SlideShare uma empresa Scribd logo
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PATAIAS

Atletismo
Prof. Ana Maçãs

Ano Lectivo 2010/2011
Escola E.B. 2/3 de Pataias

ANÁLISE DO ATLETISMO E DESENVOLVIMENTO DE UMA ESTRUTURA DE CONHECIMENTOS

Habilidades Motoras

CORRIDAS

Estafetas

Velocidade

Saltos

Lançamentos

Fundo
Partida de pé

Técnica de
transmissão

Técnica Francesa

Partida de blocos

Vozes de comando

Posição
inicial
Fase de
aceleração

Apoio teórico de Atletismo

Técnica de corrida
Vozes de
comando

Fase de apoio

Postura

Fase de
Suspensão

Posição de
partida

Coordenação

Recepção

Membros superiores e inferiores

2
Escola E.B. 2/3 de Pataias

Habilidades Motoras

Corridas

Dardo

LANÇAMENTOS

Peso

Martelo

Pega

SALTOS

Dardo

Horizontais

Verticais

Comprimento

Fases

Altura

Corrida preparatória
Preparação

Deslizamento

Arremesso

Recuperação
Chamada

Técnica de voo / Transposição

Queda

Apoio teórico de Atletismo

3
Escola E.B. 2/3 de Pataias

ATLETISMO

Conceitos
Psicossociais

Cultura
Desportiva

Fisiologia do Treino
Condição Física

Regras

História

Caracterização
da modalidade

Velocidade

Velocidade Pura

Fundo

Barreiras

100 m M/F

100 m F

200 m M/F

110 m M

400 m M/F

400 m F/M

Apoio teórico de Atletismo

Habilidades
Motoras

Meio-fundo

3000 m

3000 m
obstáculos

5000 m

10 000 m

Meia-Maratona

Maratona

800 m

1500 m

Marcha

20 km F

50 km M

4
Escola E.B. 2/3 de Pataias

CULTURA DESPORTIVA

BREVE REVISÃO HISTÓRICA

O Atletismo é a modalidade desportiva mais antiga que se conhece. A história do
Atletismo e o seu aparecimento, confunde-se com o da própria humanidade. Correr,
saltar e lançar são gestos naturais praticados por todos os seres humanos desde os mais
longínquos tempos e constituem, por isso, os padrões motores básicos que utilizamos no
nosso dia-a-dia. Antes de existir oficialmente como modalidade já o homem corria atrás
dos animais, saltava para ultrapassar os obstáculos e lançava pedras para se defender ou
para caçar, com o objectivo de sobreviver. O atletismo, para o Homem, não é, portanto,
mais que a utilização natural do seu património motor.
As suas origens remontam à Grécia antiga e aos primeiros Jogos Olímpicos, realizados
no ano de 776 a.C.. Por isso, pode-se dizer que o Atletismo se apresenta como a forma
mais antiga de organização desportiva.
O primeiro campeonato oficial de atletismo a nível mundial só viria a ser
institucionalizado em 1983. Na era moderna dos Jogos Olímpicos (iniciada em 1896), o
atletismo marcou a sua presença, evoluindo consideravelmente a todos os níveis,
tornando-se deste modo um dos desportos fundamentais da realização deste evento.
Entre 1880 e 1920 formaram-se associações de atletismo um pouco por todo o mundo.
A Federação Internacional de Atletismo Amador foi fundada em 1912 e é ainda hoje a
entidade responsável pelas competições internacionais.
A Federação Portuguesa de Atletismo foi criada em 1921, então com o nome de
Federação Portuguesa de Sports Atléticos (FPSA), contando somente com a inscrição
de seis clubes.
Considerado como o “Desporto universal”, o atletismo foi a disciplina de base de todos
os outros desportos.

O Atletismo em Portugal
Fazendo a referência à história do Atletismo em Portugal, pode-se dizer que a primeira
prova oficial da modalidade foi organizada pela Sociedade Promotora de Educação
Física Nacional, a 26 de Junho de 1910, com o título “Jogos Olímpicos Nacionais”.

Apoio teórico de Atletismo

5
Escola E.B. 2/3 de Pataias

Estes torneios prosseguiram até cerca de 1914, ano em que uma dissidência levou
alguns clubes a fundarem a Federação Portuguesa de Sports, cuja actividade durou até
1916. Desde essa data até à fundação da Federação Portuguesa de Atletismo, em 5 de
Novembro de 1921, o Atletismo manifestou-se apenas em organizações particulares à
custa do esforço de alguns clubes.
Actualmente as competições oficiais estendem-se praticamente ao longo do ano inteiro,
organizadas pelas Associações Regionais e pela Federação, sendo os Campeonatos
Nacionais Masculinos (individuais e por equipas) os mais importantes conjuntos de
provas que se efectuam em Portugal.
Embora lento, o progresso do Atletismo Nacional não deixou de se verificar. Para tal,
tem contribuído de certa forma, a participação de atletas e equipas nacionais em
competições internacionais, e a conquista de alguns títulos. De todos os títulos
conquistados, importa referir os alcançados por Carlos Lopes e Rosa Mota. Esta última
foi a vencedora da primeira maratona feminina, realizada num campeonato da Europa
em 1982 em Atenas e medalha de ouro na maratona Olímpica de Seul em 1988. Carlos
Lopes foi também medalha de ouro na maratona Olímpica mas nos Jogos de 1984 em
Los Angeles. Mais recentes foram os resultados alcançados por Fernanda Ribeiro, com
a medalha de ouro alcançada nos 10.000m dos Jogos Olímpicos de Atlanta em 1996 e
por Paulo Guerra, com o título de Campeão Europeu de Corta-mato. Mais recentes
ainda foram as medalhas de Francis Obikwelu e Rui Silva nos Jogos de Atenas 2004
(prata nos 100 e bronze nos 1500m, respectivamente).
Todos estes resultados mostram como o Atletismo se apresentou sempre como a
modalidade com melhores resultados internacionais do nosso país bem como a
modalidade com mais participações Olímpicas.

Caracterização da modalidade
O Atletismo é uma modalidade composta por 4 grandes grupos de disciplinas que,
por sua vez, englobam outras várias disciplinas:

Apoio teórico de Atletismo

6
Escola E.B. 2/3 de Pataias

- Velocidade
- Meio-fundo
- Fundo
Corridas

- Barreiras
- Estafetas
- Obstáculos
- Maratona
- Marcha
- Altura

Saltos

- Comprimento
- Triplo
- Vara
- Peso

Lançamentos

- Dardo
- Disco
- Martelo
- Triatlo
- Pentatlo
Provas Combinadas

- Heptatlo
- Decatlo

As provas de corrida e de marcha podem ser realizadas em estrada, em corta-mato ou
em pista (Figura 1). Todas as outras apenas são passíveis de ser realizadas em pista. No
entanto nestes últimos Jogos Olímpicos assistimos à realização do lançamento do peso
num local lendário, que não numa pista convencional, onde tinham sido realizados os
primeiros Jogos Olímpicos.

Apoio teórico de Atletismo

7
Escola E.B. 2/3 de Pataias

Figura 1. Pista de Atletismo de uma vista vertical

Apesar do Atletismo ser a modalidade que com mais impacto dos Jogos, nem todas as
suas disciplinas são disciplinas Olímpicas. As corridas disputadas no âmbito dos Jogos
Olímpicos dividem-se em três grupos: (i) provas de velocidade, das quais fazem parte as
distâncias de 100, 200 e 400 m, e estafetas; (ii) as provas de meio-fundo e fundo,
compreendendo os 800, os 1500, os 5000 e os 10 000 m, os 3000 m obstáculos e a
meia-maratona; e (iii) a maratona, uma longa corrida realizada em estádio e estrada. As
corridas com barreiras, incluídas nas provas de velocidade, efectuam-se em 110, 200 e
400 m para homens, e 100 e 400 m para senhoras.
As provas de saltos incluem o salto em altura, o salto em comprimento, o triplo salto e o
salto à vara. Os lançamentos fazem todos parte do calendário de provas Olímpicas.
Existem ainda as provas combinadas, especialidades que abarcam um conjunto de
modalidades atléticas, compreendendo provas de corrida, lançamento e salto.

Apesar de, como já vimos, o Atletismo ser considerado a base de todos os desportos,
este é por vezes visto como um “parente pobre” das modalidades desportivas, sendo que
é, não raras vezes, a desmotivação dos próprios professores que induz reacções
negativas por parte dos alunos quando confrontados com actividades nesta área. Aliás é
frequente que quando o professor transmite aos alunos que a modalidade a abordar é

Apoio teórico de Atletismo

8
Escola E.B. 2/3 de Pataias

Atletismo, se ouça das suas bocas aquela angustiada exclamação: “Correr?!...” (Rolim,
2003).
Urge pois restituir ao Atletismo o importante carácter formativo que indiscutivelmente
possui, ainda que isso exija uma reformulação ou apenas uma reorientação das
estratégias e meios comummente usados na abordagem da modalidade, com vista a
torná-la mais apelativa e estimulante aos alunos (Rolim, 2003).

REGRAS
Antes de abordar as regras das diversas disciplinas do atletismo deve-se ter em mente
que estas, excepto as básicas para a prática, devem ser transmitidas em função das
necessidades que vão surgindo (Rolim, 2003).
Existem grupos de disciplinas com regras algo complexas e outros com regras bastante
simples. As regras das disciplinas pertencentes ao grupo das corridas não são
complexas. Na verdade são muito simples e em número reduzido tendo em conta as
outras disciplinas.

Corridas
As regras para o grupo das corridas são bastante simples. Para o a disciplina de corrida
de resistência a única regra que é mesmo necessária abordar é o cumprimento do
percurso pré-definido.

Corrida de Velocidade
Na disciplina das corridas de velocidade as regras já são em maior número. Poderíamos
mencionar um maior número de regras, mas não é pertinente que assim seja. As regras
básicas das corridas de velocidade são as seguintes:



Apoio teórico de Atletismo

Nas provas oficiais é obrigatória a partida com blocos;

9
Escola E.B. 2/3 de Pataias



É falsa partida sempre que um concorrente sai do seu lugar antes de ser
dado o sinal de partida ou simultaneamente com este. Quando ocorre
uma falsa partida, o atleta é desclassificado;



As corridas disputam-se em corredores individuais, delimitados por
linhas;



O atletas que sair do corredor que lhe foi destinado, e deste facto tirar
vantagem ou prejudicar outros concorrentes, é desqualificado.

Corrida de Estafetas
As regras das corridas de estafetas são em tudo semelhantes às das corridas de
velocidade acrescentando as regras referentes à passagem do testemunho e zona de
transmissão. Estas últimas são as seguintes:
 Apenas o primeiro corredor realiza partida dos blocos;
 O testemunho tem ser entregue em mão e dentro da zona de transmissão;
 Além da zona de transmissão existe ainda uma zona de balanço de onde
parte o atleta que vai receber o testemunho;
 Se o testemunho cair o atleta poderá voltar a apanha-lo desde que daí não
resulte o prejuízo de nenhum dos adversários.

Corrida de Barreiras
A corrida de barreiras é também uma corrida de velocidade em que o corredor tem de
ultrapassar um conjunto de obstáculos em sucessão.
Nas provas de 100m (senhoras) e 110m (homens) existem 10 barreiras, espaçadas entre
si 8,5 metros e 9,14 metros, respectivamente. A altura das barreiras para os homens é de
1,07m e para as senhoras de 0,84cm.
As barreiras podem ser derrubadas desde que não o sejam com intencionalidade. Se tal
acontecer, o corredor é desclassificado.
As corridas são realizadas em pistas individuais e os atletas devem permanecer na sua
pista até ao final da prova.
A passagem das barreiras deve ser iniciada sempre com a mesma perna.

Apoio teórico de Atletismo

10
Escola E.B. 2/3 de Pataias

A transposição das barreiras deve ser feita o mais rasante possível (junto à barreira), de
forma a não perder velocidade.
Deve-se manter o ritmo das passadas entre as barreiras (o mesmo número de passadas
entre as barreiras, três passadas ou quatro apoios).
A impulsão não se deve fazer muito perto das barreiras, para evitar derrubá-las.

Saltos
Salto em altura
As regras de salto em altura são já um pouco mais complexas que as da corrida e
difíceis de avaliar. Uma das razões é a maior possibilidade de ocorrência de situações de
batota. Refiro-me mais especificamente ao momento de transposição da fasquia onde
por vezes poderá ser difícil julgar se o atleta segurou a fasquia ou não e às regras de
subida da fasquia e renúncia de alturas. Na Escola estas não serão problema, pois
novamente apenas nos seguiremos pelas mais básicas:


O salto é válido desde que se transponha a fasquia sem a derrubar e se
execute a chamada a um só pé;



O salto é considerado nulo e, portanto, tentativa falhada, se o concorrente
derrubar a fasquia ou se tocar o terreno para além do plano dos postes;



Cada concorrente dispõe de um máximo de 3 tentativas para ultrapassar a
fasquia.



O concorrente que execute 3 tentativas falhadas consecutivas é
eliminado.

Salto em comprimento
As regras do salto em comprimento para a sua abordagem na Escola são também
bastante simples:
 Cada saltador tem um determinado número de tentativas;

Apoio teórico de Atletismo

11
Escola E.B. 2/3 de Pataias

 O melhor resultado de todas as tentativas é considerado o resultado final;
 O último apoio da corrida de balanço não poderá tocar a linha de
validade;
 Depois do salto, o saltador terá de sair para a frente da marca que
realizou;
 O Resultado é medido desde a tábua de chamada e o contacto com a areia
mais próximo desta.

Lançamentos
Lançamento do peso
 O peso tem que se manter encostado ao pescoço até ao acto de
lançamento;
 Após lançamento a saída do círculo de tem de ser feita pela metade de
trás do mesmo;
 O lançador pode tocar a antepara na sua face anterior mas não a pode
calcar superiormente;
 Não pode sair do círculo de lançamento sem que o engenho toque o solo.

HABILIDADES MOTORAS

 Corridas

Técnica de corrida
A técnica de corrida foi escolhida para a primeira abordagem por considerarmos que
constitui, ao nível das aprendizagens e adaptações no âmbito do Atletismo, um meio de
aquisição de determinadas sensações motoras fundamentais à aprendizagem de todos os
outros gestos técnicos da modalidade.

Apoio teórico de Atletismo

12
Escola E.B. 2/3 de Pataias

Com o intuito de proporcionar aos alunos um ensino de qualidade, os exercícios
técnicos desempenham naturalmente uma importante decisão pedagógica.

A técnica de corrida é o único conteúdo que percorre longitudinalmente toda a unidade
temática.
A corrida é considerada uma tarefa motora de carácter cíclico e de estrutura rítmica
variável ou invariável, em que fases de apoio são alternadas com fases de suspensão.
Isolando num ciclo de movimento a acção de uma perna, podemos distinguir dois
momentos na fase de apoio como na fase de suspensão.
Após o contacto do pé com o solo devem observar-se duas acções distintas:
 Uma anterior, dirigida da frente para trás, com o objectivo de provocar uma
passagem, tão rápida quanto possível, do corpo pelo apoio;
 Uma posterior, dirigida de trás para a frente por extensão da perna, que provoca
a projecção do corpo para a frente.
A estas duas acções segue-se a fase de suspensão até se iniciar idêntico movimento da
outra perna (Figura 2).
Após a perda de contacto com o solo, a perna realiza uma acção circular, que é
habitualmente decomposta em balanço atrás e balanço à frente (Figura 3).
O contacto do pé com o solo deve realizar-se no eixo da corrida, variando a superfície
de apoio de acordo com a intensidade de corrida. Assim, para uma intensidade máxima
o pé toma contacto pelo terço anterior do seu bordo externo, enquanto que para
intensidades média e fraca o apoio tende a ser realizado sobre a região externa do
metatarso e do tarso (Figura 4).

Apoio teórico de Atletismo

13
Escola E.B. 2/3 de Pataias

Figura 2. Cada passada de corrida compreende quatro fases: Apoio à frente, impulsão, recuperação e
balanço.

Figura 3. A perna está flectida durante a fase de recuperação; O joelho eleva-se para a frente e para cima
durante a fase de balanço à frente.

Figura 4. Fase de apoio: apoiar o terço anterior do pé na fase de apoio à frente; Extensão total das
articulações do tornozelo, joelho e coxa durante a fase de impulsão.

Apoio teórico de Atletismo

14
Escola E.B. 2/3 de Pataias

Os exercícios descritos para o desenvolvimento da técnica de corrida são inúmeros:


Skipping tíbio-társico;



Skipping baixo, médio e alto;



Skipping MI estendidos à frente;



Skipping nadegueiro ou atrás;



Movimento dos MS a 90º parado;



Saltitar simples;



Corrida saltada;



Step’s;



Hop’s;



Movimento dos MS para o skipping baixo;



Skipping baixo para skipping alto;



Skipping assimétrico (baixo ou médio + médio ou alto);



Skipping assimétrico (atrás + baixo);



Step + hop;



Skipping progressivo de baixo até à corrida;



Corrida em velocidade progressiva;



In–out’s.

VELOCIDADE
Entende-se por velocidade a capacidade de executar tarefas motoras no mínimo lapso de
tempo, com uma intensidade máxima e com uma duração não superior a 6/8”. Nesta
capacidade consideramos distintamente a velocidade de reacção e a velocidade cíclica.
No desenvolvimento da velocidade de reacção pretendemos que os alunos reajam de
forma veloz e explosiva a um determinado estímulo, seja ele de natureza visual ou
auditiva. A orientação da estimulação aponta no sentido das partidas de pé, outro dos
conteúdos previstos nesta unidade temática. Quanto à velocidade cíclica, ela será
desenvolvida no decurso das aulas, sempre inserida em situações de carácter lúdico e
visando sempre que as distâncias a percorrer não sejam vistas como um fim mas sim

Apoio teórico de Atletismo

15
Escola E.B. 2/3 de Pataias

como um meio. No final da abordagem desta capacidade será feita a sua avaliação
através da repetição do teste de velocidade contemplado nos testes de condição física, os
60 metros planos.

A corrida é a capacidade natural que o Homem possui de se deslocar rapidamente,
alternando o apoio de um pé com a suspensão, mas é um movimento natural que só se
optimiza mediante um rigoroso e específico processo de ensino-aprendizagem. A
corrida de velocidade, cuja distância a percorrer é curta, é efectuada o mais rapidamente
possível.
Na corrida de velocidade existem quatro fases:
1.

Partida

2.

Aceleração

3.

Velocidade máxima

4.

Perda de velocidade ou aceleração negativa

Partidas

Partida de pé
A abordagem deste conteúdo insere-se no desenvolvimento da velocidade de
reacção, sendo que passam a estar presentes neste conteúdo considerações de ordem
regulamentar. A partida de pé pode ser dividida em 2 fases:
1. A primeira corresponde à voz “aos seus lugares”;
2. A segunda corresponde ao sinal de partida.

Posicionamento inicial:
• Pés no eixo da corrida;
• Pernas flectidas;
• Tronco inclinado à frente;
• Peso corporal na perna da frente;
• Cabeça no prolongamento do tronco;

Apoio teórico de Atletismo

16
Escola E.B. 2/3 de Pataias

• Olhar para 1-2m à frente da linha de partida;
• Calcanhares elevados;
• Braços em oposição às pernas.

Movimentação:
• Deve desequilibrar-se o corpo à frente;
• A perna mais avançada deve empurrar energicamente o corpo para a frente e a mais
atrasada deve avançar de uma forma dinâmica;
• Os braços devem movimentar-se de uma forma enérgica;
• O tronco deve levantar-se progressivamente;
• Os apoios inicialmente não são colocados debaixo do Centro de Gravidade mas sim
atrás dele, deslocando-se progressivamente para o alinhamento vertical (ao
mesmo tempo que o tronco).

Partida de blocos
A partida de pé pode ser dividida em 3 fases:
1. A primeira corresponde à voz “aos seus lugares” que tem como critério
uma posição equilibrada estando o peso equitativamente distribuído pelos 2 membros
inferiores, numa atitude descontraída, com um pé ligeiramente à frente do outro e o
tronco numa posição vertical.
2. A segunda corresponde à voz, “pronto”, há um tensionamento de todo o
corpo, tipo mola, onde o seu peso assenta fundamentalmente no membro inferior
adiantado. A posição dos membros superiores deve ser simétrica em relação aos
membros inferiores. A linha de ombros avança relativamente à linha de partida,
criando-se assim um equilíbrio instável a aproveitar no momento da partida.
3. A terceira corresponde ao sinal de partida. Nesta pretende-se um
sincronismo entre os membros superiores e inferiores. É necessário criar situações a
fim que o aluno não “se levante” logo após o sinal de partida, uma vez que a primeira
parte da corrida é realizada em desequilíbrio.

Apoio teórico de Atletismo

17
Escola E.B. 2/3 de Pataias

Distância standard dos blocos relativamente à linha:
_ 1,5pés o bloco da frente;
_ 2,5 pés pé o bloco de trás.

Posicionamento inicial:
• Mãos no solo mais afastadas que os ombros;
• Polegar e indicador afastados e paralelos à linha de partida;
• O peso do corpo distribui-se pelos 5 apoios (dois pés, um joelho e duas mãos);
• O joelho da perna de trás apoia no solo.

Posição de “prontos”
• Peso do corpo distribui-se pelos 4 apoios, com predominância dos braços;
• Ombros avançam ligeiramente para além da vertical;
• Bacia sobe até que o joelho da frente atinja sensivelmente os 90 graus;
• Bacia sobe um pouco mais alto que o nível dos ombros;
• Não se deve olhar em frente, mas sim para baixo, eventualmente para a linha da partida;
• O pé que fica mais atrás deve estar totalmente encostado ao bloco em pré tensão.

Partida
• Avanço do corpo através da extensão enérgica da perna da frente;
• Os braços saem simultaneamente do solo e movimentam-se alternada e vigorosamente;
• A amplitude da passada aumenta progressivamente;
• O tronco atinge a vertical progressivamente;
• Os Apoios passam para baixo do centro de gravidade progressivamente.

ESTAFETAS
A corrida de estafetas possui um grande potencial formativo, por um lado pelo trabalho
de domínio sobre si mesmo, de cálculo de velocidades e de domínio de uma técnica – a
de transmissão – e por outro por ser uma actividade em equipa em que todos realizam a

Apoio teórico de Atletismo

18
Escola E.B. 2/3 de Pataias

mesma tarefa, todos são importantes e onde é fundamental o espírito de grupo. Esta
pode ser definida como o levar de um testemunho o mais rapidamente possível da linha
de partida à linha de chegada, e por isso, evitar uma perda sensível da velocidade nas
passagens do testemunho. A passagem do testemunho de um corredor a outro deve
obrigatoriamente efectuar-se de mão em mão e em zonas regulamentares de 20 metros
(zona de transmissão). Para as estafetas de 4x60m a 4x200m, uma zona de balanço de
10 metros precede a zona de transmissão (Figura 5).

Figura 5. Zona de transmissão e de balanço regulamentares.

A técnica específica a ensinar será a ascendente (Figura 6), executada sem qualquer
referência visual excepto para o início de corrida do receptor do testemunho (Figura 7).
Começaremos pelo ensino da pega do testemunho, realizada pela parte posterior do
mesmo, passaremos para a transmissão sem referências visuais, apenas sonoras,
realizada em corrida lenta ou mesmo a passo, e terminaremos com situações
semelhantes mas em velocidade crescente e nas marcas respectivas. Acresce-se que a
formação das equipas em situações

Figura 6. Técnica de transmissão do testemunho ascendente.

Apoio teórico de Atletismo

19
Escola E.B. 2/3 de Pataias

Figura 7. Referência visual de início de corrida para a transmissão do testemunho.

Descrição Técnica/Critérios de êxito
Partida
Do que inicia a corrida:


Idêntica à partida para uma corrida de velocidade;



Testemunho seguro entre o polegar e o indicador e envolvido pelos outros dedos.

Dos receptores:
De pé:


O receptor coloca-se em pé, ocupando a parte interna ou externa do corredor,

conforme vá receber o testemunho com a mão direita ou a esquerda;


Linha de ombros paralela ao eixo da pista;



Pés orientados no sentido da corrida, um à frente do outro.

1º passos:
 Impulsões completas;
 Tronco vai-se endireitando progressivamente;
 Cabeça mantém-se descontraída;
 Passar rapidamente para o interior do corredor.
Velocidade máxima


Manutenção de elevada frequência;



Aumento da amplitude dos passos;

Apoio teórico de Atletismo

20
Escola E.B. 2/3 de Pataias



Corrida alta e bem circulada;



Extensão completa dos membros inferiores na impulsão;



Tronco próximo da vertical;



Oscilação controlada dos membros superiores;



Braço e antebraço formam um ângulo de 90º;

Corrida de transmissão

De quem transmite:


Deve ser reduzida o menos possível a velocidade;



Continuar no seu corredor, até que todas as transmissões tenham terminado.



Começar a correr 10 metros antes da zona de transmissão;



Concentrar a atenção na marca de partida e no companheiro que dele se aproxima;



Cabeça virada para trás, a fim de reduzir ao mínimo a torção do tronco;



Manter-se junto à linha exterior ou interior da sua pista, conforme o método que
utilizar.

Transmissão


Membro superior receptor em extensão atrás, alto e ao lado do corpo;



Membro superior transmissor em extensão à frente;



Palma da mão receptora virada para trás, com dedos a apontar o solo;



Transmissão de baixo para cima;



Testemunho entregue com firmeza e segurança na mão do atleta que recebe;



Dar sinal para o colega que vai receber, para ele estender o braço para trás;



Testemunho colocado activamente na mão do colega, entre o polegar estendido e os
outros 4 dedos unidos.

Apoio teórico de Atletismo

21
Escola E.B. 2/3 de Pataias

Métodos de transmissão
Método de transmissão exterior:
O atleta que transmite, traz o testemunho na mão esquerda e passa o testemunho para a
mão direita do receptor. Após a recepção, o atleta que recebeu faz a mudança do
testemunho para a outra mão.

Método de transmissão interior:
O atleta que transmite, traz o testemunho na mão direita, aproxima-se do atleta que
recebe pelo lado de dentro e passa-lhe o testemunho para a mão esquerda. Após a
recepção o atleta que recebeu faz a mudança para a outra mão

Método de transmissão misto ou de “Frankfurt”:
É uma combinação dos outros dois métodos, em que as 1ª e 3ª transmissões são
executadas pelo lado de dentro, e a 2ª pelo lado de fora. Os atletas que transportam o
testemunho, seguram-no nas curvas com a mão direita e nas rectas com a mão esquerda,
não sendo necessário haver mudança do testemunho para a outra mão, do atleta que
recebe o testemunho.

Erros Mais Comuns
Partida
o

Dos receptores:
o Inicia-se com muita antecedência.
o Inicia-se tardiamente.

Corrida de transmissão
o Demasiado lenta (do receptor);
o Estar parado no momento da transmissão;

Apoio teórico de Atletismo

22
Escola E.B. 2/3 de Pataias

Transmissão
o O aluno que recebe o testemunho vira-se par trás;
o O aluno que transmite o testemunho estende-o demasiado cedo;
o O aluno que recebe o testemunho, estende o braço atrás
prematuramente;
o Receber o testemunho com a mão errada;
o O testemunho cai no chão, por precipitação na transmissão.

CORRIDA DE RESISTÊNCIA
Para o desenvolvimento da corrida de resistência, Rolim (2003) sugere como principais
objectivos a ser definidos para esta etapa etária os seguintes:


Desenvolvimento da resistência aeróbia;



Aprender a gerir e a dosear o esforço;



Conhecer o seu corpo, potencialidades e limites.

Em função destes objectivos são princípios fundamentais a transmitir aos alunos:


A continuidade do esforço;



A descoberta do potencial;



Uniformidade do ritmo;



Escolha da velocidade ideal de corrida.

No que diz respeito à duração do esforço, tempos de 12 a 20 minutos é considerado
bastante satisfatório. De acordo com o mesmo autor, no âmbito da escola não se
justificam tempos superiores.

Apoio teórico de Atletismo

23
Escola E.B. 2/3 de Pataias

CORRIDA DE BARREIRAS

A corrida de barreiras é constituída por 5 fases distintas:
1 - Partida e Aproximação à 1ª Barreira
Componentes Criticas:
- Até à primeira barreira o atleta tem de adquirir uma velocidade em que o comprimento
da passada aumenta progressivamente até ao último passo, o qual será mais curto que o
anterior.

2 - Impulsão
Componentes Criticas:
- Pé da perna de impulsão deve apoiar-se no eixo da corrida, ao mesmo tempo, a outra
perna efectua o ataque à barreira
- Perna de ataque para a frente e para cima, flectida;
- Tronco inclina-se para ficar no prolongamento da perna de impulsão, a cintura e os
ombros devem estar no sentido da corrida;
- A perna de impulsão só deixa o contacto com o solo depois da sua extensão.

3 - Transposição
Componentes Criticas:
- Flexão do tronco sobre a perna de ataque, com a ajuda do braço do lado oposto desta;
- A perna de ataque deve passar a barreira semiflectida, para a frente e para baixo;
- A perna de impulsão, na passagem da barreira, deve flectir lateralmente (abdução) e o
braço do mesmo lado deve ser levado um pouco à frente do tronco, flectido;
- Na fase final, a perna de ataque alonga-se para a frente e para baixo, naturalmente,
facilitando a acção do corpo para o movimento da perna de passagem.

Apoio teórico de Atletismo

24
Escola E.B. 2/3 de Pataias

4 - Corrida entre Barreiras
Componentes Criticas:
O ritmo intermédio é de importância capital. O número de apoios deve permitir a
passagem das barreiras sem modificar o ritmo e com uma regularidade precisa.

5 - Corrida Terminal
Componentes Criticas:
Na fase final da corrida (após a última barreira) o atleta acelera em direcção à meta com
passadas vigorosas.

 Saltos
Os saltos dividem-se em horizontais e verticais, conforme o seu componente espacial
mais marcante. As fases dos mesmos são comuns, a saber:
- corrida preparatória;
- chamada ou impulsão;
- voo;
- queda.

A primeira fase, corrida preparatória, é de todas a mais importante e convém relembrar
a sua estrutura, principalmente as três últimas passadas, onde, por haver um
alongamento na penúltima em relação à passada anterior, há um abaixamento do Centro
de Massa (CM), sendo depois o último passo mais curto e a consequente trajectória
particular de cada salto.

Apoio teórico de Atletismo

25
Escola E.B. 2/3 de Pataias

A chamada, como é sabido, é a forma de transformar a velocidade linear adquirida ao
longo da corrida preparatória numa velocidade mais ou menos ascensional dependendo
do salto em questão (Motensen & Cooper, 1984).
À corrida preparatória liga-se a velocidade, mormente a componente de aceleração e o
sentido rítmico em especial na fase terminal da mesma.
Entre a corrida preparatória e a chamada, há uma fase (ligação corrida-impulsão) que se
mostra cada vez mais importante à medida que os alunos se tornam cada vez mais
rápidos e procuram obter melhores registos nos seus saltos (mais longe ou mais alto).
Nesse sentido deverá ser objecto de tratamento particular, exigindo que se crie situações
para a sua aprendizagem e consolidação.
A chamada, isto é, a transformação de uma velocidade horizontal em duas componentes
distintas, depende muito da potência muscular, para além, obviamente, da técnica, que é
de importância vital para as fases seguintes.

A corrida preparatória
É a fase mais importante para o salto. Só se transforma, ainda que parcialmente, em
salto a velocidade adquirida até a chamada. O aumento de velocidade, a aceleração, é
conseguido por dois meios:
1º - pelo aumento da coordenação do movimento (idades pré-púberes);
2º - pelo aumento da potência muscular (idades púberes e pós-púberes).
Não devemos esquecer que o desenvolvimento da força acontece, sobretudo, durante o
período pubertário.

Número par ou ímpar de passos?
Desde há muito que optámos por colocar, no momento da partida, o pé de impulsão à
frente, implicando esta decisão um número par de passos (2:4:6:…passos). Por ser de
mais fácil assimilação, para além de ajudar a consolidar o pé de impulsão, proporciona
uma melhor estruturação e assimilação por parte dos jovens, ajudando a estabelecer e a
estabilizar a amplitude da passada.

Apoio teórico de Atletismo

26
Escola E.B. 2/3 de Pataias

Número de passos da corrida preparatória?
Nas idades pré-púberes, sugere-se entre 12 e 14 passos. Nas idades púberes e póspúberes, sugere-se entre 14 e 18 passos (15 a 20 m se tivermos condições para tal).
Naturalmente que, para possibilitar uma maior exercitação, nomeadamente da ligação
corrida-impulsão, parte dos exercícios são realizados com corridas preparatórias mais
curtas, excepto nos momentos, cujo objectivo é o ajustamento da corrida preparatória
completa.

Salto em altura
O Salto em Altura pode ser definido como a tentativa de passar por cima de uma barra
horizontal (fasquia) colocada a determinada altura, após uma corrida de balanço. Este é
uma disciplina do agrado da maioria dos alunos, embora possua características que
tornam a sua abordagem, por vezes, inexequível na escola, já que o material que requer
– colchões em quantidade e qualidade razoáveis - é caro e não pode facilmente ser
improvisado. Quanto à fasquia, a sua ausência é perfeitamente ultrapassável com um
elástico, sendo que numa fase de iniciação este poderá mesmo ser o mais aconselhável.
A técnica que abordaremos neste ano lectivo é a Fosbury Flop, por ser a mais usada no
Atletismo actual, por ser aquela que possibilita maior e mais rápida progressão de
rendimento e porque o salto de tesoura já deverá ter sido abordado nos anos lectivos
anteriores. A principal característica desta técnica, para além da transposição ser feita de
costas para a fasquia, é a fase final da corrida preparatória ter trajectória curvilínea,
possibilitando a criação de uma força centrífuga responsável pela transposição da
fasquia. Mas a salto em altura é muito mais que uma corrida, é uma elevação após a
mesma- importância da impulsão. Outro aspecto a ter em linha de conta é a criação de
uma rotação do corpo no espaço. A dissociação da acção dos membros inferiores no
momento da impulsão é outro objectivo a ter em conta. Se um dos membros é
impulsionador o outro deve, em flexão do joelho, elevar-se o mais possível. Quanto à
queda, há que ter essencialmente preocupações de segurança, de modo a que os alunos
não percam confiança com uma queda mais dolorosa e que os iniba continuar a sua
evolução.

Apoio teórico de Atletismo

27
Escola E.B. 2/3 de Pataias

Técnica de “Fosbury – Flop”
É um tipo de salto que consiste na realização de uma corrida rápida, uma chamada
activa, transpondo de costas, um obstáculo (fasquia), colocado a determinada altura do
solo, apoiado em dois postes, que vai sendo sucessivamente elevado.

As fases para a realização do salto em altura são:
1-

Corrida de aproximação

2-

Chamada

3-

Fase aérea; transposição da fasquia

4-

Queda

Corrida de Aproximação
A aproximação caracteriza-se por ser feita em curva durante os últimos passos, pelo
menos nos três ou quatro últimos. Aqui, a preparação imediata para a chamada leva o
atleta à melhor posição possível. Assim, a corrida de aproximação deverá apresentar os
seguintes critérios:


A aproximação faz-se de 9 a 13 passos. O ponto de partida está de 15 a
20m da fasquia e numa perpendicular a ela que passa uns 3 a 5 m por fora
do poste mais próximo. Estas diferenças dependem de o atleta começar a
aproximação quase em linha recta (com o ponto de partida deslocado para
um lado) ou de realizar toda a curva.



O raio da curva é função da velocidade de aproximação. É tanto maior
quanto a velocidade aumenta, e vale uns 6 a 8m para rapazes, raparigas e
principiantes; para os melhores praticantes, é de 8 a 10m.



A distância do ponto de chamada à fasquia, em regra, é de
aproximadamente 1 m para saltos de 2m ou mais.

Apoio teórico de Atletismo

28
Escola E.B. 2/3 de Pataias

Chamada
A chamada inicia-se com a perna mais afastada da fasquia, sendo um movimento
especialmente explosivo. Enquanto a perna impulsionadora se estende, o tronco erguese até uma posição quase vertical, a preparar a transposição da fasquia. Estes
movimentos são auxiliados pelo balanço dos braços e pelos ombros; a fim de favorecer
a inclinação da linha dos ombros em relação à fasquia, os braços não podem subir ao
mesmo tempo. O braço direito (impulsão esquerda) sobe energicamente, o esquerdo fica
em baixo para impedir que o respectivo ombro execute um largo movimento
compensatório para o lado de trás e ajuda assim a criar a rotação do corpo em volta do
seu eixo longitudinal. A rotação em volta do eixo longitudinal do corpo deve ser
produzida principalmente à custa da inflexão da perna do balanço, flectida para dentro,
uns 15 a 20º com a direcção da corrida do último passo. A cabeça vira-se para a fasquia,
em movimento compensatório, permitindo ao atleta manter o olhar fixo nela enquanto
executa estes movimentos. Imediatamente antes de o pé de impulsão abandonar o solo,
o tronco encontra-se em posição quase vertical, sobre ele.

Transposição da Fasquia e Queda
A 1ª fase do voo, a seguir à chamada, caracteriza-se por uma notória descontracção de
todo o corpo. Os braços são mantidos junto ao corpo. Esta posição de extensão do
corpo, facilita a rotação em torno do eixo longitudinal.
A 2ª fase da transposição é iniciada com uma vigorosa pressão das ancas para a frente,
visto que os ombros e as pernas do atleta se encontram neste momento em lados opostos
da fasquia (faz a ponte). Ao passar a bacia pela fasquia o atleta tem que realizar o
movimento compensatório de flexão das ancas. Este movimento é provocado pela
cabeça ao inclinar-se para diante (queixo ao peito).
Na 3ª fase, o corpo do atleta ganha a forma de um “L” mantida pela contracção
muscular, a fim de realizar o contacto com o solo. Os braços afastados, tocam a
superfície de contacto em primeiro lugar, iniciando a absorção do choque e preparando
a correcta posição do resto do corpo.

Apoio teórico de Atletismo

29
Escola E.B. 2/3 de Pataias

Descrição Técnica/Critérios de êxito

Corrida de balanço


em curva na parte final (3 ou 4 últimos passos);aproximação executa-se entre
9 a 13 passos;



ponto de partida deve estar entre 15 a 20 metros da fasquia e numa linha
perpendicular a esta, que passa 3 a 5 metros por fora do poste mais próximo;



o raio da curva é função da velocidade de aproximação, sendo maior quando
esta aumenta;



na primeira parte da corrida a velocidade aumenta rapidamente, sendo
preferível fazê-la quase em linha recta;



ponto de apoio do membro inferior impulsor está entre a projecção vertical
da fasquia e a do centro de gravidade do atleta;



na transição para o último passo há um abaixamento do centro de gravidade;



ao começar o último passo, o tronco do saltador começa a “endireitar-se”;



corpo não deve tomar inclinação em direcção à fasquia, pelo contrário, deve
conservar-se inclinado para o centro da trajectória de modo a realizar na
chamada uma subida quase vertical.

Chamada
 é realizada pelo membro inferior mais afastada da fasquia, sendo um movimento
explosivo;
 colocação do pé impulsor, faz-se um pouco fora da trajectória da curva;
 enquanto o membro impulsor se estende, o tronco ergue-se até uma posição
quase vertical, preparando a transposição da fasquia;
 parte da impulsão aplica-se fora do centro de gravidade e produz o binário
exigido pela rotação do corpo para a posição horizontal, de costas para a fasquia;
 estes movimentos são auxiliados pelo balanço dos membros superiores e dos
ombros;
 os membros superiores não podem subir ao mesmo tempo, para poderem
favorecer a inclinação da linha dos ombros em relação à fasquia;

Apoio teórico de Atletismo

30
Escola E.B. 2/3 de Pataias

 o membro superior do lado do membro impulsor, sobe energicamente, ficando o
outro em baixo para impedir que o respectivo ombro execute um largo movimento
compensatório para o lado de trás (ajuda a criar a rotação do tronco em volta do seu
eixo longitudinal);
 a rotação em volta do eixo longitudinal, deve ser produzida principalmente à
custa da inflexão do membro inferior de balanço (flectida);
 a cabeça vira-se para a fasquia num movimento compensatório, permitindo
manter o olhar fixo nela enquanto executa o movimento;
 antes do pé do atleta abandonar o solo, o tronco encontra-se numa posição
vertical sobre este;
 o arqueamento do tronco permite que, neste momento, o prolongamento do
membro impulsor se afaste do centro de gravidade para criar o binário exigido pela
rotação.

Transposição
1ª fase do voo


notória descontracção de todo o corpo;



membro inferior de balanço descai para trás, reunindo-se ao membro impulsor, que
se encontra descontraído e pendente;



os membros superiores são mantidos junto ao corpo;



a posição de extensão do corpo facilita a rotação em volta do eixo longitudinal;
no momento em que os ombros fazem a transposição, a sua linha está quase paralela à fasquia.

2ª fase do voo


no momento da transposição da fasquia por parte dos ombros, começa a 2ª fase do
voo, iniciada com uma vigorosa pressão das ancas para a frente.



visto que os ombros e os membros inferiores se encontram de lados opostos da
fasquia, o corpo forma uma espécie de ponte, tendo o atleta neste momento que
fazer a transposição da bacia.

Apoio teórico de Atletismo

31
Escola E.B. 2/3 de Pataias



transposta a fasquia, tem de se realizar rapidamente o movimento compensatório de
flexão das ancas, sendo este movimento provocado claramente pela cabeça, que se
inclina para diante (a querer tocar o peito com o queixo).



bacia desce por detrás da fasquia e os membros inferiores compensam levantandose.



o tronco procura travar este movimento de queda para trás.



logo que os membros inferiores estiverem perto da fasquia dá-se uma brusca
extensão das articulações dos joelhos, levantando estes à posição vertical.



o corpo toma a posição em “L”, mantida através de uma contracção muscular, a fim
de realizar o contacto com o colchão.

Contacto com o colchão


membros superiores afastados tocam em 1º lugar a superfície de contacto,
absorvendo o choque e preparando a correcta posição do resto do corpo.



de seguida o contacto é feito sobre as costas.



transversal ao plano da fasquia.

Erros Mais Comuns
Corrida de balanço


corrida com fraca aceleração e pouco circular;



desaceleração na fase final;



passadas irregulares;



corrida feita do lado do membro inferior de chamada;



salto com reduzida amplitude por exagerado abaixamento do centro de gravidade
durante a penúltima passada;

Chamada


a parte superior do corpo inclina-se na direcção da fasquia antes da chamada;



extensão incompleta do membro inferior de chamada;

Apoio teórico de Atletismo

32
Escola E.B. 2/3 de Pataias



utilização insuficiente dos membros superiores e do membro inferior livre;



perda de velocidade no momento de chamada;

Transposição


transposição da fasquia na posição lateral, por rotação insuficiente do membro

inferior livre;


não há rotação do tronco;



curvatura das costas insuficiente ou inexistente;



não eleva a bacia;



cabeça em extensão;



posição em “L” ocorre demasiado cedo, antecipando a preparação para a recepção.

Contacto com o colchão


recepção feita com a cabeça ou pescoço, por demasiada rotação após a transposição

da fasquia;


rotação sobre o eixo transversal durante a recepção.

Salto em comprimento
O salto em comprimento define-se como uma sucessão de movimentos coordenados,
para conseguir fazer o salto com chamada a um pé (na tábua) e o mais longe possível.
Por isso é importante nesta actividade desportiva ter velocidade e grande capacidade de
impulsão, coordenar a corrida de balanço com as restantes fases do salto.
Este salto divide-se em 2 fases principais:
1. Aproximação em corrida de balanço, com mudança de ritmo e cadência nos
últimos 3 passos, que finalizam com chamada rápida, devendo ser efectuada
com força e óptima coordenação com a fase seguinte;
2. Aérea, voo ou suspensão, que termina com a queda ou recepção na caixa de
saltos.

Apoio teórico de Atletismo

33
Escola E.B. 2/3 de Pataias

Técnicas aéreas ou de voo
Existem várias técnicas de voo no salto em comprimento, sendo as mais utilizadas:


Técnica de voo em extensão;



Técnica de voo de tesoura.

Na técnica em extensão deve-se:


elevar a perna livre para cima e para a frente, flectida;



impelir a perna de impulsão para a frente, flectida;



projectar as pernas para a frente ao mesmo tempo, com o tronco
flectido e com os braços em oscilação em círculo, para a frente e para
trás;



realizar a recepção ou queda, na caixa de areia, com a flexão dos
joelhos, para facilitar o avanço do corpo para a frente, e
simultaneamente com projecção dos braços à frente.

Técnicas de queda
A queda também é uma técnica que poderá ser ensinada aos jovens. Contudo, pela sua
complexidade, não é esse ensino um atarefa prioritária.
Podemos transmitir ao aluno a ideia da harmónica no momento de recepção ao solo.
Quando se tocar com os calcanhares na areia ocorre uma flexão continuada dos joelhos,
bacia e tronco num verdadeiro movimento de harmónica.
Outra técnica, talvez menos natural, é, após tocar com os calcanhares no solo, executar
um movimento do corpo não para diante mas para o lado, projectando-se lateralmente.

 Lançamentos
A abordagem dos lançamentos da na escola nem sempre é fácil. Podemo-nos deparar
com alguns obstáculos que, no entanto, não são difíceis de ultrapassar, tais como
(Rolim, 2003):



Apoio teórico de Atletismo

Dificuldade de mobilizar toda a turma em simultâneo;
O tempo que cada aluno demora a estruturar o acto motor lançar;

34
Escola E.B. 2/3 de Pataias



As questões dos espaços adequados, principalmente quando se
utilizam engenhos próximos dos institucionais;



Necessidade de se reunir óptimas condições de segurança.

O principio básico da aprendizagem de desenvolvimento das técnicas dos diversos
lançamentos é a realização de uma acção do corpo do tipo mola-chicote que se
desenrola de uma forma ascendente e progressiva, partindo dos apoios e prolongando-se
até à pega, fazendo uso das forças dinâmicas entretanto criadas (Rolim, 2003). Este
movimento é gerado a partir dos apoios no solo e termina na projecção final.
Ou seja, será preciso fixar uma das extremidades (linha dos ombros) e torcer a outra
extremidade (os apoios no solo) de forma a criar uma tensão que ao se soltar irá
chicotear o engenho.
Outro aspecto comum a todos os lançamentos tem a ver com a colocação e actuação da
parte esquerda do corpo (para quem é destro claro), ou seja, o principio da colocação
rígida de pontos de suporte.
Uma boa referência para a aplicação deste princípio é o da travagem brusca de um
comboio com pessoas dentro. Quando isto acontece, as pessoas são projectadas na
direcção de deslocamento do comboio. Deste modo, as pernas e corpo funcionarão
como o comboio e o engenho como o passageiro (Rolim, 2003).

A abordagem dos lançamentos deve ser realizada através de diversos jogos de precisão
e outros que impliquem por si só o acto de lançar. No entanto, quando o objectivo é já a
aproximação ao modelo competitivo, a primeira preocupação é a abordagem da pega.
Este princípio vem-nos da desmontagem da técnica global. As fases comuns a todos os
lançamentos são:
1. pega do engenho;
2. posição inicial;
3. avanço dos apoios;
4. posição de força;
5. projecção final.

Apoio teórico de Atletismo

35
Escola E.B. 2/3 de Pataias

Contudo, não devemos recorrer somente a métodos analíticos para a exercitação destas
5 fases. O ideal é o uso de métodos analíticos juntamente com métodos de exercitação
da técnica global (Rolim, 2003).

Peso
Actualmente podemos identificar 2 técnicas de lançamento do peso usadas no Atletismo
de alto rendimento, técnica rotacional ou Barishnikov e a técnica em translação ou
O’Brien.
A técnica O’Brien, apesar de não tão rentável, apresenta-se como sendo a técnica de
aprendizagem mais fácil de abordar e acessível (Figura 8).

Figura 8. Técnica O’Brien completa.

Figura 9. Pega e colocação do engenho no pescoço.

Apoio teórico de Atletismo

36
Escola E.B. 2/3 de Pataias

Critérios de êxito:


A pega do engenho apoiando os três dedos internos na mandíbula com o
cotovelo afastado do tronco;



A posição inicial sustentando o peso do corpo na perna da frente estando esta
flectida;



A posição inicial semi-flectindo a perna livre, mantendo contacto com o solo na
ponta do pé.



A posição inicial com o tronco inclinado á frente mantendo um ligeiro
desequilíbrio



Deslizamento através de um movimento rasante da perna livre para trás,
tentando ganhar velocidade.



Deslizamento com os ombros voltados para o ponto de partida antes de efectuar
a rotação.



Posição de força sustentando o peso do corpo na perna da frente com a bacia
voltada para o lado.



Ombros na direcção oposta à zona de queda antes de efectuar a rotação.



Rotação e elevação da bacia para a frente.



Cotovelo elevado no acto de lançamento.



Troca de apoios após o lançamento para manter o equilíbrio.



No final do lançamento não ultrapassar o limite anterior do circulo.



Lançamento em duplo apoio.



Extensão total do corpo para cima e para dentro no momento do lançamento.

Estas duas últimas variáveis mostram-se, já desde a abordagem aos lançamentos nas
idades pré-púberes, como os princípios básicos dos lançamentos.

Apoio teórico de Atletismo

37
Escola E.B. 2/3 de Pataias

Bibliografia
Carr, G. (1991). Fundamentals of Track and Field. Champaign IL, Human Kinetics.

Ministério da Educação e Investigação Científica (s.d.). Iniciação ao atletismo.
Colecção Cultura e Desporto. Lisboa. Portugal.

Motensen J. & Cooper J. (1984). Técnicas del atletismo. Edições hispano europeia, 6ª
edição. Barcelona. Espanha.

Rolim, R. (2003). Atletismo. Apontamentos fornecidos pelo autor no âmbito da cadeira
de Didáctica de atletismo. FDCEF-UP. Porto.

Vickers, J. (1990). Instructional Design for Teaching Physical Activities. Human
Kinetics Books, Champaign, IL.

MEC Atletismo 9º A

38

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atletismo corrida de estafetas
Atletismo corrida de estafetasAtletismo corrida de estafetas
Atletismo corrida de estafetas
Escola Secundaria Moura
 
Atletismo na escola
Atletismo na escolaAtletismo na escola
Atletismo na escola
evandrolhp
 
Atletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e RegrasAtletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e Regras
Prof. Saulo Bezerra
 
Ginastica acrobática
Ginastica acrobáticaGinastica acrobática
Ginastica acrobática
Paulo Lopes
 
Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]
Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]
Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]
Escola Secundaria Moura
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
Bernardo Matos
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Neusa Soares
 
Corrida de estafetas
Corrida de estafetasCorrida de estafetas
Corrida de estafetas
Em Dormir
 
Atletismo corrida de estafetas
Atletismo corrida de estafetasAtletismo corrida de estafetas
Atletismo corrida de estafetas
Escola Secundaria Moura
 
Ginástica Acrobática
Ginástica AcrobáticaGinástica Acrobática
Ginástica Acrobática
Luh Fernandes
 
Arremesso de peso
Arremesso de pesoArremesso de peso
Arremesso de peso
Ismael Chaves
 
Trabalho educação fisica
Trabalho educação fisicaTrabalho educação fisica
Trabalho educação fisica
Fui_kilado
 
Ginástica acrobática
Ginástica acrobáticaGinástica acrobática
Ginástica acrobática
franciscaf
 
Ginastica de solo e aparelhos
Ginastica de solo e aparelhosGinastica de solo e aparelhos
Ginastica de solo e aparelhos
jose_santinha
 
Ginástica de solo
Ginástica de soloGinástica de solo
Ginástica de solo
Lorredana Pereira
 
Voleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoioVoleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoio
Inês Ré
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Ana Rita Barbosa
 
Atletismo saltos altura_comprimento
Atletismo saltos altura_comprimentoAtletismo saltos altura_comprimento
Atletismo saltos altura_comprimento
Escola Secundaria Moura
 
Medidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
Medidas e Avaliação - Velocidade e AgilidadeMedidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
Medidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
marcelosilveirazero1
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Carla Domingos
 

Mais procurados (20)

Atletismo corrida de estafetas
Atletismo corrida de estafetasAtletismo corrida de estafetas
Atletismo corrida de estafetas
 
Atletismo na escola
Atletismo na escolaAtletismo na escola
Atletismo na escola
 
Atletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e RegrasAtletismo: História, Modalidades e Regras
Atletismo: História, Modalidades e Regras
 
Ginastica acrobática
Ginastica acrobáticaGinastica acrobática
Ginastica acrobática
 
Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]
Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]
Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Corrida de estafetas
Corrida de estafetasCorrida de estafetas
Corrida de estafetas
 
Atletismo corrida de estafetas
Atletismo corrida de estafetasAtletismo corrida de estafetas
Atletismo corrida de estafetas
 
Ginástica Acrobática
Ginástica AcrobáticaGinástica Acrobática
Ginástica Acrobática
 
Arremesso de peso
Arremesso de pesoArremesso de peso
Arremesso de peso
 
Trabalho educação fisica
Trabalho educação fisicaTrabalho educação fisica
Trabalho educação fisica
 
Ginástica acrobática
Ginástica acrobáticaGinástica acrobática
Ginástica acrobática
 
Ginastica de solo e aparelhos
Ginastica de solo e aparelhosGinastica de solo e aparelhos
Ginastica de solo e aparelhos
 
Ginástica de solo
Ginástica de soloGinástica de solo
Ginástica de solo
 
Voleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoioVoleibol documento de apoio
Voleibol documento de apoio
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Atletismo saltos altura_comprimento
Atletismo saltos altura_comprimentoAtletismo saltos altura_comprimento
Atletismo saltos altura_comprimento
 
Medidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
Medidas e Avaliação - Velocidade e AgilidadeMedidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
Medidas e Avaliação - Velocidade e Agilidade
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 

Semelhante a Atletismo

Trabalho de Atletismo - Aconsa
Trabalho de Atletismo - AconsaTrabalho de Atletismo - Aconsa
Trabalho de Atletismo - Aconsa
Ana Carolina
 
Marcha atlética.pptx
Marcha atlética.pptxMarcha atlética.pptx
Marcha atlética.pptx
LEYDIANNEPERCILIABOR
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Andréa Almeida
 
EF: Triatlo
EF: TriatloEF: Triatlo
EF: Triatlo
7F
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Carlos Super
 
Atletismo
Atletismo Atletismo
Atletismo
cristina costa
 
Historico do Atletismo.pptx
Historico do Atletismo.pptxHistorico do Atletismo.pptx
Historico do Atletismo.pptx
LEYDIANNEPERCILIABOR
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Karinne Carrijo
 
Rua x esteira 2fls
Rua   x    esteira 2flsRua   x    esteira 2fls
Rua x esteira 2fls
JORGETORRESAQUAV
 
Atletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptx
Atletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptxAtletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptx
Atletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptx
mgmfernandes
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Ana Clara San
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
A importancia da_tecnica_de_corrida
A importancia da_tecnica_de_corridaA importancia da_tecnica_de_corrida
A importancia da_tecnica_de_corrida
Danielly Santos
 
O atletismo foi um dos primeiros desportos praticados pelo homem
O atletismo foi um dos primeiros desportos praticados pelo homemO atletismo foi um dos primeiros desportos praticados pelo homem
O atletismo foi um dos primeiros desportos praticados pelo homem
misterknight
 
Trabalho de educação física corrida de estadio
Trabalho de educação física corrida de estadioTrabalho de educação física corrida de estadio
Trabalho de educação física corrida de estadio
Márcia Barnabe
 
AULA DE ATLETISMO PARA 6ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
AULA DE ATLETISMO PARA 6ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTALAULA DE ATLETISMO PARA 6ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
AULA DE ATLETISMO PARA 6ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
YAGONBREGA
 
Ciclismo
CiclismoCiclismo
Ciclismo
Marcos Dieison
 
Planeamento inês henriques daegu 2011
Planeamento inês henriques   daegu 2011Planeamento inês henriques   daegu 2011
Planeamento inês henriques daegu 2011
Dyment1
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Alexandro Santana
 
História do atletismo e atletismo na escola
História do atletismo e atletismo na escolaHistória do atletismo e atletismo na escola
História do atletismo e atletismo na escola
Anjo da Luz
 

Semelhante a Atletismo (20)

Trabalho de Atletismo - Aconsa
Trabalho de Atletismo - AconsaTrabalho de Atletismo - Aconsa
Trabalho de Atletismo - Aconsa
 
Marcha atlética.pptx
Marcha atlética.pptxMarcha atlética.pptx
Marcha atlética.pptx
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
EF: Triatlo
EF: TriatloEF: Triatlo
EF: Triatlo
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Atletismo
Atletismo Atletismo
Atletismo
 
Historico do Atletismo.pptx
Historico do Atletismo.pptxHistorico do Atletismo.pptx
Historico do Atletismo.pptx
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Rua x esteira 2fls
Rua   x    esteira 2flsRua   x    esteira 2fls
Rua x esteira 2fls
 
Atletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptx
Atletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptxAtletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptx
Atletismo__Corridas - corrida de barreiras.pptx
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
A importancia da_tecnica_de_corrida
A importancia da_tecnica_de_corridaA importancia da_tecnica_de_corrida
A importancia da_tecnica_de_corrida
 
O atletismo foi um dos primeiros desportos praticados pelo homem
O atletismo foi um dos primeiros desportos praticados pelo homemO atletismo foi um dos primeiros desportos praticados pelo homem
O atletismo foi um dos primeiros desportos praticados pelo homem
 
Trabalho de educação física corrida de estadio
Trabalho de educação física corrida de estadioTrabalho de educação física corrida de estadio
Trabalho de educação física corrida de estadio
 
AULA DE ATLETISMO PARA 6ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
AULA DE ATLETISMO PARA 6ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTALAULA DE ATLETISMO PARA 6ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
AULA DE ATLETISMO PARA 6ª ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL
 
Ciclismo
CiclismoCiclismo
Ciclismo
 
Planeamento inês henriques daegu 2011
Planeamento inês henriques   daegu 2011Planeamento inês henriques   daegu 2011
Planeamento inês henriques daegu 2011
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
História do atletismo e atletismo na escola
História do atletismo e atletismo na escolaHistória do atletismo e atletismo na escola
História do atletismo e atletismo na escola
 

Mais de Rita Pereira

Resumo biologia e geologia 10º e 11º ano
Resumo biologia e geologia 10º e 11º anoResumo biologia e geologia 10º e 11º ano
Resumo biologia e geologia 10º e 11º ano
Rita Pereira
 
Resumo de portugues
Resumo de portuguesResumo de portugues
Resumo de portugues
Rita Pereira
 
Oracoes subordinadas
Oracoes subordinadasOracoes subordinadas
Oracoes subordinadas
Rita Pereira
 
Resumo globalde portugues 10º-ano
Resumo globalde portugues 10º-anoResumo globalde portugues 10º-ano
Resumo globalde portugues 10º-ano
Rita Pereira
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
Rita Pereira
 
Vulcanologia
Vulcanologia Vulcanologia
Vulcanologia
Rita Pereira
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
Rita Pereira
 
Sismologia
Sismologia Sismologia
Sismologia
Rita Pereira
 
Sismologia
Sismologia Sismologia
Sismologia
Rita Pereira
 
Formação do sistema solar
Formação do sistema solarFormação do sistema solar
Formação do sistema solar
Rita Pereira
 
Contributos da sismologia
Contributos da sismologiaContributos da sismologia
Contributos da sismologia
Rita Pereira
 
As rochas
As rochasAs rochas
As rochas
Rita Pereira
 
A terra, um planeta em mudança
A terra, um planeta em mudançaA terra, um planeta em mudança
A terra, um planeta em mudança
Rita Pereira
 
A medida do tempo geológico e a idade da terra
A medida do tempo geológico e a idade da terraA medida do tempo geológico e a idade da terra
A medida do tempo geológico e a idade da terra
Rita Pereira
 
Resumos global de geologia 10º ano
Resumos global de geologia 10º anoResumos global de geologia 10º ano
Resumos global de geologia 10º ano
Rita Pereira
 
Sistema de transporte nos vertebrados
Sistema de transporte nos vertebradosSistema de transporte nos vertebrados
Sistema de transporte nos vertebrados
Rita Pereira
 
A célula
A célulaA célula
A célula
Rita Pereira
 
Distribuição de materia nas plantas
Distribuição de materia nas plantasDistribuição de materia nas plantas
Distribuição de materia nas plantas
Rita Pereira
 
Biosfera
BiosferaBiosfera
Biosfera
Rita Pereira
 
Biosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosferaBiosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosfera
Rita Pereira
 

Mais de Rita Pereira (20)

Resumo biologia e geologia 10º e 11º ano
Resumo biologia e geologia 10º e 11º anoResumo biologia e geologia 10º e 11º ano
Resumo biologia e geologia 10º e 11º ano
 
Resumo de portugues
Resumo de portuguesResumo de portugues
Resumo de portugues
 
Oracoes subordinadas
Oracoes subordinadasOracoes subordinadas
Oracoes subordinadas
 
Resumo globalde portugues 10º-ano
Resumo globalde portugues 10º-anoResumo globalde portugues 10º-ano
Resumo globalde portugues 10º-ano
 
Vulcanologia
VulcanologiaVulcanologia
Vulcanologia
 
Vulcanologia
Vulcanologia Vulcanologia
Vulcanologia
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Sismologia
Sismologia Sismologia
Sismologia
 
Sismologia
Sismologia Sismologia
Sismologia
 
Formação do sistema solar
Formação do sistema solarFormação do sistema solar
Formação do sistema solar
 
Contributos da sismologia
Contributos da sismologiaContributos da sismologia
Contributos da sismologia
 
As rochas
As rochasAs rochas
As rochas
 
A terra, um planeta em mudança
A terra, um planeta em mudançaA terra, um planeta em mudança
A terra, um planeta em mudança
 
A medida do tempo geológico e a idade da terra
A medida do tempo geológico e a idade da terraA medida do tempo geológico e a idade da terra
A medida do tempo geológico e a idade da terra
 
Resumos global de geologia 10º ano
Resumos global de geologia 10º anoResumos global de geologia 10º ano
Resumos global de geologia 10º ano
 
Sistema de transporte nos vertebrados
Sistema de transporte nos vertebradosSistema de transporte nos vertebrados
Sistema de transporte nos vertebrados
 
A célula
A célulaA célula
A célula
 
Distribuição de materia nas plantas
Distribuição de materia nas plantasDistribuição de materia nas plantas
Distribuição de materia nas plantas
 
Biosfera
BiosferaBiosfera
Biosfera
 
Biosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosferaBiosfera-divesidade na biosfera
Biosfera-divesidade na biosfera
 

Atletismo

  • 1. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PATAIAS Atletismo Prof. Ana Maçãs Ano Lectivo 2010/2011
  • 2. Escola E.B. 2/3 de Pataias ANÁLISE DO ATLETISMO E DESENVOLVIMENTO DE UMA ESTRUTURA DE CONHECIMENTOS Habilidades Motoras CORRIDAS Estafetas Velocidade Saltos Lançamentos Fundo Partida de pé Técnica de transmissão Técnica Francesa Partida de blocos Vozes de comando Posição inicial Fase de aceleração Apoio teórico de Atletismo Técnica de corrida Vozes de comando Fase de apoio Postura Fase de Suspensão Posição de partida Coordenação Recepção Membros superiores e inferiores 2
  • 3. Escola E.B. 2/3 de Pataias Habilidades Motoras Corridas Dardo LANÇAMENTOS Peso Martelo Pega SALTOS Dardo Horizontais Verticais Comprimento Fases Altura Corrida preparatória Preparação Deslizamento Arremesso Recuperação Chamada Técnica de voo / Transposição Queda Apoio teórico de Atletismo 3
  • 4. Escola E.B. 2/3 de Pataias ATLETISMO Conceitos Psicossociais Cultura Desportiva Fisiologia do Treino Condição Física Regras História Caracterização da modalidade Velocidade Velocidade Pura Fundo Barreiras 100 m M/F 100 m F 200 m M/F 110 m M 400 m M/F 400 m F/M Apoio teórico de Atletismo Habilidades Motoras Meio-fundo 3000 m 3000 m obstáculos 5000 m 10 000 m Meia-Maratona Maratona 800 m 1500 m Marcha 20 km F 50 km M 4
  • 5. Escola E.B. 2/3 de Pataias CULTURA DESPORTIVA BREVE REVISÃO HISTÓRICA O Atletismo é a modalidade desportiva mais antiga que se conhece. A história do Atletismo e o seu aparecimento, confunde-se com o da própria humanidade. Correr, saltar e lançar são gestos naturais praticados por todos os seres humanos desde os mais longínquos tempos e constituem, por isso, os padrões motores básicos que utilizamos no nosso dia-a-dia. Antes de existir oficialmente como modalidade já o homem corria atrás dos animais, saltava para ultrapassar os obstáculos e lançava pedras para se defender ou para caçar, com o objectivo de sobreviver. O atletismo, para o Homem, não é, portanto, mais que a utilização natural do seu património motor. As suas origens remontam à Grécia antiga e aos primeiros Jogos Olímpicos, realizados no ano de 776 a.C.. Por isso, pode-se dizer que o Atletismo se apresenta como a forma mais antiga de organização desportiva. O primeiro campeonato oficial de atletismo a nível mundial só viria a ser institucionalizado em 1983. Na era moderna dos Jogos Olímpicos (iniciada em 1896), o atletismo marcou a sua presença, evoluindo consideravelmente a todos os níveis, tornando-se deste modo um dos desportos fundamentais da realização deste evento. Entre 1880 e 1920 formaram-se associações de atletismo um pouco por todo o mundo. A Federação Internacional de Atletismo Amador foi fundada em 1912 e é ainda hoje a entidade responsável pelas competições internacionais. A Federação Portuguesa de Atletismo foi criada em 1921, então com o nome de Federação Portuguesa de Sports Atléticos (FPSA), contando somente com a inscrição de seis clubes. Considerado como o “Desporto universal”, o atletismo foi a disciplina de base de todos os outros desportos. O Atletismo em Portugal Fazendo a referência à história do Atletismo em Portugal, pode-se dizer que a primeira prova oficial da modalidade foi organizada pela Sociedade Promotora de Educação Física Nacional, a 26 de Junho de 1910, com o título “Jogos Olímpicos Nacionais”. Apoio teórico de Atletismo 5
  • 6. Escola E.B. 2/3 de Pataias Estes torneios prosseguiram até cerca de 1914, ano em que uma dissidência levou alguns clubes a fundarem a Federação Portuguesa de Sports, cuja actividade durou até 1916. Desde essa data até à fundação da Federação Portuguesa de Atletismo, em 5 de Novembro de 1921, o Atletismo manifestou-se apenas em organizações particulares à custa do esforço de alguns clubes. Actualmente as competições oficiais estendem-se praticamente ao longo do ano inteiro, organizadas pelas Associações Regionais e pela Federação, sendo os Campeonatos Nacionais Masculinos (individuais e por equipas) os mais importantes conjuntos de provas que se efectuam em Portugal. Embora lento, o progresso do Atletismo Nacional não deixou de se verificar. Para tal, tem contribuído de certa forma, a participação de atletas e equipas nacionais em competições internacionais, e a conquista de alguns títulos. De todos os títulos conquistados, importa referir os alcançados por Carlos Lopes e Rosa Mota. Esta última foi a vencedora da primeira maratona feminina, realizada num campeonato da Europa em 1982 em Atenas e medalha de ouro na maratona Olímpica de Seul em 1988. Carlos Lopes foi também medalha de ouro na maratona Olímpica mas nos Jogos de 1984 em Los Angeles. Mais recentes foram os resultados alcançados por Fernanda Ribeiro, com a medalha de ouro alcançada nos 10.000m dos Jogos Olímpicos de Atlanta em 1996 e por Paulo Guerra, com o título de Campeão Europeu de Corta-mato. Mais recentes ainda foram as medalhas de Francis Obikwelu e Rui Silva nos Jogos de Atenas 2004 (prata nos 100 e bronze nos 1500m, respectivamente). Todos estes resultados mostram como o Atletismo se apresentou sempre como a modalidade com melhores resultados internacionais do nosso país bem como a modalidade com mais participações Olímpicas. Caracterização da modalidade O Atletismo é uma modalidade composta por 4 grandes grupos de disciplinas que, por sua vez, englobam outras várias disciplinas: Apoio teórico de Atletismo 6
  • 7. Escola E.B. 2/3 de Pataias - Velocidade - Meio-fundo - Fundo Corridas - Barreiras - Estafetas - Obstáculos - Maratona - Marcha - Altura Saltos - Comprimento - Triplo - Vara - Peso Lançamentos - Dardo - Disco - Martelo - Triatlo - Pentatlo Provas Combinadas - Heptatlo - Decatlo As provas de corrida e de marcha podem ser realizadas em estrada, em corta-mato ou em pista (Figura 1). Todas as outras apenas são passíveis de ser realizadas em pista. No entanto nestes últimos Jogos Olímpicos assistimos à realização do lançamento do peso num local lendário, que não numa pista convencional, onde tinham sido realizados os primeiros Jogos Olímpicos. Apoio teórico de Atletismo 7
  • 8. Escola E.B. 2/3 de Pataias Figura 1. Pista de Atletismo de uma vista vertical Apesar do Atletismo ser a modalidade que com mais impacto dos Jogos, nem todas as suas disciplinas são disciplinas Olímpicas. As corridas disputadas no âmbito dos Jogos Olímpicos dividem-se em três grupos: (i) provas de velocidade, das quais fazem parte as distâncias de 100, 200 e 400 m, e estafetas; (ii) as provas de meio-fundo e fundo, compreendendo os 800, os 1500, os 5000 e os 10 000 m, os 3000 m obstáculos e a meia-maratona; e (iii) a maratona, uma longa corrida realizada em estádio e estrada. As corridas com barreiras, incluídas nas provas de velocidade, efectuam-se em 110, 200 e 400 m para homens, e 100 e 400 m para senhoras. As provas de saltos incluem o salto em altura, o salto em comprimento, o triplo salto e o salto à vara. Os lançamentos fazem todos parte do calendário de provas Olímpicas. Existem ainda as provas combinadas, especialidades que abarcam um conjunto de modalidades atléticas, compreendendo provas de corrida, lançamento e salto. Apesar de, como já vimos, o Atletismo ser considerado a base de todos os desportos, este é por vezes visto como um “parente pobre” das modalidades desportivas, sendo que é, não raras vezes, a desmotivação dos próprios professores que induz reacções negativas por parte dos alunos quando confrontados com actividades nesta área. Aliás é frequente que quando o professor transmite aos alunos que a modalidade a abordar é Apoio teórico de Atletismo 8
  • 9. Escola E.B. 2/3 de Pataias Atletismo, se ouça das suas bocas aquela angustiada exclamação: “Correr?!...” (Rolim, 2003). Urge pois restituir ao Atletismo o importante carácter formativo que indiscutivelmente possui, ainda que isso exija uma reformulação ou apenas uma reorientação das estratégias e meios comummente usados na abordagem da modalidade, com vista a torná-la mais apelativa e estimulante aos alunos (Rolim, 2003). REGRAS Antes de abordar as regras das diversas disciplinas do atletismo deve-se ter em mente que estas, excepto as básicas para a prática, devem ser transmitidas em função das necessidades que vão surgindo (Rolim, 2003). Existem grupos de disciplinas com regras algo complexas e outros com regras bastante simples. As regras das disciplinas pertencentes ao grupo das corridas não são complexas. Na verdade são muito simples e em número reduzido tendo em conta as outras disciplinas. Corridas As regras para o grupo das corridas são bastante simples. Para o a disciplina de corrida de resistência a única regra que é mesmo necessária abordar é o cumprimento do percurso pré-definido. Corrida de Velocidade Na disciplina das corridas de velocidade as regras já são em maior número. Poderíamos mencionar um maior número de regras, mas não é pertinente que assim seja. As regras básicas das corridas de velocidade são as seguintes:  Apoio teórico de Atletismo Nas provas oficiais é obrigatória a partida com blocos; 9
  • 10. Escola E.B. 2/3 de Pataias  É falsa partida sempre que um concorrente sai do seu lugar antes de ser dado o sinal de partida ou simultaneamente com este. Quando ocorre uma falsa partida, o atleta é desclassificado;  As corridas disputam-se em corredores individuais, delimitados por linhas;  O atletas que sair do corredor que lhe foi destinado, e deste facto tirar vantagem ou prejudicar outros concorrentes, é desqualificado. Corrida de Estafetas As regras das corridas de estafetas são em tudo semelhantes às das corridas de velocidade acrescentando as regras referentes à passagem do testemunho e zona de transmissão. Estas últimas são as seguintes:  Apenas o primeiro corredor realiza partida dos blocos;  O testemunho tem ser entregue em mão e dentro da zona de transmissão;  Além da zona de transmissão existe ainda uma zona de balanço de onde parte o atleta que vai receber o testemunho;  Se o testemunho cair o atleta poderá voltar a apanha-lo desde que daí não resulte o prejuízo de nenhum dos adversários. Corrida de Barreiras A corrida de barreiras é também uma corrida de velocidade em que o corredor tem de ultrapassar um conjunto de obstáculos em sucessão. Nas provas de 100m (senhoras) e 110m (homens) existem 10 barreiras, espaçadas entre si 8,5 metros e 9,14 metros, respectivamente. A altura das barreiras para os homens é de 1,07m e para as senhoras de 0,84cm. As barreiras podem ser derrubadas desde que não o sejam com intencionalidade. Se tal acontecer, o corredor é desclassificado. As corridas são realizadas em pistas individuais e os atletas devem permanecer na sua pista até ao final da prova. A passagem das barreiras deve ser iniciada sempre com a mesma perna. Apoio teórico de Atletismo 10
  • 11. Escola E.B. 2/3 de Pataias A transposição das barreiras deve ser feita o mais rasante possível (junto à barreira), de forma a não perder velocidade. Deve-se manter o ritmo das passadas entre as barreiras (o mesmo número de passadas entre as barreiras, três passadas ou quatro apoios). A impulsão não se deve fazer muito perto das barreiras, para evitar derrubá-las. Saltos Salto em altura As regras de salto em altura são já um pouco mais complexas que as da corrida e difíceis de avaliar. Uma das razões é a maior possibilidade de ocorrência de situações de batota. Refiro-me mais especificamente ao momento de transposição da fasquia onde por vezes poderá ser difícil julgar se o atleta segurou a fasquia ou não e às regras de subida da fasquia e renúncia de alturas. Na Escola estas não serão problema, pois novamente apenas nos seguiremos pelas mais básicas:  O salto é válido desde que se transponha a fasquia sem a derrubar e se execute a chamada a um só pé;  O salto é considerado nulo e, portanto, tentativa falhada, se o concorrente derrubar a fasquia ou se tocar o terreno para além do plano dos postes;  Cada concorrente dispõe de um máximo de 3 tentativas para ultrapassar a fasquia.  O concorrente que execute 3 tentativas falhadas consecutivas é eliminado. Salto em comprimento As regras do salto em comprimento para a sua abordagem na Escola são também bastante simples:  Cada saltador tem um determinado número de tentativas; Apoio teórico de Atletismo 11
  • 12. Escola E.B. 2/3 de Pataias  O melhor resultado de todas as tentativas é considerado o resultado final;  O último apoio da corrida de balanço não poderá tocar a linha de validade;  Depois do salto, o saltador terá de sair para a frente da marca que realizou;  O Resultado é medido desde a tábua de chamada e o contacto com a areia mais próximo desta. Lançamentos Lançamento do peso  O peso tem que se manter encostado ao pescoço até ao acto de lançamento;  Após lançamento a saída do círculo de tem de ser feita pela metade de trás do mesmo;  O lançador pode tocar a antepara na sua face anterior mas não a pode calcar superiormente;  Não pode sair do círculo de lançamento sem que o engenho toque o solo. HABILIDADES MOTORAS  Corridas Técnica de corrida A técnica de corrida foi escolhida para a primeira abordagem por considerarmos que constitui, ao nível das aprendizagens e adaptações no âmbito do Atletismo, um meio de aquisição de determinadas sensações motoras fundamentais à aprendizagem de todos os outros gestos técnicos da modalidade. Apoio teórico de Atletismo 12
  • 13. Escola E.B. 2/3 de Pataias Com o intuito de proporcionar aos alunos um ensino de qualidade, os exercícios técnicos desempenham naturalmente uma importante decisão pedagógica. A técnica de corrida é o único conteúdo que percorre longitudinalmente toda a unidade temática. A corrida é considerada uma tarefa motora de carácter cíclico e de estrutura rítmica variável ou invariável, em que fases de apoio são alternadas com fases de suspensão. Isolando num ciclo de movimento a acção de uma perna, podemos distinguir dois momentos na fase de apoio como na fase de suspensão. Após o contacto do pé com o solo devem observar-se duas acções distintas:  Uma anterior, dirigida da frente para trás, com o objectivo de provocar uma passagem, tão rápida quanto possível, do corpo pelo apoio;  Uma posterior, dirigida de trás para a frente por extensão da perna, que provoca a projecção do corpo para a frente. A estas duas acções segue-se a fase de suspensão até se iniciar idêntico movimento da outra perna (Figura 2). Após a perda de contacto com o solo, a perna realiza uma acção circular, que é habitualmente decomposta em balanço atrás e balanço à frente (Figura 3). O contacto do pé com o solo deve realizar-se no eixo da corrida, variando a superfície de apoio de acordo com a intensidade de corrida. Assim, para uma intensidade máxima o pé toma contacto pelo terço anterior do seu bordo externo, enquanto que para intensidades média e fraca o apoio tende a ser realizado sobre a região externa do metatarso e do tarso (Figura 4). Apoio teórico de Atletismo 13
  • 14. Escola E.B. 2/3 de Pataias Figura 2. Cada passada de corrida compreende quatro fases: Apoio à frente, impulsão, recuperação e balanço. Figura 3. A perna está flectida durante a fase de recuperação; O joelho eleva-se para a frente e para cima durante a fase de balanço à frente. Figura 4. Fase de apoio: apoiar o terço anterior do pé na fase de apoio à frente; Extensão total das articulações do tornozelo, joelho e coxa durante a fase de impulsão. Apoio teórico de Atletismo 14
  • 15. Escola E.B. 2/3 de Pataias Os exercícios descritos para o desenvolvimento da técnica de corrida são inúmeros:  Skipping tíbio-társico;  Skipping baixo, médio e alto;  Skipping MI estendidos à frente;  Skipping nadegueiro ou atrás;  Movimento dos MS a 90º parado;  Saltitar simples;  Corrida saltada;  Step’s;  Hop’s;  Movimento dos MS para o skipping baixo;  Skipping baixo para skipping alto;  Skipping assimétrico (baixo ou médio + médio ou alto);  Skipping assimétrico (atrás + baixo);  Step + hop;  Skipping progressivo de baixo até à corrida;  Corrida em velocidade progressiva;  In–out’s. VELOCIDADE Entende-se por velocidade a capacidade de executar tarefas motoras no mínimo lapso de tempo, com uma intensidade máxima e com uma duração não superior a 6/8”. Nesta capacidade consideramos distintamente a velocidade de reacção e a velocidade cíclica. No desenvolvimento da velocidade de reacção pretendemos que os alunos reajam de forma veloz e explosiva a um determinado estímulo, seja ele de natureza visual ou auditiva. A orientação da estimulação aponta no sentido das partidas de pé, outro dos conteúdos previstos nesta unidade temática. Quanto à velocidade cíclica, ela será desenvolvida no decurso das aulas, sempre inserida em situações de carácter lúdico e visando sempre que as distâncias a percorrer não sejam vistas como um fim mas sim Apoio teórico de Atletismo 15
  • 16. Escola E.B. 2/3 de Pataias como um meio. No final da abordagem desta capacidade será feita a sua avaliação através da repetição do teste de velocidade contemplado nos testes de condição física, os 60 metros planos. A corrida é a capacidade natural que o Homem possui de se deslocar rapidamente, alternando o apoio de um pé com a suspensão, mas é um movimento natural que só se optimiza mediante um rigoroso e específico processo de ensino-aprendizagem. A corrida de velocidade, cuja distância a percorrer é curta, é efectuada o mais rapidamente possível. Na corrida de velocidade existem quatro fases: 1. Partida 2. Aceleração 3. Velocidade máxima 4. Perda de velocidade ou aceleração negativa Partidas Partida de pé A abordagem deste conteúdo insere-se no desenvolvimento da velocidade de reacção, sendo que passam a estar presentes neste conteúdo considerações de ordem regulamentar. A partida de pé pode ser dividida em 2 fases: 1. A primeira corresponde à voz “aos seus lugares”; 2. A segunda corresponde ao sinal de partida. Posicionamento inicial: • Pés no eixo da corrida; • Pernas flectidas; • Tronco inclinado à frente; • Peso corporal na perna da frente; • Cabeça no prolongamento do tronco; Apoio teórico de Atletismo 16
  • 17. Escola E.B. 2/3 de Pataias • Olhar para 1-2m à frente da linha de partida; • Calcanhares elevados; • Braços em oposição às pernas. Movimentação: • Deve desequilibrar-se o corpo à frente; • A perna mais avançada deve empurrar energicamente o corpo para a frente e a mais atrasada deve avançar de uma forma dinâmica; • Os braços devem movimentar-se de uma forma enérgica; • O tronco deve levantar-se progressivamente; • Os apoios inicialmente não são colocados debaixo do Centro de Gravidade mas sim atrás dele, deslocando-se progressivamente para o alinhamento vertical (ao mesmo tempo que o tronco). Partida de blocos A partida de pé pode ser dividida em 3 fases: 1. A primeira corresponde à voz “aos seus lugares” que tem como critério uma posição equilibrada estando o peso equitativamente distribuído pelos 2 membros inferiores, numa atitude descontraída, com um pé ligeiramente à frente do outro e o tronco numa posição vertical. 2. A segunda corresponde à voz, “pronto”, há um tensionamento de todo o corpo, tipo mola, onde o seu peso assenta fundamentalmente no membro inferior adiantado. A posição dos membros superiores deve ser simétrica em relação aos membros inferiores. A linha de ombros avança relativamente à linha de partida, criando-se assim um equilíbrio instável a aproveitar no momento da partida. 3. A terceira corresponde ao sinal de partida. Nesta pretende-se um sincronismo entre os membros superiores e inferiores. É necessário criar situações a fim que o aluno não “se levante” logo após o sinal de partida, uma vez que a primeira parte da corrida é realizada em desequilíbrio. Apoio teórico de Atletismo 17
  • 18. Escola E.B. 2/3 de Pataias Distância standard dos blocos relativamente à linha: _ 1,5pés o bloco da frente; _ 2,5 pés pé o bloco de trás. Posicionamento inicial: • Mãos no solo mais afastadas que os ombros; • Polegar e indicador afastados e paralelos à linha de partida; • O peso do corpo distribui-se pelos 5 apoios (dois pés, um joelho e duas mãos); • O joelho da perna de trás apoia no solo. Posição de “prontos” • Peso do corpo distribui-se pelos 4 apoios, com predominância dos braços; • Ombros avançam ligeiramente para além da vertical; • Bacia sobe até que o joelho da frente atinja sensivelmente os 90 graus; • Bacia sobe um pouco mais alto que o nível dos ombros; • Não se deve olhar em frente, mas sim para baixo, eventualmente para a linha da partida; • O pé que fica mais atrás deve estar totalmente encostado ao bloco em pré tensão. Partida • Avanço do corpo através da extensão enérgica da perna da frente; • Os braços saem simultaneamente do solo e movimentam-se alternada e vigorosamente; • A amplitude da passada aumenta progressivamente; • O tronco atinge a vertical progressivamente; • Os Apoios passam para baixo do centro de gravidade progressivamente. ESTAFETAS A corrida de estafetas possui um grande potencial formativo, por um lado pelo trabalho de domínio sobre si mesmo, de cálculo de velocidades e de domínio de uma técnica – a de transmissão – e por outro por ser uma actividade em equipa em que todos realizam a Apoio teórico de Atletismo 18
  • 19. Escola E.B. 2/3 de Pataias mesma tarefa, todos são importantes e onde é fundamental o espírito de grupo. Esta pode ser definida como o levar de um testemunho o mais rapidamente possível da linha de partida à linha de chegada, e por isso, evitar uma perda sensível da velocidade nas passagens do testemunho. A passagem do testemunho de um corredor a outro deve obrigatoriamente efectuar-se de mão em mão e em zonas regulamentares de 20 metros (zona de transmissão). Para as estafetas de 4x60m a 4x200m, uma zona de balanço de 10 metros precede a zona de transmissão (Figura 5). Figura 5. Zona de transmissão e de balanço regulamentares. A técnica específica a ensinar será a ascendente (Figura 6), executada sem qualquer referência visual excepto para o início de corrida do receptor do testemunho (Figura 7). Começaremos pelo ensino da pega do testemunho, realizada pela parte posterior do mesmo, passaremos para a transmissão sem referências visuais, apenas sonoras, realizada em corrida lenta ou mesmo a passo, e terminaremos com situações semelhantes mas em velocidade crescente e nas marcas respectivas. Acresce-se que a formação das equipas em situações Figura 6. Técnica de transmissão do testemunho ascendente. Apoio teórico de Atletismo 19
  • 20. Escola E.B. 2/3 de Pataias Figura 7. Referência visual de início de corrida para a transmissão do testemunho. Descrição Técnica/Critérios de êxito Partida Do que inicia a corrida:  Idêntica à partida para uma corrida de velocidade;  Testemunho seguro entre o polegar e o indicador e envolvido pelos outros dedos. Dos receptores: De pé:  O receptor coloca-se em pé, ocupando a parte interna ou externa do corredor, conforme vá receber o testemunho com a mão direita ou a esquerda;  Linha de ombros paralela ao eixo da pista;  Pés orientados no sentido da corrida, um à frente do outro. 1º passos:  Impulsões completas;  Tronco vai-se endireitando progressivamente;  Cabeça mantém-se descontraída;  Passar rapidamente para o interior do corredor. Velocidade máxima  Manutenção de elevada frequência;  Aumento da amplitude dos passos; Apoio teórico de Atletismo 20
  • 21. Escola E.B. 2/3 de Pataias  Corrida alta e bem circulada;  Extensão completa dos membros inferiores na impulsão;  Tronco próximo da vertical;  Oscilação controlada dos membros superiores;  Braço e antebraço formam um ângulo de 90º; Corrida de transmissão De quem transmite:  Deve ser reduzida o menos possível a velocidade;  Continuar no seu corredor, até que todas as transmissões tenham terminado.  Começar a correr 10 metros antes da zona de transmissão;  Concentrar a atenção na marca de partida e no companheiro que dele se aproxima;  Cabeça virada para trás, a fim de reduzir ao mínimo a torção do tronco;  Manter-se junto à linha exterior ou interior da sua pista, conforme o método que utilizar. Transmissão  Membro superior receptor em extensão atrás, alto e ao lado do corpo;  Membro superior transmissor em extensão à frente;  Palma da mão receptora virada para trás, com dedos a apontar o solo;  Transmissão de baixo para cima;  Testemunho entregue com firmeza e segurança na mão do atleta que recebe;  Dar sinal para o colega que vai receber, para ele estender o braço para trás;  Testemunho colocado activamente na mão do colega, entre o polegar estendido e os outros 4 dedos unidos. Apoio teórico de Atletismo 21
  • 22. Escola E.B. 2/3 de Pataias Métodos de transmissão Método de transmissão exterior: O atleta que transmite, traz o testemunho na mão esquerda e passa o testemunho para a mão direita do receptor. Após a recepção, o atleta que recebeu faz a mudança do testemunho para a outra mão. Método de transmissão interior: O atleta que transmite, traz o testemunho na mão direita, aproxima-se do atleta que recebe pelo lado de dentro e passa-lhe o testemunho para a mão esquerda. Após a recepção o atleta que recebeu faz a mudança para a outra mão Método de transmissão misto ou de “Frankfurt”: É uma combinação dos outros dois métodos, em que as 1ª e 3ª transmissões são executadas pelo lado de dentro, e a 2ª pelo lado de fora. Os atletas que transportam o testemunho, seguram-no nas curvas com a mão direita e nas rectas com a mão esquerda, não sendo necessário haver mudança do testemunho para a outra mão, do atleta que recebe o testemunho. Erros Mais Comuns Partida o Dos receptores: o Inicia-se com muita antecedência. o Inicia-se tardiamente. Corrida de transmissão o Demasiado lenta (do receptor); o Estar parado no momento da transmissão; Apoio teórico de Atletismo 22
  • 23. Escola E.B. 2/3 de Pataias Transmissão o O aluno que recebe o testemunho vira-se par trás; o O aluno que transmite o testemunho estende-o demasiado cedo; o O aluno que recebe o testemunho, estende o braço atrás prematuramente; o Receber o testemunho com a mão errada; o O testemunho cai no chão, por precipitação na transmissão. CORRIDA DE RESISTÊNCIA Para o desenvolvimento da corrida de resistência, Rolim (2003) sugere como principais objectivos a ser definidos para esta etapa etária os seguintes:  Desenvolvimento da resistência aeróbia;  Aprender a gerir e a dosear o esforço;  Conhecer o seu corpo, potencialidades e limites. Em função destes objectivos são princípios fundamentais a transmitir aos alunos:  A continuidade do esforço;  A descoberta do potencial;  Uniformidade do ritmo;  Escolha da velocidade ideal de corrida. No que diz respeito à duração do esforço, tempos de 12 a 20 minutos é considerado bastante satisfatório. De acordo com o mesmo autor, no âmbito da escola não se justificam tempos superiores. Apoio teórico de Atletismo 23
  • 24. Escola E.B. 2/3 de Pataias CORRIDA DE BARREIRAS A corrida de barreiras é constituída por 5 fases distintas: 1 - Partida e Aproximação à 1ª Barreira Componentes Criticas: - Até à primeira barreira o atleta tem de adquirir uma velocidade em que o comprimento da passada aumenta progressivamente até ao último passo, o qual será mais curto que o anterior. 2 - Impulsão Componentes Criticas: - Pé da perna de impulsão deve apoiar-se no eixo da corrida, ao mesmo tempo, a outra perna efectua o ataque à barreira - Perna de ataque para a frente e para cima, flectida; - Tronco inclina-se para ficar no prolongamento da perna de impulsão, a cintura e os ombros devem estar no sentido da corrida; - A perna de impulsão só deixa o contacto com o solo depois da sua extensão. 3 - Transposição Componentes Criticas: - Flexão do tronco sobre a perna de ataque, com a ajuda do braço do lado oposto desta; - A perna de ataque deve passar a barreira semiflectida, para a frente e para baixo; - A perna de impulsão, na passagem da barreira, deve flectir lateralmente (abdução) e o braço do mesmo lado deve ser levado um pouco à frente do tronco, flectido; - Na fase final, a perna de ataque alonga-se para a frente e para baixo, naturalmente, facilitando a acção do corpo para o movimento da perna de passagem. Apoio teórico de Atletismo 24
  • 25. Escola E.B. 2/3 de Pataias 4 - Corrida entre Barreiras Componentes Criticas: O ritmo intermédio é de importância capital. O número de apoios deve permitir a passagem das barreiras sem modificar o ritmo e com uma regularidade precisa. 5 - Corrida Terminal Componentes Criticas: Na fase final da corrida (após a última barreira) o atleta acelera em direcção à meta com passadas vigorosas.  Saltos Os saltos dividem-se em horizontais e verticais, conforme o seu componente espacial mais marcante. As fases dos mesmos são comuns, a saber: - corrida preparatória; - chamada ou impulsão; - voo; - queda. A primeira fase, corrida preparatória, é de todas a mais importante e convém relembrar a sua estrutura, principalmente as três últimas passadas, onde, por haver um alongamento na penúltima em relação à passada anterior, há um abaixamento do Centro de Massa (CM), sendo depois o último passo mais curto e a consequente trajectória particular de cada salto. Apoio teórico de Atletismo 25
  • 26. Escola E.B. 2/3 de Pataias A chamada, como é sabido, é a forma de transformar a velocidade linear adquirida ao longo da corrida preparatória numa velocidade mais ou menos ascensional dependendo do salto em questão (Motensen & Cooper, 1984). À corrida preparatória liga-se a velocidade, mormente a componente de aceleração e o sentido rítmico em especial na fase terminal da mesma. Entre a corrida preparatória e a chamada, há uma fase (ligação corrida-impulsão) que se mostra cada vez mais importante à medida que os alunos se tornam cada vez mais rápidos e procuram obter melhores registos nos seus saltos (mais longe ou mais alto). Nesse sentido deverá ser objecto de tratamento particular, exigindo que se crie situações para a sua aprendizagem e consolidação. A chamada, isto é, a transformação de uma velocidade horizontal em duas componentes distintas, depende muito da potência muscular, para além, obviamente, da técnica, que é de importância vital para as fases seguintes. A corrida preparatória É a fase mais importante para o salto. Só se transforma, ainda que parcialmente, em salto a velocidade adquirida até a chamada. O aumento de velocidade, a aceleração, é conseguido por dois meios: 1º - pelo aumento da coordenação do movimento (idades pré-púberes); 2º - pelo aumento da potência muscular (idades púberes e pós-púberes). Não devemos esquecer que o desenvolvimento da força acontece, sobretudo, durante o período pubertário. Número par ou ímpar de passos? Desde há muito que optámos por colocar, no momento da partida, o pé de impulsão à frente, implicando esta decisão um número par de passos (2:4:6:…passos). Por ser de mais fácil assimilação, para além de ajudar a consolidar o pé de impulsão, proporciona uma melhor estruturação e assimilação por parte dos jovens, ajudando a estabelecer e a estabilizar a amplitude da passada. Apoio teórico de Atletismo 26
  • 27. Escola E.B. 2/3 de Pataias Número de passos da corrida preparatória? Nas idades pré-púberes, sugere-se entre 12 e 14 passos. Nas idades púberes e póspúberes, sugere-se entre 14 e 18 passos (15 a 20 m se tivermos condições para tal). Naturalmente que, para possibilitar uma maior exercitação, nomeadamente da ligação corrida-impulsão, parte dos exercícios são realizados com corridas preparatórias mais curtas, excepto nos momentos, cujo objectivo é o ajustamento da corrida preparatória completa. Salto em altura O Salto em Altura pode ser definido como a tentativa de passar por cima de uma barra horizontal (fasquia) colocada a determinada altura, após uma corrida de balanço. Este é uma disciplina do agrado da maioria dos alunos, embora possua características que tornam a sua abordagem, por vezes, inexequível na escola, já que o material que requer – colchões em quantidade e qualidade razoáveis - é caro e não pode facilmente ser improvisado. Quanto à fasquia, a sua ausência é perfeitamente ultrapassável com um elástico, sendo que numa fase de iniciação este poderá mesmo ser o mais aconselhável. A técnica que abordaremos neste ano lectivo é a Fosbury Flop, por ser a mais usada no Atletismo actual, por ser aquela que possibilita maior e mais rápida progressão de rendimento e porque o salto de tesoura já deverá ter sido abordado nos anos lectivos anteriores. A principal característica desta técnica, para além da transposição ser feita de costas para a fasquia, é a fase final da corrida preparatória ter trajectória curvilínea, possibilitando a criação de uma força centrífuga responsável pela transposição da fasquia. Mas a salto em altura é muito mais que uma corrida, é uma elevação após a mesma- importância da impulsão. Outro aspecto a ter em linha de conta é a criação de uma rotação do corpo no espaço. A dissociação da acção dos membros inferiores no momento da impulsão é outro objectivo a ter em conta. Se um dos membros é impulsionador o outro deve, em flexão do joelho, elevar-se o mais possível. Quanto à queda, há que ter essencialmente preocupações de segurança, de modo a que os alunos não percam confiança com uma queda mais dolorosa e que os iniba continuar a sua evolução. Apoio teórico de Atletismo 27
  • 28. Escola E.B. 2/3 de Pataias Técnica de “Fosbury – Flop” É um tipo de salto que consiste na realização de uma corrida rápida, uma chamada activa, transpondo de costas, um obstáculo (fasquia), colocado a determinada altura do solo, apoiado em dois postes, que vai sendo sucessivamente elevado. As fases para a realização do salto em altura são: 1- Corrida de aproximação 2- Chamada 3- Fase aérea; transposição da fasquia 4- Queda Corrida de Aproximação A aproximação caracteriza-se por ser feita em curva durante os últimos passos, pelo menos nos três ou quatro últimos. Aqui, a preparação imediata para a chamada leva o atleta à melhor posição possível. Assim, a corrida de aproximação deverá apresentar os seguintes critérios:  A aproximação faz-se de 9 a 13 passos. O ponto de partida está de 15 a 20m da fasquia e numa perpendicular a ela que passa uns 3 a 5 m por fora do poste mais próximo. Estas diferenças dependem de o atleta começar a aproximação quase em linha recta (com o ponto de partida deslocado para um lado) ou de realizar toda a curva.  O raio da curva é função da velocidade de aproximação. É tanto maior quanto a velocidade aumenta, e vale uns 6 a 8m para rapazes, raparigas e principiantes; para os melhores praticantes, é de 8 a 10m.  A distância do ponto de chamada à fasquia, em regra, é de aproximadamente 1 m para saltos de 2m ou mais. Apoio teórico de Atletismo 28
  • 29. Escola E.B. 2/3 de Pataias Chamada A chamada inicia-se com a perna mais afastada da fasquia, sendo um movimento especialmente explosivo. Enquanto a perna impulsionadora se estende, o tronco erguese até uma posição quase vertical, a preparar a transposição da fasquia. Estes movimentos são auxiliados pelo balanço dos braços e pelos ombros; a fim de favorecer a inclinação da linha dos ombros em relação à fasquia, os braços não podem subir ao mesmo tempo. O braço direito (impulsão esquerda) sobe energicamente, o esquerdo fica em baixo para impedir que o respectivo ombro execute um largo movimento compensatório para o lado de trás e ajuda assim a criar a rotação do corpo em volta do seu eixo longitudinal. A rotação em volta do eixo longitudinal do corpo deve ser produzida principalmente à custa da inflexão da perna do balanço, flectida para dentro, uns 15 a 20º com a direcção da corrida do último passo. A cabeça vira-se para a fasquia, em movimento compensatório, permitindo ao atleta manter o olhar fixo nela enquanto executa estes movimentos. Imediatamente antes de o pé de impulsão abandonar o solo, o tronco encontra-se em posição quase vertical, sobre ele. Transposição da Fasquia e Queda A 1ª fase do voo, a seguir à chamada, caracteriza-se por uma notória descontracção de todo o corpo. Os braços são mantidos junto ao corpo. Esta posição de extensão do corpo, facilita a rotação em torno do eixo longitudinal. A 2ª fase da transposição é iniciada com uma vigorosa pressão das ancas para a frente, visto que os ombros e as pernas do atleta se encontram neste momento em lados opostos da fasquia (faz a ponte). Ao passar a bacia pela fasquia o atleta tem que realizar o movimento compensatório de flexão das ancas. Este movimento é provocado pela cabeça ao inclinar-se para diante (queixo ao peito). Na 3ª fase, o corpo do atleta ganha a forma de um “L” mantida pela contracção muscular, a fim de realizar o contacto com o solo. Os braços afastados, tocam a superfície de contacto em primeiro lugar, iniciando a absorção do choque e preparando a correcta posição do resto do corpo. Apoio teórico de Atletismo 29
  • 30. Escola E.B. 2/3 de Pataias Descrição Técnica/Critérios de êxito Corrida de balanço  em curva na parte final (3 ou 4 últimos passos);aproximação executa-se entre 9 a 13 passos;  ponto de partida deve estar entre 15 a 20 metros da fasquia e numa linha perpendicular a esta, que passa 3 a 5 metros por fora do poste mais próximo;  o raio da curva é função da velocidade de aproximação, sendo maior quando esta aumenta;  na primeira parte da corrida a velocidade aumenta rapidamente, sendo preferível fazê-la quase em linha recta;  ponto de apoio do membro inferior impulsor está entre a projecção vertical da fasquia e a do centro de gravidade do atleta;  na transição para o último passo há um abaixamento do centro de gravidade;  ao começar o último passo, o tronco do saltador começa a “endireitar-se”;  corpo não deve tomar inclinação em direcção à fasquia, pelo contrário, deve conservar-se inclinado para o centro da trajectória de modo a realizar na chamada uma subida quase vertical. Chamada  é realizada pelo membro inferior mais afastada da fasquia, sendo um movimento explosivo;  colocação do pé impulsor, faz-se um pouco fora da trajectória da curva;  enquanto o membro impulsor se estende, o tronco ergue-se até uma posição quase vertical, preparando a transposição da fasquia;  parte da impulsão aplica-se fora do centro de gravidade e produz o binário exigido pela rotação do corpo para a posição horizontal, de costas para a fasquia;  estes movimentos são auxiliados pelo balanço dos membros superiores e dos ombros;  os membros superiores não podem subir ao mesmo tempo, para poderem favorecer a inclinação da linha dos ombros em relação à fasquia; Apoio teórico de Atletismo 30
  • 31. Escola E.B. 2/3 de Pataias  o membro superior do lado do membro impulsor, sobe energicamente, ficando o outro em baixo para impedir que o respectivo ombro execute um largo movimento compensatório para o lado de trás (ajuda a criar a rotação do tronco em volta do seu eixo longitudinal);  a rotação em volta do eixo longitudinal, deve ser produzida principalmente à custa da inflexão do membro inferior de balanço (flectida);  a cabeça vira-se para a fasquia num movimento compensatório, permitindo manter o olhar fixo nela enquanto executa o movimento;  antes do pé do atleta abandonar o solo, o tronco encontra-se numa posição vertical sobre este;  o arqueamento do tronco permite que, neste momento, o prolongamento do membro impulsor se afaste do centro de gravidade para criar o binário exigido pela rotação. Transposição 1ª fase do voo  notória descontracção de todo o corpo;  membro inferior de balanço descai para trás, reunindo-se ao membro impulsor, que se encontra descontraído e pendente;  os membros superiores são mantidos junto ao corpo;  a posição de extensão do corpo facilita a rotação em volta do eixo longitudinal; no momento em que os ombros fazem a transposição, a sua linha está quase paralela à fasquia. 2ª fase do voo  no momento da transposição da fasquia por parte dos ombros, começa a 2ª fase do voo, iniciada com uma vigorosa pressão das ancas para a frente.  visto que os ombros e os membros inferiores se encontram de lados opostos da fasquia, o corpo forma uma espécie de ponte, tendo o atleta neste momento que fazer a transposição da bacia. Apoio teórico de Atletismo 31
  • 32. Escola E.B. 2/3 de Pataias  transposta a fasquia, tem de se realizar rapidamente o movimento compensatório de flexão das ancas, sendo este movimento provocado claramente pela cabeça, que se inclina para diante (a querer tocar o peito com o queixo).  bacia desce por detrás da fasquia e os membros inferiores compensam levantandose.  o tronco procura travar este movimento de queda para trás.  logo que os membros inferiores estiverem perto da fasquia dá-se uma brusca extensão das articulações dos joelhos, levantando estes à posição vertical.  o corpo toma a posição em “L”, mantida através de uma contracção muscular, a fim de realizar o contacto com o colchão. Contacto com o colchão  membros superiores afastados tocam em 1º lugar a superfície de contacto, absorvendo o choque e preparando a correcta posição do resto do corpo.  de seguida o contacto é feito sobre as costas.  transversal ao plano da fasquia. Erros Mais Comuns Corrida de balanço  corrida com fraca aceleração e pouco circular;  desaceleração na fase final;  passadas irregulares;  corrida feita do lado do membro inferior de chamada;  salto com reduzida amplitude por exagerado abaixamento do centro de gravidade durante a penúltima passada; Chamada  a parte superior do corpo inclina-se na direcção da fasquia antes da chamada;  extensão incompleta do membro inferior de chamada; Apoio teórico de Atletismo 32
  • 33. Escola E.B. 2/3 de Pataias  utilização insuficiente dos membros superiores e do membro inferior livre;  perda de velocidade no momento de chamada; Transposição  transposição da fasquia na posição lateral, por rotação insuficiente do membro inferior livre;  não há rotação do tronco;  curvatura das costas insuficiente ou inexistente;  não eleva a bacia;  cabeça em extensão;  posição em “L” ocorre demasiado cedo, antecipando a preparação para a recepção. Contacto com o colchão  recepção feita com a cabeça ou pescoço, por demasiada rotação após a transposição da fasquia;  rotação sobre o eixo transversal durante a recepção. Salto em comprimento O salto em comprimento define-se como uma sucessão de movimentos coordenados, para conseguir fazer o salto com chamada a um pé (na tábua) e o mais longe possível. Por isso é importante nesta actividade desportiva ter velocidade e grande capacidade de impulsão, coordenar a corrida de balanço com as restantes fases do salto. Este salto divide-se em 2 fases principais: 1. Aproximação em corrida de balanço, com mudança de ritmo e cadência nos últimos 3 passos, que finalizam com chamada rápida, devendo ser efectuada com força e óptima coordenação com a fase seguinte; 2. Aérea, voo ou suspensão, que termina com a queda ou recepção na caixa de saltos. Apoio teórico de Atletismo 33
  • 34. Escola E.B. 2/3 de Pataias Técnicas aéreas ou de voo Existem várias técnicas de voo no salto em comprimento, sendo as mais utilizadas:  Técnica de voo em extensão;  Técnica de voo de tesoura. Na técnica em extensão deve-se:  elevar a perna livre para cima e para a frente, flectida;  impelir a perna de impulsão para a frente, flectida;  projectar as pernas para a frente ao mesmo tempo, com o tronco flectido e com os braços em oscilação em círculo, para a frente e para trás;  realizar a recepção ou queda, na caixa de areia, com a flexão dos joelhos, para facilitar o avanço do corpo para a frente, e simultaneamente com projecção dos braços à frente. Técnicas de queda A queda também é uma técnica que poderá ser ensinada aos jovens. Contudo, pela sua complexidade, não é esse ensino um atarefa prioritária. Podemos transmitir ao aluno a ideia da harmónica no momento de recepção ao solo. Quando se tocar com os calcanhares na areia ocorre uma flexão continuada dos joelhos, bacia e tronco num verdadeiro movimento de harmónica. Outra técnica, talvez menos natural, é, após tocar com os calcanhares no solo, executar um movimento do corpo não para diante mas para o lado, projectando-se lateralmente.  Lançamentos A abordagem dos lançamentos da na escola nem sempre é fácil. Podemo-nos deparar com alguns obstáculos que, no entanto, não são difíceis de ultrapassar, tais como (Rolim, 2003):   Apoio teórico de Atletismo Dificuldade de mobilizar toda a turma em simultâneo; O tempo que cada aluno demora a estruturar o acto motor lançar; 34
  • 35. Escola E.B. 2/3 de Pataias  As questões dos espaços adequados, principalmente quando se utilizam engenhos próximos dos institucionais;  Necessidade de se reunir óptimas condições de segurança. O principio básico da aprendizagem de desenvolvimento das técnicas dos diversos lançamentos é a realização de uma acção do corpo do tipo mola-chicote que se desenrola de uma forma ascendente e progressiva, partindo dos apoios e prolongando-se até à pega, fazendo uso das forças dinâmicas entretanto criadas (Rolim, 2003). Este movimento é gerado a partir dos apoios no solo e termina na projecção final. Ou seja, será preciso fixar uma das extremidades (linha dos ombros) e torcer a outra extremidade (os apoios no solo) de forma a criar uma tensão que ao se soltar irá chicotear o engenho. Outro aspecto comum a todos os lançamentos tem a ver com a colocação e actuação da parte esquerda do corpo (para quem é destro claro), ou seja, o principio da colocação rígida de pontos de suporte. Uma boa referência para a aplicação deste princípio é o da travagem brusca de um comboio com pessoas dentro. Quando isto acontece, as pessoas são projectadas na direcção de deslocamento do comboio. Deste modo, as pernas e corpo funcionarão como o comboio e o engenho como o passageiro (Rolim, 2003). A abordagem dos lançamentos deve ser realizada através de diversos jogos de precisão e outros que impliquem por si só o acto de lançar. No entanto, quando o objectivo é já a aproximação ao modelo competitivo, a primeira preocupação é a abordagem da pega. Este princípio vem-nos da desmontagem da técnica global. As fases comuns a todos os lançamentos são: 1. pega do engenho; 2. posição inicial; 3. avanço dos apoios; 4. posição de força; 5. projecção final. Apoio teórico de Atletismo 35
  • 36. Escola E.B. 2/3 de Pataias Contudo, não devemos recorrer somente a métodos analíticos para a exercitação destas 5 fases. O ideal é o uso de métodos analíticos juntamente com métodos de exercitação da técnica global (Rolim, 2003). Peso Actualmente podemos identificar 2 técnicas de lançamento do peso usadas no Atletismo de alto rendimento, técnica rotacional ou Barishnikov e a técnica em translação ou O’Brien. A técnica O’Brien, apesar de não tão rentável, apresenta-se como sendo a técnica de aprendizagem mais fácil de abordar e acessível (Figura 8). Figura 8. Técnica O’Brien completa. Figura 9. Pega e colocação do engenho no pescoço. Apoio teórico de Atletismo 36
  • 37. Escola E.B. 2/3 de Pataias Critérios de êxito:  A pega do engenho apoiando os três dedos internos na mandíbula com o cotovelo afastado do tronco;  A posição inicial sustentando o peso do corpo na perna da frente estando esta flectida;  A posição inicial semi-flectindo a perna livre, mantendo contacto com o solo na ponta do pé.  A posição inicial com o tronco inclinado á frente mantendo um ligeiro desequilíbrio  Deslizamento através de um movimento rasante da perna livre para trás, tentando ganhar velocidade.  Deslizamento com os ombros voltados para o ponto de partida antes de efectuar a rotação.  Posição de força sustentando o peso do corpo na perna da frente com a bacia voltada para o lado.  Ombros na direcção oposta à zona de queda antes de efectuar a rotação.  Rotação e elevação da bacia para a frente.  Cotovelo elevado no acto de lançamento.  Troca de apoios após o lançamento para manter o equilíbrio.  No final do lançamento não ultrapassar o limite anterior do circulo.  Lançamento em duplo apoio.  Extensão total do corpo para cima e para dentro no momento do lançamento. Estas duas últimas variáveis mostram-se, já desde a abordagem aos lançamentos nas idades pré-púberes, como os princípios básicos dos lançamentos. Apoio teórico de Atletismo 37
  • 38. Escola E.B. 2/3 de Pataias Bibliografia Carr, G. (1991). Fundamentals of Track and Field. Champaign IL, Human Kinetics. Ministério da Educação e Investigação Científica (s.d.). Iniciação ao atletismo. Colecção Cultura e Desporto. Lisboa. Portugal. Motensen J. & Cooper J. (1984). Técnicas del atletismo. Edições hispano europeia, 6ª edição. Barcelona. Espanha. Rolim, R. (2003). Atletismo. Apontamentos fornecidos pelo autor no âmbito da cadeira de Didáctica de atletismo. FDCEF-UP. Porto. Vickers, J. (1990). Instructional Design for Teaching Physical Activities. Human Kinetics Books, Champaign, IL. MEC Atletismo 9º A 38