01 - NAVEGADORLetra. Amaro RadoxMelodia Amaro Radox/Eduardo Freda e Rogers LemesIntérprete: Eduardo FredaCruzei a Lagoa do...
02 - RANCHEIRA VÉIALetra: Eron CarvalhoMelodia: Sérgio RosaIntérprete: Juliano JavoskiRancheira véia de saltar cavacoDe aj...
03 - SIÁ ANASTÁCIA BENZEDEIRALetra: Wilson TubinoMelodia: Mário TressoldiIntérprete: LomaHum!.. Hum!.. Hum!..Dão!... Darão...
04 - SÓ TÔ LEVANDO NOS DEDOSLetra: Silvestre Araújo e Amigo SouzaMelodia: Amigo SouzaIntérprete: Amigo Souza e Grupo Missõ...
05 - POR BAILADO E CHACARERALetra: Rogério VillagranMelodia: André TeixeiraIntérprete: Juliana SpanevelloRetumbo de sons l...
06 - NAVEGANDOLetra: Rodrigo BauerMelodia: Tuny BrumIntérprete: Analise SeveroVou navegando a vida,Buscando um novo cais.....
07 - BENDITA ESSA GURIZADALetra: Jaime Brum CarlosMelodia: Sabani Felipe de SouzaIntérprete: Dartagnan Portela e Ita Cunha...
08 - PRAIEIROLetra: Caio MartinezMelodia: Adriano SperandirIntérprete: Adriana Sperandir e Caio MartinezO litoral tem magi...
09 - CIDADE DOS VENTOSLetra: Cláudio Reinke/Mário Tressoldi e Chico SagaMelodia: Jean Kirchof e Ita CunhaIntérprete: Lú Sc...
10 - MILONGA FEITIÇO NEGROLetra: Diego Muller e João SampaioMelodia: Marco Aurélio VasconcelosIntérprete: Marco Aurélio Va...
11 - CHAMAMECERALetra: Jaime Brum CarlosMelodia: Sérgio RosaIntérprete: Taine Schettert e os Quatro VentosSou da fronteira...
12 - UM CHAMAMÉ...Y NADA MÁS..ILetra: Diego MullerMelodia: Marcelo de Araújo NunesIntérprete: Juliano MorenoEspejo de che ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Musicas da tafona

1.630 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.630
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.001
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Musicas da tafona

  1. 1. 01 - NAVEGADORLetra. Amaro RadoxMelodia Amaro Radox/Eduardo Freda e Rogers LemesIntérprete: Eduardo FredaCruzei a Lagoa dos Patosrumo as águas do litoralbons ventos conduzem meu barcosaindo da praia do Laranjal.Passei pela ilha da FeitoriaSaragonha da ponta e do meioIlha Grande alegriaViajei sem receioNaveguei, navegueina onda sonora musicalancorei, ancorei nacultura afro-regonalTrazendo tambor de sopapopra encontrar tambor maçambiqueiropra gente sambatucarum som afro-gaúcho brasileiroNa marejada me fiz poetacantador e rimadorpela arte popularvim expressar o meu amorNaveguei, navegueina onda sonora musicalancorei, ancorei nacultura afro-regionalDe volta na minha praiana minha casa de pau a piquedanço samba de raizsamba de roda e maçambique
  2. 2. 02 - RANCHEIRA VÉIALetra: Eron CarvalhoMelodia: Sérgio RosaIntérprete: Juliano JavoskiRancheira véia de saltar cavacoDe ajuntar os cacos com alguma xiruaPra amanhecer num rancho barreadoBem apaixonado contemplando a lua.Rancheira véia flor de macanudaQue não se desgruda do meu sapucayFazendo história no chão missioneiroNos ranchos costeiros beirando o Uruguai.Rancheira véia sem eira nem beiraQue se faz grongueira quando a alma cantaPor onde passa espalha alegriaLembra o Tio Bilia animando as bailantas.Rancheira véia loca de buenachaQue salta da caixa sem muito floreioVai retossando pela madrugadaConvidando a indiada para o sapateio.Rancheira véia num trancão cuiudoVem quebrando tudo numa três ilheirasFaz ferver a sala num bailão de estouroDe arranjar namoro para a vida Inteira.
  3. 3. 03 - SIÁ ANASTÁCIA BENZEDEIRALetra: Wilson TubinoMelodia: Mário TressoldiIntérprete: LomaHum!.. Hum!.. Hum!..Dão!... Darão!... Dandão!...Copo d‟água, ramo verde, brasa acesa.Pra todos males sempre tinha uma oraçãoSiá Anastácia preta “véia” benzedeiraCurandeira de renome no rincãoPra tirar o mau “oiado” até bicheiraSempre tinha na memória a falação,Aprendera com a avó essa ciênciaFeiticeira de um enorme coração.Pelas preces não cobrava um só centavoPelas curas não cobrou nenhum tostão.Hum!.. Hum!.. Hum!..Dão!... Darão!... Dandão!...Copo d‟água, ramo verde, brasa acesa.Herdeira, viva, dessa antiga tradição.Domingos e dias santos não benziaCom sol posto não fazia as “oração”.Foi assim que ela aprendeu, desde menina,E seguia, sempre atenta, a vocação.Bendizia pra inveja e pro quebranto,Dessa gente nem sabia a procedência.Siá Anastácia era forte de ternuraSua vida dedicou pr‟esta ciência.Hum!.. Hum!.. Hum!..Dão!... Darão!... Dandão!...Copo d‟água, ramo verde, brasa acesa.Pelas curas não cobrou nenhum tostão!
  4. 4. 04 - SÓ TÔ LEVANDO NOS DEDOSLetra: Silvestre Araújo e Amigo SouzaMelodia: Amigo SouzaIntérprete: Amigo Souza e Grupo MissõesTenho o dom de fazer rimasIsso nunca foi segredoMas nesse mundo veiacoSó to levando nos dedo!Pois toda a letra que façoSempre tem um fala mansaQue leva a fama por mimQue sou o pai da criança!Até me chamam de artistaE a discordar não me atrevoPois correm atrás de mimMas prá cobrar o que devoNão tenho e nem quero nadaNem a “muié” tá em meu nomeSenão já tinham levado,“Corvada”, “lôca” de fome!Pega a dita, bota o nomeE acalca nos festivaisLeva o dinheiro e a famaE não me procura mais.Se fazem é de leitão,Eu sendo o dono da criaMatando cachorro a gritotapado de judiaria!Pra ver se a coisa melhoraEscrevo que nem um loucoE quanto mais me desdobro,Cada vez ganho mais poucoNem abaixo de empurrãoEu consigo ir pra frenteNão adianta, eu sou teimosoSou pior que dor de dente!Pra cada santo uma velaEu sei que devo, não negoSe precisar de um vintémNão faço cantar um cego!Mas sigo escrevendo versos,No meio de tanta cobraSe alguém pensar que eu to morto,Talento tenho de sobra!
  5. 5. 05 - POR BAILADO E CHACARERALetra: Rogério VillagranMelodia: André TeixeiraIntérprete: Juliana SpanevelloRetumbo de sons legueiros,E um repicar de guitarras,Com algo de chacareiro,No Contraponto da farra...Pela vida, vida à dentroBaila, Baila, corpo e alma,Anseios do mesmo centro,Junto ao compasso das palmas...Sona uma copla baguala,Bordando o mundo de festa,Que harmoniosamente embala,O que o tempo nos empresta.Tenho ganas de "escaramuça"Canto, dança e polvadeiraMeu coração quando pulsa,Tem pulsos de chacarera.Hay um sorriso de estampa,Na face da lua cheia,Que acha que um moço pampa,Só por ela sapateia,Hay uma moça bonita,Mais bonita quando passa,Rodando a saia de chita,Floreando um lenço por graça.Por fora ser um bailado,Ter por dentro, liberdade,Sentir-se descompassado,Num repique re ansiedade,Tenho ganas de "escaramuça"Canto, dança e polvadeiraMeu coração quando pulsa,Tem pulsos de chacarera.
  6. 6. 06 - NAVEGANDOLetra: Rodrigo BauerMelodia: Tuny BrumIntérprete: Analise SeveroVou navegando a vida,Buscando um novo cais...Os ventos da partidaNão retornarão jamais!Os sonhos vão na proa,Na praia eu vou deixarUma lembrança boaNa areia pra maré levar...Escrito sobre a tez da areia,Que tempo poderá ficarO enigma do meu segredo pra se revelar?Por que nunca arriar as velas?Por que jamais querer parar?Por que seguir buscando o nada em nenhumlugar?Um dia eu escrevi na praia essa razãoMas não me lembro do que fiz...Somente o mar conhece o texto, mas nuncame diz!Um dia quero retornar da solidão...O mar não volta bem assim...Então só resta navegar me procurando em mim!
  7. 7. 07 - BENDITA ESSA GURIZADALetra: Jaime Brum CarlosMelodia: Sabani Felipe de SouzaIntérprete: Dartagnan Portela e Ita CunhaBendita essa gurizadaque se pilcha e vai pra rua.Galitos trocando as penasrecém apontando as puas.Mateiam pelas esquinase avenidas das cidadese enchem de telurismoos bancos das faculdades.O seu galpão é a varandade um prédio no condomínioe os muros, cercas de pedraque não prendem seus fascíniospelas metáforas “gauchas”das milongas e payadasque escutam nos fins de tardenos piquetes das calçadas.Meu verso canta e se encantaCom estes jovens povoeirosQue amam o nosso campoMesmo não sendo campeirosNão se prendem a convençõesde pilchas pré-concebidas,pois seu amor pelo pagonão tem cores nem medidas.Trazem a xucra rebeldiaem repúdio aos preconceitos,mas ante o Hino Riograndenese perfilam, por respeito.Seus olhos vislumbram camposnas nuanças do pensamentopendurados nas paredesda sala do apartamento,pois têm no subconscienteraízes intemporaise pulsando nas entranhasa seiva dos ancestrais.
  8. 8. 08 - PRAIEIROLetra: Caio MartinezMelodia: Adriano SperandirIntérprete: Adriana Sperandir e Caio MartinezO litoral tem magiaPoção de uma feiticeiraQue rouba o amor da genteNum gole de marisqueiraE a alma vai se entregandoPaixão para a vida inteiraNa qual toda onda bateComo se fosse a primeiraDe onde vem a doçuraNo meio de tanto salDa formosura da praiaBeleza tão naturalPra quem nasceu na areiaParece ser tão normalOlhar para o paraísoViver num cartão postalPraieiro tem maresiaEm vez de ar no pulmãoPraieiro sente a ondaBatendo no coraçãoPraieiro é como o ventoQue leva a embarcaçãoPraieiro é o braço forteNo cio da rebentação
  9. 9. 09 - CIDADE DOS VENTOSLetra: Cláudio Reinke/Mário Tressoldi e Chico SagaMelodia: Jean Kirchof e Ita CunhaIntérprete: Lú Schiavo, Jean Kirchoff e Grupo Chão de AreiaA linda lagoa espelha uma raça,do afro-açoriano nasceu tradição;o mate amigo, o riso na praça,na luz do Divino uma procissão...O velho que conta histórias de outrora,o vento de agora, é luz, litoral...O tambor que festeja a Nossa Senhora,rosário de preces lá da catedral;Na beira do morro tem terno e congada,começa uma estrada pra todo país...Na Estância da serra fiz minha morada,seresta pra amada, eu canto feliz!Caminhos se encontram na frente da igreja,o largo que almeja a luz do saber...O povo que laça, que canta e festeja,que vive um rodeio pra nunca esquecer;Dezembro é luz, é festa tão bela,pra fé, tão singela, lembrar Conceição;trazer Deus menino, abrir a janelae as portas da casa do meu coração!Minha cidade dos ventos,meu cantar tem endereço,é tudo que eu preciso,muito mais que mereço...É meu ponto de partida,o meu fim e recomeço,minha cidade dos ventos,meu cantar tem endereço!
  10. 10. 10 - MILONGA FEITIÇO NEGROLetra: Diego Muller e João SampaioMelodia: Marco Aurélio VasconcelosIntérprete: Marco Aurélio VasconcelosEste ponteado de milongaque em Mi menor se guasqueianão é só da alma terrunhaque se forjou na peleia...milonga é cura e feitiçodo outro lado do oceano...palavra afro trazidapelo escravo africano!Milonga é o grito do povo...milonga é força racial...milonga é o orvalho da almacontra a injustiça social!...milonga é cura e feitiçoabençoando de novoa causa da raça negrae a luta do nosso povo!!!Milonga... índia negreira...de taba e senzala vem...- Eu me derramo em milongas:Sou índio e negro também!Meu coração é um tamborque pelos mares ressonga......vento índio de mensagemque se transforma em milonga!!!Alma... Terra... Tempo e vidadas senzalas para o mundodas tabas às pátrias hermanasfoste o poço mais profundo...negros e índios unidosmilongueiam na planuraque não tem credo, nem coresé onde o ódio não perdura!Cura pros males do mundo...Feitiço para o cantor...- Milonga bugra negreirajunta a guitarra e o tambor!...Se a milonga vem da pampamostrando o que a pampa temeu sigo a tocar milongaspois sou da pampa também!!!
  11. 11. 11 - CHAMAMECERALetra: Jaime Brum CarlosMelodia: Sérgio RosaIntérprete: Taine Schettert e os Quatro VentosSou da fronteira,Chamamecera,flor de campeira,vida de alla.Sou missioneira,pele trigueira,bem brasileira.O que é que há?...Eu tenho sangueDe castelhana,Meio cigana,E Guarany.Uso bombacha,Chapéu e faixaGaúcha e gauchaCunhatay.Canto e não gritoE tenho dito.Não acreditoEm assombração.Entre os meus braçosSobra espaçoPara um abraçoDe coração.Na primaveraMeu corpo espera.Garras de fera,Fogo e paixão.Na pele nuaA luz da lua.Sou toda tua.Me dá a mão.Em Ias mañanasEu sou chalana,Alma ermanaDo Uruguai.A voz dolenteNum de repenteRompe as correntesNum sapucay.
  12. 12. 12 - UM CHAMAMÉ...Y NADA MÁS..ILetra: Diego MullerMelodia: Marcelo de Araújo NunesIntérprete: Juliano MorenoEspejo de che pueblero,De mi gente misionera,Que canto por otros pagosEm mi copla guaranicera:La bataraza bombacha...Poncho de trama campera...Y um passo antiguo em el cuerpoPa „una noche chamamecera...Brazo pa ‟um tírón de potro,AI salir de Ia tranquera...Mañas de espuela, de horquetaY Del serviçio de frontera......Cada uno com su estrada,Llevando pátria y bandera:Ello com sul lazo fuerteY yo com mi verdulera!Entonces, a mi viejo padre- Medio criollo, médio avá -Solo, em regalo, Le traigoUm chamamé... y nada más

×