08 pre impressao_problemas

4.350 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Tecnologia
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.350
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
285
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

08 pre impressao_problemas

  1. 1. Processos de PréProcessos de Pré--ImpressãoImpressão PROBLEMAS RECORRENTESPROBLEMAS RECORRENTES Leandro Canabrava Damas Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica
  2. 2. MoiréMoiré Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica MOIRÉ (OU MOARÊ) É resultado da angulação equivocada da retícula, quando os ângulos de cada cor tem diferença menor do que 30 graus. Visível a olho nu, é um defeito que deve ser evitado a qualquer custo. A digitalização de originais previamente impressos também ocasionam este defeito e devem ser evitados, muito embora existam alguns filtros no Photoshop e nos scanners que minimizam o problema.
  3. 3. Modos de CorModos de Cor Também chamadas “cores- luz” ou “cores aditivas” são as que formam as cores nos monitores. Muito embora sejam impressas em CMYK as imagens digitais devem permanecer em RGB para manipulação e tratamento, só sendo convertidas quando não forem ser mais editadas. Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica RGB
  4. 4. Modos de CorModos de Cor Também chamadas “cores- pigmento” ou “cores subtrativas” são as que formam as cores na impressão. A partir das cores primárias (CMYK) formam-se as demais na impressão, através do processo de reticulagem. Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica MODO DE COR - CMYK
  5. 5. Vetor xVetor x BitmapBitmap Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica ESCALABILIDADE X DEPENDÊNCIA DE RESOLUÇÃO Boa parte dos problemas nesta relação reside na incompreensão e desrespeito de algumas regras básicas: - Bitmaps dependem de resolução e profundidade de cor. Não podem ser ampliadas sem restrição nem gravadas com muita compactação. - Vetores são livres em termos de ampliação e redução, mas deve-se evitar extrema complexidade ou a utilização de recursos tipicamente de bitmap sem cuidados especiais.
  6. 6. Resolução deResolução de BitmapsBitmaps Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica RESOLUÇÃO DE BITMAPS x DISPOSITIVOS DE SAÍDA Uma imagem digital com resolução insuficiente (baixo PPI) sempre resultará em problemas de serrilhamento, mesmo que os dispositivos de saída e impressão possuam altas resoluções (alto PPI / LPI). Veja abaixo o exemplo de duas imagens impressas em dispositivos de alto DPI. Elas possuíam, respectivamente 72PPI(esq.) e 300PPI (dir.).
  7. 7. Cálculo de ResoluçãoCálculo de Resolução PPI ou pixels por polegada é a medida que define a resolução das imagens digitais bitmapeadas (formada por pixels). Para se calcular a resolução ideal de uma imagem, é necessário saber em que lineatura ela será impressa. Dica: o valor 2, chamado de fator de qualidade pode ser utilizado entre 1,5 e 2. Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica LINEATURA X RESOLUÇÃO DE BITMAPS
  8. 8. MegapixelMegapixel Em geral, as imagens têm a proporção acima. Tomemos o exemplo de uma imagem de 6 megapixels: 2x (vezes) 3x = 6.000.000 de pixels  6X² = 6.000.000  X² = 1.000.000 X = 1.000 pixels. A imagem teria então 2.000 x 3.000 pixels. Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica ENTENDENDO O MEGAPIXEL Hoje, nas câmeras digitais, utiliza- se o termo megapixel para indicar resolução. O megapixel é, na verdade, a quantidade total de pixels (em milhões) quando multiplicados os pixels que compõe a largura x altura de uma imagem. 2x 3x
  9. 9. MegapixelMegapixel Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica MEGAPIXEL X PPI Conforme cálculos, a imagem ao lado de 6Mpx, teria 2.000 pixels de altura por 3000 pixels de largura. Isto quer dizer que, se precisasse dela a 200 PPI, ela poderia ser impressa em: 2000/200  10 pol = 25,4 cm (altura) 3000/200  15 pol = 38,1 cm (largura) 2x 3x
  10. 10. Tons de CinzaTons de Cinza Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica RESOLUÇÃO DE SAÍDA X LPI X TONS DE CINZA O aumento da lineatura de retícula (LPI) em dispositivos de saída com baixa resolução (DPI) acarreta a diminuição dos tons de cinza. Este problema é bastante comum quando se utiliza impressoras laser para simulação de retículas. Veja ao lado este problema e o cálculo dos tons de cinza. Dica: a lineatura de impressão (lpi) nunca deve ser maior que 1/16 da resolução (dpi) do dispositivo de saída.
  11. 11. Resolução de SaídaResolução de Saída Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica RESOLUÇÃO DE DISPOSITIVOS DE SAÍDA Da forma análoga ao problema anterior, de nada adianta uma imagem em bitmap estar em alta resolução (PPI) se o dispositivo de saída não puder reproduzí-la nesta qualidade devido ao baixo DPI. Veja abaixo o exemplo de duas imagens de alta resolução enquanto bitmap (300 PPI) e impressas em resoluções (DPI) diferentes. Respectivamente 300 DPI (à esquerda) e 2400DPI ( à direita).
  12. 12. O Ponto na ImpressãoO Ponto na Impressão Ponto Quadrado: gera um ganho de ponto maior durante a impressão. Menor utilização. Ponto Redondo: recomendado para impressão em serigrafia e offset rotativa por possuir menor deformação. Ponto Elíptico: mais utilizado, por reproduzir de forma mais suave os meios tons. Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica FORMATOS COMUNS
  13. 13. O Ponto na ImpressãoO Ponto na Impressão Corresponde à área ocupada pelo ponto na impressão. Alguns processos e suportes tendem a aumentar a porcentagem prevista no arquivo digital, o que denomina-se ganho de ponto. O ganho de ponto deve ser previsto para que se faça ajustes no arquivo antes da impressão. Isto se faz atribuindo um Perfil ICC ao documento ou imagem digital. Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica GANHO DE PONTO
  14. 14. O Ponto na ImpressãoO Ponto na Impressão Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica GANHO DE PONTO Ao lado podemos ver alguns exemplos de ganho de ponto em impressão offset plana. O maior problema ocorre nas áreas de tons médios, onde porcentagens de 50% podem chegar a 80%. O Perfil ICC, na prática, reduz a porcentagem de tinta no documento ou imagem digital para fazer a compensação.
  15. 15. Embora seja possível atribuir à uma cor 100% das tintas Cyan, Magenta, Amarelo e Preto, isto pode ser um problema se todas elas são sobrepostas. Excesso de tinta pode ocasionar decalque na impressão quando vão sendo “empilhados” os impressos. Também podem ocasionar repinte, por deixar tinta na blanqueta. Além dos problemas acima, o excesso de tinta faz desaparecer detalhes nas áreas de sombra e dificulta a secagem da tinta. Papéis mais porosos tendem a ocasionar mais ganho de ponto e também a ter maior problema com excesso de entintamento. A correção deste problema é feita através dos Perfis ICC. Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica COBERTURA DE TINTA A Tinta na ImpressãoA Tinta na Impressão
  16. 16. A Tinta na ImpressãoA Tinta na Impressão Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica COBERTURA DE TINTA Ao lado podemos ver alguns exemplos do limite de cobertura (%) de acordo com o suporte de impressão. O maior problema ocorre nos papéis sem revestimento, onde a quantidade total de tinta deve ser bem menor. O Perfil ICC, na prática, também limita a quantidade de tinta no documento ou imagem digital para evitar excessos.
  17. 17. Registro de CoresRegistro de Cores Pequenos erros no encaixe das cores podem ocorrer, mas podem ser previstos e solucionados. O trapping é um recurso que cria um filete composto pelas cores adjacentes para evitar o aparecimento de um filete branco na falta do registro perfeito. Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica REGISTRO X TRAPPING
  18. 18. Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica REGISTRO X TRAPPING Registro de CoresRegistro de Cores
  19. 19. Registro de CoresRegistro de Cores O overprint também é uma forma de compensar o erro de registro. Entretanto ele sobrepõe uma cor a outra e, por esta razão é normalmente destinado à cor preta e pequenos elementos gráficos (filetes, texto, etc.) Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica REGISTRO X OVERPRINT
  20. 20. Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica Registro de CoresRegistro de Cores REGISTRO X OVERPRINT
  21. 21. Sangria é o termo utilizado para definir a “sobra” de grafismo que deixamos para além do corte; Função: evitar o aparecimento de filete quando há o refile da peça; Tamanho: em geral deixamos o layout gráfico de 3 a 5mm maior que o layout a ser impresso; OBS: As marcas de corte delimitam exatamente o tamanho final da peça. Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica Refile x SangriaRefile x Sangria SANGRIA
  22. 22. Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica Sinais GráficosSinais Gráficos SINAIS GRÁFICOS Os sinais gráficos são destinados a orientar a impressão e acabamento de uma peça. Os mais comuns: - Marcas de corte; - Marcas de dobra; - Cruz de Registro; - Tiras de Controle. OBS: no cálculo de aproveitamento de papel devem ser levados em consideração, assim como a sangria.
  23. 23. Fontes DigitaisFontes Digitais Todo caractere que digitamos em um software utiliza um arquivo de fonte para ser visualizado e impresso. As fontes precisam ser enviadas para impressão (no caso de arquivos abertos) ou embutidas no arquivo (no caso de arquivos fechados). Preferencialmente, devem ser utilizadas fontes Open Type e Type1 evitando o uso de fontes True Type, que costumam gerar problemas sérios de impressão. Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica FONTES DIGITAIS
  24. 24. Situação ProblemaSituação Problema Ao fazer um folder com textos e imagens você precisou digitalizar algumas fotos. Entretanto, as fotos originais (antes de serem digitalizadas) tinham o dobro do tamanho final (que seria impresso). Sabendo-se que este folder será impresso em papel apergaminhado (120 lpi) e que será “finalizado” em um software adequado, responda ao que se segue: a) Qual é a resolução de entrada que você deve utilizar para digitalizar as imagens (ppi)? b) Qual o modo de cor que deve ser utilizado nestas imagens durante a manipulação e tratamento? E ao finalizar o “layout”? c) Quais os cuidados devo ter com para prevenir problemas de registro e de ganho de ponto? d) Quais os cuidados devo ter com as fontes? Leandro Canabrava Damas - Especialista em Gestão de Processos de Produção Gráfica

×