HISTÓRIA
S
I
H
Manual do Professor
3.a
Série
Ensino Médio
manual_pitagoras_história_3 ano.indd 1 1/10/2010 16:47:01
2
SUMÁRIO
Apresentação da Coleção ............................................................................... 3
Distri...
3
APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO
“[...] sem memória, sem a leitura dos restos do passado, não pode haver o reconhecimento das dif...
4
H
S
I
exercícios, pesquisas pretendem levar ao debate, à reflexão e, mais importante, ao tratamento da Disciplina com no...
5
H
S
I
A metodologia investigativa no ensino de História
Nesse sentido, professores e alunos devem proceder à leitura e à...
6
Distribuição dos
conteúdos NO SEGMENTO
1.ª Série do Ensino Médio
1.o
Semestre
Unidade – Da Europa Feudal ao Expansionism...
7
H
S
I
2.o
Semestre
Unidade – O cenário europeu e as revoluções nos séculos XVII e XVIII
Capítulo 1 − Parlamentarismo e i...
8
H
S
I
Unidade – A nova ordem republicana no Brasil
Capítulo 1 − A República dos Excluídos
•	 O federalismo na Constituiç...
9
H
S
I
3.ª Série do Ensino Médio
1.o
Semestre
Unidade – Europa e América no século XIX
Capítulo 1 − O embate entre as cor...
10
H
S
I
Capítulo 3 − Rumos políticos e econômicos do
mundo contemporâneo
•	 	Gorbachev e as propostas para um socialismo
...
11
A elaboração do material de História para 3.ª série do Ensino Médio pautou-se em quatro pilares fundamentais,
a saber:
...
12
SEÇõES DO LIVRO
Professor, a opção pelo formato de seções, que aparecerão em todos os capítulos dos livros da Coleção H...
13
H
S
I
Construindo habilidades e competências
Esta seção consta de atividades de interpretação de texto, leitura de imag...
14
AVALIAçãO DA APRENDIZAGEM NO
COMPONENTE CURRICULAR
A avaliação do processo de ensino e aprendizagem em História vem, de...
15
Competências e Habilidades
Competência 1
Compreender o conceito de tempo histórico, sendo capaz de transitar pelas temp...
16
H
S
I
Competência 5
Valorizar a diversidade cultural como direito dos povos e dos indivíduos à sua identidade, manifest...
17
Distribuição anual dos conteúdos
Da série E PLANEJAMENTO SEMESTRAL
1.O
SEMESTRE
N.O
DE AULAS
Unidade — Europa e América...
18
H
S
I
Capítulo 2 — A independência das colô-
nias afro-asiáticas e os movimentos de
inspiração socialista
•	 Raízes do ...
19
SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS
Sequência 1
O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX
Tempo previsto: 2 ...
20
H
S
I
•	 	Leitura dialogada enfocando os fundamentos e as distinções do
pensamento social reformista e do socialismo ma...
21
H
S
I
•	 Caracterizar os fatores internos e externos responsáveis pelo processo de independências das colônias
latino-a...
22
H
S
I
SeqUência 3
A imposição do modelo civilizatório europeu na África e na Ásia
Tempo previsto: 2 semanas
Objetivos e...
23
H
S
I
SeqUência 4
A Competição Imperialista e a Primeira Guerra Mundial
Tempo previsto: 2 semanas
Objetivos específicos...
24
H
S
I
SeqUência 5
A Construção do Socialismo na Rússia
Tempo previsto: 2 semanas
Objetivos específicos
•	 	Analisar e i...
25
H
S
I
SeqUência 6
A Crise da Ordem Liberal e a Segunda Guerra Mundial
Tempo previsto: 2 semanas
Objetivos específicos
•...
26
H
S
I
SEMANA CONTEÚDO ESTRATÉGIAS DE ENSINO
2.a
•	 Da marcha sobre Roma
ao Putsch de Munique:
as trilhas do totalita-
r...
27
H
S
I
•	 	Exposição dialogada abordando a Revolução Chinesa comandada
por Mao Tsé-tung.
•	 Leitura dialogada sobre o pe...
28
H
S
I
SEMANA CONTEÚDO ESTRATÉGIAS DE ENSINO
1.a
•	 A independência das co-
lônias afro-asiáticas e os
movimentos de ins...
29
H
S
I
SEMANA CONTEÚDO ESTRATÉGIAS DE ENSINO
1.a
•	 Os rumos políticos e
econômicos do mundo
contemporâneo
•	 Gorbachev ...
30
H
S
I
Conceitos fundamentais: Nova República; Cidadania; Década perdida; Políticas de choque; sociedade civil;
democrac...
31
H
S
I
SEMANA CONTEÚDO ESTRATÉGIAS DE ENSINO
1.a
•	 A campanha presiden-
cial de 1989
•	 O Governo Collor
•	 De Itamar a...
32
Orientações didático-metodológicas	
Unidade - Europa e América no século XIX
Capítulo 1 – O embate entre as correntes l...
33
H
S
I
foram definidas pelos próprios marxistas para se referirem à produção intelectual anterior àquela por eles produz...
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
3ª série -_história_-_manual
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

3ª série -_história_-_manual

1.088 visualizações

Publicada em

historia

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.088
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

3ª série -_história_-_manual

  1. 1. HISTÓRIA S I H Manual do Professor 3.a Série Ensino Médio manual_pitagoras_história_3 ano.indd 1 1/10/2010 16:47:01
  2. 2. 2 SUMÁRIO Apresentação da Coleção ............................................................................... 3 Distribuição dos conteúdos no segmento ............................................................. 6 Apresentação do livro de História da 3ª série do Ensino Médio................................. 11 Seções do livro ......................................................................................... 12 Avaliação da aprendizagem no componente curricular.................................................... 14 Competências e habilidades .............................................................................................. 15 Distribuição anual dos conteúdos da série e planejamento semestral .......................... 17 Sequências didáticas .................................................................................. 19 Orientações didático-metodológicas ................................................................ 32 Resolução comentada das questões ................................................................. 53 Referências............................................................................................. 75 manual_pitagoras_história_3 ano.indd 2 1/10/2010 16:47:01
  3. 3. 3 APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO “[...] sem memória, sem a leitura dos restos do passado, não pode haver o reconhecimento das diferenças [...] nem a tolerância das ricas complexidades e instabilidades de identidades pessoais, culturais, políticas e nacionais [...]” (HUYSSEN, A. Seduzidos pela memória: arquitetura, monumentos, mídia. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000. p.72.) A elaboração da Coleção Ensino Médio Professor, a proposta de História para o Ensino Médio sistematizada nos materiais pedagógicos aqui apresentados funda-se em um tripé: 1- reflexões advindas da prática de sala de aula e do uso de materiais similares ao aqui desenvolvido; 2- apropriação e sistematização de reflexões acadêmicas sobre a História; 3- reflexões sobre a educação e elaboração do conhecimento histórico no ambiente escolar. Os autores, para escreverem cada capítulo, escolherem cada imagem, elaborarem cada atividade, debateram entre si, com seus colegas e também tinham em mente os futuros leitores (professores e alunos do Ensino Médio). O resultado de cada escolha, e aquelas que ficaram de fora, é fruto dessa tensão, da multiplicidade de vozes, muitas vezes não explicitadas no texto final. Este procedimento de pesquisa, de idas e vindas utilizado na confecção dos livros de Ensino Médio, constitui-se no nosso próprio ofício: o debate historiográfico que evita as saídas fáceis, já estabelecidas e padronizadas. O processo de elaboração do material aqui apresentado aponta também relações entre forma e conteúdo. Na concepção que temos hoje de conhecimento histórico, os sujeitos (autores) não se separam do objeto do conhecimento (realidade história), pois o objeto é construído pelo sujeito com a ajuda de conceitos, teorias e documentos. As abordagens e perspectivas apresentadas nesta Coleção resultam de discussões, leituras, análises e interpretação de fontes diversas e teorias organizadoras dos objetos. Referenciais teórico-metodológicos A concepção de História e seu arcabouço metodológico tomados por referência pelos autores buscam potencializar a capacidade de problematizar os processos históricos. Professores e alunos são estimulados a irem além das evidências mais imediatas. A apresentação dos temas e das questões procura ampliar as informações apresentando novos tipos de fontes, estabelecendo relações entre diferentes temporalidades e apontado para a história como experiência vivida. Assim, a Coleção para o Ensino Médio dialoga com documentos como os Parâmetros Curriculares Nacionais de História e a Proposta Pedagógica da Rede de Ensino e indica a valorização do trabalho específico, realizado por professores e alunos na produção de um saber que não reforce as hierarquias sociais, que não modele e generalize as dimensões de tempo e de espaço. Professores e alunos podem assim refletir sobre questões que afligem a sociedade contemporânea, sendo capazes de perceber a temporalidade histórica para além da sucessão cronológica. O presente, como indica os concursos para ingresso no terceiro grau e o Enem, recebe atenção especial em atividades específicas e em textos que estabelecem correlações com as temáticas abordadas. Os conceitos históricos trabalhados em cada unidade são entendidos como construções, não estão estabelecidos a priori. Os sujeitos (professores e alunos) produzem saberes ao “desmontar” um texto, um documento e analisá-lo, comparando com outros pontos de vista e acontecimentos. Explicitam-se o lugar do documento, sua autoria, seu suporte, suas condições de produção, época e símbolos 1 . Professores e alunos, ao estabelecerem argumentações referentes a problemas e buscar explicações históricas, de- senvolvem uma metodologia própria de investigação histórica pautada pela articulação entre conceitos e eventos históricos2 . A preocupação com a apresentação de diferentes fontes documentais (iconográficas, mapas, tabelas) é articulada ao conteúdo historiográfico de cada unidade. São também dispositivos para novas pesquisas e questionamentos. Cabe ressaltar que, do ponto de vista da própria linguagem, toda a Coleção para o Ensino Médio não apresenta um texto corrido, meramente informativo. Os documentos de época, fontes iconográficas, textos historiográficos, 1 SCHMIDT, M. A.; CAINELLI, M. Ensinar história. São Paulo: Scipione, 2004. p.149-150. 2 MATTOZZI, Ivo. Enseñar a escribir sobre la Historia. In: Enseñanza de las Ciências Sociales, n. 3, p. 39-48, 2004. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 3 1/10/2010 16:47:01
  4. 4. 4 H S I exercícios, pesquisas pretendem levar ao debate, à reflexão e, mais importante, ao tratamento da Disciplina com novos procedimentos teórico-metodológicos. Valorizam-se, assim, os objetos, as ferramentas, os utensílios, as roupas, os cartões-postais, a natureza, os símbolos, as festas, as imagens, os relatos orais, as anedotas, as propagandas de TV, a moda, como fontes históricas importantes e como ferramentas para o historiador e para o professor de História. Essas preocupações conduzem a um trabalho com a História capaz de potencializar uma imersão crítica de alunos e professores e não a reprodução de uma situação de leitura e leitores de fatos pretensamente mortos, ocorridos no passado, sem qualquer importância no presente. Na nossa concepção, a História permite que, ao revisitar o passado, ao se informar sobre ele, ao indagar sobre ele, professores e alunos transitem pelas temporalidades da história e participem na elaboração de novas interpretações, transformando conhecimentos até então inquestionáveis, comparando elementos aparentemente apartados, buscando pistas para entender a história dos homens tanto em seus momentos de ruptura, de mudanças abruptas e por vezes radicais, quanto em suas permanências e continuidades. A História, enfim, não é fruto da aplicação de modelos preestabelecidos, nem de adequações a posicionamentos ideológicos, politicamente engajados e militantes, mas, sim, de interpretações e narrativas construídas a partir de fon- tes e conceitos de nossa época, discutidos pela historiografia internacional, sem, no entanto, ser um modismo vazio. Abordagens historiográficas Desde a década de 80 do século XX, a historiografia brasileira vem passando por uma substancial renovação. Hoje, a História produzida é muito menos esquemática e ideologizada e é, ao mesmo tempo, mais ousada. Os textos têm se preocupado, cada vez menos, com a prova científica, com a verdade absoluta e com os fatos descontextualizados. De forma diferente do que prevaleceu por muito tempo, a História, hoje, tem desenvolvido seus próprios conceitos e métodos de trabalho, deixando de ser feita a partir de modelos teóricos previamente construídos. Passou-se, além disso, a valorizar a interdisciplinaridade, na busca, sempre que possível, do diálogo com outras áreas de conhecimento, isto é, do uso, quando conveniente, dos procedimentos metodológicos dessas áreas. Essa “nova” História exige que os professores saibam lidar criticamente com esses novos procedimentos e com as fontes, as mais diversas, que esses procedimentos trazem à tona. O livro didático e o paradidático, assim como os jornais e as revistas, os filmes, os outdoors e as campanhas de publicidade na TV, as anedotas, a linguagem e a oralidade presentes na própria sala de aula, os acervos de museus, a internet e os jogos eletrônicos, podem ser explorados como fontes históricas. Para trabalhar com a História, o professor deve ser capaz de lidar com essa diversidade de registros, saber como indagá-los e como desconstruí-los, saber relacioná-los a diversas outras fontes. Procuramos fugir, na elaboração dos volumes para o Ensino Médio, ainda que tenha sido mantida uma perspectiva cronológica, das ideias lineares, etapistas e evolucionistas, factuais e sequenciais que marcam os argumentos, as análises e a narrativa no ensino tradicional da disciplina. Pretendeu-se, também, relativizar o uso de conceitos e de modelos que, em muitos casos, engessam, por assim dizer, a visão da história humana e as ações dos homens nos processos históricos. É preciso tomar muito cuidado ao usar conceitos e ideias tais como modo de produção, classe social, infraestrutura determinante, ideologia dominante, economia como elemento quase exclusivo de explicação histórica, Estado burguês, cidadania sem deveres, antagonismos e dualidades simplistas, ausência de uma perspectiva cultural, divisão maniqueísta do mundo e da história entre o bem e o mal, entre vítimas e algozes, entre capital e trabalho, entre explorado e explorador, entre vencido e vencedor. O professor de História deve ser sensível ao fato de que as interpretações historiográficas são sempre realizadas a posteriori e que dependem, sempre, dos valores de cada época, das preocupações, dos problemas, das condições materiais, dos embates políticos, da valorização cultural, das representações construídas sobre as formas de viver e sobre as maneiras de pensar e, evidentemente, das indagações que historiadores, outros estudiosos e leigos fazem a partir desse sempre complexo quadro social. Nesse sentido, o professor da disciplina deve valorizar a leitura e a interpretação das mais variadas fontes da história, demonstrando como se podem ler essas mesmas fontes de maneiras diferentes, dependendo do olhar e das perguntas feitas a elas. Existem nelas lacunas e silêncios importantes, além de aspectos que podem levar o observador a uma leitura equivocada de uma dada realidade do passado. O professor de História, a nosso ver, deve estar também instrumentalizado para perceber os diversos movimentos da história e da vida de maneira menos preconceituosa e discriminatória, preparado para a convivência e a leitura da diversidade e não da singularidade. Na nossa concepção, a ênfase da História deve ser, portanto, a da alteridade, buscando reconhecer no outro as diferenças que constituem a complexidade da história e da vida, sem, contudo, classificá-las em hierarquias culturais, sociais, religiosas, ideológicas. O outro é o próprio mundo e a própria realidade de estar no mundo, e o professor deve ser capaz de perceber que essa é uma postura que urge em nosso mundo moderno e que, por isso, marca o pensamento e a produção historiográfica recente. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 4 1/10/2010 16:47:01
  5. 5. 5 H S I A metodologia investigativa no ensino de História Nesse sentido, professores e alunos devem proceder à leitura e à crítica de cada seção do material apresentado, tendo em vista suas experiências e práticas. Cada um dos participantes do processo de ensino e aprendizagem deve expor dúvidas, debater, destacar aspectos relevantes, propor novas questões que extrapolem e enriqueçam os problemas levantados, esclarecendo pontos de divergência e concordância com as ideias dos autores e a procedência da informação e da argumentação. Um exemplo dessa metodologia investigativa é hoje a forma de se trabalhar com as imagens. Associadas ao texto, as imagens são tomadas como fontes importantes, informantes preciosos do historiador e do leitor, perdendo sua antiga posição de meras ilustrações e de figuras que visavam tornar o texto menos árido. Esse procedimento é o abandono da busca nas imagens das “verdades” dos detalhes comprovadores. Propõem-se, nesta Coleção para o Ensino Médio, atividades específicas de identificação, leitura, explicação e interpretação de imagens. As imagens apresentadas e outras podem ser desconstruídas, reapropriadas, comparadas, reintegradas ao texto e, junto com ele, sob um olhar preparado para a diversidade e a pluralidade constitutivas da História, refletir sobre a realidade e suas dimensões material, cultural, simbólica, política, retórica, figurativa, tanto no passado, quanto no presente. Esse mesmo procedimento aplica-se aos objetos utilitários e outras fontes da cultura material. Insistimos na questão da iconografia, uma vez que recorremos reiteradas vezes à análise de charges, pinturas, desenhos e similares nos volumes destinados ao Ensino Médio, assim como também aos documentos escritos. A iconografia é uma das mais ricas fontes históricas e, ao lado do documento escrito, a mais acessível ao trabalho em sala de aula. Assim como as outras fontes históricas, as iconográficas também são produzidas a partir de diferentes visões de mundo, de intenções as mais variadas em contextos e condições igualmente diversos. Todas as fontes históricas devem ser exploradas com muito cuidado. Caso contrário, elas podem induzir o observador a uma compreensão equivocada das realidades históricas. No que se refere às imagens, não são raras as vezes em que elas são consideradas verdades absolutas de uma época, de um evento, de um determinado costume ou de uma certa paisagem. Os professores de História não devem, jamais, deixar-se prender por essas armadilhas metodológicas. E quanto mais colorida, mais pretensamente realista, mais perigosa ela pode se tornar. Para evitar esse perigo, é importante saber filtrar todas essas imagens, todos esses registros iconográficos. É fundamental saber colocar a esses registros, iconográficos ou não, as perguntas que caracterizam o início de todas as reflexões e os trabalhos históricos: Quando? Onde? Por quem? Para quem? Para quê? Por quê? Como? A essas perguntas devem-se, contudo, acrescentar outros procedimentos. É importante observar as formas como essas imagens foram sendo interpretadas com o passar dos anos e como elas foram engendrando novas versões da História. Além disso, há de se lembrar que as imagens não dizem tudo acerca daquilo que elas apresentam. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 5 1/10/2010 16:47:01
  6. 6. 6 Distribuição dos conteúdos NO SEGMENTO 1.ª Série do Ensino Médio 1.o Semestre Unidade – Da Europa Feudal ao Expansionismo Marítimo do século XVI Capítulo 1 − A crise do sistema feudal • O colapso das forças produtivas • Rebeliões e epidemias • Soluções para a crise feudal Capítulo 2 − Figuras da Modernidade • Antropocêntricos: o universo da Renascença • Protestantes: a dissolução da unidade na fé reformista • Monarquias nacionais: a hipertrofia dos poderes do rei • Expansionistas: por mares nunca dantes navegados? Unidade – O Colonialismo Europeu na América Capítulo 1 − América Colonial: A construção de um mundo novo? • Choque de culturas: a percepção de mundo dos europeus e dos nativos da América no contexto mercantilista • Sociedade e economia na Hispano-América: os parâmetros do universo colonial • Sociedade e economia na América-Inglesa: os parâmetros do universo colonial Unidade – A América Portuguesa Capítulo 1 − A política colonizadora • Pré-1530: o sistema asiático de exploração (a exploração do pau-brasil) • Das capitanias hereditárias ao Governo Geral − o processo de descentralização/centralização na América Portuguesa • A visão detratora: a catequização dos povos indígenas Capítulo 2 − A plantation escravista • A montagem da área de produção açucareira • O escravismo colonial • A presença holandesa no Brasil açucareiro Capítulo 3 − A descoberta do ouro e a ocupa- ção das regiões mineradoras • O contexto da descoberta do ouro • Os caminhos e o fluxo populacional para as Minas Gerais • O Regimento de 1702 e o sistema de datas • As técnicas de mineração • O Distrito Diamantino Capítulo 4 − Motins e sedições • Revoltas no norte e no nordeste da América Portuguesa • A violência e as revoltas nas regiões mineradoras • A resistência escrava Capítulo 5 − Sociedade e Vida Cotidiana na América Portuguesa • A sociedade açucareira • A sociedade mineradora • A religiosidade na América Portuguesa manual_pitagoras_história_3 ano.indd 6 1/10/2010 16:47:01
  7. 7. 7 H S I 2.o Semestre Unidade – O cenário europeu e as revoluções nos séculos XVII e XVIII Capítulo 1 − Parlamentarismo e indústria: a ilha das revoluções • Da Magna Carta à Dinastia Stuart: raízes do processo • Da guerra civil ao Bill of Rights: Revolução Puritana e Revolução Gloriosa • Da máquina a vapor à energia nuclear: revoluções tecnológicas Capítulo 2 − A Revolução Americana • As alterações da política metropolitana inglesa • Da Festa do Chá à Constituição de 1787 Capítulo 3 − A Revolução Francesa • O liberalismo e as raízes da cidadania na Era das Luzes • Em sua essência, burguesa, mas não exclusivamente burguesa • Napoleão: a mão forte do projeto burguês Unidade – Das conjurações à abdicação de D. Pedro I Capítulo 1 − Os vassalos contra a metrópole: as Conjurações • Inconfidência Mineira • Inconfidência Baiana • A Revolução 1817 Capítulo 2 − Os caminhos da política impe- rial: da transferência da Corte à independên- cia do Brasil • A transferência da Corte portuguesa • A independência do Brasil Capítulo 3 − Os caminhos da política impe- rial brasileira: a formação do Estado Imperial brasileiro (1822-1831) • A consolidação da independência • A Constituição de 1824 • Primeiro Reinado: os percalços de D. Pedro • A abdicação de D. Pedro 2.ª Série do Ensino Médio 1.o Semestre Unidade – A ordem imperial no Brasil Capítulo 1 − Os caminhos da política Impe- rial brasileira: da Regência à proclamação da República • O Período Regencial • As revoltas regenciais • O Regresso • O Segundo Reinado • A proclamação da República: que República era aquela? Capítulo 2 − A economia no Brasil Imperial • As primeiras décadas do século XIX • A segunda metade do século XIX • A economia cafeeira • Outras atividades produtivas • A Era Mauá: o primeiro surto de industrialização no Brasil Capítulo 3 − A introdução do trabalho livre no Brasil • O fim do tráfico negreiro • O movimento abolicionista • A introdução do trabalho livre no Brasil Capítulo 4 − Sociedade, cultura e cotidiano no Brasil Imperial • Mudanças culturais após a chegada da Corte portuguesa • O desenvolvimento da urbanização • Desordem na Corte manual_pitagoras_história_3 ano.indd 7 1/10/2010 16:47:01
  8. 8. 8 H S I Unidade – A nova ordem republicana no Brasil Capítulo 1 − A República dos Excluídos • O federalismo na Constituição de 1891 • O sistema político-eleitoral na República Velha • O processo econômico brasileiro entre 1889 e 1930 • O operariado e suas condições de trabalho e de vida na República Velha • Culturas políticas na República Velha • O povo se levanta Capítulo 2 − Os prenúncios de uma nova or- dem: a década de 1920 e a Revolução de 1930 • 1920: uma década movimentada • O movimento de 1930 • O resultado da vitória do ideário da Aliança Liberal 2.o Semestre Unidade – A Era Vargas Capítulo 1 − A construção de um Brasil Novo • O Brasil no contexto do capitalismo liberal • O Estado interventor • Do Governo Provisório ao golpe de 1937 • O golpe de 10 de novembro de 1937 Capítulo 2 − O Estado Novo • Disposições autoritárias no Estado Novo • Economia e trabalho no Estado Novo • Aspectos da cultura nas décadas de 1930 e 1940 Unidade – O período populista (1946-1964) Capítulo 1 − O Governo Dutra • A agonia do Estado Novo • O Governo Dutra Capítulo 2 − O segundo Governo Vargas • A retomada do projeto industrializante • Os problemas do segundo governo de Vargas Capítulo 2 − De Juscelino a Goulart • O Governo JK • O Plano de Metas • As Ligas Camponesas • A cultura nos anos 1950 e início dos anos 1960 • Às vésperas do golpe político, civil e militar de 1964 • O Governo João Goulart Unidade – Dos governos militares ao processo de liberalização política Capítulo 1 − A rotinização do autoritarismo: de Castello a Médici • A construção do autoritarismo • A rotinização do autoritarismo • Os anos de chumbo • A cultura no Brasil nos anos 1960-1970 Capítulo 2 − A política econômica dos gover- nos militares • O Plano Ação Econômica do Governo (PAEG) • O “Milagre Brasileiro” • Os Planos Nacionais de Desenvolvimento Capítulo 3 − O projeto de abertura e o proces‑ so de liberalização • O Governo Geisel: o início do processo de distensão • O Governo Figueiredo manual_pitagoras_história_3 ano.indd 8 1/10/2010 16:47:01
  9. 9. 9 H S I 3.ª Série do Ensino Médio 1.o Semestre Unidade – Europa e América no século XIX Capítulo 1 − O embate entre as correntes libe‑ rais e os socialismos no século XIX • De Porto a Paris: a reação contra as determinações do Congresso de Viena • Do ludismo ao anarquismo: a força das utopias transformadoras • Nacionalismos: a autodeterminação dos povos Capítulo 2 − A inserção da América no cenário econômico mundial: um estudo comparativo entre Estados Unidos e América Latina • Estados Unidos no século XIX: da política de fronteiras ao imperialismo • América Latina no século XIX: do processo de independência ao caudilhismo • A América espanhola no século XIX Unidade – Expansão, crise e reestruturação do sistema capitalista Capítulo 1 − A imposição do modelo civiliza- tório europeu na África e na Ásia • Ação imperialista: ‘o fardo do homem branco’ • O domínio europeu sobre a África: expansão e resistências • O domínio europeu sobre a Ásia: expansão e resistências Capítulo 2 − A competição imperialista e a Primeira Guerra Mundial • A belle époque: o retrato da prosperidade europeia • Sistema de alianças: o prenúncio do conflito • A Europa e a Guerra: de Sarajevo ao Tratado de Versalhes Capítulo 3 − A construção do socialismo na Rússia • Regime Czarista: o remanescente despótico • Do ensaio geral à Revolução Bolchevique • Do comunismo de Guerra aos Planos Quinquenais Capítulo 4 − A crise da ordem liberal e a II Guerra Mundial • O Crack da Bolsa, a crise de 1929 e o intervencionismo econômico • O New Deal (Novo Trato) • Da marcha sobre Roma ao Putsch de Munique: as trilhas do totalitarismo • Da invasão da Polônia à bomba de Hiroshima: a II Guerra Mundial Unidade – Da Guerra Fria à Nova Ordem Mundial Capítulo 1 − A Guerra Fria e a ameaça de um terceiro conflito mundial • Afirmação das superpotências: “American way/ American Dream” • Afirmação das superpotências: a expansão socialista • Um mundo bipolar: do acordo de Ialta ao macarthismo • Manifestações libertárias: da Coexistência Pacífica à détente (1956-1970) Capítulo 2 − A independência das colônias afro-asiáticas e os movimentos de inspiração socialista • Raízes do processo: do sentimento nacionalista à Conferência de Bandung • Dos acordos diplomáticos às guerrilhas socialistas • Oriente Médio: nacionalismos e disputas territoriais manual_pitagoras_história_3 ano.indd 9 1/10/2010 16:47:02
  10. 10. 10 H S I Capítulo 3 − Rumos políticos e econômicos do mundo contemporâneo • Gorbachev e as propostas para um socialismo democrático • Socialismo de mercado: um negócio da China • A Nova Ordem Internacional • Rumos da política e da economia da América Latina no século XX Unidade – Uma nova ordem republicana democrática no Brasil Capítulo 1 − Uma Nova República: o Governo Sarney • A inauguração da Nova República • O Governo Sarney • A política econômica do Governo Sarney Capítulo 2 − De Collor a Lula: a consolidação da ordem democrática no Brasil • A campanha presidencial de 1989 • O Governo Collor • Impeachment • De Itamar a FHC • O Governo Lula 2º Semestre • Revisional manual_pitagoras_história_3 ano.indd 10 1/10/2010 16:47:02
  11. 11. 11 A elaboração do material de História para 3.ª série do Ensino Médio pautou-se em quatro pilares fundamentais, a saber: Primeiro, no Projeto Pedagógico de História da Rede de Ensino, que enfatiza a necessidade de romper com a História considerada “tradicional” e com o “academicismo”, propondo “novas abordagens historiográficas, baseadas em temáticas ligadas à história social, cultural e do cotidiano, que possibilitam uma visão mais abrangente do contexto histórico.”(Projeto Pedagógico de História da Rede de Ensino, p.3). Essas novas abordagens trazem à tona toda a complexidade da vida social. Aparecem, portanto, tanto os sujeitos anônimos e não apenas os grandes homens e vultos do passado, quanto suas ações cotidianas, crenças, valores, estratégias de sobrevivência e redes de poder e sociabilidade. Segundo, as recentes correntes pedagógicas incorporadas nos Parâmetros Curriculares Nacionais e nas Orientações Curriculares Nacionais, documentos oficiais do Ministério da Educação, que defendem uma nova forma de produção e apropriação dos saberes, pautada em conceitos tais como “saberes históricos escolares” e “cultura escolar”, que buscam uma especificidade na dimensão escolar como produtora de sentidos específicos e relacionais. Terceiro, nos pressupostos do Enem, teste aplicado aos alunos concluintes e egressos do Ensino Médio que tem, cada vez mais, servido de parâmetro para o ingresso no terceiro grau, em especial a preocupação no desenvolvimento de competências com as quais os alunos “possam assimilar informações e utilizá-las em contextos adequados, interpretando códigos e linguagens e servindo-se dos conhecimentos adquiridos para a tomada de decisões autônomas e socialmente relevantes”. Não é demais reiterar que noções, ainda que fundamentais, estudadas fora de qualquer contexto permanecem “letras mortas”, capitais imobilizados por não se saber investir neles conscientemente. Quarto, na linguagem adequada aos exames de entrada no terceiro grau, uma vez que uma parte razoável do fracasso do aluno no vestibular decorre menos do seu desconhecimento do conteúdo do que da dificuldade de compreensão do vocabulário e do que lhe está sendo solicitado nas questões. Assim, o primeiro volume referente ao primeiro semestre (1.ª Série - Livro 1, vol.1) tratará do período entre fins do século XIV e XVIII enfatizando aspectos da chamada crise do século XIV, passando pelas discussões sobre o universo da Renascença, a constituição de monarquias nacionais e a expansão marítima. São apresentados textos e documentos que se referem não apenas às dimensões políticas e econômicas, mas culturais, religiosas e do imaginário próprias aos homens da transição para a modernidade. Na sequência, é apresentada a discussão sobre o colonialismo nas Américas espanhola e inglesa, tema pouco estudado em materiais didáticos e mesmo pouco explorado nos estudos acadêmicos em língua portuguesa. Novamente o universo colonial é visto em diferentes matizes, não apenas em sua dimensão de dominação econômica. Por fim, a América Portuguesa será estudada: a política colonizadora, a plantation escravista, a descoberta do ouro, a capitania de Minas Gerais. Também a sociedade e a vida cotidiana, assim como os motins e as sedições nas diversas regiões coloniais são objeto de estudo do Livro 1. Todos os conteúdos trabalhados enfatizam uma dimensão no desenvolvimento de competências cognitivas e no estabelecimento de estratégias didático-pedagógicas que favoreçam a inter-relação entre História e Historiografia, entre as dimensões do vivido e aquelas transformadas em conhecimento acadêmico dando origem a novas propostas de ensino e aprendizagem da História. Professor, cada capítulo, em sua estrutura, é apresentado em seções que obedecem a uma sequência lógica que perpassa a proposição do tema e sua problematização, aprofunda análises e interpretações e, simultaneamente, constrói habilidades e competências. Assim, a observância das atividades que intercalam os textos e a leitura de diversos tipos de documentos favorecerão a interlocução necessária ao processo de construção do conhecimento pelo aluno. Procure, sempre que possível, promover o debate, deixando claro para o aluno que não existem respostas prontas para todas as questões e que é necessário que ele próprio elabore as suas respostas e que se posicione quando solicitado. Estimule a análise das imagens inseridas no capítulo, como gráficos, gravuras, mapas, quadros, tabelas, etc., oportunizando novas formas de leitura e de interpretação do processo histórico pelo aluno. APRESENTAÇÃO DO LIVRO DE HISTÓRIA DA 3.ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO manual_pitagoras_história_3 ano.indd 11 1/10/2010 16:47:02
  12. 12. 12 SEÇõES DO LIVRO Professor, a opção pelo formato de seções, que aparecerão em todos os capítulos dos livros da Coleção História 2011 ― Ensino Médio, justifica-se por dois fatores. O primeiro é garantir um alinhamento entre a Coleção de livros didáticos para o segmento de Ensino Médio e o Projeto Pedagógico de História, principalmente no que se refere à metodologia de abordagem do componente curricular, ou seja, a articulação entre competências e conteúdos. O segundo fator que justifica essa subdivisão dos capítulos em seções é a possibilidade de que, internamente, em cada uma das unidades temáticas, as categorias de análise se mantenham à medida que se toma como pilar a concepção de que o conhecimento histórico é processo, com múltiplas temporalidades, construído por uma metodologia de investigação também histórica. Consequentemente, evita-se a repetição de sequências de fatos e acontecimentos já consagrados e desvinculados do arcabouço teórico e metodológico da disciplina histórica expresso pelo referido Projeto. Dessa forma, você e seus alunos serão estimulados a proceder à leitura e à crítica de cada seção do livro apresentado tendo em vista suas experiências e práticas. Cada seção deve propiciar a exposição de dúvidas, o debate, destacar aspectos relevantes, propor novas questões que extrapolem e enriqueçam os problemas levantados, esclarecendo pontos de divergência e concordância com as ideias dos autores e a procedência da informação e argumentação. As seis seções aqui apresentadas indicam como você, professor, poderá realizar o trabalho cotidiano com os conceitos e as temáticas de História Geral e História do brasil no Ensino Médio visando à construção do conhecimento histórico e de sua aprendizagem no que se refere a competências gerais, habilidades e procedimentos que perpassam a organização curricular. Análise e interpretação: versões, opiniões e fontes diversas Após a seção introdutória de problematização, será apresentado um texto principal, seguido de atividades que oferecem possibilidades de desenvolver habilidades gerais. O objetivo central desta seção é explorar os textos escritos pelos autores e relacioná-los a outros como mapas, textos jornalísticos e gráficos, que poderão ser apresentados na forma de boxes e hipertextos. Você, professor, poderá propor formas de discussão e de apresentação dessas diferentes fontes. Problematização do tema Esta seção abrirá cada capítulo da Coleção e constará de uma apresentação (texto) problematizando o tema do capítulo. A partir de imagens e questões/problemas serão propostas hipóteses, interpretações e polêmicas, procurando envolver os alunos na discussão da temática. Você, professor, poderá usar a problematização proposta pelos autores para apontar outras reflexões sobre o tema, analisando dinâmicas e agentes envolvidos no processo histórico. Você poderá também discutir e analisar posicionamentos conflitantes surgidos em sala de aula e suas implicações na construção de versões historiográficas. O tema em foco Professor, esta seção permite aprofundar os conteúdos do capítulo. Serão apresentadas atividades para serem trabalhadas em sala de aula extraclasse. As atividades envolverão os principais conceitos trabalhados, versões diferentes sobre um mesmo tema, de modo a permitir a análise comparativa e a apresentação de pontos de vista fundamentados para reflexões apresentadas no início do capítulo. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 12 1/10/2010 16:47:06
  13. 13. 13 H S I Construindo habilidades e competências Esta seção consta de atividades de interpretação de texto, leitura de imagens, leitura de documentos, trabalhos com gráficos, quadros, tabelas, etc. As atividades permitirão também que você, professor, e seus alunos desenvolvam formatos como trabalhos em grupo, em duplas, projetos de trabalho e apresentações orais e posicionem-se criticamente em relação ao conhecimento histórico. A seção tem por objetivo, também, sistematizar as questões abordadas nas seções anteriores. De olho no vestibular Ao final de cada capítulo, há uma seleção de questões dos concursos vestibulares, referentes a conteúdos e recursos trabalhados no capítulo. O objetivo desta seção é a familiarização e as formas de avaliação para ingresso no Ensino Superior. Para saber mais Há também, ao final de cada capítulo, indicações de livros, artigos acadêmicos, sites, filmes e o uso de outros materiais didáticos para enriquecimento e aprofundamento das temáticas trabalhadas. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 13 1/10/2010 16:47:10
  14. 14. 14 AVALIAçãO DA APRENDIZAGEM NO COMPONENTE CURRICULAR A avaliação do processo de ensino e aprendizagem em História vem, desde as últimas décadas do século XX, incorporando aspectos da dinâmica da constituição da própria disciplina entendida hoje como um lugar de criação de sentidos e de um fazer social que não dissocia a pesquisa já realizada — a historiografia — e aquela ainda por fazer. Avaliar é sistematizar os conteúdos históricos já produzidos, realizar atividades de compreensão e análise documental de diferentes fontes, procedentes de diversos lugares, estabelecer conflitos, diálogos, identificar as condições de produção e não simplesmente apreender os “contextos” já determinados e as explicações correntes. Em outras palavras, a História “ensinada” vem se aproximando dos procedimentos e métodos da História “acadêmica”. Assim, as políticas públicas educacionais e os Projetos Pedagógicos específicos das instituições de ensino se posicionam num mesmo sentido. Aponta-se para parâmetros e processos de avaliação mais ampliados. É avaliado todo o conjunto de ações desenvolvidas com vistas à formação e não apenas seus aspectos cognitivos mais aparentes. Os conteúdos revestem-se de dimensões antes não exploradas: conceituais (saberes), habilidades (fazer) e atitudinais (ser). Novas práticas e instrumentos são utilizados na construção de um saber histórico nas condições de sala aula. Professores e alunos, sujeitos dessa História, desenvolvem atividades de pesquisa, discussões em sala de aula, enfim, posicionam-se de maneira crítica e autônoma e estabelecem parâmetros de sua própria autoavaliação. Redimensionam ações e traçam novos objetivos de ensino-aprendizagem. Professor, para cada capítulo são feitas sugestões de instrumentos de avaliações relacionadas às dimensões dos temas trabalhados, habilidades enfocadas no planejamento e atividades diárias desenvolvidas pelo grupo. Relatórios de pesquisa, debates em sala de aula, apresentações em grupo, resolução de atividades individual, em dupla ou grupo e produção de textos dissertativos são sugestões compatíveis com a proposta para o Ensino Médio. A participação e interação no grupo (ouve, respeita opiniões, consegue se posicionar perante o grupo argumentando seu ponto de vista, ajuda na construção de regras de convivência e bom funcionamento do grupo), bem como a organização e realização de trabalhos individuais com iniciativa, organização, conclusão são partes desse trabalho cotidiano de observação e avaliação rumo à construção de conhecimentos. Professor, no sentido de possibilitar um maior envolvimento dos seus alunos com o tema analisado, solicite-lhes a construção de um mural coletivo e permanente para a fixação de textos pesquisados ou de textos produzidos pelos próprios alunos, que demonstrem as situações de ruptura ou permanência com o presente. Estimule-os a pesquisar semanalmente, em revistas, jornais e internet, textos, mapas, gráficos e charges que enriqueçam a análise por você desenvolvida em sala de aula. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 14 1/10/2010 16:47:10
  15. 15. 15 Competências e Habilidades Competência 1 Compreender o conceito de tempo histórico, sendo capaz de transitar pelas temporalidades da História em diferentes espaços. • HABILIDADE 1: Perceber as diferentes temporalidades no decorrer da história e sua importância nas formas de organização social e de conflitos. • HABILIDADE 2: Reconhecer a importância das categorias tempo/espaço como elementos estruturadores do pensamento e da ação humana. • HABILIDADE 3: Compreender as diferentes dimensões do tempo histórico. Competência 2 Compreender o processo de construção do conhecimento histórico e do discurso historiográfico e suas implicações na construção do saber histórico escolar. • HABILIDADE 1: Identificar o objeto de estudo da história e os diferentes agentes envolvidos no processo histórico. • HABILIDADE 2: Apropriar-se dos conceitos e procedimentos necessários à compreensão do processo histórico e à construção do saber histórico escolar. • HABILIDADE 3: Analisar as dinâmicas do processo histórico relativo aos séculos XIX ao XXI. • HABILIDADE 4: Desconstruir a ideia de verdade histórica, reconhecendo a diversidade de possibilidades de inter- pretação da história. Competência 3 Interpretar, analisar e criticar fontes documentais de natureza diversa: verbal, pictórica, estatística, cartográfica, etc. • HABILIDADE 1: Reconhecer o papel das diferentes fontes históricas e a natureza específica de cada uma delas nos processos históricos dos séculos XIX ao XXI. • HABILIDADE 2: Ler e interpretar informações e dados apresentados nos tipos de fontes históricas relativas aos processos históricos dos séculos XIX ao XXI. • HABILIDADE 3: Ler, interpretar e analisar imagens, associando-as aos textos historiográficos, relativos ao processo histórico dos séculos XIX ao XXI, sobretudo aos do Brasil. • HABILIDADE 4: Analisar criticamente fatos históricos relativos ao processo histórico dos séculos XIX ao XXI, sobre- tudo aos do Brasil, a partir de diferentes recursos de linguagens e das diferentes fontes históricas. Competência 4 Compreender e analisar as inter-relações entre fatos políticos, econômicos e socioculturais que caracterizam a trajetória das sociedades humanas. • HABILIDADE 1: Identificar e situar os processos e mecanismos básicos que regem as sociedades humanas em seus diferentes tempos e espaços históricos entre os séculos XIX ao XXI relativas aos processos históricos dos séculos XIX ao XXI. • HABILIDADE 2: Estabelecer relações de continuidade/ruptura, permanências/mudanças nos processos históricos. • HABILIDADE 3: Relacionar o particular e o geral percebendo suas especificidades e mediações. • HABILIDADE 4: Analisar problemáticas atuais relacionando-as a de outros momentos históricos. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 15 1/10/2010 16:47:11
  16. 16. 16 H S I Competência 5 Valorizar a diversidade cultural como direito dos povos e dos indivíduos à sua identidade, manifestando atitudes de tolerância e de respeito por outras culturas, sem renunciar a um juízo crítico sobre elas. • HABILIDADE 1: Identificar os elementos culturais que constituem as identidades das sociedades humanas, em vários tempos e espaços históricos. • HABILIDADE 2: Interpretar as mensagens e visões de mundo expressas nas formas de expressão, de linguagens e na diversidade de representações culturais dos indivíduos, em diferentes tempos e espaços históricos. • HABILIDADE 3: Compreender e respeitar a pluralidade de formas com as quais as sociedades humanas traduzem sua forma de entender, codificar e representar sua realidade e de redes simbólicas que dão significação ao mundo em que vivem. • HABILIDADE 4: Analisar as manifestações culturais e as formas de organização do cotidiano de diferentes sociedades (hábitos, valores, ideias), percebendo a influência de elementos de outras culturas, bem como suas especificidades. • HABILIDADE 5: Avaliar criticamente as diferenças culturais entre as sociedades humanas, rejeitando qualquer discriminação baseada em princípios de superioridade de etnias, gênero, crenças e outras características indivi- duais e sociais. Competência 6 Compreender a complexidade das relações de poder entre os sujeitos históricos nas diversas formações sociais e nas relações entre as sociedades e sua vinculação com os diferentes modos da apreensão e da construção do mundo historicamente constituído e suas respectivas interpretações. • HABILIDADE 1: Identificar as relações de poder exercidas nas diversas instâncias das sociedades históricas, como as do mundo do trabalho e as das instituições políticas, sociais e religiosas relativas aos processos históricos dos séculos XIX ao XXI. • HABILIDADE 2: Interpretar e analisar as relações de dominação, hegemonia, dependência, submissão, convivência, resistência, autonomia e independência entre sujeitos históricos, nas diversas instâncias das sociedades, e entre as nações. • HABILIDADE 3: Analisar a construção histórica do conceito de cidadania e o processo de constituição da participação política ao longo da história. Competência 7 Compreender o mundo do trabalho em sua diversidade social, econômica, política e cultural, analisando as diferentes formas de produção e as relações de trabalho intrínsecas a elas e suas implicações na forma de ocupação dos espaços e na organização da vida individual e coletiva nas sociedades históricas. • HABILIDADE 1: Identificar as formas de produzir e a diversidade das relações de trabalho nas sociedades humanas em diferentes tempos e espaços históricos. • HABILIDADE 2: Analisar as dinâmicas econômicas de diferentes sociedades, as relações de trabalho intrínsecas a elas e implicações para a sua conformação sociopolítica. • HABILIDADE 3: Avaliar as transformações nos processos de produção ao longo da história e suas implicações polí- ticas, econômicas, sociais, culturais e ambientais. Competência 8 Atuar como um indivíduo consciente de seus direitos e deveres, compreendendo a importância de sua contribuição para a construção de uma sociedade mais justa. • HABILIDADE 1: Perceber-se como um ser social que, ao mesmo tempo, transforma a sociedade e está sujeito a ela. • HABILIDADE 2: Compreender a cidadania em uma perspectiva histórica, como resultado de lutas, confrontos e negociações, e constituída por intermédio de conquistas sociais de direitos. • HABILIDADE 3: Aprimorar atitudes e valores imprescindíveis ao exercício pleno da cidadania. • HABILIDADE 4: Elaborar propostas de intervenção solidária na realidade, baseada em valores éticos. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 16 1/10/2010 16:47:11
  17. 17. 17 Distribuição anual dos conteúdos Da série E PLANEJAMENTO SEMESTRAL 1.O SEMESTRE N.O DE AULAS Unidade — Europa e América no século XIX Capítulo 1 — O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX • De Porto a Paris: a reação contra as determinações do Congresso de Viena • Do ludismo ao anarquismo: a força das utopias transformadoras • Nacionalismos: a autodeterminação dos povos 8 aulas Capítulo 2 — A inserção da América no cenário econômico mundial: um estudo comparativo entre Estados Unidos e América Latina • Estados Unidos no século XIX: da política de fronteiras ao imperialismo • América Latina no século XIX: do processo de independência ao caudilhismo • A América Espanhola no século XIX 8 aulas Unidade — Expansão, crise e reestruturação do sistema capitalista Capítulo 1 — A imposição do modelo civilizatório europeu na África e na Ásia • Ação imperialista: ‘o fardo do homem branco’ • O domínio europeu sobre a Ásia: expansão e resistências • O domínio europeu sobre a Ásia: expansão e resistências 8 aulas Capítulo 2 — A competição imperialista e a Primeira Guerra Mundial • A Belle Époque: o retrato da prosperidade europeia • Sistema de Aliança: o prenúncio do conflito • A Europa e a Guerra: de Sarajevo ao Tratado de Versalhes 8 aulas Capítulo 3 — A construção do socialismo na Rússia • Regime Czarista: o remanescente despótico • Do ensaio geral à Revolução Bolchevique • Do comunismo de Guerra aos Planos Quin- quenais • A Sucessão de Lênin 8 aulas Capítulo 4 — A crise da ordem liberal e a II Guerra Mundial • O Crack da Bolsa e o intervencionismo econômico • O New Deal • Da marcha sobre Roma ao Putsch de Munique: as trilhas do totalitarismo • Da invasão da Polônia à bomba de Hiroshima: a II Guerra Mundial • O pacto Nazi-Soviético 8 aulas Unidade — Da Guerra Fria à Nova Ordem Mundial Capítulo 1 — A Guerra Fria e a ameaça de um terceiro conflito mundial • Afirmação das superpotências: “American way/American Dream” • A expansão socialista • Um mundo bipolar: do acordo de Ialta ao macarthismo • Manifestações libertárias e desarmamento: da Coexistência Pacífica à détente 8 aulas manual_pitagoras_história_3 ano.indd 17 1/10/2010 16:47:11
  18. 18. 18 H S I Capítulo 2 — A independência das colô- nias afro-asiáticas e os movimentos de inspiração socialista • Raízes do processo: do sentimento nacionalista à Conferência de Bandung • Dos acordos diplomáticos às guerrilhas socialistas • Oriente Médio: nacionalismos e disputas territoriais • A Independência das colônias africanas 8 aulas Capítulo 3 — Rumos políticos e econômi- cos do mundo contemporâneo • Gorbachev e as propostas para um socialismo democrático • A Nova Ordem Internacional • Socialismo de mercado: um negócio da China • Rumos da política e da economia da América Latina no século XX • Movimentos revolucionários • A instabilidade econômica dos anos 1980 • O Neoliberalismo dos anos 1990 8 aulas Unidade — Uma nova ordem republicana democrática no Brasil Capítulo 1 — Uma Nova República: o Governo Sarney • A inauguração da Nova República • O Governo Sarney • A Constituição de 1988 4 aulas Capítulo 2 — De Collor a Lula: a consolidação da ordem democrática no Brasil • A campanha presidencial de 1989 • O candidato Fernando Collor de Mello • A disputa pela presidência • O governo Collor • Impeachment • De Itamar a FHC • Os dois mandatos de FHC • O Governo Lula 8 aulas • Relatórios de pesquisa • Trabalhos em grupo • Debates em sala de aula • Resolução de atividades individuais e em grupo • Construção de murais • Produção de textos conclusivos • Provas PREVISÃO DO TOTAL DE AULAS POR SEMANA: 4 AULAS SUGESTÃO DE INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO manual_pitagoras_história_3 ano.indd 18 1/10/2010 16:47:11
  19. 19. 19 SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS Sequência 1 O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX Tempo previsto: 2 semanaS Objetivos específicos • Identificar os objetivos das revoluções liberais de 1820, 1830 e 1848. • Identificar o sentimento nacionalista presente nas revoluções liberais do século XIX. • Contrapor a emergência das revoluções liberais às proposições do Congresso de Viena. • Explicar as diferentes manifestações relacionadas à ‘Primavera dos Povos’. • Contextualizar a conjuntura socioeconômica europeia à emergência da ‘Primavera dos Povos’. • Identificar os principais movimentos operários ingleses da primeira metade do século XIX. • Comparar a estratégia de luta e os objetivos dos diferentes movimentos operários ingleses desse período. • Citar as principais doutrinas operárias e suas respectivas correntes. • Compreender a evolução dos movimentos e das doutrinas operárias no século XIX. • Discutir os pressupostos básicos das diferentes doutrinas operárias do século XIX. • Apresentar as convergências e divergências entre socialismo científico e anarquismo. • Contrapor a evolução do capitalismo à deflagração dos movimentos e das ideologias operárias. • Identificar os elementos sociais, políticos e econômicos que estimularam os movimentos nacionalistas dos reinos italianos e dos reinos germânicos. • Caracterizar as diferentes etapas do processo de unificação da Itália e da Alemanha. • Relacionar o movimento nacionalista italiano e germânico ao processo de expansão industrial europeu. • Discutir os resultados dos respectivos processos de unificação italiano e alemão para a conjuntura política europeia do século XIX. • Analisar e interpretar mapas, gravuras, linhas do tempo e textos históricos visando à compreensão dos conceitos apresentados por eles. Conceitos fundamentais: liberalismo; Manifesto Comunista; ludismo; cartismo; socialismo utópico; socialismo científico; socialismo cristão; sindicalismo; anarquismo; internacionais operárias; nacionalismo; carbonários; risorgimento; comunismo; operariado; doutrina social; capitalismo; movimento operário; revolução; contrarrevolução. SEMANA CONTEÚDO ESTRATÉGIAS DE ENSINO 1.a • O embate entre as cor- rentes liberais e os so- cialismos no século XIX • De Porto a Paris: a rea- ção contra as determi- nações do Congresso de Viena • Do ludismo ao anarquis- mo: a força das utopias transformadoras • Apresentação da proposta de trabalho e do tema que serão explorados na Unidade 01 do livro da 3.a Série: Europa e América no século XIX. • Análise da litogravura de Fredéric Sourrieu relacionada à utopia das doutrinas europeias e o texto de René Remond, que abrem o capítulo, enfocando, respectivamente, a influência do nacionalismo e do liberalismo europeu nas manifestações políticas da primeira metade do século XIX. • Aula expositiva dialogada enfocando a emergência das primeiras revoluções liberais do século XIX na Europa. • Análise e discussão a partir do texto histórico de Kátia Matoso. • Leitura dialogada enfocando os primeiros movimentos de reação operária na Inglaterra. • Orientação para o Trabalho de Hemeroteca. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 19 1/10/2010 16:47:11
  20. 20. 20 H S I • Leitura dialogada enfocando os fundamentos e as distinções do pensamento social reformista e do socialismo marxista. • Análise e discussão a partir dos textos históricos e da matéria jornalística apresentada ao longo desse tema. • Exposição dialogada enfocando as diferentes manifestações sociais de 1848 e o significado de ‘Primavera dos Povos’. • Análise e discussão a partir das imagens e do texto histórico apresentados ao longo desse tema. 2.a • Do ludismo ao anarquis- mo: a força das utopias transformadoras • Nacionalismos: a auto- determinação dos povos • De olho no vestibular • Leitura dialogada enfocando os fundamentos do catolicismo social e a doutrina anarquista. • Debate sobre convergências e divergências entre o socialismo marxista e a doutrina anarquista. • Orientação para a resolução das atividades 12 a 16. • Leitura dialogada, enfocando as estratégias desenvolvidas pelas Internacionais Socialistas. • Análise e discussão a partir de imagens, textos históricos e da matéria jornalística apresentados ao longo desse tema. • Resolução das atividades 17 e 18. • Exposição dialogada enfocando os processos de unificação da Itália e da Alemanha. • Resolução, com os alunos, das atividades 19 a 21. • Análise comparativa das imagens apresentadas, enfocando as distinções entre o socialismo científico e o anarquismo (Atividades 22). • Aprofundamento do tema ‘Comuna de Paris’enquanto experiência socialista de governo (Atividade 23). • Abordagem sobre o movimento operário, enfocando a consideração de Karl Marx ao movimento ludita. Construção de um paralelo com a dinâmica desse movimento no mundo contemporâneo (Atividade 24). • Discussão sobre os pressupostos defendidos pelas Internacionais Socialistas (Atividades 25 e 26) • Aprofundamento do conteúdo analisado no capítulo a partir da resolução das questões de 27 a 36. Sequência 2 A inserção da América no cenário econômico mundial: um estudo comparativo entre Estados Unidos e América Latina Tempo previsto: 2 semanas Objetivos específicos • Identificar os diferentes processos que caracterizaram a história dos Estados Unidos no século XIX. • Explicar as origens dos principais partidos políticos da realidade norte-americana atual. • Justificar os motivos da 2.a Guerra de Independência contra a Inglaterra. • Contextualizar a formulação da Doutrina Monroe e do princípio do ‘Destino Manifesto’. • Caracterizar os estágios do processo expansionista dos Estados Unidos a partir de sua independência. • Explicar a importância política e social do ‘homestead act’ para a política de fronteiras praticada no século XIX pelos Estados Unidos. • Comparar a estrutura socioeconômica entre as regiões norte e sul dos Estados Unidos no período que antecede a guerra civil. • Relacionar o processo expansionista à deflagração da Guerra de Secessão. • Analisar os resultados políticos, econômicos e sociais da Guerra Civil norte-americana. • Estabelecer as relações de ruptura e de permanência da realidade norte-americana do século XIX com a conjuntura contemporânea. • Relacionar a Guerra Hispano-Americana às pretensões do imperialismo norte-americano. • Explicar as estratégias da política imperialista norte-americana nos países da América Latina praticadas entre o governo de Theodore Roosevelt e Woodrow Wilson. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 20 1/10/2010 16:47:11
  21. 21. 21 H S I • Caracterizar os fatores internos e externos responsáveis pelo processo de independências das colônias latino-americanas. • Distinguir o processo de independência do Haiti do conjunto separatista das colônias latino-americanas. • Caracterizar a condução do processo separatista das colônias hispano-americanas. • Justificar o processo de fragmentação política do território hispano-americano. • Descrever o contexto que favoreceu na hispano-América a emergência do caudilhismo. • Analisar as fases de consolidação dos Estados hispano-americanos. • Discutir os fatores que contribuíram para o processo de dependência econômica dos países latino-americanos. • Citar os principais conflitos fronteiriços entres os países latino-americanos ao longo do século XIX. • Estabelecer as relações de ruptura e de permanência da realidade latino-americana do século XIX com a conjuntura contemporânea. • Analisar e interpretar mapas, gravuras, linhas do tempo e textos históricos visando à compreensão dos conceitos apresentados por eles. Conceitos fundamentais: Destino Manifesto, política de fronteiras; missão civilizadora; Pan-americanismo; Caudilhismo; reformismo; independência e dependência; secessão; diplomacia; federalismo e centralismo; política externa; fragmentação política; guerra civil; imperialismo; nacionalismo; nação; expansionismo. SEMANA CONTEÚDO ESTRATÉGIAS DE ENSINO 1.a • A inserção da América no cenário econômico mundial: um estudo comparativo entre Es- tados Unidos e América Latina • Os Estados Unidos no século XIX: da política de fronteiras ao impe- rialismo • Análise da imagem da ferrovia norte-americana Illinois Central Rail Road e do texto de Eric Hobsbawn, explorando diferentes aspectos da realidade do continente americano no século XIX. • Exposição dialogada enfocando a afirmação do nacionalismo norte-americano. • Resolução com os alunos das atividades 01 e 02. • Leitura dialogada enfocando a ‘política de fronteiras’ adotada a partir do processo de independência dos Estados Unidos. • Análise e discussão a partir das imagens e do texto histórico apresentados. • Discussão sobre a conjuntura responsável pela Guerra Civil americana. • Análise e discussão a partir do mapa e dos textos apresentados. • Exposição dialogada sobre as estratégias de ação do imperialismo norte-americano. • Análise e discussão a partir do mapa e dos textos apresentados. • Resolução das atividades 08 a 10. 2.a • América Latina do século XIX: do processo de independência ao caudilhismo • De olho no vestibular • Aula expositiva dialogada sobre o processo de independência da América Latina. • Orientação para os alunos realizarem as atividades 11 a 16. • Discussão sobre a conjuntura política e econômica responsável pelo delineamento dos Estados hispano-americanos no decorrer do século XIX. • Análise do gráfico populacional relativo ao processo de imigração para os Estados Unidos no século XIX (Atividade 19). • Análise do quadro estatístico relativo à realidade entre norte e sul no momento que precede à Guerra Civil Americana (Atividade 20). • Análise e interpretação da charge sobre a ‘política do Big Stick’ no governo de Theodore Roosevelt (Atividade 21). • Análise e interpretação de texto sobre a relação do processo industrial e a independência da América Latina (Atividade 22). • Análise do fragmento da ‘Carta da Jamaica’ de Simon Bolívar (Atividade 23). • Aprofundamento do conteúdo analisado no capítulo a partir da resolução das questões de 24 a 38. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 21 1/10/2010 16:47:11
  22. 22. 22 H S I SeqUência 3 A imposição do modelo civilizatório europeu na África e na Ásia Tempo previsto: 2 semanas Objetivos específicos • Identificar as potências protagonistas do modelo civilizatório europeu na África e na Ásia. • Explicar os motivos responsáveis pela política imperialista praticada pelas potências europeias sobre as regiões afro-asiáticas. • Discutir o argumento apresentado pelas potências europeias para justificar a ação imperialista sobre as regiões afro-asiáticas. • Caracterizar as estruturas políticas e sociais das regiões afro-asiáticas no momento que precede a expansão imperialista europeia. • Apresentar as diferentes formas de resistência e luta dos grupos afro-asiáticos contra a expansão imperia- lista europeia. • Compreender a importância da Revolução Meiji para o processo de modernização política e econômica do Japão. • Interpretar mapas, gravuras, linhas do tempo e textos históricos visando à compreensão dos conceitos apresentados por eles. Conceitos fundamentais: missão civilizadora; darwinismo social; taipings; mandarins; boxers; sipaios; Böres; shogunato; Era Meiji; imperialismo; colônia; metrópole; expansionismo; capitalismo monopolista e financeiro; dominação; poder; cultura; divisão internacional do trabalho; exploração; dependência. SEMANA CONTEÚDO ESTRATÉGIAS DE ENSINO 1.a • A imposição do modelo civilizatório europeu na África e na Ásia • Ação imperialista: o far- do do homem branco • O domínio europeu so- bre a África: expansão e resistências • Análise das imagens e do texto de Eric Hobsbawn, que abrem a unidade e o capítulo, enfocando a expansão do capitalismo sobre as regiões afro-asiáticas e a leitura de mundo eurocentrista dessa realidade. • Exposição dialogada enfocando os objetivos e argumentos utilizados para a justificar a ação imperialista europeia sobre as regiões afro-asiáticas. • Análise e discussão dos textos históricos apresentados. • Aula expositiva dialogada sobre a estrutura política e social do continente africano no período que precede a ação imperialista europeia. • Análise do mapa, gravura e textos históricos apresentados. • Leitura dialogada enfocando as estratégias de dominação e resistência relacionadas à política imperialista sobre o continente africano. • Resolução, com os alunos, das atividades de 09 a 13. 2.a • O domínio europeu sobre a Ásia: expansão e resis- tências • De olho no vestibular • Leitura dialogada enfocando as estratégias de dominação e resistência relacionadas à política imperialista sobre o continente asiático. • Análise dos mapas, imagens e textos históricos apresentados. • Resolução das atividades de 14 a 17. • Análise e interpretação de textos relacionados às origens e estratégias do domínio europeu sobre os diferentes povos do planeta. • Análise e interpretação da charge relacionada à partilha imperialista. • Análise da tabela relativa ao domínio colonial das metrópoles europeias. • Aprofundamento do conteúdo analisado no capítulo a partir da resolução das questões de 22 a 35. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 22 1/10/2010 16:47:12
  23. 23. 23 H S I SeqUência 4 A Competição Imperialista e a Primeira Guerra Mundial Tempo previsto: 2 semanas Objetivos específicos • Identificar as questões de ordem nacionalista que favoreceram a eclosão do conflito. • Justificar a guerra como decorrência da competição imperialista e das rivalidades nacionalistas entre os estados europeus. • Caracterizar a constituição dos sistemas de alianças entre as potências daquele continente. • Comprovar, com fatos e dados, as explicações referentes ao estudo da I Guerra Mundial. • Compreender as mudanças geopolíticas provocadas pelo conflito sobre o continente europeu. • Comparar narrativas diferentes sobre o contexto histórico da I Guerra Mundial. • Discutir o valor das implicações do Tratado de Versalhes para a nação alemã. • Apontar, com base em fatos e dados, possíveis soluções para as questões atuais de ordem nacionalista que possam favorecer a superação de conflitos gerados por este tipo de motivação. • Posicionar-se a favor do entendimento diplomático para a negociação de questões que ameacem as relações internacionais na atualidade. • Participar de debates e atividades voltadas para estratégias que tenham como proposta o combate à violência. Conceitos fundamentais: Belle Époque; pangermanismo; paneslavismo; competição imperialista; capital excedente; revanchismo; paz armada; nacionalismo; xenofobia; diplomacia; conflito; nação; nacionalidade; diplomacia; expansionismo; militarismo; sistema de alianças; prosperidade. SEMANA CONTEÚDO ESTRATÉGIAS DE ENSINO 1.a • A competição imperia- lista e a Primeira Guerra Mundial • A Belle Époque: o re- trato da prosperidade europeia. • Sistema de Alianças: o prenúncio do conflito • A Europa e a Guerra: de Sarajevo ao Tratado de Versalhes • Análise da imagem, das questões/problemas e dos textos históricos que abrem o capítulo, enfocando as origens da I Guerra Mundial. • Leitura dialogada caracterizando a realidade europeia da ‘Belle Époque’. • Análise e discussão a partir das imagens e dos textos históricos apresentados. • Resolução das atividades 01 a 03. • Exposição dialogada abordando os reflexos da competição imperialista e da política de nacionalidades sobre a conjuntura política europeia. • Análise e discussão a partir dos mapas e dos textos históricos apresentados. • Orientação para os alunos realizarem as atividades 04 a 08. 2.a • A Europa e a Guerra: de Sarajevo ao Tratado de Versalhes • De olho no vestibular • Exposição dialogada enfocando os aspectos e resultados da Primeira Guerra Mundial. • Estudo sobre as cláusulas relacionadas ao Tratado de Versalhes. • Análise geopolítica da região da Alsácia-Lorena. • Análise da charge relacionando o Kaiser Guilherme à política imperialista. • Leitura de texto relacionado à Belle Époque. • Análise das estatísticas dos países europeus no período que antecede a eclosão da Guerra. • Aprofundamento do conteúdo analisado no capítulo a partir da resolução das questões de 14 a 24. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 23 1/10/2010 16:47:12
  24. 24. 24 H S I SeqUência 5 A Construção do Socialismo na Rússia Tempo previsto: 2 semanas Objetivos específicos • Analisar e interpretar mapas, quadros, gravuras e textos históricos, relativos à Revolução Socialista Russa, visando à compreensão dos conceitos apresentados por eles. • Analisar a estrutura política, econômica e social do império czarista no período anterior à revolução socialista. • Perceber a importância dos sovietes como órgão político de resistência dos trabalhadores russos contra o absolutismo do regime czarista. • Distinguir a estratégia política defendida pelos grupos bolchevique e menchevique. • Caracterizar os processos revolucionários de fevereiro e de outubro de 1917. • Identificar os motivos responsáveis pela eclosão da guerra civil de 1918–1921. • Comprovar, com fatos e dados, as explicações referentes ao estudo da Revolução Socialista Russa. • Analisar as diretrizes dos Planos Quinquenais e sua importância para a emergência da URSS como grande potência. • Comparar a proposta da “Revolução Permanente”, defendida por Trotsky, e a proposta da “Revolução em um só país”, defendida por Stálin. Conceitos fundamentais: sovietes; bolchevismo; menchevique; Duma; comunismo de guerra; revolução; revolta; socialismo; proletariado; capitalismo; socialismo; comunismo; guerra civil; czarismo; despotismo; Estado; governo teocrático. SEMANA CONTEÚDO ESTRATÉGIAS DE ENSINO 1.a • A Construção do socia- lismo na Rússia • Regime czarista: o re- manescente despótico • Do ensaio geral à Revo- lução Bolchevique • Análise da imagem, das questões/problemas e do texto histórico que abrem o capítulo, enfocando a discussão sobre as origens do processo revolucionário russo. • Leitura dialogada abordando o quadro socioeconômico do Império Czarista no período que antecede o processo revolucionário russo. • Análise e discussão com os alunos a partir do texto histórico apresentado. • Exposição dialogada enfocando a Revolução de 1905 e seus desdobramentos políticos. • Orientação para a resolução das atividades 03 e 04. • Leitura dialogada explorando as causas responsáveis pelas Revoluções de Fevereiro e de Outubro de 1917. • Resolução com os alunos das atividades 05 a 08. 2.a • Docomunismodeguerra aos Planos Quinquenais • De olho no vestibular • Aula expositiva dialogada explorando as características do comunismo de guerra e da Nova Política Econômica. • Leitura dialogada explorando as características dos Planos Quin- quenais e a polarização política envolvendo a sucessão de Lênin. • Análise e discussão a partir do mapa e dos textos históricos apresentados. • Resolução com os alunos das atividades 13 a 17. • Aprofundamento do conteúdo analisado no capítulo a partir da resolução das questões de 18 a 25. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 24 1/10/2010 16:47:12
  25. 25. 25 H S I SeqUência 6 A Crise da Ordem Liberal e a Segunda Guerra Mundial Tempo previsto: 2 semanas Objetivos específicos • Analisar e interpretar mapas, quadros, gravuras e textos históricos, relativos à Revolução Socialista Russa, visando à compreensão dos conceitos apresentados por eles. • Comprovar, com fatos e dados, as explicações referentes ao estudo do período Entre-Guerras. • Identificar os fatores responsáveis pela Crise Mundial de 1929. • Caracterizar o ‘American way of life’. • Analisar as medidas econômicas propostas por Roosevelt através do New Deal. • Discutir os desdobramentos internos e externos do processo de superprodução da economia norte-americana. • Avaliar a importância do intervencionismo econômico para a restauração da ordem capitalista norte-americana. • Identificar as origens dos movimentos nazifascistas a partir dos resultados decorrentes da I Guerra Mundial. • Perceber a emergência desses movimentos ao poder como uma estratégia apoiada pelos setores da burguesia italiana e alemã. • Compreender os fundamentos dos movimentos nazifascistas. • Descrever a emergência dos regimes nazifascistas europeus no período Entre-Guerras. • Estabelecer comparações entre os princípios defendidos pela ideologia nazifascista e outras correntes de pensamento. • Discutir o significado dos fundamentos do nazifascismo e suas implicações para a ordem liberal democrática. • Caracterizar a conjuntura política que favoreceu a ‘política de apaziguamento’no momento que antecede a eclosão da Segunda Guerra. • Justificar a guerra como decorrência da expansão militarista praticada pelas potências nazifascistas. • Comprovar, com fatos e dados, as explicações referentes ao estudo da Segunda Guerra Mundial. • Discutir os desdobramentos políticos e sociais da Segunda Guerra Mundial. • Avaliar a importância do papel da ONU para as relações internacionais na atualidade. • Posicionar-se a favor do entendimento diplomático para a negociação de questões que ameacem as relações internacionais na atualidade. • Participar de debates e atividades, voltadas para estratégias que tenham como proposta a defesa da soberania das nações, o desenvolvimento e o progresso da humanidade. Conceitos fundamentais: american way of life; era do jazz; era do rádio; fascismo; nazismo; corporativismo; política de apaziguamento; nacionalismo exagerado; expansionismo; totalitarismo; autoritarismo; militarismo; intervencionismo; capitalismo; socialismo; romantismo; liberalismo; racismo; holocausto. SEMANA CONTEÚDO ESTRATÉGIAS DE ENSINO 1.a • A Crise da Ordem Libe- ral e a Segunda Guerra Mundial • O Crack da Bolsa e o intervencionismo eco- nômico • O New Deal • Da marcha sobre Roma ao Putsch de Munique: as trilhas do totalita- rismo • Análise da imagem e das questões/problemas que abrem o capítulo enfocando a discussão sobre as origens da Crise da Ordem Liberal e da Segunda Guerra Mundial. • Aula expositiva dialogada abordando a realidade socioeconômica norte-americana no período anterior ao Crack da Bolsa de Nova Iorque. • Análise e discussão a partir da imagem e dos textos históricos apresentados. • Orientação para a resolução das atividades 01 a 03. • Leitura dialogada enfocando a implantação do New Deal e os seus respectivos desdobramentos. • Exposição dialogada explorando os fundamentos dos regimes fascistas e a sua ascensão na Itália. • Resolução das atividades 04 a 06 com os alunos. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 25 1/10/2010 16:47:12
  26. 26. 26 H S I SEMANA CONTEÚDO ESTRATÉGIAS DE ENSINO 2.a • Da marcha sobre Roma ao Putsch de Munique: as trilhas do totalita- rismo • De olho no vestibular • Aula expositiva dialogada abordando a emergência do nazismo na Alemanha. • Orientação para a resolução das atividades 07 e 08. • Leitura dialogada enfocando a expansão militar nazifascista no período que antecede a eclosão da Segunda Guerra Mundial. • Análise comparativa das fases e dos resultados da Segunda Guerra Mundial. • Resolução das atividades 09 a 12 com os alunos. • Análise das estatísticas da economia norte-americana. • Leitura de texto, explorando o conceito de socialismo para Hitler. • Análise da imagem alusiva à expulsão dos alemães do território francês. • Aprofundamento do conteúdo analisado no capítulo a partir da resolução das questões de 15 a 22. SeqUência 7 A Guerra Fria e a ameaça de um terceiro conflito mundial Tempo previsto: 2 semanas Objetivos específicos • Caracterizar o estilo de vida americano, os valores e a propagação da cultura de massa. • Analisar a realidade que contribuiu para a expansão do projeto socialista após a II Guerra Mundial. • Identificar as condições históricas responsáveis pela emergência do fenômeno definido como Guerra Fria. • Justificar os interesses da União Soviética e dos Estados Unidos no contexto da Guerra Fria. • Caracterizar as diferentes fases da Guerra Fria estabelecida entre as grandes potências. • Comprovar com fatos e dados as explicações referentes aos estudos do mundo pós-guerra. • Compreender o significado político das manifestações socioculturais de 1968, enfocando o seu caráter internacional e libertário. • Discutir os principais acordos políticos, militares e econômicos definidos a partir da realidade estabelecida pela Guerra Fria. • Avaliar a importância dos acordos de desarmamento nuclear e das reformas políticas defendidas por Gorbachev para a reaproximação entre as duas potências e a consequente superação da Guerra Fria. • Apontar, com base em fatos e dados, possíveis soluções para as questões atuais que envolvam as remanescentes questões da ordem bipolar ainda percebidas em regiões como a Coreia do Norte, Cuba e China. • Participar de debates e atividades, voltadas para estratégias que tenham como proposta a superação das barreiras ideológicas para o entendimento entre povos e nações. Conceitos fundamentais: american way of life; american dream; cultura de massa; Stalinismo; Guerra Fria; cortina de ferro; macarthismo; détente; movimento hippie; socialismo; comunismo; capitalismo; ideologia; Coexistência Pacífica; pop-art; indústria cultural. SEMANA CONTEÚDO ESTRATÉGIAS DE ENSINO 1.a • A Guerra Fria e a amea- ça de um terceiro con- flito mundial • Afirmação das superpo- tências: American way/ American dream • A expansão socialista • Um mundo bipolar: do acordo de Ialta ao ma- carthismo • Análise da imagem, das questões/problemas e do texto histórico que abrem o capítulo enfocando as origens da Guerra Fria. • Leitura dialogada abordando a afirmação dos EUA e da URSS como superpotências no pós-II Guerra. • Análise e discussão sobre o texto relativo à cultura de massa e à pop-art. • Reflexão sobre o regime Stalinista a partir da crítica de Nikita Krushev. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 26 1/10/2010 16:47:12
  27. 27. 27 H S I • Exposição dialogada abordando a Revolução Chinesa comandada por Mao Tsé-tung. • Leitura dialogada sobre o período da Guerra Fria clássica enfocando os acordos políticos, econômicos e militares desse período. • Análise e discussão com os alunos sobre a importância da propaganda na Guerra Fria. 2.a • Manifestações libertá- rias: da Coexistência Pacífica à détente • De olho no vestibular • Exposição dialogada sobre o período da Coexistência Pacífica enfocando a tentativa de aproximação diplomática e as crises que abalaram as relações entre as potências nesse período. • Realização com os alunos das atividades 06 e 07. • Exposição oral enfocando a pluralidade das propostas contidas nas manifestações libertárias ocorridas no bloco capitalista e socialista da Guerra Fria. • Reflexão sobre o Movimento pelos Direitos Civis nos Estados Unidos a partir do trecho do discurso de Martin Luther King (Atividade 08). • Exposição dialogada sobre a realidade política responsável pela supressão da Guerra Fria. • Realização com os alunos das atividades 09 a 12. • Aprofundamento do conteúdo analisado no capítulo a partir da resolução das questões de 13 a 22. SeqUência 8 A Independência das Colônias Afro-Asiáticas e os Movimentos de Inspiração Socialista Tempo previsto: 2 semanas Objetivos específicos • Caracterizar as condições históricas responsáveis pelo processo de independência das colônias afro-asiáticas. • Relacionar os interesses políticos das potências protagonistas da Guerra Fria no processo de independência das colônias afro-asiática. • Comprovar, com fatos e dados, as explicações referentes ao estudo da independência das colônias afro-asiática. • Analisar as estratégias propostas no contexto do processo de independência das colônias da região afro-asiática. • Analisar as condições históricas responsáveis pela emergência do conflito entre os árabes do território da Palestina e os judeus do Estado de Israel. • Discutir os princípios propostos pelos povos afro-asiáticos a partir da Conferência de Bandung. • Discutir o quadro político e econômico da África atual, relacionando-o às diversas heranças deixadas pelo secular domínio europeu na região. • Avaliar as realidades decorrentes do processo de descolonização a partir da análise de situações atuais. Conceitos fundamentais: Terceiro Mundo; Resistência Pacífica; apartheid; fundamentalismo; independência; descolonização; socialismo; capitalismo; nacionalismo; não alinhamento; Guerra Fria. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 27 1/10/2010 16:47:12
  28. 28. 28 H S I SEMANA CONTEÚDO ESTRATÉGIAS DE ENSINO 1.a • A independência das co- lônias afro-asiáticas e os movimentos de inspira- ção socialistas • Raízes do processo: do sentimento nacionalista à Conferência de Bandung. • Estratégias do processo: dos acordos diplomáti- cos às guerrilhas socia- listas • Oriente Médio: naciona- lismos e disputas terri- toriais • Análise das imagens e das questões/problemas que abrem o capítulo, enfocando as origens do processo de independência das colônias afro-asiáticas. • Exposição dialogada abordando os fatores políticos e ideológicos do processo de independência das colônias afro-asiáticas. • Análise e discussão sobre o texto relativo à Conferência de Bandung. • Resolução, com os alunos, das atividades 02 e 03. • Análise comparativa sobre as estratégias de independência operacionalizadas na Índia e no Vietnã. • Exposição dialogada sobre os conflitos do Oriente Médio enfocando os movimentos nacionalistas. • Leitura dialogada sobre a invasão anglo-americana sobre o Iraque. • Resolução com os alunos das atividades 04, 05 e 06. 2.a • A independência das colônias africanas • De olho no vestibular • Exposição dialogada sobre as estratégias de luta dos povos africanos, enfocando a atuação das guerrilhas nacionalistas. • Reflexão e debate sobre o texto relativo às reparações históricas sugeridas em relação aos povos da África. • Discussão sobre as origens do código do apartheid e a resistência ao regime de discriminação racial na África do Sul. • Análise e discussão sobre os problemas da África atual. • Elaboração do texto conclusivo relativo à independência das colônias afro-asiáticas e os movimentos de inspiração socialista. • Resolução com os alunos das atividades 10, 11 e 12. • Aprofundamento do conteúdo analisado no capítulo a partir da resolução das questões de 13 a 18. SeqUência 9 rumos políticos e econômicos do mundo contemporâneo Tempo previsto: 2 semanas Objetivos específicos • Analisar as reformas internas Glasnost e Perestroika, empreendidas por Gorbachev na URSS. • Explicar o processo de dissolução dos regimes socialistas no Leste Europeu. • Analisar o processo de liberalização econômica praticado na China. • Compreender a constituição dos megamercados como resultado da competição comercial estabelecida entre as grandes potências mundiais. • Analisar os fundamentos constitutivos da Nova Ordem Internacional, percebendo a globalização da economia como um processo historicamente definido a partir das Grandes Navegações. • Analisar os diferentes movimentos de resistência latino-americanas no decorrer do século XX. • Distinguir as propostas políticas e econômicas de Estado, adotadas no continente nas últimas duas décadas. Conceitos fundamentais: Glasnost; Perestroika; socialismo de mercado; Consenso de Washington; neoliberalismo; populismo; bolivarianismo; Nova Ordem Mundial; globalização; megamercado; bloco econômico; comércio internacional. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 28 1/10/2010 16:47:12
  29. 29. 29 H S I SEMANA CONTEÚDO ESTRATÉGIAS DE ENSINO 1.a • Os rumos políticos e econômicos do mundo contemporâneo • Gorbachev e as propos- tas para um socialismo democrático • Socialismo de mercado: um negócio da China • A nova ordem interna- cional • Análise das imagens, das questões/problemas e do texto histórico que abrem o capítulo, enfocando as origens da Nova Ordem Internacional. • Exposição dialogada abordando as reformas liberalizantes propostas por Gorbachev. • Análise e discussão sobre o texto relativo aos fundamentos da Perestroika. • Leitura dialogada, enfocando as estratégias econômicas adotadas pelo socialismo chinês a partir do governo de Deng Xiaoping. • Análise e discussão sobre o texto relativo à competitividade do produto chinês no mercado global. • Aula expositiva dialogada, destacando os pressupostos que fundamentam o processo de globalização econômica. • Análise e discussão sobre o texto relativo às condições técnicas e operacionais para o sucesso do atual processo de globalização. • Reflexão sobre a crise financeira global, enfatizando os elementos desencadeadores. • Análise e discussão sobre o texto relativo aos desdobramentos da crise financeira global. 2.a • Rumos da política e da economia da América Latina no século XX • De olho no vestibular • Aula expositiva sobre o histórico político do continente latino- americano ao longo do século XX. • Discussão sobre as características dos processos revolucionários vivenciados no continente ao longo desse período. • Resolução com os alunos das atividades 06 e 07. • Leitura dialogada caracterizando o quadro econômico da América Latina nas décadas de 1980 e 1990. • Análise e discussão sobre as características que aproximam e as que distanciam os governos de centro-esquerda, emergentes na América Latina, a partir do final da década de 1990. • Resolução com os alunos das atividades 08, 09, 10 e 11. • Aprofundamento do conteúdo analisado no capítulo a partir da resolução das questões de 12 a 18. SeqUência 10 Uma Nova República: o Governo Sarney Tempo previsto: 1 semana Objetivos específicos • Conhecer as forças políticas integrantes da Nova República. • Definir o conceito de “nova cidadania”. • Avaliar os dispositivos da Constituição de 1988. • Reconhecer a violência existente no Governo Sarney. • Definir “década perdida”. • Analisar as políticas de choque dos anos 1980. • Comparar os diversos planos econômicos adotados na Nova República, tendo como parâmetro o seu viés ortodoxo ou heterodoxo. • Avaliar a eficácia dessas políticas de choque. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 29 1/10/2010 16:47:13
  30. 30. 30 H S I Conceitos fundamentais: Nova República; Cidadania; Década perdida; Políticas de choque; sociedade civil; democracia e democratização; constituição; direitos e deveres; política econômica; plano econômico; ortodoxia e heterodoxia econômicas. SEMANA CONTEÚDO ESTRATÉGIAS DE ENSINO 1.a • Uma Nova República: o Governo Sarney • Inauguração da Nova República • O Governo Sarney • A Constituição de 1988 • A política econômica do Governo Sarney • Problematização do tema e apresentação dos conteúdos A inauguração da Nova República, O Governo Sarney e a Constituição de 1988. • Aula expositiva dialogada sobre o Governo Sarney e a Constituição de 1988. • Resolução em grupo dos exercícios 1 a 6. • Exposição dialogada sobre a década perdida. • Leitura em grupo do item Os anos 1980: as políticas de choque • Resolução dos exercícios 7, 08, 09, 10 e 13. • Debate em sala de aula sobre os planos econômicos do Governo Sarney: atividade 11. • Análise comparativa entre a crise econômica recente e a realidade econômica do Brasil na época do Governo Sarney e atividade da seção “Construindo habilidades e competências”. • Realização com os alunos das questões da seção “De olho no vestibular”. SeqUência 11 De Collor a Lula: a consolidação da ordem democrática no brasil Tempo previsto: 2 semanaS Objetivos específicos • Analisar as possibilidades da implantação do neoliberalismo ou da social-democracia na Nova República. • Contextualizar a campanha presidencial de 1989. • Identificar os pontos principais do Governo Collor. • Identificar as razões do impeachment de Fernando Collor de Mello. • Reconhecer novas formas de manifestação política da sociedade civil. • Avaliar o governo de Itamar Franco. • Caracterizar o perfil do governo de Fernando Henrique Cardoso, especialmente no que se refere à força do Executivo. • Avaliar os dois mandatos do Governo Luiz Inácio Lula da Silva. Conceitos fundamentais: Neoliberalismo; social-democracia; impeachment; caras pintadas; Poder Executivo; políticas de inclusão; globalização; corrupção; privatização de empresas; abertura econômica; desenvolvimentismo e monetarismo. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 30 1/10/2010 16:47:13
  31. 31. 31 H S I SEMANA CONTEÚDO ESTRATÉGIAS DE ENSINO 1.a • A campanha presiden- cial de 1989 • O Governo Collor • De Itamar a FHC • Problematização do tema • Exposição dialogada sobre a campanha eleitoral de 1989 e o Governo Collor. • Resolução com os alunos dos exercícios 1 a 3. • Leitura em duplas do texto “Fernando Collor: o fim de uma aventura”, seguida da discussão proposta na atividade 4. • Resolução em dupla dos exercícios 5 e 6. • Aula expositiva dialogada sobre o Governo Itamar. 2.a • De Itamar a FHC • O Governo Lula • Exposição dialogada sobre o Governo FHC (1.o e 2.o mandatos). • Orientação para os alunos fazerem em casa a atividade 7. • Leitura em duplas dos textos sobre o Governo FHC seguida da discussão proposta nas atividades 7 e 8. • Aula expositiva dialogada sobre a eleição e os governos de Lula. • Resolução em dupla dos exercícios 9 e 10. • Resolução do exercício 11. • Apresentação no data show sobre a CPI ou CMPI do Governo Lula. • Realização com os alunos das questões da seção “De olho no vestibular”. manual_pitagoras_história_3 ano.indd 31 1/10/2010 16:47:13
  32. 32. 32 Orientações didático-metodológicas Unidade - Europa e América no século XIX Capítulo 1 – O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX Professor, o capítulo, em sua estrutura, é apresentado de forma interativa; portanto, é necessário que se responda a todas as questões ao longo do texto na sequência apresentada pelo material. Dessa forma, o encaminhamento e a observância da leitura e a realização das atividades que intercalam o texto favorecerão a interlocução necessária para um processo mais efetivo de construção do conhecimento pelo aluno. Procure, sempre que possível, promover o debate, deixando claro para o aluno que não existem respostas prontas para todas as questões e é necessário que ele próprio elabore as suas respostas e se posicione quando solicitado. Estimule a análise das imagens inseridas no capítulo, como gráficos, gravuras, mapas, quadros, tabelas, etc., oportunizando novas formas de leitura e de interpretação do processo histórico pelo aluno. Professor, no sentido de possibilitar um maior envolvimento dos seus alunos com o tema analisado, solicite-lhes a construção de um mural coletivo e permanente para a fixação de textos pesquisados ou de textos produzidos por eles que demonstrem as situações de ruptura ou permanência com o presente. Estimule-os a pesquisar semanalmente, em revistas, jornais e Internet, textos, mapas, gráficos e charges que enriqueçam a análise por você desenvolvida em sala de aula. O capítulo 1 deste livro tem como tema central ‘O embate entre as correntes liberais e os socialismos no século XIX’. Na primeira seção do capítulo, ‘Problematização do Tema’, como elemento presente motivador, é apresentada a litogravura de Fredéric Sourrieu, alusiva a uma utópica marcha dos povos europeus em torno da estátua dos Direitos Humanos e da Árvore da Liberdade, e o texto de René Remond, enfocando o triunfo das forças liberais contra as prerrogativas restauradoras do Congresso de Viena. Estimule no aluno, com base nessa imagem e no texto apresentados, a atitude crítica e investigativa sobre os fatores que estimularam as revoluções liberais desse período. O século XIX na Europa compreende um elenco variável de manifestações políticas que expressa em seu conjunto os sentimentos, as bandeiras e reivindicações de diferentes grupos e projetos sociais. Influenciado culturalmente pela percepção romântica, o conjunto dessas manifestações expressou o desejo e a utopia de os diferentes povos europeus se organizarem, a partir dos fundamentados que regem os princípios da liberdade, da autodeterminação e dos direitos individuais. Inaugurado pelo caráter aristocrático e restaurador do Congresso de Viena, o século XIX testemunhou, inicialmente na Europa, a ação revolucionária burguesa que, a partir dos pressupostos liberais, sairá na defesa de regimes constitucionais que assegurem a afirmação do Estado de Direito. Paralelamente, as manifestações políticas agregaram o viés nacionalista, expondo a luta dos povos que, desde o Congresso de Viena, encontravam-se subjugados politicamente ao poder dos impérios centrais. Ao liberalismo burguês testemunhado nas revoluções de 1820, 1830 e 1848 contrapor-se-ão as doutrinas operárias, que, a partir do socialismo marxista e do anarquismo, proporão a luta contra a ordem burguesa e a construção de novos modelos de organização social fundamentados na supressão da divisão social entre os homens a partir da divisão igualitária da riqueza. Os processos de unificação italiano e alemão, concluídos a partir de 1870, coroarão a vertente nacionalista que permeou a ação revolucionária burguesa nas regiões subordinadas à tutela estrangeira. No nível econômico, ressalta- se o vínculo da vertente nacionalista italiana e alemã com as exigências definidas pelo processo de desenvolvimento daqueles reinos que se encontravam em progressiva fase de industrialização. Professor, ao explorar o subtítulo De Porto a Paris: a reação contra as determinações do Congresso de Viena, explore inicialmente a defesa da classe burguesa em favor dos regimes constitucionais. Enfoque, nas Revoluções de 1820 e 1830, a coexistência das vertentes liberal e nacionalista nos movimentos revolucionários desse período. Explore, nesse sentido, o documento sobre a independência da Grécia em relação ao domínio turco-otomano. Posteriormente, explore no movimento liberal ‘Jornadas Gloriosas’ o triunfo da burguesia francesa contra as determinações restauradoras do Congresso de Viena. Ao trabalhar o subtítulo Do ludismo ao anarquismo: a força das utopias transformadoras, explore os diferentes tipos de manifestações operárias decorrentes do processo de industrialização na Inglaterra. Professor, ao explorar o pensamento social reformista, enfatize o caráter filantrópico dessa corrente, rotulada pelos marxistas como socialismo utópico. É importante frisar que as expressões ‘socialismo utópico’ e ‘socialismo científico’ manual_pitagoras_história_3 ano.indd 32 1/10/2010 16:47:13
  33. 33. 33 H S I foram definidas pelos próprios marxistas para se referirem à produção intelectual anterior àquela por eles produzida. Hobsbawn fala sobre a emergência dessas propostas como ‘socialismos’. Nesse sentido, também é oportuna uma distinção básica sobre os conceitos relativos à doutrina, à ideologia, ao pensamento político dos movimentos sociais. Explore o princípio do cooperativismo bem como a sua importância e significado no contexto da ordem capitalista atual. Através da matéria jornalística ‘Santos do capitalismo – Multinacional da filantropia’, trabalhe a relação de permanências e rupturas, promovendo a interlocução do tema estudado com a atitude assistencialista de empresários contemporâneos. Explore nesse sentido as possíveis intenções que estimulam essa atitude. Ao explorar o socialismo marxista, discuta, com base nos textos históricos apresentados, a percepção marxista de história, enfocando o conceito de ‘Luta de classes’. Professor, é fundamental, ao se trabalhar esse tema, uma imparcialidade na condução de sua prática de ensino em sala de aula. Apesar da grandiosidade e inestimável contribuição da obra de Karl Marx para a análise política e econômica da sociedade capitalista, é necessário clareza para se assegurar em suas orientações uma percepção crítica e processual e não finalista ou determinista de História, minimizando aquilo que se rotula normalmente como vícios ou jargões da leitura marxista. A percepção de uma História que através da luta de classes caminha inexoravelmente para o estágio comunista de sociedade é hoje, no mínimo, uma postura relativizada. Professor, ao trabalhar na atividade 10 o trecho relativo ao Manifesto Comunista, é importante considerar que esse é um documento histórico de divulgação e combate do ideário socialista e seu conteúdo extrapola os termos mais imediatos do próprio texto. Enfoque no texto de Eric Hobsbawn o caráter de ‘revolução mundial’ atribuído às manifestações de 1848, caracterizando os diferentes matizes libertários do período. Ao explorar os fundamentos relacionados ao Catolicismo Social, destaque a questão da legislação trabalhista como forma de se assegurar a proposta da conciliação social, sugerida pela ‘Rerum Novarum’, entre os interesses do capital e do trabalho. Através das matérias jornalísticas relativas à presença do papa Bento XVI no Brasil, trabalhe a relação de permanência e ruptura, promovendo a interlocução do tema estudado com as atuais preocupações da Igreja Católica na conjuntura social e política do mundo contemporâneo. Destaque nesse sentido a influência da Teologia da Libertação sobre o clero latino-americano. Desconstrua, a partir do texto de Enrico Malatesta, o preconceito em relação ao termo anarquista, enfocando o seu significado e os principais pressupostos da doutrina. Por meio da matéria jornalística ‘Protesto anteontem terminou com 142 detidos’, trabalhe a relação de permanência e ruptura, promovendo a interlocução do tema estudado, enfocando as remanescentes manifestações ainda influenciadas pela proposta anarquista. No tema relativo às Internacionais Socialistas, explore as distinções entre as edições dos respectivos congressos. Por meio da matéria jornalística relacionada às comemorações do 1.o de Maio na Europa, trabalhe a relação de permanência e ruptura, promovendo a interlocução do tema estudado, enfocando a luta dos trabalhadores nos diferentes pontos do continente. Ao trabalhar o subtítulo Nacionalismos: a autodeterminação dos povos, explore as respectivas etapas do processo de unificação italiana e alemã. Relacione, em ambos os casos, as exigências definidas pelo processo de desenvolvimento dos reinos em fase de industrialização e as respectivas vantagens políticas e sociais para os protagonistas dos respectivos processos. Professor, explore, nesse momento, com o texto de Norberto Bobbio, o conceito moderno de nação e suas respectivas distinções na ótica de um cidadão medieval. Aprofunde, posteriormente, com o texto de Hobsbawn, as inúmeras e diferentes formas de controle dos cidadãos pelo Estado Nacional contemporâneo. Por meio da matéria jornalística ‘Kosovo tem apoio de potências ocidentais’, encerre o capítulo, trabalhando a relação de permanências e rupturas, promovendo a interlocução do tema relativo à autodeterminação dos povos com o recente processo de independência deflagrado pela província de Kosovo em relação ao domínio do Estado sérvio. Na seção ‘Construindo habilidades e competências’, você terá oportunidade, pela análise de textos históricos, matérias jornalísticas, imagens, gráficos, quadros, de explorar com os seus alunos diferentes aspectos abordados ao longo do capítulo. A última seção "De olho no vestibular" encerra o capítulo, permitindo o aprofundamento do tema analisado por meio da apresentação de questões objetivas e abertas de diferentes instituições de ensino. Filmes • A festa de Babette (Dinamarca, 1988) • A trilha (França, 1983) • Daens, um grito de justiça (Bélgica, 1991) manual_pitagoras_história_3 ano.indd 33 1/10/2010 16:47:13

×