Absolutismo mercantilismo

1.060 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.060
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
237
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Absolutismo mercantilismo

  1. 1. Absolutismo Monárquico Competências e habilidades: ❖ Valorizar a diversidade dos patrimônios etnoculturais e artísticos, identificando- os em suas manifestações e representações em diferentes sociedades, épocas e lugares. ❖ Construir e aplicar conceitos das várias áreas do conhecimento para a compreensão de fenômenos naturais, processos histórico-geográficos, produção tecnológica e manifestações artísticas.
  2. 2. Atividade / Compare: Sentidodopoder Sentidodopoder Explique e diferencie o poder centralizado e poder descentrali- zado
  3. 3. O Absolutismo foi a centralização despótica do poder nas mãos de um soberano.
  4. 4. “ L’ETAT C'EST MOI” – Luiz XIV
  5. 5. Características Gerais: Formação de um exército profissional; Imposição da justiça real; Centralização e unificação administrativa; Unificação do sistema de pesos e medidas; Arrecadação de impostos reais; Formação de uma burocracia;
  6. 6. Em síntese Absolutismo Definições da web: sistema governamental em que o poder é exercido de forma absoluta, sem oposição; tirania, despotismo; doutrina segundo a qual a moralidade é universal, a mesma para todos os indivíduos, em qualquer lugar, em qualquer período; princípio que afirma que a beleza está apenas no objeto observado, não ... http://pt.wiktionary.org/wiki/absolutismo Nova adequação do poder, conciliando parcialmente os interesses da tradicional nobreza e da nascente burguesia. Quando: aproximadamente entre os séculos XV e XVIII. (Transição entre o feudalismo e o capitalismo). ONDE: sobretudo na França Inglaterra, Portugal e Espanha. Obs: NOBREZA: burocracia administrativa (cargos) e privilégios (pensões e isenção de impostos). BURGUESIA: dinamização das atividades comerciais (unificação de moedas, leis, sistemas de pesos e medidas, conquista de mercados e eliminação de barreiras internas prejudiciais ao comércio).
  7. 7. Formação de uma burocracia Formação de um exército Arrecadação de impostos O povo é considerado súdito Concentração do poder político nas mãos dos reis; Absolutismo Unificação monetária
  8. 8. O Absolutismo na Inglaterra teve início com a centralização do poder na figura do monarca, na segunda metade do século XV, após a Guerra dos Cem Anos e a Guerra das Duas Rosas. Foi a dinastia Tudor (Henrique VII foi o primeiro monarca), que conseguiu obter, a partir de 1485, apoio do Parlamento inglês e da burguesia, favorecendo a formação do absolutismo na Inglaterra. Formação da INGLATERRA: em 1215, Constituição - Magna Carta, ao rei João Sem Terra, mas o poder foi centralizado em 1485, com o fim da Guerra das Duas Rosas: Dinastia de york - rosa branca, e Dinastia de Lancaster - rosa vermelha, esta vence e inicia a Dinastia Tudor - Henrique VIII. Absolutismo inglês
  9. 9. Guerra das Duas Rosas
  10. 10. Principais características do absolutismo na Inglaterra Centralização do poder nas mãos do monarca, que controlava a política, a justiça e a economia da Inglaterra. Controle do monarca sobre a religião. Henrique VIII rompeu com a Igreja Católica e criou a Igreja Anglicana. Luta entre as dinastias (famílias reais) pelo controle do poder.
  11. 11. Dinastia Tudor - Governou a Inglaterra entre os anos de 1485 e 1603. - O principal monarca desta dinastia foi Henrique VIII, que controlou o Parlamento inglês e, através do Ato de Supremacia (1534), tornou o anglicanismo a religião oficial da Inglaterra. - Elisabeth I, filha de Henrique VIII, deu um grande impulso ao mercantilismo na Inglaterra, tornando o país uma potência marítima-comercial. Durante seu reinado começou a colonização da América do Norte (regiões dos atuais EUA e Canadá). - A dinastia governou a Inglaterra de forma absoluta, mas manteve uma relação harmoniosa com o Parlamento, liderado pela gentry e pela burguesia; - Henrique VIII rompeu com a Igreja Católica e criou a Igreja Anglicana, com ritual católico e doutrina calvinista (puritana); - Maria I enfatizou a doutrina católica e perseguiu os calvinistas, que migraram para a América do Norte, dando início à expansão colonial inglesa; - Elisabeth I enfatizou a doutrina calvinista e perseguiu os católicos, que também fundaram núcleos de povoamento na América do Norte; - Com a morte de Elisabeth I, que não deixou sucessores, seu primo, Jaime I, rei da Escócia, assumiu o trono dando início à Dinastia Stuart.
  12. 12. - Henrique VII (1485-1509); - Henrique VIII (1509-1547); - Eduardo VI (1547-1553); - Maria I (1553-1558); - Elisabete I (1558-1603).
  13. 13. Dinastia Stuart -A dinastia era adepta da Teoria do Poder Divino dos Reis e acentuou o absolutismo na Inglaterra, entrando em choque com o Parlamento, dominado pela gentry e pela burguesia, que defendia a limitação do poder real; - Jaime I, com o objetivo de atrair a nobreza, prezou mais a doutrina católica do que a calvinista na Igreja Anglicana. A burguesia fundou a Igreja Presbiteriana; - Em 1628, durante o reinado de Carlos I, o Parlamento, visando limitar o poder real, determinou que o rei não poderia criar impostos, convocar o Exército e prender pessoas sem prévia autorização parlamentar. O rei fechou o Parlamento; - Em 1640, Carlos I convocou o Parlamento para conseguir recursos para a guerra contra a Escócia. O Parlamento aproveitou para reduzir os poderes monárquicos, proibindo o rei de dissolvê-lo. Carlos I declarou guerra ao Parlamento dois anos depois. - Governou a Inglaterra entre os anos de 1603 e 1714. - Um dos principais reis desta dinastia foi Jaime I, que governou entre 1603 e 1625. Conseguiu unir a Escócia com a Inglaterra. Teve grande apoio da nobreza, porém sofreu com a resistência do Parlamento. Utilizou a perseguição religiosa para impor o anglicanismo. - Filho de Jaime I, Carlos I foi outro importante rei absolutista inglês. Seu governo foi e 1625 a 1648. Buscando reduzir e controlar o governo deste monarca, o Parlamento entrou em conflito com ele. Carlos I dissolveu o Parlamento, como forma de restaurar os poderes absolutos da monarquia. Este conflito de poderes foi uma das principais causas da guerra civil que ocorreu na Inglaterra entre os anos de 1641 e 1649. Liderados por Oliver Cromwell, os opositores ao rei saíram vencedores. Carlos I foi executado a pedido do Parlamento, sepultando assim o absolutismo na Inglaterra.
  14. 14. - Jaime I (1603-1625); - Carlos I (1625-1649); - Carlos II (1660-1685); - Jaime II (1685-1688).
  15. 15. Absolutismo francês Foi na França que o absolutismo teve seu maior desenvolvimento. A frase "L'État, c'est moi" (“O estado sou eu”), que representa muito bem o poder do monarca absolutista, foi proferida pelo rei francês Luís XIV. O regime absolutista francês começou a se formar após o final da Guerra dos Cem Anos (1337-1453). Embora vencedora, a França encontrava-se desorganizada com vários sistemas jurídicos, privilégios e tradições. O rei surgiu como um elemento centralizador capaz de dar unidade política e econômica à França. O primeiro monarca a seguir a linha absolutista na França foi Luís XI, que usou vários esquemas para estender a sua autoridade a todos os territórios que formavam a França em meados do século XVI. No campo político, seu governo se pautou no sentido de afirmar sua autoridade diante dos direitos da nobreza e do clero (originários dos privilégios feudais). Se Luís XI é considerado o consolidador do Absolutismo na França, foi com Luís XIV que o regime atingiu seu auge. Conhecido como o “Rei Sol”, Luís XIV governou com autoridade absoluta, usufruindo, junto com a corte, de todos os luxos, poderes e privilégios possíveis. O absolutismo francês durou até 1789, quando a Revolução Francesa colocou fim ao regime absolutista no país.
  16. 16. Dinastia Valois Henrique II (1547-1559) Francisco II (1559-1560) Carlos IX (1560-1574) Henrique III (1574-1589)
  17. 17. Conflitos políticos tomados como guerras de religião (nobreza católica x burguesia calvinista). Francisco II: massacre de huguenotes com interferência estrangeira (apoio inglês aos huguenotes e espanhol aos católicos). Carlos IX: regência da mãe Catarina de Médicis / Edito de Saint Germain (pacificar e reunificar o país dando direito de culto aos huguenotes) / crescente influência do almirante Coligny (líder huguenote) sobre o rei / Catarina + duque de Guise (líder católico) X Coligny (atentado contra Coligny provocou a Noite de São Bartolomeu). Henrique III: Guerra dos Três Henriques (guerra civil) envolvendo Henrique III, Henrique de Guise (Liga Católica) e Henrique de Navarra e Bourbon (huguenote e pretendente ao trono).
  18. 18. Dinastia Bourbon Henrique IV (1589-1610 Luís XIII (1610-1643) Cardeal Richelieu (1624-1642) Luís XIV (1661 – 1715) Luís XV (1723-1774) Luís XVI (1774-1792)
  19. 19. Henrique IV: nomeação do Duque de Sully que incentivou as manufaturas e o comércio / firmou o Edito de Nantes que deu liberdade religiosa e igualdade política aos protestantes para acabar com as guerras religiosas (católicos x protestantes). Luís XIII: regência da mãe Maria de Médicis / supressão da Assembléia dos Estados Gerais / nomeação do cardeal Richelieu como primeiro ministro (controle sobre os protestantes e submissão da nobreza) / Guerra dos trinta Anos X os Habsburgos católicos ( Paz de Westfália deu à França Alsácia e Lorena e os bispados de Metz, Toul e Verdun) Luís XIV: regência da mãe Ana D´Áustria / ministro cardeal Mazarino venceu a Fronda (movimento parlamentar de nobres e burgueses que tentava questionar o poder real) / 1664 torna-se o Rei Sol / nomeação do ministro das finanças Colbert (artífice do mercantilismo francês = manufaturas de luxo) / revogação do Edito de Nantes / construção de Versalhes (domesticação da nobreza) / guerras externas ( prestígio militar). Luís XV e XVI: enfraqueceram política e economicamente o Estado
  20. 20. FILÓSOFOS E PENSADORES QUE “CRIARAM” TEORIAS PARA JUSTIFICAR O ABSOLUTISMO MONÁRQUICO TEÓRICOS DO ABSOLUTISMO
  21. 21. JEAN BODIN JACQUES BOSSUET NICOLAU MAQUIAVEL THOMAS HOBBES Os principais...
  22. 22. TEORIA DO DIREITO DIVINO Jurista francês; Perseguidor dos hereges/ “procurador do Diabo”; Escreveu “Seis livros da República”; Escreveu sobre Doutrina da Soberania do Estado; Monarca (rei/governante) é a autoridade máxima e faz as Leis, possuindo autoridade de pai. Tal autoridade vem de Deus (portanto, praticamente inquestionável). Jean Bodin
  23. 23. Jacques Bossuet Representante do Absolutismo de Direito Divino; O direito de governar a sociedade se dá por predestinação; O rei (monarca/governante) responde somente à Deus; Escreveu “Política Segundo a Sagrada Escritura” Frase representativa: “Um Rei, uma fé, uma Lei”.
  24. 24. Ética Política. “razão de Estado” acima de tudo. “os fins justificam os meios”. Virtú X Fortuna Virtú é o termo que define a possibilidade de fazer tudo o que for NECESSÁRIO, para a consolidação do poder. Fortuna é a sorte. “OS FINS JUSTIFICAM OS MEIOS” Nicolau Maquiavel
  25. 25. Thomas Hobbes  Escreveu "Leviatã“  Teoria do Contrato Social  Poder do Estado acima de tudo.  Estado serve para livrar a humanidade do caos e da anarquia.  “O homem é o lobo do homem”. “O Indivíduo cede seus direitos para o Estado, que garante a segurança da Nação” O HOMEM É O LOBO DO HOMEM
  26. 26. MERCANTILISMO Na economia...
  27. 27. “... Política econômica adotada na Europa durante o Antigo Regime... O Estado interferia muito na economia dos países. O objetivo principal destes governos era alcançar o máximo possível de desenvolvimento econômico, através do acúmulo de riquezas. Quanto maior a quantidade de riquezas dentro de um reino, maior seria seu prestígio, poder e respeito internacional ...”
  28. 28. Fases do Mercantilismo Século XVI Século XVI – prosperidade devido ao grande volume de ouro e prata da América Espanhola Revolução dos Preços. Século XVII – caracterizado por uma longa depressão/ corrida colonial/ disputas entre França e Inglaterra pela hegemonia econômica. Século XVIII – reativação da mineração/ Inglaterra tornou-se a única área central da economia.
  29. 29. Fundamentos Mercantilista: “... vender sempre, comprar as vezes ou nunca...”
  30. 30. Metalismo: Balança Comercial Favorável: Incentivo à Manufatura (produção manufatureira): Incentivo à construção naval: Política demográfica favorável: Protecionismo alfandegário: Colonialismo: Formação de Companhias de Comércio.
  31. 31. Metalismo: acumular riquezas (ouro, prata/ metais preciosos);  Balança Comercial Favorável: o comércio em escala mundial consolida-se por volta do século XVI, sendo o objetivo vender a maior quantidade de produtos possível, mantendo o lucro dentro das fronteiras “... o que contava era o saldo positivo nas relações comerciais...” ;  Incentivo à Manufatura (produção manufatureira): a manufatura é a forma básica de produção industrial da época. Trata-se de uma atividade essencial à política mercantilista, sendo, portanto, incentivada em larga escala por parte do Estado, tanto através de leis disciplinadoras do trabalho, como pela facilidade de aquisição de matérias-primas. Os altos preços dos produtos manufaturados no comércio internacional explicam a importância da atividade; Incentivo à construção naval: é outro ponto a ser destacado quando se analisam as práticas mercantilistas, devido a grande importância que o comércio marítimo assume. Também é fundamental destacar a importância das armadas nas defesas dos Estados e suas riquezas (exemplo: Inglaterra);
  32. 32.  Política Demográfica Favorável: Uma população numerosa significa maior segurança do Estado e, principalmente, mais produção, ou seja a visão capitalista e burguesa começará a entrar em conflito com os privilégios da nobreza, pois o ócio (não produção) típica dos nobres passará a ser um peso nessa sociedade mercantil que segue rumo á industrialização;  Protecionismo alfandegário: Prática de restrição de entrada de produtos estrangeiros, com isso os produtos fabricados teriam mais espaço de compra e venda nos mercados internos e externos  Colonialismo: O exclusivismo (exclusivo colonial ou MONOPÓLIO colonial) garantia e perpetuava a obtenção de grande lucro comercial, pois a região colonizada fornecia matérias-primas, especiarias e metais preciosos e comprava os produtos manufaturados com alto custo;  Formação de Companhias de Comércio: Em função da importância do comércio marítimo e da produção colonial, o Estado incentiva a formação de Companhias Privilegiadas de Comércio, beneficiadas por monopólios. Temos aí mais um elemento importante da política mercantilista, cuja dimensão torna-se ainda maior quando se lembra que durante a época de transição verifica-se a “acumulação primitiva de capital”.
  33. 33. Na prática ... Em cada país... Diferenças e Semelhanças
  34. 34. Fontes de pesquisa & aprofundamento http://slideplayer.com.br/slide/64525/# http://www.colegioacademia.com.br/admin/professores/arquivos_upl/7_aulas_35.pdf http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/mercantilismo/modalidades-de-mercantilismo.php http://perdidanahistoria.blogspot.com.br/2011/08/rosas.html http://aulas-de-historia.blogspot.com.br/2010/04/revolucao-inglesa.html http://www.authorstream.com/Presentation/Edenilson73-1478390-absolutismo-franc/

×