Portal do Agronegócio>>Notícia>> Ovinocultura é a nova aposta do agronegócio                            Page 1 of 3




  ...
Portal do Agronegócio>>Notícia>> Ovinocultura é a nova aposta do agronegócio                         Page 2 of 3



   vem...
Portal do Agronegócio>>Notícia>> Ovinocultura é a nova aposta do agronegócio   Page 3 of 3




                           ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Entrevista Portal Do Agronegócio

272 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
272
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Entrevista Portal Do Agronegócio

  1. 1. Portal do Agronegócio>>Notícia>> Ovinocultura é a nova aposta do agronegócio Page 1 of 3 O grande interesse do produtor e dos mercados interno e externo faz com que o setor produtivo volte os olhos para a cultura. Mas o crescimento da ovinocultura no país, no entanto, está emperrada por conta de uma série de entraves, que começam pelo grande déficit na produção. A demanda é muito maior do que a oferta. O que pode ser visto como um atrativo para os investidores, uma vez que há clientela para o produto. “O setor apresenta alguns gargalos que precisam ser sanados. O Uruguai hoje consegue, por exemplo, colocar um produto no mercado mais barato do que o brasileiro. O produtor brasileiro tem um custo de produção alto, por conta do pouco know how, a pouca escala de produção e a inexistência de plantas industriais (frigoríficos de abate exclusivo para a ovinocultura)”,destaca o diretor executivo da empresa Nova Alimentos, José Domingos Caetano Júnior. Hoje, em todo o país, existem somente dois ou três frigoríficos específicos para o abate de cordeiros, o resto funciona em plantas adaptadas. As distâncias e o alto custo do frete também encarecem o produto final. “Não há escala de produção. Não temos frigoríficos porque não tem produto para abater”, completa. A falta de frigorífico se reflete em um grande problema. O Brasil não pode exportar hoje porque não tem nenhum frigorífico habilitado para exportar. “Tem se criado um círculo vicioso quando se fala em ovinocultura no Brasil. O pecuarista só quer produzir se tiver certeza de lucro, de venda, o criador não está vendo a cadeia produtiva formada e está esperando por ela. Por outro lado, o empresário só quer investir na implantação de um frigorífico se tiver certeza que vai produto para abater. Então é preciso quebrar esse circulo vicioso. Alguém tem que tomar a iniciativa”, provoca José Domingos. Essa briga resulta em desabastecimento do mercado, o que afasta o consumidor. Outros dois pontos são colocados como empecilho para o desenvolvimento dessa cadeia produtiva. O alto custo e a venda prejudicada pelos produtos exportados (que chegam ao mercado mais baratos do que os nacionais) e a questão do abate clandestino – ainda feito em grande escala no país. A cadeia produtiva precisa se articular para tentar, junto ao Governo Federal e aos governos estaduais, estímulos para a ovinocultura. Neste ano, o Governo Federal criou a Câmara Setorial de Ovinocultura, que é um passo importante. Mas é preciso estimular o debate para a implantação de projetos junto aos ministérios da Agricultura e do Desenvolvimento afim de estimular o consumo, o que poderia acelerar o desenvolvimento da cadeia. “Podemos comparar a ovinocultura brasileira hoje como a suinocultura e a avicultura eram a 30, 40 atrás – quando haviam várias iniciativas localizadas, um grande rebanho, com pequenas produções e sem articulação. Nosso trabalho (da ovinocultura) é para ser feito a médio prazo. Coisa de 10 anos. Precisamos desse tempo par ter uma cadeia organizada”, prevê o empresário. A Nova Alimentos é o braço comercial de dois grandes projetos de ovinocultura no Brasil. O primeiro está instalado em Araxá (MG) há 12 anos. Foi trabalhado como projeto piloto, inicialmente na área de genética e http://www.portaldoagronegocio.com.br/conteudo.php?a=impressao&id=10061 4/3/2009
  2. 2. Portal do Agronegócio>>Notícia>> Ovinocultura é a nova aposta do agronegócio Page 2 of 3 vem sendo ampliado para a produção comercial. O segundo nasceu em 2002, no município de Nova Mutum (MT). O Projeto Amazon, no Mato Grosso fez seu primeiro abate em julho de 2005. A Nova Alimentos é responsável por fazer a comercialização dos produtos, tanto no mercado interno, quanto externo (que ainda não acontece). Os dois projetos trabalham com um produto denominado “premium”, de alto valor agregado. “Nosso produto é super precoce. Abatido com 100 dias, o que lhe dá a característica de um carne tenra, sem muita gordura. Todo o processo e padronizado”, explica José Domingos. A empresa comercializa os produtos para cadeias de food-service (alimentação fora do lar), composta basicamente por restaurantes, churrascarias e hotéis. O abate é feito em frigoríficos adaptados, o que, por enquanto,impede a exportação. Mercado consumidor - Em relação ao mercado, o diretor da Nova Alimentos aposta que o mercado brasileiro tem muito a ser explorado. Os países do Oriente Médio, por exemplo, consomem uma média de 15 kg/ano. No Brasil essa média não ultrapassa os 700 gr/ano. Mesmo com os entraves que não permitem o desenvolvimento da cadeia produtiva, o empresário, no entanto, afirma que há um grande interesse em se produzir e que as perspectivas são muito boas.“Vamos colher frutos mais para frente, por que hoje faltam a cadeia produtiva, temos baixo consumo e falta aos criadores produzirem para ter maior escala. Só assim poderemos brigar por um espaço no mercado. A perspectiva é boa, mas temos um processo a ser cumprido”, reforça. José Domingos elenca alguns pontos positivos que servem como atrativo para futuros investidores no setor. “O produto tem um ciclo rápido. Onze meses entre a monta e o abate. Onde se coloca uma vaca, pode-se colocar 30 matrizes, em uma área de 30 hectares, por exemplo. Em Mato Grosso, há ainda outras vantagens, o milheto (sub produto do milho) é usado na ração, assim como o custo baixo para a compra de grãos de soja e milho (já que o Estado é grande produtor dos dois grãos). O preço final conseguido pelo produto é, pelo menos, o dobro do valor do boi (média de R$ 90,00 a arroba e R$ 6, 00 o quilo da carcaça). O interesse de produtores e empresários coloca a ovinocultura em evidência. E o setor terá destaque na quarta edição Encontro Internacional dos Negócios da Pecuária (ENIPEC). Durante o evento serão realizadas três grandes palestras sobre o tema. Uma delas, terá como foco a comercialização da carne ovina e será proferida pelo diretor executivo da Nova Alimento. O evento acontece de sete a 12 de maio em Cuiabá (MT) e debaterá as 11 principais cadeias produtivas - bovinocultura, avicultura, ovinocultura, estrutiocultura, entre outras. http://www.portaldoagronegocio.com.br/conteudo.php?a=impressao&id=10061 4/3/2009
  3. 3. Portal do Agronegócio>>Notícia>> Ovinocultura é a nova aposta do agronegócio Page 3 of 3 !" # %& $%$ http://www.portaldoagronegocio.com.br/conteudo.php?a=impressao&id=10061 4/3/2009

×