APOSTILA DE N SÓ
E AMARRAS
APOSTILA DE NÓS E AMARRAS
ASSOCIAÇÃO AMAZÔNIA OCIDENTAL
2ª COORDENAÇÃO DE DESBRAVADORES
Edição e Diagramação: Renilson Gom...
Apostila de Nós e Amarras
APRESENTAÇÃO
Após muito pesquisar sobre nós e amarras, decidi reunir todo o
conhecimento adquiri...
Apostila de Nós e Amarras
1. Nós e Amarras
Amarrar o sapato, colocar o avental ou a gravata são exemplos do quanto utiliza...
Apostila de Nós e Amarras
Se forem cuidadas apropriadamente, as cordas podem ter maior tempo de utilidade. Não
guarde cord...
Apostila de Nós e Amarras
4.4 - NÓS DE PESCA: Utilizados para atender exclusivamente as necessidades da
pesca.
4.5 - VOLTA...
Apostila de Nós e Amarras
5.4 - NÓ DE CARRASCO: É usado em escaladas, pois é capaz de absorver choques
quando a corda é su...
Apostila de Nós e Amarras
5.9 - TURLE: Serve para prender mosca com óleo ao tipé. Não é adequado para anzol
com olhal.
5.1...
Apostila de Nós e Amarras
5.16 - VOLTA ESTICADA: Usado para amarrar cabos às estacas de barracas e em
serviços de resgate ...
Apostila de Nós e Amarras
5.23 - LAÍS DE GUIA: Utilizado especialmente na segurança durante a transposição de
obstáculos, ...
Apostila de Nós e Amarras
5.29- NÓ DE PESCADOR: Usado para unir cordas linhas molhadas ou lisas.
5.30 - NÓ DE PESCADOR DUP...
Apostila de Nós e Amarras
5.39 - NÓ DE MARINHEIRO: Útil para amarrar a canoa no porto.
5.40 - LAÇADA CORREDIÇA OU TENSOR D...
Apostila de Nós e Amarras
5.47 - VOLTA DO SALTEADOR: Utilizado quando se precisa descer de uma montanha
ou árvore e tirar ...
Apostila de Nós e Amarras
5.57 - DIREITO ALCEADO: Variação do Nó Direito, tem como característica principal
o fato de pode...
Apostila de Nós e Amarras
5.62 - BALSO PELO SEIO: Utiliza-se para fazer duas alças fixas do mesmo tamanho
em uma corda.
5....
Apostila de Nós e Amarras
5.67 - NÓ PATA DE GATO: É usado para fixar um cabo a um gancho, para fazer-se
uma alça provisóri...
Apostila de Nós e Amarras
dois cabos de diferente diâmetro, com um laço para desfazê-lo facilmente.
5.73 - NÓ DE ESTACHA: ...
Apostila de Nós e Amarras
5.79 - NÓ DE ÂNCORA: Serve para atar uma corda ao olho de uma âncora ou às argolas
das barracas....
Apostila de Nós e Amarras
5.82 - NÓ DE ESPIRAL: Consiste em uma sequência de meios nós duplos. Depois de
mo0ntada a sequên...
Apostila de Nós e Amarras
5.87 - AMARRA DIAGONAL: Usado quando precisa unir duas hastes que estão se
cruzando no formato d...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Manual de nós (manual escoteiro 3)

1.921 visualizações

Publicada em

Manual de nós (manual escoteiro 3)

Publicada em: Direito
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.921
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
50
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manual de nós (manual escoteiro 3)

  1. 1. APOSTILA DE N SÓ E AMARRAS
  2. 2. APOSTILA DE NÓS E AMARRAS ASSOCIAÇÃO AMAZÔNIA OCIDENTAL 2ª COORDENAÇÃO DE DESBRAVADORES Edição e Diagramação: Renilson Gomes Fontes: Manual de Nós e Amarras do Grupo Atalaias de Cristo, Manual de Nós e Amarras Tarafa Camp Coleção, Manual de Nós e Amarras da Editora Sobre Tudo, Apostila de Nós e Amarras do Clube Silvestre e Livro Na Trilha da Aventura. joseph_desbravador@hotmail.com
  3. 3. Apostila de Nós e Amarras APRESENTAÇÃO Após muito pesquisar sobre nós e amarras, decidi reunir todo o conhecimento adquirido nessa área em um único lugar, daí surgiu a ideia de desenvolver esta apostila de nós e amarras. Ela não é a mais completa apostila de nós e amarras, porém ela pode ser de grande ajuda para você desbravador(a) que gosta dessa área, pois, aqui estão reunidos os nós e amarras mais utilizados por nós em acampamentos e também em nosso cotidiano. Este material é um projeto independente, todavia, foi desenvolvido com o fim de ajudar a melhorar o desenvolvimento dessa área, já que os materiais disponibilizados na internet nenhum deles têm todo o conteúdo reunido no mesmo local. Infelizmente não consegui a imagem de todos os Nós. Espero conseguir outras apostila mais completas coma a apostila do corpo de bombeiros militar e assim ampliar esta apostila para que você possa ampliar seus conhecimentos. Sempre MARANATA! Renilson Gomes Líder de Desbravadores Renilson Gomes – Líder de Desbravadores – 2ª Coordenação de Campo – Acre/AamO. 3
  4. 4. Apostila de Nós e Amarras 1. Nós e Amarras Amarrar o sapato, colocar o avental ou a gravata são exemplos do quanto utilizamos os nós no dia-a-dia. Um nó nada mais é que um enlaçamento de uma ou mais cordas formando uma massa uniforme. Quanto mais apertado o nó, mais peso ele poderá suportar. A corda consiste em um conjunto de fibras torcidas ou trançadas entre si. Ela é usada principalmente para acampamentos, navegação construção e muitas outras atividades. 2. Tipos de Corda A corda recebe o nome da espécie da fibra empregada na sua fabricação, podendo ser de origem animal, vegetal ou sintética. 2.1 - Fibras de Origem Animal: seda, crina e couro. 2.2 - Fibras de Origem Vegetal: sisal, cânhamo, coco, algodão e juta. 2.3 - Fibras de Origem Sintética: náilon, polipropileno e polietileno. As cordas de origem animal são raras e de uso limitado. As de fibra vegetal são comum e muito utilizadas. As melhores cordas são feitas de cânhamo, que não é abundante na natureza. Por isso boa parte das cordas encontradas no mercado é de juta. As cordas de fibras naturais apresentam algumas desvantagens: quando molhadas, incham, dificultando o desate do nó, além da tendência de ficarem muito quebradiças, apodrecerem com facilidade, bem como sofrerem a ação da água do mar. Sol forte e produtos químicos também desgastam esse tipo de corda. Já as de fibras sintéticas tem alta resistência a tração à tração e boa capacidade de carga; elas absorvem choques, são resistentes a danos químicos e à co0rrosão provocada por óleos, petróleo e pela maioria dos solventes. Além disso, por absorverem menos água que as de fibras naturais, sua resistência tende a ser constante quando molhadas. A principal desvantagens das cordas sintéticas, porém, é o fato de ser tão lisas que alguns nós se desfazem. Assim, é preciso firmá- los com uma meia-volta ou dobras adicionais. Lembre-se: Não use cordas de fibras diferentes juntas, pois somente a mais resistente funcionará sob tensão. 3. Cuidados Com a Corda Periodicamente as cordas devem ser inspecionadas. Deve-se destorcer ligeiramente os cordões para examinar o interior da corda. Caso esses cordões estejam escurecidos, a corda não poderá ser usada em situações nas quais se exija segurança. As fibras interiores devem apresentar-se brilhantes e novas em sua aparência. Os próprios nós danificam a corda. Quanto mais apertado e forte, maior será a chance de romper a corda. Se a corda esteve na água do mar é preciso enxaguá-la com água doce antes de ser guardada, para se remover todo o sal das fibras. Renilson Gomes – Líder de Desbravadores – 2ª Coordenação de Campo – Acre/AamO. 4
  5. 5. Apostila de Nós e Amarras Se forem cuidadas apropriadamente, as cordas podem ter maior tempo de utilidade. Não guarde cordas úmidas ou molhadas, especialmente as de juta. A umidade as deteriora. É melhor secá-las ao sol, nunca em fornos. Evite arrastar uma corda sobre superfície cortante ou deixá-la enroscar-se em cantos ásperos, pois poderá danificar-se e romper as fibras. Não permita que sujeira ou areia penetre nas fibras da corda. Não a dobre, nem pise sobre ela, pois poderá deformá-la, faça uma capa para guardar sua corda. Cordas utilizadas para escaladas, rapel e outras atividades verticais não devem ter nenhum contato com hidrocarbonetos (solventes) ou ácidos, pois esses produtos danificam a estrutura do náilon, enfraquecendo a corda. O modo de guardar a corda também ajuda na sua conservação. Apresentamos agora três maneiras pelas quais podemos enrolar as cordas e assim guardá-las ou transportá-las facilmente. 3.1 - Meada – Passar a corda alternadamente sob os pés e por cima dos joelhos, sempre no mesmo sentido. Enrolar os dois últimos metros em torno dos anéis de um dos extremos e arrematar com um nó. 3.2 - Feixe – Seguir o mesmo procedimento da meada, só que no final, deixar corda suficiente para envolver os anéis de um extremo ao outro. É possível fazer uma alça para transporte. 3.3 - Anel ou Coroa – Enrolar do mesmo moda que a meada; no final, reservar aproximadamente dois metros de corda para envolver os anéis em espiral e arrematar com um nó. 4. Classificação A palavra nó vem do latim nodos que significa unir. As roupas, na antiguidade, eram presas por nós até que surgiram os botões, os zíperes e os velcros. Muitos dos nós que hoje utilizamos já eram usados pelos gregos e romanos, e seu formato tem se preservado em jóias e esculturas. Apenas para facilitar a compreensão, os nós estão classificados em oito tipos diferentes. 4.1 - NÓS DE PONTAS DE CORDAS: São usados para evitar que a ponta de uma corda deslize por um orifício ou para amarrar a ponta de um cabo a fim de evitar que ele se desfie. 4.2 - NÓS CORREDIÇOS: São usados desde a pré-história, na confecção de armadilhas e armas, pois eles apertam ao redor do objeto ao qual são presos, afrouxando quando a tensão é diminuída. 4.3 - NÓS ENCURTADORES: São usados principalmente para encurtar cabos longos, também podem ser usados para isolar uma parte do cabo que esteja danificada. Renilson Gomes – Líder de Desbravadores – 2ª Coordenação de Campo – Acre/AamO. 5
  6. 6. Apostila de Nós e Amarras 4.4 - NÓS DE PESCA: Utilizados para atender exclusivamente as necessidades da pesca. 4.5 - VOLTAS: Usadas quando se quer prender uma corda ou um gancho a um poste. Por suportarem bem a tensão lateral, são utilizadas para atracação e amarração de embarcações. 4.6 - ALÇAS: São semelhantes as voltas, só que as alças são feitas para ser colocadas sobre um objeto, acompanhando sua forma. 4.7 - EMENDAS: Como o nome já diz serve para emendar as pontas de duas cordas a fim de formar uma mais longa. Para se obter maior segurança, é preferível que o diâmetro e o tipo das cordas sejam idênticos. 4.8 - AMARRAS: Apropriadas para se unir barras ou haste. Muito utilizadas para construir moveis de acampamento. 5. Uso Prático dos Nós e Amarras 5.1 - SIMPLES: É empregado para dar nó em ponta de corda, assim evitando que ela se destorça ou para iniciar outros nós. 5.2 - OITO: É usado para evitar que a corda corra através de um laço, argola ou toro, razão porque é muito usado a bordo dos navios. 5.3 - NÓ CORREDIÇO: Por ser fácil de se ajustar, esse nó é muito utilizado para amarrar pacotes e quando se deseja prender amarrar animais a um poste, por exemplo. Pode ser feito no meio da corda ou na ponta, e quanto mais tensionado for, mais apertado ficará o laço. Renilson Gomes – Líder de Desbravadores – 2ª Coordenação de Campo – Acre/AamO. 6
  7. 7. Apostila de Nós e Amarras 5.4 - NÓ DE CARRASCO: É usado em escaladas, pois é capaz de absorver choques quando a corda é sujeita a grandes ou inesperadas tensões, mas não é considerado um nó muito seguro. 5.5 - LAÍS DE GUIA DE CORRER: É usado para içar alguma coisa na água, pois não solta com o solavanco do barco nem com o balanço da água. 5.6 - CATAU: Empregado para isolar uma parte da corda que esteja danificada, para encurtar ou esticar um cabo frouxo, ou para isolar numa argola. 5.7 - ALÇA DE AZELHA SIMPLES: Apropriado para encurtar cordas danificadas e para rebocar veículos. 5.8 -NÓ DE SANGUE: Tem grande resistência, por isso é usado para unir cordas de náilon. Renilson Gomes – Líder de Desbravadores – 2ª Coordenação de Campo – Acre/AamO. 7
  8. 8. Apostila de Nós e Amarras 5.9 - TURLE: Serve para prender mosca com óleo ao tipé. Não é adequado para anzol com olhal. 5.10 - NÓ ÚNICO PARA EMPATE: Serve para amarrar um girador ou pitão a um leader. 5.11 - CIRURGIÂO PARA PESCA: Útil para unir linhas de tamanho diferente, aumentando sua resistência. 5.12 - NÓ ÚNICO PARA TERMINAIS: Excelente para prender mosca ou anzol a um leader ou tippet. 5.13 - NÓ ÚNICO PARA UNIR LINHAS: É um modo eficiente de ligar as duas partes de um leader ou tippet. Usado pelos pescadores para pegar grandes peixes com pequenas iscas. 5.14 - VOLTA DO FIEL: Empregado para firmar uma corda no ponto de amarração. Serve para amarrar as cordas da barraca e para ligar uma estaca a outra. 5.15 - VOLTA DA RIBEIRA: Usado para içar objetos cilíndricos e iniciar a amarra diagonal Renilson Gomes – Líder de Desbravadores – 2ª Coordenação de Campo – Acre/AamO. 8
  9. 9. Apostila de Nós e Amarras 5.16 - VOLTA ESTICADA: Usado para amarrar cabos às estacas de barracas e em serviços de resgate de urgência. 5.17 - FATEIXA: Feito para firmar um cabo numa barra, num arganéu, para amarrações firmes, para atar as cordas da barraca nas suas estacas, atracar barcos ao caís, etc. 5.18 - VOLTA DO GATO: usado em acampamentos para erguer objetos leves. 5.19 - PRÚSIK: É empregado para fixar uma ou mais cordas em um cabo. Esse nó pode escapar se a corda estiver molhada ou congelada. 5.20 - COTE: Usado para completar e reforçar outros nós. 5.21 - DOIS COTES: Nó fácil de desatar. Funcionará melhor se houver um tensão constante. Tanto o cote como o dois cotes ficam mais seguros se na ponta da corda houver um nó terminal. 5.22 - MEIA VOLTA DO FIEL: Utilizado por escaladores no momento da descida. Renilson Gomes – Líder de Desbravadores – 2ª Coordenação de Campo – Acre/AamO. 9
  10. 10. Apostila de Nós e Amarras 5.23 - LAÍS DE GUIA: Utilizado especialmente na segurança durante a transposição de obstáculos, para prender uma pessoa ou animal quando há necessidade inevitável de que a laçada não se aperte, quando se desce alguém de um prédio incendiado ou quando se puxa um animal a guia. É um nó que não corre nem aperta. 5.24 - BORBOLETA: usado para dar maior tensão às cordas. 5.25 - LAÍS DE GUIA DUPLO: Serve para prender o homem do meio numa escalada onde tem três ou mais pessoas na corda. 5.26 - CADEIRA DE BOMBEIRO: Usado para puxar uma pessoa de dentro de um poço ou lugar semelhante. 5.27 - DIREITO: Empregado para unir cordas de mesmo diâmetro. Não escorrega e não aperta facilmente. É muito fácil de desatar. Usamos para amarrar bandagens em primeiros socorros. 5.28 - CEGO: Escorrega e é praticamente inútil. Aprendemos para não fazê-lo. Renilson Gomes – Líder de Desbravadores – 2ª Coordenação de Campo – Acre/AamO. 10
  11. 11. Apostila de Nós e Amarras 5.29- NÓ DE PESCADOR: Usado para unir cordas linhas molhadas ou lisas. 5.30 - NÓ DE PESCADOR DUPLO: Usado para unir cordas ou formar alças. 5.31 - NÓ ORDINÁRIO: Usado para reboques. As pontas devem ser amarradas. 5.32 - VOLTA DO CAÇADOR: Unir cordas de maior diâmetro. 5.33 - CIRURGIÃO: É usado para suturar feridas. 5.34 - VOLTA DA ESCOTA: É empregado para unir cordas de diferente diâmetro. É usado para amarrar a escota a vela do navio. 5.35 - MEIA VOLTA MORDIDA: Serve para içar objetos leves numa manobra rápida. 5.36 - GANCHO: Serve para prender com presteza um cabo a qualquer gato fixo ou aparelho de içar. 5.37 - NÓ PELA METADE: Serve para prender provisoriamente o chicote de um cabo que não deverá sofrer esforça. 5.38 - TORNIQUETE: É utilizado em primeiros socorros para deter hemorragias. Renilson Gomes – Líder de Desbravadores – 2ª Coordenação de Campo – Acre/AamO. 11
  12. 12. Apostila de Nós e Amarras 5.39 - NÓ DE MARINHEIRO: Útil para amarrar a canoa no porto. 5.40 - LAÇADA CORREDIÇA OU TENSOR DE BARRACA: Para deixar os estirantes da barraca tensos, bom para amarrar cobertura de lona ou plástico as estacas. 5.41 - NÓ EM CADEIAS: Utilizado para prender Folha de cobertura em uma cabana ou oca. 5.42 - NÓ DE PASSADOR: É usado para aguentar o passador em um merlim, quando se deseja rondar as voltas que atracam dois cabos ou duas partes de um cabo onde se vai fazer uma alça. É usado também para amarração de pranchas de costado ou para prender um cabo a um gato. 5.43 - NÓ DE CAMINHONEIRO OU CARIOCA: Excelente para amarrar cargas ou imobilizar e é fácil de desatar. 5.44 - BALSO DOBRADO: Serve para descer um homem a um paiol invadido pelo fumo, sendo que ele desmaie pode ser içado com segurança. 5.45 - PUNHO DE ADRIÇA SINGELO: Serve para fixar o chicote de um cabo a uma amarração fixa. 5.46 - NÓ DE MORINGA: Usado onde seja necessário uma alça permanente. Renilson Gomes – Líder de Desbravadores – 2ª Coordenação de Campo – Acre/AamO. 12
  13. 13. Apostila de Nós e Amarras 5.47 - VOLTA DO SALTEADOR: Utilizado quando se precisa descer de uma montanha ou árvore e tirar a corda quando chegar lá embaixo. 5.48 - NÓ DE SALTEADOR DUPLO: Utilizado para dar mais segurança que o salteador. 5.49 - OLHO DE PESCADOR: Executa-se dando com o seio duas voltas redondas de sentidos contrários, que, depois de ligeiramente sobrepostas, se vai passar o seio pela interseção das voltas e, depois, socá-la convenientemente. Usado para fazer uma alça. 5.50 - VOLTA SINGELA: Serve para segurar um mastro ou antena ao alto, escapelando no topo do mastro a parte central e servindo de plumas os ramos e os chicotes os quais são amarrados no convés em distância e direção convenientes. 5.51 - VOLTA DA RIBEIRA E COTE: Útil para segurar um madeiro que se reboca. 5.52 - VOLTA MORDIDA: Serve para completar e reforçar outros nós. 5.53 - NÓ QUADRADO: Geralmente utilizado para propósitos decorativos. 5.54 - NÓ BOBINA: Unir uma corda a uma madeira ou ferro. 5.55 - NÓ CONSTRITOR: utilizado para encurtar cordas. 5.56 - CABEÇA DE SABIÁ: Unir a corda a uma argola. Renilson Gomes – Líder de Desbravadores – 2ª Coordenação de Campo – Acre/AamO. 13
  14. 14. Apostila de Nós e Amarras 5.57 - DIREITO ALCEADO: Variação do Nó Direito, tem como característica principal o fato de poder ser desfeito facilmente. 5.58 - VOLTA DA ALÇA: Para fixar uma corda dupla. 5. 59 - VOLTA DO TORTO: Parecido com o direito, é escorregadio (não é o cego). 5.60 - NÓ AMOR-PERFEITO: Consta de dois meios-nós invertidos e entrelaçados partindo de uma laçada prévia. É ideal para iniciar trabalhos e pode ser executado em torno de um fio. 5.61 - NÓ DE ARNÊS: Começa-se com um cote direito e faz com que o chicote passe por baixo dele. Renilson Gomes – Líder de Desbravadores – 2ª Coordenação de Campo – Acre/AamO. 14
  15. 15. Apostila de Nós e Amarras 5.62 - BALSO PELO SEIO: Utiliza-se para fazer duas alças fixas do mesmo tamanho em uma corda. 5.63 - ENCAPELADURA: É muito útil para se construir um tripé rapidamente. Dão-se dois cotes, um direito e outro inverso, na mesma corda, e sobrepõem-se ligeiramente. Em seguida puxam-se os seios, ficando três olhais que são para introduzir as três varas do tripé. Depois de apertar bem o nó termina-se unindo as pontas com um direito. 5.64 - NÓ TREVO: Este é um nó decorativo, sendo uma variação do nó amor-perfeito. Este não é um nó seguro, e não suporta nenhuma tensão e desmancha-se com facilidade. 5. 65 - VOLTA REDONDA COM DOIS COTES: Utiliza-se para amarrar um cabo a um mastro ou verga e também a uma argola ou arganéu apertando. O importante é fazer o cabo dar duas voltas em torno do mastro para segurar bem apertado. 5.66 - NÓ BOCA DE LOBO: Utiliza-se para o içamento de fardos, sacos, barris, etc. Pode ser feito com alças entrelaçadas. Renilson Gomes – Líder de Desbravadores – 2ª Coordenação de Campo – Acre/AamO. 15
  16. 16. Apostila de Nós e Amarras 5.67 - NÓ PATA DE GATO: É usado para fixar um cabo a um gancho, para fazer-se uma alça provisória em uma corda enganchada. 5.68 - NÓ DE TRANÇA: É composto de laçadas montada duas a duas e em forma espiralada. O nó de trança é trabalhado com dois fios. Enquanto se prende um deles, faz-se uma laçada com o outro e assim alternadamente, seguindo a mesma ordem. 5.69 - NÓ DE TECELÃO: Usado em cordas finas. 5.70 - NÓ DE GRAVATA: É um nó muito seguro e resistente a puxões e safanões. É menos propenso apertar-se por si próprio, e para que isso aconteça será necessário submetê-lo a uma grande pressão. Se isso ocorrer pode ser muito difícil desmanchá-lo. É o melhor nó para atar-se a alças de baldes, indicado para atar-se animais e, se feito de forma corrediça, pode ser um seguro cabresto para um cavalo. 5.71 - NÓ DE AJUSTE: Serve para unir duas cordas grossas. Se faz como o nó bobo porém, se arremata a ponta dos cabos com outra corda extra. 5.72 - NÓ DE ESCOTA ALCEADO: É uma variante do nó de escota que permite unir Renilson Gomes – Líder de Desbravadores – 2ª Coordenação de Campo – Acre/AamO. 16
  17. 17. Apostila de Nós e Amarras dois cabos de diferente diâmetro, com um laço para desfazê-lo facilmente. 5.73 - NÓ DE ESTACHA: Usado para unir cordas grossas. Quanto maior for o número de cotes maior a resistência. Os cabos são arrematados com cordas mais finas. 5.74 - NÓ DE CAPUCHINHO: É útil para segurar uma corda sem queimar as mãos ou para facilitar a subida de uma pessoa em um só cabo. 5.75 - MEIO-NÓ-CORREDIÇO: Se utiliza para fixar rapidamente uma corda a uma argola. Tem a mesma aplicação de um cote, porém de um puxão se desfaz. 5.76 - LAÇADA ENCAVILHADA: Inicia com um cabeça de sabiá, só que ao invés de introduzir as pontas das cordas através da laçada, introduza uma cavilha (trava), que facilitará desfazer a laçada. 5.77 - NÓ DE CANHÃO: Para segurar fortemente uma corda; se ajusta bem tanto a um poste como a uma argola; tem grande resistência a tração e não desliza nem afrouxa. 5.78 - VOLTA DO PESCADOR: Se ajusta bem a uma argola tem grande resistência a tração. Renilson Gomes – Líder de Desbravadores – 2ª Coordenação de Campo – Acre/AamO. 17
  18. 18. Apostila de Nós e Amarras 5.79 - NÓ DE ÂNCORA: Serve para atar uma corda ao olho de uma âncora ou às argolas das barracas. 5.80 - CABEÇA DE TURCO OU BARBILETE: É um nó decorativo em forma de anel que se utiliza para apoiar uma vara de pesca, para conduzir com segurança um timão, e também um nó para fazer um anel de lenço. 5.81 - NÓ DE DIAMANTE: É considerado um nó decorativo; os marinheiros antigos o faziam como um nó permanente, com um ou dois cabos. Renilson Gomes – Líder de Desbravadores – 2ª Coordenação de Campo – Acre/AamO. 18
  19. 19. Apostila de Nós e Amarras 5.82 - NÓ DE ESPIRAL: Consiste em uma sequência de meios nós duplos. Depois de mo0ntada a sequência, os nós se retorcerão automaticamente, fazendo o movimento espiralado que o caracteriza. 5.83 - NÓ JOSEFINA: De grande beleza e decorativo, este nó também é empregado como nó de trabalho, devido a sua resistência à pressão, quando bem ajustado e apertado. Como um nó decorativo, tanto pode ser usado0 sozinho como com outros nós. 5.84 - NÓ DE AMARRAR: Utilizado em atividades de navegação para fixar com rapidez uma corda a um suporte. É arrematado com um cote. 5.85 - NÓ DIREITO ANDINO: Utiliza-se mais frequentemente para unir duas cordas da mesma espessura, amarrar ataduras, terminar algumas amarras, etc, por ser um nó fácil de ser feito. 5.86 - AMARRA QUADRADA: Usada sempre que for necessário unir duas hastes ou galhos cruzados a um ângulo de 90 graus. Inicie com o volta do fiel. Renilson Gomes – Líder de Desbravadores – 2ª Coordenação de Campo – Acre/AamO. 19
  20. 20. Apostila de Nós e Amarras 5.87 - AMARRA DIAGONAL: Usado quando precisa unir duas hastes que estão se cruzando no formato de um “X” . inicie com o volta da ribeira. 5.88 - AMARRA CONTINUA: Usada para unir uma haste menor a uma haste maior em ângulo reto. Muito útil para fazer moveis de acampamento. 5.89 – AMARRA PARALELA: Usada para unir vigas paralelas e formar pernas de sustentação. 5.90 - AMARA TRIPÉ: Esta amarra é usada para a construção de tripés em acampamentos, afim de segurar lampiões ou servir como suporte para qualquer outra finalidade. A amarra tripé é feita iniciando com uma volta da ribeira ou volta do fiel, passando alternadamente por cima e por baixo de cada uma das três varas , que devem estar colocadas lado a lado com uma pequena distância entre elas. Não é necessário o enforcamento nessa amarra, pois ao ajustar o tripé girando a vara do meio a amarra já sofre o enforcamento sendo suficientemente presa. Entretanto, em alguns casos o enforcamento pode ser feito passando voltas entre as varas e finalizando com uma volta do fiel ou nó direito preso a extremidade inicial. Renilson Gomes – Líder de Desbravadores – 2ª Coordenação de Campo – Acre/AamO. 20

×