Dados da Indignação: Protestos de 2013, Redes Sociais e Copa do Mundo

5.516 visualizações

Publicada em

Trata-se de um conjunto de slides que revisam o trabalho do Labic em 2013, ao analisar as manifestações de junho, e apontam para as discussões em torno da potente rede do #NãoVaiTerCopa.

Esses slides foram apresentados em evento aberto na Câmara dos Deputados do Brasil.

Mais informações: http://labic.net

Publicada em: Educação
2 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.516
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.554
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
94
Comentários
2
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dados da Indignação: Protestos de 2013, Redes Sociais e Copa do Mundo

  1. 1. Dados da Indignação: protestos de 2013, redes sociais e Copa do Mundo Prof. Dr. Fábio Malini UFES :: LABIC http://labic.net Brasília, fevereiro de 2014
  2. 2. SOMOS REDES
  3. 3. O QUE É ESSA REDE???
  4. 4. Mais de 1,5 milhão de tweets sobre protestos
  5. 5. Estamos mergulhados numa tonelada de dados interativos
  6. 6. Dados públicos e históricos no Facebook, Twitter, Youtube, Instagram, Flickr, Blogs …
  7. 7. NÓS PRODUZIMOS DADOS SOBRE NOSSOS GOSTOS E POSIÇÕES POLÍTICAS DIARIAMENTE NA REDE.
  8. 8. QUAL É O PROBLEMA? COMO DAR SENTIDO A MILHÕES DE COMENTÁRIOS?
  9. 9. A resposta: fazendo ciência dos dados sociais. É extrair, minerar, processar e visualizar grandes volumes dados públicos da internet.
  10. 10. Na rede, pessoas e instituições são nós. E nós produzem relações, que são chamadas de arestas. Linhas vermelhas, verdes e azuis da imagem são relações (RTs).
  11. 11. Como extrair os dados? Em tempo real e de modo assíncrono.
  12. 12. O Que medir? Há muitos indicadores, tais como: • Centralidade. • Autoridade. • Conectividade. • Mediação. • Popularidade. • Intensividade. • Produção de comunidades.
  13. 13. Onde extrair? Em redes sociais, como Twitter, Facebook, Instagram, Linkedin, Flickr, Youtube, grupos de email. Mas também os dados que estejam armazenados em qualquer banco de dados.
  14. 14. Como extrair? A partir de ferramentas que são softwares, plugins e scripts, como NodeXL, NetVizz, Gephi.
  15. 15. Mas como visualizar e interpretar? O interessante do trabalho com big data é possibilidade de antecipar tendências e investigar com profundidade aspectos de associações, padrões de discursos e fatos sociais.
  16. 16. Um exemplo. O Termo Dilma no Twitter. Desde fevereiro de 2013 extraímos dados sobre a presidenta Dilma. São cerca de 2,5 milhões de tweets já armazenados.
  17. 17. Dilma e a posição dos atores sociais Dia 16 e 17 de junho. Variedade de tweets é visualizada. Dado evidente: não há bipolaridade política.
  18. 18. Dois desafios Entender quem são os grupos; os atores com mais capacidade de dispor perspectivas de pensamento/consumo; e minerar o conteúdo que dizem, para assim antecipar tendências.
  19. 19. Três redes. A de apoio a Dilma.
  20. 20. Três redes. A de oposição a Dilma.
  21. 21. Três redes. A independente da oposição e da Dilma.
  22. 22. Exemplo de Variedade de Palavras no dataset sobre Dilma.
  23. 23. Exemplo de Variedade de hashtags no dataset sobre Dilma.
  24. 24. Podemos analisar também redes sobrepostas. É o caso da análise que fizemos de quatro redes políticas: PT, PSDB, Anonymous BR e Passe Livre SP.
  25. 25. FACEBOOK: páginas, grupos e perfil
  26. 26. FACEBOOK: páginas, grupos e perfil
  27. 27. FACEBOOK: páginas, grupos e perfil
  28. 28. FACEBOOK: páginas, grupos e perfil
  29. 29. HÁ VÁRIAS “ATUALIDADES” EM UMA AÇÃO COLETIVA EM REDE.
  30. 30. Sábado 15/06/2013 21:00 23:59.
  31. 31. Domingo 16/06/2013 00:01 07:00
  32. 32. Domingo 16/06/2013 07:01 13:00
  33. 33. Domingo 16/06/2013 13:00 19:00
  34. 34. Domingo 16/06/2013 19:00 00:00
  35. 35. Segunda 17/06/2013 0:01 07:00
  36. 36. Segunda 17/06/2013 07:00 13:00
  37. 37. Segunda 17/06/2013 13:00 19:00
  38. 38. Segunda 17/06/2013 19:01 00:00
  39. 39. Sábado, 15 21:00 | Segunda, 17
  40. 40. A COMOCÃO ACELERA AS CONVERSAS NA INTERNET. E LOGO CONVERSAS SE TRANSFORMAM EM PAUTAS POLÍTICAS. NÃO HÁ INTERMEDIÁRIOS. SÓ REDES ATUANDO
  41. 41. #VEMPRARUA 15 de junho a 30 de outubro de 2013 10.814 grupos
  42. 42. 15 de junho a 30 de outubro de 2013 575.000 tweets
  43. 43. A VELOCIDADE E VOLUME : CRIADORAS DE ACONTECIMENTOS NA REDE
  44. 44. 15 de junho a 30 de outubro de 2013 319.393 usuários únicos
  45. 45. A VARIEDADE: CRIADORAS DE PERSPECTIVAS E PONTOS DE VISTA
  46. 46. 15 de junho a 30 de outubro de 2013 136.122 links distintos
  47. 47. naovaiterCopa # Compartilhamento de conteúdo no Twitter
  48. 48. naovaiterCopa # Tweets por dia
  49. 49. #links mais compartilhados
  50. 50. 1o Meme mais replicado na rede #NaoVaiTerCopa #link 01
  51. 51. 2o Meme mais replicado na rede #NaoVaiTerCopa LINK #2
  52. 52. #memes Mensagens de textos mais viralizados
  53. 53. RT @jose_simao: O único motivo q eu encontro pra não ter Copa: "Jennifer Lopez, Pitbull e CLAUDIA LEITE interpretarem música tema da Copa"
  54. 54. RT @blogkatia: Os brasileiros honestos repudiam a Copa do mundo de 2014! #naovaitercopa http://t.co/oTOsUrprYe -
  55. 55. RT @kallilolv: Toda vez que alguém dizer que #NaoVaiTerCopa responda com essa imagem: http://t.co/SwVtgdSADz
  56. 56. RT @SenhorSatanas: Do que depender do inferno #naovaitercopa mesmo.
  57. 57. RT @zorzanelli: Ja que #naovaitercopa, vamos desmontar os estádios e usar o aço pra fazer um Megazord gigante e combater o imperialismo. amém.
  58. 58. Usuários Mais mencionados na rede #NãoVaiTercopa
  59. 59. TODA REDE POSSUI PERSPECTIVAS. A topologia da rede revela posicões. No caso de redes de mobilização, relações revelam posições políticas.
  60. 60. Rede Geral #NaovaiterCopa O Que dizem as perspectivas (manchas coloridas)?
  61. 61. O que diz essa perspectiva?
  62. 62. Apesar da Copa do Mundo ter sedes em diferentes estdos brasileiros, é o governo federal o alvo da perspectiva (vermelha) que agita o #NãoVaiTerCopa É bom lembrar que a tag #CopaPraQue mobilizou milhares de conteúdos entre junho e 2013. E o #NãoVaiTerCopa é uma derivação dos movimentos, que continuam indignados contra os gastos e as políticas (de remoções) para que a Copa ocorra.
  63. 63. Setores da Imprensa e governo Dilma são os alvos principais dos protestos. Interessantes como comunidades de hashtags se intercruzam conectando o o #NaoVaiTerCopa a protestos na Venezuela e Ucrânia. Demonstração de penetração de causas globais.
  64. 64. DISPUTA DE PERSPECTIVAS “VANDALISMO"
  65. 65. O que diz a perspectiva azul?
  66. 66. O #NaoVaiTerCopa ou o #VaiTerCopa viraram memes que possuem perspectivas em disputas
  67. 67. Outras redes perspectivistas ndalismo e suas relações na re
  68. 68. O Que diz essa perspectiva vermelha sobre vandalismo?
  69. 69. Para essa rede, os conflitos de rua são feitos por pessoas que destroem a propriedade (pública e privada)
  70. 70. VAMOS VER UMA OUTRA REDE, A AZUL.
  71. 71. A rede das identidades coletivas das ruas.
  72. 72. NESSE CASO, ESSA É UMA OUTRA PERSPECIVA, A RUA É O LUGAR QUE SE TEM A OCUPAR QUANDO OS CANAIS DE DIÁLOGO DO ESTADO COM A SOCIEDADE CIVIL ESTÃO RESTRITOS. PARA ESSA REDE, VÂNDALO É O ESTADO.
  73. 73. 3. TODA IMAGEM COMPARTILHADA POSSUI UM PONTO DE VISTA DE GRUPOS NAS REDES.
  74. 74. Perspectivismo e tecnopolítica: criações e co-criações no campo dos memes visuais. SCRIPT metadados de imagens Script de Imagens em Links compartilhados IMAGE CLOUD :: nuvem de imagens compartilhadas
  75. 75. Vocabulário #VemPraRua
  76. 76. As imagens são memes com ponto de vista de grupos nas redes. As imagens produzem comoção, contendo então um tempo de atualização. As imagens demonstram cenas, que podem ser estudadas, a partir da noção de “memetização da cena”.. Image Cloud, ferramenta do Labic para identificação das imagens que se viralizam em redes de ação coletiva.
  77. 77. Muito Obrigado! E até breve! Prof. Dr. Fábio Malini UFES :: LABIC http://labic.net

×