Ed51setembro10

486 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
486
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ed51setembro10

  1. 1. 1 Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  2. 2. 2 Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  3. 3. Editorial Expediente: Conselho Editorial: Antonio Eduardo Tonielo Augusto César Strini Paixão Clóvis Aparecido Vanzella Manoel Carlos de Azevedo Ortolan Manoel Sérgio Sicchieri Oscar Bisson Editora: Cristiane Barão – MTb 31.814 Jornalista Responsável: Carla Rossini - MTb 39.788 Projeto gráfico e Diagramação: Rafael H. Mermejo Equipe de redação e fotos: Carla Rodrigues - MTb 55.115 Marília F. Palaveri Rafael H. Mermejo Comercial e Publicidade: (16) 3946-3311 - Ramal: 2008 comercial@revistacanavieiros.com.br atendimento@revistacanavieiros.com.br Impressão: São Francisco Gráfica e Editora Ltda Tiragem: 11.000 exemplares ISSN: 1982-1530 A Revista Canavieiros é distribuída gratuitamente aos cooperados, associados e fornecedores do Sistema Copercana, Canaoeste e Cocred. As matérias assinadas são de responsabilidade dos autores. A reprodução parcial desta revista é autorizada, desde que citada a fonte. Endereço da Redação: A/C Revista Canavieiros Rua Dr. Pio Dufles, 532 Sertãozinho – SP - CEP:- 14.170-680 Fone: (16) 3946 3311 - (ramal 2190) www.revistacanavieiros.com.br www.twitter.com/canavieiros redacao@revistacanavieiros.com.br 3 Novas tecnologias O crescimento da produção e dos estoques garantirá o abastecimento na entressafra. A afirmação é do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. De acordo com o ministério, o volume de etanol estocado cresceu 57% ainda na segunda quinzena de agosto. Confira essas informações no Destaque deste mês. Ainda com o etanol em pauta, a Reportagem de Capa desta edição traz o lançamento de mais três novas variedades de cana-de-açúcar realizado pelo IAC (Instituto Agronômico) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, em evento que reuniu produtores e autoridades em Ribeirão Preto. Na mesma solenidade, foi inaugurado o Laboratório de Biotecnologia e apresentada a primeira Câmara de Fotoperíodo do país. A entrevista de setembro é com o assessor técnico da Orplana, Enio Roque de Oliveira que foi homenageado pela Assocana, pela sua contribuição as associações de fornecedores. Dr. Enio acompanhou todo o processo de elaboração do Consecana e na entrevista ele faz uma avaliação do sistema. O Ponto de Vista deste mês é assinado pelo empresário Maurílio Biagi, que aborda as transformações sociais sofridas pelo Brasil ao longo de 20 anos e o momento eleitoral pelo qual estamos passando. As Notícias Canaoeste mostram o encontro de produtores rurais realizado durante a XVIII Fenasucro e VIII Agro- RC para o setor cana, organizado pela Canaoeste, Copercana e Sindicato Rural de Sertãozinho. Durante o encontro, que reuniu cerca de 300 produtores, foram discutidos o cenário político para o setor e a reforma do Código Florestal Brasileiro. Em Notícias Copercana o destaque é a Reunião Técnica de Amendoim realizada no auditório da Canaoeste. Durante o evento, professores da UNESP/FCAVJ (Universidade Estadual Paulista), apresentaram os resultados de pesquisas desenvolvidas na safra 2009/10. Já o gerente da Uname, Augusto César Strini Paixão, conversou com os produtores sobre perspectivas de mercado atual e futuro. O advogado da Canaoeste, Juliano Bortoloti, assina a secção Assuntos Legais, que nesta edição alerta sobre a ADA (Ato Declaratório Ambiental), que tem o prazo de entrega final no dia 30 de setembro. Nesta declaração constará a situação ambiental da propriedade rural, que será informada obrigatoriamente ao IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) sobre as áreas de preservação permanente, reserva legal e outras áreas de proteção ambiental. Além de todas essas informações, não deixe de conferir o resultado da safra de grãos 2009/10, que chegou ao recorde de 149 milhões de toneladas. Ainda há também as informações setoriais, divulgadas pelo assessor técnico da Canaoeste, Oswaldo Alonso, dicas de leitura e português. Boa leitura! Conselho Editorial Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  4. 4. 4 Ano V - Edição 51 - Setembro de 2010 Indices: Capa - 20 IAC apresenta novas variedades e tecnologias Em evento realizado em Ribeirão Preto, Instituto Agronômico lançou três variedades, inaugurou o Laboratório de Biotecnologia e apresentou a Câmara de Fotoperíodo 05 - Entrevista E mais: Assuntos Legais .................página 17 Enio Roque de Oliveira Assessor técnico da Orplana Um balanço sobre o Consecana Circular Consecana 08 - Ponto de Vista Safra de Grãos Presidente da MAUBISA e membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República-CDES 10 - Notícias Copercana .................página 18 .................página 19 Informações Setoriais .................página 26 Destaque - Fenasucro e Agrocana movimentam R$ 2,4 bilhões .................página 30 - Encontro de produtores discute cenário político e legislação ambiental Repercutiu 16 - Notícias Canaoeste 28 - Notícias Cocred .................página 34 - Balancete Mensal 32 - Cultura de Rotação - Copercana realiza reunião técnica de amendoim para produtores Durante o evento foram apresentados resultados de pesquisas realizadas na safra 2009/10 Classificados .................página 36 Agende-se .................página 37 Classificados .................página 38 Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  5. 5. 5 Entrevista com: Enio Roque de Oliveira Assessor técnico da Orplana Cristiane Barão Homenageado pela Assocana, com sede em Assis, pela sua contribuição às associações de fornecedores, o assessor técnico da Orplana (Organização dos Plantadores de Cana da Região Centro-Sul do Brasil), Enio Roque de Oliveira, dá nome ao Laboratório de Avaliação da Qualidade da Matéria-prima, inaugurado pela associação no mês passado. O doutor Enio, como é conhecido, acompanhou todo o processo de elaboração do Consecana e faz uma avaliação do sistema. Um balanço sobre o Consecana Canavieiros: O senhor foi homenageado em Assis, pela sua contribuição ao setor e às associações de fornecedores de cana. Que balanço faz sobre a evolução das associações? Enio Roque de Oliveira - Cremos que o advento do sistema de pagamento da cana-de-açúcar pela qualidade foi o início de um novo ciclo de evolução de todo o setor da agroindústria da cana-de-açúcar e das associações de fornecedores, em particular. Graças à decisiva participação dessas associações de classe, suas maiores interessadas, a implantação desse sistema representou um enorme passo na tecnificação do setor e na busca de preços mais justos para a cana, até então remunerada pelo seu peso. Um lamentável contrassenso. Neste exitoso trabalho, é justo mencionar a saliente participação da Orplana, então, representando São Paulo, com o seu maior peso na produção brasileira. A partir deste evento, as associações reagiram à necessidade de oferecer uma significativa atenção à área “...A agroindústria da cana-de-açúcar oferece um imenso campo de pesquisas, começando pela área agrícola e passando pela sucroquímica, etanolquímica, bioengenharia, microbiologia, etc. A busca de novas tecnologias, mais viáveis economicamente, é interminável em qualquer ramo da atividade humana...” técnica, visto que a demanda por este serviço se avolumou sobremaneira. A lavoura, estimulada pela obtenção de mais renda, demandou mais tecnologia, exigindo uma estrutura mais ágil para atender os seus associados. E as demandas vêm crescendo em várias áreas para responder às questões ambientais, trabalhistas etc. Outro significativo avanço das associações foi motivado pela desregu- lamentação do setor sucroenergético, em 1998. Realizada sem nenhum planejamento adequado, as entidades de classe se colocaram diante de um enorme desafio, que colocou em risco a sua própria sustentabilidade. Mas, desafio aceito, as associações, através da Orplana, sua representante máxima, no Estado, conjuntamente com a Unica, representando a indústria, elaboraram um modelo de autogestão que, pela sua racionalidade, se constituiu em uma grande realização da comunidade canavieira. Modelo tão avançado que, acreditamos, seria aplicável em qualquer país produtor de cana, obviamente, com as inevitáveis adaptações. Ficou muito claro, que a independência do setor, das peias do governo, demonstrou, magnificamente, a capacidade e o arrojo da iniciativa privada. Consequência de todos estes acontecimentos, as associações de fornecedores de cana cresceram em tamanho e em número. A Orplana, agora representando a região Centro-Sul do Brasil conta, atualmente, com 30 filia- Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  6. 6. 6 das e continua recebendo a adesão de muitas outras, criadas recentemente, revelando a sensibilidade dos atuais e dos novos produtores em relação à importância do associativismo, como uma ferramenta de luta pelos seus interesses comuns. Quantitativamente falando, a canade-açúcar produzida pelos fornecedores ligados à Orplana, através das suas associações, atingiu um incremento de 110%, desde a desregulamentação do setor(12 anos), enquanto que, no mesmo período anterior, foi de 44%. Canavieiros: Em termos de pesquisa, quais serão os próximos passos? Enio - A agroindústria da cana-deaçúcar oferece um imenso campo de pesquisas, começando pela área agrícola e passando pela sucroquímica, etanolquímica, bioengenharia, microbiologia, etc. A busca de novas tecnologias, mais viáveis economicamente, é interminável em qualquer ramo da atividade humana. Diz-se que em um empreendimento progressista, a única coisa permanente é a mudança. Esta máxima se aplica perfeitamente, em nosso caso. Quem não inova, perece. A biotecnologia vem oferecendo uma perspectiva imensurável. Variedades mais resistentes às pragas, às doenças, mais adaptáveis aos diferentes ambientes de produção são objetos atuais de inúmeras pesquisas, em nosso país e no exterior. Nas áreas da sucroquímica e da etanolquímica, novos produtos vem sendo pesquisados e obtidos. O plástico biodegradável, por exemplo, é um produto de obtenção recente, que veio resolver um sério problema ambiental. As pesquisas para viabilizar a obtenção de gás de síntese, a partir do bagaço, conquanto não sejam recentes, oferecem perspectivas para se produzir uma gama de produtos, dentre eles hidrocarbonetos etc. Detentor da maior produção de cana do mundo, o Brasil não pode deixar de aproveitar esse imenso potencial deste fantástico vegetal, pela agregação de valores por meio dos seus derivados. Canavieiros: O senhor participou de todo o processo de formatação do Entrevista Consecana. Quais avanços houve entre a sua criação e a forma como é hoje? Enio: Todo o setor envolvido com o modelo Consecana está consciente de que se trata de um mecanismo dinâmico e que necessita de revisões, visando refletir as mudanças tecnológicas e econômicas que se verificam em qualquer atividade. Aliás, esta característica está inscrita em seu regulamento. Em seus fundamentos, não houve alterações, desde a sua elaboração e, até o momento, nem têm sido necessárias. Exercitando essa dinamicidade, a diretoria do Consecana criou recentemente quatro grupos de estudos, nas áreas agrícola, industrial, econômica e jurídica, compostos de elementos indicados pela Orplana e pela Unica, com a finalidade de analisar os impactos da colheita mecanizada em toda a cadeia produtiva. A coleta de dados, nas áreas agrícola e industrial, iniciada em 2008, deverá se encerrar neste ano, seguindo-se ao seu tratamento estatístico, econômico e jurídico. Os resultados serão discutidos em nível de diretoria do Consecana, para as suas conclusões e possíveis revisões do modelo. Canavieiros: A cana, que era antes apenas açúcar e etanol, hoje produz inúmeros derivados. O senhor acha que essa evolução poderá ser incorporada nos parâmetros para o pagamento da cana? Enio: Sem dúvida. Desde a sua descoberta na natureza e a sua domesticação pelo homem, a cana serviu para a produção do açúcar, como um alimento energético, por excelência. Esse era o seu componente mais valioso. O etanol era, realmente, um subproduto, pois, se fazia necessário dar um destino ao inevitável mel final (melaço). Estamos, porém, diante de uma nova realidade. O etanol ganhou uma importância considerável, nos últimos anos, depois da superação de algumas crises. A sua utilização como combustível automotivo é irrevogável. O que se reivindica, atualmente, e com justiça, é a participação no bagaço (leia-se: fibra) no preço da cana, visto que tem se avolumado o seu uso na Revista Canavieiros - Setembro de 2010 cogeração de energia elétrica. Como o açúcar, que é realmente produzido no campo, a fibra, também, o é. E é bom lembrar que a cana colhida mecanicamente, ou mesmo manualmente (crua) é uma matéria-prima com maior teor de fibra, que, segundo a sua quantidade, pode depreciar o valor do ATR. Ao mesmo tempo, aumenta a cogeração. Logo, a incorporação deste parâmetro na valorização da cana será uma medida de elementar justiça e, cremos, que esta inserção é uma questão de tempo. Canavieiros: O Consecana hoje está sendo utilizado como referência na cadeia citrícola. Esse é um indicativo de que o Consecana já é um modelo consolidado? Enio: Sim. O modelo está consolidado. Dinâmico, como já se afirmou, a sua periódica revisão se faz necessária. Evidentemente, que na cadeia citrícola, há de se considerar as suas características próprias, que diferem, significativamente, da canavieira. Canavieiros: A participação estrangeira no setor é crescente. Quais os desafios das associações de cana frente a esse cenário? Enio: Ante de mais nada, acreditamos que o capital estrangeiro no setor é benvindo, desde que não hegemônico. Os seus modelos de gestão podem ser interessantes para o nosso setor. E, certamente, poderá facilitar a exportação, notadamente, do etanol. E, porque não, até a sua comoditização. Não tem sido uma regra, porém, nota-se que o interesse do capital estrangeiro, situa-se mais na área industrial do que na agrícola. Assim sendo, sempre caberá às associações o importante papel de manter uma participação permanente e significativa dos produtores independentes, como fornecedores de matéria-prima, visto que as modalidades de arrendamento e parceria, particularmente, presentes nos contratos em unidades novas, enfraquecem a representatividade das associações e, consequentemente, o seu poder de diálogo na cadeia produtiva. É uma tarefa árdua, porém, não temível para uma classe que já venceu muitas dificuldades, em sua recente história. RC
  7. 7. 7 Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  8. 8. 8 Ponto de Vista Maurilio Biagi Filho* A eleição A s próximas eleições refletem as grandes transformações sociais vividas pelo Brasil nos últimos vinte anos, período em que as mulheres ocuparam crescentes espaços nas universidades, no mercado de trabalho e na administração pública. É perfeitamente natural que duas das quase 10 candidaturas à Presidência da República sejam do gênero feminino. Todas essas grandes operações no âmbito da agroindústria canavieira demonstram o interesse de grupos estrangeiros e de empresas brasileiras em investir em biocombustíveis, superando preconceitos históricos nas relações entre os países. Nesse contexto, é indispensável que o próximo governo defina o papel de cada setor na matriz energética brasileira. Seja quem for o novo presidente, porém, já sabemos que ele não repetirá as realizações do Presidente Lula, cujo desempenho só poderá ser devidamente avaliado mais tarde, como cabe fazer diante de fenômenos políticos que, além de apresentar qualidades excepcionais, são favorecidos pelas circunstâncias da época. Se quisermos ampliar a participação das fontes renováveis na nossa matriz, precisamos continuar dando grande prioridade aos investimentos em pesquisas e projetos alternativos de produção do etanol de primeira e segunda geração, do biodiesel, da energia eólica, solar etc., estabelecendo políticas claras que garantam sustentabilidade aos fornecedores. Nada confirma mais a liderança de Lula do que a disposição de todos os candidatos de dar continuidade aos aspectos mais marcantes dos últimos anos de governo, a começar pelos programas sociais. Além disso, tornou-se unânime a promessa de ampliar, consideravelmente, os investimentos em educação, especialmente no ensino profissionalizante, em saúde e saneamento básico. Por fim, é indiscutível a prioridade ao crescimento econômico com estabilidade monetária. “Se quisermos ampliar a participação das fontes renováveis na nossa matriz, precisamos continuar dando grande prioridade aos investimentos em pesquisas e projetos alternativos de produção do etanol de primeira e segunda geração...” Quanto ao setor sucroenergético, que deslanchou no atual governo, não vejo por que o novo governo lhe retiraria apoio. Além de possuir imensa capacidade de gerar empregos, receita cambial e ganhos ambientais, a agroindústria canavieira do Brasil movimenta cerca de 90 bilhões de dólares por ano, superando o PIB do Uruguai, Paraguai e Bolívia, juntos. Esse mesmo segmento, que já deixou para trás a era dos senhores de engenho, das destilarias autônomas, dos head fundings, dos IPOs e das tradings, vive hoje a chamada era dos Big Oils, ou seja, das grandes petroleiras que avançam para consolidar parcerias com grupos enraizados no interior do Brasil. Estão aí a Cosan/Shell e a Shell/Cosan, a Bitrish Petroleum, a Petrobras, dentre outros. Para todos eles, incluindo o setor sucroenergético, é preciso definir uma política tributária condizente e única, criandose instrumentos de comercialização que reduzam a volatilidade dos preços. Nesta década, nosso setor inicia uma nova era, com subprodutos como a bioeletricidade, os plásticos verdes, o biodiesel, os hidrocarbonetos de baixo carbono, dentre outros, sem falar do próprio etanol, que cresce junto com a frota flex. Também é preciso maior coerência na política ambiental brasileira, pois de nada adianta termos a matriz energética mais Revista Canavieiros - Setembro de 2010 limpa do mundo se não aproveitarmos as nossas vantagens em relação a outros países. Se já temos tantas fontes renováveis de energia e possuímos um território cuja cobertura florestal nativa ultrapassa os 60% do total, por que não alcançamos o chamado desmatamento zero? Devemos direcionar muitos recursos para sair da posição de quinto poluidor mundial, devido às queimadas e derrubadas na floresta amazônica, responsáveis por 75% das emissões de CO2 do país, para a de um dos maiores captadores de CO2 do planeta. É fundamental, ainda, transformar a preservação na Amazônia – talvez a nossa maior força – em resultado econômico em prol do Brasil. Você já pensou que, de certa forma, somos explorados pelo mundo? Tenho certeza de que a partir de janeiro o novo governo levará tudo isso em conta, em nome do sustentabilidade do nosso desenvolvimento. RC * Como empresário, é Presidente da MAUBISA e da Bioenergética Aroeira, e membro de diversos Conselhos, entre eles, do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República-CDES, de Administração da União da Indústria da Cana-de-Açúcar, de Estratégias da Associação Brasileira de Infraestrutura e Indústria de Base-ABDIB, dos Conselhos Superiores, do Agronegócio – COSAG e do Meio Ambiente-COSEMA, da FIESP, do Conselho Nacional de Máquinas, da ABIMAQ, e outros.
  9. 9. 9 Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  10. 10. 10 Notícias Copercana Fenasucro e Agrocana movimentam R$ 2,4 bilhões Carla Rossini Fenasucro e Agrocana, que foram realizadas de 31 de agosto a 3 de setembro no Centro de Eventos Zanini, em Sertãozinho, superaram as expectativas iniciais dos organizadores e registraram recorde de público e negócios: passaram pela feira mais de 33 mil pessoas, a maioria profissionais de todo o setor sucroenergético brasileiro e de mais 30 países dos cinco continentes. Em balanço preliminar, já que a consolidação detalhada das informações ainda levará algumas semanas, os organizadores das feiras comemoram uma das melhores edições da história do evento iniciado em 1993. Os negócios devem ultrapassar os R$ 2,4 bilhões. Este valor inclui as vendas iniciadas ou negociadas no evento e que devem ser efetivadas num período de até seis meses. Os bons resultados contemplam o prestígio adquirido e confirmado com a presença do presidente Lula na abertura das feiras no dia 31 de agosto, que teve ampla repercussão na imprensa como o principal evento sucroalcooleiro do mundo, atraindo ainda três ministros de Estado e os principais empresários brasileiros do setor. Outro aspecto que retrata o balanço positivo das feiras foram os eventos simultâneos, entre eles o Fórum de Abertura no dia 30 de agosto, que contou com a presença da candidata Marina Silva (PV) e que também repercutiu em todo o Brasil. Abordando desde temas políticos, técnicos e tecnológicos a homenagens, visitas e encontros sociais, os eventos da grade de programação movimentaram a Fenasucro e Agrocana e atraíram mais de 2.500 profissionais, empresários e autoridades que atuam no segmento sucroenergético nacional e internacional. Para os diretores da promotora Multiplus Feiras e Eventos, Fernando Barbosa e Augusto Balieiro, as feiras deram mais um passo na consolidação como principal palco mundial de intercâmbio comercial e tecnológico do setor, e ajudaram Ao lado do Presidente Lula, lideranças do setor inauguraram a Fenasucro & Agrocana 2010 a alavancar os negócios dentro da cadeia sucroenergética. A mesma opinião foi compartilhada por Adézio Marques, presidente do CEISE Br, entidade realizadora do evento; por Antonio Tonielo, presidente da Agrocana e da Copercana; e por Manoel Ortolan, presidente da Canaoeste, todos unânimes em afirmar que a Fenasucro e Agrocana refletiram o bom momento vivido hoje por produtores de cana, usinas e seus fornecedores de equipamentos, produtos e serviços. O Presidente foi nomeado pelo Ceise-BR, embaixador brasileiro da bioenergia Em visita ao estande da Copercana, o presidente Lula foi recebido pelos presidentes e diretores do Sistema Copercana, Canaoeste e SicoobCocred Revista Canavieiros - Setembro de 2010 Foto: Fernando Battistetti/Multiplus A Balanço preliminar aponta para uma das melhores edições das feiras
  11. 11. 11 Estande da Copercana Em 2010, o estande da Copercana esteve repleto de novidades para receber os visitantes. Durante os quatro dias de feira, mais de mil pessoas passaram no estande da cooperativa, que realizou a venda da carne de cordeiro da marca Copercana e tinha a disposição produtos da sua loja de ferragens (venda de chapéus, selas e cutelaria). Os cooperados que visitaram a feira também encontravam na Copercana, os serviços de assistência técnica e a venda de produtos agroquímicos, através da orientação dos agrônomos. O tradicional carneiro com polenta foi servido na noite de quintafeira (02). Mais de 200 pessoas prestigiaram o evento organizado pelo diretor da cooperativa, Pedro Esrael Bighetti. Estande do Copercana, Canaoeste e SicoobCocred O diretor da Copercana, Pedro Esrael Bighetti durante entrevista a imprensa Gerentes do Sistema Copercana, Canaoeste, SicoobCocred e cooperados durante o tradicional Carneiro Manoel Sérgio Sicchieri, recebe homenagem da Multiplus em nome da Copercana Diretores e gerentes receberam os visitantes durante a feira Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  12. 12. 12 Notícias Copercana XII Fórum Oficial de Abertura da Fenasucro e Agrocana debateu a internacionalização do etanol Com o tema “Do álcool para o etanol”, foi realizado no dia 30 de agosto, no Teatro Municipal de Sertãozinho, o XII Fórum Oficial de Abertura da Fenasucro e Agrocana, que discutiu, em três diferentes painéis, os cenários contemporâneos e as perspectivas da produção, consumo e propriedade do etanol, sob a ótica da internacionalização. Autoridades do setor compareceram ao Fórum de Abertura da Fenasucro & Agrocana 2010 Presidente da Agrocana, Antonio Tonielo durante seu discurso no Fórum do Álcool A abertura do evento, contou com a presença do Ministro da Agricultura, Wagner Rossi, do presidente da Copercana e Agrocana, Antonio Eduardo Tonielo, do presidente de honra da Fenasucro e do Grupo Cosan, Rubens Ometto Silveira Mello, dos diretores da Multiplus, Fernando Barbosa e Augusto Balieiro, do deputado federal Duarte Nogueira, do representante da Secretaria de Produção e Agroenergia do MAPA, Manoel Bertone, do prefeito de Sertãozinho, Nério Costa e do presidente da Stab, José Paulo Stupiello. A candidata do Partido Verde à Presidência da República atendeu o convite dos organizadores do Fórum e compareceu. Marina Silva foi convidada a fazer parte da mesa de autoridades e de lá respondeu a quatro perguntas previamente elaboradas para o encontro com os presidenciáveis, já que também foram convidados os candidatos José Serra do PSDB e Dilma Rousseff do PT. Durante seu discurso, Marina disse que identifica avanços no setor sucroenergético brasileiro. “Nenhum sistema se firma se não for capaz de pre- A candidata a presidência Marina Silva, prestigiou o evento Revista Canavieiros - Setembro de 2010 servar alguma coisa. Se não formos capazes de termos uma visão integradora das conquistas, um olhar crítico para os erros e um compromisso com os novos desafios, não vamos fazer jus as imensas oportunidades que se voltam para o Brasil em pleno século 21”, disse Marina e completou: “é muito bom verificar que temos boas experiências de quem já esta trabalhando com o princípio do uso correto da água e da eficiência energética como é o caso da energia oriunda da biomassa que é produzida pelo setor sucroalcooleiro”, disse. Mais de 300 pessoas participaram do evento
  13. 13. 13 Rubens Ometto é homenageado durante as Feiras O presidente de honra da Fenasucro, Rubens Ometto, recebeu homenagens do CEISE Br, da Canaoeste e Copercana e da Multiplus Feiras e Eventos, como forma de reconhecimento por sua atuação no setor sucroenergético nacional. Participaram da entrega das homenagens, o prefeito de Sertãozinho, Nério Costa, o presidente da Copercana, da Cocred, do Sindicato Rural de Sertãozinho e da Agrocana, Antonio Eduardo Tonielo, o presidente da Fenasucro e do CEISE Br Adézio José Marques, o diretor da Multiplus, Fernando Barbosa e o presidente da Canaoeste, Manoel Ortolan. Ometto é homenageado pelo Sistema Copercana, Canaoeste, SicoobCocred e Sindicato Rural de Sertãozinho “Esta homenagem é um reconhecimento do que você, Rubens, proporciona ao setor sucroalcooleiro, não só nacional, mas em todo mundo. Por isso, seu nome foi unanimemente escolhido por todo o conselho para ser homenageado”, afirmou Tonielo. Ceise-BR também homenageou Rubens Ometto Empresários e autoridades compareceram para prestigiar Rubens Ometto Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  14. 14. 14 Notícias Copercana Ministro da Agricultura recebe título de cidadão sertanezino Em cerimônia realizada no Espaço Agrocana, a Câmara de vereadores de Sertãozinho homenageou o agora filho da cidade, Wagner Rossi. O título foi uma homenagem pelos mais de 30 anos de trabalhos dedicados ao setor agrícola. Pedro Esrael Bighetti e Antônio Eduardo Tonielo, receberam o Ministro da Agricultura, Wagner Rossi no estande da Cooperativa A autora do projeto foi a vereadora Rita de Cássia Tonielo Felício. O prefeito de Sertãozinho, Nério Costa, participou da cerimônia de entrega e destacou a importância do ministro para o setor. “Fico feliz por prestarmos essa homenagem ao ministro Wagner Rossi, uma pessoa que tem se desdobrado pelo setor sucroalcooleiro”, disse o prefeito. Wagner Rossi agradeceu a homenagem, dizendo que já se considera um filho desta terra. “Em primeiro lugar, quero dizer que é com muita emoção que recebo esse título, pois Sertãozinho representa muito para o setor sucroalcooleiro, já que há equipamentos A vereadora Rita de Cássia entregou o Título de Cidadão Sertanezino ao ministro da cidade em várias usinas do mundo. Eu sempre fui um homem do progresso e Sertãozinho representa isso, é um co- Em nome do Sistema Copercana, Canaoeste e SicoobCocred Antônio Tonielo homenageou Wagner Rossi ração pulsante e eu só posso agradecer a oportunidade de fazer parte desta cidade”, disse Rossi. I Workshop Agrocana discute tecnologias e controle de doenças e ervas daninhas Carla Rodrigues Sucesso de público, evento foi voltado aos produtores canavieiros Entre os eventos paralelos realizados durante a Fenasucro e Agrocana, o I Workshop Agrocana reuniu, no dia 3, cerca de 120 participantes no Espaço de Convivência e Negócios, no Centro de Eventos Zanini. Realizado pela Multiplus Feiras e Eventos em parceria com a Copercana, Canaoeste e Cocred e coordenado pelo assessor técnico da Canaoeste, Oswaldo Alonso, o workshop foi destinado aos produtores, executivos, pesquisadores e graduandos em produção de cana-de-açúcar. Foram discutidos, entre outros temas, a ferrugem alaranjada, Sphenophorus levis (bicudo da cana), case sobre danos, controle de ervas daninhas em época seca, plantio e meiosi mecanizada com precisão, transbordos e motomecanização. As palestras foram co-coordenadas pelo IAC (Instituto Agonômico) e pelo GMEC (Grupo de Motomecanização). Logo após o encerramento foi servido um almoço no próprio Espaço de Convivência e Negócios. RC As palestras foram co-coordenadas pelo IAC e pelo GMEC O assessor técnico da Canaoeste, Oswaldo Alonso organizou o I Workshop Agrocana Revista Canavieiros - Setembro de 2010 Profissionais do Setor Sucroalcooleiro de todo o país compareceram no Workshop
  15. 15. 15 Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  16. 16. 16 Notícias Canaoeste Encontro de produtores discute cenário político e legislação ambiental Cristiane Barão C Organizado pela Canaoeste, Copercana e Sindicato Rural de Sertãozinho, evento reuniu cerca de 300 fornecedores omo parte da programação da XVIII Fenasucro e VIII Agrocana, a Canaoeste, Copercana e Sindicato Rural de Sertãozinho realizaram no dia 1º de setembro o Encontro Anual de Produtores de Cana-de-açúcar. O objetivo do encontro foi discutir o cenário político para o setor e a reforma do Código Florestal Brasileiro. Manoel Ortolan, presidente da Canaoeste Em seu pronunciamento, o presidente da Canaoeste, Manoel Ortolan, ressaltou a importância de o setor se organizar e participar ativamente do processo eleitoral para eleger aqueles que verdadeiramente defendem a atividade agropecuária. “O agronegócio brasileiro, em geral, e os produtores independentes de cana, em especial, têm desafios importantes pela frente. A reformulação do Código Florestal Brasileiro é um deles. E todos passam, de uma forma ou de outra, pela instância política. Não podemos ficar indiferentes ao processo eleitoral,” disse Ortolan. De acordo com o presidente da Orplana, Ismael Perina Júnior, no Congresso Nacional a bancada ligada ao agronegócio precisa ser ampliada, já que entre os 513 deputados apenas 17 são fechados com o setor agrícola. “Temos de estar fortemente unidos para elegermos os nossos representantes”, disse. Representando na abertura do encontro o presidente da Copercana e do Sindicato Rural de Sertãozinho, Antonio Eduardo Tonielo, o diretor da cooperativa, Pedro Esrael Bighetti, enfatizou a necessidade da reformulação da legislação ambiental, que, segundo ele, está em descompasso com realidade da atividade agrícola brasileira. O prefeito de Sertãozinho, Nério Costa, também participou da abertura do evento e ressaltou a importância do setor sucroenergético para a economia local e regional. No encerramento do evento, o advogado da Canaoeste, Juliano Bortoloti, proferiu palestra sobre a reformulação do Código Florestal Brasileiro, que precisa ainda ser votada no plenário da Câmara e do Senado para entrar em vigor. O projeto que será apreciado foi aprovado em julho na Comissão Especial criada para analisar a matéria. RC Pedro Esrael Bighetti, diretor da Copercana Juliano Bortolotti, advogado da Canaoeste Revista Canavieiros - Setembro de 2010 Cerca de 300 fornecedores de cana participaram do evento.
  17. 17. 17 Assuntos Legais ADA (Ato Declaratório Ambiental): - prazo de entrega termina em 30 de setembro C omo já afirmado em outras edições, o ADA (Ato Declaratório Ambiental) é uma declaração da situação ambiental da propriedade rural, onde será informado OBRIGATORIAMENTE ao IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) as áreas de preservação permanente, reserva legal e outras áreas de proteção ambiental (área de reserva particular do patrimônio natural, área de declarado interesse ecológico, área com plano de manejo florestal, área com reflorestamento), caso existam no imóvel rural e desde que declaradas no DIAT (Distribuição da Área do Imóvel Rural), entregue quando do preenchimento da DITR (Declaração do Importo Territorial Rural). Tal declaração possibilita a redução do pagamento do ITR (Imposto Territorial Rural) em até 100% de seu valor. Ressaltamos, ainda, que o envio do ADA a partir do exercício 2007 é feito por meio eletrônico, via internet (ADAweb), através do sítio eletrônico do IBAMA (www.ibama.gov.br), que está disponível desde o dia 3 de fevereiro deste ano. Já no site basta clicar no link de Serviços On-line, informar o seu CPF (pessoa física) ou CNPJ (pessoa jurídica), senha e autenticar. “Para a obtenção ou recuperação de senha de acesso, deve-se recorrer ao Cadastro Técnico Federal, telefone (61) 3316-1677. No caso de dúvidas, ligar para o número indicado ou para (61) 3316-1253 ou ainda utilizar o e-mail ada.sede@ibama.gov.br. Declarações retificadoras referentes ao exercício de 2010 poderão ser apresentadas até 30 de dezembro de 2010” (fonte: CNA – Confederação Nacional da Agricultura). No preenchimento eletrônico do ADA ou em caso de retificação, deve-se obser- Juliano Bortoloti - Advogado Departamento Jurídico Canaoeste var fielmente o que foi declarado no formulário do DITR protocolizado perante a Secretaria da Receita Federal, pois as informações ali contidas devem guardar relação com as que forem prestadas no ADA, tendo em vista que, visando um maior controle administrativo das propriedades rurais, o IBAMA começou a cruzar suas informações com a Receita Federal e o INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), responsáveis pelo controle e recolhimento anual do ITR. RC Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  18. 18. 18 Notícias Canaoeste Consecana A CIRCULAR Nº 09/10 DATA: 31 de agosto de 2010 Conselho dos Produtores de Cana-de-Açúcar, Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo seguir, informamos o preço médio do kg do ATR para efeito de emissão da Nota de Entrada de cana entregue durante o mês de AGOSTO de 2010. O preço médio do kg de ATR para o mês de AGOSTO, referente à Safra 2010/2011, é de R$ 0,3475. O preço de faturamento do açúcar no mercado interno e externo e os preços do etanol anidro e hidratado, destinados aos mercados interno e externo, levantados pela ESALQ/CEPEA, nos meses de abril a agosto e acumulados até AGOSTO, são apresentados a seguir: Os preços do Açúcar de Mercado Interno (ABMI) incluem impostos, enquanto que os preços do açúcar de mercado externo (ABME e AVHP) e do etanol anidro e hidratado, carburante (EAC e EHC), destinados à industria (EAI e EHI) e ao mercado externo (EAE e EHE), são líquidos (PVU/PVD). Os preços líquidos médios do kg do ATR, em R$/kg, por produto, obtidos nos meses de abril a agosto e acumulados até AGOSTO, calculados com base nas informações contidas na Circular 01/10, são os seguintes: Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  19. 19. 19 Safra de Grãos Safra de Grãos chega ao recorde de 149 milhões de toneladas O Brasil chegou ao fim da safra 2009/2010 com uma produção de 148,99 milhões de toneladas de grãos. O resultado do 12º levantamento, realizado pela Conab e divulgado no início de setembro, supera o estudo anterior e estima colheita recorde, 10,3% superior às 135,13 milhões de toneladas da última safra. Em comparação com o levantamento de agosto, houve aumento de 1,9 milhão de toneladas. Os principais responsáveis pelo crescimento foram o reajuste dos dados da área e a produtividade de milho nos estados de Goiás e Mato Grosso. A soja deve fechar a produção em 68,69 milhões de toneladas, 20,2% ou 11,52 milhões de toneladas a mais que no ciclo anterior. Para o milho segunda safra, o crescimento previsto é de 27,1%, com total de 20,04 milhões de toneladas. Toda a produção do cereal deverá atingir 56,12 milhões de toneladas, somadas a primeira e a segunda safras, com aumento de 10% em relação à temporada passada. O milho primeira e segunda safras colhido em todo o País, assim como o arroz e o feijão de primeira e de segunda safras. A terceira safra do feijão está com 70% colhida. Área - Os números da área total plantada são semelhantes aos do último levantamento, com 47,32 milhões de hectares. São 0,7% inferiores (351 mil ha) à safra 2008/2009. O milho segunda safra teve aumento de 6,3% (307,1 mil ha), saindo de 4,9 milhões de ha para 5,2 milhões de ha. A soja teve elevação de área de 7,9% (1,7 milhão ha). Por outro lado, o algodão teve redução de 0,9% (-7,5 mil ha), passando de 843,2 mil ha, no último período, para 835,7 mil ha. A área total de milho deve chegar a 12,93 milhões de ha, com redu- ção de 8,7% sobre a última safra (14,17 milhões de ha). Foram registradas também queda no arroz (-144,2 mil ha) e no feijão segunda safra (- 529 mil ha). O estudo foi realizado por 59 técnicos, que ouviram representantes de cooperativas e sindicatos rurais, órgãos públicos e privados, entre 23 e 25 de agosto. RC Fonte: Conab Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  20. 20. 20 IAC apresenta novas variedades e tecnologias IACSP95-5094 IACSP96-2042 IACSP96-3060 Carla Rodrigues Em evento realizado em Ribeirão Preto, Instituto Agronômico lançou três variedades, inaugurou o Laboratório de Biotecnologia e apresentou a Câmara de Fotoperíodo N o último dia 14, o IAC (Instituto Agronômico), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, reuniu produtores, empresários, pesquisadores e profissionais da área em um evento realizado no Centro de Cana do IAC-APTA, em Ribeirão Preto, para o lançamento de três novas variedades de cana-de-açúcar e a inauguração do Laboratório de Biotecnologia e da primeira Câmara de Fotoperíodo do Brasil. O evento contou com a presença do governador Alberto Goldman, o secretário-adjunto de Agricultura, Antonio Junqueira de Queiroz, e o coordenador da APTA (Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios), Orlando de Castro Melo. A Canaoeste foi representada por seu presidente, Manoel Ortolan. Durante o evento, o IAC prestou uma homenagem aos parceiros mais antigos do Programa Cana-IAC e que contribuíram para o desenvolvimento do setor sucroenergético. Receberam o Diploma de Reconhecimento o presidente Nério Costa, prefeito de Sertãozinho, Manoel Ortolan, presidente da Canaoeste, Darcy Vera, prefeita de Ribeirão Preto e Alberto Goldman, governador do Estado de São Paulo da Canaoeste, a Usina Alta Mogiana, representada por Luiz Augusto Contin, e a Usina Jalles Machado, representada por Otávio Lage. Revista Canavieiros - Setembro de 2010 As novas variedades - IACSP95-5094, IACSP96-2042 e IACSP96-3060 - foram estudadas no período de 1995-2010 em todas as regiões produtoras do Esta-
  21. 21. 21 Reportagem de Capa do de São Paulo e em Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bahia, Paraná, Maranhão e Tocantins. Elas apresentam vantagens na produção de biomassa em comparação com as variedades usadas hoje e também no teor de sacarose, com uma produção 10% maior do que as anteriores. De acordo com o pesquisador e diretor do IAC, Marcos Landell, essas variedades integraram uma rede experimentar, a maior rede já realizada, com o número de ensaios muito grande. “Praticamente 10 Estados do Brasil foram surpreendidos com os resultados obtidos, principalmente nas Luis Augusto Contim (Usina Alta Mogiana), Otávio Lage (Usina Jalles Machado) e Manoel Ortolan (Canaoeste) regiões ditas cerrado, (as novas variedades) se mostraram superiores com ganhos significativos em relação às variedades existentes nessas regiões especificamente, representando um rendimento maior para os produtores do Centro Sul do país”. Gerentes e Agrônomos da Canaoeste prestigiaram o evento. O diretor da Copercana, Pedro Esrael Bighetti tambem marcou presença Laboratório e Câmara de Fotoperíodo O Laboratório de Biotecnologia começou a ser desenvolvido há quatro anos através de projetos em parceria com a CNPQ, FAPESP e governo do Estado de São Paulo. Novos equipamentos foram adquiridos e os projetos foram ampliados junto com as universidades, o que tornou o antigo laboratório pequeno para acolher profissionais e materiais. “Na verdade vamos transferir o que já temos para um espaço novo e maior – de 150m2 fomos para 550m2- e claro, ampliar novas áreas casadas com a área de melhoramento de plantas”, explicou Landell. Este laboratório é qualificado para atender as áreas de microscopia, seqüenciamento de DNA, diagnóstico molecular e expressão gênica. Já as pesquisas abordam aspectos multidisciplinares, como melhoramento genético, fisiologia, fitossanidade, nematologia, irrigação e estudos de clima e solos. Já a Câmara de Fotoperíodo automatizada foi obtida pelo IAC com investimentos da FAPESP e é a primeira do Brasil. Sua tecnologia permite manter as plantas em temperaturas de 18 a 31 graus, não ultrapassando esse intervalo, que é o ideal para o florescimento da cana-de-açúcar e desenvolvimento das variedades. Esse trabalho era realizado pelo IAC até então na Bahia, que possui um clima quente durante o dia e à noite. Em Ribeirão Preto, onde está o Centro de Cana do IAC, o clima durante o dia é quente, mas Laboratório de Biotecnologia ao longo da noite esfria, fazendo com que o grão do pólen seja esterilizado. O seu principal benefício é realizar uma experimentação considerada impossível de conseguir de forma natural, que é o cruzamento de variedades em épocas diferentes do ano, casando o período de florescimento entre as variedades e podendo produzir filhos delas. Outro ponto importante destacado por Landell sobre o novo laboratório é que com a introdução dos novos recursos e com o funcionamento da Câmara de Fotoperíodo, também apresentada no mesmo evento, será possível induzir o florescimento da cana em Ribeirão Preto, que, até então, era uma necessidade para os pesquisadores. Câmara de Fotoperíodo Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  22. 22. 22 Reportagem de Capa “O programa do IAC é mundialmente conhecido”, diz coordenador da APTA Durante o evento, o coordenador da APTA, Orlando de Castro Melo, conversou com a Revista Canavieiros e deu seu depoimento sobre sua satisfação ao ver a importância do trabalho realizado pelo IAC. “Tudo isso que aconteceu neste evento são saltos que estamos dando graças aos investimentos em infraestrutura, mas principalmente, graças à competência do grupo de pesquisadores que nós temos aqui e também no IAC. O Centro de Cana, que hoje conta com 13 pesquisadores, e o grupo do Instituto Agronômico, que trabalha na área de cana nos pólos regionais, é em torno de 50 pesquisadores. Isso é o que faz o Programa de Cana do IAC ser mundialmente conhecido. Ele atrai interessados em Angola, Moçambique, México, e em muitos outros países. O trabalho que iniciamos há dois anos no México, no Estado de Vera Cruz, com o Grupo Piaza e Associação de Produtores de Cana, para fazer melhoramento genético está mostrando uma capacidade de produção em dobro dos materiais deles, a ponto inclusive do governador Fidel Herrera dizer que graças ao programa do IAC será possível dobrar a produção de açúcar de Vera Cruz sem aumentar um hectare de área. Isso é muito significativo. Mostra que nosso programa tem adaptação para outros países, o que é muito importante para a preocupação que o Brasil tem de transformar o etanol em uma commodity. Mas para que isso aconteça, os países especialmente da África e América Latina têm de ter acesso à tecnologia que, muitas vezes, eles não desenvolvem. Então, cabe a nós levar isso a eles.” 17ª Liberação de Variedades de Cana-de-Açúcar do Instituto Agronômico – IAC IACSP95-5094 (SP80-3280x?) Variedade de maturação precoce e média (maio-setembro), adaptada a solos de fertilidade intermediária quando colhida no outono (início de safra) e com perfil responsivo quando colhida no período de inverno. Possui alto teor de sacarose e elevado potencial de produção. Na média, os ganhos são de 5% em produtividade agroindustrial em relação à RB8554453 na colheita de outono e de 8% em relação à variedade RB72454 na colheita de inverno. Abaixo ,segue a resenha técnica da IACSP95-5094: TCH (produtividade agrícola) Muito Alta Teor de sacarose Alto Teor de fibra Baixo Responsividade a ambientes Estável Época de colheita Maio-setembro Brotação de soqueira Ótima Perfilhamento Médio em cana planta, ótimo em soqueiras Altura de colmos Média, similar à RB72454 Diâmetro de colmos Médio, similar à RB72454 Hábito de crescimento Semiereto Florescimento Ausente Isoporização Pouca Seguindo os critérios da matriz de ambientes, a veridade IACSP95-5094 tem a alocação espacial no eixo Ambiente X Época de Colheita conforme quadro ao lado. Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  23. 23. 23 IACSP96-2042 (SP81-5193 x SP77-5181) Variedade de maturação média e tardia (julho-novembro), com perfil responsivo em relação aos ambientes de produção. Possui elevada sacarose, adaptando-se muito bem à região de cerrado. Pelos resultados h[a média de ganhos de 11% de produtividade agroindustrial em relação à RB72454 na colheita de inverno e primavera. Abaixo, segue a resenha técnica da IACSP96-2042: TCH (produtividade agrícola) Muito Alta Teor de sacarose Alto (similar a RB72454) Teor de fibra Baixo Responsividade a ambientes Estável/responsiva Época de colheita Julho-novembro Brotação de soqueira Boa Perfilhamento Médio, similar à RB72454 Altura de colmos Média, similar à RB72454 Diâmetro de colmos Médio, similar à RB72454 Hábito de crescimento Semiereto Florescimento Ausente Isoporização Pouca Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  24. 24. 24 Reportagem de Capa IACSP96-3060 (SP82-6108 x?) Variedade com P.U.I (Período de Utilização Industrial) longo. Pode ser colhida de maio a outubro, com perfil de resposta estável, adaptada a solos de média fertilidade, elevadíssimo teor de sacarose e elevado potencial de produção. Pelos resultados há média de ganhos de 8% de produtividade agroindustrial em relação à RB855453 na colheita de outono e 9% em relação À variedade RB72454 nas colheitas de inverno e primavera. RC Abaixo, segue a resenha técnica da IACSP96-3060: TCH (produtividade agrícola) Alta Teor de sacarose Muito alto Teor de fibra Médio Responsividade a ambientes Estável Época de colheita Maio-outubro Brotação de soqueira Média Perfilhamento Alto, 10% superior à RB72454 Altura de colmos Baixa, 11% inferior à RB72454 Diâmetro de colmos Médio, similar à RB72454 Hábito de crescimento Semiereto Florescimento Raro Isoporização Pouca Seguindo os critérios da matriz de ambientes, a variedade IACSP96-3060 tem a alocação espacial no eixo Ambiente x Época de Colheita, conforme quadro abaixo: Tabela 1. Reação das variedades IACSP95-5094, IACSP96-2042 e IACSP96-3060 às principais doenças: Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  25. 25. 25 Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  26. 26. 26 Informações Setoriais CHUV AS DE Agosto e Prognósticos Climáticos No quadro a seguir, são apresentadas as chuvas do mês de AGOSTO de 2010. E Engº Agrônomo Oswaldo Alonso Assessor Técnico Canaoeste m todos os locais ao lado observados, não houve ocorrência de chuvas neste mês de AGOSTO. A média das normais climáticas destes locais é 25mm. Relembrando, as médias das chuvas em AGOSTO do ano anterior foi 98mm, ou seja, de 4 (quatro) vezes a média histórica do mês. Pelo Mapa 1 abaixo, observa-se que, no período de 16 a 18 de AGOSTO, o índice de Água Disponível no Solo já se mostrava bem crítico em toda área sucroenergética do Estado de São Paulo. Mapa 1:- Água Disponível no Solo entre 16 a 18 de AGOSTO de 2010. Revista Canavieiros - Setembro de 2010 A Disponibilidade Atual de Água no Solo ao final de AGOSTO de 2010 (Mapa 3), mostrava-se, a exemplo de meados do mês (vide Mapa 1), crítica a quase que “zerada” em quase toda área sucroenergética do Estado; enquanto que, ao final de AGOSTO 2009, com chuvas que ultrapassaram em muito as respectivas normais climatógicas (4 ou mais vezes em outras Mapa 2:- Água Disponível no So
  27. 27. 27 regiões do Estado), a reserva hídrica do solo era alta e muito diferente da deste ano, excetuandose estreita faixa Norte-Nordeste do Estado de São Paulo. Mapa 4:- Prognóstico de Consenso entre INMET e INPE para o trimestre setembro a novembro. Adaptado pela CANAOESTE. Para subsidiar planejamentos de atividades futuras, a CANAOESTE resume o prognóstico climático de consenso entre INMET-Instituto Nacional de Meteorologia e INPE-Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais para os meses de setembro a novembro. • As temperaturas médias poderão ser próximas das normais climáticas em toda Região Centro Sul do Brasil, com exceção das faixas Norte dos Estados de Goiás e Mato Grosso que poderão ser acima das médias; • Quanto às chuvas, para os meses de setembro a novembro, poderão, também, “ficar” próximas às médias históricas em (quase)toda área sucroenergética da Região Centro Sul (vide Mapa 4); • Como referência, as normais climáticas de chuvas para Ribeirão Preto e municípios vizinhos, pelo CentroCana e Apta-IAC, são de 50mm em setembro, de 125mm em outubro e 170mm em novembro. olo ao final de AGOSTO de 2009. A SOMAR Meteorologia, a exemplo do INPE e INMET, também prevê que as chuvas ficarão entre próximas das respectivas médias climáticas nos meses de outubro e novembro em toda região de abrangência CANAOESTE. A SOMAR prevê, ainda, prognóstico semelhante para o mês de dezembro, ou seja, próximo a pouco acima da normalidade climática. Também prevê e, sobretudo, previne que a temperatura média durante o mês de outubro poderá vir a ser igual ou ligeiramente acima de 10% da normalidade do mês. Quanto às condições climáticas previstas para estes meses finais de moagem - setembro a outubro/ novembro, a CANAOESTE recomenda que os produtores de cana primem nas operações de colheita e aproveitem ao máximo os dias e tempos disponíveis, bem como efetuem aprimorados tratos culturais e cuidadosas renovações de canaviais (baixa produtividade, alta incidência de ervas daninhas e os impactos da recente ferrugem alaranjada em variedades suscetíveis), com vistas às certas e crescentes demandas por matéria prima nas próximas duas safras. Estes prognósticos serão revistos a cada edição da Revista Canavieiros e fatos ou prognósticos climáticos relevantes serão noticiados em nosso site www.canaoeste.com.br . Persistindo dúvidas, consultem os Técnicos mais próximos ou através do Fale Conosco CANAOESTE. RC Mapa 3:- Água Disponível no Solo, 50cm de profundidade, ao final de AGOSTO de 2010. Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  28. 28. 28 Notícias Cocred Balancete Mensal COOP.CRÉDITO PRODUTORES RURAIS E EMPRESÁRIOS DO INTERIOR PAULISTA - BALANCETE - Junho/2010 Valores em Reais Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  29. 29. 29 Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  30. 30. 30 Destaque Volume de etanol estocado cresce 57% na segunda quinzena de agosto O Crescimento da produção e dos estoques garante abastecimento na entressafra estoque físico de etanol levantado nas unidades produtoras, até a segunda quinzena de agosto, foi de 6,5 bilhões de litros. O volume representa crescimento de 57,44% em relação aos 4,1 bilhões da safra anterior. Já o processamento de cana alcançou 384 milhões de toneladas, 19% superior ao mesmo período em 2009. Os 17 bilhões de litros de etanol e 22 milhões de toneladas de açúcar gerados são 22,8% e 29%, respectivamente, superiores à produção passada. Os números constam da atualização quinzenal das 432 unidades produtoras cadastradas no Sistema de Acompanhamento da Produção Canavieira (SapCana). O sistema recebe, em tempo real, as informações da produção, comercialização e estoques de açúcar e álcool de todas as usinas. As informações são divulgadas de forma agregada por estado e região. Para Cid Caldas, diretor de Canade-açúcar e Agroenergia do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o crescimento expressivo na produção e estoques físicos de etanol combustível garantem o abastecimento na entressafra. O resultado do Programa de Financiamento para Estocagem de Etanol Combustível também merece destaque. Foram aprovados e contratados 757 milhões de litros e outros 507 milhões de litros estão em análise pelas instituições financeiras. Esse volume corresponde a 44% de R$ 2,4 bilhões oferecidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Caldas atribui o sucesso do programa à demanda do setor industrial sucroalcooleiro, equivalente a R$ 1,054 bilhão em apenas alguns meses de execução. “A intenção é proporcionar melhores condições de comercialização do etanol e o adequado abastecimento interno, evitando pro- blemas no comportamento do mercado”, acrescenta o diretor. O programa, destinado ao financiamento das usinas, destilarias, empresas de comercialização de etanol e cooperativas de produtores, mediante a garantia do estoque de etanol, pode minimizar as variações dos preços do combustível. O governo busca manter linearidade nos preços do etanol combustível que sofrem queda acentuada na safra (maio a dezembro) e elevação na entressafra (janeiro a abril). Exportações de Açúcar sobem 53,4% em Agosto Produto é destaque na balança comercial do mês, com 3,2 milhões de toneladas embarcadas. Vendas do agronegócio renderam US$ 7,3 bilhões O aumento de 53,4% na quantidade exportada de açúcar foi destaque na balança comercial do agronegócio, saltando de 2,1 milhões de toneladas, em agosto de 2009, para 3,2 milhões de toneladas no mês passado. No geral, as exportações totalizaram US$ 7,305 bilhões, crescimento de 23,3% em relação a agosto de 2009. O número é recorde para o período e 8% superior às vendas externas no mesmo mês em 2008, até então o agosto mais alto na série histórica. As importações em agosto totalizaram US$ 1,095 bilhão e o superávit registrado foi de US$ 6,210 bilhões. Entre janeiro e agosto, as exportações tiveram alta de 13,6% em relação a 2009, com US$ 49,628 bilhões. As importações também apresentaram variação positiva (37,5%), totalizando US$ 8,375 bilhões. O saldo comercial do agronegócio até o momento é de US$ 41,252 bilhões. Na análise por setores, as maiores contribuições para o resultado no período vieram do complexo sucroalcooleiro (73,8%), carnes (23,7%), produtos florestais (37,7%), café (41,9%), cereais e farinhas (136,3%). O bom desempenho do açúcar elevou em 73,8% as vendas externas do complexo sucroalcooleiro no último mês. Tendo como base de comparação agosto de 2009, o valor arrecadado Revista Canavieiros - Setembro de 2010 com os embarques de açúcar somou US$ 1,369 bilhão, por causa do aumento de 23,9% no preço do produto. A receita com as exportações de carnes aumentou 23,7%, passando de US$ 1,014 bilhão, em agosto de 2009, para US$ 1,255 bilhão no mês passado. Os valores arrecadados com as vendas de carne bovina foram 52,6% maiores; de frango, 28,4% e de carne suína, 36,8%. Os destinos que apresentaram maior crescimento foram Egito (145%), Tailândia (130,3%), Irã (129%), Rússia (76,9%), Indonésia (74,2%), Espanha (52,1%), Argentina (45,8%) e Japão (44,2%). Na avaliação por blocos econômicos e regiões, todos apresentaram incremento e os destaques foram África (58%), Nafta (43%), Mercosul (40,9%) e Oriente Médio (29,2%). relação às importações, em agosto, as compras de produtos agropecuários originários de outros países aumentaram 40,2%, pulando de US$ 785 milhões para US$ 1,095 bilhão. Trigo (37,3%), arroz (52%), borracha natural (188%) e pescado (54,2%) foram os produtos mais importados no último mês. RC Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
  31. 31. Informe Publicitário 31 Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  32. 32. 32 Cultura de Rotação Copercana realiza reunião técnica de amendoim para produtores Carla Rodrigues Durante o evento foram apresentados resultados de pesquisas realizadas na safra 2009/10 N o dia 20 de setembro a Copercana realizou reunião técnica de amendoim no auditório da Canaoeste voltada aos produtores. Cerca de 50 cooperados acompanharam as palestras, que foram proferidas pelos professores da UNESP/FCAVJ (Universidade Estadual Paulista), com quem a Copercana mantém uma parceria desde 2006, e pelo gerente da Uname (Unidade de Grãos da Copercana), Augusto César Strini Paixão. Os professores abordaram vários assuntos sobre a cultura do amendoim e apresentaram resultados das pesquisas realizadas ao longo da safra 2009/10. O presidente da Canaoeste, Manoel Ortolan, esteve presente na reunião para dar boas vindas aos produtores e pesquisadores, e aproveitou a oportunidade para falar sobre os trabalhos realizados pela Copercana em parceria com a Unesp. “Estamos muito satisfeitos com o desenvolvimento desses estudos, cujo objetivo é sempre buscar o que há de mais novo no mercado e garantir competitividade aos nossos produtores”, disse Ortolan. O Dr. Rouverson Pereira da Silva, professor da UNESP/FCAVJ, falou sobre a avaliação de perdas na colheita mecanizada do amendoim, um tema bastante amplo e atual para os produtores. De acordo com o professor, vários fatores influenciam a colheita, como as características de área, manejo de cultura, ponto de colheita e manutenção e regulagens das máquinas e para, se ter uma boa produção, é necessário buscar eficiência. Dr Rouverson Pereira da Silva Professor da UNESP/FCAVJ Dr. Modesto Barreto Professor da UNESP/FCAVJ Dr. Manoel Ortolan Presidente da Canaoeste Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  33. 33. 33 Ainda de acordo com Silva, há o método Hull Scrape, que é ideal para determinação da maturação. Neste método é feita a raspagem da parte exterior da vagem, expondo a coloração da sua parte mediana. Depois de feitas as análises, o professor explicou que ainda há vários tipos de perdas, que são elas: Perdas Visíveis no Arranqueio, Invisíveis no Arranqueio, Visíveis Totais, Totais no Arranqueio e Totais na Colheita. O professor Modesto Barreto (UNESP/FCAVJ) foi quem iniciou a parceria com a Copercana na safra 2006/07 e falou um pouco sobre tudo o que já realizaram juntas, como experimentos, visitas a cooperados, palestras e o manual de identificação e manejo das doenças de amendoim. Também comentou sobre os resultados de manejo de doenças da safra 2009/10, que tinham como objetivo identificar a reação das cultivares de amendoim às principais doenças que ocorrem na região, sob condições de manejo adotadas pela cooperativa. Já o professor Carlos Alexandre, da Unesp/Botucatu, mostrou aos produtores os resultados de sua avaliação feita com uso de fertilizantes foliares na cultura do amendoim. Para isso foram realizados três experimentos: Programa Stoller (I), Agrovec (II) e Brasquímica (III). Feitas as análises, foi concluído que, independente da empresa, os tratamentos aplicados proporcionaram produtividade. O professor Edson Baldin (UNESP/Botucatu) alertou aos presentes sobre o controle do percevejo-preto (Cyrtomenus mirabilis) no amendoim. Segundo Baldin, todas as culturas da nossa região são hospedeiras desse inseto e ainda há testes sendo feitos para encontrar a solução e a eficácia do produto MET 21. Quanto às alternativas de manejo, há três tipos: controle cultural, controle biológico e controle químico. A professora Núbia Maria Correia, da UNESP/FCAVJ, falou sobre os resultados da safra 2009/10 feita com as aplicações de herbicidas, que tiveram desempenhos satisfatórios, mas há uma escassez de produtos registrados. Com algumas análises prontas, o professor chegou à conclusão de que a baixa infestação e a temperatura elevada podem ter comprometido em parte a avaliação da eficiência desse produto. E também que novos ensaios devem ser realizados, visando oferecer mais detalhes sobre o potencial do produto MET 21 no Cyrtomenus mirabilis. Dra. Núbia Correia Professora da UNESP/FCAVJ Dr. Carlos Alexandre Professor da UNESP/Botucatu Augusto Strini Gerente da Uname Para finalizar a reunião, o gerente da Uname, Augusto Strini, conversou com os produtores sobre as perspectivas do mercado atual e futuro e também mostrou alguns dados sobre os rendimentos da safra 2009/10. Ele aproveitou o momento para tranquilizar os produtores sobre faltar amendoim para sustentar o mercado. “Não vamos precisar comprar amendoim, temos amendoim para vender tanto para mercado externo quanto para o mercado interno”, explicou. Também alertou sobre a valorização no mercado externo dos amendoins plantados em terra com rotação de cultura, principalmente a cana-de-açúcar. RC Dr. Edson Baldin Professor da UNESP/Botucatu Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  34. 34. 34 “É claro que muitos problemas ainda perseguem o setor, como a volatilidade nos preços do etanol. E como participantes do setor, sentimos na pele essas dificuldades, mas temos de admitir que sempre existirão problemas a serem enfrentados, por melhor que esteja a situação”. Antonio Eduardo Tonielo, presidente da Copercana, SicoobCocred e Sindicato Rural de Sertãozinho Repercutiu “O etanol deve ser associado sempre à sustentabilidade. Por isso, o governo precisa investir na certificação do etanol”. Marina Silva, candidata a presidência da república. “O etanol já se tornou um eficaz embaixador verde-amarelo nas parcerias que construímos com outros países”. Luiz Inácio Lula da Silva, presidente da República “Um dos maiores desafios do setor é a padronização da incidência de impostos sobre o etanol em todos os estados brasileiros para evitar a sonegação e estimular a competitividade”. Rubens Ometto Silveira Mello, presidente do Conselho de Administração do Grupo Cosan “A expectativa é que a remuneração da cana seja melhor, já que está safra deve ser mais equilibrada em termos de oferta e demanda, com produtividade maior e melhor qualidade da matéria-prima”. Manoel Ortolan, presidente da Canaoeste Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  35. 35. 35 Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  36. 36. 36 36 “General Álvaro Tavares Carmo” Prevenção de Perdas e Gestão de Riscos Varejo – Indústria Instituições Financeiras Carlos Eduardo Santos Cultivando a Língua Portuguesa Esta coluna tem a intenção de maneira didática, esclarecer algumas dúvidas a respeito do português. “Podemos nos defender de um ataque, mas somos indefesos a um elogio” Sigmund Freud 1) Pedro disse: - Que “feiúra”, Maria! Segundo o desgastado jargão popular, gosto não se discute... Quanto à Língua Portuguesa, prezado amigo leitor, realmente, para ser FEIURA não pode usar o acento. A Nova Regra Ortográfica: as paroxítonas com vogais i e U tônicas antecedidas de ditongo não receberão mais acento. O correto é: FEIURA. Veja: FE- IU – ditongo e paroxítona (sílaba forte) - RA O inédito do trabalho de Carlos Eduardo é o estudo comparativo entre as metodologias aplicadas nas duas áreas – Riscos e Prevenção de Perdas -, principalmente nos critérios para classificação dos riscos e perdas. O resultado deste magnífico trabalho demonstra completo alinhamento das duas funções, que se organizadas pelas empresas, poderão ser fatores essenciais para a mitigação de riscos e consequentemente das perdas. É neste contexto que se enquadra o livro do Carlos Eduardo, comentando o estudo das técnicas e metodologias, além de indicar a aplicabilidade para o gerenciamento e monitoramento por parte dos gestores. O livro procura em seu sentido estrito e em seu sentido geral, mostrar ao leitor o equilíbrio necessário para operacionalizar a gestão de riscos e de perdas. Fica evidente sua real necessidade e exigência das empresas em relação a arte de prevenir riscos e situações desfavoráveis, forçando os profissionais do setor a deixar de lado o amadorismo de suas ações e assumir uma postura objetiva e técnica. *Texto retirado do livro e escrito por Antonio Celso Ribeiro Brasiliano – Diretor Executivo da Brasiliano & Associados Os interessados em conhecer as sugestões de leitura da Revista Canavieiros podem procurar a Biblioteca da Canaoeste, na Rua Augusto Zanini, nº1461 em Sertãozinho, ou pelo telefone : (16)3946-3300 - Ramal 2016 marcia.biblioteca@canaoeste.com.br 2) Pedro mora em “PIAUÍ”. Corretíssima a escrita. Dica importante: o acento permanece nas palavras oxítonas com o I e U em posição final ou seguidos de S. Exemplos corretos: Piauí (oxítona, última sílaba) e Tuiuús (oxítona, última sílaba e seguida de S) 3) No feriadão... Pedro reuniu toda a família: pais, sogros, cunhados... para o famoso e esperado “ churrasco familiar”! Que alegria e “tranqüilidade”! Quanto à alegria, sem comentários... Quanto à tranquilidade, sem trema, segundo a Nova Regra Ortográfica. Caso contrário, com trema, churrasco indigesto para o Português... (a Língua Portuguesa!) PARA VOCÊ PENSAR: “Nenhuma pessoa merece tuas lágrimas, e quem as merece não te farão chorar” Gabriel Garcia Marques “Afastei de mim o sábio que não chora, o filósofo que não ri e o orgulhoso que não se curva perante uma criança” Gibran Kahlil “A prece é a escada misteriosa de Jacó: por ela sobem os pensamentos ao céu; por ela descem as divinas consolações” Machado de Assis Dicas e sugestões, entre em contato: renatacs@convex.com.br * Advogada,Profa. de Português, Consultora e Revisora, Mestra USP/RP, Especialista em Língua Portuguesa, Pós-Graduada pela FGV/RJ, com MBA em Direito e Gestão Educacional, autora de vários livros como a Gramática Português Sem Segredos (Ed. Madras), em co-autoria. Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  37. 37. 37 Eventos em Outubro de 2010 V Congresso Brasileiro de Defensivos Agrícolas Naturais - III COBRADAN Empresa Promotora: Embrapa Meio Ambiente Tipo de Evento: Congresso Início do Evento: 05/10/2010 Fim do Evento: 07/10/2010 Estado: SP Cidade: Jaguariúna Localização do Evento: Embrapa Meio Ambiente Informações com: Embrapa Meio Ambiente Site: http://www.cnpma.embrapa.br/nova/mostra2. php3?id=583 Telefone: 19 3311.2700 E-mail: sac@cnpma.embrapa.br 14º Conceitos Básicos de Planejamento Técnico-Econômico da Exploração de Bovinos de Corte Empresa Promotora: FEALQ Tipo de Evento: Curso / Treinamento Início do Evento: 05/10/2010 Fim do Evento: 07/10/2010 Estado: SP Cidade: Piracicaba Localização do Evento: Centro de Treinamento de R.H, da Esalq/USP, Piracicaba, SP Informações com: Fealq Site: www.fealq.org.br Telefone: 19 3417-6604 E-mail: cdt@fealq.org.br Workshop Mercado de Fertilizantes e o Futuro do Agronegócio Empresa Promotora: Universidade de São Paulo, Esalq e Gape (Grupo de Apoio à Pesquisa e Extensão). Inicio do Evento: 07/10/2010 Fim do Evento: 08/10/2010 Estado: SP Cidade: Piracicaba Localização do Evento: Anfiteatro da Engenharia – Esalq/Usp Informações com: Gape pelos telefones 55 (19) 34172138/3417-2104 ou com Fealq pelos telefones 55 (19) 3417-6600. E-mail: workshopmercadofertilizantes@gmail.com cursos de Inseminação Artificial em ovinos e caprinos Empresa Promotora: Top in Life, em parceria com a CRV Lagoa e a Intervet Inicio do Evento: 06/10/2010 Fim do Evento: 08/10/2010 Estado: SP Cidade: Jaboticabal Site: www.topinlife.com.br Telefone: 16 3203-7555 E-mail: administracao@topinlife.com.br Workshop Mercado de Fertilizantes 22ª Feira Agropecuária e Industrial de Santa Rita Empresa Promotora: Prefeitura Municipal Inicio do Evento: 07/10/2010 Fim do Evento: 12/10/2010 Estado: SP Cidade: Santa Rita do Passa Quatro Telefone: 19 3582-9000 X Conferência Internacional Datagro Início do Evento:18/10/2010 Fim do Evento: 19/10/2010 Local: Grand Hyatt Cidade: São Paulo Estado: SP Informações: www.conferenciadatagro.com.br Curso sobre Práticas de Manejo na Caprino e na Ovinocultura Empresa Promotora: Capritec Tipo de Evento: Curso / Treinamento Início do Evento: 16/10/2010 Fim do Evento: 17/10/2010 Estado: SP Cidade: Espírito Santo do Pinhal Localização do Evento: Capritec - Rodovia SP 342/346, km 202 - Espírito Santo do Pinhal - SP Informações com: Capritec Site: www.capritec.com.br/ Telefone: 19 9299 8255 E-mail: sac@capritec.com.br Curso de Inseminação Artificial CRV Lagoa Empresa Promotora: CRV Lagoa Tipo de Evento: Curso / Treinamento Início do Evento: 18/10/2010 Fim do Evento: 22/10/2010 Estado: SP Cidade: Sertãozinho Localização do Evento: CRV Lagoa Informações com: CRV Lagoa Site: http://www.crvlagoa.com.br/cursos.asp?id=1 Telefone: 16 2105.2299 Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  38. 38. 38 VENDE-SE - Caminhão Canavieiro, Mercedez Benz L2635, plataformado, ano 1997, com 175.000 Km, carroceria CAMAQ cana inteira, novíssimo. Único dono, quilometragem original, sem batida ou tombo, comprados na concessionária MB de Jaboticabal/SP. Todas as revisões a manutenções feitas na autorizada. Nunca abriu motor, diferencial, etc. Tratar com Fernando pelo telefone: (16) 91031071. VENDEM-SE - Pick-up Strada Adventure, cor prata, completa, ano 04/05 sem detalhes. -Astra, ano 02, completo, cinza escuro metálico, muito novo. Tratar com Milton pelos telefones: (16) 91749650 ou (16) 39422944. VENDE-SE - Fazenda de 510 hectares, em Prata-MG, muito bem montada, faz divisa com canavial. Tratar pelo telefone: (34) 9974 7500. ARRENDA-SE - Fazenda de 200 até 1000 hectares, várias benfeitorias, em Minas Gerais. Tratar pelo telefone: (34) 9974 7500. VENDE-SE - Propriedade rural localizada no município de Gaúcha do Norte/MT, com área de 3.397 hectares, sendo: 1.231 hectares em pastagens e 2.166 hectares em reserva florestal e APP. - Pastagnes: Brachiaria brizantha cv. Marandú e Brachiaria decumbens - 10 divisões de pastos com cercas em arame liso e lascas de madeira a cada 5 metros - Rio Mirassol faz uma das divisas da propriedade, tem mais 04 nascentes e 02 represas. - Energia elétrica: grupo gerador - 01 casa de alvenaria, estábulo, armazém de madeira para abrigo de máquinas e implementos. - 01 curral - Documentação: processo de géo referenciamento em andamento. - 38 km da Gaucha do Norte / MT - 145 km de Canarana / MT - 310 km de Primavera do Leste / MT Preço: R$ 1.472,00 o hectare. Tratar com Jorge Abissamra pelo telefone: (16) 9223-9660. COMPRAM-SE - Tubos de irrigação de todos os diâmetros, motobombas, rolão autopropelido, pivot, etc. Pagamento á vista. Tratar com Carlos pelo telefone: (19) 91661710 ou pelo e-mail:cyutakam@ hotmail.com VENDE-SE - Valtra BH 140, ano 2002, com cabina. Tratar pelo telefone: (34) 33320525 ou 99723073. VENDE-SE - Fazenda em Uberaba-MG com 219,16 ha, região próximo a Usina, com parte em cana, com casa sede e casa de empregado. Tratar pelo telefone: (34) 99357184. VENDEM-SE - Trator Massey Fergunson 680 HD, ano 2006 com 6750 horas super conservado. Equipado com kit freio pneumático e cabina climatizada; - 01 subsolador de arrasto 7 haste com disco destorroador pouco usado; - 01 caminhonete D20, ano 1991, cabina dupla branca, com ar e direção hidráulica. Tratar com Walter pelos telefones: (17) 91412290 ou (17) 33921066. VENDEM-SE - Rolo faca “icma” larg. 2,80m 4.500kg e 13.000 kg com lastro; - Grade int. Civemasa 22d - 28’ esp. 270mm Cr; - Carreta p/ plantio cana 2 pneus 1000x20; Revista Canavieiros - Setembro de 2010 - P.h.i jacto c/ 2 tanques de 800lts cada; - Enleirador de palha “arador”; - Arado de aivecas aar4.tatu; - Anemômetro “kestrel” mod 1000; - Tanque d’agua 11000l,bomba ksb, canhão “gascon”; - Calcariadeira “jan” lancer 2.500; - Pulverizador condor “jacto” 600l barras 12m manual; - Cultivador/sulcador/triplice op. 3 linhas regulável; - Cobridor de cana com tanque 200l 3 linhas. Tratar com Márcio pelo telefone: (14) 9792 1571 – Pederneiras/SP. Solicitação de envio de fotos pelo e-mail: jmarciopereirav@yahoo.com.br VENDEM-SE - 01 caixa d’água modelo australiana para 50.000 lts de água; - 01 caixa d’água modelo australiana para 5.000 lts de água; - 01 transformador de 15 KVA; - 01 transformador de 45 KVA; - 01 transformador de 75 KVA; - Lascas e mourões de aroeira; - 01 sulcador de 2 linhas DMB; - Coxos de cimento; - Porteiras; - 01 repetidora com 10 rádios amadores e 3 HT; - 01 torre de 60 metros Tratar com Wilson pelo telefone: (17) 97392000 - Viradouro SP VENDE-SE - Carreta de cana inteira, toda reformada com 12 metros por 4,70metros, Rodon Rodoviaria, muito bonita. Tratar com Macedo pelo telefone:(16) 81527322 ou pelo email: macedo@ wurth.com.br. VENDEM-SE - Dornas de madeira, capacidade 0350.000 lts, 01 30.000 lts vendo barato. - Fabrica de aguardente completa capacidade de 1000 lts. Tratar com Marcio Viana pelo telefone: (31)99654709 ou pelo email: aguardenteurucania@bol.com.br.
  39. 39. 39 Revista Canavieiros - Setembro de 2010
  40. 40. 40 Revista Canavieiros - Setembro de 2010

×