Soneto: A razão     Autor: Luiz Gonzaga PinheiroMúsica: Criança
Quantos sonhos em minha vida desfilaram
E os enterrei sob a cal do meio dia
E a cada sonho desbotado que morria
Criava outro, com os destroços que ficavam
Sonhos ingênuos, infantis, apaixonados
Sem substrato, nem largo nem fundo
Desses que vê no carrossel do mundo
Fadas, duendes e castelos encantados
Mas veio a vida com martelos e açoites
E me mostrou na escuridão das noites
A razão como um abrigo na procela
Foi da razão que surgiu mais este sonho
O último, que ao sonhador proponho
Buscar a luz e caminhar com elaNO ME QUIERES?
A razãoQuantos sonhos em minha vida desfilaram    E os enterrei sob a cal do meio dia   E a cada sonho desbotado que morri...
Formatação: o caçador de imagens
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A razão

220 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
220
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A razão

  1. 1. Soneto: A razão Autor: Luiz Gonzaga PinheiroMúsica: Criança
  2. 2. Quantos sonhos em minha vida desfilaram
  3. 3. E os enterrei sob a cal do meio dia
  4. 4. E a cada sonho desbotado que morria
  5. 5. Criava outro, com os destroços que ficavam
  6. 6. Sonhos ingênuos, infantis, apaixonados
  7. 7. Sem substrato, nem largo nem fundo
  8. 8. Desses que vê no carrossel do mundo
  9. 9. Fadas, duendes e castelos encantados
  10. 10. Mas veio a vida com martelos e açoites
  11. 11. E me mostrou na escuridão das noites
  12. 12. A razão como um abrigo na procela
  13. 13. Foi da razão que surgiu mais este sonho
  14. 14. O último, que ao sonhador proponho
  15. 15. Buscar a luz e caminhar com elaNO ME QUIERES?
  16. 16. A razãoQuantos sonhos em minha vida desfilaram E os enterrei sob a cal do meio dia E a cada sonho desbotado que morriaCriava outro, com os destroços que ficavam Sonhos ingênuos, infantis, apaixonados Sem substrato, nem largo nem fundo Desses que vê no carrossel do mundo Fadas, duendes e castelos encantados Mas veio a vida com martelos e açoites E me mostrou na escuridão das noites A razão como um abrigo na procela Foi da razão que surgiu mais este sonho O último, que ao sonhador proponho Buscar a luz e caminhar com ela
  17. 17. Formatação: o caçador de imagens

×