Soneto: O tempo    Autor: Luiz Gonzaga PinheiroMúsica: Piano relax
O tempo é rio amarelado e poeirento
A contar piadas a um velho paciente
Aqui cochila, além dispara, ali dolente
E cada página é retrato de um momento
Se o tempo é livro não passou por revisores
Já que não volta para desfazer os dramas
São seus fios que sustentam velhas tramas
Que bem urdidas resultam em nossas dores
O tempo é como um rio sem memórias
Que tange a vida, afoga histórias
E se refaz a cada curva nova
É como um rei, contínuo e absoluto
Não se detém para o riso ou para o luto
Pois está aquém do berço e além da cova.
O tempo  O tempo é livro amarelado e poeirento  A contar piadas a um velho paciente  Aqui cochila, além dispara, ali dolen...
Formatação o caçador de imagens
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O tempo

188 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
188
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O tempo

  1. 1. Soneto: O tempo Autor: Luiz Gonzaga PinheiroMúsica: Piano relax
  2. 2. O tempo é rio amarelado e poeirento
  3. 3. A contar piadas a um velho paciente
  4. 4. Aqui cochila, além dispara, ali dolente
  5. 5. E cada página é retrato de um momento
  6. 6. Se o tempo é livro não passou por revisores
  7. 7. Já que não volta para desfazer os dramas
  8. 8. São seus fios que sustentam velhas tramas
  9. 9. Que bem urdidas resultam em nossas dores
  10. 10. O tempo é como um rio sem memórias
  11. 11. Que tange a vida, afoga histórias
  12. 12. E se refaz a cada curva nova
  13. 13. É como um rei, contínuo e absoluto
  14. 14. Não se detém para o riso ou para o luto
  15. 15. Pois está aquém do berço e além da cova.
  16. 16. O tempo O tempo é livro amarelado e poeirento A contar piadas a um velho paciente Aqui cochila, além dispara, ali dolente E cada página é retrato de um momentoSe o tempo é livro não passou por revisoresJá que não volta para desfazer seus dramas São seus fios que sustentam velhas tramasQue bem urdidas resultam em nossas dores O tempo é como um rio sem memórias Que tange a vida, afoga histórias E se refaz a cada curva nova É como um rei, contínuo e absoluto Não se detém para o riso ou para o luto Pois está aquém da vida e além da cova.
  17. 17. Formatação o caçador de imagens

×