Design de Interação (se é que existe outro)

1.050 visualizações

Publicada em

Palestra no curso de Design da UCL (24/06/2015)

Publicada em: Design
0 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.050
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
26
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Design de Interação (se é que existe outro)

  1. 1. www.hugocristo.com.br Prof. Dr. Hugo Cristo UFES • PPGP-UFES • LOOP-UFES • PROTOTÍPICA • KFK Design de Interação
  2. 2. Hugo Cristo BA, MSc, PhD Coordenador + Professor / Design-UFES Conselheiro / Prototípica P&D
  3. 3. PDF ou EPUB symbolik.com.br Palestra Campus Party 2014 http://tinyurl.com/dsdcpbr
  4. 4. Design de Interação
  5. 5. Design de Interação (existe outro?)
  6. 6. Design de Interação
  7. 7. Gui Bonsiepe As sete colunas do Design
  8. 8. Diagrama ontológico do Design.
  9. 9. Usuário Ação efetiva Ferramenta Interface
  10. 10. Usuário Ação efetiva Ferramenta Design
  11. 11. Objeto-Síntese Ação do designer Contexto de produção Problema de projeto V A T
  12. 12. Design de Interação
  13. 13. Christopher Alexander Linguagem de Padrões
  14. 14. A forma é uma solução que encaixa no contexto.
  15. 15. Forma-escada: um encaixe para subir de nível usando o movimento do corpo.
  16. 16. Lev Vygotsky Mediação Instrumental
  17. 17. estímulo resposta estímulo resposta instrumento/signo indivíduo objeto instrumento/signo
  18. 18. Filogênese Fatores genéticos no desenvolvimento do indivíduo que é membro de uma espécie.
  19. 19. Sociogênese Fatores culturais no desenvolvimento do indivíduo que pertence a grupos sociais.
  20. 20. Ontogênese Fatores da experiência singular acumulada pelo indivíduo ao longo da sua vida.
  21. 21. Microgênese Seleção e ativação dos saberes aprendidos na cultura com base na sua pertinência funcional.
  22. 22. Alexei Leontiev Teoria da Atividade
  23. 23. atividade motivação objetivos condições ação 1 operação 1.1 operação 1.2 ação 2 operação 2.1 operação 2.2
  24. 24. Forma-ponte: um encaixe sócio-histórico para o contexto da atividade-travessia.
  25. 25. atravessar (rio, precipício...) motivação objetivos condições construir passarela cortar superfície fixar/agrupar superfície sustentar passarela fixar colunas apoiar passarela os objetivos estão condicionados à disponibilidade dos materiais e domínio dos processos construtivos.
  26. 26. PLOS Biology, 3 (11), Nov 2005 First Observation of Tool Use in Wild Gorillas
  27. 27. atravessar (rio) motivação objetivos condições construir bengala encontrar galho preparar galho caminhar no raso tatear o fundo medir profundidade os objetivos estão condicionados à disponibilidade dos materiais e domínio dos processos construtivos.
  28. 28. Forma-ponte Florentino Avidos Fabricada na Europa e instalada no Brasil
  29. 29. regras comunidade indivíduo divisão do trabalho meios mediadores produção consumo distribuiçãotrocas objeto produto
  30. 30. regras comunidade indivíduo div. do trabalho meios mediadores produção consumo distribuiçãotrocas objeto produto indivíduo objeto regras comunidade indivíduo div. trabalho meios mediadores produção consumo distribuiçãotrocas objeto1 div. trabalho comunidade objeto2 regras meios mediadores produção consumo trocasdistribuição indivíduo objeto3 instrumento/signo
  31. 31. Forma-ponte: um encaixe sócio-histórico para o contexto da atividade-travessia.
  32. 32. Serge Moscovici Representações Sociais
  33. 33. si stema perifé rico práticas sociais circunstâncias externas sistema central mudanças
  34. 34. L1 L2 L3 Enraizamento Instituições informais, costumes, tradição, normas e religião 102 a 103 anos Espontâneo ou não calculativo Ambiente institucional Regras formais do jogo – política, judiciário, burocracia, propriedade 10 a 100 anos Alcançar o ambiente institucional correto Governança Jogar o jogo – contratos e definição da alocação de recursos 1 a 10 anos Alcançar as estruturas de governança corretas Economia real Alocação de recursos, preços, produtos, trabalho e empregos Contínuo Alcançar as estruturas marginais corretas Níveis Mudanças Propósito L4 Williamson, O. E (2000). The New Institutional Economics: Taking Stock, Looking Ahead. Journal of Economic Literature, Vol. XXXVIII, September, pp. 595-613.
  35. 35. Jean Piaget Epistemologia Genética
  36. 36. práticas de projeto representações sociais mediação do pensar, fazer e usar ações estruturantes
  37. 37. conhecimentos gerais e difusos seleção e avaliação da pertinência funcional dos conhecimentos no desenrolar da solução do problema conhecimentos específicos ativados pelo problema atribuição de sentido aos conhecimentos com base nos resultados das ações linguagens de padrões representações sociais pensar, fazer e usar práticas projetuais problema de design
  38. 38. rotina primitiva procedimento difuso preciso geral específicoação-reflexão algorítmo
  39. 39. Design de Interação. Design e Interação como processos filo, sócio, onto e microgenéticos.
  40. 40. Moggridge, Bill (2007). Designing Interactions. Cambridge: MIT Press.
  41. 41. eficaz de boa utilidade fácil de lembrar como usar eficiente no uso fácil de entender seguro no uso metas de usabilidade divertido motivador proveitoso esteticamente apreciável satisfatório emocionalmente adequado incentivador de criatividade interessante agradável compensador Rogers, Yvonne; Sharp, Helen; Preece, Jenny. (2011). Interaction Design: Beyond Human - Computer Interaction. New York: Wiley.
  42. 42. eficaz de boa utilidade fácil de lembrar como usar eficiente no uso fácil de entender seguro no uso metas de usabilidade divertido motivador proveitoso esteticamente apreciável satisfatório emocionalmente adequado incentivador de criatividade interessante agradável compensador Rogers, Yvonne; Sharp, Helen; Preece, Jenny. (2011). Interaction Design: Beyond Human - Computer Interaction. New York: Wiley.
  43. 43. Microgênese Atividade UX Ontogênese Filogênese Sociogênese Nível
  44. 44. Microgênese Ontogênese Filogênese Sociogênese Problema Pessoa Ser Humano Usuário Nível Abordagem Microgenético Clínico Censo Entrevista Método Segundos Meses Milênios Décadas Evolução Heurísticas Estudo Clínico Quantitativos Qualitativos Resultados UX
  45. 45. UX sociogenética
  46. 46. UX microgenética: prótese da atleta carioca Camille Rodrigues
  47. 47. Microgênese Ontogênese Filogênese Sociogênese Problema Pessoa Ser Humano Usuário Nível Abordagem Microgenético Clínico Censo Entrevista Método Segundos Meses Milênios Décadas Evolução Heurísticas Estudo Clínico Quantitativos Qualitativos Resultados UX
  48. 48. Escritório americanos dos anos 1970 como contexto.
  49. 49. Forma-escritório: um encaixe sócio-histórico para a atividade- trabalhar-com-o-computador.
  50. 50. Forma-iPhone: um encaixe sócio- histórico para a atividade-navegar- comunicar-entreter.
  51. 51. Forma-smartTV: um encaixe sócio-histórico para a atividade- entreter-comunicar.
  52. 52. Forma-Nest: um encaixe sócio- histórico para a atividade-manter- conforto-ambiental.
  53. 53. Obrigado! www.hugocristo.com.br hugocristo.com.br @hugocristo Prof. Dr. Hugo Cristo UFES • PPGP-UFES • LOOP-UFES • PROTOTÍPICA • KFK

×