SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
Baixar para ler offline
COLÉGIO MILITAR DE FORTALEZA
LÍNGUA PORTUGUESA
POESIA- VERSIFICAÇÃO
“Que é poesia?
uma ilha
cercada
de palavras
por todos
os lados.”
(Cassiano Ricardo)

“ Poesia é a suprema
forma de beleza.”
(Mallarmé)
“Aprendemos o que é
poesia lendo poesia.” (T.
S. Eliot)
Fanatismo
Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver!
Não és sequer razão de meu viver,
Pois que tu és já toda a minha vida!
Não vejo nada assim enlouquecida…
Passo no mundo, meu Amor, a ler
No misterioso livro do teu ser
A mesma história tantas vezes lida!
“Tudo no mundo é frágil, tudo passa…”
Quando me dizem isto, toda a graça
Duma boca divina fala em mim!
E, olhos postos em ti, vivo de rastros:
“Ah! Podem voar mundos, morrer astros,
Que tu és como Deus: princípio e fim!…”
REFLETINDO SOBRE O
TEXTO...
1. Em que gênero literário está

inserido esse texto?

2. Que características esse
texto apresenta?
3. Poema X Poesia. Existe
diferença?
4. O que é eu-lírico?
5. O que é verso?
6. O que é estrofe?
7.
Como
estrofes?

se

denominam

as
Poesia está em toda parte:
nas canções de ninar, nas
cantigas
de
roda,
nas
propagandas,
nas
letras
de
música, em uma bela paisagem...
A poesia encontra seu núcleo
no poema, feito e trabalhado
precisamente para consegui-la.
Ela é indefinível, porém é
definidora.
Poema é o gênero textual que
se constrói não apenas com idéias
e sentimentos, mas também por
meio do emprego do verso e seus
recursos musicais – a sonoridade
e o ritmo das palavras – , da
função poética da linguagem e de
palavras com sentido conotativo.
Poesia é o subjetivo, o
abstrato enquanto que poema é o
concreto.
Poesia
Gastei uma hora pensando um verso
que a pena não quer escrever.
No entanto, ele está cá dentro
inquieto, vivo.
Ele está cá dentro
e não quer sair.
Mas a poesia deste momento
inunda minha vida inteira.
(Carlos D de Andrade)
Eu-lírico ( eu-poético)
É a voz que fala no poema e nem
sempre corresponde à do autor
“O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.”
(Fernando Pessoa)
Observemos o lirismo dos
versos abaixo, em que o eu-lírico
exprime seus sentimentos em
face
do
mundo
exterior.
“Fui sempre um homem alegre.
Mas depois que tu partiste,
Perdi de todo a alegria:
Fiquei triste, triste, triste.”
(Manuel Bandeira)
O eu-lírico pode aparecer na
forma feminina, mesmo o autor
sendo do sexo masculino
“(...)E tantas águas rolaram
Quantos homens me amaram
Bem mais e melhor que você
Quando você me quiser rever
Já vai me encontrar refeita, pode
crer (...)”
(Chico Buarque de Holanda)
Verso corresponde a cada
linha do poema. Os versos
organizam-se em estrofes.

Estrofe ou estância é
agrupamento de versos.

um
Observe este poema de Manuel Bandeira,
há uma classificação para cada estrofe.
O bicho
Vi ontem um bicho
Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos.
Quando achava alguma coisa,
Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.
O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.
O bicho, meu Deus, era um homem.
A primeira estrofe chama-se
sextilha, pois apresenta seis
versos.
A segunda estrofe chama-se
terceto, pois apresenta três
versos.
A terceira estrofe chama-se
monóstico, pois apresenta um
verso.
DENOMINAÇÃO DAS ESTROFES
QUANTO AO NÚMERO DE VERSOS
•
•
•
•

MONÓSTICO: ESTROFE COM UM VERSO.
DÍSTICO: ESTROFE COM DOIS VERSOS.
TERCETO: ESTROFE COM TRÊS VERSOS.
QUADRA OU QUARTETO: ESTROFE COM
QUATRO
VERSOS.
• QUINTILHA: ESTROFE COM CINCO
VERSOS.
• SEXTILHA: ESTROFE COM SEIS VERSOS.
• SÉTIMA OU SEPTILHA: ESTROFE COM
SETE
VERSOS.
• OITAVA: ESTROFE COM OITO VERSOS.
MÉTRICA é a medida ou
quantidade de sílabas que um verso
possui.
 

A divisão e a contagem das
sílabas métricas de um verso são
chamadas de ESCANSÃO.
Essa contagem não é feita da
mesma forma que a divisão e
contagem de sílabas normais.
O número de sílabas poéticas e
gramaticais nem sempre coincidem.
A contagem das sílabas métricas
faz-se auditivamente e subordina-se
às seguintes regras:
1. Só se contam as sílabas
até a última sílaba tônica do
verso.
2. Quando duas ou mais vogais se

encontram no fim de uma palavra
e começo de outra, e podem ser
pronunciadas numa só emissão
de voz, unem-se numa única
sílaba métrica.

“A i/da/de aus/te/ra e/ no/bre a/
que/ che/ga/mos.”
(Alberto de
Oliveira)
OBSERVAÇÕES:
•

Para que tais uniões
vocálicas não sejam duras e
malsonantes, as vogais (pelo
menos a primeira delas) devem
ser átonas e não passar de
três.

b) Não se unem vogais tônicas
(vi/ó/dios); (es/tá/úmido) nem se
juntam tônicas com átonas
3. Ditongos
geralmente,
métrica:

crescentes
uma
só

valem,
sílaba

“O/pe/rá/rio/mo/des/to/, a/be/lha
pobre”
Às
vezes, porém, poetas
dissolvem ditongos crescentes
em
hiatos.
Esta
dissolução
denomina-se diérese:
“Nem/ fez/ cas/te/los/gran/di/o/sos”
DENOMINAÇÃO QUANTO AO
NÚMERO DE SÍLABAS
POÉTICAS
UMA SÍLABA: Monossílabo
DUAS SÍLABAS: Dissílabos
TRÊS SÍLABAS: Trissílabos
QUATRO SÍLABAS: Tetrassílabos
CINCO SÍLABAS: Pentassílabos
ou
Redondilha
menor
OITO SÍLABAS: Octossílabos
NOVE SÍLABAS: Eneassílabos ou
Jâmbicos
DEZ SÍLABAS: Decassílabos ou
Heróicos
ONZE SÍLABAS: Hendecassílabos
DOZE SÍLABAS: Dodecassílabos
ou
Alexandrinos
MAIS DE DOZE SÍLABAS:
Bárbaros
OBSERVE O EXEMPLO
DIVISÃO DE SÍLABAS GRAMATICAIS
MI

NH
A

1

2

AL MA

3

D
E

SO

5

6

4

NHA
R

TE

A
N

DA

PE
R

DI

D
A

7

8

9

10

11

12

13

DIVISÃO DE SÍLABAS POÉTICAS
MI

1

NH’
AL
2

MA

3

DE

4

* ÚLTIMA SÍLABA

S
O
5

NHA
R
6

TE
AN
7

DA

8

PE
R
9

DI
*
10

DA
VEJA OUTRO EXEMPLO
DIVISÃO DE SÍLABAS
GRAMATICAIS
A ME
S
1

HI
S

TÓ

RI
A

3

2

MA

4

5

TAN

TA
S

VE

ZE
S

LI

DA

6

7

8

9

10

11

12

DIVISÃO DE SÍLABAS POÉTICAS
A

1

MES MA HIS

2

3

TÓ

4

RIA

5

* ÚLTIMA SÍLABA TÔNICA

TAN

6

TAS

7

VE

8

ZES

LI

9

*
10

DA
RITMO
Resulta da regular
sucessão de sílabas átonas
ou fracas e de sílabas
tônicas ou fortes.
Os acentos tônicos, ou as
sílabas
tônicas,
devem
repetir-se
com
intervalos
regulares, de
modo a
cadenciar o verso e torná-lo
Observe o ritmo nas estrofes a seguir,
sempre na 2ª sílaba poética.
“Quem dera
Que sintas
as dores
De amores
Que louco
Senti!
Quem dera
Que sintas!...
- Não negues,
Não mintas...
Eu vi!...” (Casimiro de Abreu)
Agora observe estes versos que
apresentam acentuação na 3ª, na 6ª
e na 9ª sílabas.
“ Contem plan do o teu vul to
sa gra do,
Compreen de mos o no sso de ver ;
E o Bra sil , por seus fi lhos
a ma do,
Pode ro so e fe liz há de ser .”
(Hino à Bandeira – Olavo Bilac)
Manuel Bandeira
Trem de Ferro
Café com pão
Café com pão
Café com pão
Virge Maria que foi isso maquinista?
Agora sim
Café com pão
Agora sim
Voa, fumaça
Corre, cerca
Ai seu foguista
Bota fogo
Na fornalha
Que eu preciso
Muita força
Muita força
Muita força
(trem de ferro, trem de ferro)
Oô...
Foge, bicho
Foge, povo
Passa ponte
Passa poste
Passa pasto
Passa boi
Passa boiada
Passa galho
Da ingazeira
Debruçada
No riacho
Que vontade
De cantar!
Oô...
(café com pão é muito bom)
Quando me prendero
No canaviá
Cada pé de cana
Era um oficiá
Oô...
Menina bonita
Do vestido verde
Me dá tua boca
Pra matar minha sede
Oô...
Vou mimbora vou mimbora
Não gosto daqui
Nasci no sertão
Sou de Ouricuri
Oô...
Vou depressa
Vou correndo
Vou na toda
Que só levo
Pouca gente
Pouca gente
Pouca gente...
(trem de ferro, trem de ferro)
(Manuel Bandeira in "Estrela da Manhã" 1936)
RIMA
São coincidências sonoras que
podem ocorrer em qualquer lugar
dos versos, dependendo da escolha
do poeta.
Obedecem
a
diversas
classificações. As rimas de dentro
do verso são chamadas internas e as
rimas nas últimas palavras do verso
são chamadas de finais.
QUANTO À TERMINAÇÃO
DO SOM
1) PERFEITAS:
sereno e moreno; neve e
leve
2) IMPERFEITAS:
Deus e céus; estrela e vela
QUANTO À TONICIDADE
1) AGUDAS (oxítonas)
feroz e atroz; amor e clamor
2) GRAVES (paroxítonas)
festa e manifesta; flores e cores
3) ESDRÚXULAS (proparoxítonas)
mágico e trágico; lírico e onírico
QUANTO AO VOCABULÁRIO
POBRES
Mesma classe gramatical
Ex: Coração e oração
RICAS
Classe gramatical diferente
Ex: Prece e adormece
RIMA INTERIOR
Veja alguns exemplos:
“Como são cheirosas as primeiras
rosas” (A. de Guimarães)
“Donzela bela, que me inspira a
lira
Um canto santo de fremente amor
Ao bardo o cardo da tremenda
senda
Estanca arranca-lhe a terrível
dor.”
(Castro
DISPOSIÇÃO DAS RIMAS
NAS ESTROFES
RIMAS EMPARELHADAS (AABB)
“Ele deixava atrás tanta recorda ção! A
E o pesar, a saudade, até no próprio chão, A
Debaixo dos seus pés, parece que gem ia, B
Levanta-se o sol, vinha rompendo o d ia(...)” B
(A. de Oliveira)
RIMAS ALTERNADAS (ABAB)

“ Tu és um beijo materno ! A
mat
Tu és um riso infant il , B
Sol entre as flores de inv erno ,
A
Rosa entre as flores de abr il ! ”
B
RIMAS INTERPOLADAS
OU OPOSTAS (ABBA)
“ Saudade! Olhar de minha mãe rez ando
E o pranto lento deslizando em f io ...
Saudade! Amor dminha terra... O r io
Cantigas de águas claras soluç ando . “

A
B
B
A

(Da Costa e Silva)
VERSOS BRANCOS
São os versos sem rima.
Envelhecer
Antes, todos os caminhos iam.
Agora todos os caminhos vêm.
A casa é acolhedora, os livros poucos.
E eu mesmo preparo o chá para os
fantasmas.
(Mário Quintana)
VERSO LIVRE
São os versos que não
obedecem aos preceitos da
versificação
tradicional,
em
relação à métrica e ao ritmo.
Observe este
Ferreira Gullar

poema

de
Não há vagas
O preço do feijão
não cabe no poema. O preço
do arroz
não cabe no poema.
Não cabem no poema o gás
a luz o telefone
a sonegação
do leite
da carne
do açúcar
do pão
O funcionário público
não cabe no poema
com seu salário de fome
sua vida fechada
em arquivos.

Como não cabe no poema
o operário
que esmerila seu dia de aço
e carvão
nas oficinas escuras
– porque o poema, senhores,
Está fechado:
“não há vagas”
Só cabe no poema
O homem sem estômago
a mulher de nuvens
A fruta sem preço
O poema, senhores,
Não fede
nem cheira.
AS FORMAS FIXAS
Há poemas que têm forma fixa, isto é,
submetida a regras quanto à combinação
dos versos, das rimas e das estrofes. Assim,
há, por exemplo, o soneto, cujos versos
são agrupados em dois quartetos e dois
tercetos; a balada (três oitavas e uma
quadra); o rondó (somente quadras ou
quadras combinadas com oitavas); o haicai
(um terceto em que o 1º e o 3º versos são
pentassílabos e o 2º é heptassílabo).
DISPOSIÇÃO DAS RIMAS NO
SONETO
As rimas das quadras são as mesmas. Um par
de rimas serve a ambas, segundo o
esquema abba-abba ou abab-abab.
Nos tercetos podem combinar-se duas ou,
mais frequentemente, três rimas.
Quando há apenas duas rimas, dispõem-se
elas normalmente de forma alternada: cdcdcd.
Se as rimas são três, distribuem-se em
geral nos esquemas: ccd-eed, cdc-ede, cde-cde.
Fanatismo
Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver!
Não és sequer razão de meu viver,
Pois que tu és já toda a minha vida!

a
b
b
a

Não vejo nada assim enlouquecida…
Passo no mundo, meu Amor, a ler
No misterioso livro do teu ser
A mesma história tantas vezes lida!

a
b

“Tudo no mundo é frágil, tudo passa…”
Quando me dizem isto, toda a graça
Duma boca divina fala em mim!

b

a

c
c
d

E, olhos postos em ti, vivo de rastros:
e
“Ah! Podem voar mundos, morrer astros, e
Que tu és como Deus: princípio e fim!…” d

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
 
Operadores argumentativos
Operadores argumentativosOperadores argumentativos
Operadores argumentativos
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
Gênero poesia
Gênero poesiaGênero poesia
Gênero poesia
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Guimarães rosa
Guimarães rosaGuimarães rosa
Guimarães rosa
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Literatura afro brasileira
Literatura afro brasileiraLiteratura afro brasileira
Literatura afro brasileira
 
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
AULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTOAULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTO
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
 
Aula Figuras de Linguagem
Aula    Figuras de Linguagem Aula    Figuras de Linguagem
Aula Figuras de Linguagem
 
Resenha.
Resenha.Resenha.
Resenha.
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Gênero textual narrativo
Gênero textual narrativoGênero textual narrativo
Gênero textual narrativo
 
João Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo NetoJoão Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo Neto
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 

Semelhante a POESIA: VERSIFICAÇÃO E RECURSOS LÍRICOS

ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxPabloGabrielKdabra
 
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxPabloGabrielKdabra
 
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian TrombiniGênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian TrombiniVIVIAN TROMBINI
 
Tropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano velosoTropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano velosoNome Sobrenome
 
Tropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano velosoTropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano velosoElvis Live
 
Redação: Versificação
Redação: VersificaçãoRedação: Versificação
Redação: Versificação7 de Setembro
 
Poesias afro-brasileiras
Poesias afro-brasileiras Poesias afro-brasileiras
Poesias afro-brasileiras Mary Alvarenga
 
Parque dos Poetas, Oeiras
Parque dos Poetas, OeirasParque dos Poetas, Oeiras
Parque dos Poetas, OeirasBESL
 
O texto poético 2012
O texto poético 2012O texto poético 2012
O texto poético 2012piefohmania
 
Temáticas de vinícius de moraes
Temáticas de vinícius de moraesTemáticas de vinícius de moraes
Temáticas de vinícius de moraesGraziela Costa
 
Carlos drummond de andrade próprio
Carlos drummond de andrade   próprioCarlos drummond de andrade   próprio
Carlos drummond de andrade próprioWilliam Ferraz
 
Carlos drummond de andrade próprio
Carlos drummond de andrade   próprioCarlos drummond de andrade   próprio
Carlos drummond de andrade próprioWilliam Ferraz
 
Apresentação1 cic vinícius
Apresentação1 cic viníciusApresentação1 cic vinícius
Apresentação1 cic viníciusRonaldo Rom
 
Apresentação1 cic vinícius
Apresentação1 cic viníciusApresentação1 cic vinícius
Apresentação1 cic viníciusRonaldo Rom
 
Apresentação1 cic vinícius
Apresentação1 cic viníciusApresentação1 cic vinícius
Apresentação1 cic viníciusRonaldo Rom
 

Semelhante a POESIA: VERSIFICAÇÃO E RECURSOS LÍRICOS (20)

ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
 
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptxANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
ANÁLISE ALGUMA POESIA KDABRA.pptx
 
Construção de poemas
Construção de poemasConstrução de poemas
Construção de poemas
 
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian TrombiniGênero lírico - Profª Vivian Trombini
Gênero lírico - Profª Vivian Trombini
 
Tropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano velosoTropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano veloso
 
Tropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano velosoTropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano veloso
 
Redação: Versificação
Redação: VersificaçãoRedação: Versificação
Redação: Versificação
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
 
Gênero Lírico
Gênero LíricoGênero Lírico
Gênero Lírico
 
Poesias afro-brasileiras
Poesias afro-brasileiras Poesias afro-brasileiras
Poesias afro-brasileiras
 
Parque dos poetas
Parque dos poetasParque dos poetas
Parque dos poetas
 
Parque dos Poetas, Oeiras
Parque dos Poetas, OeirasParque dos Poetas, Oeiras
Parque dos Poetas, Oeiras
 
O texto poético 2012
O texto poético 2012O texto poético 2012
O texto poético 2012
 
Álvares de Azevedo
Álvares de AzevedoÁlvares de Azevedo
Álvares de Azevedo
 
Temáticas de vinícius de moraes
Temáticas de vinícius de moraesTemáticas de vinícius de moraes
Temáticas de vinícius de moraes
 
Carlos drummond de andrade próprio
Carlos drummond de andrade   próprioCarlos drummond de andrade   próprio
Carlos drummond de andrade próprio
 
Carlos drummond de andrade próprio
Carlos drummond de andrade   próprioCarlos drummond de andrade   próprio
Carlos drummond de andrade próprio
 
Apresentação1 cic vinícius
Apresentação1 cic viníciusApresentação1 cic vinícius
Apresentação1 cic vinícius
 
Apresentação1 cic vinícius
Apresentação1 cic viníciusApresentação1 cic vinícius
Apresentação1 cic vinícius
 
Apresentação1 cic vinícius
Apresentação1 cic viníciusApresentação1 cic vinícius
Apresentação1 cic vinícius
 

POESIA: VERSIFICAÇÃO E RECURSOS LÍRICOS

  • 1. COLÉGIO MILITAR DE FORTALEZA LÍNGUA PORTUGUESA POESIA- VERSIFICAÇÃO “Que é poesia? uma ilha cercada de palavras por todos os lados.” (Cassiano Ricardo) “ Poesia é a suprema forma de beleza.” (Mallarmé) “Aprendemos o que é poesia lendo poesia.” (T. S. Eliot)
  • 2. Fanatismo Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida Meus olhos andam cegos de te ver! Não és sequer razão de meu viver, Pois que tu és já toda a minha vida! Não vejo nada assim enlouquecida… Passo no mundo, meu Amor, a ler No misterioso livro do teu ser A mesma história tantas vezes lida! “Tudo no mundo é frágil, tudo passa…” Quando me dizem isto, toda a graça Duma boca divina fala em mim! E, olhos postos em ti, vivo de rastros: “Ah! Podem voar mundos, morrer astros, Que tu és como Deus: princípio e fim!…”
  • 3. REFLETINDO SOBRE O TEXTO... 1. Em que gênero literário está inserido esse texto? 2. Que características esse texto apresenta?
  • 4. 3. Poema X Poesia. Existe diferença? 4. O que é eu-lírico? 5. O que é verso? 6. O que é estrofe? 7. Como estrofes? se denominam as
  • 5. Poesia está em toda parte: nas canções de ninar, nas cantigas de roda, nas propagandas, nas letras de música, em uma bela paisagem... A poesia encontra seu núcleo no poema, feito e trabalhado precisamente para consegui-la. Ela é indefinível, porém é definidora.
  • 6. Poema é o gênero textual que se constrói não apenas com idéias e sentimentos, mas também por meio do emprego do verso e seus recursos musicais – a sonoridade e o ritmo das palavras – , da função poética da linguagem e de palavras com sentido conotativo. Poesia é o subjetivo, o abstrato enquanto que poema é o concreto.
  • 7. Poesia Gastei uma hora pensando um verso que a pena não quer escrever. No entanto, ele está cá dentro inquieto, vivo. Ele está cá dentro e não quer sair. Mas a poesia deste momento inunda minha vida inteira. (Carlos D de Andrade)
  • 8. Eu-lírico ( eu-poético) É a voz que fala no poema e nem sempre corresponde à do autor “O poeta é um fingidor. Finge tão completamente Que chega a fingir que é dor A dor que deveras sente.” (Fernando Pessoa)
  • 9. Observemos o lirismo dos versos abaixo, em que o eu-lírico exprime seus sentimentos em face do mundo exterior. “Fui sempre um homem alegre. Mas depois que tu partiste, Perdi de todo a alegria: Fiquei triste, triste, triste.” (Manuel Bandeira)
  • 10. O eu-lírico pode aparecer na forma feminina, mesmo o autor sendo do sexo masculino “(...)E tantas águas rolaram Quantos homens me amaram Bem mais e melhor que você Quando você me quiser rever Já vai me encontrar refeita, pode crer (...)” (Chico Buarque de Holanda)
  • 11. Verso corresponde a cada linha do poema. Os versos organizam-se em estrofes. Estrofe ou estância é agrupamento de versos. um
  • 12. Observe este poema de Manuel Bandeira, há uma classificação para cada estrofe. O bicho Vi ontem um bicho Na imundície do pátio Catando comida entre os detritos. Quando achava alguma coisa, Não examinava nem cheirava: Engolia com voracidade. O bicho não era um cão, Não era um gato, Não era um rato. O bicho, meu Deus, era um homem.
  • 13. A primeira estrofe chama-se sextilha, pois apresenta seis versos. A segunda estrofe chama-se terceto, pois apresenta três versos. A terceira estrofe chama-se monóstico, pois apresenta um verso.
  • 14. DENOMINAÇÃO DAS ESTROFES QUANTO AO NÚMERO DE VERSOS • • • • MONÓSTICO: ESTROFE COM UM VERSO. DÍSTICO: ESTROFE COM DOIS VERSOS. TERCETO: ESTROFE COM TRÊS VERSOS. QUADRA OU QUARTETO: ESTROFE COM QUATRO VERSOS. • QUINTILHA: ESTROFE COM CINCO VERSOS. • SEXTILHA: ESTROFE COM SEIS VERSOS. • SÉTIMA OU SEPTILHA: ESTROFE COM SETE VERSOS. • OITAVA: ESTROFE COM OITO VERSOS.
  • 15. MÉTRICA é a medida ou quantidade de sílabas que um verso possui.   A divisão e a contagem das sílabas métricas de um verso são chamadas de ESCANSÃO. Essa contagem não é feita da mesma forma que a divisão e contagem de sílabas normais.
  • 16. O número de sílabas poéticas e gramaticais nem sempre coincidem. A contagem das sílabas métricas faz-se auditivamente e subordina-se às seguintes regras: 1. Só se contam as sílabas até a última sílaba tônica do verso.
  • 17. 2. Quando duas ou mais vogais se encontram no fim de uma palavra e começo de outra, e podem ser pronunciadas numa só emissão de voz, unem-se numa única sílaba métrica. “A i/da/de aus/te/ra e/ no/bre a/ que/ che/ga/mos.” (Alberto de Oliveira)
  • 18. OBSERVAÇÕES: • Para que tais uniões vocálicas não sejam duras e malsonantes, as vogais (pelo menos a primeira delas) devem ser átonas e não passar de três. b) Não se unem vogais tônicas (vi/ó/dios); (es/tá/úmido) nem se juntam tônicas com átonas
  • 19. 3. Ditongos geralmente, métrica: crescentes uma só valem, sílaba “O/pe/rá/rio/mo/des/to/, a/be/lha pobre” Às vezes, porém, poetas dissolvem ditongos crescentes em hiatos. Esta dissolução denomina-se diérese: “Nem/ fez/ cas/te/los/gran/di/o/sos”
  • 20. DENOMINAÇÃO QUANTO AO NÚMERO DE SÍLABAS POÉTICAS UMA SÍLABA: Monossílabo DUAS SÍLABAS: Dissílabos TRÊS SÍLABAS: Trissílabos QUATRO SÍLABAS: Tetrassílabos CINCO SÍLABAS: Pentassílabos ou Redondilha menor
  • 21. OITO SÍLABAS: Octossílabos NOVE SÍLABAS: Eneassílabos ou Jâmbicos DEZ SÍLABAS: Decassílabos ou Heróicos ONZE SÍLABAS: Hendecassílabos DOZE SÍLABAS: Dodecassílabos ou Alexandrinos MAIS DE DOZE SÍLABAS: Bárbaros
  • 22. OBSERVE O EXEMPLO DIVISÃO DE SÍLABAS GRAMATICAIS MI NH A 1 2 AL MA 3 D E SO 5 6 4 NHA R TE A N DA PE R DI D A 7 8 9 10 11 12 13 DIVISÃO DE SÍLABAS POÉTICAS MI 1 NH’ AL 2 MA 3 DE 4 * ÚLTIMA SÍLABA S O 5 NHA R 6 TE AN 7 DA 8 PE R 9 DI * 10 DA
  • 23. VEJA OUTRO EXEMPLO DIVISÃO DE SÍLABAS GRAMATICAIS A ME S 1 HI S TÓ RI A 3 2 MA 4 5 TAN TA S VE ZE S LI DA 6 7 8 9 10 11 12 DIVISÃO DE SÍLABAS POÉTICAS A 1 MES MA HIS 2 3 TÓ 4 RIA 5 * ÚLTIMA SÍLABA TÔNICA TAN 6 TAS 7 VE 8 ZES LI 9 * 10 DA
  • 24. RITMO Resulta da regular sucessão de sílabas átonas ou fracas e de sílabas tônicas ou fortes. Os acentos tônicos, ou as sílabas tônicas, devem repetir-se com intervalos regulares, de modo a cadenciar o verso e torná-lo
  • 25. Observe o ritmo nas estrofes a seguir, sempre na 2ª sílaba poética. “Quem dera Que sintas as dores De amores Que louco Senti! Quem dera Que sintas!... - Não negues, Não mintas... Eu vi!...” (Casimiro de Abreu)
  • 26. Agora observe estes versos que apresentam acentuação na 3ª, na 6ª e na 9ª sílabas. “ Contem plan do o teu vul to sa gra do, Compreen de mos o no sso de ver ; E o Bra sil , por seus fi lhos a ma do, Pode ro so e fe liz há de ser .” (Hino à Bandeira – Olavo Bilac)
  • 27. Manuel Bandeira Trem de Ferro Café com pão Café com pão Café com pão Virge Maria que foi isso maquinista? Agora sim Café com pão Agora sim Voa, fumaça Corre, cerca Ai seu foguista
  • 28. Bota fogo Na fornalha Que eu preciso Muita força Muita força Muita força (trem de ferro, trem de ferro) Oô... Foge, bicho Foge, povo Passa ponte Passa poste Passa pasto Passa boi Passa boiada Passa galho Da ingazeira Debruçada No riacho Que vontade De cantar! Oô... (café com pão é muito bom)
  • 29. Quando me prendero No canaviá Cada pé de cana Era um oficiá Oô... Menina bonita Do vestido verde Me dá tua boca Pra matar minha sede Oô... Vou mimbora vou mimbora Não gosto daqui Nasci no sertão Sou de Ouricuri Oô... Vou depressa Vou correndo Vou na toda Que só levo Pouca gente Pouca gente Pouca gente... (trem de ferro, trem de ferro) (Manuel Bandeira in "Estrela da Manhã" 1936)
  • 30. RIMA São coincidências sonoras que podem ocorrer em qualquer lugar dos versos, dependendo da escolha do poeta. Obedecem a diversas classificações. As rimas de dentro do verso são chamadas internas e as rimas nas últimas palavras do verso são chamadas de finais.
  • 31. QUANTO À TERMINAÇÃO DO SOM 1) PERFEITAS: sereno e moreno; neve e leve 2) IMPERFEITAS: Deus e céus; estrela e vela
  • 32. QUANTO À TONICIDADE 1) AGUDAS (oxítonas) feroz e atroz; amor e clamor 2) GRAVES (paroxítonas) festa e manifesta; flores e cores 3) ESDRÚXULAS (proparoxítonas) mágico e trágico; lírico e onírico
  • 33. QUANTO AO VOCABULÁRIO POBRES Mesma classe gramatical Ex: Coração e oração RICAS Classe gramatical diferente Ex: Prece e adormece
  • 34. RIMA INTERIOR Veja alguns exemplos: “Como são cheirosas as primeiras rosas” (A. de Guimarães) “Donzela bela, que me inspira a lira Um canto santo de fremente amor Ao bardo o cardo da tremenda senda Estanca arranca-lhe a terrível dor.” (Castro
  • 35. DISPOSIÇÃO DAS RIMAS NAS ESTROFES RIMAS EMPARELHADAS (AABB) “Ele deixava atrás tanta recorda ção! A E o pesar, a saudade, até no próprio chão, A Debaixo dos seus pés, parece que gem ia, B Levanta-se o sol, vinha rompendo o d ia(...)” B (A. de Oliveira)
  • 36. RIMAS ALTERNADAS (ABAB) “ Tu és um beijo materno ! A mat Tu és um riso infant il , B Sol entre as flores de inv erno , A Rosa entre as flores de abr il ! ” B
  • 37. RIMAS INTERPOLADAS OU OPOSTAS (ABBA) “ Saudade! Olhar de minha mãe rez ando E o pranto lento deslizando em f io ... Saudade! Amor dminha terra... O r io Cantigas de águas claras soluç ando . “ A B B A (Da Costa e Silva)
  • 38. VERSOS BRANCOS São os versos sem rima. Envelhecer Antes, todos os caminhos iam. Agora todos os caminhos vêm. A casa é acolhedora, os livros poucos. E eu mesmo preparo o chá para os fantasmas. (Mário Quintana)
  • 39. VERSO LIVRE São os versos que não obedecem aos preceitos da versificação tradicional, em relação à métrica e ao ritmo. Observe este Ferreira Gullar poema de
  • 40. Não há vagas O preço do feijão não cabe no poema. O preço do arroz não cabe no poema. Não cabem no poema o gás a luz o telefone a sonegação do leite da carne do açúcar do pão O funcionário público não cabe no poema com seu salário de fome sua vida fechada em arquivos. Como não cabe no poema o operário que esmerila seu dia de aço e carvão nas oficinas escuras – porque o poema, senhores, Está fechado: “não há vagas” Só cabe no poema O homem sem estômago a mulher de nuvens A fruta sem preço O poema, senhores, Não fede nem cheira.
  • 41. AS FORMAS FIXAS Há poemas que têm forma fixa, isto é, submetida a regras quanto à combinação dos versos, das rimas e das estrofes. Assim, há, por exemplo, o soneto, cujos versos são agrupados em dois quartetos e dois tercetos; a balada (três oitavas e uma quadra); o rondó (somente quadras ou quadras combinadas com oitavas); o haicai (um terceto em que o 1º e o 3º versos são pentassílabos e o 2º é heptassílabo).
  • 42. DISPOSIÇÃO DAS RIMAS NO SONETO As rimas das quadras são as mesmas. Um par de rimas serve a ambas, segundo o esquema abba-abba ou abab-abab. Nos tercetos podem combinar-se duas ou, mais frequentemente, três rimas. Quando há apenas duas rimas, dispõem-se elas normalmente de forma alternada: cdcdcd. Se as rimas são três, distribuem-se em geral nos esquemas: ccd-eed, cdc-ede, cde-cde.
  • 43. Fanatismo Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida Meus olhos andam cegos de te ver! Não és sequer razão de meu viver, Pois que tu és já toda a minha vida! a b b a Não vejo nada assim enlouquecida… Passo no mundo, meu Amor, a ler No misterioso livro do teu ser A mesma história tantas vezes lida! a b “Tudo no mundo é frágil, tudo passa…” Quando me dizem isto, toda a graça Duma boca divina fala em mim! b a c c d E, olhos postos em ti, vivo de rastros: e “Ah! Podem voar mundos, morrer astros, e Que tu és como Deus: princípio e fim!…” d