Execução

529 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
529
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Execução

  1. 1. Execução <ul><li>Avaliação </li></ul><ul><li>Valoração </li></ul><ul><li>Critérios de Arbitragem </li></ul><ul><li>Objetivos </li></ul><ul><li>Professores – Compreender,identificar, aprimorar. </li></ul><ul><li>Árbitros – Dirimir dúvidas, interpretar, aprimorar a </li></ul><ul><li>análise. </li></ul>
  2. 2. EXECUTIONE <ul><li>Ato de levar a efeito, realizar. </li></ul><ul><li>Realizações como ações quotidianas. </li></ul><ul><li>Realizações como gesto artístico, baseado em estereótipos (imagens do COP, e vídeos), automatizados (treinados e repetidos), em ambiente previsível e regrado. </li></ul>
  3. 3. Histórico <ul><li>Considerações gerais: </li></ul><ul><li>GA- aparelhos fixos e pesados (Exército) </li></ul><ul><li>GR- aparelhos portáteis, leves que sugerem uma ocupação manual e uso social. </li></ul><ul><li>Ap. rígidos- maças, arco e bola. </li></ul><ul><li>Ap. maleáveis- corda e fita. </li></ul>
  4. 4. Cronologia <ul><li>1948- Londres-JO –confusos “ scorings”, apreciação por “ personalidades” sem conhecimento. Ackroyd (1987) Oliveira (2000) Julgamento por consenso. </li></ul><ul><li>1950- FIG resolveu a estandartização das regras, surgiu o COP masculino (12 páginas) </li></ul><ul><li>Anos 60 na G. Moderna, competições com corda, arcos e bolas.12x12 e 04 árbitros e música até 3,30 a 4 minutos. </li></ul><ul><li>Composição = 7,0 </li></ul><ul><li>Execução= 3,0 </li></ul>
  5. 5. Cronologia <ul><li>Anos 70 – inclusão das maças e fitas. </li></ul><ul><li>Execução= 10,0 </li></ul><ul><li>Composição= 5,0 + 5,0 </li></ul><ul><li>Finalistas - 06 depois 08 ginastas </li></ul><ul><li>Arbitragem- 08 para 12 árbitros </li></ul><ul><li>COP GR – criação e primeiros cursos. Dimensão explicativa. </li></ul><ul><li>Anos 80 – Execução= 10,0 </li></ul><ul><li>Composição= dif. A e B </li></ul><ul><li>Oficialização do esporte: JO em 1984 (I) </li></ul><ul><li>JO em 1996 (C) </li></ul><ul><li>Dimensão competitiva. </li></ul>
  6. 6. Julgamentos <ul><li>Antes- Impressão geral (poucos erros). </li></ul><ul><li>Comparações entre as equipes. </li></ul><ul><li>Depois- Series obrigatórias, com elementos obrigatórios e livres. </li></ul><ul><li>Os ciclos olímpicos surgiram em 1964 e as mudanças não acorriam durante este período. </li></ul><ul><li>Anos 90 – melhor classificação das faltas de execução, apesar desta se sacrificada em favor das dificuldades. </li></ul><ul><li>Competições-teste, treinamento de pódium e as bonificações eram consideradas “ esmolas” para diferenciar as notas. </li></ul>
  7. 7. DESAFIOS da FIG- CT <ul><li>QUANTIFICAR OBJETIVAMENTE UM ESPORTE-ARTE SUBJETIVO QUE NÃO PARA DE CRESCER. </li></ul>
  8. 8. Simbologia na Execução <ul><li>Objetivo de melhorar a comunicação entre técnicos, ginastas e árbitros. </li></ul><ul><li>Mundo jurídico – Estenografia </li></ul><ul><li>GR- rabiscos de formações no espaço (Peuker) e traçinhos para as faltas. </li></ul><ul><li>Brochura com simbologia própria. </li></ul><ul><li>DANÇA – Labanotation </li></ul><ul><li>sistema Banesch </li></ul>
  9. 9. Vantagens na Arbitragem GR <ul><li>Clara repartição dos valores </li></ul><ul><li>Formula para a nota final </li></ul>
  10. 10. Desvantagens na Arbitragem GR <ul><li>Estudos referem-se a : </li></ul><ul><li>Muitos árbitros </li></ul><ul><li>Julgamento lento </li></ul><ul><li>Regulamento complexo (grande número pg) </li></ul><ul><li>Divergências de interpretação </li></ul><ul><li>Mudanças rápidas nas regras </li></ul>
  11. 11. Desvantagens II <ul><li>Estudos comprovam que existem fatos que influenciam a memória dos árbitros: </li></ul><ul><li>Observar o aquecimento </li></ul><ul><li>Observar o treino- pódium </li></ul><ul><li>Julgar seus ginastas ou parentes </li></ul>
  12. 12. Mas o que importa na atualidade? <ul><li>Antes </li></ul><ul><li>Corpo – pés com ponta e corpo estendido. </li></ul><ul><li>O Hoje : acrescentar ao item acima </li></ul><ul><li>Corpo- quedas, trajetórias e desequilíbrios </li></ul><ul><li>Aparelhos- Perdas e Recuperações e o risco </li></ul>
  13. 13. COP 2009-2012 <ul><li>A execução observa a música? Sim. </li></ul><ul><li>Qual o grau de variação dos valores de execução quanto á Técnica Corporal? </li></ul><ul><li>0,10 e 0,20 </li></ul><ul><li>As quedas são faltas graves. E Pré-acrobaticos com falhas são faltas médias </li></ul><ul><li>Nos grupos corporais os mais penalizados são as Flexibilidades e os Pivots. </li></ul><ul><li>Na Técnica com Aparelhos –Qual o grau de variação dos valores de execução? </li></ul><ul><li>0,10 e 0,30 </li></ul><ul><li>As perdas possuem valores diferenciados e mais graves. </li></ul><ul><li>a Corda e a Bola são os que contam com poucos itens de penalização. </li></ul><ul><li>E o Arco, a Fita e as Maças contam com uma maior quantidade de itens a sofrer despontuação. </li></ul>
  14. 14. COP 2009-2012 (2) <ul><li>Curiosidades: </li></ul><ul><li>Corda/arco/fitas- faltas pequenas, médias e graves </li></ul><ul><li>Bolas – poucos itens e faltas graves e medias </li></ul><ul><li>Maças- faltas pequenas ou graves </li></ul><ul><li>Curiosidade : o uso da mão esquerda é mais observado nos aparelhos bola, arco e fita. </li></ul>
  15. 15. <ul><li>“ No mundo dos negócios, o concorrente é sempre visto com olhos críticos.” </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Obrigado e boa sorte! </li></ul>

×