Psicologia resumo (1)

883 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
883
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Psicologia resumo (1)

  1. 1. Teoria da Administração cientifica Esta teoria teve origem na Revolução Industrial, esta troce um novo sistemaprodutivo, a industrialização, existiam máquinas rudimentares e havia uma fracahabilidade dos trabalhadores no manejamento das máquinas. A medida que as maquinasiam evoluindo empregavam-se mais trabalhadores mas não qualificados, com tarefassimplificadas. A tentativa de racionalizar a mão-de-obra, de substituir métodosrudimentares de trabalho por métodos científicos deu-se o nome de organizaçãocientífica do trabalho. Taylor foi o primeiro a fazer a abordagem científica do trabalho, este constatouque a produtividade era baixa então concluiu que sendo o operário responsável pelaorganização do seu trabalho sem receber qualquer orientação perde muito tempo everificou que os trabalhadores que realizavam trabalho suplementar não recebiamqualquer contrapartida, não tendo assim motivação para aumentarem a produção. Taylor preocupa-se com a organização científica do trabalho e a necessidade deincentivos salariais, a satisfação dos trabalhadores aumenta a produtividade eprosperidade da empresa. A organização racional do trabalho assenta em dois aspectos fundamentais: 1. Estudo dos tempos e dos movimentos => A organização científica do trabalho baseia-se na decomposição das tarefas, as tarefas são de tal forma simplificadas que podem ser aprendidas por mão-de-obra não qualificada. Tem por objectivo determinar o tempo médio que um operário normal demora a realizar a tarefa obtendo assim o tempo padrão que consideram como um instrumento básico de racionalização do trabalho. Vantagens: -permite eliminar movimentos inúteis e o desperdício de esforço humano -torna a selecção do pessoal mais racional -estabelecimento de normas bem delimitadas -permite maior especialização e aumento da eficácia do operário. São estabelecidos padrões de desempenho das tarefas, o administrador podeavaliar a eficiência do operário comparando o desempenho real com o padrão dedesenvolvimento 2. Divisão do trabalho => As tarefas são individualizadas, os postos de trabalho estão separados no espaço para evitar as comunicações inúteis, permitindo recompensar os operários mais activos. A especialização do operário e a divisão técnica do trabalho encontrou aplicação na linha de montagem. Este sistema foi aplicado nos países em fase de industrialização. A sequência ordenada de postos de trabalho constitui o chamado trabalho em cadeia.Conceito de homem económico => Segundo a teoria da Administração Cientifica amotivação do homem para o trabalho é exclusivamente material, o trabalhador sódesenvolverá o máximo esforço na produção se for materialmente recompensadoatravés de incentivos salariais e prémios de produção 1
  2. 2. Condições de trabalho Os aspectos relacionados com o arranjo material do local de trabalho sãofactores que podem contribuir para o aumento ou diminuição da capacidade de esforço. Esta teoria defende as seguintes condições de trabalho: -melhoria do ambiente físico do trabalho -disposição das máquinas -os instrumentos de trabalho ajustados a tarefa As condições de trabalho são preocupação da empresa, não tanto por sevalorizar o bem-estar físico do operário, mas por se considerar um importante factorde eficiência.Linha de montagem => Henry Ford, influenciado por Taylor, concebeu adecomposição de fabrico de automóveis em fases simples e repetitivas. Assim, osoperários aprendiam rapidamente qualquer tarefa. Ford veio introduzir uma alteração revolucionária deixou o operário de se moverde carro para carro e sim os carros moverem-se de lentamente de operário para operárioem que cada operário colocava lentamente as peça, surgindo a linha de montagem. Aadministração é que decidia a velocidade de funcionamento não havendo qualquernegociação porque os sindicatos estavam proibidos. A linha de montagem é quemarcava o ritmo da fábrica e poucos trabalhadores aguentavam, Ford decidiu pagarsalários mais elevados e dar-lhes uma percentagem dos lucros para evitar a rotatividadedos trabalhadores.Estrutura organizacional => Taylor concluiu que a aplicação dos seus princípios sóseria viável se fosse acompanhada se fosse acompanhada de uma estrutura geral daempresa Taylor defende uma repartição de responsabilidades: -a administração compete o planeamento das tarefas e métodos de produção,bem como a supervisão do processo produtivo -Aos operários compete a execução pura e simples do trabalho Taylor defende que a especialização dos operários seja acompanhada daespecialização dos supervisores. Taylor privilegia a estrutura funcional (existem supervisores especializados emsertãs áreas, com autoridade funcional sobre os seus subordinados, cada operário recebeorientação de vários chefes) Vantagens desta estrutura: -melhor supervisão técnica e maior eficiência no desempenho de cada cargo. -maior rapidez nas comunicações -formação de quadros intermédios mais rápida e fácil Desvantagens desta estrutura: -as orientações que um subordinado recebe de vários supervisores podem serdiferentes e ate contraditórias, que gera conflito. -falta de visão do conjunto da organização por parte dos especialistas das áreaspode levar à competição e divergência de objectivos. 2
  3. 3. Princípios da Administração Cientifica => Taylor pretendia definir princípioscientíficos para a administração das empresas. Tinha por objectivo resolver osproblemas que resultam das relações entre os operários como consequência modificam-se as relações humanas dentro da empresa, o bom operário não discute as ordens, nemas instruções, faz o que lhe mandam fazer. Os quatro princípios fundamentais da administração Científica são: 1. Princípio do planeamento 2. Princípio da preparação dos trabalhadores 3. Princípio do controlo 4. Princípio da execuçãoApreciação CriticaCriticas a teoria da Administração de Taylor: 1. Concepção mecanicista da administração => Esta teoria é considerada a teoria da máquina, estuda os tempos e os movimentos, a especificação das tarefas e cargos, ao aumento da produtividade, esquecendo-se do elemento humano. 2. Excessiva especialização do trabalho => Os artesãos qualificados são transformados em simples peças de uma máquina, ao reduzir o número de atribuições de cada operário nega-lhes a oportunidade de conhecer o processo produtivo como um todo. 3. Concepção atomista do ser humano => Taylor considerou o operário isolado do grupo, trabalhando como um apêndice da máquina, ignorando-o como ser humano e social. Não considera as relações dos operários, esqueceu a importância dos grupos informais na organização. 4. Ausência de comprovação => Taylor constata evidências, observando comportamentos relativos às tarefas dos operários, a sua análise é uma abordagem empírica. 5. Abordagem de sistema fechado => Taylor visualiza apenas o que se passa dentro da empresa como se ela fosse um sistema fechado, não tem em conta o ambiente em que a organização esta inserida. 3
  4. 4. Teoria Clássica da AdministraçãoOrigem desta teoria Henri Fayol vai desenvolver uma teoria que visa aumentar a eficiência dasempresas através da organização e da aplicação de princípios de administração.Enquanto Taylor observava os operários a trabalhar, Fayol reflectia sobre oscomportamentos que deveriam ser seguidos para se atingir uma boa práticaadministrativa. Segundo Fayol, os gestores valorizavam apenas o trabalho técnico,esquecendo-se de administrar as fabricas. Para Fayol, uma empresa de qualquer dimensão distinguem-se seis funções: 1. Função técnica => Actividade relacionada com a produção de bens e serviços. 2. Função comercial => Actividade relacionada com a compra e venda de produtos. 3. Função financeira => Actividade relacionada com a obtenção e aplicação de capitais. 4. Função de segurança => Actividade relacionada com a protecção dos bens, propriedades e pessoas que trabalham na empresa. 5. Função de contabilidade => Actividade que envolve o registo, cálculos de custos/lucros, Balanços, Inventários, Estatísticas… 6. Função administrativa => Actividade que se refere a coordenação de todas as outras funções. Fayol considera que todas as funções descritas são interdependentes efundamentais para o funcionamento de uma empresa mas vai dar importância à umaactividade em especial, a administrativa. A profissão de administrador surge, assim,como uma necessidade das organizações a medida que estas vão aumentando. As funções básicas administrativas são: 1. Previsão => Implica uma avaliação do futuro da empresa no sentido de se atingirem os objectivos. 2. Organização => Vai mobilizar os recursos, materiais e humanos necessários a execução dos planos da empresa. É necessário organizar matérias-primas, mão- de-obra, capitais. 3. Comando => Tem o objectivo de dirigir os trabalhadores. 4. Coordenação => Tem por objectivo de assegurar que os recursos e actividades da organização são os mais adequados para atingir os objectivos definidos. 5. Controlo => Tem por objectivo verificar se o programa adoptado pela empresa está a ser cumprido 4
  5. 5. Princípios da administração Fayol enuncia catorze princípios que deviam servir de modelo para a acção dosadministradores das empresas: 1. Divisão do trabalho 2. Autoridade e responsabilidade 3. Disciplina 4. Unidade de comando 5. Unidade de direcção 6. Subordinação do interesse individual ao bem comum 7. Remuneração 8. Centralização 9. Hierarquia 10. Ordem 11. Equidade 12. Estabilidade de pessoal 13. Iniciativa 14. Espírito de equipa Fayol concebe a organização exclusivamente no seu aspecto formal, ou seja, nomodo como as diferentes partes que a compõem se dispõem e se relacionam. Fayol vai se preocupar com a estrutura da organização em que a organização dotrabalho é tanto mais eficiente quanto mais elevada a divisão do trabalho. A divisão do trabalho deve ser feita segundo os níveis de autoridade eresponsabilidade, assim, quanto mais elevado é o nível na hierarquia, maior é aresponsabilidade e a autoridade, isto designa-se por cadeia de comando e cadeiaescalar. Fayol privilegia a organização linear, Baseada na unidade de comando edirecção e na centralização da autoridade. Esta estrutura apresenta as seguintes vantagens:  Estrutura simples e de fácil implementação  Rigorosa delimitação das atribuições e responsabilidades E as seguintes desvantagens:  Rigidez e inflexibilidade, que dificultam a adaptação a situações novas e às rápidas mudanças da sociedade moderna  Possibilidade do comando único se tornar autoritário  O facto de os chefes ao acumularem o poder de decisão se tornarem generalistas e não se especializarem em nada  As demoras e distorções a que as comunicações estão sujeitas, por terem de obedecer a escala hierárquica Para alem dos órgãos de linha estão previstos outros órgãos que prestamserviço especializado ou de assessoria, órgãos de staff. Estes órgãos que apoiam,aconselham, orientam, dentro da sua área de especialização, os órgãos de linha, nãopossuem autoridade de comando. 5
  6. 6. Este tipo de organização procura reunir as vantagens e reduzir as desvantagensda estrutura linear e funcional. • Apresenta como principal vantagem o facto de combinar a unidade de comando com a especialização. • E o inconveniente de possibilitar a existência de conflitos entre os órgãos de staff e os outros órgãos, quando os órgãos de staff interferem nas linhas de autoridade dos órgãos a que dão apoio.Apreciação CriticaCriticas a teoria Clássica da Administração de Fayol: 1. A inexistência de fundamentação científica das concepções => Não existe fundamentação experimental dos métodos e técnicas estudados por Fayol, os princípios que este apresenta carecem de uma efectiva investigação, não resistindo ao teste de aplicação prática. 2. Concepção limitada da organização => Esta teoria encara a organização só no seu aspecto formal. Os comportamentos dos indivíduos e os conflitos que existem em todas as organizações não são objecto de uma abordagem sistemática, por Fayol. A organização é reduzida a um esquema lógico, regulado por um conjunto de normas que devem de ser seguidas. Os princípios da administração aparecem como um guia a ser seguido pelos administradores em qualquer empresa. 3. Organização como um sistema fechado => A organização é vista como um sistema fechado, sem ter em conta as relações que se estabelece no exterior e que determinam a sua vida interna. 6
  7. 7. Teoria das Relações HumanasOrigem desta teoria Esta teoria surge na década de 30 nos EUA como uma alternativa as anterioresteorias. O grande desenvolvimento tecnológico vai alterar radicalmente ofuncionamento das fábricas surgindo um novo estilo de vida novos comportamentossociais resultam desta situação de prosperidade. Mas com o passar dos anos vai-sedemonstrar a fragilidade desta prosperidade. É numa situação sócio económica marcadapor uma profunda crise no desenvolvimento das ciências Humanas e sociais, e nafalência das correntes anteriores que se podem encontrar as origens profundas destateoria. Esta teoria valoriza os aspectos psicológicos e sociológicos no interior daorganização. Os psicólogos vão determinar as características humanas exigidas paracada tarefa, construindo instrumentos que permitam medir cientificamente ascapacidades dos trabalhadores: -os testes. Os psicólogos vão se debruçar sobre os processos de selecção de pessoal e deorientação profissional, assim, os psicólogos vão-se preocupar com o indivíduo, com assuas características pessoais e com o contexto de trabalho. Os estudos desenvolvidospor Kurt Lewin sobre os grupos vão influenciar decisivamente as concepções de Mayo.Uma nova atitude face ao trabalho (experiência de Hawthorne) Em 1927, o Concelho Nacional de Pesquisa dos EUA realizou uma experiêncianuma fábrica de equipamentos de componentes telefónicos. Esta experiência orientadapor Mayo, tinha por objectivo determinar a relação entre a produtividade e a iluminaçãodo local de trabalho. A investigação decorreu em 4 fases e concluiu-se que os operáriosdesenvolveram um sentimento de solidariedade dentro do grupo, considerado comodelator aquele que prejudicasse um companheiro e pressionam os mais rápidos abaixarem o seu ritmo de produção. Da experiência de Hawthorne podemos retirar as seguintes conclusões:  A produção não é determinada pela capacidade fisiológica do empregado, mas pela sua integração social no grupo de trabalho  O comportamento dos trabalhadores é influenciado pelas normas e valores desenvolvidos pelos grupos em que participam.  A empresa era encarada como uma organização social composta por diversos grupos informais, que definem as suas próprias regras de comportamento, suas crenças e expectativas.Os fundamentos da teoria das Relações Humanas O nível de produção depende do factor humano e social a atenção deve sercolocada nas pessoas e não nas tarefas. A capacidade de produzir mais e melhordepende do grau de interacção do indivíduo no grupo, assim a produtividade dependequer da atitude do trabalhador face ao trabalho e da natureza do grupo a que pertence. Importância dos grupos informais => Na teoria Clássica da Administração otrabalhador era encarado como um apêndice da máquina integrado em grupos formais,assim Hwthorne vem mostrar que os operários não agem isoladamente as suasactividades são determinadas pelos valores, normas dos grupos a que pertencem. Osgrupos informais satisfazem necessidades de apoio ligado ao ser humano, no interiordestes grupos existem regras que os indivíduos assimilam. Os grupos informais estãomuitas vezes em oposição a organização o que cria conflitos pelo o que o gestor tem deconhecer os grupos informais. 7
  8. 8. A natureza da fadiga => A fadiga reside no facto da monotonia das tarefas,executadas sempre da mesma forma.Conceito de homem social => Considera que os trabalhadores são pessoas complexas,com sentimentos, com aspirações, com necessidades que são satisfeitas através dosgrupos com os quais interagem. A teoria das Relações Humanas contrapõe o comportamento social dostrabalhadores à concepção de Taylor, que considerava que o desempenho das tarefasera motivado apenas pelos estímulos salariais, conceito de Homem Económico. Mayo considera que os operários são personalidades complexas ediferenciadas.Funções Básicas da Organização COMPONENTES DE UMA ORGANIZAÇÃO COMPONENTES DE UMA ORGANIZAÇÃO Organização técnica Organização humana ou social Organização humana ou social Organização técnica (elementos humano) (elementos materiais) (elementosmateriais) (elementos humano) (elementos humanos (elementos humanos Edifícios Edifícios Trabalhadores Trabalhadores Máquinas Máquinas Supervisores Supervisores Matérias-primas Matérias-primas Administradores Administradores As inteirações que se produzem no interior das organizações dão origem a umaorganização humana que é uma organização social. Organização Organização Técnica Social A empresa tem duas funções distintas: 1. Função económica => Consiste em produzir bens e serviços para o exterior, procurando um equilíbrio externo. 2. Função social => Procura o equilíbrio interno através da satisfação dos indivíduos que nela se integram.Liderança e comunicação => O estilo de liderança democrática é o que mais se adequaàs concepções da Teoria das Relações Humanas pois preocupa-se com os problemas dostrabalhadores e com os problemas do trabalho, encorajam a participação e estimulam ogrupo. A principal tarefa da administração seria formar chefes democráticos,persuasivos, sensíveis aos problemas dos subordinados. A comunicação é um aspectoimportante da actividade administrativa, o principal objectivo da comunicação éproporcionar aos trabalhadores a informação necessária para compreenderem as tarefasque têm de executar. 8
  9. 9. Apreciação CriticaCriticas a teoria das Relações Humanas de Mayo: 1. Limitação do campo experimental => Foram colocadas algumas reservas à forma como a experiência foi conduzida e às conclusões a que chegou: • O campo de investigação ficou reduzido às fábricas • O facto da investigação ter decorrido num empresa pode ter comprometido a imparcialidade do estudo. • Não foi conseguida uma situação experimental rigorosa. • Mayo valorizou a observação e recolha de dados 2. Uma visão inadequada dos problemas das relações industriais => Esta teoria manipulava os trabalhadores, impondo-lhes atitudes e comportamentos, sem que eles tivessem consciência, o que o administrador pretende é não defender os reais interesses dos operários. Os aspectos materiais eram desvalorizados a administração consegue evitar as reivindicações salariais e os conflitos de interesses entre superiores e subordinados. 3. Sobrevalorização da organização informal => Segundo estudos recentes a relação entre o aumento da produtividade e a coesão do grupo nem sempre se verifica, pode acontecer que o grupo não esteja motivado para atingir os objectivos da empresa ou se volte contra a direcção. 9
  10. 10. Teoria da BurocraciaOrigens desta teoria A teoria da Burocracia desenvolveu-se na década de 40, como resultado daconjugação de diversos factores: • As criticas feitas às teorias de Taylor e Fayol, consideradas como mecanicistas. • A constatação de que uma teoria da administração deveria ter em conta as diferentes variáveis envolvidas • Exigência de um modelo teórico de administração mais ajustado, capaz de responder às novas necessidades. • Um modelo de funcionamento aplicável a qualquer tipo de organização. Burocracia define-se como uma forma de organização humana baseada naracionalidade e na eficiência Para Max Weber, a cada tipo de sociedade corresponde um tipo de autoridade.Existem três tipos de autoridade a que correspondem três padrões de autoridade: 1. Autoridade Tradicional => Tem o poder baseado na tradição e nos costumes. 2. Autoridade Carismática => Tem um poder que é legitimado pelo carisma dos lideres. 3. Autoridade de tipo legal, racional e burocrática => fundamenta a sua legitimidade nas normas e regulamentos aceites quer por superiores quer por subordinados.A racionalidade do modelo Burocrático A racionalidade é apontada como um conceito-chave da teoria da burocracia.Uma organização é racional se escolher os meios adequados para atingir os objectivos. O modelo burocrático tem as seguintes características: 1. Carácter legal das normas e regulamentos => As normas são escritas com o objectivo de garantir uma interpretação unívoca, conferindo aos superiores um poder que lhes permite impor disciplina e garantir obdiencia por parte dos subordinados; 2. Carácter formal das comunicações => As comunicações entre os diferentes órgãos é feita por escrito de modo a proporcionarem uma interpretação rigorosa e assegurarem a sua comprovação. 3. Carácter racional e divisão de trabalho => Cada pessoa tem um cargo específico com atribuições bem definidos e esta divisão do trabalho baseia-se na racionalidade. 4. Impessoalidade nas relações => A cada cargo são atribuídas competências e responsabilidades que devem ter continuidade independentemente das pessoas que as ocupam; 5. Hierarquia de autoridade => Todos os cargos são definidos por regras escritas, tendo os funcionários a obrigação de cumprir todas essas regras; 10
  11. 11. 6. Rotinas e procedimentos => As actividades que cada funcionário desempenha devem estar regulados por normas técnicas que indiquem os procedimentos e rotinas que devem executar; 7. Competência técnica e meritocracia => As pessoas são escolhidas com base na competência técnica e no mérito e não por razões particulares. Os critérios para admitir pessoal são objectivos racionais e universais e são aplicados através da realização de provas, exames, concursos. 8. Especialização dos participantes => Os administradores e dirigentes devem ser profissionais especializados na gestão e não os seus proprietários ou accionistas. 9. Profissionalização dos participantes => Os funcionários de uma organização são especializados em determinadas tarefas inerentes ao cargo que ocupam, ocupam um cargo como meio de subsistência e é o superior Hierárquico que decide nomear, promover ou demitir os subordinados. 10. Completa previsibilidade do funcionamento => Tudo é previsto antecipadamente e regulado através de normas escritas, logo, os comportamentos dos membros da organização são previsíveis.Vantagens da burocracia: 1. Racionalidade => Os objectivos da organização são atingidos através da escolha dos meios mais adequados. 2. Rapidez nas decisões => A organização burocrática tem os cargos bem definidos então os canais de comunicação são facilmente escolhidos para circular rapidamente a informação. 3. Uniformidade de rotinas e procedimentos => A organização funciona de acordo com regras escritas que permitem estabelecer padrões de actuação 4. Continuidade da organização => As pessoas entram e saem da organização mas o cargo permanece. 5. Redução dos conflitos entre as pessoas => As responsabilidades estão bem delimitadas, o que diminui a possibilidade de conflito. 6. Confiança nos negócios => As decisões são tomadas de acordo com regras conhecidas, sendo previsíveis e casos semelhantes são tratados da mesma maneira 7. Vantagens para as pessoas que trabalham na organização => As vantagens da divisão técnica do trabalho são a especialização em tarefas determinadas, hierarquia formalizada e ascensão em funções de competência e mérito.Disfunções da burocracia: 1. Excesso de formalidade => Verifica-se um excesso de papeis que pode muitas vezes conduzir à ineficiência. 11
  12. 12. 2. Resistência a mudança => Os funcionários tendem a resistir a mudança pois vêem-na como ameaça ao seu posto de trabalho. 3. Despersonalização do relacionamento => O carácter impessoal da burocracia tem como consequência um relacionamento despersonalizado entre os funcionários. As pessoas não se tratam pelos nomes mas pelos cargos quem ocupam. 4. Rigidez nos comportamentos => Os funcionários limitam-se a cumprir o que esta estabelecido nas normas esquecendo-se dos objectivos globais da organização, perdendo a iniciativa e a capacidade de criar. 5. Exibição de símbolos de estatuto social => A necessidade de exibir a sua posição hierárquica dos funcionários leva por vezes a utilização de símbolos, como o uniforme.Apreciação Critica Criticas a teoria da burocracia de Max Weber: A organização burocrática é demasiado racional, não estimula a criatividade dostrabalhadores, que cumprem rotinas e regulamentos e não se sentem identificados comos objectivos da organização. Weber, Taylor e Fayol consideraram a organização como uma máquinadestinada a desempenhar tarefas, esquecendo que nela trabalham pessoas comsentimentos e motivações. Pressupõe o funcionamento das organizações como se fossem sistemas fechados,como se elas não estivessem integradas num determinado contexto externo queinfluencia as suas actividades. 12
  13. 13. Abordagem ComportamentalOrigens da abordagem Comportamental da administração A partir da década de 50 surge a Abordagem Comportamental da Administraçãocomo resposta ao modelo burocrático, pois este não se ajustava as mudanças rápidas queestavam a acontecer nas organizações. No centro desta abordagem esta ocomportamento do ser humano nas organizações, o centro da reflexão e análise desloca-se da estrutura para as pessoas.Noção de comportamento O estudo do comportamento passaria pelo estabelecimento das relações entre oestímulo (qualquer elemento do meio) e a resposta (a reacção). A abordagem comportamental tem a sua a sua origem na correntecomportamentalista, segundo a qual o comportamento humano depende:- Do meio-ambiente – é possível elaborar programas que melhorem a vida dos seres humanos- Da situação – boas condições terão como resultado comportamentos desejáveis O ser humano é produto do meio em que se encontra inserido A Abordagem Comportamental da Administração interessa-se pelocomportamento organizacional, pelo comportamento das pessoas no trabalha, esta vemcriticar o carácter rígido e mecanicista quer das teorias clássicas quer da teoria daburocracia. A Abordagem Comportamental integra varias teorias que apresentam propostasde funcionamento das organizações, baseadas nas potencialidades do ser humanoenquanto personalidade com características e competências especificas, capaz de semotivar para o trabalho desde que estimulado pelo meio, estes têm contudo aspectoscomuns dos quais:  A ênfase dada ao comportamento dos indivíduos nas organizações  A influencia do meio, do contexto organizacional, no comportamento do individuo  A importância da motivação e da satisfação das necessidades humanas  A importância do grupo como variável que determina o comportamentoO comportamento organizacional A organização é um sistema que oferece incentivos aos trabalhadores e recebecontribuições dos trabalhadores. E estará em equilíbrio se:  A organização corresponder aos objectivos pessoais daqueles que nela trabalham  As pessoas desempenharem adequadamente as tarefas que lhes são atribuídas Vários autores designam por processo de reciprocidade. A motivação humana é uma das componentes determinantes docomportamento, são as necessidades que orientam o comportamento de forma a suasatisfação (para a Abordagem Comportamental, a motivação é um dos temas maisimportantes), é decisivo para o administrador conhecer as necessidades dostrabalhadores e compreender o que os leva a agir de determinada maneira. 13
  14. 14. Teoria de Maslow Maslow partiu da caracterização das necessidades humanas e hierarquizou-assegundo níveis de importância e influência no comportamento. Maslow representou asua concepção através de uma pirâmide em que na base se situariam as necessidadesmais elementares e no topo as necessidades mais elevadas. 1. Necessidade de auto-estima 2. Necessidade de estima 3. Necessidade de Afecto e de Pertença 4. Necessidade de Segurança 5. Necessidades FisiológicasTeoria dos dois factores de Herzberg Herzberg, tomando como base os resultados de uma pesquisa sobre as atitudesno trabalho formulou a chamada teoria dos dois factores. Concluiu que os dois factores que influenciam o comportamento das pessoassão:  Factores de satisfação ou de motivação  Factores de insatisfação ou de manutençãoFactores de Satisfação ou de Motivação Factores de Insatisfação ou de Manutenção - O trabalho em si - Política de administração - Realização - Salários - Reconhecimento - Condições de trabalho - Progresso - Benefícios sociais -Responsabilidade - Relações interpessoais Para aumentar a motivação e o desempenho acima do nível médio, torna-senecessário um enriquecimento das tarefas.Estilos de Administração McGregor considera que o funcionamento das organizações é determinado pelocomportamento dos indivíduos que as integram. McGregor opõe um estilo de administração tradicional, aplicada pelosdefensores das teorias de Administração Cientifica, Clássica e da Burocracia, ao estilode administração decorrente da abordagem Comportamental. McGregor deu o nome de Teoria X as concepções tradicionais e a que se lheopõe Teoria Y. 14
  15. 15. Teoria X Os seus defensores encaram a administração como meio de dirigir os esforços eactividades das pessoas, de modificar os seus comportamentos com o objectivo desatisfazer as necessidades da empresa.Teoria Y A Teoria Y concebe um estilo de administração democrático, aberto, queencoraja as pessoas a participa, e desenvolver as suas capacidades intelectuais nointerior da organização. São as oportunidades para participar que possibilitam o autodesenvolvimento e a auto-realização dos operários. Uma das prioridades do administrador devera ser compatibilizar os objectivos daorganização com os objectivos dos operários.A organização como um sistema cooperativo Barnard chama a atenção para o facto de que as pessoas no interior dasorganizações não trabalharem de forma isolada. A cooperação é o elemento central daorganização. Barnard faz a distinção entre os objectivos da organização e os objectivos dosoperários. A forma como os incentivos são avaliados é subjectiva. Não há um modelo único de cooperação, varia de indivíduo para indivíduo. A organização é um sistema que tem de receber, para alem de oferecer. Estadualidade é muitas vezes geradora de conflitos, pelo o que cabe ao administradordesenvolver a cooperação no interior da organização de forma a criar condições paraque cada indivíduo seja em simultâneo eficaz e eficiente. Para que o operário aceite uma ordem é necessário que estejam presentes 4condições: 1. Que o operário compreenda a ordem 2. Que o operário seja capaz de a cumprir 3. Que o operário considere a ordem compatível com os objectivos da organização 4. Que o operário considere a ordem compatível com os seus objectivosTeoria da decisão Simon encara a organização como um sistema de decisões, este vai chamar aatenção para o processo de decisão. No interior da organização, em todos os níveis hierárquicos, as pessoas decidem.Processo decisorial => considera que o tipo de decisões que são tomadas no interior daorganização depende da situação: Elementos do processo decisorial: • O indivíduo que decide • O objectivo que o indivíduo pretende atingir • Os critérios que orientam a opção a tomar • Meios escolhidos para atingir o objectivo • A situação em que o individuo se encontra inserido • Resultado da decisão 15
  16. 16. O indivíduo que decide tem características próprias e únicas que afectam aforma como ele interpreta a situação, logo ta muito dominado pela subjectividade dequem decide. Etapas do processo decisorial: 1. Conhecer a situação e definir o problema 2. Formular alternativas 3. Avaliar as alternativas e escolher as mais satisfatórias 4. Levar a pratica a alternativa escolhida Contudo, considera-se que o processo é marcado por uma racionalidadelimitada, pois o sujeito decide de acordo com o seu quadro de valores e opiniões.Tipos de decisão As decisões programadas são tomadas de acordo com uma regra. As decisões não programadas acontecem quando o problema que surge não éfrequente.Apreciação critica  Surge um novo conceito de homem, o Homem é dotado de características próprias com capacidade para aprender e adaptar os seus comportamentos a fins elevados e eficazes  Surge um novo conceito de poder, o homem, não age mais eficazmente se for controlado  Os valores democráticos substituem os anteriores sistemas. Alguns autores põem em causa as teorias da motivação de Maslow e Hezberg,considerando que não estão validas cientificamente. É dada demasiada importância às motivações pessoais no contexto da situaçãode trabalho Na teoria da decisão, de Simon consideram que são esquecidas as inter-relaçõespessoais implícitas no acto de decidir. 16
  17. 17. Abordagem sistémicaAs origens da Teoria dos Sistemas Esta teoria surge como uma reacção a excessiva especialização das ciências noinício do século. A teoria sistémica das organizações apoia-se na Cibernética e na Teoria Geraldos Sistemas desenvolvida por Bertalanffy aplicada as ciências e à administração.Conceito de sistema => Um sistema é um conjunto de elementos interdependentesorganizados em função de um objectivo. A Teoria dos Sistemas pressupõe os seguintes princípios:  Globalidade  Organização  AberturaTipos de sistemasQuanto a constituição podem ser:  Sistemas físicos => São constituídos por equipamentos, máquinas, objectos.  Sistemas abstractos => São constituídos por ideias, conceitos, hipóteses, teorias.Quanto à natureza podem ser:  Sistemas fechados => São aqueles que estão desligados do mundo exterior não trocado com o ambiente nem matéria nem informação.  Sistemas abertos => São os que estão em permanente interacção com o ambiente: trocam energia, matéria.A Abordagem Sistémica das organizações Katz e Kahn contribuíram para o estudo das organizações numa perspectivasistémica, estes consideram que as teorias clássicas são abordagens inadequadas dasorganizações porque são encaradas como sistemas fechados, oscilando as concepçõesentre a ênfase no indivíduo e a ênfase na estrutura.As organizações como sistemas abertos Para Kahn, as organizações são sistemas abertos porque importam energia,materiais, informação do meio externo, de outras organizações, de pessoas, do meioambiente (input). No seu interior processam e transformam os recursos provenientes doexterior em produtos acabados, serviços, etc., que são depois exportados para o exterior(output).O ciclo de vida das organizações As organizações, tal como os organismos vivos, nascem, crescem, deterioram-see morrem. A morte de uma organização pode assumir várias formas: - A empresa pode ser absorvida por outra - Empresa pode ser integrada numa multinacional 17
  18. 18. - Um serviço pode acabar, sendo os seus trabalhadores transferidos ou integrados noutro localA organização como sistema de papeis Numa organização cada indivíduo ocupa um determinado lugar à qualcorrespondem um conjunto de actividades, tarefas e comportamentos, a que designamospor papéis (Os papeis são comportamentos exigidos a todas as pessoas quedesempenhem determinada função). O que caracteriza uma organização é a sua acção,que resulta das funções exercidas pelas pessoas. A função é constituída por expectativas, pressões e resistências. O sistema de funções envolve três grupos de variáveis:1º Factores organizacionais – expectativas ligadas a cada função relativamente àtecnologia, aos procedimentos e politica de organização, etc.2º Atributos das pessoas – relaciona-se com a personalidade do indivíduo, os seusvalores e a sua motivação para o trabalho.3º Factores interpessoais – se na relação domina a confiança, o comportamento traduz-se na aceitação da função mas se domina o antagonismo, o comportamento caracteriza-se pela resistência face à função.Conceito de homem Funcional => A abordagem dos sistemas baseia-se no conceito dehomem funciona, o homem ao exercer certas funções cria expectativas relativamenteaos outros baseadas nos papéis que elas desempenham.O clima e a cultura das organizações A cultura organizacional é o conjunto de valores partilhados numa organização. A cultura e clima da organização desempenham um importante papel na vida dasorganizações porque mobiliza as energias dos seus membros para atingir um fimcomum, pelo o que orienta os comportamentos em torno de um conjunto de normas epapeis e a eficiência da organização.A corrente sociotécnico => A organização sociotécnica considera a organização comoum sistema composto por dois subsistemas: - Subsistema técnico – composto por equipamentos, instalações, tarefas a realizar, disposição do ambiente físico - Subsistema social – formado por pessoas, com suas características físicas e psicológicas, por relações sociais. A organização é uma combinação de tecnologia e relações sociais, os doissubsistemas são interdependentes, influenciam-se reciprocamente. Ao considerar a organização como um sistema aberto em interacção constantecom o seu ambiente, parte-se do pressuposto de que toda a organização “importa” domeio matérias-primas, equipamentos, pessoas, utiliza estas “importações”transformando-as através de um processo de “conversão” em “exportações”, ou seja“produtos” que serão colocados no exterior. A organização eficiente considera não só as “importações” de matérias-primas,recursos financeiros, equipamentos, subsistema técnico, mas também as importações dosubsistema social, expectativas, normas, valores, das pessoas que nele trabalham. 18
  19. 19. O subsistema técnico varia muito de organização para organização. A tecnologiautilizada numa fábrica de automóveis é diferente da de uma fábrica têxtil ou de umhospital. Conclusões: Podemos dizer que a noção de sistema aberto sociotécnico tem em contasimultaneamente o ambiente da empresa, os elementos técnicos e sociais. Incide sobre ocarácter relativo da situação da organização, visto que uma evolução na tecnologia, noambiente, ou nos valores sociais dos empregados pode provocar alterações queimpliquem processos de mudança e novas formas de organização do trabalho.Apreciação Critica Criticas a teoria da Abordagem sistémica Podemos apontar como principal vantagem da abordagem sistémica o dar relevoàs relações da organização com o seu meio Ambiente. Alguns autores criticam estaperspectiva considerando-a demasiado abstracta, na medida em que não apresentaaplicação prática para o funcionamento das organizações, não há receitas que sirvampara todas as organizações. 19
  20. 20. Teoria da contingênciaContingência => eventualidade, algo que pode acontecer ou não, algo incerto,duvidoso.Esta teoria surge na década de 70 e reconhece que não se atinge a eficiênciaorganizacional através de um único modelo organizacional, sendo necessário encontrarum modelo apropriado a cada situação concreta. Conclui-se que diferentes ambientes ediferentes contextos, implicam diferentes estruturas.Os Fundamentos da Teoria da Contingência Esta teoria considera que a organização depende do ambiente e da tecnologia. Existe uma relação funcional entre o ambiente tecnológico (variávelindependente) e as características organizacionais (variáveis dependentes).Ambiente organizacional O ambiente é todo o universo que envolve a organização e é do ambiente queelas retiram a informação e os recursos necessários ao seu funcionamento e é tambémnesse ambiente que elas depositam os bens e serviços que produzem. Para simplificar a análise do ambiente podemos distinguir o ambiente de tarefae o ambiente geral.  Ambiente de tarefa => É o ambiente particular de cada organização e é constituído por: - Fornecedores –> De matérias-primas, equipamentos, recursos financeiros, recursos humanos. - Clientes –> Utilizadores das saídas da organização. - Concorrentes –> Organizações que utilizam os mesmos recursos e/ou produzem os mesmos bens ou serviços - Entidades reguladoras –> _Outras organizações que regulam a sua actividade, por exemplo: sindicatos, associações patronais, etc.  Ambiente geral => É o conjunto de condições e factores semelhantes para todas as organizações, este é constituído por: - Variáveis tecnológicas – Obrigam as organizações a adaptarem-se as novas tecnologias para manter o seu nível de competitividade. - Variáveis económicas – são variáveis que condicionam o funcionamento de uma organização. - Variáveis políticas – Podem dificultar ou facilitar as actividades da organização. - Variáveis legais – As leis que regulam o mercado de trabalho, o comercio, a qualidade dos produtos. - Variáveis socioculturais – Influenciam quer as condições de mercado de bens e serviços quer o mercado de trabalho. - Variáveis ecológicas – As condições físicas, demográficas são factores que afectam as organizações. - A dimensão internacional – As politicas económicas dos países são factores que determinam a vida das organizações. 20
  21. 21. Tecnologia => Envolve o numero de conhecimento sobre como fazer as coisas, édesignado como Know-how. A tecnologia permite a transformação das entradas (inputs)em produtos ou serviços que são colocadas no exterior – saídas (outputs). A tecnologia incorporada nos bens físicos da corresponde ao conceito deHardware. A tecnologia não incorporada pode estar registada em documentos queasseguram a sua conservação e transmissão nas pessoas que detêm determinadosconhecimentos A tecnologia pode ser encarada sob dois pontos de vista:  Tecnologia como variável ambiental – faz parte do ambiente externo, influencia de fora para dentro.  Tecnologia como variável organizacional – faz parte do sistema interno da organização constitui um recurso próprio que vai influenciar os outros recursos. Foi realizada uma investigação para relacionar a tecnologia com modelosorganizacionais adoptados pelas empresas, tendo sido identificados três tipos deprodução:  Produção unitária – produção baseada nos pedidos dos clientes, de produtos únicos, utiliza mão-de-obra qualificada e utiliza uma variedade de ferramentas.  A produção em massa – Produção de grandes quantidades de produtos semelhantes, utiliza maquinas e ferramentas em locais fixos e operários pouco qualificados.  A produção em processo contínuo – utiliza máquinas e ferramentas automatizadas, poucos trabalhadores qualificados. Conclusões desta pesquisa: • A tecnologia é a variável do ambiente externo que determina a estrutura e o modelo de funcionamento das organizações; • O modelo organizacional a adoptar deve ser escolhido em função da complexidade tecnológica do processo produtivo • As empresas mais eficientes são as que adoptam uma estrutura organizacional semelhante à do padrão médio do sistema produtivo a que pertencem. Actualmente a tecnologia esta relacionada com alguns aspectos da estrutura daorganização, a complexidade do descentralização e controlo.Conceito de Homem Complexo => Considera que são muitas as variáveis quedeterminam o comportamento dos indivíduos nas organizações, assim é praticamenteimpossível estudar uma variável separada das outras.Os níveis organizacionais A abordagem da contingência salienta que não existe uma única e melhormaneira de administrar e organizar. Tudo depende de desafios externos, característicasambientais, e desafios internos, tecnologia utilizada. 21
  22. 22. Para enfrentar estes desafios a organização estrutura-se em três níveis: • Nível institucional – Neste nível são tomadas as decisões estratégicas e definidos os objectivos (directores, proprietários) • Nível intermédio – Neste nível procuram-se os recursos necessários ao funcionamento da organização e coloca-os no exterior. • Nível operacional – Neste nível é desenvolvido todo o trabalho necessário a produção dos bens e serviços produzidos As organizações são Sistemas Abertos porque contactam com o ambiente elidam com a incerteza através do nível institucional. As organizações são Sistemas Fechados, ao nível operacional, porquefuncionam com programas e procedimentos estandardizados, com previsibilidade.Apreciação Critica Criticas a teoria da contingência: É uma abordagem essencialmente ecléctica (que escolhe o que lhe parecemelhor) e integrativa, porque absorve conceitos das diferentes teorias administrativas,mostrando que nada é absoluto (independente) Considera que não há um método ideal valido para todas as situações, mas umavariedade de alternativas, sendo uma a mais apropriada para determinada situação. 22
  23. 23. Teoria Neoclássica 23

×