2015 Capital Investido (Dívida + PL) Dívida Total Patrimônio Líquido Total Capital Investido
  19. 19. Indicadores de Estrutura de Capital – Participação de Capital de Terceiros • Os valores que a empresa vem captando de terceiros estão se elevando e o capital próprio se manteve constante. O que foi ruim para o EVA do negócio (conforme demonstrado anteriormente). Quanto a empresa tomou de capital de terceiros para cada 100 reais de capital próprio: 474.59 616.76 757.22 0.00 200.00 400.00 600.00 800.00 2013 2014 2015 Participação do Capital de Terceiros Participação do Capital de Terceiros
  20. 20. Indicadores de Estrutura de Capital – Composição do endividamento • O percentual de obrigações de curto prazo em relação às obrigações totais (curto e longo prazos) se manteve constante. Percentual de obrigações de curto prazo em relação às obrigações totais: 30.05% 29.04% 31.26% 1.00% 6.00% 11.00% 16.00% 21.00% 26.00% 31.00% 36.00% 2013 2014 2015 Composição do endividamento Composição do endividamento
  21. 21. Indicadores de Estrutura de Capital – Imobilização do PL • Os valores que a empresa vem aplicando no Ativo Permanente (Investimentos, Imobilizado e Intangível) estão se elevando e o valor do PL se manteve constante. O que é ruim para o negócio, pois está se utilizando maior volume de capital de terceiros para adquirir ativo permanente. Quanto a empresa aplicou no ativo permanente para cada 100 reais de PL: 347.88 415.06 502.77 0.00 100.00 200.00 300.00 400.00 500.00 600.00 2013 2014 2015 Imobilização do PL Imobilização do PL
  22. 22. Indicadores de Estrutura de Capital – Imobilização recursos não correntes • Os valores dos recursos não correntes (Patrimônio Líquido e Passivo Não Circulante) destinados ao Ativo Permanente (Investimentos, Imobilizado e Intangível) se mantiveram constantes no período. Percentual dos recursos não correntes destinado ao ativo permanente: 80.53% 77.20% 81.03% 50.00% 60.00% 70.00% 80.00% 90.00% 2013 2014 2015 Imobilização dos recursos não correntes Imobilização dos recursos não correntes
  23. 23. Indicador de Cobertura da Dívida • A relação entre a dívida líquida (empréstimos e financiamentos de curto e longo prazos, deduzidos de caixa e aplicações) e o EBITDA da empresa vem se elevando nos últimos anos, por conta de aumento maior da dívida líquida em relação à elevação do EBITDA. 3.89 4.19 4.27 3.00 3.20 3.40 3.60 3.80 4.00 4.20 4.40 2013 2014 2015 Dívida Líquida / EBITDA Dívida Líquida / EBITDA Variações 2014 2015 Dívida Líquida 32,62% 27,99% EBITDA 23,25% 25,68%
  24. 24. Análise da elevação do valor e dos custos da dívida: • Razões apresentadas pela JSL para a elevação do valor da dívida e dos custos da dívida (Press Release 2014 e 2015): • Mudança do mix da dívida, aumento de participação de financiamentos atrelados ao CDI (61% no quarto trimestre de 2015); • Custo de carregamento do caixa, devido ao incremento da liquidez; • Margem EBITDA abaixo do potencial, por conta de novos contratos que possuem uma curva gradual até atingir sua plena capacidade pois demandam custos pré-operacionais, ao mesmo tempo em que ainda não geram receitas. • Com base no retorno econômico e no endividamento, concluímos que o investimento na JSL é arriscado, pois o retorno econômico está se reduzindo, baseado em expectativas de receitas futuras em novos contratos. Até o momento não houve aumento no ROIC, contudo, por conta da dívida maior e mais cara o endividamento da JSL está elevado.
  25. 25. CPL X NCG • 2013 - 2014: • Saldo T: aumento de 134% • CPL: aumento de 66%, devido ao aumento nas dívidas de LP • NCG: aumento de 27%, devido ao aumento no contas a receber 379,112 481,112 720,079 593,206 983,037 956,803 2013 2014 2015 CPL x NCG NCG CPL 214.094 501.925 236.724
  26. 26. CPL X NCG • 2014- 2015: • Saldo T: Queda de 53% • CPL: Queda de 3%, redução na reserva de lucros • NCG: Aumento de 50%, devido à redução na conta de fornecedores (ciclo financeiro) 379,112 481,112 720,079 593,206 983,037 956,803 2013 2014 2015 CPL x NCG NCG CPL 214.094 501.925 236.724
  27. 27. FLUXO DE CAIXA • Geração de caixa líquida em 2015: • A empresa vendeu ativo imobilizado e reduziu estoques para gerar caixa; • Saldo de caixa quase triplica; • Estratégia para tempos de crise (Press release); • Aquisição da Quick, em Fev. de 2016, por 130,7 milhões (eventos subsequentes) 23,477 26,067 579,119 0 100,000 200,000 300,000 400,000 500,000 600,000 700,000 2013 2014 2015 Geração líquida de caixa
  28. 28. Análise do capital de giro e do fluxo de caixa • Conclusões: • Apesar da diminuição ocorrida do saldo de tesouraria em 2015, adotou estratégia de geração de caixa (reagiu rapidamente); • Não foi identificado nenhum efeito tesoura; • A empresa apresentou saldo de tesouraria positivo em todo o período, logo possui boa liquidez no curto prazo.
  29. 29. PREÇO DAAÇÃO
  30. 30. PREÇO DAAÇÃO
  31. 31. CONCLUSÃO
  32. 32. PUBLICAÇÃO DO TRABALHO • O trabalho de análise JSL S/A foi disponibilizado no site: • Nome do Trabalho: “JSL S.A. – Análise do Período de 2013 a 2015”

×