Cultura, Patrimônio e Desenvolvimento  José Márcio Barros [email_address] www.observatoriodadiversidade.org.br
PRECONCEITOS <ul><li>A atividade cultural é vista com freqüência, a partir da economia, como um campo secundário alheio à ...
<ul><li>Por sua vez, existe também, a partir do terreno da cultura, uma certa tendência ao autofechamento, sem buscar ativ...
<ul><li>A cultura  não pode ser tratada como  mero instrumento.  </li></ul><ul><li>O desenvolvimento cultural é um fim em ...
Como pensar a cultura
Tridimensionalidade da Cultura Modos de viver, fazer e criar”  que inauguram referencias, identidades direitos culturais: ...
<ul><li>As 3 dimensões não são naturais e nem espontâneas, resultam de nossas trocas e experiências </li></ul><ul><li>Depe...
<ul><li>O que essa visão demanda das políticas públicas de cultura: </li></ul><ul><li>reconhecer que para além das artes, ...
POR QUE TRATAR DA DIVERSIDADE CULTURAL É TÃO IMPORTANTE?
 
MINHA DESCONFIANÇA <ul><li>Preservação,  proteção e  promoção ainda não se articulam devidamente. </li></ul><ul><li>Os cri...
Como articular cultura, memória e desenvolvimento?
Reconhecendo a diversidade cultural como centro de um projeto de desenvolvimento baseado na memória e na criatividade. Iss...
<ul><li>SUSTENTABILIDADE , ou seja, desenvolvimento que busca integrar passado, presente e perspectiva de futuro  </li></u...
<ul><li>REDUÇÃO  das desigualdades locais, regionais e mundiais e  RESPEITO  aos direitos humanos </li></ul><ul><li>CONSOL...
Pensar a articulação entre a diversidade cultural, a memória e o desenvolvimento , demandaria uma ação multi-direcional:
DIMENSÕES DA  CRIATIVIDADE  PRÁTICAS E TÉCNICAS SUJEITOS SABERES  PRODUTOS E SERVIÇOS
Tornar a memória, criatividade e diversidade “lados de uma mesma moeda” tomadas como BENS mas também como RECURSOS Como re...
Como mostra o Relatório da Unesco (Investir na diversidade e no diálogo intercultural)  as tradições reinventam a si mesma...
<ul><li>Como mostra o Relatório da Unesco (Investir na diversidade e no diálogo intercultural)  as tradições reinventam a ...
ALGUNS DESAFIOS <ul><li>A articulação proposta impõe a necessidade de articular a proteção, especialmente das práticas e e...
<ul><li>A experiência cultural contemporânea é marcada pelo deslocamento, pela mistura, pelo hibridismo. </li></ul><ul><li...
<ul><li>Articular diversidade cultural, memória e criatividade é enfrentar o desafio de relacionar nossas raízes e nossas ...
<ul><li>Essa articulação deve considerar novos modelos de criação, produção, circulação e consumo de bens culturais que nã...
<ul><li>Mapear, entender e se apropriar de novos circuitos e modelos de trocas é fundamental, mas deve considerar alguns d...
Ha um vínculo indissolúvel entre diversidade cultural, patrimônio e a política Diversidade cultural pensada sem a tensa, d...
<ul><li>Para além da preservação das expressões da diversidade cultural </li></ul><ul><li>É preciso promover as condições ...
A perspectiva do desenvolvimento humano
DESENVOLVIMENTO HUMANO NÃO É APENAS CRESCIMENTO ECONÔMICO <ul><li>1 - a substituição da perspectiva de desenvolvimento eco...
2 - o reconhecimento e a articulação equilibrada no projeto de desenvolvimento, de 4 modelos de capital: <ul><li>o CAPITAL...
Como pensar o turismo como agente de um modelo de desenvolvimento humano que proteja e promova a memória e a diversidade?
[email_address] www.observatoriodadiversidade.com.br
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cultura e desenvolvimento de Sabará

1.058 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.058
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
44
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cultura e desenvolvimento de Sabará

  1. 1. Cultura, Patrimônio e Desenvolvimento José Márcio Barros [email_address] www.observatoriodadiversidade.org.br
  2. 2. PRECONCEITOS <ul><li>A atividade cultural é vista com freqüência, a partir da economia, como um campo secundário alheio à via central pela qual se deve tratar de fazer avançar o crescimento econômico. </li></ul><ul><li>É com freqüência tratada como uma área que consome recursos, que não gera retornos sobre o investimento, que é de difícil medição e cuja gerência é de duvidosa qualidade. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Por sua vez, existe também, a partir do terreno da cultura, uma certa tendência ao autofechamento, sem buscar ativamente conexões com os programas econômicos e sociais. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>A cultura não pode ser tratada como mero instrumento. </li></ul><ul><li>O desenvolvimento cultural é um fim em si mesmo . </li></ul>Como superar tais preconceitos
  5. 5. Como pensar a cultura
  6. 6. Tridimensionalidade da Cultura Modos de viver, fazer e criar” que inauguram referencias, identidades direitos culturais: criação, fruição, difusão, identidade, cooperação e participação Cadeia produtiva da cultura Economia criativa
  7. 7. <ul><li>As 3 dimensões não são naturais e nem espontâneas, resultam de nossas trocas e experiências </li></ul><ul><li>Dependem dos sistemas de produção, reprodução e circulação dos bens simbólicos </li></ul>
  8. 8. <ul><li>O que essa visão demanda das políticas públicas de cultura: </li></ul><ul><li>reconhecer que para além das artes, dos circuitos instituídos e dos sujeitos produtores de bens artísticos, as políticas públicas de cultura devem se voltar a todos os sujeitos e cidadãos produtores de bens simbólicos </li></ul>
  9. 9. POR QUE TRATAR DA DIVERSIDADE CULTURAL É TÃO IMPORTANTE?
  10. 11. MINHA DESCONFIANÇA <ul><li>Preservação, proteção e promoção ainda não se articulam devidamente. </li></ul><ul><li>Os critérios de herança e excepcionalidade ainda dominam, mesmo quando migram das elites para as periferias, do material para o imaterial. </li></ul><ul><li>A memória das trocas, o diálogo intercultural e a emergência de um pluralismo simbólico, ainda são ideais inoperados. </li></ul>
  11. 12. Como articular cultura, memória e desenvolvimento?
  12. 13. Reconhecendo a diversidade cultural como centro de um projeto de desenvolvimento baseado na memória e na criatividade. Isso pressupõe:
  13. 14. <ul><li>SUSTENTABILIDADE , ou seja, desenvolvimento que busca integrar passado, presente e perspectiva de futuro </li></ul><ul><li>EQUILIBRIO entre as lógicas do simbólico e as razões de mercado. Relacioná-las de forma produtiva, criativa e respeitosa </li></ul>
  14. 15. <ul><li>REDUÇÃO das desigualdades locais, regionais e mundiais e RESPEITO aos direitos humanos </li></ul><ul><li>CONSOLIDAÇÃO de um modelo democrático de participação e decisão </li></ul>
  15. 16. Pensar a articulação entre a diversidade cultural, a memória e o desenvolvimento , demandaria uma ação multi-direcional:
  16. 17. DIMENSÕES DA CRIATIVIDADE PRÁTICAS E TÉCNICAS SUJEITOS SABERES PRODUTOS E SERVIÇOS
  17. 18. Tornar a memória, criatividade e diversidade “lados de uma mesma moeda” tomadas como BENS mas também como RECURSOS Como realidades dinâmicas, memória, diversidade e criatividade nos remetem a permanências, mas também a mudanças
  18. 19. Como mostra o Relatório da Unesco (Investir na diversidade e no diálogo intercultural) as tradições reinventam a si mesmas. Daí a necessidade de se pensar a diversidade cultural, a memória e a criatividade também em suas relações com as mudanças, as inovações e as trocas e influencias mútuas
  19. 20. <ul><li>Como mostra o Relatório da Unesco (Investir na diversidade e no diálogo intercultural) as tradições reinventam a si mesmas. </li></ul><ul><li>Daí a necessidade de se pensar a diversidade cultural, a memória e a criatividade também em suas relações com as mudanças, as inovações e as trocas e influencias mútuas </li></ul>
  20. 21. ALGUNS DESAFIOS <ul><li>A articulação proposta impõe a necessidade de articular a proteção, especialmente das práticas e expressões em perigo de extinção, com a promoção especialmente sensível às mudanças. </li></ul>
  21. 22. <ul><li>A experiência cultural contemporânea é marcada pelo deslocamento, pela mistura, pelo hibridismo. </li></ul><ul><li>Gerir a diversidade é gerir a relação entre pólos e processos e não a conservação do singular e do passado. </li></ul>
  22. 23. <ul><li>Articular diversidade cultural, memória e criatividade é enfrentar o desafio de relacionar nossas raízes e nossas antenas de forma a equilibrar contextos de inovação e tradições. </li></ul><ul><li>Tanto o novo quanto o tradicional são fontes que alimentam a criatividade e a diversidade. </li></ul>
  23. 24. <ul><li>Essa articulação deve considerar novos modelos de criação, produção, circulação e consumo de bens culturais que não mais cabem na equação centro e periferia. </li></ul>
  24. 25. <ul><li>Mapear, entender e se apropriar de novos circuitos e modelos de trocas é fundamental, mas deve considerar alguns desafios: </li></ul><ul><li>uma face das trocas aponta para a riqueza da interculturalidade, outra para os perigos da padronização e exotização das diferenças pelo mercado . </li></ul>
  25. 26. Ha um vínculo indissolúvel entre diversidade cultural, patrimônio e a política Diversidade cultural pensada sem a tensa, dinâmica e política relação entre sociedade civil, Estado e mercado, e os projetos políticos em disputa, limita-se a um arranjo de diferenças, um mosaico de singularidades curiosas, um calendário de festividades
  26. 27. <ul><li>Para além da preservação das expressões da diversidade cultural </li></ul><ul><li>É preciso promover as condições para continuarmos diferentes, aprendermos a ser diversos e transformarmos esta experiência em uma modo plural de existir </li></ul>
  27. 28. A perspectiva do desenvolvimento humano
  28. 29. DESENVOLVIMENTO HUMANO NÃO É APENAS CRESCIMENTO ECONÔMICO <ul><li>1 - a substituição da perspectiva de desenvolvimento econômico pela perspectiva de desenvolvimento humano medido pelo : </li></ul><ul><li>processo de mudança social e econômica em termos de potencialidades e capacidades do ser humano, </li></ul><ul><li>os graus de liberdade social, econômica e política, </li></ul><ul><li>as oportunidades de saúde, educação, criação e identidade </li></ul><ul><li>a possibilidade de desfrutar de respeito pessoal e dos direitos humanos. </li></ul>
  29. 30. 2 - o reconhecimento e a articulação equilibrada no projeto de desenvolvimento, de 4 modelos de capital: <ul><li>o CAPITAL NATURAL, constituído pela dotação de recursos naturais com que conta um território; </li></ul><ul><li>o CAPITAL CONSTRUÍDO, gerado pelo ser humano, que inclui infra-estrutura, bens de capital, capital financeiro, comercial etc.; </li></ul><ul><li>o CAPITAL HUMANO, determinado pelos graus de nutrição, saúde, cultura e educação de sua população, </li></ul><ul><li>e o CAPITAL SOCIAL, descoberta recente das ciências do desenvolvimento e entendido como conjunto de valores e atitudes </li></ul>
  30. 31. Como pensar o turismo como agente de um modelo de desenvolvimento humano que proteja e promova a memória e a diversidade?
  31. 32. [email_address] www.observatoriodadiversidade.com.br

×