Adventistas na política

812 visualizações

Publicada em

Deve o cristão envolver-se com a política? Confira os argumentos bíblicos e extra-bíblicos para o tema

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
812
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
27
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Adventistas na política

  1. 1. Há um papel para os adventistas na política? Implicações da participação adventista na administração pública por Leandro Dakel
  2. 2. Qual a responsabilidade dos ASD para com o meio político em que vivemos? • Para responder essa pergunta, devemos fazer outras três: • 1) O que a Bíblia diz? • 2) O que EGW diz? • 3) Qual o papel da IASD na política?
  3. 3. Origem Etimológica do Termo “Política” • Termo grego “politkê” – traz a idéia dos discursos de sabedorias gregos. • Consiste na arte de apresentar normas de conduta para uma representação objetivando o bem estar da mesma • A Bíblia – norma cristã de “conduta” – por isso estamos envolvidos na política • A Bíblia oferece princípios, leis, e normas exemplificadas em Cristo
  4. 4. O que a Bíblia fala sobre política? • AT – a ordem política é a crença no monoteísmo • Gn 1:26-31 – Deus é o governador, mas outorgou ao homem esse direito, em âmbito limiado • Gn 3:16 – O homem governa a mulher • Dn 4:25 – Deus dá o governo a quem quer
  5. 5. O que a Bíblia fala sobre política? • NT – a ordem política deixa de ser a teocracia para dar lugar ao autoritarismo absolutista • Rm 13:1-4 – Autoridades instituídas por Deus • Jo 19:10-11 – Deus deu a autoridade para Pilatos governar • 1 Pe 2:13-14 – Deus institui reis e autoridades • Mc 12:17 – Nunca entrar em choque com a política • At 5:29 – Mas importa obedecer a Deus do que aos homens
  6. 6. Personagens bíblicas na política • • • • • • • • José – Primeiro Ministro do Egito Moisés – Príncipe do Egito Ester – Rainha da Pérsia Daniel – Governador de Babilônia e Superintendente dos sábios da província Sadraque, Mesaque e Abdenego – Superintendentes em Babilônia Esdras – Primeiro Ministro do Império Medo-Persa Neemias – Conselheiro do Rei Artaxerxes Zaqueu – Cobrador de impostos para o Império Romano
  7. 7. Influência do povo de Deus sobre as autoridades políticas José – elaborou com a inspiração divina um plano para pôr a salvo a nação egípcia durante o tempo da fome. “[Deus] desejou fazer de José uma luz, e colocou-o no palácio do rei, a fim de que a iluminação celeste pudesse estender-se Longe e perto (PP, 368-69) Moisés – uma luz no reino do egito, “a fim de que todos que quizessem pudessem aprender acerca do Deus verdadeiro e vivo” (Idem)
  8. 8. Influência do povo de Deus sobre as autoridades políticas Esdras – “foi tão excepcional que atraiu a favorável atenção do Rei Artaxerxes, com que ele falou livremente sobre o Deus do céu... Era tão grande a confiança do rei na integridade de Esdras, que lhe mostrou marcado favor, aceitando o seu oedido, e outorgando-lhe ricos dons para o serviço do templo” (Ibid., 607-10) Ester – escolhida para ser rainha pela presciência divina, frustrou os planos de Hamã de destruir o povo de Deus. Mardoqueu, tio de Ester, foi recompensado pelo rei, e assumiu “uma posição mais elevada do que a de todos os Demais nobres (Ester 3:1)” (Ibid., 601-02)
  9. 9. Influência do povo de Deus sobre as autoridades políticas Jonh Wycliffe – um crstão de tempos mais antigos que mantinha vários cargos governamentais. Influenciou o monarca inglês a não mais entregar tributos financeiros ao Papa. Foi designado como embaixador real. Logo depois, recebeu o cargo da reitoria de Lutterworth. “A influência de Wycliffe foi sentida no moldar a ação da Corte, bem como a crença da nação” Através das eras, os seguidores de Cristo têm influenciado as autoridades. Sua vida exemplar põe em relevo o valor dos cristãos que ocupam cargos públicos.
  10. 10. Evitar extremos • Temos que rejeitar a idéia de banir a política de nossos interesses. Não se pode ter repulsa teológica pela política. • Temos que ter responsabilidade de participar na vida social, pois ainda temos a responsabilidade de fazer bem aos outros, praticar cidadania e votar.
  11. 11. Dois extremos • Testemunhas de Jeová – desassociam-se de qualquer realidade política. Não votam, não servem no serviço militar, não possuem qualquer cargo público. • Igreja Católica – regularmente apresenta posições sobre justiça social e política, designando o Gabinete de ligação com o governo para representar a posição da Igreja perante o Congresso Norte-Americano. Mantém um site na internet que fornece informações sobre as posições mantidas pela igreja em várias questões
  12. 12. Equilíbrio • Igreja Adventista do Sétimo Dia – mantém postura apolítica, não se envolvendo oficialmente em questões em questões políticas e nem dando o seu parecer, para não haver divisão de opiniões dentro da própria Igreja. Ao mesmo tempo, a Igreja incentiva a representação cristã mediante o ingresso de seus membros no quadro político a fim de defender o interesse social
  13. 13. Conselhos de Ellen White “Querida juventude, qual é o alvo e propósito de sua vida? tendes a ambição de educar-vos para poderdes ter nome e posição no mundo? Tendes pensamentos que não ousais exprimir, de poderdes um dia alcançar as alturas da grandeza intelectual; de poderdes assentar-vos em conselhos deliberativos e legislativos, cooperando na elaboração de leis para a nação? Nada há de errado nestas aspirações” Fundamentos da Educação Cristã, p. 607-10
  14. 14. Conselhos de Ellen White Mas, naturalmente, há proibições específicas feitas aos adventistas com relação a política. Abaixo está sistematizado as conselhos de EGW sobre o assunto: 1) Aqueles que “ensinam a Bíblia” (professores e lideres da igreja), não devem manifestar parcialidade. 2) Membros não devem se filiar a filosofias partidárias e nem tomar parte em esquema político e/ou parceria política. 3) Não alinhar-se com políticos que não apóiem a liberdade religiosa.
  15. 15. Conselhos de Ellen White 4) Não podem ter “distintivos políticos” que produzam divisão dentro da igreja. 5) Dízimos e ofertas não devem ser usados para alguém que “discorra sobre questões políticas”. 6) As publicações da igreja não devem exaltar indivíduos influentes. (ver Fundamentos da Educação Cristã, p. 457-84)
  16. 16. Tentações de um candidato • Envolvimento Imoral • Enriquecimento Ilícito • Forçar apoio da igreja e gerar divisionismo no corpo de Cristo • Abuso de poder
  17. 17. Conclusão • Os ASD têm um importante papel a desempenhar na política de seu país • Segundo David Easton, quando os cristãos deixam a política ,ela fica nas mãos dos incrédulos • Nossos governantes poderiam interpretar nosso silêncio como uma ausência de opinião sobre as questões, o que não é e nem deveria ser o caso!
  18. 18. Conclusão • Os ASD são chamados a brilhar, e Deus cobrará de todo aquele que toma uma posição de responsabilidade social e espiritual um testemunho sólido e decidido para com a causa da verdade

×