320 jogos escoteiros

1.160 visualizações

Publicada em

320 jogos escoteiros

Publicada em: Direito
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.160
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

320 jogos escoteiros

  1. 1. õ¿õ LECÃO GUIA DE JOGOS ESCOTEIROS - 0 333222000 JJJOOOGGGOOOSSS EEESSSCCCOOOTTTEEEIIIRRROOOSSS Õ¿Õ LLLEEECCCÃÃÃOOO
  2. 2. õ¿õ LECÃO COLEÇÃO DE JOGOS ESCOTEIROS - 1 Õ¿Õ LLLEEECCCÃÃÃOOO AAALLLEEEXXXAAANNNDDDRRREEE FFFEEEJJJEEESSS JJooggooss EEssccootteeiirrooss
  3. 3. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 2 Õ ¿ Õ LLL EEE CCC ÃÃÃ OOO JJJooogggooosss EEEssscccooottteeeiiirrrooosss AALLDDOO CCHHIIOORRAATTTTOO Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro 9º Distrito Escoteiro – Lapa (SP) União dos Escoteiros do Brasil ! aldochioratto@gmail.com É PERMITIDA A REPRODUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO ELETRÔNICA. TIRE CÓPIAS, PARCIAL OU TOTAL, NA SUA IMPRESSORA. Se você tiver críticas, sugestões ou desejar colaborar no enriquecimento deste trabalho envie e-mail para: lecaotabapua@gmail.com 1ª Edição 19.05.2005 – Exemplar Revisto & Impresso 18.6.08
  4. 4. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 3 JJJOOOGGGOOOSSS EEESSSCCCOOOTTTEEEIIIRRROOOSSS A importância atribuída aos jogos pelos Ingleses data de séculos. Inúmeros jogos, hoje difundidos em todos os países do mundo, são originários da Grã- Bretanha. Sempre fizerem parte integrante da vida do povo inglês. Deve-se a John Strachan, escotista da Universidade de Edimburgo, o primeiro trabalho sobre o valor biológico do jogo e a Spencer, uma das contribuições mais valiosas sobre a posição do jogo no programa de educação física infantil. Para Spencer (1820-1903) a ginástica é um sistema de exercícios factícios. Embora sempre melhor que a ausência de exercício, jamais será um substituto de valor igual aos jogos. Os jogos produzem uma excitação mental agradável e exercem uma influência altamente fortificante. A felicidade assim obtida é o melhor dos tônicos. Na Alemanha Guts Muths (1759-1839) realizou grande obra consagrando seu nome como “avô da educação física alemã”. O valor educativo dos jogos lhe mereceu atenção especial e uma das suas obras dedicada a realçar o valor dos jogos como exercício e recreação do corpo e do espírito é a primeira obra fundamental do gênero escrita por um escotista de educação física. Mas ninguém exerceu uma influência tão surpreendente, não só na Alemanha como em todo o mundo como Groos, psicólogo a quem se deve a elaboração de uma filosofia do jogo, exposta em suas obras básicas, considerou o jogo sob tríplice aspecto do exercício preparatório, da atividade complementar e da recreação, não deixando de acentuar que a descarga aliviante dos impulsos (catarse) deve ser também considerada no estudo teológico do jogo. Na França foi elaborado e publicado pelo Ministério da Guerra o “Regulamento Geral de Educação Física” dividido em três partes: a primeira bases fisiológicas e pedagógicas, a segunda do treinamento esportivo e a terceira da educação física. Partindo do princípio de que o jogo não pode constituir um método completo de
  5. 5. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 4 educação física, o texto original reconhece que o jogo é a regulamentação mais ou menos metódica de movimentos instintivos que todo ser vivo é levado a realizar espontaneamente ao sentir a necessidade de exercício. Afirma, outrossim, que o jogo constitui a forma de ginástica mais apropriada para a infância porque se adapta às aptidões físicas da criança como às suas exigências morais. É ao mesmo tempo, higiênico e recreativo. Do ponto de vista físico não exige esforços muito intensos nem contrações musculares excessivamente localizadas. A sua prática é acompanhada sempre de prazer e este constitui para a criança o mais notável excitante da energia vital e o mais ativo estimulante para fazê-lo perseverar no exercício físico. O extremo interesse que as crianças demonstram pelos jogos e a alegria com que eles se entregam são tão importantes quanto os exercícios que os acompanham. PORQUE AS CRIANÇAS JOGAM A criança joga para satisfazer um instinto. Desde a mais tenra idade vemos que além das atividades de comer, beber e dormir, imprescindíveis para o desenvolvimento orgânico geral da criança resta-lhe somente lúdica. O bebê não joga para ganhar e sim para satisfazer um instinto primário de jogar. O mesmo acontece nos períodos dos três aos sete e dos sete aos doze anos. No primeiro, estando criança já na posse dos mecanismos perceptíveis e motores, o seu desenvolvimento psíquico se dirige para os interesses concretos. As suas funções de aquisição, a atenção, a memória, a associação são utilizadas com maior intensidade. O mesmo acontece com a curiosidade, à observação e a atenção que constituem tendências educativas. No segundo, dos 7 aos 12 anos, surgem os interesses especiais e objetivos. Somente ao penetrar na pré-adolescência, ao transpor o limiar da adolescência e no princípio desta, surgem os interesses éticos e sociais aos quais está intimamente ligado o instinto combativo. Despontam então as tendências e os sentimentos típicos do desejo de ganhar. O amor-próprio muito desenvolvido, a vaidade exagerada que se manifesta sob todas as formas, não só do ponto de vista de ser um bom jogador, um ótimo esportista, como nos atributos físicos e exteriores, o arranjo do penteado, o
  6. 6. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 5 esmero no traje, a linguagem, os gestos, as atitudes estudadas são revestimentos da intensa vaidade do adolescente. O desejo de ganhar não constitui o móvel da ação infantil de jogar. Esse desejo aparece mais tarde, caracterizando o período adolescente. A prova que a criança joga para satisfazer um impulso e não para ganhar está no fato observado diariamente e com freqüência espantosa de que, integrando uma turma, time ou grupo evidentemente mais fraco que o adversário, nem por isso deixa de jogar. Joga, não uma, duas, três vezes, mas quantas lhe forem proporcionadas. Pouco lhe importa perder ou ganhar. O que ela quer é jogar. No jogo individual, a saber, de dois jogadores um contra o outro, sucede o mesmo. A recusa de jogar quando não há possibilidade de ganho dá-se raramente, sempre com crianças que, dotadas de certas aptidões naturais como agilidade, velocidade ou força, colhem louros nas competições individuais de que participam. Posto à frente de outra criança, também dotada ou superior, manifesta desprazer em jogar. O seu sentimento de superioridade abala-se fortemente. Reluta ao ver- se colocada diante de uma situação nova, inédita, um adversário igual ou superior, embora da mesma idade. Há um conflito interior que a faz sofrer. Não pode mais ser a primeira, a melhor, a única. JOGOS NO ESCOTISMO Quando os jovens falam de Escotismo, contando aos amigos as novidades, são os jogos que causam a maior impressão, e isto não ocorre por acaso. O Movimento Escoteiro, quando foi idealizado pelo seu fundador, Baden Powell, utilizou-se sempre do efeito “mágico dos jogos”. Os jogos são meios pelos quais os fins educacionais do Movimento são atingidos. Esta vontade natural de competir, tão comum nos jovens, os acompanha desde a infância, dotando-os de espírito de tolerância, da vontade de progredir, do respeito pelas regras e pelos companheiros. A - As bases do Jogo Escoteiro • Ação - O Escotismo é a educação pela ação. Sugere atividades atraentes onde se aprende a partir das experiências realizadas. Existe sempre um toque de surpresa e emoção.
  7. 7. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 6 • Imaginário - Cada ramo é motivado por um apelo próprio a faixa etária: a fantasia dos Lobinhos; a aventura dos Escoteiros e Escoteiras; o desafio dos Seniores e Guias. • Associações - Os jovens aprendem a viver em pequenos grupos sociais; são Matilhas, Patrulhas e Grupos de interesse. • Funções - Assumem funções de líderes (Primos e Monitores) e as funções de seguidores (cozinheiros, lenhadores, almoxarifes). • Regras - A Lei Escoteira está presente em todas as atividades do Movimento e nelas os jovens aprendem lições para suas vidas. B - Onde iniciam e onde terminam os jogos no Escotismo A partir do momento em que os jovens entram na Alcatéia ou na Tropa, iniciasse o clima de um jogo com conquistas individuais, orientados por um sistema de etapas e especialidades. Apenas pensando ou planejando como realizá-las o jovem já está jogando. As Patrulhas se preparam para um acampamento, conferem seus materiais, estabelecem o cardápio e as funções de cada elemento. É chegado o grande dia. Iniciam com a escolha do local mais apropriado para armar a barraca e montar o toldo da cozinha. Já se passaram três ou quatro horas e alguém de fora poderia dizer: “coitadinhos! Trabalharam tanto e ainda não fizeram nenhum jogo para se divertir”. Ledo engano! A montagem do acampamento possui todos os cinco elementos do jogo Escoteiro e não pode ser dispensada ou atenuada. As dificuldades encontradas nesta montagem, os imprevistos, são o toque de surpresa e emoção. Vencidas algumas etapas, um conjunto de experiências, outra seção recebe o jovem e o jogo novamente tem sabor de algo desconhecido para ser vivido intensamente. 4 - TÉCNICA DO JOGO ORGANIZADO Para a organização dos jogos é necessário o conhecimento de uma série de princípios fundamentais. A verdadeira técnica, no entanto, não se baseia somente no conhecimento teórico desses princípios. Decorre, também da prática. Os princípios que se seguem são elementos básicos para a organização e direção dos jogos.
  8. 8. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 7 A - Dos preparativos O local Onde realizar os jogos? Evidentemente o mais apropriado é o “ar livre”. Muitas vezes a principal dificuldade para a realização dos jogos reside na falta de local apropriado. Os galpões ou mesmo a sala da Tropa ou da Alcatéia também se prestam para a execução dos jogos, principalmente quando o clima não ajuda. Os dois principais fatores para a boa realização dos jogos são: O Sol e o Ar livre. A área está condicionada ao local e deve ser suficiente para o número de jogadores. O material O material deve ser o mais reduzido possível não só por motivos econômicos como pela facilidade de transporte e guarda. É recomendável que o Chefe possua uma caixa de jogos onde possa guardar os materiais mais utilizados nos jogos aplicados. Esta caixa deve conter essencialmente bolas, apitos, saquinhos de areia, giz, etc. B - Dos jogadores Número O número de participantes em cada jogo dependerá do tipo do jogo aplicado, o mínimo são dois jogadores nos jogos individuais, passando pela Patrulha, Tropa e até centenas nos grandes jogos. Classificação Os jogos são classificados principalmente pela idade dos participantes e pela capacidade física de cada um deles. Formação A formação depende do tipo do jogo utilizado, pode ser em fileira ou linha, coluna, roda, circulos, patrulhas, estrela e outros esquemas.
  9. 9. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 8 C - Dos Jogos Fases do Jogo Qualquer jogo motor pode ser decomposto em três fases perfeitamente distintas que são a preparação, a evolução e o final. Preparação Consiste no arranjo do local, no congregamento das crianças e na disposição dos jogadores. Evolução É o meio do jogo propriamente dito, aquele que vai do início da movimentação até o final da ação. É a parte principal e o momento por excelência para observar e analisar as conduta dos jogadores. A criança está em ação, livre, despreocupada e nessa hora o seu comportamento é totalmente espontâneo, ela se revela como é, em toda expressão de sua personalidade. Final É o término do jogo, o último momento, aquele que encerrou a ação dos jogadores. Deve ser também o momento máximo para as expansões de alegria, com gritos de entusiasmo, saudações ao adversário com bravos e gratos. A criança tem absoluta necessidade de alegria. O jogo jamais pode ser totalmente silencioso. A criança “torce”, canta, grita e estes atos não só constituem evidentes manifestações de prazer, mas também verdadeiros exercícios de ginástica respiratória. Na feliz expressão de Lagrange, “o grito é para os pulmões o que o salto é para as pernas”. Elementos do Jogo Os elementos constitutivos do jogo, aqueles que regulam a sua intensidade, é a duração, o ritmo, a velocidade e a distância. • Duração é o tempo total do jogo. • Distância é o maior percurso a ser vencido ou a soma de vários percursos segmentários nos jogos de corrida. • Velocidade é o grau de rapidez a ser desenvolvido por meio da pronta execução dos movimentos e passagem célere entre os lances.
  10. 10. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 9 • Ritmo é a coordenação de movimentos e lances num tempo determinado. Convém esclarecer e distinguir bem entre lance e movimento. Movimento pede a deslocação do corpo, de qualquer forma que se opere, correndo, saltando, marchando, transportando... Lance é a passagem de um momento para o outro e pode dar-se sem deslocação do corpo. Os lances são, em geral, gestos, ações que caracterizam o jogo. No jogo de pegador p. ex., correr é o movimento e pegar é o lance. D - Tipos de Jogos Jogos de cobrança - utilizados como cobrança técnica do adestramento para avaliar o conhecimento. Jogos iniciais ou quebra-gelo - jogos simples e rápidos para quebrar a apatia ou gelo dos jovens quando iniciam as atividades. Jogos de revezamento - constituidos de ações repetitivas, são freqüentemente usados como cobrança do treinamento. É considerada vencedora a equipe que concluir as tarefas corretamente em menor tempo. Os jogos de revezamento tem uma classificação especial porque são na maioria jogos de correr, e a corrida é o exercício por excelência da criança. Mais do que marchar, saltar, transportar, lançar, atacar e defender, correr é o jogo típico da infância. O desenvolvimento torácico e a capacidade pulmonar se operam pela corrida. Jogos de equipe - são jogos onde as equipes se confrontam. Para a realização deste tipo de jogo são necessárias duas condições básicas: a presença de um árbitro honesto, imparcial e inteligente e uma área ou campo de jogo perfeitamente delimitada. Também são importantes as regras, que podem se adequar ao momento, e os limites de tempo. Jogos noturnos - a diversão que os jogos noturnos propiciam é enorme, como também o valor que deles se obtém. Muitos Escoteiros conseguem dominar seu medo da escuridão praticando estes jogos.
  11. 11. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 10 No preparo de jogos noturnos é conveniente levar em consideração as condições climáticas e do terreno, evitando possíveis transtornos. Nada é mais deprimente para um jovem do que participar de um jogo que não entenda. Para um jogo noturno ter êxito, precisa de muita ação e movimento. Jogos amplos - estes são jogos caracterizados pela surpresa, espaço, tempo e a participação parcial do Chefe como fiscal (as distâncias impedem). Estes jogos podem ser de caráter bem simples - tais como seguir uma pista ou a caça ao tesouro - ou bem mais complicados, requerendo muitos preparativos previamente elaborados e um grande número de Escoteiros de diferentes Tropas. Jogos de cidade - este tipo de jogo proporcionam ao jovem um conhecimento do local onde vivem. Jogos de observação e adestramento dos sentidos - conhecidos como jogos de Kim devem ser variados tanto na forma. quanto nos objetos. O adestramento dos sentidos deve ser progressivo para dar bons resultados. Deve começar por objetos simples e ir aumentando pouco a pouco a dificuldade. Jogo individual - o jogo individual oferece vários inconvenientes sendo o mais grave, sem dúvida, a formação de crianças chamadas por elas mesmas “convencidas”. A criança envaidecida ou mimada pelos seus resultados no jogo não tardará a tornar-se vaidosa, arrogante e egocêntrica. A adoção de jogos coletivos não impede, de forma alguma, que a criança brilhe, sobressaia. Mas é um fato aceito tacitamente pelos companheiros. O que importa acima de tudo é que a criança não obtenha “sozinha” o resultado. Na atividade individual, a criança realiza, consegue este ou aquele resultado “sozinha”. Na atividade coletiva ela consegue ou realiza tal proeza ou façanha “em conjunto”. Este é um dos princípios fundamentais dos jogos coletivos. Visam, acima de tudo, o desenvolvimento do espírito cooperativo e a educação do senso social. Jogos Coletivos - oferecem a vantagem de poder ser realizado com elevado número de participantes. Devem ser organizados preferencialmente com duas equipes de jogadores, porque essa é a forma típica do jogo coletivo, aquela que dá à criança uma compreensão mais perfeita e mais rápida do jogo.
  12. 12. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 11 Jogos Co-educativos - até os nove anos os jogo não precisam ser diferenciados entre meninos e meninas. Na idade de 9 a 10 anos aproximadamente, conforme o desenvolvimento morfológico, dinâmico-humoral e psicológico da criança, o interesse do menino volta-se para jogos de determinado feitio, os mesmos que, para as meninas, começam a perder o interesse. Os meninos vão adquirindo gosto cada vez mais acentuado pelos jogos de força, combatividade, persistência, tenacidade, em suma, a virilidade. As meninas por aqueles que contêm elementos de graça, que são delicados, que educam acima de tudo o gesto, a atitude, o andar. A propria natureza se incumbe de despertar no pré-adolescente um interesse diferente de acordo com seu sexo. Não se deve levar a rigor, no entanto, os preceitos de distinção de sexos nos jogos motores. Nem a escolha de jogos para meninas, com receio que sejam brutais, violentos ou de choque. A menina ainda não está em idade de apurar os gestos, a atitude, os movimentos, a ponto de poder ficar deselegante ou desgraciosa. E - Da Execução dos Jogos A execução dos jogos divide-se em quatro fases perfeitamente distintas, a saber: a escolha, o ensino, a condução e a avaliação. COMO ESCOLHER UM JOGO O primeiro cuidado na escolha é não impor um determinado jogo, é importante que o jogo seja de interesse dos participantes. O segundo é o objetivo - onde pretendemos chegar, qual é o fim educacional que pretendemos atingir. COMO ENSINAR UM JOGO O primeiro processo consiste em explicar minuciosamente o jogo, fazendo com que as crianças repitam a explicação a fim de mostrar que compreenderam o desenvolvimento do jogo. As regras devem ser bem entendidas por todos, pois delas dependerá o bom andamento do jogo. Outro processo recomendável para jogos difíceis, de regras especiais ou de desenvolvimento complexo, consiste em decompor o jogo nas suas várias fases,
  13. 13. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 12 ensinando fase por fase, a saber, a preparação, em primeiro lugar, a evolução e o final. COMO CONDUZIR UM JOGO Para a boa condução do jogo deve-se exigir o rigoroso cumprimento das regras, interromper imediatamente em face de qualquer irregularidade, falta ou infração. Somente essa atitude constante daquele que dirige os jogos pode levar as crianças a jogarem bem, com alegria e satisfação. O cumprimento rigoroso das regras não acarreta, como pode parecer à primeira vista, um comportamento grave. A alegria, o riso, o entusiasmo, o barulho não são incompatíveis com a obediência às leis do jogo. Exigindo da criança o cumprimento das leis do jogo, o condutor não deve tirar a alegria, a camaradagem e o entusiasmo. COMO AVALIAR UM JOGO Para temos certeza de que aplicamos corretamente o jogo e que o jogo aplicado era o mais adequado, é necessário que façamos uma avaliação dos resultados da aplicação onde possamos verificar se os objetivos foram alcançados, registrar pontos fortes e pontos fracos para servir de subsídio no planejamento de novos jogos. O JOGO IDEAL PARA CADA RAMO Uma dificuldade na escolha dos jogos é a falta de uma fronteira definida entre os jogos para cada ramo. É recomendável que não se repitam jogos de um ramo para outro. Os jogos devem ter graus de dificuldades progressivos e as fronteiras podem ser estabelecidas no Conselho de Chefes. Requisitos para bem aplicar jogos 1. Ser de agrado dos jovens 2. Serem disciplinados 3. Possuírem regras simples 4. Exigir silêncio na aplicação. Observar - ambiente, recursos materiais e humanos, finalidade e equilíbrio 5. Dê um clima ao jogo antes de iniciá-lo 6. Não inicie o jogo antes que todos o tenham entendido 7. Tenha todo o material necessário disponível antes de iniciá-lo 8. Não perca o controle, se perder pare e recomece 9. Incentive os mais fracos, mas apoie a todos
  14. 14. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 13 10. Tenha um objetivo para cada jogo, mesmo que seja para divertimento 11. Não exagere nos jogos favoritos 12. Delimite claramente o local do jogo 13. Interrompa o jogo no clímax 14. Jogos eliminatórios não são interessantes. Atividades repetitivas, fundos de cena imaginários mal colocados ou inexistentes, regras que geram dúvidas, mau cumprimento de regras, dificuldades artificiais ou sem propósitos, improvisação dos materiais necessários e a falta de entusiasmo dos dirigentes podem desmotivar os participantes e levá-los ao fim do jogo. Eles podem se retirar não só dos jogos, como também, do Movimento Escoteiro. O Chefe Escoteiro deve ter: • imaginação para inventar variantes dos jogos que já conhece • espírito de pesquisa para encontrar novos jogos em livros e revistas e trocar experiências com outros Chefes • organização para arquivar jogos e avaliações dos já aplicados • entusiasmo na aplicação dos jogos Fichas de Jogos É necessário manter arquivados em ordem os jogos escoteiros. As fichas de jogos são especialmente importantes para que o Chefe possa controlar a aplicação dos jogos escoteiros em sua seção. Os jogos devem ser catalogados por tipo, facilitando sua escolha e aplicação. O Psiquismo Infantil e os Jogos Motores O jogo organizado visa o desenvolvimento físico, mental e moral da criança. Os primeiros benefícios, os mais palpáveis, são os efeitos fisiológicos locais e gerais. O sentido muscular, as funções de equilíbrio, os órgãos sensoriais se aperfeiçoam. As grandes funções isto é, a respiração, a circulação, a digestão são estimuladas. Em primeiro plano, pois, acima de tudo o jogo visa a saúde da criança. Paralelamente, mas não em plano secundário, o aperfeiçoamento das funções mentais, como a atenção, a imaginação, a memória, o raciocínio e a aquisição de hábitos ou virtudes morais, como a lealdade, a bondade, o cavalheirismo, o espírito de cooperação, o senso social. Mas o jogo não é somente um processo de aperfeiçoamento físico, intelectual e moral. É também um valioso elemento para observação e
  15. 15. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 14 conhecimento metódico da psicologia da criança, suas tendências, qualidades, aptidões, lacunas e defeitos. Os jogos motores, em particular, constituem precioso recurso para o estudo da personalidade infantil. Neles tem o Chefe um dos meios mais eficientes para apurar as qualidades e corrigir as falhas inerentes a cada criança. O comportamento da criança A fase evolutiva do jogo motor é o momento por excelência para observar a conduta infantil. A criança está em ação, livre, despreocupada, e nessa hora o seu comportamento é totalmente espontâneo, ela se revela como é, em toda a expressão de sua personalidade. Em nenhuma outra atividade a auto-expressão da personalidade infantil é talvez tão completa como no jogo motor. Outra vantagem que apresenta o jogo motor organizado é de ser a investigação coletiva e não individual. A observação é feita individualmente estando a criança em coletividade que é sua Matilha, Patrulha ou turma. Como observar a criança A observação da criança nos jogos motores requer um conhecimento seguro da psicologia e do jogo nos seus vários aspectos. Além da preparação científica, no entanto, outro requisito se torna imprescindível: o treino de observação que demanda tempo e experiência. As crianças diferem profundamente entre sí nas suas características mentais, nos seus instintos, nas suas capacidades, nos seus interesses congênitos e adquiridos. Não havendo duas crianças perfeitamente iguais é natural que os estímulos produzam reações diferentes conforme a natureza de cada indivíduo. Toda observação deve visar sempre o progresso moral da criança. O jogo como verdadeiro Fator Educacional O jogo organizado constitui o melhor método para incutir princípios, normas e estabelecer padrões morais. A formação do caráter não decorre do jogo em “sí”, mas resulta, surge através do jogo. A conduta revelada no jogo organizado transfere-se para outras atividades de sorte que, pode-se dizer sem receio de
  16. 16. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 15 errar, o comportamento da criança no jogo organizado é idêntico ao seu comportamento social em toda e qualquer outra atividade. A necessidade de ser o jogo organizado é óbvia. Ao passo que o jogo livre pode ser causa ocasional de hábitos, costumes e atitudes condenáveis, o jogo organizado é fonte e causa eficiente de hábitos morais. A diferença reside em que no jogo livre a criança está totalmente entregue à atividade. Nenhum poder a domina, nenhum agente a fiscaliza, nenhum conselheiro a adverte. No jogo organizado a liberdade de jogar é um tanto restrita. A criança não pode infringir a regra, isto é, a lei. A presença do Chefe ou do Instrutor inibe-a de cometer gestos ou atos que pode praticar no jogo livre, como p. ex. desobedecer a regra sem maiores conseqüências, insultar os adversários, censurar ou criticar os companheiros, oprimir os menores e inúmeros outros atos indesejáveis no campo do jogo hoje, e no campo da vida amanhã. O jogo organizado é uma conquista psicológica recente. Funda-se no princípio de que o jogo é um método de educação da própria natureza. Mas a natureza não padroniza a qualidade do jogo. Os padrões devem ser estabelecidos pelo adulto. Uma das funções do Chefe ou Instrutor é suprir as falhas, deficiências, faltas, erros, com o ensino, o conselho, a advertência. Esse suprimento não se opera somente do ponto de vista mecânico. Vai muito além. O simples corrigir ou aperfeiçoar o movimento constitui valor material. O valor formal é a educação. Por isso mesmo o jogo livre pode constituir uma arma de dois gumes, despertando ou estimulando um comportamento reprovável, nocivo à vida da comunidade ou proporcionando e incentivando uma conduta desejável ou socialmente benéfica. O jogo revela os traços fundamentais da personalidade, proporciona o seu desenvolvimento, o seu apuro, precisa a forma de expressão e determina as qualidades do caráter, fazendo com que este possa ser melhorado pela direção, orientação ou liderança do instrutor . O jogo motor guia as tendências da criança e determina a autodisciplina que prosseguirá na vida adolescente e adulta. Os jogos motores devem ser selecionados com uma tríplice finalidade, a saber, aumentar a resistência orgânica, fortalecer a vontade e formar o caráter, tudo para o fim último de proporcionar eficiência social à criança, tornando-a mais tarde um ser valioso à coletividade. A prática do jogo motor organizado constitui
  17. 17. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 16 dessa maneira um verdadeiro laboratório de construção do caráter, de ação moral e de pensamento. O comportamento moral da criança no jogo motor pode ser resumido no termo “cavalheirismo”. “Cavalheirismo” significa jogar o jogo ou praticar o jogo limpo. O cavalheirismo é a lei básica do jogo. Dela decorrem todas as outras leis: jogar para o grupo e não para si, obedecer às ordens do capitão ou chefe, respeitar a decisão do juiz e jamais protestar contra ele, vencer sem orgulho, perder sem lamúrias, obedecer às leis do jogo. Não censurar os companheiros, jamais praticar uma deslealdade, tudo isso significa em última análise, cavalherismo. O caráter baseia-se principalmente nas emoções e nas atitudes que lhe estão intimamente ligadas. A criança passa do estágio das experiências elementares, como a dor e o prazer, para um estágio mais elevado ou superior na adolescência. Mas para essa passagem é necessária a ajuda de adultos ou de guias que a orientem no seu comportamento. Na adolescência, o indivíduo já não se satisfaz com o simples motivo de praticar ou deixar de praticar um ato porque os pais, escotistaes, instrutores, “acham” que está errado. Necessita saber a razão de tal comportamento. A razão é à base dos atos morais, pois a moral nada mais é do que a reta razão dos atos humanos. O adolescente está apto a adquirir a consciência de seus atos. A consciência é que dirigirá os seus atos na vida adulta porque a consciência é que dirige a vontade na ação. Razão - É a base moral dos atos morais Moral - É a reta razão dos atos humanos Somente nos tornando verdadeiros educadores, poderemos realizar algo imperecível em prol da Pátria e da humanidade. Oficina de Programação de Reuniões (PARA ESCOTISTAS / ASSISTENTES) Objetivo: Trazer sugestões de atividades progressivas e atraentes para todos os Ramos. Adesão: Receba arquivo Excel com a nova planilha de programação, recheada de sugestões de jogos. Basta copiar e colar. Para participar envie um e-mail para: programacaodereunioes-subscribe@yahoogrupos.com.br
  18. 18. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 17 AASS AAVVEENNTTUURRAASS DDEE KKIIMM imball O´Hara, conhecido simplesmente como Kim, era filho de um sargento de um regimento irlandês na Índia. Seu pai e sua mãe morreram quando ele era uma criança, e foi então entregue aos cuidados de uma tia. Seus companheiros de brincadeira e de jogos eram todos meninos hindus, e assim aprendeu a língua e os costumes deles. Tornou-se um grande amigo de um sacerdote que andava em peregrinação, e com ele viajou por todo o norte da Índia. Um dia encontrou por acaso, em marcha, o antigo regimento do seu pai, mas, depois, ao visitar o acampamento, foi preso, sob suspeita de ser ladrão. Encontrada a sua certidão de nascimento e outros papéis que trazia consigo, o regimento vendo que o rapaz lhe pertencia, resolveu então tomar conta dele e começar a educá-lo. Mas sempre que, nas férias, podia sair da escola, Kim vestia- se com roupas hindus e vivia entre os naturais da terra, como se fosse um deles. Depois de algum tempo Kim conheceu um tal senhor Lurgan, que mercadejava em jóias antigas e curiosidades, e que devido ao conhecimento que tinha dos habitantes locais, era também um membro do Serviço Secreto do Governo. Este homem, vendo o conhecimento incomum dos hábitos e costumes locais que Kim possuía, achou que ele poderia vir a ser um agente muito útil. Passou então a dar-lhe lições sobre como notar e lembrar-se de pequenos detalhes. Lurgan começou por mostrar a Kim uma bandeja cheia de pedras preciosas de diferentes qualidades. Deixou que este o contemplasse por um minuto, e então a cobriu com um pano, perguntando-lhe depois quantas pedras havia e de que qualidades. Inicialmente Kim só lembrou de umas poucas, sem poder entretanto descrevê-las em detalhes, mas depois de adquirir um pouco de prática, passou logo a se lembrar perfeitamente de todas. E o mesmo sucedeu com muitos outros objetos que lhe foram mostrados da mesma maneira. Afinal, depois de muitas outras formas de adestramento, Kim se tornou membro do Serviço Secreto, deram-lhe um medalhão para usar em torno do pescoço e uma determinada frase, que enunciada de uma certa forma, indicaria sua afiliação ao Serviço. K
  19. 19. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 18 As aventuras de Kim valem a pena ser lidas, pois ilustram bem o tipo de trabalho valioso que em épocas de emergência um Escoteiro pode empreender em benefício de seu País se estiver bem preparado e se for suficientemente inteligente. NNNoootttaaannndddooo ooosss IIInnndddíííccciiiooosss Indícios é a palavra usada para significar quaisquer pequenos vestígios, tais como pegadas, pequenos galhos quebrados, mato pisado, migalhas de comida, uma gota de sangue, um cabelo, etc. – qualquer coisa que possa ajudar como chave do problema, dando a informação que estejam procurando descobrir. Uma das coisas mais importantes que se deve aprender é não deixar que nada escape à sua atenção. Deve notar as coisas mais insignificantes e depois descobrir o seu significado. É preciso uma boa dose de prática antes que se habitue realmente a notar tudo, nada deixando escapar aos seus olhos. Pode-se aprender isto tão bem na cidade como no campo. E da mesma forma, você deve prestar atenção a qualquer ruído estranho ou qualquer cheiro característico, e pensar no seu possível significado. 1. Kim Tradicional Com o mercador Kim praticava um jogo que consistia em observar durante 1 minuto 24 pedras preciosas. Depois retirava as pedras e Kim, de memória, tinha que descrever cada uma delas. O jogo é feito da mesma forma, e após 1 minuto de observação os jovens devem descrever os objetos em 3 minutos. 2. Kim das Convenções Os jovens devem observar durante 1 minuto um quadro com 24 convenções, algumas típicas, observadas em mapas e outras criadas pela chefia. Após a observação devem listar estas convenções em uma folha, e, a partir delas, elaborar um percurso de gilwell fictício onde apareçam estas convenções. 3. Kim Dos Distintivos Observar 24 distintivos diferentes por cerca de 1 minuto e depois responder perguntas referentes a eles. 4. Kim Dos Lenços Observar 20 lenços diferentes por cerca de 1 minuto e depois descrever suas cores 5. Kim Marinho LOCAL: AR LIVRE DURAÇÃO: 30 minutos MATERIAL: 01 Lona 6x4m aberta para exposição dos objetos, 60 ou mais objetos diversos sendo 40 deles relacionados com água ou mar, 04 pistolas d´água , 01 cancioneiro.
  20. 20. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 19 OBJETIVOS DESTA ATIVIDADE: Organização e integração dos elementos na patrulha. Exercício de memorização ESTA ATIVIDADE CONTRUIBUI PARA A CONQUISTA DOS SEGUINTES OBJETIVOS EDUCACIONAIS: 11 a 13 anos: Eu me interesso por aprender mais sobre o que passa a minha volta. 13 a 15 anos: Tiro minhas próprias conclusões dos fatos que acontecem a minha volta. DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: 2 elementos de cada patrulha na sua vez, terá 1 minuto para observar uma lona com 60 ou mais objetos diversos misturados com itens do mar ou água. Vencido o tempo, a lona deverá ser fechada e os elementos retornarão junto com os demais que estarão propositadamente cantando. Quando todos os elementos das Patrulhas já tiverem vistoriado a lona, as Patrulhas terão 5 minutos para descreverem o que lembrarem (por Patrulha) dos itens do mar. Vence a Patrulha que mais acertar os itens relacionados com o mar. Para dificultar e tornar mais divertido, durante a exposição da lona para as pessoas, a Chefia poderá esguichar água por cima por meio de pistolas d´água. COMO AVALIAR ESTÁ ATIVIDADE • se houve aprendizagem e participação. • se houve troca de experiências. • se as regras de segurança foram cumpridas. 6. Kim Musical Ouvir uma fita gravada com 20 trechos de musicas. Depois devem listar os cantores / bandas. Este jogo tem uma variável em que os jovens vão anotando ao mesmo tempo em que ouvem as canções. 7. Microkim Jogo do Kim tradicional, mas em que o maior objeto é uma tampa de caneta. 8. BP Historiado Cada matilha recebe um cartão com 5 perguntas sobre a história de B.P. Elas deverão procurar as respostas em seus guias e depois apresentá-las à Alcatéia. 9. Caixa Louca Material: Caixa de papelão (tamanho grande), vários objetos, pedaços de pano e cabos de nó, papel e caneta / lápis. Cada Patrulha, por sua vez, terá a oportunidade de colocar somente as mãos dentro da caixa louca, que contém vários objetos, e misturados, panos e cabos solteiros.
  21. 21. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 20 Durante 3 minutos a caixa pertencerá a cada equipe. Ao final desse tempo, a equipe receberá lápis / caneta e papel, e deverá anotar os objetos que estão dentro da caixa louca. Nota: Este jogo poderá ser feito como um Jogo de Revezamento, o que o tornará mais movimentado e atrativo. 10. Construindo o Mapa Os jovens devem observar durante 1 minuto um quadro com 24 convenções, algumas típicas, observadas em mapas e outras criadas pela chefia. Após a observação devem listar estas convenções em uma folha, e, a partir delas, elaborar um percurso de Gilwell fictício onde apareçam estas convenções. 11. Kim de Rosto Tipo: Círculo Aplicação: Lobinhos e Escoteiros Materiais: Lenço escoteiro e pano para vendar os olhos para os Aspirantes (esses só deverão usar o lenço, pela primeira vez, no dia da Promessa!). Regra: Um dos participantes fica com o rosto vendado e procura reconhecer os companheiros pelo tato. Se reconhecer passa a vez para aquele que ele descobriu. Observações: As posições dos que aguardam no círculo podem ser modificadas e deve- se confundir as vozes para que o tato seja o ponto mais importante a ser desenvolvido. Nesse jogo, é comum os participantes quererem trocar de lugar por conta própria, mas assim o jogo pode sair prejudicado. Só os condutores devem se incumbir dessa tarefa. Indiretamente, esse jogo dá um bom indicativo da disciplina da Seção, pois o silêncio na hora certa faz desse jogo um sucesso. Sugestões: Quando os participantes começam a se desenvolver melhor no jogo, o da vez, depois de vendado, deve ser rodado para ficar mais confundido ainda, enquanto os participantes são trocados de lugar por um participante. 12. Memória Material: 64 latas vazias, tipo molho de tomate, 32 pares de coisas sortidas (chaves, apitos. Longe dos meninos, distribua as latas formando um quadrado, com 8 latas em cada lado. Embaixo de cada uma delas, coloque um objeto, de forma aleatória. Desenvolvimento: Separe os jovens em duas equipes. Tire "par-ou-ímpar" para ver qual equipe começa. Então, um membro dessa equipe indicará duas latas, que deverão ser viradas, de forma que todos vejam seu conteúdo. Se os objetos mostrados formarem um par, as latas são retiradas, e o jovem tentará outra vez. Se não, as latas são viradas
  22. 22. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 21 novamente, com os objetos sob ela, e ele dará a vez a alguém da equipe contrária. O jogo continuará até que não restem mais latas viradas. Variação: Pode-se instituir que, para formar um par, o jovem deva anunciar previamente sua intenção. Se ele achar que sabe onde dois objetos iguais estão, anunciará "Vou tentar". Se conseguir, sua equipe conseguirá um ponto. Se não, ela perderá um ponto. Se ele formar um par sem ter anunciado antes, sua descoberta fica sem efeito. 13. Memória Fotográfica Material: 2 figuras iguais com pequenas diferenças (jogo dos 8 erros) e canetas. Dado o sinal cada lobinho deverá ir até as 2 figuras (que deverá estar a uma distância de +-8 metros) e marcar em uma delas uma diferença. Feito isto este deve voltar e bater na mão do próximo que deverá fazer o mesmo. Vence a patrulha que marcar todos os erros. Variante: Cada matilha receberá uma figura e visualizará durante 2 minutos, acabando esse tempo o chefe entrega para a matilha um questionário com perguntas referentes à figura. 14. Memória Variada Sorteia-se uma letra do alfabeto e cada participante tem que escrever uma cor, flor, fruta, cidade, país e nome de pessoa que começa com a letra. Quando todos terminam de escrever, comparam-se os resultados. Quem escrever a mesma palavra é eliminada. Ganha quem tiver encontrado o maior número de palavras únicas, que ninguém mais tiver usado. 15. Meus Pés, Meus Olhos Cada matilha, por sua vez, terá os olhos vendados, e sentará no local previamente definido, tirando os tênis e meias. Ao sinal de início, o aplicador colocará bacias ao alcance dos pés de cada jovem, passando de tempo em tempo, facilitando o toque dos objetos que estão na bacia pelos pés. Em cada bacia deverá haver pelo menos dois exemplares de cada objeto (dois copos, três parafusos grandes, dois carros de corrida, etc). Depois de passar cada bacia por toda a equipe, as vendas serão tiradas, e cada um, individualmente, escreverá os objetos identificados. Depois de algum treino pode-se solicitar que sejam anotados os objetos tocados e a ordem de apresentação. 16. Mistério A Chefia prepara com antecedência uma "cena de um crime" criando para sí a história verdadeira deste "crime". Em uma sala o ambiente necessário: uma mesa com 4 cadeiras (uma delas, caída no chão). Sobre a mesa, 4 copos (dois com batom), 2 cinzeiros com restos de cigarros (alguns com batom), cartas de baralho, uma garrafa
  23. 23. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 22 de aguardente e outras coisas que não vem ao caso. No chão, outras garrafas de aguardente, um jornal aberto na página de um seqüestro que tenha acontecido, manchas de sangue (catchup) e uma faca também suja de "sangue". Outra cadeira caída e cordas ao seu redor. As manchas de "sangue" no chão, fazem uma trilha até a porta. Deve-se dar uma impressão de ter acontecido uma briga no local. História Imaginária Os lobinhos, depois de observarem a cena do crime, em silêncio, reúnem-se em matilhas e tentam "montar uma história" deduzindo os acontecimentos baseados nos indícios que observaram. Vencerá a matilha que mais se aproximar da "história verídica" montada pela Chefia. Um exemplo de uma história: Dois casais realizaram um seqüestro. Amarraram a vítima na cadeira e enquanto aguardavam o contato com os familiares para pedirem o resgate, jogavam cartas e bebiam, fazendo planos para o futuro de como gastariam o dinheiro. A bebida forte começou a fazer efeito e eles brigaram. Um deles sacou uma faca e feriu o comparsa que mesmo ferido, conseguiu fugir amparado pela companheira, perseguido pelo outro casal. No decorrer da briga, o seqüestrado consegue desamarrar-se e quando fica sozinho, aproveita a oportunidade e foge. Com mais alguns detalhes pode-se dificultar a observação e a dedução, tornando a atividade mais "difícil", juntando-se o "dinheiro" do resgate, uma agenda telefônica, uma "carteira de policial" (para deduzir que havia um policial envolvido) e tantas outras coisas mais. Pode-se posteriormente, solicitar que cada matilha "monte" uma nova história para que seja repetida a atividade, em outra oportunidade. 17. Nós Da Memória Fichas de cartolina (10cm x 10cm) com xerox dos nós, outras com os nomes e outras com a utilização dos nós. Formar a Alcatéia em volta de uma mesa onde estarão dispostas as fichas com o conteúdo (nós, nomes ou a utilização) para cima para os lobinhos observarem durante 1 minuto. Acabado esse tempo as fichas serão viradas com o conteúdo para baixo. Por revezamento, cada um deverá virar duas fichas, fazendo a relação entre nome e gravura ou nome e utilização ou gravura e utilização dos nós, cada vez que o lobinho acertar o par retiram-se as 2 fichas e tem direito a mais uma jogada. Se errar viram-se as fichas (sempre no mesmo lugar) e passa a vez para o próximo. 18. Olhem O Quadro A matilha tem 1 minuto para observar um quadro levado pela chefia. Depois deverá responder perguntas sobre o quadro. Pode-se solicitar uma "reprodução" do quadro. 19. Quadrícula De Observação Preparam-se vários cartões riscando-os de modo a dividir cada um em 16 quadrados. O chefe coloca num dos cartões em vários quadrados, à vontade, grãos de feijão ou de
  24. 24. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 23 outra espécie. Após uma observação de segundos os lobinhos devem reproduzir nos seus cartões a arrumação feita no do chefe. Vence o que tiver menos pontos, perdendo 1 ponto por erro cometido. Os caroços podem ser de diversos grãos, a fim de aumentar a dificuldade. 20. De Quem É A Bolsa? Os jovens devem olhar uma bolsa (de um personagem fictício) durante 10 minutos, tentando prestar o máximo de atenção em seu conteúdo. Devem então deduzir a quem pertence esta bolsa. Ou seja, se é de um homem ou mulher, se é casado(a) ou não, sua profissão, hobbies, manias, hábitos. A bolsa deve ser preparada pela chefia de forma a se poder chegar a alguma conclusão. Lógico que não deve haver nada tão óbvio como a própria carteira de identidade da pessoa. Observação Na Prática 21. Na Cidade: Ensine os jovens a descer uma rua observando as diferentes espécies de lojas que passarem, e a repetir de memória, na ordem em que se acham. Depois, a observar e lembrar os nomes das lojas. A seguir notar e lembrar o que estiver numa vitrine depois de olhar para ela durante 2 minutos. E finalmente notar os objetos em várias vitrines sucessivamente ficando por meio minuto em frente a cada uma. 22. No Campo: Leve os jovens para uma caminhada e ensine-os a notar coisas distantes que sirvam como pontos de referência, como colinas, campanários, etc, e pontos de referência próximos, como edifícios, árvores, rochas, portões. Faça com que notem encruzilhadas, atalhos, diferentes tipos de árvores, animais, pegadas, pessoas e veículos. Depois mande-os para uma caminhada, acompanhados por um velho lobo que não pode intervir na observação deles. Quando voltarem, faça-lhes 6 perguntas sobre certos pontos que devem ser notados. Pode-se também espalhar objetos (canetas, botões, fósforos) pelo caminho e pedir que os tragam de volta. PPPaaarrraaa sssaaabbbeeerrr mmmaaaiiisss::: Escotismo para Rapazes – Baden-Powell Kim – Rudyard Kipling
  25. 25. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 24 CCCOOOLLLEEEÇÇÇÃÃÃOOO DDDEEE JJJOOOGGGOOOSSS EEESSSCCCOOOTTTEEEIIIRRROOOSSS 23. ADVOGADOS Tipo: Revezamento Aplicação: Lobinhos, Escoteiros, Seniores e Pioneiros Material: Mensagens escritas a serem faladas para cada equipe. Regra: Cada líder recebe uma mensagem do Chefe e deve transmitir a cada um da sua equipe de boca para ouvido, após passar por uma "estrada". Ganha a equipe que trouxer a mensagem final intacta. Observações: Esse jogo dá um bom desenvolvimento de memória, e ensina a se transmitir exatamente aquilo que escuta. Recomenda-se ao Escotista que transmita uma mensagem previamente escrita numa folha de papel, exatamente como está escrita, três vezes, nem mais, nem menos. Sugestões: Para Lobinhos, fazer uma pista de obstáculos simples. No campo ou numa praça, esse jogo fica bem aplicado. Para os demais, os obstáculos devem progredir, sendo que o revezamento pode ser feito, em lugar da fila tradicional onde cada um vai e volta para passar o jogo adiante, colocando os membros de cada equipe ao longo do caminho. A mensagem pode tanto ser a mesma para cada equipe como pode ser mensagens diferentes, o que torna o jogo mais interessante. 24. ADVOGADOS Quantidade de Ajudantes 1 Duração média em Minutos10 Quant. mín. participantes 15 Quant. máx. participantes 32 Modo MODERADO Local para Atividade INTERNA E EXTERNA Atmosfera para Atividade TODAS Formação CIRCULO Ao longo de um grande círculo imaginário são colocados os elementos, sendo que um elemento ficará ao centro. O que tiver ao centro ficará circulando próximo aos elementos, quando o chefe apitar ele perguntará ao elemento mais próximo o seguinte: Me diga qual é a ( x ) lei escoteira ? O escoteiro que tiver ao lado direito do que foi questionado será o seu advogado e terá que responder, se não souber ficará no centro e o elemento que perguntou tomará o seu lugar. O jogo não tem tempo determinado para acabar
  26. 26. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 25 25. ACERTEM OS ALVOS Local para Atividade: QUADRA Modo: ATIVO Formação: EQUIPE material: diversos alvos de diferentes tamanhos e uma bola. Espalhados pela quadra existem diversos alvos de diferentes tamanhos. O objetivo das patrulhas é acertar estes alvos. Os alvos maiores (por ex: balde, garrafa PET 2 LT) tem valor menor do que o dos alvos menores (por ex. copo descartável, pedra). As regras são como de basquetinho. 26. ACERTEM OS ALVOS 2 Quantidade de Ajudantes 1 Duração média em Minutos 10 Quant. mín. participantes 20 Quant. máx. participantes 32 Modo MODERADO Local para Atividade INTERNA Atmosfera para Atividade TODAS Formação EQUIPE Material: 4 baldes e cordas para definir limites Regras para Atividade: 1) Colocar no campo um balde para cada equipe, com uma distância delimitada em sua volta. 2) Cada equipe tem 20 fósforos, marcados antecipadamente com as cores da equipe (reforçar o espírito de Patrulha). 3) Ao sinal do apito, todos tentam lançar os fósforos para o balde da sua equipe, usando canudinhos de refresco. 4) Vence equipe que conseguir colocar os 20 fósforos mais rapidamente ou que ao final de 10 minutos tiver mais fósforos em seu balde. 27. AGULHA NO NINHO MATERIAL POR PATRULHA: 6 agulhas, fita (para prender as agulhas) e um carretel de linha. Jogo de revezemento em que cada patrulha tem preso a cerca de 3,5 metros do chão ( em uma árvore, tabela de basquete ou janela, por exemplo) 6 agulhas, com o ilhós (buraco) virado para baixo. O objetivo é correr até a agulha e auxiliar o primeiro a colocar a linha na agulha. Para isso a patrulha deve se coordenar e cooperar podendo fazer uma pirâmide humana ou elevando com o bastão de patrulha. Depois de colocado, todos voltam ao início, nova linha é pega, devendo ser colocada pelo
  27. 27. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 26 segundo. Todos devem participar, mesmo os maiores, menores e mais pesados. Caso a patrulha tenha menos elementos que as agulhas, só podem repetir elementos depois de todos já terem participado. 28. ALFABETO Tipo: Revezamento Aplicação: Lobinhos Materiais: Uma folha de papel almaço pautada, um lápis e uma borracha para cada matilha. Regra: Para cada matilha, põe-se uma folha de papel e uma caneta. Cada Lobinho coloca ali uma letra do alfabeto, na ordem, uma em cada linha, até esse ficar completo. Depois, cada um põe uma palavra começando com cada letra, na ordem, que não será coincidentemente a mesma letra que aquele colocou, a não ser nas matilhas com dois Lobinhos. Observações: Não devemos esquecer que as letras K, W e Y foram reincorporados ao nosso Alfabeto. Entretanto, como são raras as palavras usuais iniciadas por essas letras, com exceção do nome da fruta kiwi. O organizador do jogo deve mandar "pular" essas letras quando escrever as palavras, mas não quando for colocar o alfabeto. A disposição do nosso Alfabeto ficou assim: A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z. Sugestões: Uma das finalidades desse jogo é reforçar o uso da escrita entre Lobinhos, que estão na fase ou de alfabetização ou de reforço da escrita. 29. AMIGOS DE JÓ Material: Círculos no chão (bambolês, círculos desenhados de giz ou barbantes) em número igual ao de participantes dispostos em um grande círculo. Cantando a música "Amigos de Jó", todo o grupo tem que se deslocar na cadência e realizar os movimentos propostos formando uma espécie de balé brincalhão. O propósito é fazer do jogo-dança um momento de união do grupo e proporcionar um espaço de adequação do ritmo grupal. Podem ser trabalhados Valores Humanos como: Ø Alegria e Entusiasmo pela brincadeira do grupo (diversão entre erros e acertos); Ø Harmonia na busca do ritmo grupal; Ø Parceria e Respeito para caminhar junto com o outro. Descrição: Cada participante ocupa um bambolê ou círculo desenhado no chão. A música tradicional dos "Escravos de Jó" é cantada com algumas modificações: "aMigos de Jó joGavam caxanGá. Tira, Põe, Deixa Ficar, fesTeiros com fesTeiros fazem Zigue, Zigue, Zá (2x)"
  28. 28. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 27 O grupo vai fazendo uma coreografia ao mesmo tempo em que canta a música. A cadência das passadas é marcada pelas letras maiúsculas na música. "aMigos de Jó joGavam caxanGá." : são 4 passos simples em que cada um vai pulando nos círculos que estão à sua frente. "Tira": pula-se para o lado de fora do círculo "Põe": volta-se para o círculo "Deixa Ficar": permanece no círculo, agitando os braços erguidos "fesTeiros com fesTeiros": 2 passos para frente nos círculos "fazem Zigue, Zigue, Zá" : começando com o primeiro passo à frente, o segundo voltando e o terceiro novamente para frente. Quando o grupo já estiver sincronizando o seu ritmo, o(a) escotista(a) pode propor que os participantes joguem em pares. Neste caso, o número de círculos no chão deve ser igual à metade do número de participantes, as pessoas ocupam um círculo e ficam uma ao lado da outra com uma das mãos dadas. Além disso, quando o grupo cantar "Tira..." o par pula para fora do círculo, um para cada lado e sem soltar as mãos. E por que não propor que se jogue em trios e quartetos?? Dicas: Este jogo-dança é uma gostosa brincadeira que exige uma certa concentração do grupo para perceber qual é o ritmo a ser adotado. É prudente começar mais devagar e se o grupo for respondendo bem ao desafio, sugerir o aumento da velocidade. O respeito ao parceiro do lado e a atenção para não machucar os pés alheios são toques interessantes que a pessoa que focaliza o jogo pode dar. Quando o grupo não está conseguindo estabelecer um ritmo grupal, o(a) escotista(a) pode oferecer espaço para que as pessoas percebam onde está a dificuldade e proponham soluções. Da mesma forma, quando o desafio já tenha sido superado e o grupo queira continuar jogando, há espaço para criar novas formas de deslocamento e também há abertura para outras coreografias nesta ou em outras cantigas do domínio popular. Vale dizer que o pessoal ri muito, que é um jogo legal para descontrair, ótimo quebra- gelo. O jogo pode acompanhar reflexão sobre temas de interesse específico ou simplesmente ser jogado pelo prazer de jogar-dançar.
  29. 29. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 28 30. AMIGOS INSEPARAVEIS AREA DESENVOLVIMENTO: Social/Físico LOCAL: Área aproximadamente de uma quadra de voleibol Nº PARTICIPANTES: até 40 pessoas DURAÇÃO: de 20 a 30 minutos entre explicação e execução MATERIAIS: 10 camisetas tamanho GG ou a maior que encontrar; 10 cadeiras; 10 toras de madeira; giz OBJETIVOS: Sensibilizar os participantes a respeitar a individualidade, criar estratégias, realizarem tarefas juntos e no menor tempo possível. Trabalhar o relacionamento Interpessoal, e a cooperação. OBJETIVOS EDUCACIONAIS Social 11 a 13 anos Procuro fazer com que todos respeitemos nossos companheiros, qualquer que seja seu jeito de ser. 13 a 15 anos Respeito todas as pessoas independentemente de suas idéias, sua classe social e seu modo de vida. Físico 11 a 13 anos Participo de atividades que me ajudam a manter meu corpo forte e sadio 13 a 15 anos Respeito o meu corpo e o dos outros. Riscar uma linha de saída e duas linhas paralelas com a distancia aproximadamente 70 cm, no final da área de jogo. Formar 20 duplas, 10 vestira as camisetas e ficarão atrás da linha de saída. As outras 10 ficarão atrás das linhas paralelas ao final da área de jogo.Ao sinal sairão ultrapassando os obstáculos á sua frente, sempre dentro da camiseta em seguinte ordem: 1- pular dentro de quatro bambolês enfileirados com os dois pés juntos (ou melhor, quatro pés). 2- Subir e descer da cadeira e após isso contorná-la 3- Andar encima da tora de madeira. 4- Saltar as linhas paralelas 5- Tirar a camiseta entregar para a dupla que esta em sua direção 6- A dupla que receber a camiseta devera retornar para a linha de saída cumprindo todas as tarefas de trás para frente.
  30. 30. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 29 31. ANCORAGEM local: qualquer um com terra. material utilizado: palitinhos de churrasco e linha. Cada patrulha recebe palitinhos de churrasco e linhas de costura. Com eles deve construir os 3 modelos de ancoragem da melhor forma possível, inclusive com a proporção adequada. 32. ANTENAS PARABÓLICAS Faixa etária: 12 a 14 anos Forma de participação: Patrulha Área de crescimentos: Intelectual Objetivos: Conhecer explicações sobre os processos tecnológicos presentes na vida diária, tais como eletricidade, televisão, aviação e outros. A pergunta motivadora será: - Como as antenas parabólicas emitem e recebem sinais? O coordenador da atividade pede que na próxima semana cada Patrulha traga dois guarda- chuvas, bastante papel alumínio e um despertador. As Patrulhas ficaram curiosas. Primeiramente faça uma demonstração e depois peça para cada Patrulha montar a sua antena parabólica. Recubra com papel alumínio os interiores de dois guarda-chuvas abertos, para refletirem o sol. Eles ficam de frente um para o outro. Quando todas as Patrulhas fizerem suas antenas peça que um dos elementos segure um despertador perto de um dos guarda- chuvas enquanto outro elemento fica junto ao outro. Depois cada Patrulha poderá passar mensagens para os outros membros da Patrulha. O feixe sonoro será refletido, captado e concentrado e ouvem-se claramente os sons emitidos. 33. APAGA A VELA Local para Atividade: QUADRA Modo: ATIVO Formação: EQUIPE material: uma seringa por senior, uma ou mais velas por patrulha. Cada patrulha tem uma (ou várias ) vela acesa colocada dentro de um círculo onde ninguém pode entrar. Cada integrante da tropa tem uma seringa. O objetivo é encher a seringa com água em uma das panelas que fica no centro da quadra e tentar apagar as velas das
  31. 31. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 30 demais patrulhas. Vence a patrulha que ao final do jogo tiver o maior numero de velas acesas. 34. APITO Material: 1 apito 1) As equipe formam um círculo; 2) Uma das equipes é indicada para iniciar a cantar o Hino Rataplã; 3) Se ocorrer um sinal de apito, aquela equipe pára de cantar e a equipe da esquerda inicia; 4) Assim vai continuando até cantar toda a música 35. ARRANCAR A ESTACA Local para Atividade: QUADRA Modo: ATIVO Formação: EQUIPE material: 2 cordas e 1 estaca. 1) Formar as equipes duas a duas, uma defronte para a outra. 2) Elas estarão distantes 10 m e terão entre elas uma estaca. 3) Cada equipe tem uma corda e deve fazer uma volta redonda (na estaca), um catau e um aselha. 4) Ao sinal do apito o primeiro corre e começa a fazer os nós. 5) Ao novo sinal do apito, pára e corre até sua equipe. 6) Toca o próximo, que passará a executar a tarefa. 7) Continua-se assim até que uma equipe termine os nós e reuna-se para puxar a estaca. 36. ARRASTANDO O TRONCO Quantidade de Ajudantes: 1 Duração média em Minutos: 20 Número de participantes: 20 a 32 Local para Atividade: AR LIVRE Modo: MODERADO Formação: EQUIPE Material: Vara de madeira ou bambu Formar uma equipe em frente à outra, distante uns 20 metros. Na metade da distancia colocar um tronco (vara de madeira ou bambu) com 2 cabos instalados. Ao sinal, o 1º jovem de cada equipe corre e amarra o seu cabo no cabo já existente, retorna e toca o 2º, que faz igual. E assim, sucessivamente. O ultimo dá seu nó e puxa o tronco até sua equipe.
  32. 32. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 31 Contagem de pontos: cada nó diferente ganha 1 ponto, e a equipe que arrastou o tronco ganha 3 pontos. Pedir para ninguém informar o nó que aplicou. 37. ATRAVESSAR A PONTE Dispor uma tábua de 25 cm de largura e alguns metros de comprimento a alguns centímetros do chão. Distribuir os jogadores de pé sobre a tábua (o número de jogadores depende do comprimento da tábua). Dividi-los ao meio e atribuir uma t-shirt, um boné ou uma fita de cor que os diferencie em dois grupos: os da metade direita e os da metade esquerda da ponte. Pedir para que, sem pôr o pé no chão, os jogadores se desloquem sobre a ponte de modo a que, os que estão na metade esquerda passem a ocupar a metade direita e vice-versa. 38. AVIÕES AO ALVO Local: quadra material: revistas diversas Alvos - que podem ser caixotes de papelão. Cada equipe recebe uma pilha de revistas com as quais devem fazer aviões de papel que devem atirar e acertar em um alvo colocado na área da outra patrulha. Dentro desta área ninguém pode entrar. Vence a patrulha que acertar o maior número de aviões no alvo. 39. BALA NO CENTRO Quantidade de Ajudantes: 1 Duração média em Minutos: 10 Número de participantes: 20 a 32 Local para Atividade: AR LIVRE Modo: SUPERATIVO Formação: EQUIPES, EM FILA Material: Balas, papel, caneta. Quatro equipes são designadas; Em um grande quadrado imaginário, cada equipe se posicionará em um canto. No centro fica uma bala, sobre alguma coisa, e ao soar o apito todos os primeiros elementos saem correndo passando por trás das outras equipes, e retornando a sua, passam por baixo de todos os elementos indo imediatamente ao centro pegar a bala, aquele que conseguir guarda consigo para avaliação no final do tempo. Vence a equipe que conseguir mais balas.
  33. 33. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 32 40. BALÕES Tipo: Ativo Aplicação: Lobinhos e Escoteiros Materiais: Um balão de soprar para cada participante, somada ainda com a metade desse número, pois muitos desses já vêm furados de fábrica. Regra: Cada participante com um balão de gás disputa com os demais para saber quem estoura o primeiro no sopro. Observações: Esse jogo é emocionante. Ao mesmo tempo, é um excelente exercício para o aparelho respiratório. Mesmo que o jogo já tenha o seu vencedor, o objetivo verdadeiro é que todos estourem os balões. Sugestões: Esse jogo fica mais interessante se, dentro de cada balão, tiver prendas simples (lembranças, distintivos velhos, adesivos etc.) ou tarefas a serem cumpridas (recitar um artigo da Lei, por exemplo). Pode, também, ser colocada uma Carta de Prego dentro, para dar uma variação em um jogo já tradicional no Escotismo. 41. BANDEIRA DA UNIÃO Pode ser feita em papel ou em tecido, conforme for para fixar num painel ou para içar num mastro. Começa-se por pintar um Sol no centro da bandeira. Cada participante pinta o contorno da sua mão à volta desse Sol, de forma que este fique rodeado de mãos (voltadas para fora como se os dedos fossem raios do Sol). O contorno de cada mão deve sobrepor um pouco o contorno da antecedente, para que fiquem todas ligadas. Depois de desenhar a sua mão, cada participante escreve por baixo desta o seu nome. No topo poder-se-á escrever "Dia dos Jogos Cooperativos" e em baixo o nome do lugar onde se realizam os jogos e o Grupo ou seção que os promoveu. 42. BANDEIRA SUIÇA Faixa etária: Ramo Escoteiro e Sênior Material necessário: Cal para demarcar o campo; Dois mastros com cerca de 1,4m de altura, cada um com pequena bandeira que identifica cada equipe (dois lenços servem). Objetivos: Desenvolver nos jovens o espírito de camaradagem, de lealdade, de cooperação, de iniciativa, integração social, desenvolvimento físico, etc.
  34. 34. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 33 O campo de jogo. Não há um tamanho predeterminado e depende do número de participantes. Para um jogo de dois grupos com cerca de 15 participantes de cada lado, o tamanho de um campo de Futsal é suficiente. A forma do campo deverá ser retangular com uma linha divisória ao longo do meio, no sentido do maior comprimento, dividindo o campo duas subáreas retangulares. As duas equipes ficam atrás da linha de Saída, cada uma de um lado da linha divisória central. As equipes que ficam atrás da linha de Saída, uma do lado direito e outra do lado esquerdo, devem procurar trazer a sua Bandeira que fica no final da linha divisória, que divide o campo em duas subáreas, para atrás da linha de Saída. A equipe que fizer isso primeiro terá pontuado. Duração do jogo. Por tempo pre-determinado ou até atingir determinada pontuação. O jogo. É escolhida uma das equipes para dar início ao jogo. A equipe escolhida, de modo secreto, determinará um dos seus componentes para correr, tentar pegar a Bandeira e trazê-la até a linha de saída ou até onde for possível... Os demais elementos da equipe deverão ficar atrás da linha da saída. Quando o escolhido correr, todos os membros da outra equipe correrão atrás para “matá-lo” antes ou depois de pegar a Bandeira. De qualquer modo se for “morto” deverá permanecer no local onde foi “morto” com ou sem a Bandeira de sua equipe que deverá ser segura com as mãos e de modo bem visível. Na segunda etapa, é a vez da outra equipe correr com um de seus elementos para tentar pegar a Bandeira e trazê-la até a linha de saída ou até onde for possível. As duas equipes vão fazendo isso alternadamente, até que consiga trazer a Bandeira para atrás da linha da Saída... No campo de jogo após algum tempo, haverá vários mortos e um deles deverá estar com a Bandeira...Quando um dos elementos correr deverá sempre procurar “salvar” aquele que está com a Bandeira para que este corra em direção à linha de saída e procurar “salvar” também outros colegas que correrão para a mesma linha de saída. Todos os que forem “salvos” poderão salvar também outros colegas que estavam “mortos” e ajudar a trazer a Bandeira, que poderá passar de mão em mão, até chegar atrás da linha de saída. A equipe que conseguir trazer a Bandeira por primeiro para atrás da linha de chegada terá pontuado. A equipe contrária, tenterá de todos os modos “matar” todos aqueles que forem salvos e
  35. 35. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 34 principalmente aquele que estiver com a Bandeira na mão e assim evitar que a Bandeira chegue ao seu Destino. Aquele que for salvo por um colega poderá ser “morto” novamente por um inimigo e só estará a salvo se correr para atrás da linha da saída e ali permanecer, não podendo retornar ao campo naquela jogada. 43. BASEBOL BRASILEIRO Material: bola Marcar um quadrado (com mais ou menos 5 metros de lado) e por fora deste quadrado marcar um corredor em forma de "U". A tropa fica toda dentro do quadrado, enquanto um jovem fica no início do corredor com a bola, dado o sinal este jovem joga a bola para o alto (porém em direção ao círculo) e sai correndo percorrendo o trajeto do corredor, o jovem que agarrar a bola dentro do quadrado arremessa tentando acertar o jovem que está correndo no corredor, tendo apenas uma chance. Cada lado do corredor vale um ponto, portanto se o jovem percorrer todo o corredor sem ser atingido pela bola ele faz 3 pontos, se for atingido no segundo lado do corredor ele marca 1 ponto, pois já conseguiu passar por um lado. Este jogo é interessante porque o jovem dificilmente não marca ponto, mesmo se for atingido ele marca algum ponto. 44. BASEBOL DE DOIS Local: quadra material: bola de tênis e bastão para cada patrulha Jogo de revezamento simples. Longe cerca de 10 metros da Patrulha fica um senior com um bastão. O primeiro da fila da patrulha arremessa a bola que deve ser rebatida como no baseball pelo jovem que está no bastão. Caso não consiga, o jovem permanece como "rebatedor" até conseguir. Assim que rebate, quem arremessou a bola toma o seu lugar e o rebatedor entra no fim da fila. Assim vai até que todos tenha arremessado e rebatido. Obs: só deve ser considerado rebatida se a bola foi lançada a pelo menos 5 metros. 45. BASQUETE Quantidade de Ajudantes: 1 Duração média em Minutos: 10 Número de participantes: 16 a 32
  36. 36. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 35 Local para Atividade: AR LIVRE Modo: SUPERATIVO Formação: EQUIPE Material: Bola de tênis, 2 baldes ou outro recipiente similar. Duas equipes são formadas. É delimitado um campo para o jogo, um elemento de cada equipe fica com o balde atrás do campo adversário. O restante do time parte de seu campo tentando jogar a bola no balde que está com o companheiro no final do campo adversário. O companheiro de equipe que está com o balde pode ajudar para que a bola caia nele, porem não pode avançar para dentro do campo adversário e nem ajudar com a mão apenas deve direcionar o balde. Vence a equipe que conseguir mais pontos dentro do tempo estipulado. 46. BASQUETE DE SABONETES Material: Um balde para cada equipe / Sabonete Duas equipes são designadas e um campo é demarcado. Ao fundo de cada campo fica um balde cheio de água e um circulo é feito ao redor deste, demarcando o limite em que os jogadores podem se aproximar. O jogo se inicia com o chefe ao centro do campo com um elemento de cada time, o chefe joga o sabonete para cima e o elemento que pegá-lo começa o jogo imediatamente. Os jogadores podem dar até 3 passos com o sabonete mão, se houver mais de 3 passos o juiz apita falta e se houver violência o juiz também apita falta ou expulsão. Se o sabonete for jogado dentro do balde ponto para o equipe adversária ao balde, porém se ele cai dentro do círculo ao redor do balde não vale como ponto e o jogo é iniciado pelo time dono do balde. Não vale ‘guardar caixão' (ficar junto ao balde impedindo que a esponja / sabonete entre). Para isso seria prudente o aplicador marcar uma linha neutra, em volta do balde, onde nenhuma das equipes pudesse ficar. 47. BASQUETINHO Objetivo do Jogo: Fazer o maior número possível de pontos em um determinado tempo através da conversão de cestas
  37. 37. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 36 Propósito: Compartilhar de um objetivo comum, oferecendo oportunidade para a construção de estratégias para alcançá-lo. Este jogo permite encaminhar reflexões, procurando resgatar Valores Humanos como: Ø União do grupo em torno de um objetivo comum; Ø Respeito pela dignidade das duas funções (arremessadores e recolhedores) no todo do grupo; Ø Comunicação para delineamento de estratégias; Ø Flexibilidade e Abertura nas discussões; Ø Criatividade para a construção de estratégias satisfatórias; Ø Disponibilidade e Coragem para vencer desafios e ir além do imaginado; Ø Honestidade e Ética no cumprimento das regras. Recursos: Ø espaço físico de ao menos 7x7m Ø 4 ou 5 cestas de diâmetros e alturas diferentes (caixas de papelão, cestos de lixo, baldes, etc) Ø 90 bolas (pingue-pongue, frescobol, plástico) Ø fita crepe, giz ou algo para demarcar o espaço do jogo Ø flip chart, quadro branco, lousa ou chão para marcar os pontos. Fazer o maior número possível de pontos em um determinado tempo através da conversão de cestas O jogo aqui está estruturado para 30 pessoas, mas quanto mais pessoas, mais divertido. Duração: Entre a explicação e a realização do jogo, cerca de 25 minutos. O momento da reflexão fica atrelado ao público e ao propósito do jogo. Pode ser desde um comentário de 10 minutos até uma discussão de 30 minutos sobre questões como trabalho em grupo, estratégias, lideranças, cooperação, etc. Descrição: Demarcar um quadrado de cerca de 7x7m onde as cestas serão distribuídas. As cestas corresponderão a pontos de acordo com o grau de dificuldade de acerto (por exemplo cestas mais difíceis de se acertar valem 200 pontos, 50 para as intermediárias e 10pontos para as fáceis). Na parte interna das linhas não é permitido entrar para fazer cestas nem para recolher as bolas. Os participantes, dividem-se em arremessadores, de um lado, e recolhedores de bolas, do outro. Iniciado o jogo, os arremessadores lançam as bolas em direção às cestas, enquanto os recolhedores apanham as bolas que não entraram nas cestas e as devolvem aos arremessadores. Recolhedores n ão podem fazer cesta. Ao final do tempo de jogo são contados os pontos marcados pelo grupo.
  38. 38. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 37 O tempo de jogo é de 1 minuto, podendo ser jogado em 2 tempos, ou quantos mais interessar ao escotista e aos jogadores. No intervalo dos tempos pode haver troca de funções entre arremessadores e recolhedores. Dicas: Este jogo é bem divertido e motiva bastante escoteiros e sêniores. O tempo, espaço, número e tipo de bolas, os pontos, objetivo específico, número de participantes podem variar de acordo com o público do jogo. O escotista pode deixar os jogadores organizarem-se e aproveitar isto como forma de reflexão sobre como o grupo está se relacionando. Este jogo pode ser usado para aprofundar e aprimorar o relacionamento das pessoas. O escotista deve estar atento às manifestações dos participantes para poder encaminhar as discussões e aproveitar os acontecimentos como ganchos de reflexão. O objetivo é melhorar a pontuação a cada tempo de jogo. Caso isto não aconteça, o escotista deve ter o cuidado de auxiliar o grupo a entender a razão da queda no desempenho procurando motivar os participantes a reorganizarem-se para uma próxima tentativa. Ao invés de desmotivar, esse resultado pode ser rico para uma reflexão. Que tal tentarmos acertar umas cestas? Lá vai a primeira bola... Viva!!! acertamos! 50 pontos! 48. BATATA QUENTE Tipo: Círculo Aplicação: Lobinhos, Escoteiros, Seniores e Pioneiros Material: Bola ou batata (mais interessante), materiais para cumprimento das prendas. No caso dessas serem etapas, o Mapa de Etapas e os materiais que cada um vai precisar para cumprí-las. Regra: A "batata" corre de mão em mão. Num "aviso" dado por um "cego", quem tiver com a batata deve pagar uma prenda. Observações: O "aviso" pode ser uma música tocada por um violão, um assobio que cessa, uma música de toca-fitas que é interrompido. Os jogos escoteiros adestram o jovem pelos sentidos, de modo que, para Seções mais adestradas, os avisos podem ser os mais sutis possíveis.
  39. 39. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 38 As prendas podem ser etapas a serem cumpridas, de modo que é bom que o Escotista saiba de antemão quais as etapas que cada escoteiro deva cumprir ainda e colocá-las como prenda individual no jogo. Sugestões: Esse jogo é muito bom para se fazer perguntas sobre a vida de BP, perguntar artigos da Lei, perguntar sobre a Promessa ou pedir que se façam nós. Para Lobinhos, esse jogo fica mais interessante ainda, pois os desafios do saci, da peteca, do pula-corda, do equilíbrio, etc. podem aí serem lançados. 49. BOLA AO CESTO local: meia quadra material: bola e balde Numera-se os elementos de cada patrulha sênior. Quando a chefia fala um numero, cada elemento que tem este numero (um de cada patrulha) corre até a área central e tenta pegar a única bola que existe lá e colocá-la dentro de um balde. Vence a patrulha que atingir este objetivo o maior número de vezes. 50. BOLA AO CESTO MÓVEL material: 2 cestos e 1 bola 1) Formar duas equipes para um jogo de basquete, com algumas regras adicionais. 2) Não pode dar mais que 3 passos com a bola. 3) A bola deve passar por 5 jogadores da mesma equipe antes de ser arremessada à cesta. 4) Se a bola for interceptada pela outra equipe, a contagem dos passes deve reiniciar. 5) A cesta (uma panela) fica em poder de um dos jovens da equipe, que deve passá-la para outro jovem, sem andar. 6) Para valer a cesta a cesta deve passar por 3 jovens diferentes, enquanto ocorre a contagem dos passes da sua equipe. É aconselhável cerca de 3 chefes para acompanharem esse jogo. 51. BOLA QUENTE material 1 bola 1) Os participantes formam um círculo; 2) Dentro dele fica um jovem escolhido para iniciar o jogo; 3) Um dos participantes do círculo tem uma bola; 4) Esta bola vai ser passada entre os do círculo, mas só pode ser passada para o vizinho
  40. 40. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 39 de um dos lados ou o imediatamente posterior; 5) Se isto não ocorrer ou se o jovem que estava no centro conseguir apenas tocar a bola, quem estava com a bola passará para o centro do círculo, reiniciando o jogo; 6) É um jogo no qual a bola se movimenta muito, por isso o nome de bola quente 52. BOLINHAS DE GUDE baleba, bilosca, birosca, bolita, búraca, búrica, cabiçulinha, firo, peteca, pirosca, ximbra, berlinde e bute BIROCA São quatro buracos, na terra, que se chamam birocas ou box. Os jogadores, dois, três ou quatro, jogam suas bolas até a primeira biroca. Quem ficar mais perto, inicia jogando. Ele tem de colocar sua bola na primeira biroca, depois na segunda, terceira e quarta, ficando pronto para “matar” as demais. Se o jogador erra um lance de uma biroca para outra, começa a jogar o segundo colocado na escolha de saída. Quando um jogador cumpriu as quatro birocas sai para “matar” e quem ele acertar com sua bolinha é eliminado do jogo. Em outro sistema, o jogador sai da quarta biroca para a primeira e faz todo o percurso até ter condições de “matar”. TRIÂNGULO Faz-se um triângulo no chão. São colocadas bolinhas, dentro da área ou dos ângulos. Quem coloca a sua bola mais perto começa a jogar e a tentar acertar as bolas adversárias para fora do triângulo, ganhando-as. Termina o jogo quando não há mais bolas no triângulo. A aposta é feita com bolinhas e jogam-se quantas quiserem os participantes. BARCA Um grande oval, riscado no chão, onde deixam as bolinhas convencionadas, as próprias e as do adversário, e à distância de dois a três metros traçam o ponto, risco paralelo à posição das bolas da barca. Escolhido quem jogará primeiro, pela maior ou menor aproximação da bolinha privativa, a jogadeira, atirada na
  41. 41. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 40 direção do ponto, o brinquedo consiste, com suas regras e exigências, em tirar da barca, à força dos toques da jogadeira pessoal, uma a uma das bolinhas que lá ficaram. O JOGO DO PAPÃO Consiste em fazer três buracos no chão, formando um triângulo de uns três metros de lado. O jogador que conseguir dar as três voltas será o papão, dispondo de poderes para matar seus adversários e tendo a vantagem de possuir ainda todas as imunidades. VARIAÇÕES: Karkhey, Maya, Kachna, Gwotey e Teeki São jogados com nozes. Faz-se um círculo no chão e cada garoto põe uma ou duas nozes dentro do círculo. Cada participante tenta acertar as nozes dos outros para tirá-las do círculo. 53. BOLA QUENTE Tipo: Ativo Geral Aplicação: Lobinhos e Escoteiros Regra: Cada equipe (matilha ou patrulha) fornece dois bombeiros e o resto serão árvores e animais que correm de um lado a outro. A floresta está em chamas e as árvores e os animais devem ser transportados (de cadeirinha) para o outro lado do rio. Observações: A história que deve preceder esse jogo deve ser bem contada para que todos entrem no espírito do que se pretende passar. Por ser um jogo sem vitoriosos, esse torna-se um bom indicador se os nossos escoteiros fazem as atividades atrás dos "pontos da patrulha" ou estão atrás realmente do verdadeiro Espírito Escoteiro. Sugestões: Fica mais interessante se as árvores e os animais, com medo do bicho homem, fujam dos bombeiros. Para outros Ramos, alguns obstáculos podem ser colocados para o jogo. 54. BONÉ SOBRE OS BASTÕES Quantidade de Ajudantes: 2 Duração média em Minutos: 15 Número de participantes: 16 a 32 Local para Atividade: AR LIVRE Modo: ATIVO Formação: EQUIPES, EM FILA Material: 6 bastões, 2 bonés, sisal.
  42. 42. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 41 Duas equipes são designadas e ficarão atrás de uma linha de sisal. À frente ficarão 3 bastões, em cima do primeiro ficará um boné, ao sinal do chefe o primeiro elemento correrá e pegará o boné passando para o bastão seguinte, retorna e toca com a mão na mão do primeiro elemento da fila e vai para o fim, este sai e passa o boné para o outro bastão, retorna e faz a mesma coisa e assim continua passando de bastão em bastão indo e voltando até que a primeira equipe complete de 2 a 3 voltas conforme estipulado inicialmente. Se algum elemento errar a seqüência toda a equipe será penalizada e terão que reiniciar. Três chefes serão designados para acompanhar cada equipe. 55. B.P. EM BARRO Faixa etária: 11 a 13 anos Forma de participação: Patrulha Objetivos: Conhecer a biografia de B.P. O Chefe lê ou faz com que os Escoteiros leiam a biografia de Baden-Powell, isto pode ser enriquecido através de figuras e imagens de livros ou slides didáticos. Após isso, há um debate sobre os momentos que marcaram a vida de BP. As Patrulhas divididas em grupos de trabalho, recebem a incumbência de fazer uma das passagens da vida de BP. O material oferecido será o “barro” (argila). O grupo de trabalho deverá estudar bem a “cena”, para que ela transmita a mensagem solicitada. O Chefe deverá determinar o tamanho e altura das esculturas. No final, será feito uma exposição. As peças também poderão ser expostas na entrada da sede, com uma pequena placa explicativa. 56. BRIGA DE GALO Num círculo desenhado ao chão, dois elementos com os bastões sob as pernas, atrás dos joelhos, acocorados. Vence quem, sem levantar, derrubar o oponente. 57. BRIGA DE LAGARTO Em posição de apoio sobre o solo, pernas esticadas, dois escoteiros encostam sua cabeça um ao outro. Ao sinal do árbitro, devem desequilibrar o oponente puxando as mãos.
  43. 43. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 42 58. BULDOGUE Tipo: Ativo Geral Aplicação: Lobinhos, Escoteiros, Seniores e Pioneiros Regra: Todos devem atravessar o terreno onde um dos jogadores é um "buldogue" que deve pegar quem passa. Quem for pego e levantado, com o grito "buldogue", passa a ajudar o companheiro. Vence o único que não for pego. Observações: Apesar de ser um jogo para todos os Ramos, não é interessante misturar um Ramo com outro, como também não é um jogo para se fazer com Tropas ou Alcatéias de um outros Grupo, pois cada um pode dar uma ênfase diferente da que o outro daria, podendo isso ser traduzido como uma violência excessiva. Sugestões: Esse jogo pode ser dado em qualquer tipo de terreno, e, onde cruzam os passantes, podem ser colocados alguns obstáculos. É importante observar se algum dos participantes comete a deslealdade de evitar a travessia para escapar. Isso ocorre principalmente entre novatos. No caso de uma Seção inteira de novatos, é bom que o próprio Escotista comande a "hora de atravessar". 59. BUSCA DOS COMPANHEIROS Tipo: Carta de Prego Aplicação: Lobinhos e Escoteiros Regra: Cada um recebe uma ou mais Cartas de Prego com pistas sobre os Companheiros para que eles sejam reconhecidos e recebam a saudação, lema, aperto de mão etc., de acordo com o que a Carta manda. Observações: Esse jogo serve para fixar o adestramento. É bom para se aplicar a Aspirantes. Depois do jogo, é bom perguntar a cada um de quem recebeu a Saudação, o Lema e o Aperto de Mão. Sugestões: É importante que se dê "dicas" claras sobre a quem procurar, pois sendo esse jogo mais aplicável a Aspirantes, esses não possuem muita prática de Jogos Escoteiros. Cada um pode procurar apenas um Companheiro para dar a Saudação o Lema ou o Aperto de Mão, ou então, procurar três pessoas diferentes para cada item. Esse jogo também serve para os Aspirantes se conhecerem melhor uns aos outros. 60. CABO DE GUERRA material: 1 corda grossa
  44. 44. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 43 1. Dividir em duas equipes. 2. Cada equipe segura uma ponta da corda. 3. Estipular uma marca, no meio da corda e duas linhas limites, distantes 2m 4. Ao sinal, as duas equipes puxam a corda até que a outra equipe ultrapasse sua linha limite. 5. Fazer um melhor de 3 vezes. 61. CABO DA PAZ material: cordas grandes; 01 saco plástico preto ou de qualquer outra cor opaca (não serve transparente); Bombons, balas ou qualquer outra prenda em igual número ao de participantes. Objetivos: Estimular a participação de todos os componentes do grupo de forma cooperativa; desenvolver o autocontrole para atuação em equipe; perceber o que vem a ser “espírito de equipe”. Divida o grupo em duas equipes. Demarque um círculo de aproximadamente 60cm de diâmetro e posicione-se no centro do círculo. Divida as equipes, uma a direita, outra à esquerda. A tarefa das equipe é puxar a corda como em um cabo de guerra até o saco arrebentar e liberar a surpresa no centro do círculo. Se o conteúdo do saco cair fora do círculo, todo o conteúdo do saco será da chefia. 62. CAÇA AO CABO material: 4 cabos 1) Todos formados em círculo e numerados de 1 a 8. 2) Um número e um nó será anunciado. 3) Os que tiverem aquele n.º , correm para a direita dão uma volta no círculo. 4) Entram no círculo pela sua vaga, pega um dos cabos do centro. 5) Dá o nó anunciado e levanta o seu cabo. 6) Se for o primeiro a realizar marca um ponto, se o nó estiver correto marca mais um ponto,se estiver incorreto o próximo na rapidez concorre aos pontos. 7) Vence equipe que conseguir mais pontos. 63. CAÇA AO ESCALPO material: 1 lenço
  45. 45. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 44 1) Duas equipes formadas na linha de fundos do campo. 2) Cada jovem - um numerado. 3) No centro do campo um ESCALPO (lenço). 4) Um nº é chamado e o jovem de cada equipe corre ao centro. 5) Pega o lenço e retorna para sua equipe. 6) Quem não pegou o lenço, se tocar o adversário marca um ponto. 7) Quem pegou o lenço e conseguir chegar até sua equipe, marca dois pontos. 8) Reforçar que se houver disputa para pegar o lenço, a mão esquerda deve ficar sempre para trás. 9) Vence a equipe com mais pontos, após algumas rodadas 64. CAÇA AO TESOURO Tipo: Ativo Aplicação: Lobinhos, Escoteiros, Seniores e Pioneiros Materiais: Tesouro (guloseimas ou materiais úteis), mapa e bússola se for o caso. Regra: É dado um mapa simples, mas bem explicativo aos participantes onde estaria um Tesouro. O Tesouro do jogo pode ser algo que os jovens queiram ou precisem, de caixa de chocolates a uma machadinha. De acordo com o grau de adestramento, o mapa pode ser mais elaborado exigindo o uso de bússolas, capacidade de percorrer grandes distâncias em pouco tempo, conhecimentos da cidade e do campo ao redor e adestramento para se vencer obstáculos técnicos. Sugestões: Essa atividade pode se tornar num Grande Jogo, e é uma das mais divertidas e trabalhosas que conhecemos. Exige-se trabalho de equipe, conhecimentos e preparo. Pode ser feito com vários Ramos em conjunto, tornando-se num Grande Jogo de Grupo, desde que haja uma prévia e bem montada distribuição de tarefas por equipe. 65. CAÇA AO TESOURO DOS SACIS Tipo: Ativo Aplicação: Lobinhos, Escoteiros, Seniores e Pioneiros Materiais: Cabo longo de pelo menos ¼. Tesouro (pode ser o próprio traje dos participantes). Regra: Todos os participantes são colocados dentro de um cabo longo, com os chicotes amarrados, formando um círculo. Cada um se esforça para pegar o seu próprio "tesouro",
  46. 46. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 45 colocado a dois metros ao redor e fora do círculo, um arrastando o outro. O vencedor é destacado para uma outra atividade e o jogo recomeça. Observações: O caça ao tesouro será uma disputa de força e habilidade. Tem esse nome, pois foi elaborado dentro de uma temática de folclore brasileiro. Como existem sacis de uma e duas pernas, o Escotista, a depender da Seção, pode complicar o jogo fazendo que todos só usem uma das pernas. Sugestões: O tesouro poderá ser o próprio traje dos participantes, no final de uma reunião ou atividade externa, onde todos deverão se vestir para a parte final do evento. Essa é uma forma bastante divertida de fazer com que a colocação do traje se torne em algo interessante. 66. CAÇA AO ZULU Aplicação: Lobinhos, Escoteiros, Seniores e Pioneiros Material: Um chapéu diferente para ser dado ao "zulu". Um dos participantes, com um chapéu diferente, desaparece e deve ser caçado pelos demais, em equipes, antes de alcançar um ponto estabelecido como de partida (o acampamento, por exemplo). Os "caçadores" ganham se conseguirem pegar o "zulu". Se o "zulu" retornar antes, os "caçadores" perdem. O "zulu" só pode ser caçado por mais de um "caçador". Observações: Esse jogo foi criado por BP, inspirado nos zulus que, numa certa idade, são pintados de branco e passam a ser caçados pelos seus companheiros e parentes, e devem tratar da sua própria subsistência, contando com as dificuldades causadas pela tinta que não sai com água, só com o tempo. Quando o zulu retorna, é aclamado guerreiro. Sugestões: O ideal desse jogo é que seja feito em campo e pode até ser um Jogo Noturno. No caso de um jovem ser destacado para ser o "zulu", recomenda-se que um Escotista o acompanhe. Esse jogo pode terminar rapidamente, se houver uma falha tanto por parte do "zulu" como por parte dos "caçadores". É interessante quando sua duração seja de, mais ou menos, meia hora. Se for rápido, o jogo pode ser recomeçado, com um outro "zulu" (o melhor foi aquele responsável principal pela caça do primeiro). 67. CAÇA AS BRUXAS Quantidade de Ajudantes 1 Duração média em Minutos 15 Quant. mín. participantes 15 Local para Atividade TODOS Atmosfera para Atividade TODAS Formação LIVRE Itens para Atividade: Lenços Escoteiros; esponjas; balde de água; tinta guache (não tóxica)
  47. 47. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 46 Todos os jovens são marcados com uma cruz (ou outro símbolo) no braço direito. É a marca do feitiço das bruxas de New York Dois dos jovens são escolhidos como os ‘caçadores de bruxas'. Esses dois jovens terão lenços amarrados na cabeça (cobertura para diferenciar) e trazem consigo uma esponja molhada. E cabe-lhes ‘libertar' as pessoas do feitiço, bastando tirar a marca do braço. Os jogadores ‘libertados' serão novos caçadores. Ao final do jogo, vencerão as bruxas se sobrarem pelo menos duas delas. E os caçadores se não sobrar nenhuma das bruxas. O jogo terá um tempo determinado. 68. CACHORRO LOUCO Tipo: Ativo Geral Aplicação: Lobinhos Regra: Um dos Lobinhos será um Tabaqui com dewanee. Ele vai passar a doença aos lobos da Alcatéia. À medida que "morde", o outro passa a ter a doença também. Observações: Jogo feito especialmente para Lobinhos, mas que também pode ser adaptado para outros Ramos, desde que se troque o nome e a história temática do jogo. Não deixa de ser um tipo de "pique ajuda". Sugestões: Esse é o tipo de um jogo já existente, adaptado para se fixar o nome dos personagens e de alguns termos das Histórias da Jângal, que formam a base de Fantasia do Ramo Lobinho. 69. CACHORRO LOUCO Tipo: Ativo Geral Aplicação: Lobinhos, Escoteiros, Seniores e Pioneiros Regra: Escolher, entre os participantes, alguém para ser o "Cão Mestre" e outro para ser o "Sapo Mestre", que devem andar como gente e podem transformar os Lobinhos res- pectivamente em "cães" e "sapos". Um outro participante será o "Lobinho Mor", que pode recuperar os que tiverem sido "transformados". Os "sapos" se deslocam de cócoras, pulando e transformam, também, os "Lobinhos" em "sapos". Os "cães" andam de quatro no chão e também transformam os Lobinhos em mais "cães". Somente o "Cão Mestre" pode transformar os "sapos" em "cães" e o "Sapo Mestre" é o único que transforma os "cães" em "sapos". Os Mestres não se transformam. Ganha, no final, o maior grupo. Observações: Apesar desse jogo possuir uma temática mais apropriada para Lobinhos, o mesmo pode ser aplicado com outro nome e outros temas para os demais Ramos. Interes-
  48. 48. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 47 sante notar que o Ramo Pioneiro aceita com facilidade os temas infantis. Escolher os "Mestres" e o "Mor" como os participantes mais rápidos da Seção. Sugestões: Lembre-se que a história inicial é o que dará a tônica do jogo. Eis aí um jogo que é impossível ser dado sem uma história a ser contada, curta e fazendo parte da pró- pria explicação do jogo. 70. CADEIRA LIVRE Objetivo do jogo: O grupo precisa ocupar todas as cadeiras, não deixando cadeiras livres. Propósito: Despertar a Consciência da Cooperação diante de situações de Alta Turbulência. Vivenciar situações de pressão e mudanças, tomada de decisão, iniciativa, criatividade, integração e aquecimento. Recursos: Ø Vendas. Ø Cordas ou tiras de tecido para amarrar as pessoas. Ø Tiras de pano ou lenços para amordaçar. Ø Cadeiras, de preferência sem braço, igual ao nº de pessoas existentes no grupo mais uma (livre). Número de participantes: Mínimo de 10 e máximo de 50 participantes. Duração: Enquanto o grupo estiver envolvido, terminar antes que fique cansativo. Descrição: Formar um círculo, igual ao nº de participantes + 1 cadeira que ficará livre e todos sentam voltados para o interior do círculo. Colocar as cadeiras bem juntinhas, sem deixar espaço entre uma e outra cadeira. Após a montagem do circulo dar as instruções abaixo e iniciar o jogo. Instruções: A cadeira vazia deve ser ocupada pelo participante que estiver á direita ou á esquerda da cadeira, o mais rápido possível. O participante que conseguir sentar- se diz em voz alta: "Eu sentei !" Sobra então uma nova cadeira livre que será ocupada pela pessoa que estava ao lado do 1º participante a se movimentar. Esse, ao sentar, diz em voz alta: "No jardim !" Na seqüência, sobra outra cadeira livre que será ocupada pelo participante que estava ao lado daquele que se movimentou. Esse, por sua vez, completa a frase dizendo: "Com meu amigo fulano!" (dizer o nome da pessoa escolhida). A pessoa chamada é escolhida aleatoriamente, sendo qualquer pessoa do círculo. Esta pessoa deverá ir mais depressa possível até a cadeira e sentar.
  49. 49. 320 Jogos Escoteiros õ¿õ Lecão Centro de Difusão do Conhecimento Escoteiro Aldo Chioratto 48 Dessa forma, a cadeira em que essa pessoa estava sentada ficará livre, o que possibilita o início de um novo ciclo: "eu sentei", "no jardim ", "com meu amigo Ciclano". Dicas: * Após algumas jogadas, o escotista sai da roda, deixando mais uma cadeira vazia, totalizando assim duas cadeiras livres. Nesse caso o jogo passa a acontecer simultaneamente em 2 lugares da roda. * Aumenta-se o desafio do jogo, quando após algumas jogadas, pessoas são vendadas, outras amordaçadas e outras amarradas umas ás outras (em dupla)... * É importante que os participantes saibam os nomes uns dos outros, caso não saibam aplicar antes uma outra técnica de integração ou fazer uma rodada de nomes. * Este jogo além de muito divertido, pode gerar um debate muito profundo. A princípio parece simples mas quando refletimos verificamos amplitude. Experimente! 71. CAIM E ABEL Amarram-se duas cordas num poste ou árvore, com o mesmo cumprimento. Colocam-se dois escoteiros, um em cada ponta da corda, vendados. Na mão, um "macete", feito de saco ou travesseiros. Ao sinal, inicia-se uma caça, sempre girando em torno do poste com a corda esticada. Ganha quem acertar o oponente primeiro 72. CAIXA DE SEGREDOS local: silencioso material: urna, papel, canetas. A chefia coloca uma caixa fechada, como uma urna com o seguinte cartaz na frente. "Você acha certo duas pessoas da mesma seção namorarem? (ou qualquer outra pergunta dentro do assunto que deseja que seja desenvolvido) de sua opinião ou faça uma pergunta”. Como os jovens podem ficar envergonhados, além do estímulo por parte dos chefes eles já podem ter elaborado algumas perguntas, questões que já estejam dentro da caixa. Após todos escreverem, a urna é aberta e discuti-se os comentários e perguntas feitas. 73. CALCANHAR DE AQUILES Duração: De 5 a 15 minutos Material: Nenhum Nº de Participantes: De 4 a 32 Formação: Duplas Local: Externo Aplicável para: Escoteiros, Seniores.

×